Não sou suficientemente inteligente!

654 visualizações

Publicada em

A nossa vasta inteligência não se mede com um teste de Q.I, assim como não se revela através da análise do nosso dossier escolar. As maiores provas de nossa genialidade são as nossa ideias e convicções quanto ao que desejamos ser, concretizar e atrair para a nossa vida. Se fores capaz de conhecer uma coisa, então o simples facto de a visualizares, aliado ao desejo de a concretizar na realidade, basta para ativar o teu génio. VISITA NOSSO BLOG EM: http://livre.brunopatricialima.com

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
654
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Não sou suficientemente inteligente!

  1. 1. NÃO SOU SUFICIENTEMENTE INTELIGENTE! Power By: Bruno Lima
  2. 2. A nossa vasta inteligência não se mede com um teste de Q.I, assim como não se revela através da análise do nosso dossier escolar. As maiores provas de nossa genialidade são as nossa ideias e convicções quanto ao que desejamos ser, concretizar e atrair para a nossa vida. Se fores capaz de conhecer uma coisa, então o simples facto de a visualizares, aliado ao desejo de a concretizar na realidade, basta para ativar o teu génio.
  3. 3. Se achas que é impossível ser incluído na categoria dos génios, terei de te perguntar com insistência: porque não? Tu provéns do mesmo campo de intenção infinita que todos os seres que alguma vez existiram. As tuas ideias serão inferiores ou mesmo susceptíveis de serem concretizadas neste mundo material?
  4. 4. Embora uma parte de ti se agarre à desculpa: <<Não sou suficientemente inteligente>> , uma parte reconhece esta verdade. Quando declaras: <<Nunca fui suficientemente inteligente>>, estás na realidade a dizer: <<Aceitei uma definição segundo a qual a inteligência se mede a partir do que os membros da minha família e os meus educadores me foram transmitidos>>. Sabendo que não é possível medir a inteligência nem limitá-la, deve encorajar-se em lugar de se dirigir mensagens desanimadoras extraídas do teu passado.
  5. 5.  Assim que estiver pronto para injetar paixão e perseverança na tuas ideias, reencontrarás o génio que habita em TI.  Se subscreveres que a ideia de que esta desculpa se justifica porque o teu cérebro não está à altura, toma em consideração as conclusões:  No livro Train Your Mind, Change Your Brain (Treine a sua mente, Mude o seu Cérebro) escrito por Sharon Begley.  Ele afirma sobre a capacidade que o nosso cérebro tem de mudar, não com a ajuda de medicamentos, mas pela simples força de vontade:
  6. 6. <<O acto consciente de refletirmos de uma maneira diferente sobre os nossos pensamentos altera, por si só, os circuitos cerebrais que realizam essa reflexão [...]>> e <<A capacidade que o pensamento e a atenção têm para modificar fisicamente o cérebro repercute uma das mais notáveis hipótese do budismo: que a vontade é a força física real capaz de transformar o nosso cérebro>>.
  7. 7.  Por conseguinte, mesmo que queiras invocar o pretexto de que o teu cérebro é quimicamente deficiente, já sabes que tens o poder de modificar a tua estrutura material: podes reorganizar o teu antigo sistema de pensamento para que ele se adapte ao modelo do génio.  Porque não dizes a ti mesmo que as ideias que fervilham na tua cabeça são produzidas pelo teu génio e não por uma inteligência limitada?  Deixa-te animar pela observação que Oscar Wilde fez a um inspector da alfandega de Nova Iorque.  Quando esse inspector lhe perguntou se tinha alguma coisa a declarar, Wilde responde:  <<Não tenho nada a declarar para além do meu génio>>.
  8. 8. E, de muitas maneiras, isto é absolutamente verdade. Quando confiamos em nós, confiamos na própria sabedoria que nos criou. Faz um esforço consciente por não questionares essa sabedoria original. Confia nos teus pensamentos elevados, sobretudo nos que te despertam paixão, e passa á ação como se eles fossem incontestáveis.

×