Crise portugal

297 visualizações

Publicada em

O vento da História novamente perto de Portugal

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crise portugal

  1. 1. Olhando a História Universal Vemos o início do Mundo Actual, que é global, na expansão europeia Liderada por capitais das cidades Italianas Motivada pelo consumo das cidades das hansas do Norte Realizada pelas nações Ibéricas Portugal esteve relevantemente presente porque tinha resolvido bem a crise de 1383-85. Global mas com um projecto próprio. Melhor só se tivesse dado ouvidos a Luís de Camões quando fala com a voz do sábio do Restelo
  2. 2. A crise de 1383-85 foi resolvida Em corte com a ordem jurídica tradicional (a vontade popular como fonte de Direito) Aproveitando tecnologias actualizadas (Militar, Navegação, Seguros) Governação central, cerceamento do poder senhorial, liberdade de comércio local Sujeitando-se aos constrangimentos internacionais (acordos com Castela, Inglaterra) Usando os ventos da História para criar História (destino Índia, criodo o Brasil)
  3. 3. Um possível destino para Portugal Criado na solução da crise 2008-2015(+) E recriando a solução de 1383-85 Navegar nos ventos da História e fazer História. Fechar o ciclo de expansão da Globalização que ajudámos a criar
  4. 4. A Globalização que vive hoje tem um caracter predatório É defeito de nascença, nasceu com o grito «Que, quem não quer comércio, busca guerra» (Os Lusíadas, Canto 8, 92) É predatório sobre a Terra e os seus habitantes. Não tem auto-regulação. Tem pouca regulação política, nacional ou internacional.
  5. 5. • Queima hidrocarbonetos e altera o clima e envenena o ar • Cria alimentos em monocultura suportada pelo petróleo (combustível de máquinas agrícolas e veículos de transporte, fertilizantes, herbicidas, pesticidas de origem petroquímica ) • Compra produtos em teatro de guerra (metais raros no Zaire) ou escravatura típica (café e cacau na África Ocidental) ou escravatura moderna (China, Índia) • Estraga terra e água e ar para criar animais para abate, cujo valor em joules é menor do que a quantidade de joules usada na sua criação • Encurva as ciências da vida para servirem a Indústria farmacêutica
  6. 6. • Destrói valor económico como meio de realizar mais-valias • Especula sobre valor futuro de bens económicos, obtendo ganhos com catástrofes que ajuda a criar (guerra, derrube de regimes, bancarrota de países, desvalorização de moedas) • Acarinha o crime (paraísos fiscais) • Aceita no tabuleiro do comércio internacional países sem moeda convertível • Aceita no tabuleiro do comércio internacional países que não respeitam regras ambientais e direitos humanos • Aceita no tabuleiro do comércio internacional países que mantem territórios estrangeiros anexados
  7. 7. • Aceita passivamente a introdução de produtos e tecnologias sem avaliar a sua perigosidade e regular o seu uso ponderado • Combustíveis fósseis (transportes, aquecimento, energia) • Nuclear (energia, medicina) • Agricultura (pesticidas, herbicidas, surfactantes) • Fármacos (antibióticos, hormonas) • Materiais de uso comum (plásticos incluindo BPA, PVC) • Cosmética (quase tudo excepto o que se pode comer) • Produtos de higiene e limpeza (bactericidas) • Materiais de construção (chumbo, amianto) • Exposição a radiação electro-magnética proveniente de transporte e uso de electricidade e telecomunicações • Edificação destruidora de ecosistemas (boa parte de barragens, várias estradas, múltiplas urbanizações e parques industriais ou comerciais)
  8. 8. A solução passa por • Energia limpa e produzida localmente (eólica, fotovoltaica, …) • Alimentos limpos e produzidos localmente (aquaponia) • Alimentos favoráveis à saúde humana (biológicos, hortícolas e frutas) colhidos recentemente, sem processamento • Fármacos baseados em plantas • Produção local e biológica de produtos de limpeza, higiene, cosmética e controlo de pragas • Construção com pegada ecológica favorável
  9. 9. A solução passa por • Libertar os cidadãos de dívidas e vínculos absurdos a habitação própria ou a progressões e prémios e complementos de reforma em entidades empregadoras • Libertar o Estado de responsabilidades subscritas num esquema de corrupção/favorecimento de eleitores • Libertar as empresas de encargos sociais para além da taxa social vigente em países com elevado índice de desenvolvimento humano
  10. 10. A solução passa por A comunidade dos sócios-Portugal estabelecer uma estratégia para o caminho colectivo Usando a forma moderna da Democracia Suportando essa vontade de ser LIVRE coma a efectiva capacidade de o ser, através de autónomio fornecida pelas novas tecnologias no campo da energia, agronomia e materiais
  11. 11. Como Portugal tem • Energia natural do Sol, vento, mar, e geotérmica • Clima e solo adaptados à produção de hortícolas e frutos • Biodiversidade • Conhecimento de vanguarda em • ciências e tecnologias da vida • electrónica verde (processador de celulose) • energia eólica (Omniflow) • Até tem experiência em construção de veículos eléctricos
  12. 12. Portugal está em 2015 como o Texas em 1915 : sentado em cima de um enorme Tesouro Querem fazer o favor de deixar lamentos «não há solução para a crise» Levantar os glúteos e abrir a arca !?! Claro que se usarem a chave antiga (partidos antigos, economistas tradicionais, preconceitos) não vamos conseguir
  13. 13. Lembrando factos, só para os mais distraídos •George Soros: a sua fundação suporta os esforços democráticos que a especulação financeira erode •A Fundação Rockfeller, desde 2014/11, tem vndo a alterar a sua carteira de fundos, substituindo os ‘petróleos’ por ‘renováveis’ •O Estados Unidos estão a gerar um novo ciclo económico com a autonomia energética (embora seja na pior modalidade) •A Islândia enfrentou as ameaças externas com a sua autonomia energética e alimentar •Na atribuição de um prémio internacional em biotecnologia (Howard Hughes, 2012 ), a China colocou 7 investigadores, a Espanha 5 e Portugal 5 •No final do séc. 19, Portugal era exportador de produtos hortícolas e frutas
  14. 14. Lembrando factos, só para os mais distraídos (cont.) • A quinta de Sepp Holz quase não pagava imposto quando era explorada convencionalmente, agora, com retenção de água e permacultura paga cerca de 100.000€/ano • A RWE (uma edp da Alemaha) já se prepara há mais de 20 anos para passar a ser fornecedora de instalações e serviços à produção local (bairro) de electricidade • A Arábia Saudita tem um plano para ser servida a 100% por renováveis, tendo em 2015 atrasado os investimentos apenas para aproveitar as novas tecnologias que vão surgindo • A fiscalidade australiana inviabiliza a construção de refinarias • A EDP mantem o nr 1 no Dow Jones Sustainability Indexes • As energias renováveis representam cerca de 70% em Portugal

×