Odebrecht Informa

843 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
843
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Odebrecht Informa

  1. 1. A geração, o registro e o compartilhamento da mais essencial das matérias-primas CONHECIMENTO # 160 ano XXXIX MAIO/JUNHO 2012
  2. 2. II informa
  3. 3. 1informa
  4. 4. Edição online Acervo online > Bibliotecas físicas da Braskem têm sistemas integrados que possibi- litam o empréstimo de materiais de consulta a parceiros e integrantes de qualquer localidade > Prêmio Odebrecht para o Desenvolvimento Sustentável incentiva jovens universitários a desenvolver projetos inovadores > Na reforma do Maracanã, parte dos resíduos do an- tigo estádio é reaproveita- da na fabricação de tijolos e no reflorestamento de áreas urbanas > Construção de uma usina solar permitirá que a Arena Pernambuco consuma energia renovável e ecologica- mente correta > Acesse as edições anteriores de Odebrecht Informa, desde a número 1, e faça o download do PDF completo da revista > Relatórios Anuais da Odebrecht desde 2002 > Publicações especiais (Edição Especial sobre Ações Sociais, 60 anos da Organização Odebrecht, 40 anos da Fundação Odebrecht e 10 anos da Odeprev www.odebrechtonline.co > Você pode acessar o conteúdo completo desta edição em HTML ou em PDF
  5. 5. Videorreportagem Blog > Siga Odebrecht Informa pelo twitter @odbinforma e saiba das novidades imediatamente > Comente os textos do blog e participe enviando sugestões para a redação > Odebrecht Realizações Imobiliárias patrocina a criação do Museu Pelé, em Santos (SP) > Conheça a Ilha do Mussulo, um dos destinos turísticos mais belos de Luanda > Concurso fotográfico promovido por Odebrecht Informa tem o esporte como tema m.br > Leia Odebrecht Informa no seu tablet e no seu smartphone. > Reportagens, artigos, vídeos, fotos, animações e infográficos. > Núcleo da Cultura Odebrecht (NCO), um instrumento para a preservação e a divulgação de experiências vividas por equipes da Odebrecht no Brasil e no mundo > Julio Lopes Ramos, Responsável pelo Projeto Curundú, no Panamá, é o quinto entrevistado do Projeto Saberes > Programa de Desenvolvimento de Empresários (PDE) permite aos integrantes aperfeiçoarem seus conhecimentos e compreenderem os valores da Tecnologia Empresarial Odebrecht (TEO) > Logística da eficiência Da lavoura à unidade industrial: veja como a ETH Bioenergia garante a en- trega da cana-de-açúcar com rapidez e segurança
  6. 6. informa 4 #160 A motivadora e produtiva interação entre representantes de diferentes gerações de empresários proporcionada pelo PDE O professor Moises Swirski aborda (e celebra) os 10 anos do Programa de Desenvolvimento de Empresários Prêmio Destaque: um instrumento a serviço da valorização da inteligência coletiva Nas comunidades de conhecimento, um espaço para compartilhar experiências e encontrar apoio Olindina Dominguez fala dos desafios de crescimento da Organização e a importância da rede de conhecimento para sua superação Uma viagem através do passado, do presente e do futuro da Organização no Núcleo da Cultura Odebrecht Instituto de Tratamento do Câncer Infantil (Itaci) terá sua capacidade de atendimento ampliada As soluções inovadoras encontradas pela Braskem para integrar, centralizar e hospedar informações Na Odebrecht Engenharia Industrial, projetos de avançada tecnologia comprovam a vocação de inovar Apaixonado por transmitir seus conhecimentos no dia a dia dos canteiros de obra, Zé Bodinho completa 50 anos de trabalho na Odebrecht 6 12 14 18 30 34 39 40 46 50
  7. 7. 5informa 5 conhecimento 52 56 60 64 66 70 74 78 Em Angola, uma iniciativa marcada pela combinação entre transferência de tecnologia e aprimoramento da cidadania Uma incessante troca de informações e experiências que envolve todos os integrantes da ETH Bioenergia Trabalhadores do Panamá fortalecem capacitação em saúde e segurança com apoio das equipes da Odebrecht no país Yuri Tomina: conheça a história de um jovem que personifica o dinamismo e a confiança da Braskem OOG: as lições que inspiram zelo e apreço pelo conhecimento e pela prevenção Sistema de comunicação desenvolvido pela OR estimula disciplina, reflexão e transversalidade Programa de Desenvolvimento de Jovens Empresários leva ao Baixo Sul da Bahia um novo motivo para acreditar no amanhã Saberes: Julio Lopes Ramos ajuda a recuperar cidadãos na Cidade do Panamá No mapa, estão indicados em branco os países e estados brasileiros onde são realizados os projetos e programas retratados nesta edição de Odebrecht Informa. De grande abrangência, essas iniciativas relacionam-se a todos os países em que as empresas da Organização atuam. CAPA: Participantes do primeiro módulo da edição de 2012 do Programa de Desenvolvimento de Empresários (PDE), reunidos em Atibaia (SP). Foto de Bruna Romaro
  8. 8. 6 informa
  9. 9. EDITORIAL Realização intangível conhecimento é sempre resultado de um processo coletivo. Mesmo quando, aparentemente, ele frutifica do esforço de um ser humano solitário, na verdade o que ocorreu foi que essa pessoa, em determinado momento, conseguiu chegar a uma descoberta, à confirmação ou à ampliação de uma conquista ao utilizar um acervo de informações que começou a ser gerado muito an- tes de ela ter vindo ao mundo – ou seus pais, ou seus avós. O conhe- cimento é uma obra magnífica para a qual todos nós, e os que vieram antes de nós, contribuímos a cada dia de nossa existência. Hoje – e isto é cada vez mais evidente no universo empresarial, mas não apenas nele –, tão importante quanto estimular a essencial geração de conhecimento é criar condições para o não menos crucial compar- tilhamento do saber acumulado. De que vale, afinal, o conhecimento se ele não puder ser aproveitado por todos em benefício do bem comum? Seria como escrever e publicar livros maravilhosos que não seriam lidos por ninguém ou construir lindas casas, que ficassem desocupadas. Nesta edição de Odebrecht Informa, você lerá reportagens que con- tam histórias de amor ao conhecimento – e ao seu compartilhamento. Verá de que forma iniciativas, como o Prêmio Destaque, o Programa de Desenvolvimento de Empresários (PDE), as comunidades de conhe- cimento e o Núcleo da Cultura Odebrecht, contribuíram e continuam contribuindo para a formação de uma rede de conhecimento que tor- na possível que as equipes da Odebrecht potencializem seu espírito de servir e ajudem seus clientes a transformar seus sonhos em realidade. Você confirmará, com a ajuda das reportagens que agora chegam às suas mãos, que, a cada edição do Prêmio Destaque, a cada reunião das comunidades de conhecimento, a cada módulo do PDE, a cada in- formação acrescentada aos portais das empresas da Organização na internet, a cada visita ao Núcleo, a cada Café Temático, um novo acorde é agregado a essa transcendente sinfonia chamada conhecimento – a qual, para nossa felicidade, realização e permanente reafirmação de fé no ser humano, jamais terá fim. “Tão importante quanto estimular a essencial geração do conhecimento é criar condições para o não menos crucial compartilhamento do saber acumulado” O
  10. 10. 8 informa AS COISAS DA vidtexto Edilson Lima fotos Bruna Romaro 6
  11. 11. 9informa da Programa de Desenvolvimento de Empresários permite o contato informal entre pessoas de diferentes gerações, em uma rica e produtiva troca de experiências Moises Swirski e Renato Baiardi (de casaco escuro) conversam com os participantes do PDE: lições compartilhadas
  12. 12. 10 informa eterminados a sonhar juntos o futuro da Organização, 88 integrantes reuniram- -se com líderes da Odebrecht, em Atibaia (SP), durante cinco dias. O evento repre- sentou o primeiro módulo da 10ª edição do Programa de Desenvolvimento de Empresários (PDE). Pela primeira vez, a etapa inicial do programa contou com a participação de integrantes da Braskem e das empresas de Engenharia e Construção em con- junto. Odebrecht Informa esteve presente e conferiu de perto cada momento. Na abertura, na tarde de 15 de abril, os participantes receberam as boas-vindas e assistiram à apresentação do programa do primeiro módulo do PDE. No fim do dia, houve uma apresentação de música erudita e, depois, o jantar. O dia seguinte começou com palestra de Felipe Jens, Responsável por Finanças na Odebrecht S.A., que fez um balanço geral do patrimônio consolidado das em- presas da Organização e seus investimentos. Em se- guida, Marcelo Odebrecht, Diretor-Presidente da Ode- brecht S.A., fez uma exposição sobre a Visão 2020 da Organização, destacando o desafio dos líderes de trans- mitir os princípios da Tecnologia Empresarial Odebre- cht (TEO) aos novos integrantes. Em sua apresentação, Renato Baiardi, membro do Conselho de Administração da Odebrecht S.A. e um dos mentores do PDE, salientou a importância da relação líder-liderado para a boa condução dos negócios e do crescimento das pessoas. Após o encontro com Baiardi, os participantes foram divididos em grupos, para discu- tir e refletir sobre o que foi apresentado. No terceiro dia, os líderes empresariais Luiz Mameri, daOdebrechtAméricaLatinaeAngola,eFernandoReis, da Foz do Brasil, falaram de seus negócios. Mameri enfatizou o desafio de atuar em países com diferentes conjunturas políticas na América Latina. Fernando Reis apontou o bom desempenho da Foz do Brasil em uma área historicamente dominada por empresas públicas. À tarde, foi realizado o painel da sustentabilidade, com a participação de Sérgio Leão, Carla Pires e Jorge Soto, responsáveis pelo assunto na Odebrecht, na ETH Bioenergia e na Braskem. A mediação ficou a cargo de Sergio Foguel, membro do Conselho de Administração da Odebrecht S.A. Paul Altit, Líder Empresarial da Odebrecht Realiza- ções Imobiliárias (OR), deu início às atividades do quarto dia com um balanço do bom momento do setor imobi- liário no Brasil. Destacou o desafio da OR de participar da preparação do Rio de Janeiro para as Olimpíadas de 2016, com a construção de vilas residenciais para os atletas. Em seguida, foi apresentado aos participantes o case da Aquapolo Ambiental, uma planta de trata- mento de esgoto e produção de água de reúso na região metropolitana de São Paulo. O projeto envolve três empresas da Odebrecht: a Foz do Brasil, a Ode- brecht Infraestrutura e a Braskem. A apresentação, liderada por Pedro Novis, membro do Conselho de Administração da Odebrecht S.A., teve como objetivo incentivar a reflexão sobre a aplicação do conceito de transversalidade na Organização. Erros e acertos No fim da tarde, divididos em grupos, os jovens tive- ram a oportunidade de interagir com participantes de edições anteriores do PDE. Marcus Vinícius Dias esteve na primeira edição, em 2003. Hoje é Diretor de Contrato na Odebrecht Óleo e Gás (OOG). “Éramos menos de 30 alunos. Ouvimos os relatos dos líderes, de seus erros e acertos, e aquilo nos marcou.” Antonio Augusto San- tos fez parte da turma de 2004. Atualmente é Diretor de Contrato das obras da Hidrelétrica Teles Pires, no Mato Grosso. “Aprendi que o futuro da Odebrecht depende de nós”, afirma. Juliana Monteiro e Ana Carolina Farias participaram das edições 2008 e 2009, respectivamente. Em 2010, Juliana tornou-se a primeira Diretora de Contrato da OR. “Para mim é um orgulho.” Ana Carolina passou a ser, em 2011, a primeira Diretora de Contrato da Ode- brecht Infraestrutura: “Aprendi no PDE a manter o foco no crescimento das pessoas. Hoje busco passar boas inspirações a meus liderados”. O quinto e último dia começou com a palestra do Lí- der Empresarial da Braskem, Carlos Fadigas, que des- tacou as aquisições de ativos da Quattor e da Sunoco Chemicals, em 2010, e da Dow Chemical, em 2011. Respeito a diferenças culturais foi um dos pontos destacados por Emílio Odebrecht, Presidente do Con- selho de Administração da Odebrecht S.A., para quem a TEO tem de ser levada a todos os integrantes, mas com respeito a costumes e hábitos locais. Depois do almoço, Márcio Polidoro, Responsável por Comunicação Empresarial na Odebrecht, e o Conse- D
  13. 13. 11informa lheiro Luiz Villar conduziram a palestra “Representativi- dade e construção da imagem”. Após a apresentação de casos, os participantes foram instigados a refletir sobre a construção da imagem no âmbito de seus negócios. No fim da tarde, houve uma confraternização de des- pedida e a apresentação de um “videossíntese” sobre os cinco dias do encontro. Ao longo do ano, os dois grupos (integrantes da Braskem e das empresas de Engenha- ria e Construção) serão divididos e participarão de mais três módulos do programa. Abertos de coração e alma Alguns participantes relataram suas impressões a Odebrecht Informa.“O PDE nos proporciona uma visão abrangente dos negócios da Organização”, disse Mar- celo Nunes, da OOG. “O PDE nos dá a oportunidade de estar frente a frente com pessoas que viveram e vivem a história da Odebrecht”, destacou Alaíde Barbosa, da Foz. Fernando Cervera, da Odebrecht Peru, afirmou: “Saio daqui com um desejo enorme de ser uma pessoa melhor”. O tema sustentabilidade chamou muito a aten- ção do angolano Manuel Kai: “Cheguei aqui com poucas ideias sobre isso, mas agora é como se surgissem mui- tas luzes em minha cabeça”. Tornar-se um líder edu- cador é um dos objetivos do norte-americano Warren Springer, integrante da Braskem nos Estados Unidos. “A Odebrecht tem a cultura de servir sempre melhor.” Segundo o coordenador acadêmico do PDE, Moi- ses Swirski (leia artigo de sua autoria nesta edição), o programa, em suas 10 edições, mantém-se firme em seu propósito: “Ser um espaço de reflexão sobre a TEO entre as gerações de Norberto Odebrecht, Emílio Ode- brecht e os jovens de hoje, liderados por Marcelo Ode- brecht”. Renato Baiardi acrescenta: “Ao longo desses 10 anos, muitos se revelaram excelentes empresários. Isso significa que o PDE está no caminho certo. A prática da TEO deve ser intensificada em cada pequena empresa”. Segundo Antonio Rezende, Responsável por Pesso- as e Desenvolvimento na Equipe do Vice-Presidente de Operações de Engenharia e Construção, o grande lega- do do PDE é estimular nos participantes o sentimento de pertencer à Odebrecht. “Eles saem motivados a pre- servar a cultura e transmiti-la a seus liderados.” Um dos pontos altos de cada edição é a participação de Norberto Odebrecht, que ocorre desde o início do programa. “Norberto Odebrecht sempre nos surpreen- de com suas histórias. Os jovens têm a oportunidade de interagir diretamente com ele”, comenta Moises Swir- ski. Pode-se dizer: têm a oportunidade de sonhar juntos o futuro da Organização. Marcelo Odebrecht: transmissão dos princípios da TEO aos novos integrantes
  14. 14. 12 informa ARGUMENTO 12
  15. 15. O PDE completa 10 anos Moises Swirski é coordenador acadêmico do Programa de Desenvolvimento de Empresários (PDE) da Organização Odebrecht moises@msw.com.br PDE completa 10 anos em sua missão de acelerar a formação de empresários ali- nhados com a Cultura Odebrecht, contri- buindo de forma sinérgica para a Educa- ção pelo Trabalho. O PDE está a serviço dos líderes da Organização na busca da superação do desafio de aprimorar novas gerações de líderes na arte de conduzir a Tarefa Em- presarial, em compasso com o ritmo de crescimento dos seus negócios. No fim de 2012, serão 10 turmas do PDE Engenha- ria, que inclui a Foz do Brasil, Odebrecht Realizações Imobiliárias, Odebrecht Óleo e Gás e OCS, e seis tur- mas do PDE Braskem, em um total de mais de 700 participantes. O programa é uma pausa no dia a dia dos inte- grantes para reflexão da própria experiência e para autoavaliação. Aprendemos com a prática da TEO e as lições de líderes das três gerações que construíram a Organização. A reflexão inspira as possibilidades de cada um e amplifica o ímpeto para realização. O diálogo fortalece o senso de missão e o sentimento de liberdade para buscar a realização pessoal na Organização. O PDE não cria empresários; o talento de ser empresário já está em cada um. O projeto educacional está voltado para ampliar o olhar e, com isso, aprimorar as capacidades de con- ceituar, focalizar, planejar e avaliar a execução do Pro- grama de Ação. Não desenvolvemos os conhecimen- tos para executar tarefas específicas. O PDE prioriza o desenvolvimento da sensibilidade de ser empresário. São das atitudes que emergem os nossos valores, que fazem a nossa diferença. Como nos diz Rubem Alves: “Os conhecimentos nos dão meios para viver. Mas são as sensibilidades que nos dão as razões”. Como Coordenador Acadêmico do PDE, tenho três insistências com os participantes. A primeira delas é que cada um traga a sua verdade, pois em negócios não existem respostas únicas. Além disso, são as nossas di- ferenças que nos fortalecem e vão permitir rever a nos- sa forma de perceber. Onde todos pensam da mesma forma, provavelmente ninguém está pensando. A segunda insistência é que cada um esteja no pro- grama por inteiro. Traga para a plenária a si mesmo e tudo aquilo que representa. E, por último, que cada um seja responsável por construir um ambiente de con- fiança para os seus pares. Sou ph.D em Finanças pela Stern School of Busi- ness da New York University e sócio de uma empre- sa dedicada a Valuation e M&A. Mas sempre estive envolvido com Educação. Ajudei a fundar a Coppead/ UFRJ (Instituto de Pós-graduação em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e, depois, o PDG, um projeto pioneiro no Brasil para a formação de executivos seniores. Meu gosto por pessoas e por ajudá-las a se realiza- remmeengajounajornadadoPDE.E,há10anos,apren- do com a arte de formar empresários, com os participan- tes, com os líderes da Organização que compartilham sua arte e sua vida, com os coordenadores empresariais (Antonio Rezende, Olindina Dominguez, Carlos Hupsel e Ciro Barbosa), com os professores Roberto Ricardino e Nilton Vargas e com meus pares da MSW. O 13informa
  16. 16. 14 informainforma autores de um acertexto Emanuella Sombra fotos Fred Chalub 14
  17. 17. 15informa ervo Prêmio Destaque Braskem se fortalece como instrumento de apoio para o crescimento da empresa essencial Camila Dantas (ao centro) com Felipe Yukio Matsumoto e Carolina Mira- beli: aumento da produtividade por meio do incentivo à criatividade
  18. 18. udo começou como normalmente sur- gem as boas ideias em um ambiente de trabalho: um entrave prático susci- tava um planejamento estratégico que pudesse resultar em ganhos a curto e longo prazos para o cliente. “Precisávamos apoiá-lo, e isso significava diminuir os custos dele e garantir a nossa competitividade no cenário atual da indústria petroquímica”, lembra Gustavo Checcucci, Gerente de Energia da Braskem. “Em outras palavras, forta- lecer toda uma cadeia”, resume. Os personagens dessa história eram integran- tes da Braskem, que é produtora de polipropileno, e de sua cliente Borealis, empresa que transforma o polímero em autopeças a partir da adição de outros componentes químicos. A partir da observação de como o consumo de energia da Borealis impactava na sua competitividade de mercado, Gustavo e os co- legas Octavio Pimenta Neto, Lucas Nishioka e Fabio Yanaguita pensaram uma alternativa para diminuir os custos de insumos na geração do plástico – no caso, as autopeças. Assim nasceu o projeto vencedor da edição 2011 do Prêmio Destaque Braskem na categoria Agrega- ção de Valor ao Cliente. A proposta consistia em in- termediar a energia comprada no Mercado Livre de Energia e gerenciá-la, de forma que a Borealis pu- desse economizar 17% do seu consumo anual. “Ne- gociar energia mais barata demandava um expertise que empresas de médio porte, como a Borealis, não possuem. Sem contar que, como a Braskem já está nesse mercado há muito tempo, a negociação de compra seria mais fácil”, explica Checcucci. Depois da fase embrionária do projeto, em que diversas variáveis econômicas e jurídicas foram es- tudadas, a ideia começou a ser aplicada na prática. Os laços de confiança entre as duas empresas se es- treitaram, e o cliente vem alcançando uma economia de R$ 600 mil anuais. Para o legado empresarial da Braskem, ficou mais um exemplo de como conheci- mento e experiências compartilhadas resultam em um acervo de soluções que podem ser aplicadas e replicadas ao longo dos anos. Incentivo à criatividade “Além de incentivar o surgimento de ideias inovadoras que podem ser aplicadas na própria Organização, o prêmio faz com que os integran- tes compartilhem o aprendizado adquirido dentro da empresa, contribuindo para o aprimoramento do trabalho em seus ambientes de atuação”, diz Camila Dantas, Responsável por Educação e Car- reira na Braskem. “O Prêmio Destaque Braskem reconhece o profissional por meio da valorização do seu conhecimento. Com isso, colabora com o aumento da produtividade ao incentivar a criativi- dade”, acrescenta. Na unidade da Braskem em São Paulo, Camila e os outros organizadores do prêmio acompanham as inscrições para a próxima edição, que se encerram em julho. Nessa fase, a rotina vai, aos poucos, ge- rando um clima em que predominam a criatividade e a troca de ideias – em muitos casos, ideias que já foram testadas e bem-sucedidas na Organização. “As pessoas começam a formar grupos, isso acaba agregando competências. A cada ano que passa, ob- servamos o prêmio contribuir mais nesse sentido”, afirma. De acordo com Camila, a previsão é de que o número de trabalhos inscritos em 2012 supere as 16 informa T Gustavo Checucci, Fabio Yanaguita e Octavio Pimenta: redução de custos dos insumos na geração do plástico
  19. 19. 17informa marcas dos anos anteriores. E essa expectativa tem razão de ser. Em 2011, o concurso totalizou 194 tra- balhos, 20% de inscrições a mais que 2007, primeiro ano da premiação. Nesse intervalo, foram incorpora- das adaptações alinhadas à Visão 2020 da Braskem, como o número de participantes por grupo e a inclu- são de novas categorias. Outras, por motivos estra- tégicos, deixaram de existir. Na sua sexta edição, o Prêmio Destaque Braskem possui quatro: Soluções Inovadoras, SSMA (Saúde, Segurança e Meio Am- biente), Agregação de Valor ao Cliente e Melhoria Contínua. Idealizado como instrumento de registro e com- partilhamento de conhecimento, o Prêmio Destaque Braskem é promovido anualmente. Todos os inte- grantes da empresa podem participar, desde que os grupos tenham, no mínimo, dois integrantes cada um. Os trabalhos devem ser inéditos e implementa- dos no mesmo ano ou no ano anterior a cada edição. Critérios como sustentabilidade, originalidade e im- pacto no desenvolvimento da empresa são levados em conta na premiação dos melhores trabalhos. De liderado a líder O sentimento compartilhado pelos integrantes que têm um projeto vencedor é de reconhecimento e incentivo a participarem de outras edições. A tro- ca de experiências e de aprendizados, entretanto, acabam impactando positivamente em suas trajetó- rias profissionais. “Eu posso dizer que esse prêmio influenciou diretamente a minha carreira, pois de liderado eu passei a líder”, diz Alessandro Lima, Ge- rente de Desenvolvimento de Produtos na Braskem. Alessandro foi um dos vencedores da edição 2010 do Prêmio Destaque Braskem na Categoria Agregação de Valor ao Cliente. Ao lado dos colegas Nicolai Duboc Natal, Fernan- do Cruz e João Caiado, Alessandro desenvolveu uma nova alternativa à logística da indústria offshore bra- sileira: produzir e fornecer um tipo de resina, apli- cada no revestimento de dutos de petróleo, que até então era importada pela Petrobras. “Nosso cliente direto não era a Petrobras, mas as empresas forne- cedoras desse polímero. E, para elas, contar com um produto e uma assistência técnica nacionais era muito mais vantajoso.” Usado como isolante térmico, o polipropileno pre- serva a temperatura em que o petróleo é extraído da terra. Além disso, o material fornece aos dutos de aço uma proteção anticorrosiva à água do mar. Para se credenciar como fornecedora dessa maté- ria-prima para a Petrobras, a Braskem passou por um longo processo de homologação. “Faz parte da política da Petrobras promover a indústria petrolí- fera nacional, e nós conseguimos contribuir para isso”, comemora Nicolai Duboc Natal, Coordenador de Marketing de Polipropileno. “O mais interessan- te é que podemos utilizar essa bagagem técnica em outras aplicações, já que a Braskem agora possui o know-how”, acrescenta. Nicolai Natal: promoção da indústria petrolífera nacional
  20. 20. texto Renata Meyer 18Iniciativa criada para valorizar a inteligência coletiva e estimular a busca e a reutilização de soluções criativas, o Prêmio Destaque do negócio Engenharia e Construção completa 20 anos boas id O caminho das
  21. 21. 19informa deias m 1992, a Rede de Conhecimento da Odebrecht ganhou um importante ins- trumento para o registro e divulgação de ideias inovadoras, desenvolvidas nos campos técnico e social, nos ambientes de atuação das empresas. O Prêmio Destaque, como ficou conhecido, vem contribuindo para reconhecer pessoas de conhecimento, capturar sinergias e va- lorizar a inteligência coletiva, representando um es- tímulo para a busca, disseminação e reutilização de soluções criativas. Qualquer integrante da Odebrecht, no Brasil ou no exterior, pode concorrer ao prêmio, individualmente ou em grupo. Não há limite de quantidade de projetos por autor ou do número de participantes por grupo. Todos os projetos encaminhados passam a integrar o acervo da Organização e ficam disponíveis integral- mente para consulta, na página do Prêmio Destaque e no Portal Corporativo do Negócio Engenharia e Cons- trução. Ao longo de 20 anos, mais de 4 mil integrantes compartilharam o conhecimento obtido no dia a dia de suas atividades, formando um rico acervo de mais de 2 mil inovações. Trabalhos que reduzem custos e prazos, minimizam impactos socioambientais e me- lhoram a produtividade, entre muitos outros benefí- cios. Nesse período, o prêmio evoluiu, adequando-se às novas necessidades do mercado e ao crescimento da Organização, agregando novas categorias, formas de envio, consulta e disponibilização. “No início, ligávamos para os integrantes para mo- tivá-los a inscrever trabalhos. Hoje essa participação é espontânea. A cada ano mais pessoas percebem a importância de compartilhar o conhecimento”, afirma Olindina Perez Dominguez, Responsável pelo Ciaden E Rodovia IIRSA Sul, no Peru: equipe da obra aproveitou uma solução inovadora nascida no canteiro de outra rodovia no país, a Tingo Maria-Agaytia ArquivoOdebrecht
  22. 22. 20 informa (Conhecimento e Informação para Apoiar o Desenvol- vimento de Negócios), a quem cabe a organização do Prêmio Destaque. Ao longo dos anos, a adesão dos integrantes só tem aumentado: saltou de 227 traba- lhos inscritos na edição de 2010 para 367 em 2011. Promovido anualmente, o prêmio é oferecido a in- tegrantes que tiverem seus trabalhos selecionados em cada uma das seis categorias avaliadas: Inova- ção, Jovem Parceiro, Reutilização do Conhecimento, Meio Ambiente, Relações com Comunidades e Saúde e Segurança do Trabalho. A escolha dos projetos vencedores é feita em duas etapas. Na primeira, os trabalhos são avaliados por uma comissão julgadora interna, formada por equi- pes técnicas e multidisciplinares da Organização Odebrecht. Também são submetidos ao voto dos in- tegrantes por meio do Portal Corporativo. Os 10 tra- balhos com maior pontuação são pré-selecionados e passam por uma nova etapa de avaliações, realiza- das por uma comissão julgadora externa – no caso das categorias Meio Ambiente e Relações com Co- munidades – e por uma segunda comissão interna, no caso das demais categorias. Ao final, é eleito um projeto vencedor por categoria. Reutilização do conhecimento Criatividade, dedicação e persistência foram as ferramentas utilizadas pela equipe das obras de reabilitação da Rodovia Tingo Maria – Aguaytia, no Peru, para superar os desafios impostos pelas con- dições climáticas e garantir a produtividade durante a execução dos trabalhos. Com o objetivo de evitar a desmobilização durante o período de chuvas, que im- possibilitava a realização de alguns procedimentos, a equipe criou uma carpa de pavimentação, estrutura metálica móvel em forma de arco coberta por uma lona plástica, com altura suficiente para permitir que as frentes de trabalho operassem normalmente em seu interior. A ideia foi inscrita no Prêmio Destaque 2005 e tornou-se referência para outros projetos da Organi- zação em situações similares. Foi o caso do Projeto IIRSA Sul, no qual as condições adversas de tempe- ratura limitavam os trabalhos de colocação da mes- cla asfáltica a um total de cinco horas por dia. Com a implantação da carpa, foi possível assegurar um ambiente controlado de temperatura e aumentar a produtividade, durante as obras da rede viária que liga o Brasil ao Peru. A equipe da Odebrecht Angola também se inspirou em uma iniciativa já existente para fomentar a qua- lificação profissional de trabalhadores angolanos. Implantado inicialmente na Usina Hidrelétrica Santo Antônio, no Brasil, o Programa Acreditar foi reeditado em Angola, e, desde 2010, já formou mais de 2 mil trabalhadores em diversos ofícios da construção civil e áreas afins, em três províncias do país. O programa foi vencedor do Prêmio Destaque 2011 na categoria Reutilização do Conhecimento, que, nesse ano, obteve recorde de 70 inscrições. “Ter conquistado o Prêmio nos dá a certeza de que fize- mos as escolhas certas quando optamos por criar um programa a partir da realidade local, com uma tecnologia pedagógica alinhada com a TEO e com as tendências mais atuais da educação”, afirma Adriana Bezerra, autora do trabalho ao lado de Diana Ortiz e Paloma Alencar. Formação de novos empresários A cerimônia de premiação da última edição, que marcou os 20 anos do Prêmio Destaque, aconteceu em dezembro passado, durante a Reunião Anual, na Costa do Sauípe, na Bahia. A ocasião também foi marcada por uma homenagem a Mauro Martins, Responsável por Engenharia nas obras da Central Hidrelétrica Manuel Piar (Tocoma), na Venezuela. Mauro é o integrante da Organização que inscreveu mais trabalhos ao longo da história do prêmio: 38 projetos. Mauro Martins: recordista ArquivoOdebrecht
  23. 23. 21informa Mauro é reconhecido internamente como um dos grandes incentivadores do Prêmio Destaque. “Por meio do Prêmio Destaque, temos conseguido con- tagiar e influenciar companheiros de diferentes ge- rações, para uma participação solidária, em torno de assuntos relevantes relacionados aos diferentes desafios que se apresentam nos nossos ambientes, promovendo uma busca contínua do conhecimento técnico e científico e exercendo a valorização cons- tante do espírito inovador”, ressalta Mauro. Sob sua liderança, Robinson Areaza foi vencedor, em 2011, na categoria Jovem Parceiro, com o Pro- jeto Quebrando Paradigmas para el Camino al Exito. Utilizacion del Sistema de Postcooling para Ejecutar Vaciados Massivos de Grandes Alturas. Criada em 1997, essa categoria reconhece a atitude de jovens integrantes que veem em suas tarefas diárias oportu- nidades para inovar. “Estou convencido de que todos nós somos capazes de buscar soluções para seguir, cada vez mais, sendo eficientes e eficazes na execu- ção de qualquer trabalho que estivermos realizando”, afirma Robinson. Segundo Olindina Dominguez, a participação dos jovens no Prêmio Destaque é, sobretudo, uma opor- tunidade de aprendizado. “Ao relatar uma inovação, desenvolvida com sua equipe de trabalho, ou ao re- gistrar o conhecimento de experientes encarregados, o jovem se desenvolve, pois precisa buscar informa- ções técnicas para respaldar a ideia apresentada”, afirma. Seja um Jovem Parceiro ou um profissional maduro, em todo o integrante há o potencial transformador de inovar, renovar e aprimorar cada vez mais. Essa é a essência do Prêmio Des- taque, cuja conquista simboliza o reconhecimen- to de toda Organização ao espírito de servir da- queles que compartilham seu conhecimento a serviço do futuro. Prêmio Destaque 2012 Inscrições e envio de trabalhos até 28/09. Não deixe de participar! www.premiodestaque.com Para mais informações escreva para premiodestaque@odebrecht.com Aida Yolanda José da Silva (em primeiro plano) e outros alunos do Programa Acreditar em Angola: qualificação profissional GuilhermeAfonso
  24. 24. 22 informa Comunidades de conhecimento da Engenharia e Construção: fontes de apoio para qualquer situação, em qualquer lugar. É só chamar texto João Marcondes 22 Danilo Abdanur (à direita) e o engenheiro venezuelano José Gonçalves: reforço na Educação pelo Trabalho
  25. 25. 23informa O prazer de procurar a sua turma AndresManner
  26. 26. 24 informa m 2009, o engenheiro Manuel Ximenes chegava à Colômbia. Seu desafio beirava o impossível: montar a proposta para a lici- tação da Rodovia Rota do Sol em apenas quatro meses. O escopo: construir 500 km de estrada em uma região de alto índice pluviométrico, no exíguo prazo de cinco anos. Um mês já havia se pas- sado desde a abertura do edital da licitação. A confian- ça na vitória não era plena. Havia lacunas técnicas. Foi quando seu líder, o Diretor-Superintendente da Ode- brecht Colômbia, Luiz Bueno, durante uma conversa, sugeriu-lhe participar do encontro da Comunidade de Rodovias, que aconteceria no Panamá. “Não participa- va da Comunidade nem tinha atentado direito para o que era. Tinha dúvidas se valeria a pena perder uma semana de trabalho na proposta para fazer a viagem”, confessa. Ximenes foi. Não perdeu uma semana. Em vez dis- so, ganhou a obra. “Relatei minhas dificuldades, e to- dos se dispuseram a ajudar”, descreve, ressaltando a vontade de colaborar da comunidade. “Era como um livro, com quase todas as respostas de que se precisa- va.” Nunca o espírito de servir parecera tão cristalino a Ximenes, que, de imediato, se tornou um dos mais atuantes membros da comunidade. Chamou colegas de obras similares no Peru, Brasil e Panamá para ajudá-lo na missão. Um miniencontro aconteceu em Bogotá, de onde foi gerada a proposta vencedora em tempo recorde. Manuel Ximenes diz que o apoio de “Maurão” foi crucial. “Maurão” é Mauro Hueb, Líder da Comunidade de Rodovias e Diretor de Contrato da Ode- brecht América Latina e Angola. O início Augusto Roque Dias Fernandes foi um dos fundado- res da primeira Comunidade de Conhecimento da Ode- brecht, a de Usinas e Barragens, em 2001. “Quando há uma questão, uma pessoa surge com uma ideia. Em seguida, outro integrante traz uma segunda ideia sobre o mesmo problema. Quando elas se juntam, surge uma terceira ideia; esta sim, costuma ser a melhor, a que deve prevalecer”, argumenta. O conceito de Comunidades de Conhecimento co- meçou a ganhar forma nos anos 1990 na Odebrecht. Em uma organização na qual a descentralização é par- te da essência cultural e filosófica, como administrar, concentrar e qualificar novos conhecimentos gerados em centenas de canteiros ao redor do mundo? O que nasceu de modo tímido, com uma rede intranet em 1996, meio pelo qual as pessoas trocavam informa- ções, logo foi adquirindo a forma de um “arquipélago de excelência interligando ilhas de competência” (con- ceito do geólogo José Carlos Leal Bezerra, que já inte- grou a Organização). Em 2001, ocorreu o primeiro encontro de uma co- munidade, na Usina Hidrelétrica Itapebi, na Bahia. Ro- que, hoje Diretor de Engenharia da Odebrecht Energia, tornou-se o líder. Rapidamente, as comunidades mul- tiplicaram-se. Hoje, no negócio Engenharia e Constru- ção da Odebrecht, são 12 comunidades, com mais de 4 mil membros, e há previsão de novas comunidades entrarem em operação ainda este ano. Uma das pessoas que tiveram papel fundamen- tal nessa história foi Olindina Perez Dominguez (veja entrevista nesta edição). Responsável pelo Ciaden (Conhecimento e Informação para Apoiar o Desen- volvimento de Negócios), ela observa: “Em uma empresa em que a Educação pelo Trabalho é par- te da filosofia, tivemos que pensar como estruturar processos e métodos para potencializar ainda mais a transferência de conhecimento. Um dos desafios foi descobrir como motivar as pessoas a estruturar e disponibilizar esse saber”. Para conseguir isso, ela contou com ajuda de Nilton Vargas, da empresa Neolabor, parceiro da Odebrecht há duas décadas. “Primeiramente, redi- recionamos o foco da rede (intranet), que era em processos e tecnologia. O novo alvo passou a ser as pessoas, mais em sintonia com a Tecnologia Em- E Manuel Ximenes: “Relatei minhas dificuldades, e todos se dispuseram a ajudar” ArquivoOdebrecht
  27. 27. presarial Odebrecht (TEO)”, explica. “Depois, esta- belecemos três estratégias: alinhar profissionais com os mesmos interesses; gravar vídeos de de- poimentos, em vez de apenas textos escritos e da- dos, pois queríamos os atores em ação, com rosto e alma; e, não menos importante, que tudo ocorresse de baixo para cima, ou seja, que a formação das co- munidades e seus líderes fosse algo além da estru- tura e priorizasse o desejo de participar.” O ambiente das comunidades funciona em uma espécie de “rede social” (“anterior às famosas redes sociais de hoje em dia”, diz Vargas). Ali, os membros podem lançar perguntas técnicas, como fez Pedro Pai- va, que tinha uma dúvida sobre como elaborar o pla- nejamento de Manejo de Resíduos Sólidos em uma obra na Venezuela e foi prontamente apoiado por meio do Fórum da Comunidade de Sustentabilidade. Nesse ambiente, também são divulgados artigos de revistas, relatos sobre o andamento de obras, vídeos com de- poimentos e outras informações. Os encontros presen- ciais são outro instrumento importante, pois estimulam a interação e oportunizam a troca de conhecimento en- tre os membros da comunidade. Atuando também no formato de Missões Técnicas, as comunidades visitam obras ou institutos de referência. Ao fim de cada encon- tro, são geradas recomendações sobre os principais temas discutidos no evento, que ficam disponíveis no Portal Corporativo para consulta dos demais integran- tes da Organização. Outro produto resultante do trabalho das comunida- des são os fichários de Melhores Práticas, os quais tra- tam de temas críticos que merecem ser aprofundados. Eles são elaborados por pessoas de conhecimento que comparam práticas utilizadas em vários ambientes da empresa e redigem as melhores práticas, com contri- buições dos demais membros. Entusiastas do conhecimento Danilo Abdanur, Responsável por Produção nas obras da Linha 2 do Metrô de Los Teques, na Venezue- la, e Líder da Comunidade de Transporte sobre Trilhos, afirma: “Participar de uma comunidade é o melhor caminho para se conhecer a filosofia da Organização”. Entusiasta do conhecimento em todas as suas formas, o mineiro Danilo inovou ao criar o primeiro curso teó- rico dentro de uma comunidade – o Programa de Ca- pacitação de Tuneleiros, para aprofundar a formação de engenheiros da empresa em túneis NATM (New Austrian Tunneling Method) e TBM (Tunnel Boring Ma- chine), que reuniu 37 pessoas, contou com professores variados, desde consultores a acadêmicos renomados, e teve duas fases presenciais: uma em Caracas e ou- tra na Alemanha, onde fica a sede da Herrenknecht, empresa-líder na fabricação de TBMs. O jovem engenheiro venezuelano José Goncalves, 20 anos, afirma: “A participação no Programa de Capaci- tação de Tuneleiros elevou muito o meu nível, que era basicamente o de um engenheiro mecânico. Apren- di sobre geologia, a parte civil da obra e, além disso, conheci gente de todo o mundo”, relata. Danilo ficou satisfeito. O aprofundamento teórico, para ele, é o ca- samento perfeito com a Educação pelo Trabalho. Augusto Roque salienta que a potencialização do saber é tão importante quanto as obras de energia atualmente em curso (que gerarão 22 mil megawatts mundo afora nos próximos anos). “O que estamos bus- cando é subir de patamar e subir de forma constante”, afirma. A relação completa de comunidades de conhecimento do negócio Engenharia e Construção da Odebrecht e seusrespectivoslíderesestádisponívelnaediçãoonline de Odebrecht Informa (www.odebrechtonline.com.br). Augusto Roque: pioneirismo ArquivoOdebrecht 25informa
  28. 28. 26 informa A ESCALADA DO saber 26 Trabalhador em uma unidade da Braskem: comunidades de conhecimento contribuem para a melhoria da qualidade, da produtividade e da sustentabilidade
  29. 29. er Na Braskem, as comunidades formam um mosaico de conhecimento e funcionam como fóruns virtuais de discussão texto Thereza Martins fotos Marcos Sá s comunidades de conhecimento da Braskem foram desenvolvidas em alinha- mento com o modelo já existente na Organização Odebrecht. Elas são um es- paço para compartilhar informação, experiência e saber. Um saber construído a muitas mãos, incorporado à memória e ao patrimônio da empresa. Por definição, as comunidades são grupos de integrantes com saberes sobre determinado tema, projeto, serviço ou produto, que se correlacionam para formar um conjunto diversificado de conhecimentos, o qual, por sua vez, permite a dissemina- ção de informações e experiências. Com essa orientação, as comunidades propiciam a aplicação do princípio de educação pelo e para o trabalho expresso na Tecnologia Empresarial Odebrecht (TEO). Além dos encontros presenciais, as comunidades contam com um ambiente virtual, cujo funcionamento pode ser comparado aos grupos de interesse ou de discussão da internet, com possibilidade de postar arquivos, comentários e de revisitar históricos. A ArquivoOdebrecht 27informa
  30. 30. 28 informa O objetivo é reunir em um mesmo ambiente, chama- do plataforma de colaboração digital, o conhecimento específico gerado na empresa, facilitando o seu compar- tilhamento e, ao mesmo tempo, protegendo a memória resultante desse processo. “A motivação para criar uma comunidade e partici- par dela está intimamente ligada à própria cultura da Organização, pois envolve o espírito de servir à atual e às futuras gerações de integrantes, a humildade para ensinar e aprender, a vontade de descobrir o novo e pre- servar o conhecimento construído no trabalho”, informa Edileni Leão, analista da área de Recursos da Informa- ção e Conhecimento (RIC). A análise de propostas e a anuência para abertura de novos grupos, assim como a condução das comunida- des, são de responsabilidade da RIC. Cada comunidade tem um ou mais moderadores, encarregados dos convi- tes, do incentivo à participação e da coordenação interna das colaborações. O marco na evolução das comunidades na Braskem data de 2009, quando o conceito começou a ser discutido pela RIC. No ano seguinte, foi desenvolvido um projeto piloto, concentrado em inovação e tecnologia. Em 2011, já havia cinco comunidades abertas, em diferentes es- tágios de participação e maturação. Até abril de 2012, mais três grupos estavam em atividade, e a meta é che- gar a cinco até o fim do ano. Entre os temas focados estão o Programa Braskem+, Engenharia de Processos PP (polipropileno), Tecnologia de Eteno Verde, Pessoas & Organização e Sustentabili- dade. Somadas, as oito comunidades da empresa reú- nem mais de 300 pessoas. Braskem+ A Comunidade de Conhecimento Braskem+ é a que reúne o maior número de participantes, cerca de 60, por causa da abrangência do tema, que diz respeito a todas as unidades de negócio e de apoio da empresa. O Braskem+ é um programa corporativo criado para dar suporte a essas unidades em seus esforços de melhoria da qualidade, da produtividade operacional e da susten- tabilidade dos resultados. “Neste momento, as equipes de produção estão tra- balhando na construção de padrões para o sistema de produção da empresa, processo que se tornou mais ágil com a troca de informações, ideias e experiências pos- sibilitada pela Comunidade Braskem+”, afirma Vladimir Araújo Ornelas, especialista da área de Qualidade e Pro- dutividade Corporativa (Q&P) e um dos moderadores da comunidade. Vladimir também destaca, como benefício da ferra- menta, a possibilidade de registro de todas as contri- buições apresentadas, que ficam arquivadas. “Assim podemos identificar os autores das contribuições, o mo- mento em que elas foram feitas e o que trouxeram de novo”, salienta. Dessa forma, no futuro, quando um dos integrantes quiser consultar o processo de construção e de definição dos padrões, não terá dificuldade. A relevância do debate e de melhorias em qualidade, produtividade e sustentabilidade para a empresa reflete- -se na variedade de temas em pauta: confiabilidade da produção e de equipamentos, melhoria focalizada, orga- nização física e sistematização de processo. Para cada um deles, abre-se um leque de subtemas ainda mais específicos. Edileni Leão e Backer da Rosa: espírito de colaboração
  31. 31. 29informa “Essa discussão poderia ser feita pelas formas tra- dicionais, como workshops, circulação de arquivos em rede corporativa ou videoconferências, mas percebemos que, por meio da comunidade, está sendo mais pro- dutivo”, comenta Rubem Ede, engenheiro especialista em Q&P, que trabalha no Polo Industrial de Camaçari (BA). “Precisamos de representatividade para concluir o debate sobre a padronização do sistema de produção Braskem+ e estamos conseguindo isso por meio das comunidades, nas quais cada participante representa a sua área de atuação e a sua equipe, enriquecendo o processo”, acrescenta. Tecnologia em Eteno Verde A inovação está no DNA da Comunidade Tecnologia de Eteno Verde, totalmente alinhada à Visão 2020 da Braskem, de ser a líder mundial da química sustentá- vel. Para isso, a empresa precisa continuar evoluindo em pesquisas de alternativas tecnológicas de matérias- -primas renováveis. O passo inicial e decisivo foi o de- senvolvimento da tecnologia de produção de eteno verde e, na sequência, de polietileno verde, fabricados a partir do etanol de cana-de-açúcar no Polo Petroquímico de Triunfo (RS). “Nossa comunidade tem 17 participantes e ainda está em fase piloto de implementação”, relata Roberto Werneck do Carmo, Responsável por Processos Reno- váveis, que se dedica ao trabalho de pesquisa em um la- boratório parceiro da Braskem, em Campinas (SP). Nes- sa etapa inicial, os convidados a integrar a comunidade são profissionais de pesquisa e desenvolvimento de tec- nologia, que atuam no projeto Eteno Verde e detêm um conhecimento considerado estratégico para a empresa. Roberto é um dos moderadores da comunidade, ex- periência que ele trouxe de outra empresa onde atuou e que qualifica como motivadora e gratificante. “Um dos desafios do moderador é incentivar a participação das pessoas, mostrando a elas os benefícios disso para o seu próprio trabalho e para a empresa”, afirma. Plataforma de colaboração Os pilares da plataforma de colaboração digital, am- biente que dá suporte às comunidades de conhecimento e às interações dos usuários, são a integração, a centra- lização e o histórico da informação, o fluxo de trabalho compartilhado para colaboração, as redes de conheci- mento, a segurança da informação e sua confidenciali- dade e as permissões de acesso por perfil do participan- te. A definição é de Backer Luis Vieira da Rosa, analista de sistemas que trabalhou na construção da plataforma. Baseada na tecnologia Microsoft SharePoint, a platafor- ma oferece aos usuários funcionalidades às quais eles estão habituados. “O sistema de acesso às funções disponíveis é se- melhante ao do Office, com barra de ferramentas. Tam- bém a navegação remete às práticas de redes sociais da internet, com painéis para comentários e espaço para postagem de arquivos a serem compartilhados em uma espécie de biblioteca virtual”, descreve Backer. “Além disso, o participante pode customizar sistemas de alerta, que recebe em seu e-mail, sempre que um arquivo ou comentário novo estiver disponível para consulta, man- tendo, assim, o usuário atualizado sobre as atividades recentes das comunidades.” Roberto Werneck do Carmo: incentivo à participação das pessoas
  32. 32. 30 informa entrevista 30 texto Karolina Gutiez foto Holanda Cavalcanti uma obra coletiva chamada conhecimenrinta e três anos passaram-se desde que Olindina Perez Dominguez ingres- sou na Odebrecht. As quatro medalhas de reconhecimento pelos 10, 15, 20 e 25 anos de trabalho na Organização emolduradas e dispostas no móvel atrás de sua mesa, em meio a pilhas de documentos, eviden- ciam o apreço pela trajetória que começou em Sal- vador, sua cidade natal, na equipe de desenhos da área de barragens. Com formação técnica mescla- da à Escola de Belas Artes, Dina, como é conhecida pelos colegas, testemunhou muitas conquistas de projetos nesse segmento e acompanhou quando o departamento foi integrado ao ambiente corpo- rativo para apoiar a elaboração de propostas para toda a então Construtora Norberto Odebrecht. Ela passou a capacitar as equipes envolvidas em estu- dos para o alcance de novos contratos. “Conseguir conquistar uma concorrência não tem preço! E per- der te abate muito.” Nesse processo, sempre que a Construtora precisava atestar sua capacidade téc- nica e comercial para participar de uma licitação, os profissionais recorriam ao conhecimento gerado anteriormente. “É por isso que costumamos afir- mar que a Odebrecht já tinha uma rede de conhe- cimento desde a sua fundação. É algo inerente ao negócio.” Foi assim que o Ciaden (Conhecimento e Informação para Apoiar o Desenvolvimento dos Ne- gócios), liderado por Olindina, teve origem: como uma área de licitações. Nesta entrevista, concedida no escritório da Odebrecht em São Paulo, Olindina T
  33. 33. 31informa entoOlindina Dominguez: “Ao registrar, melhoramos nossa própria ideia, conceituamos a prática”
  34. 34. fala sobre os desafios do Ciaden para acompanhar o crescimento da Organização, que tem na rede de conhecimento um dos seus principais aliados. Odebrecht Informa – Quais as concentrações do Ciaden hoje? Olindina Dominguez – Temos três focos de atuação, integrados e dependentes: habilitação, segurança empresarial e rede de conhecimento. O primeiro refere-se ao nosso apoio às equipes para a participação em concorrências. Tudo o que é gerado no canteiro e serve como informação para qualificação das empresas e dos integrantes, a exemplo de um Atestado de Obra, deve, em contrapartida, alimentar a nossa base de informações corporativa, para que possamos apoiar novas conquistas. Para atender a essa demanda, criamos um instrumento chamado check list, uma relação com a documentação mínima necessária para a sobrevivência da Organização no mercado, com a instrução de que todas as obras têm o dever de fornecer as informações ali solicitadas. É assim que preservamos nossa memória técnica e garantimos nossa segurança empresarial. Então partimos para a disseminação de todo esse conhecimento gerado nos diversos ambientes em que estamos presentes, pois nosso rico acervo de nada vale se não for compartilhado. Nosso desafio é criar ferramentas e meios para compartilhar o conhecimento e disponibilizá-lo para utilização em nossos negócios. OI – E como uma Organização descentralizada como a Odebrecht disponibiliza o conhecimento a todos os seus integrantes? Olindina – O Prêmio Destaque foi o primeiro passo, dado em 1992, para incentivar os integrantes a exercitar cada vez mais a produtividade, a criatividade e a reutilização dos conhecimentos gerados em suas experiências de trabalho, além de reforçar a cultura do registro e disseminar o conhecimento. Ao registrar, melhoramos nossa própria ideia, conceituamos a prática. Nesses 20 anos de existência, o prêmio acumulou um acervo de 2.900 projetos inscritos. Hoje, são seis categorias. Em 2011, 15 países e 10 empresas da Organização participaram, mas o prêmio está aberto às demais. O portal corporativo (intranet) foi o passo seguinte. Nasceu em 1996, com o intuito de transferir para uma ferramenta a memória de nossa equipe. No site, disponibilizamos todas as informações necessárias para desenvolvimento, conquista, execução e desmobilização de contratos. Com o tempo percebemos que, apesar do grande volume de conteúdo, os integrantes não acessavam o portal, pois havíamos desenvolvido soluções muito focadas em tecnologia, e não em pessoas. A intranet sofreu alterações, como a adoção da taxonomia, que é o sistema de buscas do Google, mas, em 2001, caminhamos também para outra iniciativa: a criação das comunidades de conhecimento. Colocamos em contato pessoas com interesses em comum e disponibilidade para compartilhar conhecimento e aprendizados. A primeira comunidade foi a de barragens e usinas hidrelétricas. Hoje, já são 12, todas com grande número de adesão. OI – Você falou sobre compartilhar não só conhecimento, mas também aprendizados... Olindina – Quem teve prejuízo tomou caminhos “Nosso desafio é criar ferramentas e meios para compartilhar o conhecimento e disponibilizá-lo para utilização em nossos negócios”
  35. 35. que não deram certo. As comunidades não compartilham apenas sucessos; pelo contrário, percebemos que o maior aprendizado vem com os casos de insucesso. Nessas situações é que se aprende mais. E, nesses ambientes, seja presencialmente ou a distância, virtualmente, há um clima favorável para as pessoas se abrirem, sem vaidade, sem receio de exposição, e exercitarem a consultoria interna. O registro desses relatos de Educação pelo Trabalho contribui para os programas internos, moldados para a Educação para o Trabalho; por exemplo, o Programa de Desenvolvimento de Empresários (PDE). OI – A vontade de compartilhar, por parte dos integrantes, sempre esteve presente? Olindina – José Carlos Leal Bezerra, geólogo que já integrou a Organização, certa vez nos fez a seguinte provocação: “Precisamos transformar ilhas de competência em arquipélago de excelência”. As pessoas tinham uma tendência a preservar seu conhecimento. Quando vencemos essa barreira, ficou fácil tirá-lo do tácito e torná- lo explícito, porque as pessoas de conhecimento estavam ali. Investimos recursos várias vezes nas mesmas questões. No entanto, os desafios e as oportunidades são semelhantes. Então, o caminho a seguir é a reutilização do conhecimento. O espírito de servir, pilar de nossa Cultura, ajuda a trilhar esse caminho. OI – Qual o exemplo bem-sucedido de reutilização do conhecimento é emblemático na Organização? Olindina – O Caia na Rede. Realizado pela primeira vez no contrato da Plataforma de Rebombeio Autônoma (PRA-1), em São Roque do Paraguaçu, no Recôncavo baiano, ele foi inscrito e venceu uma das categorias do Prêmio Destaque, em 2005. Hoje, o programa de inclusão digital para trabalhadores e comunidades do entorno dos projetos é uma realidade presente em inúmeros canteiros de obra da Organização, em diversos países. O Programa de Qualificação Profissional Continuada Acreditar venceu uma das edições do prêmio, gerou filhotes e foi inscrito em 2011 na categoria Reutilização do Conhecimento. Venceu novamente. OI – Depois de três décadas de trabalho na Organização, qual aprendizado você gostaria de compartilhar com todos nós? Olindina – Ser descentralizado não significa estar isolado. Buscar a integração e a cooperação entre pessoas, empresas e ambientes é uma atividade constante, porém com resultados gratificantes. A transversalidade, que já vem acontecendo nas comunidades de conhecimento, por exemplo, com a participação de diferentes negócios, é motivo de celebração. Usar um conhecimento gerado em novos contextos é produtivo e sábio. Não podemos mais partir do zero. Isso nos possibilitará evoluir cada vez mais. Se temos mais de 320 túneis, mais de 280 rodovias em nosso portfólio, temos amplo saber a respeito disso e precisamos compartilhar. “O caminho a seguir é a reutilização do conhecimento. O espírito de servir, pilar da nossa Cultura, ajuda a trilhar esse caminho”
  36. 36. 34 informa Representação simbólica de uma cultura 34 Visitantes no Núcleo, em Salvador: oportunidade para conhecer as personalidades e os fatos que fizeram e fazem a Odebrecht
  37. 37. 35informa Núcleo, em Salvador, proporciona aos integrantes e parceiros da Odebrecht uma visão histórica dos resultados alcançados e os inspira a fazer cada vez mais e melhor texto José Enrique Barreiro fotos Fernando Vivas m dia depois de ter lido uma reportagem sobre o Núcleo da Cultura Odebrecht, publicada no jornal baiano A Tarde, Aloísio Procópio Nascimento dirigiu-se à sede da Organização, na Avenida Paralela, em Salvador, para visitá-lo. “Trabalhei a vida inteira na Odebrecht e quero conhecer o lugar que conta a história da minha empresa.” As- sim ele se apresentou à Fátima Berbert, Res- ponsável pelo Núcleo, que o levou para conhe- cer o espaço expositivo, no qual visitantes têm contato com a história da Organização, desde suas origens, com a imigração alemã para o Brasil no século 19, até os dias atuais. Em uma das vitrines, onde estão as cartei- ras profissionais de mestres de obras que tra- balharam com o fundador Norberto Odebre- cht entre as décadas de 1940 e 1970, Aloísio sentiu falta de sua carteira e protestou: “Por que as de Bonifácio e Zé Vital estão aqui e a minha não?” Sem precisar de resposta, deci- diu: “Vou em casa buscá-la agora mesmo”. E assim o fez. Sua carteira foi levada a Norberto Odebrecht, que reconheceu Aloísio como um dos mestres com quem trabalhara e autori- zou a colocação do seu documento ao lado dos de Bonifácio Manuel dos Santos, José Vital da Silva e outros mestres. Episódios como esse não são raros na his- tória do Núcleo da Cultura Odebrecht, que costuma receber documentos e objetos que carregam um pedaço dos 68 anos de história da Organização. “Este tapete peruano”, mos- tra José Raimundo Lima, Responsável por Comunicação Empresarial em Salvador, “que retrata a cidade de Machu Picchu, foi ofereci- do à Odebrecht por Pedro Huilca, Presidente da Confederação dos Trabalhadores da Cons- trução Civil, no Peru, em 1989”. Apontando em outra direção, explica: “Este é o prêmio que a Odebrecht recebeu do IMD [Institute for Mana- gement Development], da Suíça, em 2010, por ter sido eleita a melhor empresa familiar do mundo naquele ano”. E acrescenta: “A Ode- brecht foi a segunda organização latino-ame- ricana a receber o prêmio”. U 35informa
  38. 38. 36 informa José Raimundo mostra também objetos que ante- cedem a história da Organização, como um telescó- pio que, em 1862, pertenceu a Emil Odebrecht, bisavô do fundador Norberto Odebrecht, e que foi doado ao Núcleo da Cultura, em março de 2010, por Curt Otto Baumgart, primo de Norberto, e vários documentos, entre os quais uma carta da religiosa baiana Irmã Dulce, de 29 de janeiro de 1983, em que agradece a Norberto Odebrecht a construção de novos pavilhões do Hospital Santo Antônio, que ela administrava e que ainda hoje presta gratuitamente atendimento de saú- de em Salvador. Enquanto circulam com a equipe de Odebrecht Informa pelo espaço expositivo do Núcleo, José Raimundo e Fátima Berbert vão indicando ou- tros objetos e documentos e contando um pouco a história de cada um. Jovens visitantes Há 35 anos na Organização, José Raimundo acom- panha o Núcleo da Cultura desde sua fundação, em 1984, com o nome de Núcleo da Memória Odebrecht. Conta que a iniciativa partiu de Renato Martins, As- sessor Especial do Diretor-Presidente da Odebrecht S.A.: “Ele queria reunir, em um só espaço, o acervo e a memória da Odebrecht e permitir que integrantes e visitantes conhecessem melhor a nossa história”. De lá para cá, o Núcleo passou por várias trans- formações, expandiu-se e ganhou novas atribuições. Uma das mudanças foi em seu nome. Com o objetivo de expressar sua natureza essencial, a palavra “me- mória” foi substituída por “cultura”. Márcio Polidoro, Responsável por Comunicação na Odebrecht, explica: “O Núcleo é uma representação simbólica de nossa Cultura, ou seja, de uma filosofia empresarial base- ada em princípios, valores, conceitos e crenças, que proporciona a nossos integrantes e parceiros uma visão histórica dos resultados alcançados, de modo a inspirá-los a buscar resultados cada vez maiores e melhores”. Novas atribuições Em agosto de 1991, o Núcleo ganhou novas atri- buições com a criação do CDR (Centro de Documen- tação e Referência), uma espécie de banco de dados da Organização, onde estão mais de 80 mil documen- tos, entre fotos, textos, vídeos, publicações internas e externas sobre a Odebrecht – o que saiu em jornais e revistas no Brasil e nos países onde atua. Todo esse material está à disposição dos integrantes na intra- net das empresas da Organização. De sua criação até fevereiro de 2012, o CDR foi di- rigido por Ulla Von Czekus, que agora atua na equi- pe de Pessoas e Organização da Odebrecht S.A. Sua substituta, Liana Garrido Fontenelle, revela que a procura por materiais do CDR é grande. Ela aten- de, em média, 200 consultas por mês (foram 239 em março de 2012, cerca de 90% das quais via e-mail) e contabiliza mil acessos mensais ao CDR pela in- tranet (1.080 em março de 2012). “A demanda maior é por fotos e textos sobre a Tecnologia Empresarial Odebrecht (TEO)”, destaca. “Quando saem a revista Odebrecht Informa e o Relatório Anual, a procura por fotos aumenta muito.” Nos últimos anos, o Núcleo da Cultura passou a receber uma quantidade crescente de jovens visitan- tes – integrantes da Organização e de instituições educacionais e sociais. É um de seus objetivos prin- cipais: ser instrumento educacional para as novas gerações. Das 11.062 pessoas que passaram pelo Núcleo em Salvador em 2011, 2.492 eram visitantes convidados por empresários-parceiros da Organiza- ção ou participantes de reuniões internas, entre os quais muitos jovens que faziam parte do PDE (Pro- grama de Desenvolvimento de Empresários). As ou- tras 8.570 pessoas eram visitantes de escolas, uni- versidades e instituições sociais. Para contribuir na missão de proporcionar a in- tegrantes e parceiros uma visão histórica dos resul-
  39. 39. 37informa tados alcançados, foi publicado em abril o novo site do Núcleo da Cultura na internet, no qual o usuário pode encontrar um amplo conjunto de informações. Entre outros conteúdos, encontram-se no site uma reprodução da área de exposições físicas do Núcleo (na qual o visitante passeia como se estivesse na sede), depoimentos de líderes e o acervo completo de objetos guardados em Salvador, com fotos e descri- ções de cada um deles. Integrantes da Organização e interessados em geral podem conhecer esse espaço virtual em www.culturaodebrecht.com.br Em busca de material Durante a visita, a equipe de Odebrecht Informa encontrou, em uma das salas do Núcleo, Rafaella Lana Figueiredo, da Odebrecht Infraestrutura. Há três anos na Organização, ela hoje trabalha nas obras de expansão da Estrada de Ferro Carajás, no Maranhão, para a Vale. “Vim buscar material para desenvolver, em nosso contrato, um curso para pessoas estraté- gicas de produção: encarregados gerais, jovens par- ceiros e responsáveis por programas”, informou Ra- faella, que atua no programa de Aculturação, da área de Pessoas e Organização (P&O) do contrato, e fazia sua terceira visita ao Núcleo da Cultura. “Assisti a ví- deos e pesquisei no CDR informações de que preci- sava para preencher algumas passagens sobre a his- tória da Organização para o curso.” Ela diz que visitar o Núcleo é fazer uma imersão na Cultura Odebrecht e uma oportunidade para conhecer detalhes especiais: “Ontem, ao assistir ao vídeo ‘Conversa ao pé do Nú- cleo’, fiquei sabendo que Dr. Norberto, quando jovem, sonhava ser médico, coisa que eu desconhecia”. As informações que foi buscar no Núcleo da Cul- tura, Rafaella levará para Açailândia, no Maranhão, onde trabalha, e poderá transmitir às equipes da Odebrecht Infraestrutura de lá. Mas já sabe que frustará a curiosidade de muitos colegas. Como das outras vezes em que esteve no Edifício-sede, ao re- tornar para o canteiro de obras, ouviu a mesma per- gunta: “Você viu Dr. Norberto Odebrecht por lá?” Na segunda vez, quando assistiu a uma palestra do fun- dador da Organização, ela pôde satisfazer a curiosi- dade dos companheiros de trabalho. Mas, dessa vez, Rafaella não teve sorte. Dr. Norberto Odebrecht es- tava viajando. Espaços expositivos no exterior Fora do Brasil, em alguns dos países nos quais suas equipes estão presentes, a Odebrecht mantém espaços expositivos inspirados no Núcleo da Cultura. Em Angola, o local criado há dois anos fica na sede da Odebrecht Angola, no bairro de Talatona, em Lu- anda, e costuma receber a visita de integrantes da Odebrecht em atividade em Angola que buscam co- nhecer melhor a história e as realizações da Organi- zação em que trabalham. O espaço também é visita- do por estudantes, jornalistas, artistas, empresários, 37informa
  40. 40. 38 informa representantes de órgãos governamentais e mem- bros de comunidades de Luanda e de outras cidades angolanas, que passam a compreender melhor a ori- gem e a evolução do trabalho da Odebrecht no Brasil, em Angola e no mundo. “Este espaço contribui para mostrar que a Ode- brecht vem sendo uma parceira constante de Ango- la nestes 27 anos, na luta pelo desenvolvimento do país e a consequente melhoria da qualidade de vida de seus cidadãos”, afirma Justino Amaro, Gerente de Relações Institucionais da Odebrecht em Angola. Jorge Benge, Responsável pelo Núcleo Odebrecht Angola, recebe cada grupo de visitantes com especial atenção. “Aqui, neste recinto, aparece o padrão filo- sófico e cultural da Odebrecht. Quem o visita, logo se impressiona com a abrangência das obras que exe- cutamos, dos investimentos realizados e dos nossos trabalhos de responsabilidade social.” Adilson Job, que trabalha há quatro anos como Técnico de Construção na empresa, admite que, em sua primeira visita ao espaço, ganhou uma nova visão a respeito da Organização. “A Odebrecht é uma ver- dadeira universidade, tão vasta e competente é sua atuação.” Zilpa Figueira, com cinco anos de atuação no Programa de Pessoas na Odebrecht Angola, ficou impressionada com um detalhe observado. “Eu já sa- bia da maioria dessas importantes obras, mas não imaginava esse alcance tão grande da atuação social da Odebrecht em Angola. Hoje, ampliei meu conheci- mento e estou orgulhosa disso.” Na Venezuela, um espaço também inspirado no modelo do Núcleo da Cultura Odebrecht foi inau- gurado no segundo semestre de 2011, no escritório da empresa, em Caracas. Nele é contada a história de 20 anos de presença da Organização no país. Em uma grande mesa central com recursos multimídia e interativos, o visitante pode acessar textos descriti- vos e fotos das obras realizadas e em execução pela empresa na Venezuela, como a Ponte Orinoquia e as linhas de Metrô em Caracas e Los Teques. Em torno da mesa, ficam painéis, mapas, objetos e documen- tos que ajudam a relatar a trajetória da Odebrecht Venezuela. No Panamá e no Peru também existem espaços semelhantes. Espaço Expositivo em Salvador – exposição permanente que mostra a história da Organização Odebrecht, desde suas origens até os dias atuais. CDR – Centro de Documentação e Referência – acervo de fotos, textos, documentos, publicações internas e notícias sobre a Organização Odebrecht. Consultas pela intranet. BibliotecaHerthaOdebrecht–Acervodelivrosepu- blicaçõesdiponívelnasededaOdebrecht,emSalvador, quepodeserconsultadoporintegrantesevisitantes. Como está organizado o Núcleo da Cultura Odebrecht Foto histórica do Teatro Castro Alves, em Salvador: um dos destaques do acervo do CDR
  41. 41. Rede de solidariedade Inaugurado há 10 anos, o Instituto de Tratamento do Câncer Infantil (Itaci), em São Paulo, passa por obras que ampliarão sua capacidade de atendimento á 10 anos, a cidade de São Paulo ganha- va um reforço no tratamento do câncer em pequenos pacientes. Extensão do Instituto da Criança (ICr) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), o Instituto de Tratamento do Câncer Infantil (Itaci) foi inaugurado pelo Governador Geraldo Alckmin em setembro de 2002. “O Itaci nasceu de uma feliz parceria concebida pela Fundação Criança, que agregou a população e a so- ciedade empresarial privada, de quem recebeu apoio integral”, explica Aluizio Rebello de Araujo, membro do Conselho de Administração da Odebrecht S.A. e Presi- dente do Conselho Curador da Fundação Criança, enti- dade instituída em 1994 para apoiar o ICr. A implantação do hospital é resultado da Parceria Público-Privada (PPP) entre ICr, Fundação Criança, empresas privadas e sociedade civil. “O ICr tratava de todas as doenças infantis, mas percebemos a neces- sidade de um atendimento especial às crianças com câncer”, conta Aluizio Araujo. A construção do instituto foi iniciada após a doação de umterrenosituadonasproximidadesdoHospitaldeClíni- cas de São Paulo pela Fundação Oncocentro à Fundação Criança. As obras foram realizadas com materiais e ser- viços doados por empresas. O engenheiro Pedro Boscov, integrante da Odebrecht, supervisionou o projeto. “Buscamos o amparo social da população e recur- sos de instituições privadas”, destaca Aluizio Araujo. Ele ressalta a importância da PPP: “A parceria entre governo, empresas e sociedade foi fundamental para a implantação do hospital, que hoje é um modelo de sucesso”. Atualmente, o Itaci recebe 3.200 pacientes porta- dores de doenças onco-hematológicas. Por mês são 1.100 consultas, 550 quimioterapias e mil atendimen- tos da equipe formada por psicólogos, assistentes so- ciais, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, nutri- cionistas, farmacêuticos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem. Em junho deste ano, serão concluídas as obras que ampliarão a capacidade de atendimento do instituto, que passará a contar com novo Centro de Transplan- te de Células-Tronco Hematopoiéticas, 19 novos leitos, sete leitos de Unidade de Terapia Intensiva e seis uni- dades semi-intensivas. Instalações do Itaci: atendimento especial H texto Fabiana Cabral foto Holanda Cavalcanti comunidade 39informa
  42. 42. 40 informa texto Eliana Simonetti fotos Fred Chalub olhandopara o lugar certo Participantes de um Café Temático da Braskem, em São Paulo: misto de palestras, discussões técnicas e conversas informais 40
  43. 43. 41informa Base Braskem de Conhecimento, Programa de Desenvolvimento de Competências e Cafés Temáticos apoiam as equipes em sua busca por informação haís Beteta é uma bibliotecária paulistana que, três anos atrás, foi convidada a trabalhar na Braskem. Naquele tempo, suas atividades na empresa não eram muito diferen- tes daquelas às quais estava habi- tuada: havia bibliotecas em diversas unidades, em todo Brasil, cada uma com o controle pró- prio das publicações. Para atender aos pedidos dos pesquisadores, ela precisava refazer a bus- ca completa para cada um deles, multiplicando seu trabalho. Em 2011, a vida de Thaís mudou. Ela e a equipe da RIC (Recursos de Informação e Conhecimento) enfrentaram o desafio de pro- jetar uma base de dados que reunisse todos os acervos, inclusive os documentos digitais. Cria- ram, assim, a Base de Conhecimento Braskem (BBC), sistema de busca especializado, acessí- T
  44. 44. 42 informa vel aos 7.500 integrantes da empresa. A BBC começou como outros mecanismos de busca disponíveis na internet, porém restrita às publicações dos acervos já existentes. Thaís salienta: “Nosso desafio é otimizar o trabalho dos pesquisadores e os resultados da Braskem. Por isso, logo após o início de operação da BBC foram acrescentadas melhorias, como a pos- sibilidade de realização de buscas em sites de fontes de informação e de revistas especializa- das assinadas pela Braskem”. Thaís explica que, quando alguém busca a palavra “polímero” no Google, por exemplo, terá à sua frente mais de 2 milhões de resulta- dos. “A seleção e a leitura de todo esse mate- rial disponibilizado pelos mecanismos de busca genéricos levam tempo, nem sempre surtem os resultados esperados e, portanto, elevam os custos das pesquisas realizadas”, argumenta. Mesmo se a pesquisa for restringida ao Goo- gle Acadêmico, que coleciona pesquisas e te- ses mais especializadas, o usuário encontrará 26 mil alternativas, e isso apenas em portu- guês. No acervo da BBC, o alcance fica em tor- no de 1.500 resultados (em português, inglês e espanhol), pois há uma seleção prévia já na aquisição dos documentos. O material está disponível desde janeiro e é atualizado permanentemente pela equipe da RIC. Em abril, já registrava 80 consultas por dia, e a demanda é crescente. Considerando que a Braskem conta com mais de 300 pesqui- sadores, que buscam inovações em produtos, processos de produção, mercado e comercia- lização, esse interesse pode traduzir-se como um resultado extremamente positivo. Os integrantes podem compartilhar os do- cumentos recuperados em suas pesquisas com colegas do Rio Grande do Sul, São Paulo, Bahia, Rio de Janeiro, Alagoas e Estados Unidos (Pit- tsburgh). Assim como se ficam sabendo de um evento, podem divulgá-lo; se participarem dele, podem disponibilizar o material recebido. O mesmo vale para os que produzem um trabalho acadêmico. Basta enviar o material e pronto – ele estará acessível aos seus colegas. Danielle Espósito e Fabio Carneiro: mudanças na maneira de ver o mundo
  45. 45. 43informa Desenvolvimento de competências Da BBC para o PDC – mudam-se letras, atividades e enfoque, mas permanece o mes- mo espírito de compartilhamento de saberes e experiências. A jornalista Danielle Espósito, 28 anos, que integrava a equipe de Comuni- cação Empresarial da Braskem e, no fim de abril, assumiu novo desafio na Odebrecht S.A., holding da Organização Odebrecht, diz, emo- cionada: “Sou formada em Comunicação. Agora entendo um pouco sobre risco industrial, finan- ças e toxicologia. Minha maneira de ver o mun- do mudou”, diz. Ela está bastante motivada pela oportunidade de participar, entre 31 escolhidos, do Programa de Desenvolvimento de Compe- tências (PDC) em Desenvolvimento Sustentável, oferecido pela Braskem na FIA-USP (Fundação Instituto de Administração, ligada à Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo). “Tenho questionado meus princípios, meus valores, o que sou e como posso contribuir, de forma realista, para um futuro viável”, explica Danielle. Seu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que deverá ser entregue e avaliado no fim do ano, será sobre princípios da comuni- cação educativa da sustentabilidade. E, é claro, será postado na BBC. Outro participante do PDC, Fabio Magalhães Carneiro, formado em Administração de Em- presas com intercâmbio em Economia em Vie- na (Áustria), passou de Líder de Performance em Polietileno a Líder Comercial de Químicos Renováveis. “Adquiri informações e habilidades que não me eram requeridas anteriormente. Agora posso conversar com nossos clientes glo- bais, sejam eles dos Estados Unidos, da Europa ou do Japão, além de apresentar as possibilida- des do uso do plástico renovável em eventos e congressos.” Jorge Soto, Diretor de Desenvolvi- mento Sustentável da Braskem, orgulha-se de dizer que o curso apoiou fortemente a capacita- ção de Fabio para seu novo desafio. O PDC oferecido em 2011 trata de Gestão Es- tratégica para a Sustentabilidade. “A demanda dos nossos clientes, dos clientes dos nossos clientes e dos diversos agentes da sociedade é crescente, muitas transformações estão ocor- rendo no mundo e precisamos fortalecer con- tinuamente nossa capacitação em sustentabili- dade”, diz Soto. E vai além: “É necessário criar oportunidades para o florescimento de novos líderes nessa área”. Soto não fala apenas de integrantes da Braskem. Participante do PDC, Ana Maria Wi- lheim, Diretora-Executiva do Instituto Akatu, dedicado a disseminar informações e práticas de consumo consciente, afirma: “Entrei na in- dústria química, sistematizei informações e sem dúvida sairei daqui mais consciente. Este é um curso para formar lideranças”, diz ela, soci- óloga e militante dos direitos humanos há cerca de 35 anos. Das aulas do PDC também participam repre- sentantes da WWF, organização não governa- mental dedicada à defesa do meio ambiente, do Banco do Brasil, da Oxiteno, das Indústrias Ti- Tela com material informativo disponível na BBC: otimização do trabalho dos pesquisadores 43informa
  46. 46. 44 informa gre e da Construtora Norberto Odebrecht, além de pessoas de várias áreas da Braskem. A ideia de convidar pessoas de fora para participar de cursos oferecidos pelas empresas da Organiza- ção Odebrecht é inovadora. “É totalmente as- sociada aos princípios do desenvolvimento sus- tentável que buscam a consideração de todas as partes interessadas na estratégia dos negó- cios”, enfatiza Soto. “Às vezes, os debates ficam acalorados, o que é bom, e os professores são ótimos, alinhados peda- gogicamente e conhecedores da Braskem, e sabem como trabalhar as diferenças de forma construtiva”, explica o coordenador geral do curso, professor Izak Kruglianskas. “Construímos um curso com duração de 460 horas voltadas diretamente aos interesses e ao negócio da Braskem”, diz Annelise Vendramini, da equipe de coordenadores do PDC. Jorge Soto (à frente, de paletó) e participantes do PDC: iniciativa inclui ações fortemente associadas aos princípios do desenvolvimento sustentável
  47. 47. 45informa O colega ao lado O acúmulo de conhecimento ocorre em ritmo cada vez mais acelerado na Braskem. Hoje, um pesquisador da Braskem tem acesso a informa- ções geradas e/ou registradas em outros esta- dos e nas mais diversas áreas da empresa, mas é fundamental que ele também esteja atento ao que diz e pensa o colega que está a seu lado. É preciso que as pessoas que compartilham o mesmo ambiente de trabalho troquem ideias, porque, quando pesquisadores conversam en- tre si, um bate-papo de corredor pode se trans- formar em uma iniciativa de sucesso. Aline Renz, da RIC de Triunfo, reuniu as pes- soas ligadas à área para conversar, em um misto de palestras, discussões técnicas e con- versas informais, com o objetivo de possibilitar o compartilhamento de conhecimento. Assim nasceram, em julho de 2011, os Cafés Temá- ticos, eventos bastante informais (e sempre produtivos) que geram registros de Memória Tecnológica, disponibilizados na base de da- dos para que outros pesquisadores da Braskem possam ter acesso a eles. O primeiro Café Temático ocorreu na área de Catálise e tratou do livro Simetrias de molécu- las e cristais: fundamentos da espectroscopia vibracional, cuja compreensão acabou sendo facilitada com a colaboração dos participantes. É um livro extenso, com grande volume de in- formações. Os pesquisadores decidiram buscar uma forma de chegar aos temas de seu inte- resse mais específico. A discussão sobre como fazer isso acabou resultando no surgimento dos Cafés Temáticos. No dia 23 de março, em Triunfo, com a parti- cipação de 50 integrantes, foi realizado o Café Temático sobre LCB – Long Chain Branching (cadeias longas de moléculas ou ramificações longas de cadeia) replicado em 17 de abril, em São Paulo. Em Triunfo e em São Paulo, os even- tos tiveram apresentações feitas por dois pes- quisadores da área de Ciência de Polímeros: Ana Moreira e Francisco Paulo dos Santos. Fã dos Cafés Temáticos, Suzana Aita Isaia não perde um evento. Ela é especialista em Engenharia de Processos em Polipropileno e apoia várias plantas da Braskem. “Tenho de sa- ber tudo o que acontece, o que há para explorar. Como os Cafés reúnem pessoas de diferentes áreas, tenho acesso a diversos olhares sobre as questões de meu interesse”, diz ela. Seu de- safio? Chegar a novos processos e tecnologias que garantam segurança, aumento de produ- ção, redução de custos e agregação de valor aos produtos existentes ou novos. Adriane Simanke, Engenheira Química, mestre em Química e doutora em Ciência dos Materiais, é pesquisadora da equipe de Ciência de Polímeros na Braskem em Triunfo e esta- va no Café sobre as LCB, assunto cuja com- preensão requer conhecimentos específicos e técnicos que demandam tempo de estudo. “Nos Cafés Temáticos, nos reunimos e discu- timos os temas propostos por meio de debates e questionamentos em um ambiente informal”, ressalta.
  48. 48. 46 informa a artede pensar diferente 46
  49. 49. Investimentos da Odebrecht Engenharia Industrial em inovação tecnológica tornam projetos da empresa referências no Brasil e no exterior Equipe finaliza os preparativos para o lançamento da plataforma P-59, no canteiro de São Roque do Paraguaçu, na Bahia: ideia inovadora virou marco na história da engenharia offshore texto Luciana Lana
  50. 50. acques Raigorodsky assistiu satisfeito e emocionado à plataforma P-59 deslizar lentamente da balsa BLG-2 para as águas do Rio Paraguaçu, em julho do ano passa- do. Era o resultado de mais de três anos de pesquisa e desenvolvimento de uma solução para o de- safio de deslocar mar adentro uma estrutura gigantes- ca, construída no canteiro da Petrobras em São Roque do Paraguaçu, na Bahia. Foi dele – à época Gerente de Engenharia Corporativo da Odebrecht Engenharia In- dustrial – a ideia inovadora de usar uma balsa de lan- çamento de jaquetas. Deu certo e virou um marco na história da engenharia offshore. Engana-se, porém, quem pensa que, naquele mo- mento, encerrava-se todo o trabalho relacionado à pesquisa para a operação. Assim seria, se tudo o que foi estudado não tivesse sido documentado, para servir de base a outras descobertas, e se a inovação não tives- se sido devidamente reconhecida, de modo a incentivar novos estudos. Mas, além desses, o investimento em pesquisa teve ainda outro desdobramento relevante: enquadrado na lei 11.196/2005 do Ministério da Ciência e Tecnologia – conhecida como Lei do Bem –, propor- cionou benefícios fiscais para a Odebrecht. Hoje, o que se constata, em toda a empresa, é que o efeito de uma inovação vai muito além de sua aplicação prática. Essa é a linha mestra perseguida pelo Programa Odebrecht de Inovação Tecnológica (Poit). Criado em 2008, o programa teve evolução significa- tiva nos últimos anos. Os números mostram isso: em 2009, foram registrados no Poit cinco projetos de Pes- quisa e Desenvolvimento Tecnológico, provenientes de três obras. Em 2010, foram 40 projetos, de nove obras. E, no ano passado, 161, de 40 empreendimentos. As inovações de 2009 renderam à Organização incentivos fiscais da ordem de R$ 490 mil. No ano seguinte, esse número subiu para R$ 2,6 milhões. O retorno para os investimentos feitos em 2011 foi de R$ 4,6 milhões. Muito além dos números, contudo, o Poit tem evo- luído por ajudar a consolidar a cultura da inovação. “A Odebrecht tem um DNA inovador. A própria estrutura descentralizada da empresa é demonstração disso. Tudo é sempre novo, porque as condições que se apre- sentam para o nosso trabalho são sempre diferentes. Mas é preciso que a inovação seja registrada, divulga- da, reconhecida, e nisso reside a maior importância do Poit”, explica Jacques Raigorodsky, hoje Gerente da Área de Processos Construtivos (Pesquisa, Desenvol- vimento e Inovação – P,D&I). Ele está envolvido em um volume significativo de de- mandas de inovação da Odebrecht e chega a ser cha- mado carinhosamente de Professor Pardal, em uma referência ao personagem de Walt Disney, o grande inventor de Patópolis. Jacques explica que a metodolo- gia construtiva tem impacto muito grande no custo e na eficiência dos projetos e, por isso, o programa de P&DI, que ele lidera, recebe solicitações da equipe do Líder Empresarial (LE) da Odebrecht Engenharia Industrial e também de outros LEs, como ocorre com a Odebrecht Infraestrutura. No computador, Jacques mostra fotografias de uma longa estaca que, presa por cabos em quatro pontos, foi içada por um só guindaste e colocada na posição ver- tical. Em seguida, exibe o protótipo feito para o estudo daquela operação. “Nunca tínhamos içado uma estaca tão grande nem dessa forma. Então, foi uma inovação. Podem parecer simples, mas essas inovações repre- sentam estudos sofisticados de engenharia. Nós tra- balhamos no estado da arte”, declara. Para inscrever as inovações na Lei do Bem, o comitê do Poit faz uma análise criteriosa. “Não é preciso que seja uma solução inexistente no mundo nem no Brasil, apenas que represente algo novo para a empresa”, ex- plica Tatiana Tourinho, Responsável pelo Planejamento Tributário na Construtora Norberto Odebrecht. Ela res- salta que, no entanto, só os investimentos em pesquisa e desenvolvimento tecnológico podem ser considera- dos. “A partir do momento em que a inovação é posta em prática, em uma atividade produtiva, os dispêndios J 48 informa
  51. 51. relacionados a ela já não são passíveis de benefício fis- cal”, explica Tatiana. Identificar a inovação e documentá-la nos moldes da lei é um trabalho complexo, que exige a participação dos líderes empresariais em sinergia com o comitê do Poit e com a consultoria Pieracciani, contratada para dar apoio ao programa. “Aos poucos, todos estão fican- do mais entrosados com o Poit. Isso justifica o aumento no número de projetos inscritos. Pensar a inovação e a forma de registrá-la vai se tornando uma rotina”, diz Alfonso Abrami, Sócio-Diretor da Pieracciani. Ideias transformadoras Segundo Dante Venturini, Diretor de Engenharia da Odebrecht Infraestrutura, a grande contribuição do Poit é fazer com que as equipes percebam o alcance de suas inovações: “Muitas vezes, as pessoas não se dão conta do valor do seu próprio trabalho e de tudo o que a empresa faz de inovador. O Poit tem mostrado que ideias aparentemente corriqueiras podem ser ex- tremamente transformadoras e valiosas”, diz. Em 2011, além da solução para o lançamento das plataformas P-59 e P-60, uma série de outras inova- ções foi concebida durante os estudos para a cons- trução do Estaleiro Enseada do Paraguaçu, que será resultado da joint venture entre a Odebrecht Enge- nharia Industrial, a OAS Investimentos, a UTC Parti- cipações e a Kawasaki Heavy Industries, reunidas na empresa Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP). O estaleiro formará, com o canteiro de obras existente, um complexo em São Roque do Paraguaçu. “As plataformas foram as vedetes, mas estudamos o terreno, a logística e outros aspectos”, diz Jacques. O estaleiro Paraguaçu, segundo ele, continua trazen- do, neste ano, a maior demanda de pesquisas. “Nunca construímos estaleiro, nunca fabricamos navios, nunca fizemos sondas flutuantes – tudo isso é novidade. Daí as nossas viagens ao Japão, à China e à Coreia do Sul. Buscamos tecnologias do mundo inteiro.” Na área de infraestrutura, a execução de coberturas dos estádios para a Copa do Mundo também tem re- querido muita pesquisa e inovação. ”Nossa experiência no trabalho offshore acaba sendo aproveitada em ou- tras áreas”, diz Jacques, contando que o departamen- to foi convocado para a conclusão do Estádio Olímpico João Havelange (Engenhão), no Rio de Janeiro, onde era necessário instalar quatro arcos – estruturas me- tálicas de 170 m de comprimento por 2 m de diâmetro – a uma altura de 74 m. Atualmente, o apoio é prestado nos projetos dos estádios do Maracanã, no Rio de Ja- neiro; do Corinthians, em São Paulo; da Fonte Nova, em Salvador; e da Arena Pernambuco, em Recife. “Cada um desses projetos nos exige estudos diferentes e no- vas tecnologias”, salienta Jacques. Para Cinthia Blassioli, que atua como facilitadora do Poit, apoiando o contato entre os setores que de- mandam soluções e as áreas de pesquisa, a interação das equipes tem sido outro aspecto muito favorável do programa: “Hoje, o benefício fiscal é uma consequên- cia, pois o Poit ganhou nova dimensão. Sua importância está em reconhecer e incentivar a inovação e criar um acervo de conhecimentos que poderão ser revertidos em muitas novas soluções”. Ilustração mostra como ficará o Estádio do Maracanã depois de reformado para a Copa do Mundo: execução da cobertura tem exigido pesquisa e inovação. Abaixo, Jacques Raigorodski: “Trabalhamos no estado da arte” 49informa
  52. 52. 50 informa Ao mestre com carinho Ele está completando 50 anos de trabalho na Odebrecht. Parabéns, Zé Bodinho PERFIL: José Osinair Rodrigues da Silva texto Flávia Tavares foto Ricardo De Sagebin O jeito de falar é simples e direto, e, durante seus rela- tos, nunca falta um sorriso amigável. José Osinair Rodrigues da Silva, o Zé Bodinho, recebeu a equipe de reportagem de Odebrecht Infor- ma em uma manhã ensolarada de abril, em Conselheiro Lafaiete (MG), cidade onde sua família mora e onde ele passa menos tempo que gosta- ria. Encarregado geral da Odebrecht Energia nas obras da Usina Hidrelé- trica Teles Pires, na divisa de Mato Grosso com o Pará, falou de sua trajetória de 50 anos na Odebrecht, iniciada quando ele tinha 16 anos. Se há tempos ele é um dos res- ponsáveis por formar novos talentos nos canteiros da Odebrecht, isso ocorre porque sua própria formação começou por ali, no cotidiano das obras. Terceiro de uma família de 13 irmãos, nascido em Conceição (PB), Zé Bodinho passou a infância acom- panhando o pai, Manoel Alexandre da Silva, operador de motoniveladora do Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs). “Moráva- mos em um vagão de trem, que meu pai engatava na motoniveladora e ar- rastava Nordeste afora”, conta. Ainda menino, começou a vender os doces que a mãe, dona Nina, ca- prichosamente preparava. Quando seu pai foi contratado pela pavimen- tadora Star, à época (início da década de 1960) uma empresa da Odebre- cht, para trabalhar na construção da estrada que ligaria Itajuípe a Coaraci, no sul da Bahia, tinha 16 anos. Na- quele canteiro, Zé Bodinho com- pletou o ensino médio e começou a trabalhar. Primeiramente como con- tínuo do escritório da obra e depois como mecânico. “Mas fui aconselha- do pelo meu pai a ir para o campo, trabalhar na terraplenagem, como ele, área em que teria mais futuro. Ele estava certo.” Foi nessa época que o apelido de Zé Bodinho pegou. Magrinho que só ele, quando quis paquerar uma jovem que trabalhava na cantina da obra ouviu dos colegas que parecia “um cabritinho, um bo- dinho” cercando a moça. Foi na função do pai que Zé Bo- dinho se tornou um dos mais requi- sitados mestres da empresa, passou a encarregado geral, construiu sua casa, criou os cinco filhos – todos com nível superior – e agora mima os três netos. “A Odebrecht nos dá muita oportunidade e foi por isso que nunca pensei em trabalhar em ou- tro lugar. Agora fico feliz por passar meu conhecimento adiante”, diz, en- quanto mostra fotos em que aparece recebendo homenagens do fundador Norberto Odebrecht e de Marcelo Odebrecht, Diretor-Presidente da Odebrecht S.A. Ao longo da carreira, Zé Bodinho ajudou a assentar o solo sobre o qual seriam erguidas, entre tantas outras obras, o Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro; a Avenida Paralela, “Agora fico feliz por passar meus aprendizados adiante”
  53. 53. 51informa em Salvador; a Auto-estrada Leiria- -Pombal, em Portugal; a Adutora do Rio Kikuchi, em Angola; e a Hidre- létrica de Irapé, em Minas Gerais. “Gosto do desafio das obras. As hi- drelétricas geralmente têm topogra- fias complicadas, acessos difíceis.” Ele não se lembra de quantas pessoas já ajudou a formar. “Só na Hidrelétrica de Simplício [no Estado do Rio de Janeiro] foram 22”, relem- bra. Seja por meio do Programa Jo- vem Parceiro ou orientando os me- nos experientes que são designados para sua equipe direta, Zé Bodinho aprova apenas um tipo de profissio- nal: “Aquele que tem responsabili- dade e comprometimento. É antigo dizer isso, mas, se não vestir a cami- sa, não tem como ensinar”. Quem atesta esse critério é Fran- cisco Mendonça, antigo pupilo de Zé Bodinho e, hoje, seu equivalente nas obras da Hidrelétrica Teles Pires – Zé cuida da margem esquerda; Chi- co, da direita. “O método dele é mais na prática do que na teoria. Zé é hu- mano, paciente e detalhista. Mas, se o cara não veste a camisa, não tem chance com ele”, diz o amigo e ex- -aluno, que trabalha com Zé Bodi- nho desde o fim da década de 1970. Aposentado desde 2000, Zé co- meça a pensar em parar. Quer cur- tir mais a família. Sua mulher, Edi- nalva, tem os olhos cheios d’água quando fala da saudade que sente do marido. Engana-se, porém, quem imagina que ele queira se desli- gar da Odebrecht. Pensa em, daqui a um tempo, comprar máquinas e alugar para a empresa, como fazia um de seus irmãos, Eliomar, já fale- cido. Outro irmão, Raimundo, é en- carregado geral na Odebrecht. Um dos filhos de Zé Bodinho, Manoel Alexandre Neto, também é inte- grante da Odebrecht Energia e tra- balha na construção da Hidrelétrica Santo Antônio, em Rondônia. E o caçula, Vitor, almeja ser engenhei- ro. Quer usar o crachá que faz parte da história de vida do pai, do tio e do irmão. Zé Bodinho: “Nunca pensei em trabalhar em outro lugar”
  54. 54. 52 informa obra m uma terça-feira de abril, a cabeleireira Filomena Rafael Gomes, 32 anos, chega a um edifício multicolorido no bairro de Ta- latona, em Luanda, espera alguns minutos para ser atendida e já sai com seu novo Bi- lhete de Identidade (BI) – que, em Angola, corresponde à Carteira de Identidade do Brasil. Filomena lembra-se da complicada aventura de alguns anos atrás para se ti- rar um documento. Com o Serviço Integrado de Atendi- mento ao Cidadão (Siac), tudo ficou mais prático. “Desta vez, retirei uma senha, fui logo atendida e recebi meu BI apenas 30 minutos depois”, conta aliviada, antes de voltar para o trabalho em Kilamba Kiaxi, na região me- tropolitana de Luanda. A unidade de Talatona é a maior e mais moder- na dos já existentes Siacs, que logo serão 12. O Siac é uma autarquia do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social. Nele, os cidadãos podem obter também registro de nascimento, certidão de ca- samento, carteira de motorista, registro de automóvel e de imóvel, aposentadoria, realizar serviços de cartório e procurar oportunidades profissionais. Em um posto bancário, no mesmo prédio, é recolhido o pagamento pelos serviços. Além disso, é possível pagar impostos e contas, contratar seguros e contatar empresas de água, energia elétrica, telefonia e passagens aéreas. Essa agilidade tem tudo a ver com o atual ciclo de evolução de Angola e com a decisão do Governo de re- duzir a burocracia em todos os seus setores. A Odebre- cht teve participação importante nesse processo: não apenas construiu o Siac de Talatona, em funcionamento desde 2007, como também foi responsável pela Opera- ção Assistida e Transferência de Tecnologia, a partir da capacitação dos integrantes do Governo. A eficiente transferência de conhecimento é elogiada pela Diretora-Geral dos Siacs, a advogada Rosa Micolo, E de cidadania 52 texto Luiz Carlos Ramos fotos Guilherme Afonso Filomena Gomes: o Bilhete de Identidade em 30 minutos
  55. 55. Projeto dos Siacs permite aprimoramento de serviços públicos e transferência de tecnologia em Angola
  56. 56. que, a partir de seu gabinete na unidade de Talatona, co- ordena os oito centros. “A experiência internacional da Odebrecht foi fundamental para que atingíssemos o atu- al padrão de serviços”, diz Rosa. “O edifício deste Siac, que chamamos de ‘Siac-Mãe’, tem arquitetura agradá- vel, todos trabalham mais felizes. E o principal é que o público também fica feliz, porque o BI, que agora sai no dia, antes demorava até dois meses.” O Siac de Talatona, além de ter sido o primeiro a ser construído entre os oito atuais, serviu de modelo de im- plantação de um revolucionário e inédito conceito de prestação de serviços aos cidadãos no país. O sucesso do centro pioneiro levou o Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social a implantar ou- tras sete unidades, que não são autônomas, mas sim subordinadas à central de Talatona e à coordenação de Rosa Micolo. Duas ficam na Província de Luanda (Ca- zenga e Zango) e as demais nas províncias de Malan- ge, Uíge, Bengo, Benguela e Huambo. Para este ano, estão programadas inaugurações em Cabinda, Cunene e Lunda Sul e o início das obras da quarta unidade de Luanda, a de Kilamba Kiaxi. As equipes capacitadas pela Odebrecht em Talatona conseguiram ampliar os servi- ços para outras áreas. Fábio Januário, Diretor da Odebrecht Angola, ex- plica: “No Siac, não estivemos focados somente na construção do equipamento, mas, principalmente, no conteúdo do programa por meio da transferên- cia de tecnologia com base na experiência brasilei- ra. É um bem-sucedido desafio de sustentabilidade, em um país onde temos uma relação histórica e um compromisso contínuo de ampliar as oportunidades e a expressão do conteúdo nacional em nossas rea- lizações”. Capacitação de trabalhadores A agilidade e a concentração dos serviços no Siac fo- ram inspiradas inicialmente em duas iniciativas brasi- leiras: no Poupatempo, de São Paulo, e no SAC (Serviço de Atendimento ao Cidadão), da Bahia. Adriana Bezerra, administradora de empresas, chegou a Luanda há cinco anos para implantar o Siac. “A própria Odebrecht capa- citou cerca de 250 angolanos e executou uma operação assistida no Siac de Talatona a partir de 2007”, relata Adriana. “Um ano depois, o órgão ganhou autonomia, e os integrantes passaram a fazer parte dos quadros do Governo.” Rosa Micolo e o casal Dorival e Antonieta Kileba: novo padrão de serviços 54 informa

×