O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Episódio 6 – Seth
Escrito por: Heroxi
Produzido por: lvigario
Abriu os olhos e limpou a testa cheia de farinha. Estou cansado! Tossiu. Pousou o pão na
mesa de madeira e esmurrou-o com ...
Uma rapariga de cabelos negros e olhos cinzentos olhou para ele confusa. Seth retribuiu o ar
de espanto. O barulho de uma ...
O forno era enorme. Tinha a capacidade de cozer quase cem pães ao mesmo tempo. Exigia
sempre bastante lenha para queimar.
...
Salva-me, Theo! Despacha-te. Salva-a e vem tirar-me daqui. Tira-me desta sala!
Seth sentiu uma dor agoniante no pescoço. E...
*
As portas do Casarão abriram-se e Seth sentiu-se meio perdido com os raios
solares a ofuscarem-lhe a visão. Cavalos alad...
Depois mataram-te e clonaram-te. Como é que se clonam pessoas mortas? –
apertou-lhe o braço esquerdo e apercebeu-se que o ...
O cozinheiro saiu, mas o outro não conseguiu adormecer. Estava demasiado
agitado para continuar na cama. Levantou-se e dir...
FIM
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Episodio 6 - seth

186 visualizações

Publicada em

Último Episódio ODS

Publicada em: Diversão e humor
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (Unlimited) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { http://bit.ly/2m77EgH } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { http://bit.ly/2m77EgH } ......................................................................................................................... ACCESS WEBSITE for All Ebooks ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { http://bit.ly/2m77EgH } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { http://bit.ly/2m77EgH } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { http://bit.ly/2m77EgH } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks ......................................................................................................................... Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult,
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Episodio 6 - seth

  1. 1. Episódio 6 – Seth Escrito por: Heroxi Produzido por: lvigario
  2. 2. Abriu os olhos e limpou a testa cheia de farinha. Estou cansado! Tossiu. Pousou o pão na mesa de madeira e esmurrou-o com força. Uma câmara virou para ele, produzindo um pequeno som, como se quisesse dar a entender que estava ali a vigiá-los. Seth olhou para Theo e fez-lhe sinal que ia apanhar ar. O amigo arregalou os olhos como sinal de reprovação. - É rápido. Preciso de apanhar ar. Já só respiro farinha. A câmara continuou a seguir Seth, até sair do refeitório. Seth respirou fundo e olhou para o céu. Como o céu pode ser tão azul e a terra tão escura? Olhou para o casarão. Aposto que lá devem respirar ar puro e não farinha todas as manhãs! Uma outra câmara continuou a função da anterior e filmou-o. Nada na sua atitude poderia denunciar algo contra o Império. Seth fechou os olhos e voltou a inspirar fundo até sentir os seus pulmões bem cheios. Ficou assim, parado, durante alguns segundos, como se o ar puro fosse renovar todo o seu sistema respiratório. Ouviu ao longe um pequeno ruído. Parecia vir do Casarão. O que estarão a fazer lá dentro? Agora o ruído tornara-se mais forte. Pedras caíram na terra batida. Não, isto não pode vir do Casarão. Olhou à sua volta e focou-se na extensão que separava as vilas dos homens das mulheres. Serrou o olhar e viu um buraco na muralha negra. O que se está a passar? Seth ficou tentado a analisa-lo, mas não podia faze-lo. A muralha estava repleta de câmaras. Seria facilmente detectado. Eles sabem que não fiz nada. Se estão a filmar, sabem que não fui eu quem fez aquilo! Correu para a muralha.
  3. 3. Uma rapariga de cabelos negros e olhos cinzentos olhou para ele confusa. Seth retribuiu o ar de espanto. O barulho de uma câmara despertou-o. - Quem és tu? O que estás aqui a fazer? – olhou à sua volta. – Estás a ser vigiada! - Jennifer! A revolução começou! – disse num tom sério. – As câmaras deste lado estão desligadas. - Revolução? Câmaras desligadas? Como é que fizeram isso? - Não há tempo para contar pormenores. Aos poucos nós vamos destruir a muralha e acabar com esta divisão. Não sei como te chamas, mas avisa os homens. Avisa-os que as mulheres tomaram conta deste lado e estamos prontas para acabar com o Império. Unem-se a nós. Em breve as vossas câmaras serão desligadas. Precisamos de vocês. Seth ficou perplexo a olhar para ela. Revolução. Estão loucas? É impossível começar uma revolução com tanta vigilância. - Tenho de ir. Avisa-os! A rapariga saiu do seu campo de visão e tapou o pequeno buraco com restos da muralha caídos no chão. As câmaras continuavam a funcionar. Não estavam desligadas. Tudo o que se passou ali foi visto por alguém. Seth olhou para as câmaras assustado e depois de uma ter aumentado o foco, correu para o refeitório. - Onde está o Theo? – perguntou a um dos rapazes. - Está a lavar o forno. – Seth dirigiu-se para lá e encontrou Theo molhado e com um olhar cansado.
  4. 4. O forno era enorme. Tinha a capacidade de cozer quase cem pães ao mesmo tempo. Exigia sempre bastante lenha para queimar. - Finalmente! Pega aí no balde e ajuda-me a lavar isto. – ordenou Theo. - Theo… As mulheres vão ou já começaram uma revolução. – comentou Seth o mais baixo possível para ninguém os ouvir. Theo entendeu perfeitamente a mensagem. - Não sejas tonto. Lava isso! – olhou à sua volta e arregalou os olhos, para avisar Seth que estavam a ser vigiados. - Uma rapariga, chamada Jennifer, abriu um buraco na muralha e falou-me isso que ouviste. – Theo parou de lavar o forno e olhou com atenção para o amigo. – As mulheres tomaram o lado delas e querem a nossa ajuda para acabar com o Império. Temos de as ajudar! Pode ser que consigamos uma vida melhor depois disto. - Fala baixo! – ordenou o mais velho. Um estrondo aterrorizador fez estremecer o refeitório, deixando-os em pânico. - Já começou, Theo! Já começou! Temos que sair daqui, temos de as ajudar. Uma figura baixa com um fato azul-escuro apareceu ao lado deles, acompanhado de quatro polícias do Império, trajados com o uniforme vermelho. Afinal, nenhuma revolução tinha começado no lado dos homens. Apenas Barriston, o General da Polícia do Império, anunciara a sua chegada ao refeitório. - Seth e Theo Beans o Casarão chama-vos! – ordenou o homem, exibindo os seus dentes castanhos. O general agitou as mãos como uma mosca sedenta de sangue. – Não temeis.
  5. 5. Salva-me, Theo! Despacha-te. Salva-a e vem tirar-me daqui. Tira-me desta sala! Seth sentiu uma dor agoniante no pescoço. Eles querem foder-me a cabeça. Gritou como forma de protesto, mas ninguém tomou atenção. A luz cintilante vinda do tecto quadrado cegou-o por completo. Pegaram-lhe no braço solto e espetaram-lhe outra seringa com o líquido vermelho vivo. Sentiu o seu corpo dormente e fechou os olhos. Salva-a. – Finalmente! – balbuciou o outro por entre os dentes castanhos, enquanto limpava o peganhento suor da testa com a mão. Salva-os a todos. O corpo tremeu descontroladamente e um fio de sangue escorreu pelo nariz de Seth. O outro sorriu. – Processo concluído! – afirmou Barriston. – O perigo está controlado! Agora vejamos se continuam a conspirar. Deixem-no aí. Dentro de algumas horas irá acordar. Quando isso acontecer, levem-no para a vila. Façam o mesmo com o outro.
  6. 6. * As portas do Casarão abriram-se e Seth sentiu-se meio perdido com os raios solares a ofuscarem-lhe a visão. Cavalos alados. Saiu com o braço esquerdo a tapar-lhe o sol. Riu-se. Irmã gémea. Dirigiu-se para o seu bungalow de forma automática. Ao longo do percurso avistou alguns rapazes que olharam para ele com desdém. - Que foi? Nunca viram? – gritou, rindo-se de seguida. - Estás bem? – perguntou um rapaz mais novo que ele. - Estou melhor que tu! Vou ser pai. – respondeu Seth esfregando as mãos. O outro olhou para ele com estranheza e afastou-se. Seth entrou em casa e viu Theo a vestir-se. Riu-se, largando perdigotos. - Olha o clone do Theo… Estavas morto, mas eles trataram de te clonar. Não, de clonar o Theo. Theo Beans… Beans, Beans, Beans! - Clone? Temos de ir trabalhar, Seth. - O meu pai está vivo, Theo! Vivo e manda nesta porra toda. - O teu pai morreu, Seth. Morreu depois de teres sido criado. - Não morreu nada. Tu és amigo dele. Cortaram-te o braço e ficaram amigos.
  7. 7. Depois mataram-te e clonaram-te. Como é que se clonam pessoas mortas? – apertou-lhe o braço esquerdo e apercebeu-se que o membro que permanecia ali era verdadeiro. – Grande material. Até parece verdadeiro! - Estás bem, Seth? - Cortaram-te o braço, não cortaram? Eu vi! - Acho melhor ficares de cama, Seth. Tu não estás bem. Posso pedir a um dos Health para tomar conta de ti. Seth ficou parado a olhar para o amigo. Sempre tão preocupado comigo. Riu-se, sentando na cama. - Eu sei o que tu queres. Queres ver-te livre de mim, para estares à vontade com o Richard. Não é, seu maroto? Eu matei-o, sabias? Diz-me lá, tu gostas de quem? Theo levantou os lençóis da cama do amigo e ordenou-lhe que deitasse. O mais novo cumpriu. A câmara mais próxima deles aumentou o foco. - Encontraste a Jennifer? – perguntou Seth baixinho. Theo ficou perturbado. O nome não lhe parecia estranho. Contudo, ignorou e reconfortou o amigo. – Dorme. Isso tudo não passam de alucinações. Eu também as tive quando saí do Casarão. Agora dorme. O trabalho continua à tua espera.
  8. 8. O cozinheiro saiu, mas o outro não conseguiu adormecer. Estava demasiado agitado para continuar na cama. Levantou-se e dirigiu-se para a muralha. Olhou para as câmaras que o vigiavam. Estão a funcionar. Percorreu com o olhar o máximo que pode da muralha para encontrar resquícios de um buraco. Eu sei o que vi. Eu lembro-me! Nada, nem sinal de restos no chão. Porém, algo estava diferente. A cor. A muralha era totalmente negra. Porque é que havia uma mancha cinzenta ali? Taparam o buraco! Olhou novamente para as câmaras. Jennifer é real. Uma voz grossa, num altifalante bem longe, proferiu Criação é controlo e regulação é prosperidade infinita. - Gases – riu-se entre os dentes. – Os clones libertam gases. – soltou uma gargalhada histérica. – Gases, gases, gases, gases...
  9. 9. FIM

×