SlideShare uma empresa Scribd logo
Área de Projecto
Tecnologias de informação e comunicação
Segurança informática e na Internet
Os vírus de computador
Professora: Stora Lili
Tíí Maria
Tíí Manel
Tribo: CBC
Agrupamento vertical de Canelas
Escola Básica e Secundária de Canelas
Nove de Dezembro de 2008
Índice
Índice Pag:1
Introdução Pag:2
Vírus de computador Pag:3
História Pag:4
Crackers e Hackers Pag:5
Possíveis danos Pag:5-6
Assinaturas dos vírus Pag:6-7
Técnicas de esconderijos de vírus Pag:7-8
Conclusão Pag:9
Bibliografia Pag:10
2
Agrupamento vertical de Canelas
Escola Básica e Secundária de Canelas
Introdução
Em informática, um vírus é programa que se reproduz e é transferido
de um computador para outro sem que o utilizador se aperceba. A maioria
destes programas são concebidos para destruir dados ou imobilizar a operação
dos sistemas. Os vírus informáticos são transmitidos em ficheiros contidos em
disquetes ou em transmissões on-line.
3
Agrupamento vertical de Canelas
Escola Básica e Secundária de Canelas
Vírus de computador
Um vírus de computador é um programa ou instrução de máquina que
refere-se a prejudicar o próprio usuário ou a terceiros.
Em informática, um vírus de computador é um programa malicioso
desenvolvido por programadores que, tal como um vírus biológico, infecta o
sistema, faz cópias de si mesmo e tenta se espalhar para outros
computadores, utilizando-se de diversos meios.
A maioria das contaminações ocorre pela acção do usuário executando
o arquivo infectado recebido como um anexo de um e-mail. A segunda causa
de contaminação é por Sistema Operacional desactualizado, sem a aplicação
de correctivos, que poderiam corrigir vulnerabilidades conhecidas dos
sistemas operacionais ou aplicativos, que poderiam causar o recebimento e
execução do vírus inadvertidamente.
Ainda existem alguns tipos de vírus que permanecem ocultos em
determinadas horas, entrando em execução em horas específicas.
4
Agrupamento vertical de Canelas
Escola Básica e Secundária de Canelas
História
Em 1983, Len Eidelmen demonstrou em um seminário sobre segurança
computacional, um programa auto-replicante em um sistema VAX11/750. Este
conseguia instalar-se em vários locais do sistema. Um ano depois, na 7th
Anual Information Security Conference, o termo vírus de computador foi
definido como um programa que infecta outros programas, modificando-os
para que seja possível instalar cópias de si mesmo. O primeiro vírus para PC
nasceu em 1986 e chamava-se Brain, era da classe dos Vírus de Boot, ou seja,
danificava o sector de inicialização do disco rígido. A sua forma de
propagação era através de uma disquete contaminada. Apesar de o Brain ser
considerado o primeiro vírus conhecido, o título de primeiro código malicioso
pertence ao Elk Cloner, escrito por Richard Skrenta.
Dados estatísticos
• Até 1995 - 5.000 vírus conhecidos;
• Até 1999 - 20.500 vírus conhecidos;
• Até 2000 - 49.000 vírus conhecidos;
• Até 2001 - 58.000 vírus conhecidos;
• Até 2005 - Aproximadamente 75.000 vírus conhecidos;
5
Agrupamento vertical de Canelas
Escola Básica e Secundária de Canelas
• Até 2007 - Aproximadamente 200.000 vírus conhecidos;
• Até Novembro de 2008 - Mais de 530.000 vírus conhecidos
Crackers e hackers
Há quem diga que cracker e hacker são a mesma coisa, mas
tecnicamente há uma diferença. Hackers são os que quebram senhas, códigos
e sistemas de segurança por puro prazer em achar tais falhas. Preocupam-se
em conhecer o funcionamento mais íntimo de um sistema computacional ou
seja uma pessoa boa. Já o Crackers é o criminoso virtual, que extorque
pessoas usando seus conhecimentos, usando as mais variadas estratégias. Há
cerca de 20 anos, eram aficionadas em informática, conheciam muitas
linguagens de programação e quase sempre jovens, que criavam seus vírus,
para muitas vezes, saber o quanto eles poderiam se propagar. Hoje em dia é
completamente diferente; são pessoas que atacam outras máquinas com fins
criminosos com um objectivo traçado: capturar senhas bancárias, números de
conta e informações privilegiadas que lhes despertem a atenção. Porém, já se
criou um verdadeiro mercado negro de vírus de computador, onde certos
sites, principalmente russos, disponibilizam downloads de vírus e kits para
qualquer um que puder pagar, virar um Cracker, o que é chamado de
terciarização da "actividade". Em geral um hacker não gosta de ser confundido
com um cracker.
Possíveis danos
• Perda de desempenho do micro;
• Exclusão de arquivos;
• Alteração de dados;
• Acesso a informações confidenciais por pessoas não autorizadas;
• Perda de desempenho da rede (local e Internet);
• Monitoramento de utilização (espiões);
• Desconfiguração do Sistema Operacional;
6
Agrupamento vertical de Canelas
Escola Básica e Secundária de Canelas
• Inutilização de determinados programas.
Para manter o computador protegido, alguns passos devem ser sempre
seguidos:
• Mantenha seu Sistema Operacional sempre actualizado, no caso
do Windows XP, assegure-se que tenha instalado no mínimo o
Service Pack 2 (já está disponível o Service Pack 3), e no caso do
Windows Vista, o Service Pack 1;
• Tenha um antivírus, que se mantenha sempre actualizado;
• Actualize os principais programas de acesso a Internet
(navegadores, clientes de e-mail, mensageiros instantâneos);
• No caso do Windows, nunca abra arquivos anexos em e-mail com
extensões .ex., .bat, .scr, .com, .pif, etc, sem antes certificar-
se de sua idoneidade.
• Quando for baixar arquivos anexos a e-mail, observe o nome do
mesmo, e se a sua extensão estiver duplicada, é grande as
hipóteses do arquivo estar infectado (ex.: curriculum.doc.doc),
ou mesmo dupla extensão diferente (ex:boleto.pdf.exe).
Assinaturas dos vírus
As assinaturas dos vírus são uma sequência de caracteres que o
representa. É através desta sequência que os antivírus identificam os arquivos
contaminados, pois na maioria dos casos os vírus passam uma parte de seu
código para os arquivos ao contaminá-los. As assinaturas são definidas pelas
empresas desenroladoras de antivírus com o objectivo de:
• Evitar os falso-positivos (quando um arquivo sadio é apontado
como infectado);
• Reconhecer o maior número de variantes do vírus;
7
Agrupamento vertical de Canelas
Escola Básica e Secundária de Canelas
• Identificar o código mal intencionado na maior quantidade de
arquivos possível.
As assinaturas definidas pelas empresas não são as mesmas para todos
os softwares antivírus, portanto um antivírus de uma marca pode detectar
uma variante de um vírus conhecido (pelo fato da parte do código alterado
pela variante não afectar a assinatura definida) e outro antivírus de outra
marca pode não detectá-lo.
Técnicas de esconderijo dos vírus
Os vírus (seja de que tipo forem) escondem-se e protegem-se cada vez
melhor dos antivírus e do acesso das pessoas. Eis algumas técnicas usadas por
alguns vírus:
• Encriptação:
Os vírus usam a encriptação para que o código não fique visível para os
antivírus e para que não possam ser apagados do ficheiro original. Esta
técnica é usada para que os vírus permaneçam mais tempo no computador.
Mas os antivírus da actualidade já estão preparados contra esta técnica,
apesar de ser difícil conseguirem eliminá-los.
• Desactivação de antivírus (se possível):
Quando os vírus desactivam os antivírus, eles não são identificados e
consequentemente não são removidos.
• Esconder-se nas pastas do sistema:
As pessoas não querem estragar o seu sistema operativo removendo ficheiros do
sistema, portanto muitos vírus escondem-se lá para evitar que o usuário os remova
manualmente.
8
Agrupamento vertical de Canelas
Escola Básica e Secundária de Canelas
• Cookie:
Alguns cookies armazenados por sites mal-intencionados, podem possuir
linhas e códigos que visam roubar informações. Outros casos são de vírus que
roubam cookies para obter logins e senhas.
9
Agrupamento vertical de Canelas
Escola Básica e Secundária de Canelas
Conclusão
A conclusão que tiramos ao efectuar este trabalho, é que cada vez que
acedermos a um site na Internet temos de ter em atenção a terminalidade do
site. Por razões de segurança, podemos ter também acesso aos Antivírus que
nos protegem contra as ameaças feitas contra o nosso computador que
possam roubar informação ou apaga-la do computador.
10
Agrupamento vertical de Canelas
Escola Básica e Secundária de Canelas
Bibliografia
• Wikipédia- Os Vírus de Computador, História dos vírus, Possíveis
danos, Assinaturas dos vírus, Técnicas de esconderijo de vírus.
(consulta 28/11/08)
Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/V
%C3%ADrus_de_computador
11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segurança na rede
Segurança na redeSegurança na rede
Segurança na rede
a20061577
 
Vírus de Computadores
Vírus de ComputadoresVírus de Computadores
Vírus de Computadores
Walyson Vëras
 
Vírus
VírusVírus
Worm e Cavalo de Troia
Worm e Cavalo de TroiaWorm e Cavalo de Troia
Worm e Cavalo de Troia
Mario Kleber
 
Anti-Vírus
Anti-VírusAnti-Vírus
Anti-Vírus
soniacruztic
 
Informática básica virus
Informática básica virusInformática básica virus
Informática básica virus
Matheus França
 
Vírus e Antivírus
Vírus e AntivírusVírus e Antivírus
Vírus e Antivírus
Gonçalo Almeida
 
Aula de virus esta aula ok
Aula de virus esta aula okAula de virus esta aula ok
Aula de virus esta aula ok
Élida Tavares
 
Segurança de Rede
Segurança de RedeSegurança de Rede
Segurança de Rede
Edson Nascimento dos Santos
 
Vírus de computador
Vírus de computadorVírus de computador
Vírus de computador
andremanlima
 
anti-virus
anti-virusanti-virus
anti-virus
nandocas
 
Origem e história dos vírus informáticos
Origem e história dos vírus informáticosOrigem e história dos vírus informáticos
Origem e história dos vírus informáticos
lisa198
 
O que são virus informáticos
O que são virus informáticosO que são virus informáticos
O que são virus informáticos
mrcelino
 
Vírus, tipos de vírus e prevenção
Vírus, tipos de vírus e prevençãoVírus, tipos de vírus e prevenção
Vírus, tipos de vírus e prevenção
Dália Pereira
 
Virus no computador
Virus no computadorVirus no computador
Virus no computador
areadeprojectospg
 
VíRus InformáTico
VíRus  InformáTicoVíRus  InformáTico
VíRus InformáTico
turmah
 
TRABALHO DE VIRUS
TRABALHO DE VIRUSTRABALHO DE VIRUS
TRABALHO DE VIRUS
L33STJP
 
Trabalho De Tic
Trabalho De TicTrabalho De Tic
Trabalho De Tic
superes
 
Trabalho Sobre Os VíRus
Trabalho Sobre Os VíRusTrabalho Sobre Os VíRus
Trabalho Sobre Os VíRus
Ana Rita
 
Apresentação sobre segurança de redes
Apresentação sobre segurança de redesApresentação sobre segurança de redes
Apresentação sobre segurança de redes
Luiz Mário Pina
 

Mais procurados (20)

Segurança na rede
Segurança na redeSegurança na rede
Segurança na rede
 
Vírus de Computadores
Vírus de ComputadoresVírus de Computadores
Vírus de Computadores
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Worm e Cavalo de Troia
Worm e Cavalo de TroiaWorm e Cavalo de Troia
Worm e Cavalo de Troia
 
Anti-Vírus
Anti-VírusAnti-Vírus
Anti-Vírus
 
Informática básica virus
Informática básica virusInformática básica virus
Informática básica virus
 
Vírus e Antivírus
Vírus e AntivírusVírus e Antivírus
Vírus e Antivírus
 
Aula de virus esta aula ok
Aula de virus esta aula okAula de virus esta aula ok
Aula de virus esta aula ok
 
Segurança de Rede
Segurança de RedeSegurança de Rede
Segurança de Rede
 
Vírus de computador
Vírus de computadorVírus de computador
Vírus de computador
 
anti-virus
anti-virusanti-virus
anti-virus
 
Origem e história dos vírus informáticos
Origem e história dos vírus informáticosOrigem e história dos vírus informáticos
Origem e história dos vírus informáticos
 
O que são virus informáticos
O que são virus informáticosO que são virus informáticos
O que são virus informáticos
 
Vírus, tipos de vírus e prevenção
Vírus, tipos de vírus e prevençãoVírus, tipos de vírus e prevenção
Vírus, tipos de vírus e prevenção
 
Virus no computador
Virus no computadorVirus no computador
Virus no computador
 
VíRus InformáTico
VíRus  InformáTicoVíRus  InformáTico
VíRus InformáTico
 
TRABALHO DE VIRUS
TRABALHO DE VIRUSTRABALHO DE VIRUS
TRABALHO DE VIRUS
 
Trabalho De Tic
Trabalho De TicTrabalho De Tic
Trabalho De Tic
 
Trabalho Sobre Os VíRus
Trabalho Sobre Os VíRusTrabalho Sobre Os VíRus
Trabalho Sobre Os VíRus
 
Apresentação sobre segurança de redes
Apresentação sobre segurança de redesApresentação sobre segurança de redes
Apresentação sobre segurança de redes
 

Destaque

Smart Cities; IoT y tráfico urbano. Actualidad y Prospectiva
Smart Cities; IoT y tráfico urbano. Actualidad y ProspectivaSmart Cities; IoT y tráfico urbano. Actualidad y Prospectiva
Smart Cities; IoT y tráfico urbano. Actualidad y Prospectiva
Fernando Tomás Casado
 
Nuva Parroquia
Nuva ParroquiaNuva Parroquia
1º Informe Proyecto
1º Informe Proyecto1º Informe Proyecto
1º Informe Proyecto
Cristian de Diego
 
Novo(A) Documento Do Microsoft Word
Novo(A) Documento Do Microsoft WordNovo(A) Documento Do Microsoft Word
Novo(A) Documento Do Microsoft Word
guest7849ae00
 
Parece Impossível
Parece ImpossívelParece Impossível
Parece Impossível
ianrafael
 
Taller # 4 Redes de Computadores
Taller # 4 Redes de ComputadoresTaller # 4 Redes de Computadores
Taller # 4 Redes de Computadores
ing.david
 
Creating Image Gallery - Android app (in tamil)
Creating Image Gallery - Android app (in tamil)Creating Image Gallery - Android app (in tamil)
Creating Image Gallery - Android app (in tamil)
Dr. Ramkumar Lakshminarayanan
 
privaciòn-desarrollo
privaciòn-desarrolloprivaciòn-desarrollo
privaciòn-desarrollo
ther40
 
새로운 언어학습 플랫폼 AIM 소개
새로운 언어학습 플랫폼 AIM 소개 새로운 언어학습 플랫폼 AIM 소개
새로운 언어학습 플랫폼 AIM 소개
승우 이
 
Antena rev-v39
Antena rev-v39Antena rev-v39
Ai04606213215
Ai04606213215Ai04606213215
Ai04606213215
IJERA Editor
 
Presentacion Multimedia
Presentacion MultimediaPresentacion Multimedia
Presentacion Multimedia
njazminn
 
Eslcefaescolarns
EslcefaescolarnsEslcefaescolarns
Eslcefaescolarns
tomane
 
Aj04602248254
Aj04602248254Aj04602248254
Aj04602248254
IJERA Editor
 
Composición de la sangre
Composición de la sangreComposición de la sangre
Composición de la sangre
Hugo Araujo
 
Глянец №16 (март-апрель 2013)
Глянец №16 (март-апрель 2013)Глянец №16 (март-апрель 2013)
Глянец №16 (март-апрель 2013)
gorodche
 
Spanish Contract Solutions_es
Spanish Contract Solutions_esSpanish Contract Solutions_es
E046052227
E046052227E046052227
E046052227
IJERA Editor
 
G046053338
G046053338G046053338
G046053338
IJERA Editor
 

Destaque (20)

Smart Cities; IoT y tráfico urbano. Actualidad y Prospectiva
Smart Cities; IoT y tráfico urbano. Actualidad y ProspectivaSmart Cities; IoT y tráfico urbano. Actualidad y Prospectiva
Smart Cities; IoT y tráfico urbano. Actualidad y Prospectiva
 
Nuva Parroquia
Nuva ParroquiaNuva Parroquia
Nuva Parroquia
 
1º Informe Proyecto
1º Informe Proyecto1º Informe Proyecto
1º Informe Proyecto
 
Novo(A) Documento Do Microsoft Word
Novo(A) Documento Do Microsoft WordNovo(A) Documento Do Microsoft Word
Novo(A) Documento Do Microsoft Word
 
Parece Impossível
Parece ImpossívelParece Impossível
Parece Impossível
 
Tavertet
TavertetTavertet
Tavertet
 
Taller # 4 Redes de Computadores
Taller # 4 Redes de ComputadoresTaller # 4 Redes de Computadores
Taller # 4 Redes de Computadores
 
Creating Image Gallery - Android app (in tamil)
Creating Image Gallery - Android app (in tamil)Creating Image Gallery - Android app (in tamil)
Creating Image Gallery - Android app (in tamil)
 
privaciòn-desarrollo
privaciòn-desarrolloprivaciòn-desarrollo
privaciòn-desarrollo
 
새로운 언어학습 플랫폼 AIM 소개
새로운 언어학습 플랫폼 AIM 소개 새로운 언어학습 플랫폼 AIM 소개
새로운 언어학습 플랫폼 AIM 소개
 
Antena rev-v39
Antena rev-v39Antena rev-v39
Antena rev-v39
 
Ai04606213215
Ai04606213215Ai04606213215
Ai04606213215
 
Presentacion Multimedia
Presentacion MultimediaPresentacion Multimedia
Presentacion Multimedia
 
Eslcefaescolarns
EslcefaescolarnsEslcefaescolarns
Eslcefaescolarns
 
Aj04602248254
Aj04602248254Aj04602248254
Aj04602248254
 
Composición de la sangre
Composición de la sangreComposición de la sangre
Composición de la sangre
 
Глянец №16 (март-апрель 2013)
Глянец №16 (март-апрель 2013)Глянец №16 (март-апрель 2013)
Глянец №16 (март-апрель 2013)
 
Spanish Contract Solutions_es
Spanish Contract Solutions_esSpanish Contract Solutions_es
Spanish Contract Solutions_es
 
E046052227
E046052227E046052227
E046052227
 
G046053338
G046053338G046053338
G046053338
 

Semelhante a Virinhos De Pc Ehehehehehh

Rede mundial de computadores
Rede mundial de computadoresRede mundial de computadores
Rede mundial de computadores
Rodrigo Motta
 
Revisão montagem
Revisão montagemRevisão montagem
Revisão montagem
Antonio Ferreira Sobrinho
 
Vírus informático
Vírus informáticoVírus informático
Vírus informático
Daiana de Ávila
 
Seguranadigital 090905102626-phpapp01
Seguranadigital 090905102626-phpapp01Seguranadigital 090905102626-phpapp01
Seguranadigital 090905102626-phpapp01
Djalda Muniz
 
Segurança Digital
Segurança DigitalSegurança Digital
Segurança Digital
Adão José Oliveira Elias
 
Segurança ead
Segurança eadSegurança ead
Segurança ead
Nilton Silva
 
Minicurso Forense Digital (Sbseg 07)
Minicurso Forense Digital (Sbseg 07)Minicurso Forense Digital (Sbseg 07)
Minicurso Forense Digital (Sbseg 07)
leolemes
 
Trabalho sobre Software malicioso
Trabalho sobre Software maliciosoTrabalho sobre Software malicioso
Trabalho sobre Software malicioso
jhonatan calefi
 
Fasciculo inf segredes_unidade_2
Fasciculo inf segredes_unidade_2Fasciculo inf segredes_unidade_2
Fasciculo inf segredes_unidade_2
Eduardo Santana
 
06 FTI Vírus de Computador.pptx
06 FTI Vírus de Computador.pptx06 FTI Vírus de Computador.pptx
06 FTI Vírus de Computador.pptx
EduardoHernandes9
 
V¡rus de computador
V¡rus de computadorV¡rus de computador
V¡rus de computador
ANGELO AZEVEDO
 
Vírus, Antivírus e Firewall
Vírus, Antivírus e FirewallVírus, Antivírus e Firewall
Vírus, Antivírus e Firewall
Mariana Brito
 
Tcvb2.diogo.mendes.segurança informática.v1
Tcvb2.diogo.mendes.segurança informática.v1Tcvb2.diogo.mendes.segurança informática.v1
Tcvb2.diogo.mendes.segurança informática.v1
diogomendes99
 
Vírus e Antivírus
Vírus e AntivírusVírus e Antivírus
Vírus e Antivírus
Gonçalo Almeida
 
Tcvb2.carlos.lopes.segurança informática
Tcvb2.carlos.lopes.segurança informáticaTcvb2.carlos.lopes.segurança informática
Tcvb2.carlos.lopes.segurança informática
bolinhas69
 
Vírus de computador natan
Vírus de computador   natanVírus de computador   natan
Vírus de computador natan
Joel Barbosa
 
Javier Flavio
Javier FlavioJavier Flavio
Javier Flavio
Nelson Sousa
 
Vírus e Antivírus
Vírus e AntivírusVírus e Antivírus
Vírus e Antivírus
Gonçalo Almeida
 
Anti Virus
Anti VirusAnti Virus
Anti Virus
guest2b274e
 
Virus
VirusVirus

Semelhante a Virinhos De Pc Ehehehehehh (20)

Rede mundial de computadores
Rede mundial de computadoresRede mundial de computadores
Rede mundial de computadores
 
Revisão montagem
Revisão montagemRevisão montagem
Revisão montagem
 
Vírus informático
Vírus informáticoVírus informático
Vírus informático
 
Seguranadigital 090905102626-phpapp01
Seguranadigital 090905102626-phpapp01Seguranadigital 090905102626-phpapp01
Seguranadigital 090905102626-phpapp01
 
Segurança Digital
Segurança DigitalSegurança Digital
Segurança Digital
 
Segurança ead
Segurança eadSegurança ead
Segurança ead
 
Minicurso Forense Digital (Sbseg 07)
Minicurso Forense Digital (Sbseg 07)Minicurso Forense Digital (Sbseg 07)
Minicurso Forense Digital (Sbseg 07)
 
Trabalho sobre Software malicioso
Trabalho sobre Software maliciosoTrabalho sobre Software malicioso
Trabalho sobre Software malicioso
 
Fasciculo inf segredes_unidade_2
Fasciculo inf segredes_unidade_2Fasciculo inf segredes_unidade_2
Fasciculo inf segredes_unidade_2
 
06 FTI Vírus de Computador.pptx
06 FTI Vírus de Computador.pptx06 FTI Vírus de Computador.pptx
06 FTI Vírus de Computador.pptx
 
V¡rus de computador
V¡rus de computadorV¡rus de computador
V¡rus de computador
 
Vírus, Antivírus e Firewall
Vírus, Antivírus e FirewallVírus, Antivírus e Firewall
Vírus, Antivírus e Firewall
 
Tcvb2.diogo.mendes.segurança informática.v1
Tcvb2.diogo.mendes.segurança informática.v1Tcvb2.diogo.mendes.segurança informática.v1
Tcvb2.diogo.mendes.segurança informática.v1
 
Vírus e Antivírus
Vírus e AntivírusVírus e Antivírus
Vírus e Antivírus
 
Tcvb2.carlos.lopes.segurança informática
Tcvb2.carlos.lopes.segurança informáticaTcvb2.carlos.lopes.segurança informática
Tcvb2.carlos.lopes.segurança informática
 
Vírus de computador natan
Vírus de computador   natanVírus de computador   natan
Vírus de computador natan
 
Javier Flavio
Javier FlavioJavier Flavio
Javier Flavio
 
Vírus e Antivírus
Vírus e AntivírusVírus e Antivírus
Vírus e Antivírus
 
Anti Virus
Anti VirusAnti Virus
Anti Virus
 
Virus
VirusVirus
Virus
 

Virinhos De Pc Ehehehehehh

  • 1. Área de Projecto Tecnologias de informação e comunicação Segurança informática e na Internet Os vírus de computador Professora: Stora Lili Tíí Maria Tíí Manel Tribo: CBC
  • 2. Agrupamento vertical de Canelas Escola Básica e Secundária de Canelas Nove de Dezembro de 2008 Índice Índice Pag:1 Introdução Pag:2 Vírus de computador Pag:3 História Pag:4 Crackers e Hackers Pag:5 Possíveis danos Pag:5-6 Assinaturas dos vírus Pag:6-7 Técnicas de esconderijos de vírus Pag:7-8 Conclusão Pag:9 Bibliografia Pag:10 2
  • 3. Agrupamento vertical de Canelas Escola Básica e Secundária de Canelas Introdução Em informática, um vírus é programa que se reproduz e é transferido de um computador para outro sem que o utilizador se aperceba. A maioria destes programas são concebidos para destruir dados ou imobilizar a operação dos sistemas. Os vírus informáticos são transmitidos em ficheiros contidos em disquetes ou em transmissões on-line. 3
  • 4. Agrupamento vertical de Canelas Escola Básica e Secundária de Canelas Vírus de computador Um vírus de computador é um programa ou instrução de máquina que refere-se a prejudicar o próprio usuário ou a terceiros. Em informática, um vírus de computador é um programa malicioso desenvolvido por programadores que, tal como um vírus biológico, infecta o sistema, faz cópias de si mesmo e tenta se espalhar para outros computadores, utilizando-se de diversos meios. A maioria das contaminações ocorre pela acção do usuário executando o arquivo infectado recebido como um anexo de um e-mail. A segunda causa de contaminação é por Sistema Operacional desactualizado, sem a aplicação de correctivos, que poderiam corrigir vulnerabilidades conhecidas dos sistemas operacionais ou aplicativos, que poderiam causar o recebimento e execução do vírus inadvertidamente. Ainda existem alguns tipos de vírus que permanecem ocultos em determinadas horas, entrando em execução em horas específicas. 4
  • 5. Agrupamento vertical de Canelas Escola Básica e Secundária de Canelas História Em 1983, Len Eidelmen demonstrou em um seminário sobre segurança computacional, um programa auto-replicante em um sistema VAX11/750. Este conseguia instalar-se em vários locais do sistema. Um ano depois, na 7th Anual Information Security Conference, o termo vírus de computador foi definido como um programa que infecta outros programas, modificando-os para que seja possível instalar cópias de si mesmo. O primeiro vírus para PC nasceu em 1986 e chamava-se Brain, era da classe dos Vírus de Boot, ou seja, danificava o sector de inicialização do disco rígido. A sua forma de propagação era através de uma disquete contaminada. Apesar de o Brain ser considerado o primeiro vírus conhecido, o título de primeiro código malicioso pertence ao Elk Cloner, escrito por Richard Skrenta. Dados estatísticos • Até 1995 - 5.000 vírus conhecidos; • Até 1999 - 20.500 vírus conhecidos; • Até 2000 - 49.000 vírus conhecidos; • Até 2001 - 58.000 vírus conhecidos; • Até 2005 - Aproximadamente 75.000 vírus conhecidos; 5
  • 6. Agrupamento vertical de Canelas Escola Básica e Secundária de Canelas • Até 2007 - Aproximadamente 200.000 vírus conhecidos; • Até Novembro de 2008 - Mais de 530.000 vírus conhecidos Crackers e hackers Há quem diga que cracker e hacker são a mesma coisa, mas tecnicamente há uma diferença. Hackers são os que quebram senhas, códigos e sistemas de segurança por puro prazer em achar tais falhas. Preocupam-se em conhecer o funcionamento mais íntimo de um sistema computacional ou seja uma pessoa boa. Já o Crackers é o criminoso virtual, que extorque pessoas usando seus conhecimentos, usando as mais variadas estratégias. Há cerca de 20 anos, eram aficionadas em informática, conheciam muitas linguagens de programação e quase sempre jovens, que criavam seus vírus, para muitas vezes, saber o quanto eles poderiam se propagar. Hoje em dia é completamente diferente; são pessoas que atacam outras máquinas com fins criminosos com um objectivo traçado: capturar senhas bancárias, números de conta e informações privilegiadas que lhes despertem a atenção. Porém, já se criou um verdadeiro mercado negro de vírus de computador, onde certos sites, principalmente russos, disponibilizam downloads de vírus e kits para qualquer um que puder pagar, virar um Cracker, o que é chamado de terciarização da "actividade". Em geral um hacker não gosta de ser confundido com um cracker. Possíveis danos • Perda de desempenho do micro; • Exclusão de arquivos; • Alteração de dados; • Acesso a informações confidenciais por pessoas não autorizadas; • Perda de desempenho da rede (local e Internet); • Monitoramento de utilização (espiões); • Desconfiguração do Sistema Operacional; 6
  • 7. Agrupamento vertical de Canelas Escola Básica e Secundária de Canelas • Inutilização de determinados programas. Para manter o computador protegido, alguns passos devem ser sempre seguidos: • Mantenha seu Sistema Operacional sempre actualizado, no caso do Windows XP, assegure-se que tenha instalado no mínimo o Service Pack 2 (já está disponível o Service Pack 3), e no caso do Windows Vista, o Service Pack 1; • Tenha um antivírus, que se mantenha sempre actualizado; • Actualize os principais programas de acesso a Internet (navegadores, clientes de e-mail, mensageiros instantâneos); • No caso do Windows, nunca abra arquivos anexos em e-mail com extensões .ex., .bat, .scr, .com, .pif, etc, sem antes certificar- se de sua idoneidade. • Quando for baixar arquivos anexos a e-mail, observe o nome do mesmo, e se a sua extensão estiver duplicada, é grande as hipóteses do arquivo estar infectado (ex.: curriculum.doc.doc), ou mesmo dupla extensão diferente (ex:boleto.pdf.exe). Assinaturas dos vírus As assinaturas dos vírus são uma sequência de caracteres que o representa. É através desta sequência que os antivírus identificam os arquivos contaminados, pois na maioria dos casos os vírus passam uma parte de seu código para os arquivos ao contaminá-los. As assinaturas são definidas pelas empresas desenroladoras de antivírus com o objectivo de: • Evitar os falso-positivos (quando um arquivo sadio é apontado como infectado); • Reconhecer o maior número de variantes do vírus; 7
  • 8. Agrupamento vertical de Canelas Escola Básica e Secundária de Canelas • Identificar o código mal intencionado na maior quantidade de arquivos possível. As assinaturas definidas pelas empresas não são as mesmas para todos os softwares antivírus, portanto um antivírus de uma marca pode detectar uma variante de um vírus conhecido (pelo fato da parte do código alterado pela variante não afectar a assinatura definida) e outro antivírus de outra marca pode não detectá-lo. Técnicas de esconderijo dos vírus Os vírus (seja de que tipo forem) escondem-se e protegem-se cada vez melhor dos antivírus e do acesso das pessoas. Eis algumas técnicas usadas por alguns vírus: • Encriptação: Os vírus usam a encriptação para que o código não fique visível para os antivírus e para que não possam ser apagados do ficheiro original. Esta técnica é usada para que os vírus permaneçam mais tempo no computador. Mas os antivírus da actualidade já estão preparados contra esta técnica, apesar de ser difícil conseguirem eliminá-los. • Desactivação de antivírus (se possível): Quando os vírus desactivam os antivírus, eles não são identificados e consequentemente não são removidos. • Esconder-se nas pastas do sistema: As pessoas não querem estragar o seu sistema operativo removendo ficheiros do sistema, portanto muitos vírus escondem-se lá para evitar que o usuário os remova manualmente. 8
  • 9. Agrupamento vertical de Canelas Escola Básica e Secundária de Canelas • Cookie: Alguns cookies armazenados por sites mal-intencionados, podem possuir linhas e códigos que visam roubar informações. Outros casos são de vírus que roubam cookies para obter logins e senhas. 9
  • 10. Agrupamento vertical de Canelas Escola Básica e Secundária de Canelas Conclusão A conclusão que tiramos ao efectuar este trabalho, é que cada vez que acedermos a um site na Internet temos de ter em atenção a terminalidade do site. Por razões de segurança, podemos ter também acesso aos Antivírus que nos protegem contra as ameaças feitas contra o nosso computador que possam roubar informação ou apaga-la do computador. 10
  • 11. Agrupamento vertical de Canelas Escola Básica e Secundária de Canelas Bibliografia • Wikipédia- Os Vírus de Computador, História dos vírus, Possíveis danos, Assinaturas dos vírus, Técnicas de esconderijo de vírus. (consulta 28/11/08) Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/V %C3%ADrus_de_computador 11