SlideShare uma empresa Scribd logo
Memorial




Macapá - 2021
Elvis III
Prólogo


A arte existe para que a realidade não
nos destrua.
Friedrich Nietzsche
Universidade Federal do Amapá - UNIFAP
Artes Visuais
Sandy Katrine Marques Marques


A.V 2019.1
UNIDADE I
Fundamentos da
reprodutibilidade nas artes
visuais
Aura
Valor cultural
Autenticidade
Aqui e agora
Beleza
Experiência
Unidade II
Estampa matriz para
reprodução em cortinas,
canecas, canetas, camisas...
Sandy Katrine
Unidade III
Experimentos com Monotipia
Botânica
Arte Abstrata
Sandy Katrine
Unidade IV


EcoArt
Planeta Água
Arte Abstrata
Sandy Katrine
Em sua essência, a obra de arte sempre foi reprodutível. O que os homens
faziam sempre podia ser imitado por outros homens. Essa imitação era
praticada por discípulos, em seus exercícios, pelos mestres, para a difusão das
obras, e finalmente por terceiros, meramente interessados no lucro. Em
contraste, a reprodução técnica da obra de arte representa um processo novo,
que se vem desenvolvendo na história intermitentemente, através de saltos
separados por longos intervalos, mas com intensidade crescente. Com a
xilogravura, o desenho tornou-se pela primeira vez tecnicamente
reprodutível, muito antes que a imprensa prestasse o mesmo serviço para a
palavra escrita. Conhecemos as gigantescas transformações provocadas pela
imprensa - a reprodução técnica da escrita. Mas a imprensa representa
apenas um caso especial, embora de importância decisiva, de um processo
histórico mais amplo. À xilogravura, na Idade Média, seguem-se à estampa
em chapa de cobre e a água-forte, assim como a litografia, no inicio do século
XIX.
Obrigada!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Neoclassicismo europeu pre pas
Neoclassicismo europeu  pre pasNeoclassicismo europeu  pre pas
Neoclassicismo europeu pre pas
Isabella Silva
 
Ativ 3 unidade3_wilda
Ativ 3 unidade3_wildaAtiv 3 unidade3_wilda
Ativ 3 unidade3_wilda
wildabarbosa
 
Ativ 3 unidade3_wilda
Ativ 3 unidade3_wildaAtiv 3 unidade3_wilda
Ativ 3 unidade3_wilda
wildabarbosa
 
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Luciano Dias
 
Processo Criativo e Métodos do 'Projeto B. C. Byte' de Ines Raphaelian
Processo Criativo e Métodos do 'Projeto B. C. Byte' de Ines RaphaelianProcesso Criativo e Métodos do 'Projeto B. C. Byte' de Ines Raphaelian
Processo Criativo e Métodos do 'Projeto B. C. Byte' de Ines Raphaelian
Anarqueologia
 
Luís Athouguia: Manifestações Ficcionais
Luís Athouguia: Manifestações FiccionaisLuís Athouguia: Manifestações Ficcionais
Luís Athouguia: Manifestações Ficcionais
ALA - Academia de Letras e Artes
 
Marta
MartaMarta
Da arte rupestre ás sombras chinesas
Da arte rupestre ás sombras chinesasDa arte rupestre ás sombras chinesas
Da arte rupestre ás sombras chinesas
Pedro António
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Michele Pó
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
babelisa
 

Mais procurados (10)

Neoclassicismo europeu pre pas
Neoclassicismo europeu  pre pasNeoclassicismo europeu  pre pas
Neoclassicismo europeu pre pas
 
Ativ 3 unidade3_wilda
Ativ 3 unidade3_wildaAtiv 3 unidade3_wilda
Ativ 3 unidade3_wilda
 
Ativ 3 unidade3_wilda
Ativ 3 unidade3_wildaAtiv 3 unidade3_wilda
Ativ 3 unidade3_wilda
 
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
Literatura de Cordel (parte 2 - Gravura)
 
Processo Criativo e Métodos do 'Projeto B. C. Byte' de Ines Raphaelian
Processo Criativo e Métodos do 'Projeto B. C. Byte' de Ines RaphaelianProcesso Criativo e Métodos do 'Projeto B. C. Byte' de Ines Raphaelian
Processo Criativo e Métodos do 'Projeto B. C. Byte' de Ines Raphaelian
 
Luís Athouguia: Manifestações Ficcionais
Luís Athouguia: Manifestações FiccionaisLuís Athouguia: Manifestações Ficcionais
Luís Athouguia: Manifestações Ficcionais
 
Marta
MartaMarta
Marta
 
Da arte rupestre ás sombras chinesas
Da arte rupestre ás sombras chinesasDa arte rupestre ás sombras chinesas
Da arte rupestre ás sombras chinesas
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
 

Semelhante a Sandy Katrine

A LíNgua Do Mundo
A LíNgua Do MundoA LíNgua Do Mundo
A LíNgua Do Mundo
JoseSimas
 
Arte 1
Arte   1Arte   1
Criação do humano maquina
Criação do humano maquinaCriação do humano maquina
Criação do humano maquina
Venise Melo
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
Vasco L
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
JulianoFonseca17
 
Celso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteCelso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arte
Fundação Casa
 
Ribas; vivian calazans open
Ribas; vivian calazans   openRibas; vivian calazans   open
Ribas; vivian calazans open
Acervo_DAC
 
Aula de Met da Arte.pdf
Aula de Met da Arte.pdfAula de Met da Arte.pdf
Aula de Met da Arte.pdf
JANAINAISISRODASKI
 
A arte somos_nos_web
A arte somos_nos_webA arte somos_nos_web
A arte somos_nos_web
Zimaldo Melo
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
Ellen_A
 
Arte e mercado
Arte e mercadoArte e mercado
Arte e mercado
Filipe Prado
 
Arte- artes visuais - Expressionimo e cubismo- 6º ano.pptx
Arte- artes visuais - Expressionimo e cubismo- 6º ano.pptxArte- artes visuais - Expressionimo e cubismo- 6º ano.pptx
Arte- artes visuais - Expressionimo e cubismo- 6º ano.pptx
AnaElisiaAlvesdeSouz
 
Técnicas
TécnicasTécnicas
Técnicas
CEF16
 
Arteeinteratividade julio plaza
Arteeinteratividade julio plazaArteeinteratividade julio plaza
Arteeinteratividade julio plaza
Venise Melo
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
Fabiana Alexandre
 
Mario de Andrade: O Artista e o Artesão
Mario de Andrade: O Artista e o ArtesãoMario de Andrade: O Artista e o Artesão
Mario de Andrade: O Artista e o Artesão
gersonastolfi
 
Educação visual e tecnológica a arte
Educação visual e tecnológica   a arteEducação visual e tecnológica   a arte
Educação visual e tecnológica a arte
p337
 
Catálogo Exposicao Guaianases
Catálogo Exposicao Guaianases Catálogo Exposicao Guaianases
Catálogo Exposicao Guaianases
UFPE
 
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdfTECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
MidiIzidoroSilva
 
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptxTECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
MidiIzidoroSilva
 

Semelhante a Sandy Katrine (20)

A LíNgua Do Mundo
A LíNgua Do MundoA LíNgua Do Mundo
A LíNgua Do Mundo
 
Arte 1
Arte   1Arte   1
Arte 1
 
Criação do humano maquina
Criação do humano maquinaCriação do humano maquina
Criação do humano maquina
 
O que é a arte (1)
O que é a arte (1)O que é a arte (1)
O que é a arte (1)
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
 
Celso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteCelso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arte
 
Ribas; vivian calazans open
Ribas; vivian calazans   openRibas; vivian calazans   open
Ribas; vivian calazans open
 
Aula de Met da Arte.pdf
Aula de Met da Arte.pdfAula de Met da Arte.pdf
Aula de Met da Arte.pdf
 
A arte somos_nos_web
A arte somos_nos_webA arte somos_nos_web
A arte somos_nos_web
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
 
Arte e mercado
Arte e mercadoArte e mercado
Arte e mercado
 
Arte- artes visuais - Expressionimo e cubismo- 6º ano.pptx
Arte- artes visuais - Expressionimo e cubismo- 6º ano.pptxArte- artes visuais - Expressionimo e cubismo- 6º ano.pptx
Arte- artes visuais - Expressionimo e cubismo- 6º ano.pptx
 
Técnicas
TécnicasTécnicas
Técnicas
 
Arteeinteratividade julio plaza
Arteeinteratividade julio plazaArteeinteratividade julio plaza
Arteeinteratividade julio plaza
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
 
Mario de Andrade: O Artista e o Artesão
Mario de Andrade: O Artista e o ArtesãoMario de Andrade: O Artista e o Artesão
Mario de Andrade: O Artista e o Artesão
 
Educação visual e tecnológica a arte
Educação visual e tecnológica   a arteEducação visual e tecnológica   a arte
Educação visual e tecnológica a arte
 
Catálogo Exposicao Guaianases
Catálogo Exposicao Guaianases Catálogo Exposicao Guaianases
Catálogo Exposicao Guaianases
 
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdfTECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pdf
 
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptxTECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E CULTURA.pptx
 

Mais de Joaquim Netto

história da arte brasileira contemporânea (1).pdf
história da arte brasileira contemporânea (1).pdfhistória da arte brasileira contemporânea (1).pdf
história da arte brasileira contemporânea (1).pdf
Joaquim Netto
 
HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA II.pdf
HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA II.pdfHISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA II.pdf
HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA II.pdf
Joaquim Netto
 
Defesa tcc matheus dos santos gonçalves
Defesa tcc matheus dos santos gonçalvesDefesa tcc matheus dos santos gonçalves
Defesa tcc matheus dos santos gonçalves
Joaquim Netto
 
Produção de vídeo digital
Produção de vídeo digitalProdução de vídeo digital
Produção de vídeo digital
Joaquim Netto
 
O homem e as maquinas (1)
O homem e as maquinas (1)O homem e as maquinas (1)
O homem e as maquinas (1)
Joaquim Netto
 
Imagens múltiplas em (in)visualidades imersivas
Imagens múltiplas em (in)visualidades imersivasImagens múltiplas em (in)visualidades imersivas
Imagens múltiplas em (in)visualidades imersivas
Joaquim Netto
 
Arte e Mídia
Arte e MídiaArte e Mídia
Arte e Mídia
Joaquim Netto
 
Encontro Fotografia Moderna & Contemporânea - EBA - UFRJ
Encontro Fotografia Moderna & Contemporânea - EBA - UFRJEncontro Fotografia Moderna & Contemporânea - EBA - UFRJ
Encontro Fotografia Moderna & Contemporânea - EBA - UFRJ
Joaquim Netto
 
Arte e Mídia
Arte e MídiaArte e Mídia
Arte e Mídia
Joaquim Netto
 
Arte e Novas Tecnologias i
Arte e Novas Tecnologias i Arte e Novas Tecnologias i
Arte e Novas Tecnologias i
Joaquim Netto
 
Tainá Rabelo
Tainá RabeloTainá Rabelo
Tainá Rabelo
Joaquim Netto
 
Rodrigo Lima
Rodrigo LimaRodrigo Lima
Rodrigo Lima
Joaquim Netto
 
Matheus Alves Xavier
Matheus Alves XavierMatheus Alves Xavier
Matheus Alves Xavier
Joaquim Netto
 
Brenda Freitas
Brenda FreitasBrenda Freitas
Brenda Freitas
Joaquim Netto
 
memorial Elvis III - Ana Laura
memorial Elvis III - Ana Lauramemorial Elvis III - Ana Laura
memorial Elvis III - Ana Laura
Joaquim Netto
 
Memorial Elvis III - Charline de Almeida
Memorial Elvis III - Charline de AlmeidaMemorial Elvis III - Charline de Almeida
Memorial Elvis III - Charline de Almeida
Joaquim Netto
 
Memorial Elvis III - Ingrid Balieiro
Memorial Elvis III - Ingrid BalieiroMemorial Elvis III - Ingrid Balieiro
Memorial Elvis III - Ingrid Balieiro
Joaquim Netto
 
Memorial Elvis III - Vivian Coelho
Memorial Elvis III - Vivian CoelhoMemorial Elvis III - Vivian Coelho
Memorial Elvis III - Vivian Coelho
Joaquim Netto
 
O vídeo educativo 5
O vídeo educativo 5O vídeo educativo 5
O vídeo educativo 5
Joaquim Netto
 
O vídeo educativo 4
O vídeo educativo 4O vídeo educativo 4
O vídeo educativo 4
Joaquim Netto
 

Mais de Joaquim Netto (20)

história da arte brasileira contemporânea (1).pdf
história da arte brasileira contemporânea (1).pdfhistória da arte brasileira contemporânea (1).pdf
história da arte brasileira contemporânea (1).pdf
 
HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA II.pdf
HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA II.pdfHISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA II.pdf
HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA II.pdf
 
Defesa tcc matheus dos santos gonçalves
Defesa tcc matheus dos santos gonçalvesDefesa tcc matheus dos santos gonçalves
Defesa tcc matheus dos santos gonçalves
 
Produção de vídeo digital
Produção de vídeo digitalProdução de vídeo digital
Produção de vídeo digital
 
O homem e as maquinas (1)
O homem e as maquinas (1)O homem e as maquinas (1)
O homem e as maquinas (1)
 
Imagens múltiplas em (in)visualidades imersivas
Imagens múltiplas em (in)visualidades imersivasImagens múltiplas em (in)visualidades imersivas
Imagens múltiplas em (in)visualidades imersivas
 
Arte e Mídia
Arte e MídiaArte e Mídia
Arte e Mídia
 
Encontro Fotografia Moderna & Contemporânea - EBA - UFRJ
Encontro Fotografia Moderna & Contemporânea - EBA - UFRJEncontro Fotografia Moderna & Contemporânea - EBA - UFRJ
Encontro Fotografia Moderna & Contemporânea - EBA - UFRJ
 
Arte e Mídia
Arte e MídiaArte e Mídia
Arte e Mídia
 
Arte e Novas Tecnologias i
Arte e Novas Tecnologias i Arte e Novas Tecnologias i
Arte e Novas Tecnologias i
 
Tainá Rabelo
Tainá RabeloTainá Rabelo
Tainá Rabelo
 
Rodrigo Lima
Rodrigo LimaRodrigo Lima
Rodrigo Lima
 
Matheus Alves Xavier
Matheus Alves XavierMatheus Alves Xavier
Matheus Alves Xavier
 
Brenda Freitas
Brenda FreitasBrenda Freitas
Brenda Freitas
 
memorial Elvis III - Ana Laura
memorial Elvis III - Ana Lauramemorial Elvis III - Ana Laura
memorial Elvis III - Ana Laura
 
Memorial Elvis III - Charline de Almeida
Memorial Elvis III - Charline de AlmeidaMemorial Elvis III - Charline de Almeida
Memorial Elvis III - Charline de Almeida
 
Memorial Elvis III - Ingrid Balieiro
Memorial Elvis III - Ingrid BalieiroMemorial Elvis III - Ingrid Balieiro
Memorial Elvis III - Ingrid Balieiro
 
Memorial Elvis III - Vivian Coelho
Memorial Elvis III - Vivian CoelhoMemorial Elvis III - Vivian Coelho
Memorial Elvis III - Vivian Coelho
 
O vídeo educativo 5
O vídeo educativo 5O vídeo educativo 5
O vídeo educativo 5
 
O vídeo educativo 4
O vídeo educativo 4O vídeo educativo 4
O vídeo educativo 4
 

Sandy Katrine

  • 2. Prólogo A arte existe para que a realidade não nos destrua. Friedrich Nietzsche
  • 3. Universidade Federal do Amapá - UNIFAP Artes Visuais Sandy Katrine Marques Marques A.V 2019.1
  • 4. UNIDADE I Fundamentos da reprodutibilidade nas artes visuais Aura Valor cultural Autenticidade Aqui e agora Beleza Experiência
  • 5. Unidade II Estampa matriz para reprodução em cortinas, canecas, canetas, camisas...
  • 7. Unidade III Experimentos com Monotipia Botânica Arte Abstrata
  • 11. Em sua essência, a obra de arte sempre foi reprodutível. O que os homens faziam sempre podia ser imitado por outros homens. Essa imitação era praticada por discípulos, em seus exercícios, pelos mestres, para a difusão das obras, e finalmente por terceiros, meramente interessados no lucro. Em contraste, a reprodução técnica da obra de arte representa um processo novo, que se vem desenvolvendo na história intermitentemente, através de saltos separados por longos intervalos, mas com intensidade crescente. Com a xilogravura, o desenho tornou-se pela primeira vez tecnicamente reprodutível, muito antes que a imprensa prestasse o mesmo serviço para a palavra escrita. Conhecemos as gigantescas transformações provocadas pela imprensa - a reprodução técnica da escrita. Mas a imprensa representa apenas um caso especial, embora de importância decisiva, de um processo histórico mais amplo. À xilogravura, na Idade Média, seguem-se à estampa em chapa de cobre e a água-forte, assim como a litografia, no inicio do século XIX.