SlideShare uma empresa Scribd logo
Resolução da Atividade



5.13) Laboratório com o Simulador SOsim

Atividade 1: Criação de Processos

b) A medida que se aumenta o Clock o tempo da UCP vai crescendo e a
transição entre os estados também vai ficando mais rápida.

c) O processo criado é CPU – bound, pois passa a maior parte do tempo em
estado de execução, utilizando o processador, ou de pronto.

Atividade 2: Tipos de Processos

b)O processo CPU – bound tem uma taxa de crescimento de tempo de
processador bem mais alto do que o processo I/O – bounduma vez que este
passa menos tempo em estado de execução.

c) Quanto mais se reduz o tempo de espera em I/O mais rápido processo
passa para o estado de pronto.

Atividade 3: PCB

c) Fazem parte do contexto de hardware: PC eo estado do processo (sendo
os dois dinâmicos). Fazem parte do contexto de software: prioridade de
execução (estático), tempo de UCP (dinâmico), tempo de criação (estático)
e frames.

Atividade 4: Estatísticas

c) Como o sistema só utiliza uma UCP somente um processo pode está
sendo executado em um dado instante de tempo e por esse motivo em
alguns momentos nenhum está em estado de execução. Quando um dos
dois processos criados está em execução o outro está em pronto, em dado
momento a fatia de tempo do que estava em execução acaba e ele passa
para estado de pronto ficando os dois em pronto e nenhum em execução e
logo após o que estava em estado de pronto vai ser executado até que sua
fatia de tempo acabe como ocorreu com o processo anterior.

Atividade 5: Log de Execução dos Processos
c) Quanto maior for a fatia de tempo de um processo menor será a
concorrência entre os dois processos executados.

Atividade 6: Suspensão e Eliminação de Processos

c) Um processo só pode ser eliminado se tiver em estado de execução.
Quando se suspende o processo no simulador ele passa para o estado de
espera e deste ele não poderá ser eliminado, somente quando aperta-se o
prosseguir o processo passa para o estado de pronto, deste para execução e
somente daí será eliminado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 10 - Exclusão Mútua e Região Crítica
Aula 10 - Exclusão Mútua e Região CríticaAula 10 - Exclusão Mútua e Região Crítica
Aula 10 - Exclusão Mútua e Região Crítica
camila_seixas
 
Mutexes, Monitores e Semáforos
Mutexes, Monitores e SemáforosMutexes, Monitores e Semáforos
Mutexes, Monitores e Semáforos
Thiago Poiani
 
Pipeline 2
Pipeline 2Pipeline 2
Pipeline 2
Raislan oliveira
 
SO-04 Escalonamento de Processos
SO-04 Escalonamento de ProcessosSO-04 Escalonamento de Processos
SO-04 Escalonamento de Processos
Eduardo Nicola F. Zagari
 
THREADS JAVA
THREADS JAVATHREADS JAVA
THREADS JAVA
Filipe Rocha
 
Android carregando dados com loaders
Android   carregando dados com loadersAndroid   carregando dados com loaders
Android carregando dados com loaders
Fernando Camargo
 
Alta Disponibilidade no PostgreSQL
Alta Disponibilidade no PostgreSQLAlta Disponibilidade no PostgreSQL
Alta Disponibilidade no PostgreSQL
elliando dias
 
Sistemas operacionais 04
Sistemas operacionais   04Sistemas operacionais   04
Sistemas operacionais 04
SandroMatheusPereira
 
Programação Paralela - Threads
Programação Paralela - ThreadsProgramação Paralela - Threads
Programação Paralela - Threads
Glaucio Scheibel
 
Aula CRONTAB
Aula CRONTABAula CRONTAB
Aula CRONTAB
Wellington Oliveira
 
Apresentação Semáforos, monitores, troca de mensagens, Deadlock
Apresentação Semáforos, monitores, troca de mensagens, DeadlockApresentação Semáforos, monitores, troca de mensagens, Deadlock
Apresentação Semáforos, monitores, troca de mensagens, Deadlock
Williams Gomes da Silva
 
Vex 2009-2011
Vex 2009-2011Vex 2009-2011
Vex 2009-2011
Hélio Costa e Silva
 
Aula 12 - Escalonamento
Aula 12 - EscalonamentoAula 12 - Escalonamento
Aula 12 - Escalonamento
camila_seixas
 
Isolamento e mvcc
Isolamento e mvccIsolamento e mvcc
Isolamento e mvcc
Locaweb
 

Mais procurados (14)

Aula 10 - Exclusão Mútua e Região Crítica
Aula 10 - Exclusão Mútua e Região CríticaAula 10 - Exclusão Mútua e Região Crítica
Aula 10 - Exclusão Mútua e Região Crítica
 
Mutexes, Monitores e Semáforos
Mutexes, Monitores e SemáforosMutexes, Monitores e Semáforos
Mutexes, Monitores e Semáforos
 
Pipeline 2
Pipeline 2Pipeline 2
Pipeline 2
 
SO-04 Escalonamento de Processos
SO-04 Escalonamento de ProcessosSO-04 Escalonamento de Processos
SO-04 Escalonamento de Processos
 
THREADS JAVA
THREADS JAVATHREADS JAVA
THREADS JAVA
 
Android carregando dados com loaders
Android   carregando dados com loadersAndroid   carregando dados com loaders
Android carregando dados com loaders
 
Alta Disponibilidade no PostgreSQL
Alta Disponibilidade no PostgreSQLAlta Disponibilidade no PostgreSQL
Alta Disponibilidade no PostgreSQL
 
Sistemas operacionais 04
Sistemas operacionais   04Sistemas operacionais   04
Sistemas operacionais 04
 
Programação Paralela - Threads
Programação Paralela - ThreadsProgramação Paralela - Threads
Programação Paralela - Threads
 
Aula CRONTAB
Aula CRONTABAula CRONTAB
Aula CRONTAB
 
Apresentação Semáforos, monitores, troca de mensagens, Deadlock
Apresentação Semáforos, monitores, troca de mensagens, DeadlockApresentação Semáforos, monitores, troca de mensagens, Deadlock
Apresentação Semáforos, monitores, troca de mensagens, Deadlock
 
Vex 2009-2011
Vex 2009-2011Vex 2009-2011
Vex 2009-2011
 
Aula 12 - Escalonamento
Aula 12 - EscalonamentoAula 12 - Escalonamento
Aula 12 - Escalonamento
 
Isolamento e mvcc
Isolamento e mvccIsolamento e mvcc
Isolamento e mvcc
 

Semelhante a Resolução da atividade pagina 84 a 87 so

Questionário sobre processos
Questionário sobre processosQuestionário sobre processos
Questionário sobre processos
Francisco Soares Lima Filho
 
Processos e threads cap 02 (i unidade)
Processos e threads   cap 02 (i unidade)Processos e threads   cap 02 (i unidade)
Processos e threads cap 02 (i unidade)
Faculdade Mater Christi
 
Processos
ProcessosProcessos
Estudo sistemas operacionais p2
Estudo sistemas operacionais  p2Estudo sistemas operacionais  p2
Estudo sistemas operacionais p2
Gustavo Souza
 
Arquitetura de Computadores: Processos e Threads
Arquitetura de Computadores: Processos e ThreadsArquitetura de Computadores: Processos e Threads
Arquitetura de Computadores: Processos e Threads
Evandro Júnior
 
Impasses S.O
Impasses S.OImpasses S.O
Impasses S.O
Amanda Ferreira
 
Atps sistemas operacionais
Atps sistemas operacionaisAtps sistemas operacionais
Atps sistemas operacionais
TIAGO SAMPOGNA DE MORAES
 
SO-02 Processos
SO-02 ProcessosSO-02 Processos
SO-02 Processos
Eduardo Nicola F. Zagari
 
Sincronização de um sistema distribuído
Sincronização de um sistema distribuídoSincronização de um sistema distribuído
Sincronização de um sistema distribuído
Tiago R. Sampaio
 
Gerencia de processo by "slideplayer.com.br"
Gerencia de processo by "slideplayer.com.br"Gerencia de processo by "slideplayer.com.br"
Gerencia de processo by "slideplayer.com.br"
Erickson Carvalho Vaz
 
SO02 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Processos.pdf
SO02 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Processos.pdfSO02 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Processos.pdf
SO02 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Processos.pdf
Silvano Oliveira
 
Seminário 1º Tema parte III - Estados de processos e escalonamento de processos
Seminário 1º Tema parte III - Estados de processos e escalonamento de processosSeminário 1º Tema parte III - Estados de processos e escalonamento de processos
Seminário 1º Tema parte III - Estados de processos e escalonamento de processos
Robson Ferreira
 
SEI | MPOG | Instruções para Digitalização
SEI | MPOG | Instruções para DigitalizaçãoSEI | MPOG | Instruções para Digitalização
SEI | MPOG | Instruções para Digitalização
Colaborativismo
 
Escalonamento de Processos
Escalonamento de ProcessosEscalonamento de Processos
Escalonamento de Processos
Fatec Jales
 
gabarito.pdf
gabarito.pdfgabarito.pdf
gabarito.pdf
FabioMarian
 
Algoritmo de escalonamento Fuzzy Round Robin
Algoritmo de escalonamento Fuzzy Round RobinAlgoritmo de escalonamento Fuzzy Round Robin
Algoritmo de escalonamento Fuzzy Round Robin
Marcos Castro
 
Atividade de 1 a 6 da atps
Atividade  de 1 a 6 da atpsAtividade  de 1 a 6 da atps
Atividade de 1 a 6 da atps
Joabe Galvão
 
Categorias de Escalonamento e Objetivos do Algorítmo Escalonador
Categorias de Escalonamento e Objetivos do Algorítmo EscalonadorCategorias de Escalonamento e Objetivos do Algorítmo Escalonador
Categorias de Escalonamento e Objetivos do Algorítmo Escalonador
Sofia Trindade
 
Fso parte iii
Fso parte iiiFso parte iii
Fso parte iii
paulocsm
 
(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 05
(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 05(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 05
(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 05
Norton Trevisan Roman
 

Semelhante a Resolução da atividade pagina 84 a 87 so (20)

Questionário sobre processos
Questionário sobre processosQuestionário sobre processos
Questionário sobre processos
 
Processos e threads cap 02 (i unidade)
Processos e threads   cap 02 (i unidade)Processos e threads   cap 02 (i unidade)
Processos e threads cap 02 (i unidade)
 
Processos
ProcessosProcessos
Processos
 
Estudo sistemas operacionais p2
Estudo sistemas operacionais  p2Estudo sistemas operacionais  p2
Estudo sistemas operacionais p2
 
Arquitetura de Computadores: Processos e Threads
Arquitetura de Computadores: Processos e ThreadsArquitetura de Computadores: Processos e Threads
Arquitetura de Computadores: Processos e Threads
 
Impasses S.O
Impasses S.OImpasses S.O
Impasses S.O
 
Atps sistemas operacionais
Atps sistemas operacionaisAtps sistemas operacionais
Atps sistemas operacionais
 
SO-02 Processos
SO-02 ProcessosSO-02 Processos
SO-02 Processos
 
Sincronização de um sistema distribuído
Sincronização de um sistema distribuídoSincronização de um sistema distribuído
Sincronização de um sistema distribuído
 
Gerencia de processo by "slideplayer.com.br"
Gerencia de processo by "slideplayer.com.br"Gerencia de processo by "slideplayer.com.br"
Gerencia de processo by "slideplayer.com.br"
 
SO02 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Processos.pdf
SO02 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Processos.pdfSO02 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Processos.pdf
SO02 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Processos.pdf
 
Seminário 1º Tema parte III - Estados de processos e escalonamento de processos
Seminário 1º Tema parte III - Estados de processos e escalonamento de processosSeminário 1º Tema parte III - Estados de processos e escalonamento de processos
Seminário 1º Tema parte III - Estados de processos e escalonamento de processos
 
SEI | MPOG | Instruções para Digitalização
SEI | MPOG | Instruções para DigitalizaçãoSEI | MPOG | Instruções para Digitalização
SEI | MPOG | Instruções para Digitalização
 
Escalonamento de Processos
Escalonamento de ProcessosEscalonamento de Processos
Escalonamento de Processos
 
gabarito.pdf
gabarito.pdfgabarito.pdf
gabarito.pdf
 
Algoritmo de escalonamento Fuzzy Round Robin
Algoritmo de escalonamento Fuzzy Round RobinAlgoritmo de escalonamento Fuzzy Round Robin
Algoritmo de escalonamento Fuzzy Round Robin
 
Atividade de 1 a 6 da atps
Atividade  de 1 a 6 da atpsAtividade  de 1 a 6 da atps
Atividade de 1 a 6 da atps
 
Categorias de Escalonamento e Objetivos do Algorítmo Escalonador
Categorias de Escalonamento e Objetivos do Algorítmo EscalonadorCategorias de Escalonamento e Objetivos do Algorítmo Escalonador
Categorias de Escalonamento e Objetivos do Algorítmo Escalonador
 
Fso parte iii
Fso parte iiiFso parte iii
Fso parte iii
 
(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 05
(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 05(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 05
(ACH2044) Sistemas Operacionais - Aula 05
 

Mais de Cristiano Silva

Apostila de informática
Apostila de informática Apostila de informática
Apostila de informática
Cristiano Silva
 
Cart lei responsabilidade_fiscal
Cart lei responsabilidade_fiscalCart lei responsabilidade_fiscal
Cart lei responsabilidade_fiscal
Cristiano Silva
 
Roteiro a1
Roteiro a1Roteiro a1
Roteiro a1
Cristiano Silva
 
Gt 11 05_2010
Gt 11 05_2010Gt 11 05_2010
Gt 11 05_2010
Cristiano Silva
 
Termometria slides
Termometria  slidesTermometria  slides
Termometria slides
Cristiano Silva
 
Beamer class-example8-ann arbor
Beamer class-example8-ann arborBeamer class-example8-ann arbor
Beamer class-example8-ann arbor
Cristiano Silva
 
Apostila tex
Apostila texApostila tex
Apostila tex
Cristiano Silva
 

Mais de Cristiano Silva (7)

Apostila de informática
Apostila de informática Apostila de informática
Apostila de informática
 
Cart lei responsabilidade_fiscal
Cart lei responsabilidade_fiscalCart lei responsabilidade_fiscal
Cart lei responsabilidade_fiscal
 
Roteiro a1
Roteiro a1Roteiro a1
Roteiro a1
 
Gt 11 05_2010
Gt 11 05_2010Gt 11 05_2010
Gt 11 05_2010
 
Termometria slides
Termometria  slidesTermometria  slides
Termometria slides
 
Beamer class-example8-ann arbor
Beamer class-example8-ann arborBeamer class-example8-ann arbor
Beamer class-example8-ann arbor
 
Apostila tex
Apostila texApostila tex
Apostila tex
 

Resolução da atividade pagina 84 a 87 so

  • 1. Resolução da Atividade 5.13) Laboratório com o Simulador SOsim Atividade 1: Criação de Processos b) A medida que se aumenta o Clock o tempo da UCP vai crescendo e a transição entre os estados também vai ficando mais rápida. c) O processo criado é CPU – bound, pois passa a maior parte do tempo em estado de execução, utilizando o processador, ou de pronto. Atividade 2: Tipos de Processos b)O processo CPU – bound tem uma taxa de crescimento de tempo de processador bem mais alto do que o processo I/O – bounduma vez que este passa menos tempo em estado de execução. c) Quanto mais se reduz o tempo de espera em I/O mais rápido processo passa para o estado de pronto. Atividade 3: PCB c) Fazem parte do contexto de hardware: PC eo estado do processo (sendo os dois dinâmicos). Fazem parte do contexto de software: prioridade de execução (estático), tempo de UCP (dinâmico), tempo de criação (estático) e frames. Atividade 4: Estatísticas c) Como o sistema só utiliza uma UCP somente um processo pode está sendo executado em um dado instante de tempo e por esse motivo em alguns momentos nenhum está em estado de execução. Quando um dos dois processos criados está em execução o outro está em pronto, em dado momento a fatia de tempo do que estava em execução acaba e ele passa para estado de pronto ficando os dois em pronto e nenhum em execução e logo após o que estava em estado de pronto vai ser executado até que sua fatia de tempo acabe como ocorreu com o processo anterior. Atividade 5: Log de Execução dos Processos
  • 2. c) Quanto maior for a fatia de tempo de um processo menor será a concorrência entre os dois processos executados. Atividade 6: Suspensão e Eliminação de Processos c) Um processo só pode ser eliminado se tiver em estado de execução. Quando se suspende o processo no simulador ele passa para o estado de espera e deste ele não poderá ser eliminado, somente quando aperta-se o prosseguir o processo passa para o estado de pronto, deste para execução e somente daí será eliminado.