SlideShare uma empresa Scribd logo
INICIATIVAS LOCAIS DEINICIATIVAS LOCAIS DE
DESENVOLVIMENTODESENVOLVIMENTO
- O Caso dos Municípios de São Paulo e do ABCD –- O Caso dos Municípios de São Paulo e do ABCD –
UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOAUNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA
Faculdade de Ciências Sociais e HumanasFaculdade de Ciências Sociais e Humanas
Dissertação deDissertação de Mestrado em Gestão do Território, esp. em Território e DesenvolvimentoMestrado em Gestão do Território, esp. em Território e Desenvolvimento
apresentada pelo Lic.º Bruno M. Pereira Marquesapresentada pelo Lic.º Bruno M. Pereira Marques
Júri:Júri:
DoutoraDoutora Regina SalvadorRegina Salvador
Professora Catedrática da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNLProfessora Catedrática da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL
DoutorDoutor Mário ValeMário Vale
Professor Associado da Faculdade de Letras da ULProfessor Associado da Faculdade de Letras da UL
DoutoraDoutora M.ª de Nazaré Oliveira RocaM.ª de Nazaré Oliveira Roca
Professora Auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNLProfessora Auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL
DoutorDoutor José Afonso TeixeiraJosé Afonso Teixeira
Professor Auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNLProfessor Auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL
Lisboa, 23 de Maio de 2008Lisboa, 23 de Maio de 2008
O TERRITORIO EM ESTUDOO TERRITORIO EM ESTUDO
Este trabalho pretende, modestamente, lançar algumas luzes acerca das iniciativas locaisEste trabalho pretende, modestamente, lançar algumas luzes acerca das iniciativas locais
de desenvolvimento que estão ser lançadas nos oitos municípios em análise (São Paulo ede desenvolvimento que estão ser lançadas nos oitos municípios em análise (São Paulo e
os municípios doos municípios do ABCDABCD: Santo: Santo AAndré, Sãondré, São BBernardo do Campo, Sãoernardo do Campo, São CCaetano do Sul,aetano do Sul,
DDiadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra), nomeadamente a sua relação comiadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra), nomeadamente a sua relação com
todo um conjunto de teorias que colocam o ênfase no desenvolvimento do potencial local,todo um conjunto de teorias que colocam o ênfase no desenvolvimento do potencial local,
através de meios próprios (endógenos) e da cooperação e concertação entre os váriosatravés de meios próprios (endógenos) e da cooperação e concertação entre os vários
actores que interagem num determinado território.actores que interagem num determinado território.
Enquadramento Territorial dos Municípios de São Paulo e do ABCDEnquadramento Territorial dos Municípios de São Paulo e do ABCD
O TEMA EM ANÁLISEO TEMA EM ANÁLISE
Numa fase inicial, pensámos que a Dissertação podia centrar-se na análise dosNuma fase inicial, pensámos que a Dissertação podia centrar-se na análise dos
Processos de Reestruturação Produtiva ocorridos na área em estudo,Processos de Reestruturação Produtiva ocorridos na área em estudo,
nomeadamente no que concerne à Indústria Automóvel. Contudo, após umanomeadamente no que concerne à Indústria Automóvel. Contudo, após uma
deslocação a São Paulo, concluímos que seria difícil fazer um trabalho de campodeslocação a São Paulo, concluímos que seria difícil fazer um trabalho de campo
eficiente, nomeadamente se nos centrássemos nos oito municípios. Por outro lado,eficiente, nomeadamente se nos centrássemos nos oito municípios. Por outro lado,
o lançamento de um inquérito junto das empresas automóveis e de componentes,o lançamento de um inquérito junto das empresas automóveis e de componentes,
revelou uma taxa de respostas insignificante do ponto de vista darevelou uma taxa de respostas insignificante do ponto de vista da
representatividade estatística do universo em estudo. Deste modo, optámos porrepresentatividade estatística do universo em estudo. Deste modo, optámos por
mudar o enfoque da nossa pesquisa, centrando-a no tema agora apresentado.mudar o enfoque da nossa pesquisa, centrando-a no tema agora apresentado.
A pesquisa e posterior selecção deste conjunto de projectos, acções e iniciativas foiA pesquisa e posterior selecção deste conjunto de projectos, acções e iniciativas foi
feita exclusivamente através dafeita exclusivamente através da InternetInternet, com destaque para os, com destaque para os sitessites dos órgãosdos órgãos
político-administrativos dos oito municípios em análise e de organismos supra-político-administrativos dos oito municípios em análise e de organismos supra-
municipais (Agência e Consórcio Intermunicipal do Grande ABC).municipais (Agência e Consórcio Intermunicipal do Grande ABC).
Em termos de estrutura esta obra está organizada em três capítulos principais:Em termos de estrutura esta obra está organizada em três capítulos principais:
A ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃOA ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO
II.II. Os Novos Paradigmas da Geografia Económica e do Desenvolvimento Regional eOs Novos Paradigmas da Geografia Económica e do Desenvolvimento Regional e
LocalLocal – neste capítulo procuraremos expor as principais teorias, os seus objectivos e as– neste capítulo procuraremos expor as principais teorias, os seus objectivos e as
estratégias de actuação subjacentes. A evolução dos principais paradigmas deestratégias de actuação subjacentes. A evolução dos principais paradigmas de
Desenvolvimento (Funcionalista, Territorialista, Inter-Territorialista) e a emergência deDesenvolvimento (Funcionalista, Territorialista, Inter-Territorialista) e a emergência de
novas práticas relacionadas com onovas práticas relacionadas com o Empreendorismo Territorial e a Nova Gestão doEmpreendorismo Territorial e a Nova Gestão do
TerritórioTerritório;;
III.III. Enquadramento Sócio-Económico-Territorial dos Municípios de São Paulo e doEnquadramento Sócio-Económico-Territorial dos Municípios de São Paulo e do
ABCDABCD – apresentação do processo de industrialização no Brasil e da afirmação de São– apresentação do processo de industrialização no Brasil e da afirmação de São
Paulo e do ABCD nesse contexto, o processo de metropolização de São Paulo e a suaPaulo e do ABCD nesse contexto, o processo de metropolização de São Paulo e a sua
evolução no sentido de constituir uma “evolução no sentido de constituir uma “Cidade GlobalCidade Global”, caracterização dos municípios”, caracterização dos municípios
em análise e identificação dos principais problemas, desafios e potencialidadesem análise e identificação dos principais problemas, desafios e potencialidades
existentes;existentes;
IV.IV. Iniciativas Locais de Desenvolvimento nos Municípios de São Paulo e do ABCDIniciativas Locais de Desenvolvimento nos Municípios de São Paulo e do ABCD ––
componente prática da dissertação que, partindo dos problemas e potencialidadescomponente prática da dissertação que, partindo dos problemas e potencialidades
detectados no capítulo II e das teorias e politicas de Desenvolvimento comentadas nodetectados no capítulo II e das teorias e politicas de Desenvolvimento comentadas no
capítulo I, apresenta um conjunto de medidas, iniciativas e projectos delineados na áreacapítulo I, apresenta um conjunto de medidas, iniciativas e projectos delineados na área
em estudo e relevantes para o Desenvolvimento Local.em estudo e relevantes para o Desenvolvimento Local.
EVOLUÇÃO DAEVOLUÇÃO DA
GEOGRAFIA ECONÓMICA DO BRASILGEOGRAFIA ECONÓMICA DO BRASIL
O centro-motor da economiaO centro-motor da economia
brasileira conheceu várias mudançasbrasileira conheceu várias mudanças
ao longo dos últimos 500 anos. Deao longo dos últimos 500 anos. De
facto, foi apenas no século XIX que,facto, foi apenas no século XIX que,
graças ao café, São Paulo começou agraças ao café, São Paulo começou a
ter a importância que actualmenteter a importância que actualmente
tem a nível económico etem a nível económico e
demográfico no Brasil. Não obstantedemográfico no Brasil. Não obstante
teríamos que esperar até aos anos 30teríamos que esperar até aos anos 30
e, principalmente, 50, para que Sãoe, principalmente, 50, para que São
Paulo (e a sua RegiãoPaulo (e a sua Região
Metropolitana) surgisse como oMetropolitana) surgisse como o
principal pólo industrial do Brasil.principal pólo industrial do Brasil.
Foi precisamente na década de 50Foi precisamente na década de 50
que o “que o “Plano de MetasPlano de Metas” apresentado” apresentado
pelo Presidente Juscelinopelo Presidente Juscelino
Kubitschek, permitiu o crescimentoKubitschek, permitiu o crescimento
considerável da indústria,considerável da indústria,
nomeadamente automóvel.nomeadamente automóvel.
Evolução histórico-geográfica dos ciclosEvolução histórico-geográfica dos ciclos
económicos no Brasil (1500-1930)económicos no Brasil (1500-1930)
Adaptado de: Addas (2002: 52)Adaptado de: Addas (2002: 52)
O TERRITÓRIO EM ESTUDOO TERRITÓRIO EM ESTUDO
Apesar de São Paulo ser uma das maiores cidades do mundo e a maior da América doApesar de São Paulo ser uma das maiores cidades do mundo e a maior da América do
Sul, constituindo mesmo uma “Sul, constituindo mesmo uma “Cidade GlobalCidade Global” é também a “” é também a “Metrópole dasMetrópole das
DesigualdadesDesigualdades”, com um processo de urbanização caótico, um parque habitacional”, com um processo de urbanização caótico, um parque habitacional
inadequado e com elevados índices de pobreza e exclusão social.inadequado e com elevados índices de pobreza e exclusão social.
Face às crises do petróleo, registadas nos anos 70, os processos de reestruturaçãoFace às crises do petróleo, registadas nos anos 70, os processos de reestruturação
produtiva ocorridos no ABCD têm levado à deslocalizaçao de algumas indústrias. Nãoprodutiva ocorridos no ABCD têm levado à deslocalizaçao de algumas indústrias. Não
obstante é nossa convicção que, se o processo de reconversão industrial permitir umaobstante é nossa convicção que, se o processo de reconversão industrial permitir uma
exploração mais eficaz das “exploração mais eficaz das “economias de aglomeraçãoeconomias de aglomeração”, existe um forte potencial para a”, existe um forte potencial para a
implementação de novas estratégias territoriais de Desenvolvimento, alicerçadas emimplementação de novas estratégias territoriais de Desenvolvimento, alicerçadas em
factores locais e endógenos.factores locais e endógenos.
O “O “Estado da ArteEstado da Arte” das Teorias e Políticas de Desenvolvimento Regional e Local” das Teorias e Políticas de Desenvolvimento Regional e Local
privilegia as acções em que as autarquias interagem e constituem parcerias com outrosprivilegia as acções em que as autarquias interagem e constituem parcerias com outros
actores intervenientes no território, quer estes sejam o Governo, empresas privadas,actores intervenientes no território, quer estes sejam o Governo, empresas privadas,
bancos, associações empresariais, cooperativas, organizações não-governamentais oubancos, associações empresariais, cooperativas, organizações não-governamentais ou
movimentos de cidadania.movimentos de cidadania.
Considerando estes factores, o presente trabalho procura apresentar uma selecção deConsiderando estes factores, o presente trabalho procura apresentar uma selecção de
iniciativas locais de desenvolvimento, consideradas extremamente relevantes para ainiciativas locais de desenvolvimento, consideradas extremamente relevantes para a
possível solução dos problemas detectados na área em análise.possível solução dos problemas detectados na área em análise.
NOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITONOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITO
INDUSTRIALINDUSTRIAL MARSHALLIANOMARSHALLIANO
Independentemente das diferentes reflexões teóricas sobre o papel da concentraçãoIndependentemente das diferentes reflexões teóricas sobre o papel da concentração
geográfica – “geográfica – “Sistemas Produtivos LocaisSistemas Produtivos Locais” para Becattini e Garofoli, “” para Becattini e Garofoli, “ClustersClusters” para” para
Porter, “Porter, “Milieux InnovateurMilieux Innovateur” para Castells e GREMI, “” para Castells e GREMI, “Learning RegionsLearning Regions”, etc. – é de”, etc. – é de
notar que os diferentes autores recuperam sempre alguns aspectos da investigação denotar que os diferentes autores recuperam sempre alguns aspectos da investigação de
Alfred Marshall sobre as questões da localização, «Alfred Marshall sobre as questões da localização, «according to an old saying ofaccording to an old saying of
regional economist, there are only three important variables in regional growth:regional economist, there are only three important variables in regional growth:
location, location and location!location, location and location!»» (Blakely e Bradshaw, 2002: 62)(Blakely e Bradshaw, 2002: 62)
O importante é que as vantagens competitivas regionais e a especificidade dosO importante é que as vantagens competitivas regionais e a especificidade dos
territórios deverão continuar a ser determinantes no futuro. A dúvida consiste em saberterritórios deverão continuar a ser determinantes no futuro. A dúvida consiste em saber
até que ponto a inovação, a especialização flexível e o funcionamento em rede, poderãoaté que ponto a inovação, a especialização flexível e o funcionamento em rede, poderão
manter o funcionamento dos “novos” (e “velhos”) “Distritos Industriais”,manter o funcionamento dos “novos” (e “velhos”) “Distritos Industriais”,
independentemente das novas designações ou “roupagens” teóricas que venhamindependentemente das novas designações ou “roupagens” teóricas que venham
recuperar as ideias de Marshall. A dúvida consiste em saber até que ponto os “recuperar as ideias de Marshall. A dúvida consiste em saber até que ponto os “DistritosDistritos
IndustriaisIndustriais” constituem mesmo a estrutura territorial melhor adaptada aos desafios da” constituem mesmo a estrutura territorial melhor adaptada aos desafios da
globalização.globalização.
NOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITONOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITO
INDUSTRIALINDUSTRIAL MARSHALLIANOMARSHALLIANO
DISTRITO INDUSTRIALDISTRITO INDUSTRIAL MEIO INOVADOR / REGIÃOMEIO INOVADOR / REGIÃO
INTELIGENTEINTELIGENTE
SISTEMA REGIONAL DESISTEMA REGIONAL DE
INOVAÇÃOINOVAÇÃO
SurgimentoSurgimento
Espontâneo; como sistemaEspontâneo; como sistema
produtivo localprodutivo local
Espontâneo/induzido; comoEspontâneo/induzido; como
entidade cognitivaentidade cognitiva
Induzido; como entidade organizacionalInduzido; como entidade organizacional
Clima predominanteClima predominante Atmosfera industrialAtmosfera industrial Cultura empresarialCultura empresarial Cultura empresarial e científicaCultura empresarial e científica
Sistema produtivoSistema produtivo
Industrial; especialização produtivaIndustrial; especialização produtiva
numa óptica de divisãonuma óptica de divisão
sectorial do trabalho; PME;sectorial do trabalho; PME;
verticalmente desintegrado;verticalmente desintegrado;
autocentradoautocentrado
Industrial e terciário; diversif.Industrial e terciário; diversif.
produtiva numa óptica de div.produtiva numa óptica de div.
intra-sectorial do trabalho;intra-sectorial do trabalho;
grandes e PME; integraçãograndes e PME; integração
quase-vertical; abertoquase-vertical; aberto
Industrial e terciário; diversificaçãoIndustrial e terciário; diversificação
produtiva numa óptica de divisãoprodutiva numa óptica de divisão
intra-sectorial do trabalho;intra-sectorial do trabalho;
grandes e PME; integração quase-grandes e PME; integração quase-
vertical; abertovertical; aberto
Relações não mercantis entreRelações não mercantis entre
as empresasas empresas
Intensidade das relações extra-Intensidade das relações extra-
produção; redes inter-produção; redes inter-
pessoais informais depessoais informais de
circulação de informação;circulação de informação;
forte mobilidade horizontal eforte mobilidade horizontal e
vertical da mão-de-obravertical da mão-de-obra
Intensidade das relações extra-Intensidade das relações extra-
produção; importância eprodução; importância e
diversidade das relações não-diversidade das relações não-
mercantis formalizadas (redesmercantis formalizadas (redes
de cooperação, parceriasde cooperação, parcerias
estratégicas, etc.)estratégicas, etc.)
Intensidade das relações extra-Intensidade das relações extra-
produção; importância eprodução; importância e
diversidade das relações não-diversidade das relações não-
mercantis formalizadas (redes demercantis formalizadas (redes de
cooperação, parceriascooperação, parcerias
estratégicas, etc.)estratégicas, etc.)
Relações das empresas com aRelações das empresas com a
envolvente institucionalenvolvente institucional
de apoio especializadode apoio especializado
Baixa intensidade de contactos;Baixa intensidade de contactos;
casuísticascasuísticas
Elevada intensidade de contactos;Elevada intensidade de contactos;
estratégicasestratégicas
Elevada intensidade de contactos;Elevada intensidade de contactos;
estratégicasestratégicas
Relações com o exteriorRelações com o exterior
Abertura ao exterior viaAbertura ao exterior via
fornecedores e clientesfornecedores e clientes
Forte abertura ao exterior; inserçãoForte abertura ao exterior; inserção
nos circuitos inter. de transf.nos circuitos inter. de transf.
de inform. e conhecimentode inform. e conhecimento
Forte abertura ao exterior; inserção nosForte abertura ao exterior; inserção nos
circuitos internacionais de transf.circuitos internacionais de transf.
de informação e conhecimentode informação e conhecimento
Estruturas reticularesEstruturas reticulares
Compactas; redes sem centroCompactas; redes sem centro
estratégicoestratégico
Compactas, com empresa-líder ouCompactas, com empresa-líder ou
com empresa-com empresa-pivotpivot
Como empresa-Como empresa-pivotpivot ou instituição-ou instituição-pivotpivot
(universidade, centro tecnológico,(universidade, centro tecnológico,
etc.)etc.)
Síntese comparativa entre os modelos de “Distrito Industrial”, “Meio Inovador” ouSíntese comparativa entre os modelos de “Distrito Industrial”, “Meio Inovador” ou
“Região Inteligente” e “Sistema Regional de Inovação”“Região Inteligente” e “Sistema Regional de Inovação”
NOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITONOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITO
INDUSTRIALINDUSTRIAL MARSHALLIANOMARSHALLIANO
LógicaLógica
Comunitária; de sobrevivência;Comunitária; de sobrevivência;
evitar que as respectivas economiasevitar que as respectivas economias
se restrinjam a meros locais dese restrinjam a meros locais de
inscrição de movimentos exógenosinscrição de movimentos exógenos
de integração organizadosde integração organizados
completamento do exteriorcompletamento do exterior
De parceria; criação de mecanismosDe parceria; criação de mecanismos
colectivos de aprendizagem comocolectivos de aprendizagem como
motor da renovação competitiva damotor da renovação competitiva da
base produtiva; fomento dobase produtiva; fomento do
potencial de inovaçãopotencial de inovação
De parceria; arquitectura institucionalDe parceria; arquitectura institucional
como alavanca da competitividadecomo alavanca da competitividade
empresarial e territorial; fomento doempresarial e territorial; fomento do
potencial de inovação; afirmação depotencial de inovação; afirmação de
uma estratégia regional de inovaçãouma estratégia regional de inovação
Formas dominantes deFormas dominantes de
conhecimentoconhecimento
Tácito; contextualTácito; contextual Codificado; globalCodificado; global Codificado; globalCodificado; global
Formas dominantes deFormas dominantes de
aprendizagemaprendizagem
By doing, by using, by interactingBy doing, by using, by interacting By doing, by interacting, by networkingBy doing, by interacting, by networking By searching, by networkingBy searching, by networking
Modalidades dominantes deModalidades dominantes de
inovaçãoinovação
Incremental; adaptativa; do produtoIncremental; adaptativa; do produto
e do processoe do processo
Incremental e radical –Incremental e radical – first of itsfirst of its
kindkind; do produto, do processo e; do produto, do processo e
organizacionaisorganizacionais
Incremental e radical –Incremental e radical – first of its kindfirst of its kind; do; do
produto, do processo e organizacionaisproduto, do processo e organizacionais
Dinâmica de crescimentoDinâmica de crescimento
Concorrência-emulação-Concorrência-emulação-
cooperação; assente numacooperação; assente numa
mobilização social alargada; riscomobilização social alargada; risco
empresarial amparado socialmenteempresarial amparado socialmente
Concorrência-cooperação; induzidaConcorrência-cooperação; induzida
pela activação dos circuitos depela activação dos circuitos de
difusão de informação edifusão de informação e
conhecimento; risco empresarialconhecimento; risco empresarial
amparada institucionalmenteamparada institucionalmente
Fertilização cruzada; fortementeFertilização cruzada; fortemente
induzida pelo universo institucional deinduzida pelo universo institucional de
apoio; ajustamento dinâmico entre asapoio; ajustamento dinâmico entre as
esferas empresarial e institucional; riscoesferas empresarial e institucional; risco
empresarial amparadoempresarial amparado
institucionalmenteinstitucionalmente
Riscos potenciaisRiscos potenciais Lock-inLock-in sócio-tecnológico; barreirassócio-tecnológico; barreiras
à entrada e à informação;à entrada e à informação;
crescimento dos fenómenos decrescimento dos fenómenos de
hierarquização empresarial;hierarquização empresarial;
comportamentos desviantescomportamentos desviantes
Locks-inLocks-in relacional e tecnológico;relacional e tecnológico;
barreiras à saídabarreiras à saída
Locks-inLocks-in relacional e tecnológico;relacional e tecnológico;
barreiras à saída; esclerose institucional;barreiras à saída; esclerose institucional;
estatização das redes de cooperaçãoestatização das redes de cooperação
Fonte: Santos (2002c: 312-313)Fonte: Santos (2002c: 312-313)
EMPREENDORISMO TERRITORIAL EEMPREENDORISMO TERRITORIAL E
NOVA GESTÃO DO TERRITÓRIONOVA GESTÃO DO TERRITÓRIO
Desta forma, para “sobreviverem” e se afirmarem na globalização as regiõesDesta forma, para “sobreviverem” e se afirmarem na globalização as regiões
necessitam de (re)descobrir novas formas de vantagens competitivas, baseadas nãonecessitam de (re)descobrir novas formas de vantagens competitivas, baseadas não
só nos aspectos puramente económicos mas também na interacção entre o social, osó nos aspectos puramente económicos mas também na interacção entre o social, o
histórico, o cultural e o económico. Richard Florida, por exemplo, apresenta a ideiahistórico, o cultural e o económico. Richard Florida, por exemplo, apresenta a ideia
das “Cidades Criativas”, defendendo que um certo “ambiente” socio-cultural, ligadodas “Cidades Criativas”, defendendo que um certo “ambiente” socio-cultural, ligado
ao cosmopolitismo e a boémia, pode atrair pessoas criativas, assim como empresáriosao cosmopolitismo e a boémia, pode atrair pessoas criativas, assim como empresários
e investimentos.e investimentos.
Assim, é de supor que a região do ABCD, como uma das mais antigas e a maisAssim, é de supor que a região do ABCD, como uma das mais antigas e a mais
importante área industrial do Brasil, possa constituir, pelo menos parcialmente, umimportante área industrial do Brasil, possa constituir, pelo menos parcialmente, um
““Mega-Distrito IndustrialMega-Distrito Industrial” ou um “” ou um “Mega-ClusteMega-Cluster”.r”.
Por outro lado, como teremos oportunidade de ver, os Municípios de São Paulo e doPor outro lado, como teremos oportunidade de ver, os Municípios de São Paulo e do
ABCD caracterizam-se por ter uma série de problemas (pobreza, exclusão social,ABCD caracterizam-se por ter uma série de problemas (pobreza, exclusão social,
urbanismo e parque habitacional desadequados), que têm sido agravados pelourbanismo e parque habitacional desadequados), que têm sido agravados pelo
surgimento de “novos” problemas resultantes do processo de reestruturaçãosurgimento de “novos” problemas resultantes do processo de reestruturação
industrial que a região tem vindo a conhecer nos últimos vinte a trinta anos.industrial que a região tem vindo a conhecer nos últimos vinte a trinta anos.
EMPREENDORISMO TERRITORIAL EEMPREENDORISMO TERRITORIAL E
NOVA GESTÃO DO TERRITÓRIONOVA GESTÃO DO TERRITÓRIO
Desde a década de 70, com a dinamização dos “Desde a década de 70, com a dinamização dos “Sistemas Produtivos LocaisSistemas Produtivos Locais”, que a”, que a
componente “local” tem vindo em vindo a ganhar uma crescente importância emcomponente “local” tem vindo em vindo a ganhar uma crescente importância em
termos de desenvolvimento, as cidades são a “riqueza das nações”, cujatermos de desenvolvimento, as cidades são a “riqueza das nações”, cuja
competitividade deve ser potenciada. Pelo que tem havido uma transferência decompetitividade deve ser potenciada. Pelo que tem havido uma transferência de
arena onde os conflitos sociais se desenvolvem – o território das nações – para oarena onde os conflitos sociais se desenvolvem – o território das nações – para o
território das cidades. Assim as cidades seriam não apenas centros da economiaterritório das cidades. Assim as cidades seriam não apenas centros da economia
mundial, mas também os novos protagonistas políticos.mundial, mas também os novos protagonistas políticos.
Deste modo, desde o fim da década de 70, início da década de 80, têm surgidoDeste modo, desde o fim da década de 70, início da década de 80, têm surgido
novos instrumentos metodológicos como é o caso donovos instrumentos metodológicos como é o caso do Planeamento EstratégicoPlaneamento Estratégico, do, do
Marketing TerritorialMarketing Territorial, das, das Agências de DesenvolvimentoAgências de Desenvolvimento, das, das Parcerias Públicos-Parcerias Públicos-
PrivadasPrivadas, entre outros, e que se podem configurar naquilo a que autores, como J., entre outros, e que se podem configurar naquilo a que autores, como J.
Borja e M. Castells, têm vindo a chamar de “Borja e M. Castells, têm vindo a chamar de “Nova Gestão do TerritórioNova Gestão do Território”.”.
De facto, considera-se hoje que as Autarquias Locais têm vantagens comparativasDe facto, considera-se hoje que as Autarquias Locais têm vantagens comparativas
em relação ao Estado Central no que se refere à criação de condições favoráveis àem relação ao Estado Central no que se refere à criação de condições favoráveis à
produtividade e competitividade das empresas.produtividade e competitividade das empresas.
EMPREENDORISMO TERRITORIAL EEMPREENDORISMO TERRITORIAL E
NOVA GESTÃO DO TERRITÓRIONOVA GESTÃO DO TERRITÓRIO
Se considerarmos que as edilidades têm uma maior flexibilidade institucional, quandoSe considerarmos que as edilidades têm uma maior flexibilidade institucional, quando
comparada com o governo central, e uma maior capacidade de representação ecomparada com o governo central, e uma maior capacidade de representação e
legitimidade política, os municípios podem ser mais eficientes na atracção elegitimidade política, os municípios podem ser mais eficientes na atracção e
dinamização de actividades económicas no seu território.dinamização de actividades económicas no seu território.
Deste modo, desde os anos 90 que o poder local, um pouco por todo o mundo, temDeste modo, desde os anos 90 que o poder local, um pouco por todo o mundo, tem
assumido o “protagonismo” ao nível do crescimento económico (infra-estruturas,assumido o “protagonismo” ao nível do crescimento económico (infra-estruturas,
desburocratização, participação crescente do sector privado e racionalidadedesburocratização, participação crescente do sector privado e racionalidade
empresarial na gestão pública, busca de consensos em torno de prioridadesempresarial na gestão pública, busca de consensos em torno de prioridades
“estratégicas”, etc.).“estratégicas”, etc.).
Neste aspecto. surge como extremamente importante o conceito de “Governância”,Neste aspecto. surge como extremamente importante o conceito de “Governância”,
entendida como a gestão dos assuntos públicos, em articulação com associações deentendida como a gestão dos assuntos públicos, em articulação com associações de
cidadãos e as suas organizações, numa perspectiva abrangente de convergência entrecidadãos e as suas organizações, numa perspectiva abrangente de convergência entre
os interesses do Estado e dos seus cidadãos, vistos nesta perspectiva comoos interesses do Estado e dos seus cidadãos, vistos nesta perspectiva como
“accionistas” de uma empresa.“accionistas” de uma empresa.
O TERRITÓRIO EM ESTUDOO TERRITÓRIO EM ESTUDO
O Estado de São Paulo localiza-se na Região Sudeste do País, sendo o mais importanteO Estado de São Paulo localiza-se na Região Sudeste do País, sendo o mais importante
em termos económicos. Apesar de ocupar apenas cerca de 3% do território brasileiroem termos económicos. Apesar de ocupar apenas cerca de 3% do território brasileiro
(248209 Km(248209 Km22
), concentra 21,8% da população total e 35,3% do Produto Interno Bruto), concentra 21,8% da população total e 35,3% do Produto Interno Bruto
(PIB).(PIB).
A Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), criada em 1973 pela lei complementar n.°A Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), criada em 1973 pela lei complementar n.°
14 de 8 de Junho, reúne o Município de São Paulo e 38 outras municipalidades14 de 8 de Junho, reúne o Município de São Paulo e 38 outras municipalidades,,
constituindo um dos maiores aglomerados urbanos do mundo e o maior do Brasil, comconstituindo um dos maiores aglomerados urbanos do mundo e o maior do Brasil, com
15444941 habitantes em uma área de apenas 8051 Km2. Em termos económicos, a Região15444941 habitantes em uma área de apenas 8051 Km2. Em termos económicos, a Região
Metropolitana contribui com mais de 50% do PIB estadual e cerca de 18,5% do PIBMetropolitana contribui com mais de 50% do PIB estadual e cerca de 18,5% do PIB
nacional, sendo o PIBnacional, sendo o PIB per capitaper capita, cerca de 6,4 mil dólares americanos, quase o dobro da, cerca de 6,4 mil dólares americanos, quase o dobro da
média nacional. «média nacional. «São Paulo, a Capital, é considerada metrópole nacional por possuir umSão Paulo, a Capital, é considerada metrópole nacional por possuir um
território de influência que abraça todo o território nacional ocupando o primeiro lugarterritório de influência que abraça todo o território nacional ocupando o primeiro lugar
na hierarquia urbana e, assim, polarizando todo o território nacionalna hierarquia urbana e, assim, polarizando todo o território nacional» (Lencioni, 2004:» (Lencioni, 2004:
153).153).
Na RMSP situa-se o ABCD paulista, uma cintura industrial que teve origem noNa RMSP situa-se o ABCD paulista, uma cintura industrial que teve origem no
desenvolvimento da indústria transformadora, principalmente automóvel no fim dadesenvolvimento da indústria transformadora, principalmente automóvel no fim da
década de 40, início de 50, nomeadamente graças à política de Getúlio Vargas,década de 40, início de 50, nomeadamente graças à política de Getúlio Vargas,
prosseguida por Juscelino Kubitchek e o seu “prosseguida por Juscelino Kubitchek e o seu “Plano de MetasPlano de Metas”, de fomento industrial e”, de fomento industrial e
O TERRITÓRIO EM ESTUDOO TERRITÓRIO EM ESTUDO
Contudo, face à situação económica actual, num contextoContudo, face à situação económica actual, num contexto
de crescente globalização, é provável que nos próximosde crescente globalização, é provável que nos próximos
anos, haja uma reconversão industrial envolvendo aanos, haja uma reconversão industrial envolvendo a
diminuição da dependência face ao sector que, nodiminuição da dependência face ao sector que, no
momento inicial, foi responsável pela formação de umamomento inicial, foi responsável pela formação de uma
base produtiva ligada às actividades de transformação – obase produtiva ligada às actividades de transformação – o
sector automóvel. A Geografia Económica do ABCDsector automóvel. A Geografia Económica do ABCD
poderá constituir, assim, um processo em mutação, cujospoderá constituir, assim, um processo em mutação, cujos
traços definitivos ainda não são completamente claros.traços definitivos ainda não são completamente claros.
As mudanças mais marcantes do mercado de trabalho naAs mudanças mais marcantes do mercado de trabalho na
Região Metropolitana de São Paulo, referem-se à menorRegião Metropolitana de São Paulo, referem-se à menor
proporção do emprego industrial e aos maiores níveis deproporção do emprego industrial e aos maiores níveis de
desemprego. Destaca-se ainda a tendência de aumentodesemprego. Destaca-se ainda a tendência de aumento
do trabalho informal.do trabalho informal.
Uma das características marcantes na economia daUma das características marcantes na economia da
RMSP nas últimas décadas – que ocorre de forma aindaRMSP nas últimas décadas – que ocorre de forma ainda
mais intensa na cidade de São Paulo – é a terciarizaçãomais intensa na cidade de São Paulo – é a terciarização
das actividades produtivas; se por um lado ajuda a manterdas actividades produtivas; se por um lado ajuda a manter
os níveis de emprego, por outro implica uma depreciaçãoos níveis de emprego, por outro implica uma depreciação
do rendimento médio disponível.do rendimento médio disponível.
Desfile do Presidente KubitchekDesfile do Presidente Kubitchek
durante a inauguração da 1.ªdurante a inauguração da 1.ª
fábrica da VW no Braslfábrica da VW no Brasl
O TERRITÓRIO EM ESTUDOO TERRITÓRIO EM ESTUDO
Conforme tivemos oportunidade de referir, São Paulo é uma cidade de contrastesConforme tivemos oportunidade de referir, São Paulo é uma cidade de contrastes
económicos e sociais “gritantes” e com um grau de segregação espacial muito vincado,económicos e sociais “gritantes” e com um grau de segregação espacial muito vincado,
traduzido na metáfora “Metrópole das Desigualdades”.traduzido na metáfora “Metrópole das Desigualdades”.
Neste sentido, se por um lado temos alguns dos mais complexos problemas sociais,Neste sentido, se por um lado temos alguns dos mais complexos problemas sociais,
urbanísticos e habitacionais do mundo, por outro lado, São Paulo possui uma série deurbanísticos e habitacionais do mundo, por outro lado, São Paulo possui uma série de
instituições e recursos humanos, financeiros e materiais capazes de ombrear com asinstituições e recursos humanos, financeiros e materiais capazes de ombrear com as
maiores cidades dos principais Países Desenvolvidos, podendo constituir-se numamaiores cidades dos principais Países Desenvolvidos, podendo constituir-se numa
““Cidade GlobalCidade Global” .” .
Fonte:Fonte:
Frúgoli Jr.Frúgoli Jr.
(2000)(2000)
Aspecto da Paisagem Urbana do Centro de São PauloAspecto da Paisagem Urbana do Centro de São Paulo
INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO
APRESENTADASAPRESENTADAS
As autarquias e outras instituições de poder local e regional podem ter uma acçãoAs autarquias e outras instituições de poder local e regional podem ter uma acção
fundamental no incentivo, promoção e concretização de acções e medidas que visam ofundamental no incentivo, promoção e concretização de acções e medidas que visam o
Desenvolvimento Local, nomeadamente se associadas ao Poder Central e,Desenvolvimento Local, nomeadamente se associadas ao Poder Central e,
principalmente, aos agentes económicos locais.principalmente, aos agentes económicos locais.
Com a promulgação da Constituição de 1988, o Estado brasileiro passou a serCom a promulgação da Constituição de 1988, o Estado brasileiro passou a ser
extremamente descentralizado, promovendo os municípios à categoria de entidadesextremamente descentralizado, promovendo os municípios à categoria de entidades
autónomas da Federação, com autonomia de gerirem as suas próprias políticasautónomas da Federação, com autonomia de gerirem as suas próprias políticas
públicas, algo, até então, inexistente no Brasil.públicas, algo, até então, inexistente no Brasil.
O estabelecimento de boas práticas de Governância torna-se pois fundamental paraO estabelecimento de boas práticas de Governância torna-se pois fundamental para
um correcta interacção entre a sociedade civil organizada, as empresas e o poderum correcta interacção entre a sociedade civil organizada, as empresas e o poder
público, dado que, neste modelo de desenvolvimento económico todos os agentespúblico, dado que, neste modelo de desenvolvimento económico todos os agentes
participam, com suas respectivas experiências, cooperando, com vista a criar um cicloparticipam, com suas respectivas experiências, cooperando, com vista a criar um ciclo
virtuoso de aprendizagem e difusão do conhecimento.virtuoso de aprendizagem e difusão do conhecimento.
Longe de ser uma escolha exaustiva, a selecção dos projectos e iniciativas a apresentarLonge de ser uma escolha exaustiva, a selecção dos projectos e iniciativas a apresentar
incidiu naqueles que poderão dar um contributo inexorável para o Desenvolvimentoincidiu naqueles que poderão dar um contributo inexorável para o Desenvolvimento
Local, nomeadamente em áreas como o Empreendorismo, a Fiscalidade, a Educação,Local, nomeadamente em áreas como o Empreendorismo, a Fiscalidade, a Educação,
a Formação Profissional, o Ambiente ou o Turismo.a Formação Profissional, o Ambiente ou o Turismo.
INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO
APRESENTADASAPRESENTADAS
O conjunto de projectos e iniciativas apresentados, referente aos oito municípios emO conjunto de projectos e iniciativas apresentados, referente aos oito municípios em
estudo, encontra-se classificado em quatros grandes categorias temáticas: Incentivosestudo, encontra-se classificado em quatros grandes categorias temáticas: Incentivos
às Empresas/Empreendedores e à Produção; Formação e Qualificação Profissional;às Empresas/Empreendedores e à Produção; Formação e Qualificação Profissional;
Transportes e Acessibilidades; e Turismo e Ambiente. No caso de Rio Grande daTransportes e Acessibilidades; e Turismo e Ambiente. No caso de Rio Grande da
Serra, devido a natureza multi-temática do projecto “Instituição do Fórum deSerra, devido a natureza multi-temática do projecto “Instituição do Fórum de
Desenvolvimento Sustentável de Rio Grande da Serra”, centrado em três grandesDesenvolvimento Sustentável de Rio Grande da Serra”, centrado em três grandes
eixos, (Desenvolvimento Económico, Desenvolvimento Social e Desenvolvimentoeixos, (Desenvolvimento Económico, Desenvolvimento Social e Desenvolvimento
Urbano e do Ambiente), levou a que o classificássemos numa nova categoria intituladaUrbano e do Ambiente), levou a que o classificássemos numa nova categoria intitulada
Constituição/Participação em Entidades Promotoras do Desenvolvimento.Constituição/Participação em Entidades Promotoras do Desenvolvimento.
Da análise do Quadro-Síntese ressalta imediatamente a preponderância de projectosDa análise do Quadro-Síntese ressalta imediatamente a preponderância de projectos
na área dosna área dos Incentivos às Empresas/EmpreendedoresIncentivos às Empresas/Empreendedores e à Produçãoe à Produção, seguida pela, seguida pela
Formação e Qualificação ProfissionalFormação e Qualificação Profissional e em relativamente menor número peloe em relativamente menor número pelo TurismoTurismo
e/ou Ambientee/ou Ambiente e peloe pelo Transportes e AcessibilidadesTransportes e Acessibilidades..
INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO
APRESENTADASAPRESENTADAS
Quadro-Síntese das iniciativas analisadasQuadro-Síntese das iniciativas analisadas
INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO
APRESENTADASAPRESENTADAS
Considerando a influência dos níveis de alfabetização e de escolaridade nasConsiderando a influência dos níveis de alfabetização e de escolaridade nas
capacidades e no potencial do Capital Humano, em termos laborais, técnicos e, até, decapacidades e no potencial do Capital Humano, em termos laborais, técnicos e, até, de
inovação tecnológica e organizacional, compreendemos a importância destasinovação tecnológica e organizacional, compreendemos a importância destas
iniciativas na “alavancagem” dos processos de Crescimento Económico einiciativas na “alavancagem” dos processos de Crescimento Económico e
Desenvolvimento à escala regional e local do ABCD.Desenvolvimento à escala regional e local do ABCD.
De facto, conforme vimos no Quadro-Síntese, existe uma plêiade de iniciativas noDe facto, conforme vimos no Quadro-Síntese, existe uma plêiade de iniciativas no
âmbito daâmbito da Formação e Qualificação Profissional.Formação e Qualificação Profissional.
Neste sentido, o caso do MOVA (Movimento Regional de Alfabetização de Jovens eNeste sentido, o caso do MOVA (Movimento Regional de Alfabetização de Jovens e
Adultos) surge como uma das mais importantes iniciativas do ConsórcioAdultos) surge como uma das mais importantes iniciativas do Consórcio
Intermunicipal, não só porque se encontra presente em seis dos sete municípios doIntermunicipal, não só porque se encontra presente em seis dos sete municípios do
ABCD (sendo São Caetano do Sul a excepção), mas porque tem um importante papelABCD (sendo São Caetano do Sul a excepção), mas porque tem um importante papel
na alfabetização e escolarização da população, em especial adulta, que não tevena alfabetização e escolarização da população, em especial adulta, que não teve
oportunidades de escolarização. Este projecto destaca-se ainda por agregar esforçosoportunidades de escolarização. Este projecto destaca-se ainda por agregar esforços
de várias entidades, tais como prefeituras municipais, empresários, sindicatos, igrejas,de várias entidades, tais como prefeituras municipais, empresários, sindicatos, igrejas,
movimentos populares e universidades.movimentos populares e universidades.
INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO
APRESENTADASAPRESENTADAS
Além da alfabetização de Adultos, existem ainda iniciativas de formação na área daAlém da alfabetização de Adultos, existem ainda iniciativas de formação na área da
informática e computação, do Ensino Técnico e Profissionalizante, do Ensino Superior einformática e computação, do Ensino Técnico e Profissionalizante, do Ensino Superior e
do Empreendorismo. De facto, a promoção e difusão do Empreendorismo, do auto-do Empreendorismo. De facto, a promoção e difusão do Empreendorismo, do auto-
emprego e da criação de micro-empresas é uma constante presente em várias dasemprego e da criação de micro-empresas é uma constante presente em várias das
iniciativas apresentadas e agrupadas na categoria dos Incentivos àsiniciativas apresentadas e agrupadas na categoria dos Incentivos às
Empresas/Empreendedores e à Produção.Empresas/Empreendedores e à Produção.
Outro aspecto interessante no conjunto das iniciativas descritas no presente capítulo éOutro aspecto interessante no conjunto das iniciativas descritas no presente capítulo é
que elas fomentam as “economias de proximidade” ou, se preferirmos, que procuram oque elas fomentam as “economias de proximidade” ou, se preferirmos, que procuram o
surgimento de “Clusters” ou “Sistemas Produtivos Locais”.surgimento de “Clusters” ou “Sistemas Produtivos Locais”.
O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC apresentou, em 2004, o projecto deO Consórcio Intermunicipal do Grande ABC apresentou, em 2004, o projecto de
desenvolver um Sistema Produtivo Local, com o apoio técnico e financeiro do SEBRAE,desenvolver um Sistema Produtivo Local, com o apoio técnico e financeiro do SEBRAE,
que visa sustentar o crescimento de micro, pequenas e médias empresas nos sectoresque visa sustentar o crescimento de micro, pequenas e médias empresas nos sectores
dos componentes para automóveis, das ferramentas e dos plásticos. Promove ainda ados componentes para automóveis, das ferramentas e dos plásticos. Promove ainda a
integração e a cooperação entre empresários que, sendo antigos concorrentes,integração e a cooperação entre empresários que, sendo antigos concorrentes,
beneficiam agora das vantagens do trabalho em associação. Este projecto prevê aindabeneficiam agora das vantagens do trabalho em associação. Este projecto prevê ainda
parcerias com universidades em acções de I&D. Este último projecto pode revestir-se deparcerias com universidades em acções de I&D. Este último projecto pode revestir-se de
grande importância para a economia local e regional, onde a industria automóvel (egrande importância para a economia local e regional, onde a industria automóvel (e
outros sectores associados, com destaque para os componentes), têm uma grandeoutros sectores associados, com destaque para os componentes), têm uma grande
importância em termos de produto e de emprego.importância em termos de produto e de emprego.
INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO
APRESENTADASAPRESENTADAS
Face às características do território em estudo, que se destaca por ser uma áreaFace às características do território em estudo, que se destaca por ser uma área
fortemente urbanizada e industrializada e que contém importantes “bolsas” defortemente urbanizada e industrializada e que contém importantes “bolsas” de
pobreza e urbanização deficiente no seu interior. É, de certa forma, surpreendente apobreza e urbanização deficiente no seu interior. É, de certa forma, surpreendente a
existência de um número bastante razoável de iniciativas no sector do Turismo.existência de um número bastante razoável de iniciativas no sector do Turismo.
De facto, iniciativas como o Plano Municipal do Turismo, o Projecto de SinalizaçãoDe facto, iniciativas como o Plano Municipal do Turismo, o Projecto de Sinalização
Turística Viária e o programa “Turística Viária e o programa “Fique Mais um DiaFique Mais um Dia”, vêm demonstrar a crescente”, vêm demonstrar a crescente
importância do Turismo na Cidade de São Paulo, nomeadamente ao nível doimportância do Turismo na Cidade de São Paulo, nomeadamente ao nível do
Turismo de Consumo e, principalmente, do Turismo de Negócios (5 milhões deTurismo de Consumo e, principalmente, do Turismo de Negócios (5 milhões de
turistas, ou seja, cerca de 50% do total de turistas que se deslocam anualmente a Sãoturistas, ou seja, cerca de 50% do total de turistas que se deslocam anualmente a São
Paulo).Paulo).
Um aspecto importante das iniciativas apresentadas refere-se à modernizaçãoUm aspecto importante das iniciativas apresentadas refere-se à modernização
administrativa e melhoria dos instrumentos de tomada de decisão por parte dosadministrativa e melhoria dos instrumentos de tomada de decisão por parte dos
serviços municipais, nomeadamente recorrendo à implementação de Sistemas deserviços municipais, nomeadamente recorrendo à implementação de Sistemas de
Informação Geográfica (SIG’s), como é o caso de São Paulo, de Santo André e de SãoInformação Geográfica (SIG’s), como é o caso de São Paulo, de Santo André e de São
Bernardo do Campo.Bernardo do Campo.
NOTAS FINAIS…E PERSPECTIVAS PARA O FUTURONOTAS FINAIS…E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO
Em resumo, pode-se referir que o conjunto de projectos e iniciativas locais deEm resumo, pode-se referir que o conjunto de projectos e iniciativas locais de
desenvolvimento apresentadas é extremamente variado, apesar de muitas destasdesenvolvimento apresentadas é extremamente variado, apesar de muitas destas
iniciativas serem ainda bastantes recentes (ou não sendo tão recentes, não apresenteminiciativas serem ainda bastantes recentes (ou não sendo tão recentes, não apresentem
ainda resultados mensuráveis). Parece existir uma dinâmica nos municípios analisadosainda resultados mensuráveis). Parece existir uma dinâmica nos municípios analisados
em que as diferentes entidades públicas, locais, estaduais ou federais, se “aliam” aoem que as diferentes entidades públicas, locais, estaduais ou federais, se “aliam” ao
sector privado ou a ONG’s e associações sem fim lucrativo (o chamado 3.º sector), comsector privado ou a ONG’s e associações sem fim lucrativo (o chamado 3.º sector), com
o propósito de promover um “o propósito de promover um “Desenvolvimento EndógenoDesenvolvimento Endógeno” local e sustentável, com o” local e sustentável, com o
objectivo último de promover a melhoria de vida das populações.objectivo último de promover a melhoria de vida das populações.
Longe de constituir um fim em si mesma, a presente Dissertação apresenta algunsLonge de constituir um fim em si mesma, a presente Dissertação apresenta alguns
“caminhos” possíveis para o futuro de São Paulo e do ABCD. Deste modo, as linhas de“caminhos” possíveis para o futuro de São Paulo e do ABCD. Deste modo, as linhas de
investigação a seguir deverão verificar a concretização das medidas apresentadas, o seuinvestigação a seguir deverão verificar a concretização das medidas apresentadas, o seu
grau de adequação à realidade e os impactos gerados.grau de adequação à realidade e os impactos gerados.
Neste sentido, vamos procurar empreender um projecto de investigação centrado naNeste sentido, vamos procurar empreender um projecto de investigação centrado na
avaliação e análise comparativa dos processos de Desenvolvimento Local em contextosavaliação e análise comparativa dos processos de Desenvolvimento Local em contextos
metropolitanos diferenciados, neste sentido propomos comparar a RMSP (englobadametropolitanos diferenciados, neste sentido propomos comparar a RMSP (englobada
num estado federal), com a Área Metropolitana de Lisboa (englobada num estadonum estado federal), com a Área Metropolitana de Lisboa (englobada num estado
unitário centralizado) e a Área Metropolitana de Barcelona (englobada num estadounitário centralizado) e a Área Metropolitana de Barcelona (englobada num estado
unitário descentralizado).unitário descentralizado).

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Mestgt

Tcc joacir 9 versão final
Tcc   joacir 9 versão finalTcc   joacir 9 versão final
Tcc joacir 9 versão final
joacirfelicianopimenta
 
12.2.9. #1 cassio rolim
12.2.9. #1 cassio rolim12.2.9. #1 cassio rolim
Diagnostico da populacao_imigrante_nos_c
Diagnostico da populacao_imigrante_nos_cDiagnostico da populacao_imigrante_nos_c
Diagnostico da populacao_imigrante_nos_c
Joao Daniel Gomes Luis
 
Histórias de um Brasil que funciona
 Histórias de um Brasil que funciona Histórias de um Brasil que funciona
Histórias de um Brasil que funciona
Bárbara Delpretto
 
Cresci Red Pobreza
Cresci Red PobrezaCresci Red Pobreza
Cresci Red Pobreza
Davi Carvalho
 
Agenda Para Desenvolvimento
Agenda Para DesenvolvimentoAgenda Para Desenvolvimento
Agenda Para Desenvolvimento
Davi Carvalho
 
A expansão urbana na região metropolitana de Florianópolis e a dinâmica da in...
A expansão urbana na região metropolitana de Florianópolis e a dinâmica da in...A expansão urbana na região metropolitana de Florianópolis e a dinâmica da in...
A expansão urbana na região metropolitana de Florianópolis e a dinâmica da in...
Gabrieldibernardi
 
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
Luciano Silveira
 
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
iicabrasil
 
POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO: AS AÇÕES DO ESTADO PRÓ-IND...
POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO: AS AÇÕES DO ESTADO PRÓ-IND...POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO: AS AÇÕES DO ESTADO PRÓ-IND...
POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO: AS AÇÕES DO ESTADO PRÓ-IND...
ajr_tyler
 
Valorização do solo completo final setembro 2014
Valorização do solo completo  final setembro 2014Valorização do solo completo  final setembro 2014
Valorização do solo completo final setembro 2014
Rogério Silveira
 
Novos Caminhos para a Gestão Municipal: Inovação e o Fator Humano na Gestão P...
Novos Caminhos para a Gestão Municipal: Inovação e o Fator Humano na Gestão P...Novos Caminhos para a Gestão Municipal: Inovação e o Fator Humano na Gestão P...
Novos Caminhos para a Gestão Municipal: Inovação e o Fator Humano na Gestão P...
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Caderno atividades geografia_7_anola
Caderno atividades geografia_7_anolaCaderno atividades geografia_7_anola
Caderno atividades geografia_7_anola
Aluisiane Kraisch
 
171002 inovacao no_setor_publico (2)
171002 inovacao no_setor_publico (2)171002 inovacao no_setor_publico (2)
171002 inovacao no_setor_publico (2)
RenataFaria43
 
UEPB - Universidade Estadual da Paraíba ritacvieira.bol (1).pptx
UEPB - Universidade Estadual da Paraíba ritacvieira.bol (1).pptxUEPB - Universidade Estadual da Paraíba ritacvieira.bol (1).pptx
UEPB - Universidade Estadual da Paraíba ritacvieira.bol (1).pptx
HermesBatista1
 
AFRICA HABITAT
AFRICA HABITATAFRICA HABITAT
SECOM UVA 2013 - Relatório
SECOM UVA 2013 - RelatórioSECOM UVA 2013 - Relatório
SECOM UVA 2013 - Relatório
sabota
 
SECOM UVA 2013 - Relatório
SECOM UVA 2013 - RelatórioSECOM UVA 2013 - Relatório
SECOM UVA 2013 - Relatório
Thiago Nabuco
 
Guia Prático para o Mapeamento das Indústrias Criativas - British Council
Guia Prático para o Mapeamento das Indústrias Criativas - British CouncilGuia Prático para o Mapeamento das Indústrias Criativas - British Council
Guia Prático para o Mapeamento das Indústrias Criativas - British Council
cultcultura
 
O argumento da hélice tríplice 2a parte
O argumento da hélice tríplice 2a parteO argumento da hélice tríplice 2a parte
O argumento da hélice tríplice 2a parte
Universidade Salgado de Oliveira
 

Semelhante a Mestgt (20)

Tcc joacir 9 versão final
Tcc   joacir 9 versão finalTcc   joacir 9 versão final
Tcc joacir 9 versão final
 
12.2.9. #1 cassio rolim
12.2.9. #1 cassio rolim12.2.9. #1 cassio rolim
12.2.9. #1 cassio rolim
 
Diagnostico da populacao_imigrante_nos_c
Diagnostico da populacao_imigrante_nos_cDiagnostico da populacao_imigrante_nos_c
Diagnostico da populacao_imigrante_nos_c
 
Histórias de um Brasil que funciona
 Histórias de um Brasil que funciona Histórias de um Brasil que funciona
Histórias de um Brasil que funciona
 
Cresci Red Pobreza
Cresci Red PobrezaCresci Red Pobreza
Cresci Red Pobreza
 
Agenda Para Desenvolvimento
Agenda Para DesenvolvimentoAgenda Para Desenvolvimento
Agenda Para Desenvolvimento
 
A expansão urbana na região metropolitana de Florianópolis e a dinâmica da in...
A expansão urbana na região metropolitana de Florianópolis e a dinâmica da in...A expansão urbana na região metropolitana de Florianópolis e a dinâmica da in...
A expansão urbana na região metropolitana de Florianópolis e a dinâmica da in...
 
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
2 apresentacao regina governo estado democracia participativa
 
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
 
POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO: AS AÇÕES DO ESTADO PRÓ-IND...
POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO: AS AÇÕES DO ESTADO PRÓ-IND...POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO: AS AÇÕES DO ESTADO PRÓ-IND...
POLÍTICAS PÚBLICAS E PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO: AS AÇÕES DO ESTADO PRÓ-IND...
 
Valorização do solo completo final setembro 2014
Valorização do solo completo  final setembro 2014Valorização do solo completo  final setembro 2014
Valorização do solo completo final setembro 2014
 
Novos Caminhos para a Gestão Municipal: Inovação e o Fator Humano na Gestão P...
Novos Caminhos para a Gestão Municipal: Inovação e o Fator Humano na Gestão P...Novos Caminhos para a Gestão Municipal: Inovação e o Fator Humano na Gestão P...
Novos Caminhos para a Gestão Municipal: Inovação e o Fator Humano na Gestão P...
 
Caderno atividades geografia_7_anola
Caderno atividades geografia_7_anolaCaderno atividades geografia_7_anola
Caderno atividades geografia_7_anola
 
171002 inovacao no_setor_publico (2)
171002 inovacao no_setor_publico (2)171002 inovacao no_setor_publico (2)
171002 inovacao no_setor_publico (2)
 
UEPB - Universidade Estadual da Paraíba ritacvieira.bol (1).pptx
UEPB - Universidade Estadual da Paraíba ritacvieira.bol (1).pptxUEPB - Universidade Estadual da Paraíba ritacvieira.bol (1).pptx
UEPB - Universidade Estadual da Paraíba ritacvieira.bol (1).pptx
 
AFRICA HABITAT
AFRICA HABITATAFRICA HABITAT
AFRICA HABITAT
 
SECOM UVA 2013 - Relatório
SECOM UVA 2013 - RelatórioSECOM UVA 2013 - Relatório
SECOM UVA 2013 - Relatório
 
SECOM UVA 2013 - Relatório
SECOM UVA 2013 - RelatórioSECOM UVA 2013 - Relatório
SECOM UVA 2013 - Relatório
 
Guia Prático para o Mapeamento das Indústrias Criativas - British Council
Guia Prático para o Mapeamento das Indústrias Criativas - British CouncilGuia Prático para o Mapeamento das Indústrias Criativas - British Council
Guia Prático para o Mapeamento das Indústrias Criativas - British Council
 
O argumento da hélice tríplice 2a parte
O argumento da hélice tríplice 2a parteO argumento da hélice tríplice 2a parte
O argumento da hélice tríplice 2a parte
 

Mais de Bruno Pereira Marques

M mpes-territ stratplan-bmpmarques
M mpes-territ stratplan-bmpmarquesM mpes-territ stratplan-bmpmarques
M mpes-territ stratplan-bmpmarques
Bruno Pereira Marques
 
Reab habit pt
Reab habit ptReab habit pt
Reab habit pt
Bruno Pereira Marques
 
Final iniciativas locais_desenvolvimento
Final iniciativas locais_desenvolvimentoFinal iniciativas locais_desenvolvimento
Final iniciativas locais_desenvolvimento
Bruno Pereira Marques
 
Cm palmela congresso_iscsp
Cm palmela congresso_iscspCm palmela congresso_iscsp
Cm palmela congresso_iscsp
Bruno Pereira Marques
 
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleoEncontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
Bruno Pereira Marques
 
Amelat bm pereira_marques
Amelat bm pereira_marquesAmelat bm pereira_marques
Amelat bm pereira_marques
Bruno Pereira Marques
 

Mais de Bruno Pereira Marques (6)

M mpes-territ stratplan-bmpmarques
M mpes-territ stratplan-bmpmarquesM mpes-territ stratplan-bmpmarques
M mpes-territ stratplan-bmpmarques
 
Reab habit pt
Reab habit ptReab habit pt
Reab habit pt
 
Final iniciativas locais_desenvolvimento
Final iniciativas locais_desenvolvimentoFinal iniciativas locais_desenvolvimento
Final iniciativas locais_desenvolvimento
 
Cm palmela congresso_iscsp
Cm palmela congresso_iscspCm palmela congresso_iscsp
Cm palmela congresso_iscsp
 
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleoEncontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
Encontros interdisciplinares da fcsh geopolitica do petroleo
 
Amelat bm pereira_marques
Amelat bm pereira_marquesAmelat bm pereira_marques
Amelat bm pereira_marques
 

Último

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 

Último (20)

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 

Mestgt

  • 1. INICIATIVAS LOCAIS DEINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTODESENVOLVIMENTO - O Caso dos Municípios de São Paulo e do ABCD –- O Caso dos Municípios de São Paulo e do ABCD – UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOAUNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Sociais e HumanasFaculdade de Ciências Sociais e Humanas Dissertação deDissertação de Mestrado em Gestão do Território, esp. em Território e DesenvolvimentoMestrado em Gestão do Território, esp. em Território e Desenvolvimento apresentada pelo Lic.º Bruno M. Pereira Marquesapresentada pelo Lic.º Bruno M. Pereira Marques Júri:Júri: DoutoraDoutora Regina SalvadorRegina Salvador Professora Catedrática da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNLProfessora Catedrática da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL DoutorDoutor Mário ValeMário Vale Professor Associado da Faculdade de Letras da ULProfessor Associado da Faculdade de Letras da UL DoutoraDoutora M.ª de Nazaré Oliveira RocaM.ª de Nazaré Oliveira Roca Professora Auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNLProfessora Auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL DoutorDoutor José Afonso TeixeiraJosé Afonso Teixeira Professor Auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNLProfessor Auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL Lisboa, 23 de Maio de 2008Lisboa, 23 de Maio de 2008
  • 2. O TERRITORIO EM ESTUDOO TERRITORIO EM ESTUDO Este trabalho pretende, modestamente, lançar algumas luzes acerca das iniciativas locaisEste trabalho pretende, modestamente, lançar algumas luzes acerca das iniciativas locais de desenvolvimento que estão ser lançadas nos oitos municípios em análise (São Paulo ede desenvolvimento que estão ser lançadas nos oitos municípios em análise (São Paulo e os municípios doos municípios do ABCDABCD: Santo: Santo AAndré, Sãondré, São BBernardo do Campo, Sãoernardo do Campo, São CCaetano do Sul,aetano do Sul, DDiadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra), nomeadamente a sua relação comiadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra), nomeadamente a sua relação com todo um conjunto de teorias que colocam o ênfase no desenvolvimento do potencial local,todo um conjunto de teorias que colocam o ênfase no desenvolvimento do potencial local, através de meios próprios (endógenos) e da cooperação e concertação entre os váriosatravés de meios próprios (endógenos) e da cooperação e concertação entre os vários actores que interagem num determinado território.actores que interagem num determinado território. Enquadramento Territorial dos Municípios de São Paulo e do ABCDEnquadramento Territorial dos Municípios de São Paulo e do ABCD
  • 3. O TEMA EM ANÁLISEO TEMA EM ANÁLISE Numa fase inicial, pensámos que a Dissertação podia centrar-se na análise dosNuma fase inicial, pensámos que a Dissertação podia centrar-se na análise dos Processos de Reestruturação Produtiva ocorridos na área em estudo,Processos de Reestruturação Produtiva ocorridos na área em estudo, nomeadamente no que concerne à Indústria Automóvel. Contudo, após umanomeadamente no que concerne à Indústria Automóvel. Contudo, após uma deslocação a São Paulo, concluímos que seria difícil fazer um trabalho de campodeslocação a São Paulo, concluímos que seria difícil fazer um trabalho de campo eficiente, nomeadamente se nos centrássemos nos oito municípios. Por outro lado,eficiente, nomeadamente se nos centrássemos nos oito municípios. Por outro lado, o lançamento de um inquérito junto das empresas automóveis e de componentes,o lançamento de um inquérito junto das empresas automóveis e de componentes, revelou uma taxa de respostas insignificante do ponto de vista darevelou uma taxa de respostas insignificante do ponto de vista da representatividade estatística do universo em estudo. Deste modo, optámos porrepresentatividade estatística do universo em estudo. Deste modo, optámos por mudar o enfoque da nossa pesquisa, centrando-a no tema agora apresentado.mudar o enfoque da nossa pesquisa, centrando-a no tema agora apresentado. A pesquisa e posterior selecção deste conjunto de projectos, acções e iniciativas foiA pesquisa e posterior selecção deste conjunto de projectos, acções e iniciativas foi feita exclusivamente através dafeita exclusivamente através da InternetInternet, com destaque para os, com destaque para os sitessites dos órgãosdos órgãos político-administrativos dos oito municípios em análise e de organismos supra-político-administrativos dos oito municípios em análise e de organismos supra- municipais (Agência e Consórcio Intermunicipal do Grande ABC).municipais (Agência e Consórcio Intermunicipal do Grande ABC). Em termos de estrutura esta obra está organizada em três capítulos principais:Em termos de estrutura esta obra está organizada em três capítulos principais:
  • 4. A ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃOA ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO II.II. Os Novos Paradigmas da Geografia Económica e do Desenvolvimento Regional eOs Novos Paradigmas da Geografia Económica e do Desenvolvimento Regional e LocalLocal – neste capítulo procuraremos expor as principais teorias, os seus objectivos e as– neste capítulo procuraremos expor as principais teorias, os seus objectivos e as estratégias de actuação subjacentes. A evolução dos principais paradigmas deestratégias de actuação subjacentes. A evolução dos principais paradigmas de Desenvolvimento (Funcionalista, Territorialista, Inter-Territorialista) e a emergência deDesenvolvimento (Funcionalista, Territorialista, Inter-Territorialista) e a emergência de novas práticas relacionadas com onovas práticas relacionadas com o Empreendorismo Territorial e a Nova Gestão doEmpreendorismo Territorial e a Nova Gestão do TerritórioTerritório;; III.III. Enquadramento Sócio-Económico-Territorial dos Municípios de São Paulo e doEnquadramento Sócio-Económico-Territorial dos Municípios de São Paulo e do ABCDABCD – apresentação do processo de industrialização no Brasil e da afirmação de São– apresentação do processo de industrialização no Brasil e da afirmação de São Paulo e do ABCD nesse contexto, o processo de metropolização de São Paulo e a suaPaulo e do ABCD nesse contexto, o processo de metropolização de São Paulo e a sua evolução no sentido de constituir uma “evolução no sentido de constituir uma “Cidade GlobalCidade Global”, caracterização dos municípios”, caracterização dos municípios em análise e identificação dos principais problemas, desafios e potencialidadesem análise e identificação dos principais problemas, desafios e potencialidades existentes;existentes; IV.IV. Iniciativas Locais de Desenvolvimento nos Municípios de São Paulo e do ABCDIniciativas Locais de Desenvolvimento nos Municípios de São Paulo e do ABCD –– componente prática da dissertação que, partindo dos problemas e potencialidadescomponente prática da dissertação que, partindo dos problemas e potencialidades detectados no capítulo II e das teorias e politicas de Desenvolvimento comentadas nodetectados no capítulo II e das teorias e politicas de Desenvolvimento comentadas no capítulo I, apresenta um conjunto de medidas, iniciativas e projectos delineados na áreacapítulo I, apresenta um conjunto de medidas, iniciativas e projectos delineados na área em estudo e relevantes para o Desenvolvimento Local.em estudo e relevantes para o Desenvolvimento Local.
  • 5. EVOLUÇÃO DAEVOLUÇÃO DA GEOGRAFIA ECONÓMICA DO BRASILGEOGRAFIA ECONÓMICA DO BRASIL O centro-motor da economiaO centro-motor da economia brasileira conheceu várias mudançasbrasileira conheceu várias mudanças ao longo dos últimos 500 anos. Deao longo dos últimos 500 anos. De facto, foi apenas no século XIX que,facto, foi apenas no século XIX que, graças ao café, São Paulo começou agraças ao café, São Paulo começou a ter a importância que actualmenteter a importância que actualmente tem a nível económico etem a nível económico e demográfico no Brasil. Não obstantedemográfico no Brasil. Não obstante teríamos que esperar até aos anos 30teríamos que esperar até aos anos 30 e, principalmente, 50, para que Sãoe, principalmente, 50, para que São Paulo (e a sua RegiãoPaulo (e a sua Região Metropolitana) surgisse como oMetropolitana) surgisse como o principal pólo industrial do Brasil.principal pólo industrial do Brasil. Foi precisamente na década de 50Foi precisamente na década de 50 que o “que o “Plano de MetasPlano de Metas” apresentado” apresentado pelo Presidente Juscelinopelo Presidente Juscelino Kubitschek, permitiu o crescimentoKubitschek, permitiu o crescimento considerável da indústria,considerável da indústria, nomeadamente automóvel.nomeadamente automóvel. Evolução histórico-geográfica dos ciclosEvolução histórico-geográfica dos ciclos económicos no Brasil (1500-1930)económicos no Brasil (1500-1930) Adaptado de: Addas (2002: 52)Adaptado de: Addas (2002: 52)
  • 6. O TERRITÓRIO EM ESTUDOO TERRITÓRIO EM ESTUDO Apesar de São Paulo ser uma das maiores cidades do mundo e a maior da América doApesar de São Paulo ser uma das maiores cidades do mundo e a maior da América do Sul, constituindo mesmo uma “Sul, constituindo mesmo uma “Cidade GlobalCidade Global” é também a “” é também a “Metrópole dasMetrópole das DesigualdadesDesigualdades”, com um processo de urbanização caótico, um parque habitacional”, com um processo de urbanização caótico, um parque habitacional inadequado e com elevados índices de pobreza e exclusão social.inadequado e com elevados índices de pobreza e exclusão social. Face às crises do petróleo, registadas nos anos 70, os processos de reestruturaçãoFace às crises do petróleo, registadas nos anos 70, os processos de reestruturação produtiva ocorridos no ABCD têm levado à deslocalizaçao de algumas indústrias. Nãoprodutiva ocorridos no ABCD têm levado à deslocalizaçao de algumas indústrias. Não obstante é nossa convicção que, se o processo de reconversão industrial permitir umaobstante é nossa convicção que, se o processo de reconversão industrial permitir uma exploração mais eficaz das “exploração mais eficaz das “economias de aglomeraçãoeconomias de aglomeração”, existe um forte potencial para a”, existe um forte potencial para a implementação de novas estratégias territoriais de Desenvolvimento, alicerçadas emimplementação de novas estratégias territoriais de Desenvolvimento, alicerçadas em factores locais e endógenos.factores locais e endógenos. O “O “Estado da ArteEstado da Arte” das Teorias e Políticas de Desenvolvimento Regional e Local” das Teorias e Políticas de Desenvolvimento Regional e Local privilegia as acções em que as autarquias interagem e constituem parcerias com outrosprivilegia as acções em que as autarquias interagem e constituem parcerias com outros actores intervenientes no território, quer estes sejam o Governo, empresas privadas,actores intervenientes no território, quer estes sejam o Governo, empresas privadas, bancos, associações empresariais, cooperativas, organizações não-governamentais oubancos, associações empresariais, cooperativas, organizações não-governamentais ou movimentos de cidadania.movimentos de cidadania. Considerando estes factores, o presente trabalho procura apresentar uma selecção deConsiderando estes factores, o presente trabalho procura apresentar uma selecção de iniciativas locais de desenvolvimento, consideradas extremamente relevantes para ainiciativas locais de desenvolvimento, consideradas extremamente relevantes para a possível solução dos problemas detectados na área em análise.possível solução dos problemas detectados na área em análise.
  • 7. NOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITONOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITO INDUSTRIALINDUSTRIAL MARSHALLIANOMARSHALLIANO Independentemente das diferentes reflexões teóricas sobre o papel da concentraçãoIndependentemente das diferentes reflexões teóricas sobre o papel da concentração geográfica – “geográfica – “Sistemas Produtivos LocaisSistemas Produtivos Locais” para Becattini e Garofoli, “” para Becattini e Garofoli, “ClustersClusters” para” para Porter, “Porter, “Milieux InnovateurMilieux Innovateur” para Castells e GREMI, “” para Castells e GREMI, “Learning RegionsLearning Regions”, etc. – é de”, etc. – é de notar que os diferentes autores recuperam sempre alguns aspectos da investigação denotar que os diferentes autores recuperam sempre alguns aspectos da investigação de Alfred Marshall sobre as questões da localização, «Alfred Marshall sobre as questões da localização, «according to an old saying ofaccording to an old saying of regional economist, there are only three important variables in regional growth:regional economist, there are only three important variables in regional growth: location, location and location!location, location and location!»» (Blakely e Bradshaw, 2002: 62)(Blakely e Bradshaw, 2002: 62) O importante é que as vantagens competitivas regionais e a especificidade dosO importante é que as vantagens competitivas regionais e a especificidade dos territórios deverão continuar a ser determinantes no futuro. A dúvida consiste em saberterritórios deverão continuar a ser determinantes no futuro. A dúvida consiste em saber até que ponto a inovação, a especialização flexível e o funcionamento em rede, poderãoaté que ponto a inovação, a especialização flexível e o funcionamento em rede, poderão manter o funcionamento dos “novos” (e “velhos”) “Distritos Industriais”,manter o funcionamento dos “novos” (e “velhos”) “Distritos Industriais”, independentemente das novas designações ou “roupagens” teóricas que venhamindependentemente das novas designações ou “roupagens” teóricas que venham recuperar as ideias de Marshall. A dúvida consiste em saber até que ponto os “recuperar as ideias de Marshall. A dúvida consiste em saber até que ponto os “DistritosDistritos IndustriaisIndustriais” constituem mesmo a estrutura territorial melhor adaptada aos desafios da” constituem mesmo a estrutura territorial melhor adaptada aos desafios da globalização.globalização.
  • 8. NOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITONOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITO INDUSTRIALINDUSTRIAL MARSHALLIANOMARSHALLIANO DISTRITO INDUSTRIALDISTRITO INDUSTRIAL MEIO INOVADOR / REGIÃOMEIO INOVADOR / REGIÃO INTELIGENTEINTELIGENTE SISTEMA REGIONAL DESISTEMA REGIONAL DE INOVAÇÃOINOVAÇÃO SurgimentoSurgimento Espontâneo; como sistemaEspontâneo; como sistema produtivo localprodutivo local Espontâneo/induzido; comoEspontâneo/induzido; como entidade cognitivaentidade cognitiva Induzido; como entidade organizacionalInduzido; como entidade organizacional Clima predominanteClima predominante Atmosfera industrialAtmosfera industrial Cultura empresarialCultura empresarial Cultura empresarial e científicaCultura empresarial e científica Sistema produtivoSistema produtivo Industrial; especialização produtivaIndustrial; especialização produtiva numa óptica de divisãonuma óptica de divisão sectorial do trabalho; PME;sectorial do trabalho; PME; verticalmente desintegrado;verticalmente desintegrado; autocentradoautocentrado Industrial e terciário; diversif.Industrial e terciário; diversif. produtiva numa óptica de div.produtiva numa óptica de div. intra-sectorial do trabalho;intra-sectorial do trabalho; grandes e PME; integraçãograndes e PME; integração quase-vertical; abertoquase-vertical; aberto Industrial e terciário; diversificaçãoIndustrial e terciário; diversificação produtiva numa óptica de divisãoprodutiva numa óptica de divisão intra-sectorial do trabalho;intra-sectorial do trabalho; grandes e PME; integração quase-grandes e PME; integração quase- vertical; abertovertical; aberto Relações não mercantis entreRelações não mercantis entre as empresasas empresas Intensidade das relações extra-Intensidade das relações extra- produção; redes inter-produção; redes inter- pessoais informais depessoais informais de circulação de informação;circulação de informação; forte mobilidade horizontal eforte mobilidade horizontal e vertical da mão-de-obravertical da mão-de-obra Intensidade das relações extra-Intensidade das relações extra- produção; importância eprodução; importância e diversidade das relações não-diversidade das relações não- mercantis formalizadas (redesmercantis formalizadas (redes de cooperação, parceriasde cooperação, parcerias estratégicas, etc.)estratégicas, etc.) Intensidade das relações extra-Intensidade das relações extra- produção; importância eprodução; importância e diversidade das relações não-diversidade das relações não- mercantis formalizadas (redes demercantis formalizadas (redes de cooperação, parceriascooperação, parcerias estratégicas, etc.)estratégicas, etc.) Relações das empresas com aRelações das empresas com a envolvente institucionalenvolvente institucional de apoio especializadode apoio especializado Baixa intensidade de contactos;Baixa intensidade de contactos; casuísticascasuísticas Elevada intensidade de contactos;Elevada intensidade de contactos; estratégicasestratégicas Elevada intensidade de contactos;Elevada intensidade de contactos; estratégicasestratégicas Relações com o exteriorRelações com o exterior Abertura ao exterior viaAbertura ao exterior via fornecedores e clientesfornecedores e clientes Forte abertura ao exterior; inserçãoForte abertura ao exterior; inserção nos circuitos inter. de transf.nos circuitos inter. de transf. de inform. e conhecimentode inform. e conhecimento Forte abertura ao exterior; inserção nosForte abertura ao exterior; inserção nos circuitos internacionais de transf.circuitos internacionais de transf. de informação e conhecimentode informação e conhecimento Estruturas reticularesEstruturas reticulares Compactas; redes sem centroCompactas; redes sem centro estratégicoestratégico Compactas, com empresa-líder ouCompactas, com empresa-líder ou com empresa-com empresa-pivotpivot Como empresa-Como empresa-pivotpivot ou instituição-ou instituição-pivotpivot (universidade, centro tecnológico,(universidade, centro tecnológico, etc.)etc.) Síntese comparativa entre os modelos de “Distrito Industrial”, “Meio Inovador” ouSíntese comparativa entre os modelos de “Distrito Industrial”, “Meio Inovador” ou “Região Inteligente” e “Sistema Regional de Inovação”“Região Inteligente” e “Sistema Regional de Inovação”
  • 9. NOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITONOVAS “INTERPRETAÇÕES” DO DISTRITO INDUSTRIALINDUSTRIAL MARSHALLIANOMARSHALLIANO LógicaLógica Comunitária; de sobrevivência;Comunitária; de sobrevivência; evitar que as respectivas economiasevitar que as respectivas economias se restrinjam a meros locais dese restrinjam a meros locais de inscrição de movimentos exógenosinscrição de movimentos exógenos de integração organizadosde integração organizados completamento do exteriorcompletamento do exterior De parceria; criação de mecanismosDe parceria; criação de mecanismos colectivos de aprendizagem comocolectivos de aprendizagem como motor da renovação competitiva damotor da renovação competitiva da base produtiva; fomento dobase produtiva; fomento do potencial de inovaçãopotencial de inovação De parceria; arquitectura institucionalDe parceria; arquitectura institucional como alavanca da competitividadecomo alavanca da competitividade empresarial e territorial; fomento doempresarial e territorial; fomento do potencial de inovação; afirmação depotencial de inovação; afirmação de uma estratégia regional de inovaçãouma estratégia regional de inovação Formas dominantes deFormas dominantes de conhecimentoconhecimento Tácito; contextualTácito; contextual Codificado; globalCodificado; global Codificado; globalCodificado; global Formas dominantes deFormas dominantes de aprendizagemaprendizagem By doing, by using, by interactingBy doing, by using, by interacting By doing, by interacting, by networkingBy doing, by interacting, by networking By searching, by networkingBy searching, by networking Modalidades dominantes deModalidades dominantes de inovaçãoinovação Incremental; adaptativa; do produtoIncremental; adaptativa; do produto e do processoe do processo Incremental e radical –Incremental e radical – first of itsfirst of its kindkind; do produto, do processo e; do produto, do processo e organizacionaisorganizacionais Incremental e radical –Incremental e radical – first of its kindfirst of its kind; do; do produto, do processo e organizacionaisproduto, do processo e organizacionais Dinâmica de crescimentoDinâmica de crescimento Concorrência-emulação-Concorrência-emulação- cooperação; assente numacooperação; assente numa mobilização social alargada; riscomobilização social alargada; risco empresarial amparado socialmenteempresarial amparado socialmente Concorrência-cooperação; induzidaConcorrência-cooperação; induzida pela activação dos circuitos depela activação dos circuitos de difusão de informação edifusão de informação e conhecimento; risco empresarialconhecimento; risco empresarial amparada institucionalmenteamparada institucionalmente Fertilização cruzada; fortementeFertilização cruzada; fortemente induzida pelo universo institucional deinduzida pelo universo institucional de apoio; ajustamento dinâmico entre asapoio; ajustamento dinâmico entre as esferas empresarial e institucional; riscoesferas empresarial e institucional; risco empresarial amparadoempresarial amparado institucionalmenteinstitucionalmente Riscos potenciaisRiscos potenciais Lock-inLock-in sócio-tecnológico; barreirassócio-tecnológico; barreiras à entrada e à informação;à entrada e à informação; crescimento dos fenómenos decrescimento dos fenómenos de hierarquização empresarial;hierarquização empresarial; comportamentos desviantescomportamentos desviantes Locks-inLocks-in relacional e tecnológico;relacional e tecnológico; barreiras à saídabarreiras à saída Locks-inLocks-in relacional e tecnológico;relacional e tecnológico; barreiras à saída; esclerose institucional;barreiras à saída; esclerose institucional; estatização das redes de cooperaçãoestatização das redes de cooperação Fonte: Santos (2002c: 312-313)Fonte: Santos (2002c: 312-313)
  • 10. EMPREENDORISMO TERRITORIAL EEMPREENDORISMO TERRITORIAL E NOVA GESTÃO DO TERRITÓRIONOVA GESTÃO DO TERRITÓRIO Desta forma, para “sobreviverem” e se afirmarem na globalização as regiõesDesta forma, para “sobreviverem” e se afirmarem na globalização as regiões necessitam de (re)descobrir novas formas de vantagens competitivas, baseadas nãonecessitam de (re)descobrir novas formas de vantagens competitivas, baseadas não só nos aspectos puramente económicos mas também na interacção entre o social, osó nos aspectos puramente económicos mas também na interacção entre o social, o histórico, o cultural e o económico. Richard Florida, por exemplo, apresenta a ideiahistórico, o cultural e o económico. Richard Florida, por exemplo, apresenta a ideia das “Cidades Criativas”, defendendo que um certo “ambiente” socio-cultural, ligadodas “Cidades Criativas”, defendendo que um certo “ambiente” socio-cultural, ligado ao cosmopolitismo e a boémia, pode atrair pessoas criativas, assim como empresáriosao cosmopolitismo e a boémia, pode atrair pessoas criativas, assim como empresários e investimentos.e investimentos. Assim, é de supor que a região do ABCD, como uma das mais antigas e a maisAssim, é de supor que a região do ABCD, como uma das mais antigas e a mais importante área industrial do Brasil, possa constituir, pelo menos parcialmente, umimportante área industrial do Brasil, possa constituir, pelo menos parcialmente, um ““Mega-Distrito IndustrialMega-Distrito Industrial” ou um “” ou um “Mega-ClusteMega-Cluster”.r”. Por outro lado, como teremos oportunidade de ver, os Municípios de São Paulo e doPor outro lado, como teremos oportunidade de ver, os Municípios de São Paulo e do ABCD caracterizam-se por ter uma série de problemas (pobreza, exclusão social,ABCD caracterizam-se por ter uma série de problemas (pobreza, exclusão social, urbanismo e parque habitacional desadequados), que têm sido agravados pelourbanismo e parque habitacional desadequados), que têm sido agravados pelo surgimento de “novos” problemas resultantes do processo de reestruturaçãosurgimento de “novos” problemas resultantes do processo de reestruturação industrial que a região tem vindo a conhecer nos últimos vinte a trinta anos.industrial que a região tem vindo a conhecer nos últimos vinte a trinta anos.
  • 11. EMPREENDORISMO TERRITORIAL EEMPREENDORISMO TERRITORIAL E NOVA GESTÃO DO TERRITÓRIONOVA GESTÃO DO TERRITÓRIO Desde a década de 70, com a dinamização dos “Desde a década de 70, com a dinamização dos “Sistemas Produtivos LocaisSistemas Produtivos Locais”, que a”, que a componente “local” tem vindo em vindo a ganhar uma crescente importância emcomponente “local” tem vindo em vindo a ganhar uma crescente importância em termos de desenvolvimento, as cidades são a “riqueza das nações”, cujatermos de desenvolvimento, as cidades são a “riqueza das nações”, cuja competitividade deve ser potenciada. Pelo que tem havido uma transferência decompetitividade deve ser potenciada. Pelo que tem havido uma transferência de arena onde os conflitos sociais se desenvolvem – o território das nações – para oarena onde os conflitos sociais se desenvolvem – o território das nações – para o território das cidades. Assim as cidades seriam não apenas centros da economiaterritório das cidades. Assim as cidades seriam não apenas centros da economia mundial, mas também os novos protagonistas políticos.mundial, mas também os novos protagonistas políticos. Deste modo, desde o fim da década de 70, início da década de 80, têm surgidoDeste modo, desde o fim da década de 70, início da década de 80, têm surgido novos instrumentos metodológicos como é o caso donovos instrumentos metodológicos como é o caso do Planeamento EstratégicoPlaneamento Estratégico, do, do Marketing TerritorialMarketing Territorial, das, das Agências de DesenvolvimentoAgências de Desenvolvimento, das, das Parcerias Públicos-Parcerias Públicos- PrivadasPrivadas, entre outros, e que se podem configurar naquilo a que autores, como J., entre outros, e que se podem configurar naquilo a que autores, como J. Borja e M. Castells, têm vindo a chamar de “Borja e M. Castells, têm vindo a chamar de “Nova Gestão do TerritórioNova Gestão do Território”.”. De facto, considera-se hoje que as Autarquias Locais têm vantagens comparativasDe facto, considera-se hoje que as Autarquias Locais têm vantagens comparativas em relação ao Estado Central no que se refere à criação de condições favoráveis àem relação ao Estado Central no que se refere à criação de condições favoráveis à produtividade e competitividade das empresas.produtividade e competitividade das empresas.
  • 12. EMPREENDORISMO TERRITORIAL EEMPREENDORISMO TERRITORIAL E NOVA GESTÃO DO TERRITÓRIONOVA GESTÃO DO TERRITÓRIO Se considerarmos que as edilidades têm uma maior flexibilidade institucional, quandoSe considerarmos que as edilidades têm uma maior flexibilidade institucional, quando comparada com o governo central, e uma maior capacidade de representação ecomparada com o governo central, e uma maior capacidade de representação e legitimidade política, os municípios podem ser mais eficientes na atracção elegitimidade política, os municípios podem ser mais eficientes na atracção e dinamização de actividades económicas no seu território.dinamização de actividades económicas no seu território. Deste modo, desde os anos 90 que o poder local, um pouco por todo o mundo, temDeste modo, desde os anos 90 que o poder local, um pouco por todo o mundo, tem assumido o “protagonismo” ao nível do crescimento económico (infra-estruturas,assumido o “protagonismo” ao nível do crescimento económico (infra-estruturas, desburocratização, participação crescente do sector privado e racionalidadedesburocratização, participação crescente do sector privado e racionalidade empresarial na gestão pública, busca de consensos em torno de prioridadesempresarial na gestão pública, busca de consensos em torno de prioridades “estratégicas”, etc.).“estratégicas”, etc.). Neste aspecto. surge como extremamente importante o conceito de “Governância”,Neste aspecto. surge como extremamente importante o conceito de “Governância”, entendida como a gestão dos assuntos públicos, em articulação com associações deentendida como a gestão dos assuntos públicos, em articulação com associações de cidadãos e as suas organizações, numa perspectiva abrangente de convergência entrecidadãos e as suas organizações, numa perspectiva abrangente de convergência entre os interesses do Estado e dos seus cidadãos, vistos nesta perspectiva comoos interesses do Estado e dos seus cidadãos, vistos nesta perspectiva como “accionistas” de uma empresa.“accionistas” de uma empresa.
  • 13. O TERRITÓRIO EM ESTUDOO TERRITÓRIO EM ESTUDO O Estado de São Paulo localiza-se na Região Sudeste do País, sendo o mais importanteO Estado de São Paulo localiza-se na Região Sudeste do País, sendo o mais importante em termos económicos. Apesar de ocupar apenas cerca de 3% do território brasileiroem termos económicos. Apesar de ocupar apenas cerca de 3% do território brasileiro (248209 Km(248209 Km22 ), concentra 21,8% da população total e 35,3% do Produto Interno Bruto), concentra 21,8% da população total e 35,3% do Produto Interno Bruto (PIB).(PIB). A Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), criada em 1973 pela lei complementar n.°A Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), criada em 1973 pela lei complementar n.° 14 de 8 de Junho, reúne o Município de São Paulo e 38 outras municipalidades14 de 8 de Junho, reúne o Município de São Paulo e 38 outras municipalidades,, constituindo um dos maiores aglomerados urbanos do mundo e o maior do Brasil, comconstituindo um dos maiores aglomerados urbanos do mundo e o maior do Brasil, com 15444941 habitantes em uma área de apenas 8051 Km2. Em termos económicos, a Região15444941 habitantes em uma área de apenas 8051 Km2. Em termos económicos, a Região Metropolitana contribui com mais de 50% do PIB estadual e cerca de 18,5% do PIBMetropolitana contribui com mais de 50% do PIB estadual e cerca de 18,5% do PIB nacional, sendo o PIBnacional, sendo o PIB per capitaper capita, cerca de 6,4 mil dólares americanos, quase o dobro da, cerca de 6,4 mil dólares americanos, quase o dobro da média nacional. «média nacional. «São Paulo, a Capital, é considerada metrópole nacional por possuir umSão Paulo, a Capital, é considerada metrópole nacional por possuir um território de influência que abraça todo o território nacional ocupando o primeiro lugarterritório de influência que abraça todo o território nacional ocupando o primeiro lugar na hierarquia urbana e, assim, polarizando todo o território nacionalna hierarquia urbana e, assim, polarizando todo o território nacional» (Lencioni, 2004:» (Lencioni, 2004: 153).153). Na RMSP situa-se o ABCD paulista, uma cintura industrial que teve origem noNa RMSP situa-se o ABCD paulista, uma cintura industrial que teve origem no desenvolvimento da indústria transformadora, principalmente automóvel no fim dadesenvolvimento da indústria transformadora, principalmente automóvel no fim da década de 40, início de 50, nomeadamente graças à política de Getúlio Vargas,década de 40, início de 50, nomeadamente graças à política de Getúlio Vargas, prosseguida por Juscelino Kubitchek e o seu “prosseguida por Juscelino Kubitchek e o seu “Plano de MetasPlano de Metas”, de fomento industrial e”, de fomento industrial e
  • 14. O TERRITÓRIO EM ESTUDOO TERRITÓRIO EM ESTUDO Contudo, face à situação económica actual, num contextoContudo, face à situação económica actual, num contexto de crescente globalização, é provável que nos próximosde crescente globalização, é provável que nos próximos anos, haja uma reconversão industrial envolvendo aanos, haja uma reconversão industrial envolvendo a diminuição da dependência face ao sector que, nodiminuição da dependência face ao sector que, no momento inicial, foi responsável pela formação de umamomento inicial, foi responsável pela formação de uma base produtiva ligada às actividades de transformação – obase produtiva ligada às actividades de transformação – o sector automóvel. A Geografia Económica do ABCDsector automóvel. A Geografia Económica do ABCD poderá constituir, assim, um processo em mutação, cujospoderá constituir, assim, um processo em mutação, cujos traços definitivos ainda não são completamente claros.traços definitivos ainda não são completamente claros. As mudanças mais marcantes do mercado de trabalho naAs mudanças mais marcantes do mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo, referem-se à menorRegião Metropolitana de São Paulo, referem-se à menor proporção do emprego industrial e aos maiores níveis deproporção do emprego industrial e aos maiores níveis de desemprego. Destaca-se ainda a tendência de aumentodesemprego. Destaca-se ainda a tendência de aumento do trabalho informal.do trabalho informal. Uma das características marcantes na economia daUma das características marcantes na economia da RMSP nas últimas décadas – que ocorre de forma aindaRMSP nas últimas décadas – que ocorre de forma ainda mais intensa na cidade de São Paulo – é a terciarizaçãomais intensa na cidade de São Paulo – é a terciarização das actividades produtivas; se por um lado ajuda a manterdas actividades produtivas; se por um lado ajuda a manter os níveis de emprego, por outro implica uma depreciaçãoos níveis de emprego, por outro implica uma depreciação do rendimento médio disponível.do rendimento médio disponível. Desfile do Presidente KubitchekDesfile do Presidente Kubitchek durante a inauguração da 1.ªdurante a inauguração da 1.ª fábrica da VW no Braslfábrica da VW no Brasl
  • 15. O TERRITÓRIO EM ESTUDOO TERRITÓRIO EM ESTUDO Conforme tivemos oportunidade de referir, São Paulo é uma cidade de contrastesConforme tivemos oportunidade de referir, São Paulo é uma cidade de contrastes económicos e sociais “gritantes” e com um grau de segregação espacial muito vincado,económicos e sociais “gritantes” e com um grau de segregação espacial muito vincado, traduzido na metáfora “Metrópole das Desigualdades”.traduzido na metáfora “Metrópole das Desigualdades”. Neste sentido, se por um lado temos alguns dos mais complexos problemas sociais,Neste sentido, se por um lado temos alguns dos mais complexos problemas sociais, urbanísticos e habitacionais do mundo, por outro lado, São Paulo possui uma série deurbanísticos e habitacionais do mundo, por outro lado, São Paulo possui uma série de instituições e recursos humanos, financeiros e materiais capazes de ombrear com asinstituições e recursos humanos, financeiros e materiais capazes de ombrear com as maiores cidades dos principais Países Desenvolvidos, podendo constituir-se numamaiores cidades dos principais Países Desenvolvidos, podendo constituir-se numa ““Cidade GlobalCidade Global” .” . Fonte:Fonte: Frúgoli Jr.Frúgoli Jr. (2000)(2000) Aspecto da Paisagem Urbana do Centro de São PauloAspecto da Paisagem Urbana do Centro de São Paulo
  • 16. INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO APRESENTADASAPRESENTADAS As autarquias e outras instituições de poder local e regional podem ter uma acçãoAs autarquias e outras instituições de poder local e regional podem ter uma acção fundamental no incentivo, promoção e concretização de acções e medidas que visam ofundamental no incentivo, promoção e concretização de acções e medidas que visam o Desenvolvimento Local, nomeadamente se associadas ao Poder Central e,Desenvolvimento Local, nomeadamente se associadas ao Poder Central e, principalmente, aos agentes económicos locais.principalmente, aos agentes económicos locais. Com a promulgação da Constituição de 1988, o Estado brasileiro passou a serCom a promulgação da Constituição de 1988, o Estado brasileiro passou a ser extremamente descentralizado, promovendo os municípios à categoria de entidadesextremamente descentralizado, promovendo os municípios à categoria de entidades autónomas da Federação, com autonomia de gerirem as suas próprias políticasautónomas da Federação, com autonomia de gerirem as suas próprias políticas públicas, algo, até então, inexistente no Brasil.públicas, algo, até então, inexistente no Brasil. O estabelecimento de boas práticas de Governância torna-se pois fundamental paraO estabelecimento de boas práticas de Governância torna-se pois fundamental para um correcta interacção entre a sociedade civil organizada, as empresas e o poderum correcta interacção entre a sociedade civil organizada, as empresas e o poder público, dado que, neste modelo de desenvolvimento económico todos os agentespúblico, dado que, neste modelo de desenvolvimento económico todos os agentes participam, com suas respectivas experiências, cooperando, com vista a criar um cicloparticipam, com suas respectivas experiências, cooperando, com vista a criar um ciclo virtuoso de aprendizagem e difusão do conhecimento.virtuoso de aprendizagem e difusão do conhecimento. Longe de ser uma escolha exaustiva, a selecção dos projectos e iniciativas a apresentarLonge de ser uma escolha exaustiva, a selecção dos projectos e iniciativas a apresentar incidiu naqueles que poderão dar um contributo inexorável para o Desenvolvimentoincidiu naqueles que poderão dar um contributo inexorável para o Desenvolvimento Local, nomeadamente em áreas como o Empreendorismo, a Fiscalidade, a Educação,Local, nomeadamente em áreas como o Empreendorismo, a Fiscalidade, a Educação, a Formação Profissional, o Ambiente ou o Turismo.a Formação Profissional, o Ambiente ou o Turismo.
  • 17. INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO APRESENTADASAPRESENTADAS O conjunto de projectos e iniciativas apresentados, referente aos oito municípios emO conjunto de projectos e iniciativas apresentados, referente aos oito municípios em estudo, encontra-se classificado em quatros grandes categorias temáticas: Incentivosestudo, encontra-se classificado em quatros grandes categorias temáticas: Incentivos às Empresas/Empreendedores e à Produção; Formação e Qualificação Profissional;às Empresas/Empreendedores e à Produção; Formação e Qualificação Profissional; Transportes e Acessibilidades; e Turismo e Ambiente. No caso de Rio Grande daTransportes e Acessibilidades; e Turismo e Ambiente. No caso de Rio Grande da Serra, devido a natureza multi-temática do projecto “Instituição do Fórum deSerra, devido a natureza multi-temática do projecto “Instituição do Fórum de Desenvolvimento Sustentável de Rio Grande da Serra”, centrado em três grandesDesenvolvimento Sustentável de Rio Grande da Serra”, centrado em três grandes eixos, (Desenvolvimento Económico, Desenvolvimento Social e Desenvolvimentoeixos, (Desenvolvimento Económico, Desenvolvimento Social e Desenvolvimento Urbano e do Ambiente), levou a que o classificássemos numa nova categoria intituladaUrbano e do Ambiente), levou a que o classificássemos numa nova categoria intitulada Constituição/Participação em Entidades Promotoras do Desenvolvimento.Constituição/Participação em Entidades Promotoras do Desenvolvimento. Da análise do Quadro-Síntese ressalta imediatamente a preponderância de projectosDa análise do Quadro-Síntese ressalta imediatamente a preponderância de projectos na área dosna área dos Incentivos às Empresas/EmpreendedoresIncentivos às Empresas/Empreendedores e à Produçãoe à Produção, seguida pela, seguida pela Formação e Qualificação ProfissionalFormação e Qualificação Profissional e em relativamente menor número peloe em relativamente menor número pelo TurismoTurismo e/ou Ambientee/ou Ambiente e peloe pelo Transportes e AcessibilidadesTransportes e Acessibilidades..
  • 18. INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO APRESENTADASAPRESENTADAS Quadro-Síntese das iniciativas analisadasQuadro-Síntese das iniciativas analisadas
  • 19. INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO APRESENTADASAPRESENTADAS Considerando a influência dos níveis de alfabetização e de escolaridade nasConsiderando a influência dos níveis de alfabetização e de escolaridade nas capacidades e no potencial do Capital Humano, em termos laborais, técnicos e, até, decapacidades e no potencial do Capital Humano, em termos laborais, técnicos e, até, de inovação tecnológica e organizacional, compreendemos a importância destasinovação tecnológica e organizacional, compreendemos a importância destas iniciativas na “alavancagem” dos processos de Crescimento Económico einiciativas na “alavancagem” dos processos de Crescimento Económico e Desenvolvimento à escala regional e local do ABCD.Desenvolvimento à escala regional e local do ABCD. De facto, conforme vimos no Quadro-Síntese, existe uma plêiade de iniciativas noDe facto, conforme vimos no Quadro-Síntese, existe uma plêiade de iniciativas no âmbito daâmbito da Formação e Qualificação Profissional.Formação e Qualificação Profissional. Neste sentido, o caso do MOVA (Movimento Regional de Alfabetização de Jovens eNeste sentido, o caso do MOVA (Movimento Regional de Alfabetização de Jovens e Adultos) surge como uma das mais importantes iniciativas do ConsórcioAdultos) surge como uma das mais importantes iniciativas do Consórcio Intermunicipal, não só porque se encontra presente em seis dos sete municípios doIntermunicipal, não só porque se encontra presente em seis dos sete municípios do ABCD (sendo São Caetano do Sul a excepção), mas porque tem um importante papelABCD (sendo São Caetano do Sul a excepção), mas porque tem um importante papel na alfabetização e escolarização da população, em especial adulta, que não tevena alfabetização e escolarização da população, em especial adulta, que não teve oportunidades de escolarização. Este projecto destaca-se ainda por agregar esforçosoportunidades de escolarização. Este projecto destaca-se ainda por agregar esforços de várias entidades, tais como prefeituras municipais, empresários, sindicatos, igrejas,de várias entidades, tais como prefeituras municipais, empresários, sindicatos, igrejas, movimentos populares e universidades.movimentos populares e universidades.
  • 20. INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO APRESENTADASAPRESENTADAS Além da alfabetização de Adultos, existem ainda iniciativas de formação na área daAlém da alfabetização de Adultos, existem ainda iniciativas de formação na área da informática e computação, do Ensino Técnico e Profissionalizante, do Ensino Superior einformática e computação, do Ensino Técnico e Profissionalizante, do Ensino Superior e do Empreendorismo. De facto, a promoção e difusão do Empreendorismo, do auto-do Empreendorismo. De facto, a promoção e difusão do Empreendorismo, do auto- emprego e da criação de micro-empresas é uma constante presente em várias dasemprego e da criação de micro-empresas é uma constante presente em várias das iniciativas apresentadas e agrupadas na categoria dos Incentivos àsiniciativas apresentadas e agrupadas na categoria dos Incentivos às Empresas/Empreendedores e à Produção.Empresas/Empreendedores e à Produção. Outro aspecto interessante no conjunto das iniciativas descritas no presente capítulo éOutro aspecto interessante no conjunto das iniciativas descritas no presente capítulo é que elas fomentam as “economias de proximidade” ou, se preferirmos, que procuram oque elas fomentam as “economias de proximidade” ou, se preferirmos, que procuram o surgimento de “Clusters” ou “Sistemas Produtivos Locais”.surgimento de “Clusters” ou “Sistemas Produtivos Locais”. O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC apresentou, em 2004, o projecto deO Consórcio Intermunicipal do Grande ABC apresentou, em 2004, o projecto de desenvolver um Sistema Produtivo Local, com o apoio técnico e financeiro do SEBRAE,desenvolver um Sistema Produtivo Local, com o apoio técnico e financeiro do SEBRAE, que visa sustentar o crescimento de micro, pequenas e médias empresas nos sectoresque visa sustentar o crescimento de micro, pequenas e médias empresas nos sectores dos componentes para automóveis, das ferramentas e dos plásticos. Promove ainda ados componentes para automóveis, das ferramentas e dos plásticos. Promove ainda a integração e a cooperação entre empresários que, sendo antigos concorrentes,integração e a cooperação entre empresários que, sendo antigos concorrentes, beneficiam agora das vantagens do trabalho em associação. Este projecto prevê aindabeneficiam agora das vantagens do trabalho em associação. Este projecto prevê ainda parcerias com universidades em acções de I&D. Este último projecto pode revestir-se deparcerias com universidades em acções de I&D. Este último projecto pode revestir-se de grande importância para a economia local e regional, onde a industria automóvel (egrande importância para a economia local e regional, onde a industria automóvel (e outros sectores associados, com destaque para os componentes), têm uma grandeoutros sectores associados, com destaque para os componentes), têm uma grande importância em termos de produto e de emprego.importância em termos de produto e de emprego.
  • 21. INICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTOINICIATIVAS LOCAIS DE DESENVOLVIMENTO APRESENTADASAPRESENTADAS Face às características do território em estudo, que se destaca por ser uma áreaFace às características do território em estudo, que se destaca por ser uma área fortemente urbanizada e industrializada e que contém importantes “bolsas” defortemente urbanizada e industrializada e que contém importantes “bolsas” de pobreza e urbanização deficiente no seu interior. É, de certa forma, surpreendente apobreza e urbanização deficiente no seu interior. É, de certa forma, surpreendente a existência de um número bastante razoável de iniciativas no sector do Turismo.existência de um número bastante razoável de iniciativas no sector do Turismo. De facto, iniciativas como o Plano Municipal do Turismo, o Projecto de SinalizaçãoDe facto, iniciativas como o Plano Municipal do Turismo, o Projecto de Sinalização Turística Viária e o programa “Turística Viária e o programa “Fique Mais um DiaFique Mais um Dia”, vêm demonstrar a crescente”, vêm demonstrar a crescente importância do Turismo na Cidade de São Paulo, nomeadamente ao nível doimportância do Turismo na Cidade de São Paulo, nomeadamente ao nível do Turismo de Consumo e, principalmente, do Turismo de Negócios (5 milhões deTurismo de Consumo e, principalmente, do Turismo de Negócios (5 milhões de turistas, ou seja, cerca de 50% do total de turistas que se deslocam anualmente a Sãoturistas, ou seja, cerca de 50% do total de turistas que se deslocam anualmente a São Paulo).Paulo). Um aspecto importante das iniciativas apresentadas refere-se à modernizaçãoUm aspecto importante das iniciativas apresentadas refere-se à modernização administrativa e melhoria dos instrumentos de tomada de decisão por parte dosadministrativa e melhoria dos instrumentos de tomada de decisão por parte dos serviços municipais, nomeadamente recorrendo à implementação de Sistemas deserviços municipais, nomeadamente recorrendo à implementação de Sistemas de Informação Geográfica (SIG’s), como é o caso de São Paulo, de Santo André e de SãoInformação Geográfica (SIG’s), como é o caso de São Paulo, de Santo André e de São Bernardo do Campo.Bernardo do Campo.
  • 22. NOTAS FINAIS…E PERSPECTIVAS PARA O FUTURONOTAS FINAIS…E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Em resumo, pode-se referir que o conjunto de projectos e iniciativas locais deEm resumo, pode-se referir que o conjunto de projectos e iniciativas locais de desenvolvimento apresentadas é extremamente variado, apesar de muitas destasdesenvolvimento apresentadas é extremamente variado, apesar de muitas destas iniciativas serem ainda bastantes recentes (ou não sendo tão recentes, não apresenteminiciativas serem ainda bastantes recentes (ou não sendo tão recentes, não apresentem ainda resultados mensuráveis). Parece existir uma dinâmica nos municípios analisadosainda resultados mensuráveis). Parece existir uma dinâmica nos municípios analisados em que as diferentes entidades públicas, locais, estaduais ou federais, se “aliam” aoem que as diferentes entidades públicas, locais, estaduais ou federais, se “aliam” ao sector privado ou a ONG’s e associações sem fim lucrativo (o chamado 3.º sector), comsector privado ou a ONG’s e associações sem fim lucrativo (o chamado 3.º sector), com o propósito de promover um “o propósito de promover um “Desenvolvimento EndógenoDesenvolvimento Endógeno” local e sustentável, com o” local e sustentável, com o objectivo último de promover a melhoria de vida das populações.objectivo último de promover a melhoria de vida das populações. Longe de constituir um fim em si mesma, a presente Dissertação apresenta algunsLonge de constituir um fim em si mesma, a presente Dissertação apresenta alguns “caminhos” possíveis para o futuro de São Paulo e do ABCD. Deste modo, as linhas de“caminhos” possíveis para o futuro de São Paulo e do ABCD. Deste modo, as linhas de investigação a seguir deverão verificar a concretização das medidas apresentadas, o seuinvestigação a seguir deverão verificar a concretização das medidas apresentadas, o seu grau de adequação à realidade e os impactos gerados.grau de adequação à realidade e os impactos gerados. Neste sentido, vamos procurar empreender um projecto de investigação centrado naNeste sentido, vamos procurar empreender um projecto de investigação centrado na avaliação e análise comparativa dos processos de Desenvolvimento Local em contextosavaliação e análise comparativa dos processos de Desenvolvimento Local em contextos metropolitanos diferenciados, neste sentido propomos comparar a RMSP (englobadametropolitanos diferenciados, neste sentido propomos comparar a RMSP (englobada num estado federal), com a Área Metropolitana de Lisboa (englobada num estadonum estado federal), com a Área Metropolitana de Lisboa (englobada num estado unitário centralizado) e a Área Metropolitana de Barcelona (englobada num estadounitário centralizado) e a Área Metropolitana de Barcelona (englobada num estado unitário descentralizado).unitário descentralizado).