SlideShare uma empresa Scribd logo
República Federativa do Brasil - Estado do Piauí
Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola

Projeto de Desenvolvimento
Sustentável “MAIS VIVER
SEMIÁRIDO”
Por: Alejo Lerzundi Silvera

SEPLAN/SDR/EMATER/SEDUC/SETRE
Teresina, outubro 2013
Antecedentes
 Acordo de Empréstimo entre FIDA e o Governo do Estado do
Piauí nº I-788/BR de 09/04/2013, no montante de 39.141
milhões de dólares com vigência de 07 anos;
 Por decisão governamental, a Secretaria de Desenvolvimento
Rural – SDR foi efetivada como órgão executor e a Diretoria de
Combate à Pobreza Rural – DCPR na função de Unidade
Gestora do Projeto- UGP, conforme estabelecido no Decreto
Governamental Nº 15.204, de 10/06/2013
 Ajuda Memória de julho de 2013, entre Equipe FIDA e a
Unidade Gestora do Projeto para cumprimento das condições
de efetividade visando implementação do projeto.
 O Projeto Mais Viver Semiárido – PMVS, tendo como o seu
primeiro ano de execução no Estado, é embasado nas
indicações emanadas no contexto de suas Diretrizes,
registradas no Acordo de Empréstimo e detalhadas no Manual
de Operações,
Justificativa
• Alta incidência de pobreza rural no Semiárido do Piauí:
Taxa de Pobreza Rural = 77% das famílias. Taxa de Extrema
Pobreza Rural = 46%. 75. 000 domicílios rurais. 100 mil
estabelecimentos rurais: 65%<10 ha, 91%<100 há
•
Degradação dos recursos naturais (Caatinga)
•
Avanços na dotação de infra-estrutura social
•
Emprego não agrícola associado aos arranjos produtivos e
a outras atividades economicas
•
Grande Potencial produtivos dos agricultores familiares
nas cadeias produtivas de : cajucultura,
ovino/caprinocultura, apicultura, mandiocultura, hortas
irrigadas, atividades não agrícolas, extrativismo.
População-Alvo.






A população-alvo do Projeto esta constituída por
aproximadamente 75000 lares rurais que vivem em
condições de pobreza no Estado do Piauí:
Dentro desta população-alvo, os beneficiários diretos são
estimados em 22.000 famílias rurais carentes.
Agricultores familiares, trabalhadores rurais sem terra,
jovens , mulheres, pequenos produtores rurais
4 Territórios – 89 municípios.
Área de Atuação do Projeto
1. Território Vale
do Sambito
2. Territorios Vale
do Canindé
3. Território Vale
do Rio Guaribas
(Regiões: Picos e
Paulistana)
4. Território da
Serra da Capivara
Estratégia de Focalização
–

Enfoque baseado na demanda para selecionar as
prioridades de investimentos e assistência técnica

–

Critérios de elegibilidade para o financiamento

–

Mecanismos competitivos para destinação de recursos
escassos

–

Prioridade aos jovens, principalmente no Componente
de Desenvolvimento Humano e Social

–

Cotas de 50% de mulheres em atividades de educação
técnica e artesanato
Objetivos do Projeto
Finalidade:
Contribuir para desenvolver a economia rural e reduzir os
níveis de pobreza rural da Região Semiárida do Piauí
Objetivo Principal:
Melhorar de maneira sustentável a renda agrícola e não
agrícola, os ativos produtivos, as capacidades
organizacionais e as práticas ambientais nas áreas pobres
da Região Semiárida do Piauí
Objetivos Específicos






Melhorar a produção agrícola e não-agrícola dos
produtores rurais pobres e o acesso aos mercados,
provendo assistência técnica adequada, recursos
financeiros e fortalecendo suas organizações sociais e
produtivas (Componente 1)
Fortalecer as capacidades da população alvo, em
particular dos jovens, para gerar renda e acessar os
mercados de trabalho, por meio da promoção da
educação técnica e profissional e da disseminação de
conhecimento específico ao ambiente semi-árido
(Componente 2)
Fortalecer as capacidades institucionais para
desenvolver sistemas de assistência técnica e
implementar políticas de desenvolvimento rural na
Região Semiárida do Piauí
(Componente 3)
Componente 1: Desenvolvimento
Produtivo (1)
1- Apoiar a participação dos agricultores familiares em
cadeias
produtivas
incluindo
produção,
transformação e comercialização:
2- Fortalecer os serviços de extensão e assistência técnica
3- Promover e disseminar tecnologias produtivas
sustentáveis adaptadas ao Semiárido
4- Apoiar os negócios associativos e individuais,
agrícolas e não agrícolas
5- Construção de pequenos sistemas de irrigação,
melhorando a conservação da água
6- Promover e fortalecer as organizações
associativas e cooperativas dos agricultores
familiares
Componente 1: Desenvolvimento Produtivo (2)
1) Assistência Técnica e Serviços de Extensão




21 extensionistas em tempo integral e 326 agentes de
desenvolvimento local
Acordos com entidades públicas e privadas segundo as
atividades e arranjos produtivos apoiados

2) Conta de Investimentos Produtivos


US$ 17,8 milhões para investimentos individuais e coletivos
para 17,500 agricultores e 1,000 artesãs(ãos):
Componente 1: Desenvolvimento Produtivo (3)
3) Crédito de Curto Prazo



PRONAF: US$ 2,8 milhões
Pequeno Fundo Rotativo para Artesões(ãs)
Componente 2: Desenvolvimento Social e
Humano




Fortalecer as capacidades dos jovens rurais para
gerar renda e acessar aos mercados de trabalho.
Formação técnica em atividades agrícolas e não
agrícolas
157 cursos para cerca de 5.010 jovens (50%
mulheres) com certificados



Bolsas de estágios de 6 meses para 590
estudantes
Componente 2: Desenvolvimento Social e
Humano (2)





Introduzir e disseminar nas escolas rurais
atividades agroecológicas com embasamento
científico e de conhecimento do contexto
ambiental 12.000 crianças beneficiadas
1.500 professores de escolas primárias treinados
100 pomares integrados e sistemas de produção
alimentar implantados produziriam cultivos
alimentares em cada escola
Componente 2: Desenvolvimento Social e
Humano (3)


Divulgação de informações diretamente relacionadas às
atividades do projeto: produção e exibição de
documentários, publicações e outras atividades



Promoção de várias atividades de comunicação e divulgação
de conhecimentos sobre a temática do semiárido, incluindo
temas e atividades técnicas, produtivas, econômicas e
questões culturais.
Componente 3: Fortalecimento Institucional


Assistência técnica e capacitação às Instâncias de
Gestão do Projeto, Fóruns, associações comunitárias,
cooperativas e instituições governamentais envolvidas
no processo de implementação;



Contratação de consultorias e estudos específicos para
promover intercâmbios entre os Projetos do FIDA e
outras experiências;



Contratação de pessoal, aquisição de material e
equipamentos
Componente 4: UGP e M&A
1- Pessoal, material e equipamento para a UGP
2- Sistema de M&A baseado em resultados
3- Gestão do conhecimento
Financiamento
Componente por
Financiador
(Milhões de US$)
1. Desenvovimento Social
e Humano
2. Desenvolvimento
Produtivo
4. Fortalecimento
Institucional
5. PMU e M&E
TOTAL
%

Estado
BenefiFIDA PRONAF
Total
do Piauí
ciários
2,307

%

2,067

-

- 4,373 11%

3,768 15,939

2,800

6,670 29,177 75%

0,169

0,794

3,428

1,200

9,671* 20,000
25%

51%

-

- 0,963

2%

4,628 12%
2,800
7%

6,670 39,141 100%
17% 100%

* O aporte Estadual em dinheiro novo é de US$ 7,10 milhões, os US$ 2,57 milhões
restantes são aportes já internalizados pelo Estado (materiais e salários). Além
disso, pode se reduzir 0,40 milhões sem diminuir as metas do projeto. O aporte
médio do Estado seria de 0,96 milhões/ano em sete anos.
ORGANOGRAMA DO PROJETO
SEPLAN Agência Líder

UNIDADE GESTORA
DO PROJETO/SDR Executora
SEDUC

Co-executora

EMATER

Co-executora

Conselho Gestor
SDR, SEPLAN, SEDUC, SETRE,
EMATER, PROGRAMA MAIS
VIVER

CIP
Conta de
Investimentos
Produtivos

SETRE

Co-executora

Agências Parceiras:
SE BRAE

Coopea tivas
(Casa
Apis)

EMBRAPA

PRONAF

05 Coordenações Regionais
Beneficiários

SENAR, SENAI, ONG´s,
IFPI, Univers.
Escolas Técn.
Resultados e Impactos Esperados
 Produção e Produtividade agrícola e não agrícola,
incrementados;
 Emprego, Renda e Ativos, incrementados:
 Agrícola e não agrícola;
 Individuais e coletivas;

 Acesso aos mercados por parte dos pequenos
produtores, melhorados;,
 Acesso sustentável a serviços de extensão e assistência
técnica, melhorados;
 Organizações de produtores e participação na
governança local, fortalecidas;
 capacidades técnicas dos jovens rurais, melhorados;
 Práticas ambientais, melhorados.
Resultados Sustentabilidade
 O Projeto se insere em instituições estatais
permanentes, o que dar sustentabilidade
institucional ao Projeto
 O Projeto, articulado com as políticas nacionais e
estaduais de redução da pobreza
 O Projeto representa uma ferramenta complementar
as políticas e programas governamentais
 Apóia o desenvolvimento de organizações de bases
autônomas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
FETAEP
 
Relatório de Atividades 2014
Relatório de Atividades 2014Relatório de Atividades 2014
Relatório de Atividades 2014
FETAEP
 
Jornal da FETAEP edição 138 - Junho de 2016
Jornal da FETAEP edição 138 - Junho de 2016Jornal da FETAEP edição 138 - Junho de 2016
Jornal da FETAEP edição 138 - Junho de 2016
FETAEP
 
Pauta da Primeira Mobilizacao Nacional dos Assalariados e Assalariadas Rurais
Pauta da Primeira Mobilizacao Nacional dos Assalariados e Assalariadas RuraisPauta da Primeira Mobilizacao Nacional dos Assalariados e Assalariadas Rurais
Pauta da Primeira Mobilizacao Nacional dos Assalariados e Assalariadas Rurais
FETAEP
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
FETAEP
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
FETAEP
 
DO - Acordo de cooperação federativa com a secretaria de cultura do estado
DO - Acordo de cooperação federativa com a secretaria de cultura do estado DO - Acordo de cooperação federativa com a secretaria de cultura do estado
DO - Acordo de cooperação federativa com a secretaria de cultura do estado
Ipu Notícias
 
Direitos do empregado e da empregada rural
Direitos do empregado e da empregada ruralDireitos do empregado e da empregada rural
Direitos do empregado e da empregada rural
FETAEP
 
Informe Rural- 30/01/14
Informe Rural- 30/01/14Informe Rural- 30/01/14
Informe Rural- 30/01/14
Informe Rural
 
Relatório de Atividades 2020
Relatório de Atividades 2020Relatório de Atividades 2020
Relatório de Atividades 2020
FETAEP
 
Projeto de aquisição de uma patrulha agrícola mecanizada Parobé 2015
Projeto de aquisição de uma patrulha agrícola mecanizada     Parobé   2015Projeto de aquisição de uma patrulha agrícola mecanizada     Parobé   2015
Projeto de aquisição de uma patrulha agrícola mecanizada Parobé 2015
JORGE LUIZ ZORRER DA SILVA
 
Manual proinf 2014_final
Manual proinf 2014_finalManual proinf 2014_final
Manual proinf 2014_final
Dyanngellys Baptista
 
Manual proinf 2014 4 de junho final
Manual proinf 2014 4 de junho finalManual proinf 2014 4 de junho final
Manual proinf 2014 4 de junho final
Josete Sampaio
 
Estudos de Reordenamento Agrário Nº 2 - avaliação de impacto do programa naci...
Estudos de Reordenamento Agrário Nº 2 - avaliação de impacto do programa naci...Estudos de Reordenamento Agrário Nº 2 - avaliação de impacto do programa naci...
Estudos de Reordenamento Agrário Nº 2 - avaliação de impacto do programa naci...
iicabrasil
 
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
Diana Oliveira Pessoa
 
Jornal da FETAEP edição 132 - Novembro de 2015
Jornal da FETAEP edição 132 - Novembro de 2015Jornal da FETAEP edição 132 - Novembro de 2015
Jornal da FETAEP edição 132 - Novembro de 2015
FETAEP
 
Pronaf 20 anos
Pronaf 20 anosPronaf 20 anos
Pronaf 20 anos
Aline Resende
 
Jornal da FETAEP edição 135 - Março de 2016
Jornal da FETAEP edição 135 - Março de 2016Jornal da FETAEP edição 135 - Março de 2016
Jornal da FETAEP edição 135 - Março de 2016
FETAEP
 
Jornal da FETAEP edição 136 - Abril de 2016
Jornal da FETAEP edição 136 - Abril de 2016Jornal da FETAEP edição 136 - Abril de 2016
Jornal da FETAEP edição 136 - Abril de 2016
FETAEP
 
Clipping cnc 05072016 versão de impressão
Clipping cnc 05072016   versão de impressãoClipping cnc 05072016   versão de impressão
Clipping cnc 05072016 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 

Mais procurados (20)

Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
Jornal da FETAEP edição 137 - Maio de 2016
 
Relatório de Atividades 2014
Relatório de Atividades 2014Relatório de Atividades 2014
Relatório de Atividades 2014
 
Jornal da FETAEP edição 138 - Junho de 2016
Jornal da FETAEP edição 138 - Junho de 2016Jornal da FETAEP edição 138 - Junho de 2016
Jornal da FETAEP edição 138 - Junho de 2016
 
Pauta da Primeira Mobilizacao Nacional dos Assalariados e Assalariadas Rurais
Pauta da Primeira Mobilizacao Nacional dos Assalariados e Assalariadas RuraisPauta da Primeira Mobilizacao Nacional dos Assalariados e Assalariadas Rurais
Pauta da Primeira Mobilizacao Nacional dos Assalariados e Assalariadas Rurais
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
Cartilha de Orientação do PRONAF 2016/2017
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
Cartilha de Orientação do PRONAF 2018/2019
 
DO - Acordo de cooperação federativa com a secretaria de cultura do estado
DO - Acordo de cooperação federativa com a secretaria de cultura do estado DO - Acordo de cooperação federativa com a secretaria de cultura do estado
DO - Acordo de cooperação federativa com a secretaria de cultura do estado
 
Direitos do empregado e da empregada rural
Direitos do empregado e da empregada ruralDireitos do empregado e da empregada rural
Direitos do empregado e da empregada rural
 
Informe Rural- 30/01/14
Informe Rural- 30/01/14Informe Rural- 30/01/14
Informe Rural- 30/01/14
 
Relatório de Atividades 2020
Relatório de Atividades 2020Relatório de Atividades 2020
Relatório de Atividades 2020
 
Projeto de aquisição de uma patrulha agrícola mecanizada Parobé 2015
Projeto de aquisição de uma patrulha agrícola mecanizada     Parobé   2015Projeto de aquisição de uma patrulha agrícola mecanizada     Parobé   2015
Projeto de aquisição de uma patrulha agrícola mecanizada Parobé 2015
 
Manual proinf 2014_final
Manual proinf 2014_finalManual proinf 2014_final
Manual proinf 2014_final
 
Manual proinf 2014 4 de junho final
Manual proinf 2014 4 de junho finalManual proinf 2014 4 de junho final
Manual proinf 2014 4 de junho final
 
Estudos de Reordenamento Agrário Nº 2 - avaliação de impacto do programa naci...
Estudos de Reordenamento Agrário Nº 2 - avaliação de impacto do programa naci...Estudos de Reordenamento Agrário Nº 2 - avaliação de impacto do programa naci...
Estudos de Reordenamento Agrário Nº 2 - avaliação de impacto do programa naci...
 
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
 
Jornal da FETAEP edição 132 - Novembro de 2015
Jornal da FETAEP edição 132 - Novembro de 2015Jornal da FETAEP edição 132 - Novembro de 2015
Jornal da FETAEP edição 132 - Novembro de 2015
 
Pronaf 20 anos
Pronaf 20 anosPronaf 20 anos
Pronaf 20 anos
 
Jornal da FETAEP edição 135 - Março de 2016
Jornal da FETAEP edição 135 - Março de 2016Jornal da FETAEP edição 135 - Março de 2016
Jornal da FETAEP edição 135 - Março de 2016
 
Jornal da FETAEP edição 136 - Abril de 2016
Jornal da FETAEP edição 136 - Abril de 2016Jornal da FETAEP edição 136 - Abril de 2016
Jornal da FETAEP edição 136 - Abril de 2016
 
Clipping cnc 05072016 versão de impressão
Clipping cnc 05072016   versão de impressãoClipping cnc 05072016   versão de impressão
Clipping cnc 05072016 versão de impressão
 

Destaque

Slides Do Projeto áGua
Slides Do Projeto áGuaSlides Do Projeto áGua
Slides Do Projeto áGua
Viviane Teixeira
 
Sinopse do Censo Demográfico para o Semiárido Brasileiro
Sinopse do Censo Demográfico para o Semiárido Brasileiro Sinopse do Censo Demográfico para o Semiárido Brasileiro
Sinopse do Censo Demográfico para o Semiárido Brasileiro
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações
 
SerTãoVivo - Ações de Convivência com o Semiárido
SerTãoVivo - Ações de Convivência com o SemiáridoSerTãoVivo - Ações de Convivência com o Semiárido
SerTãoVivo - Ações de Convivência com o Semiárido
Palácio do Planalto
 
Combate à Desertificação, Degradação das Terras e Convivência com a Semiaride...
Combate à Desertificação, Degradação das Terras e Convivência com a Semiaride...Combate à Desertificação, Degradação das Terras e Convivência com a Semiaride...
Combate à Desertificação, Degradação das Terras e Convivência com a Semiaride...
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações
 
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
Prof. Oliveira Andrade
 
Combate à desertificação e mitigação - convivência com a seca: sínyeseBoletim...
Combate à desertificação e mitigação - convivência com a seca: sínyeseBoletim...Combate à desertificação e mitigação - convivência com a seca: sínyeseBoletim...
Combate à desertificação e mitigação - convivência com a seca: sínyeseBoletim...
Eduardo Garcia
 
Semi-árido
Semi-áridoSemi-árido
Semiárido Piauiense: Educação e Contexto
Semiárido Piauiense: Educação e Contexto Semiárido Piauiense: Educação e Contexto
Semiárido Piauiense: Educação e Contexto
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações
 
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no SemiáridoAlternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
Palácio do Planalto
 
Bioma Semi áRido
Bioma Semi áRidoBioma Semi áRido
Bioma Semi áRido
RAFAELA BARBOSA
 
Convivência com o semiárido apres. alidéia e do mark-guanambi-ba
Convivência com o semiárido   apres. alidéia e do mark-guanambi-baConvivência com o semiárido   apres. alidéia e do mark-guanambi-ba
Convivência com o semiárido apres. alidéia e do mark-guanambi-ba
Projeto Redesan
 
Apresentação em Power Point do Projeto Integrador, realizado no Ensino Médio ...
Apresentação em Power Point do Projeto Integrador, realizado no Ensino Médio ...Apresentação em Power Point do Projeto Integrador, realizado no Ensino Médio ...
Apresentação em Power Point do Projeto Integrador, realizado no Ensino Médio ...
Djeison Machado
 
Potencialidades e limitações dos grandes domínios naturais do Semi-árido
Potencialidades e limitações dos grandes domínios naturais do Semi-áridoPotencialidades e limitações dos grandes domínios naturais do Semi-árido
Potencialidades e limitações dos grandes domínios naturais do Semi-árido
Icaro Oliveira
 
Projeto Convivencia Com O Semiarido
Projeto Convivencia Com O SemiaridoProjeto Convivencia Com O Semiarido
Projeto Convivencia Com O Semiarido
lidiane Silva
 
Flores da caatinga
Flores da caatingaFlores da caatinga
Como elaborar uma boa apresentação
Como elaborar uma boa apresentaçãoComo elaborar uma boa apresentação
Como elaborar uma boa apresentação
mzylb
 
Dicas para montar excelentes apresentações de slides no power point
Dicas para montar excelentes apresentações de slides no power pointDicas para montar excelentes apresentações de slides no power point
Dicas para montar excelentes apresentações de slides no power point
Bruno Oliveira
 

Destaque (17)

Slides Do Projeto áGua
Slides Do Projeto áGuaSlides Do Projeto áGua
Slides Do Projeto áGua
 
Sinopse do Censo Demográfico para o Semiárido Brasileiro
Sinopse do Censo Demográfico para o Semiárido Brasileiro Sinopse do Censo Demográfico para o Semiárido Brasileiro
Sinopse do Censo Demográfico para o Semiárido Brasileiro
 
SerTãoVivo - Ações de Convivência com o Semiárido
SerTãoVivo - Ações de Convivência com o SemiáridoSerTãoVivo - Ações de Convivência com o Semiárido
SerTãoVivo - Ações de Convivência com o Semiárido
 
Combate à Desertificação, Degradação das Terras e Convivência com a Semiaride...
Combate à Desertificação, Degradação das Terras e Convivência com a Semiaride...Combate à Desertificação, Degradação das Terras e Convivência com a Semiaride...
Combate à Desertificação, Degradação das Terras e Convivência com a Semiaride...
 
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
Cartilha Cisterna Calçadão a série é uma produção da Articulação no Semi-Árid...
 
Combate à desertificação e mitigação - convivência com a seca: sínyeseBoletim...
Combate à desertificação e mitigação - convivência com a seca: sínyeseBoletim...Combate à desertificação e mitigação - convivência com a seca: sínyeseBoletim...
Combate à desertificação e mitigação - convivência com a seca: sínyeseBoletim...
 
Semi-árido
Semi-áridoSemi-árido
Semi-árido
 
Semiárido Piauiense: Educação e Contexto
Semiárido Piauiense: Educação e Contexto Semiárido Piauiense: Educação e Contexto
Semiárido Piauiense: Educação e Contexto
 
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no SemiáridoAlternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
Alternativas tecnológicas para convivência com a seca no Semiárido
 
Bioma Semi áRido
Bioma Semi áRidoBioma Semi áRido
Bioma Semi áRido
 
Convivência com o semiárido apres. alidéia e do mark-guanambi-ba
Convivência com o semiárido   apres. alidéia e do mark-guanambi-baConvivência com o semiárido   apres. alidéia e do mark-guanambi-ba
Convivência com o semiárido apres. alidéia e do mark-guanambi-ba
 
Apresentação em Power Point do Projeto Integrador, realizado no Ensino Médio ...
Apresentação em Power Point do Projeto Integrador, realizado no Ensino Médio ...Apresentação em Power Point do Projeto Integrador, realizado no Ensino Médio ...
Apresentação em Power Point do Projeto Integrador, realizado no Ensino Médio ...
 
Potencialidades e limitações dos grandes domínios naturais do Semi-árido
Potencialidades e limitações dos grandes domínios naturais do Semi-áridoPotencialidades e limitações dos grandes domínios naturais do Semi-árido
Potencialidades e limitações dos grandes domínios naturais do Semi-árido
 
Projeto Convivencia Com O Semiarido
Projeto Convivencia Com O SemiaridoProjeto Convivencia Com O Semiarido
Projeto Convivencia Com O Semiarido
 
Flores da caatinga
Flores da caatingaFlores da caatinga
Flores da caatinga
 
Como elaborar uma boa apresentação
Como elaborar uma boa apresentaçãoComo elaborar uma boa apresentação
Como elaborar uma boa apresentação
 
Dicas para montar excelentes apresentações de slides no power point
Dicas para montar excelentes apresentações de slides no power pointDicas para montar excelentes apresentações de slides no power point
Dicas para montar excelentes apresentações de slides no power point
 

Semelhante a Apresentação power point projeto mais viver semiárido

Slides bf3 link6
Slides bf3 link6Slides bf3 link6
Edital 112 2014 sagi
Edital 112 2014 sagiEdital 112 2014 sagi
Nota bahia produtiva
Nota bahia produtivaNota bahia produtiva
Nota bahia produtiva
Josete Sampaio
 
Informe Rural - 09/01/14
Informe Rural -  09/01/14Informe Rural -  09/01/14
Informe Rural - 09/01/14
Informe Rural
 
7 políticas públicas para des. reg.de s p josé roberto cunha
7 políticas públicas  para des. reg.de s p  josé roberto cunha7 políticas públicas  para des. reg.de s p  josé roberto cunha
7 políticas públicas para des. reg.de s p josé roberto cunha
govcepamsp
 
7 políticas públicas para des. reg.de s p josé roberto cunha
7 políticas públicas  para des. reg.de s p  josé roberto cunha7 políticas públicas  para des. reg.de s p  josé roberto cunha
7 políticas públicas para des. reg.de s p josé roberto cunha
govcepamsp
 
Nota bahia produtiva
Nota bahia produtivaNota bahia produtiva
Nota bahia produtiva
Josete Sampaio
 
Edital 051 2014 sesan
Edital 051 2014 sesanEdital 051 2014 sesan
_Informe Agronordeste 3 - maio 22 .pdf
_Informe Agronordeste 3 - maio 22 .pdf_Informe Agronordeste 3 - maio 22 .pdf
_Informe Agronordeste 3 - maio 22 .pdf
joaoitalo7
 
Politicas publicas e acoes para o desenvolvimento regional do estado de Sao P...
Politicas publicas e acoes para o desenvolvimento regional do estado de Sao P...Politicas publicas e acoes para o desenvolvimento regional do estado de Sao P...
Politicas publicas e acoes para o desenvolvimento regional do estado de Sao P...
Cogepp CEPAM
 
Sergipe Mais Justo - Apresentação do Programa
Sergipe Mais Justo -  Apresentação do ProgramaSergipe Mais Justo -  Apresentação do Programa
Sergipe Mais Justo - Apresentação do Programa
Governo de Sergipe
 
BNDS CORECON-PE - Paulo Guimarães
BNDS CORECON-PE - Paulo GuimarãesBNDS CORECON-PE - Paulo Guimarães
BNDS CORECON-PE - Paulo Guimarães
Diágoras M. Alencar Junior
 
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasilFenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
Revista Cafeicultura
 
Marcos Carvalho de Sant'Ana | Ministério da Integração Nacional (MI)
Marcos Carvalho de Sant'Ana | Ministério da Integração Nacional (MI)Marcos Carvalho de Sant'Ana | Ministério da Integração Nacional (MI)
Marcos Carvalho de Sant'Ana | Ministério da Integração Nacional (MI)
WCIG
 
Edital Projetos 2013 PDRS Xingu
Edital Projetos 2013 PDRS XinguEdital Projetos 2013 PDRS Xingu
Edital Projetos 2013 PDRS Xingu
Webcidadania Xingu
 
Financiamento para Reforma e Ampliação do Parque Hoteleiro e outros Negócio...
Financiamento para Reforma e  Ampliação do Parque Hoteleiro e outros  Negócio...Financiamento para Reforma e  Ampliação do Parque Hoteleiro e outros  Negócio...
Financiamento para Reforma e Ampliação do Parque Hoteleiro e outros Negócio...
Secretaria de Turismo da Bahia
 
Plano Agrário
Plano AgrárioPlano Agrário
Plano Agrário
Lucrécio Uasseda
 
Projeto modelo pbsm (reparado) aves
Projeto modelo pbsm (reparado) avesProjeto modelo pbsm (reparado) aves
Projeto modelo pbsm (reparado) aves
Rosaria Miranda
 
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
iicabrasil
 
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
FETAEP
 

Semelhante a Apresentação power point projeto mais viver semiárido (20)

Slides bf3 link6
Slides bf3 link6Slides bf3 link6
Slides bf3 link6
 
Edital 112 2014 sagi
Edital 112 2014 sagiEdital 112 2014 sagi
Edital 112 2014 sagi
 
Nota bahia produtiva
Nota bahia produtivaNota bahia produtiva
Nota bahia produtiva
 
Informe Rural - 09/01/14
Informe Rural -  09/01/14Informe Rural -  09/01/14
Informe Rural - 09/01/14
 
7 políticas públicas para des. reg.de s p josé roberto cunha
7 políticas públicas  para des. reg.de s p  josé roberto cunha7 políticas públicas  para des. reg.de s p  josé roberto cunha
7 políticas públicas para des. reg.de s p josé roberto cunha
 
7 políticas públicas para des. reg.de s p josé roberto cunha
7 políticas públicas  para des. reg.de s p  josé roberto cunha7 políticas públicas  para des. reg.de s p  josé roberto cunha
7 políticas públicas para des. reg.de s p josé roberto cunha
 
Nota bahia produtiva
Nota bahia produtivaNota bahia produtiva
Nota bahia produtiva
 
Edital 051 2014 sesan
Edital 051 2014 sesanEdital 051 2014 sesan
Edital 051 2014 sesan
 
_Informe Agronordeste 3 - maio 22 .pdf
_Informe Agronordeste 3 - maio 22 .pdf_Informe Agronordeste 3 - maio 22 .pdf
_Informe Agronordeste 3 - maio 22 .pdf
 
Politicas publicas e acoes para o desenvolvimento regional do estado de Sao P...
Politicas publicas e acoes para o desenvolvimento regional do estado de Sao P...Politicas publicas e acoes para o desenvolvimento regional do estado de Sao P...
Politicas publicas e acoes para o desenvolvimento regional do estado de Sao P...
 
Sergipe Mais Justo - Apresentação do Programa
Sergipe Mais Justo -  Apresentação do ProgramaSergipe Mais Justo -  Apresentação do Programa
Sergipe Mais Justo - Apresentação do Programa
 
BNDS CORECON-PE - Paulo Guimarães
BNDS CORECON-PE - Paulo GuimarãesBNDS CORECON-PE - Paulo Guimarães
BNDS CORECON-PE - Paulo Guimarães
 
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasilFenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
Fenicafé 2014 demetrios christofidis as perspectivas da irrigação no brasil
 
Marcos Carvalho de Sant'Ana | Ministério da Integração Nacional (MI)
Marcos Carvalho de Sant'Ana | Ministério da Integração Nacional (MI)Marcos Carvalho de Sant'Ana | Ministério da Integração Nacional (MI)
Marcos Carvalho de Sant'Ana | Ministério da Integração Nacional (MI)
 
Edital Projetos 2013 PDRS Xingu
Edital Projetos 2013 PDRS XinguEdital Projetos 2013 PDRS Xingu
Edital Projetos 2013 PDRS Xingu
 
Financiamento para Reforma e Ampliação do Parque Hoteleiro e outros Negócio...
Financiamento para Reforma e  Ampliação do Parque Hoteleiro e outros  Negócio...Financiamento para Reforma e  Ampliação do Parque Hoteleiro e outros  Negócio...
Financiamento para Reforma e Ampliação do Parque Hoteleiro e outros Negócio...
 
Plano Agrário
Plano AgrárioPlano Agrário
Plano Agrário
 
Projeto modelo pbsm (reparado) aves
Projeto modelo pbsm (reparado) avesProjeto modelo pbsm (reparado) aves
Projeto modelo pbsm (reparado) aves
 
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
 
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
Jornal da FETAEP edição 134 - Janeiro e Fevereiro de 2016
 

Apresentação power point projeto mais viver semiárido

  • 1. República Federativa do Brasil - Estado do Piauí Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola Projeto de Desenvolvimento Sustentável “MAIS VIVER SEMIÁRIDO” Por: Alejo Lerzundi Silvera SEPLAN/SDR/EMATER/SEDUC/SETRE Teresina, outubro 2013
  • 2. Antecedentes  Acordo de Empréstimo entre FIDA e o Governo do Estado do Piauí nº I-788/BR de 09/04/2013, no montante de 39.141 milhões de dólares com vigência de 07 anos;  Por decisão governamental, a Secretaria de Desenvolvimento Rural – SDR foi efetivada como órgão executor e a Diretoria de Combate à Pobreza Rural – DCPR na função de Unidade Gestora do Projeto- UGP, conforme estabelecido no Decreto Governamental Nº 15.204, de 10/06/2013  Ajuda Memória de julho de 2013, entre Equipe FIDA e a Unidade Gestora do Projeto para cumprimento das condições de efetividade visando implementação do projeto.  O Projeto Mais Viver Semiárido – PMVS, tendo como o seu primeiro ano de execução no Estado, é embasado nas indicações emanadas no contexto de suas Diretrizes, registradas no Acordo de Empréstimo e detalhadas no Manual de Operações,
  • 3. Justificativa • Alta incidência de pobreza rural no Semiárido do Piauí: Taxa de Pobreza Rural = 77% das famílias. Taxa de Extrema Pobreza Rural = 46%. 75. 000 domicílios rurais. 100 mil estabelecimentos rurais: 65%<10 ha, 91%<100 há • Degradação dos recursos naturais (Caatinga) • Avanços na dotação de infra-estrutura social • Emprego não agrícola associado aos arranjos produtivos e a outras atividades economicas • Grande Potencial produtivos dos agricultores familiares nas cadeias produtivas de : cajucultura, ovino/caprinocultura, apicultura, mandiocultura, hortas irrigadas, atividades não agrícolas, extrativismo.
  • 4. População-Alvo.     A população-alvo do Projeto esta constituída por aproximadamente 75000 lares rurais que vivem em condições de pobreza no Estado do Piauí: Dentro desta população-alvo, os beneficiários diretos são estimados em 22.000 famílias rurais carentes. Agricultores familiares, trabalhadores rurais sem terra, jovens , mulheres, pequenos produtores rurais 4 Territórios – 89 municípios.
  • 5. Área de Atuação do Projeto 1. Território Vale do Sambito 2. Territorios Vale do Canindé 3. Território Vale do Rio Guaribas (Regiões: Picos e Paulistana) 4. Território da Serra da Capivara
  • 6. Estratégia de Focalização – Enfoque baseado na demanda para selecionar as prioridades de investimentos e assistência técnica – Critérios de elegibilidade para o financiamento – Mecanismos competitivos para destinação de recursos escassos – Prioridade aos jovens, principalmente no Componente de Desenvolvimento Humano e Social – Cotas de 50% de mulheres em atividades de educação técnica e artesanato
  • 7. Objetivos do Projeto Finalidade: Contribuir para desenvolver a economia rural e reduzir os níveis de pobreza rural da Região Semiárida do Piauí Objetivo Principal: Melhorar de maneira sustentável a renda agrícola e não agrícola, os ativos produtivos, as capacidades organizacionais e as práticas ambientais nas áreas pobres da Região Semiárida do Piauí
  • 8. Objetivos Específicos    Melhorar a produção agrícola e não-agrícola dos produtores rurais pobres e o acesso aos mercados, provendo assistência técnica adequada, recursos financeiros e fortalecendo suas organizações sociais e produtivas (Componente 1) Fortalecer as capacidades da população alvo, em particular dos jovens, para gerar renda e acessar os mercados de trabalho, por meio da promoção da educação técnica e profissional e da disseminação de conhecimento específico ao ambiente semi-árido (Componente 2) Fortalecer as capacidades institucionais para desenvolver sistemas de assistência técnica e implementar políticas de desenvolvimento rural na Região Semiárida do Piauí (Componente 3)
  • 9. Componente 1: Desenvolvimento Produtivo (1) 1- Apoiar a participação dos agricultores familiares em cadeias produtivas incluindo produção, transformação e comercialização: 2- Fortalecer os serviços de extensão e assistência técnica 3- Promover e disseminar tecnologias produtivas sustentáveis adaptadas ao Semiárido 4- Apoiar os negócios associativos e individuais, agrícolas e não agrícolas 5- Construção de pequenos sistemas de irrigação, melhorando a conservação da água 6- Promover e fortalecer as organizações associativas e cooperativas dos agricultores familiares
  • 10. Componente 1: Desenvolvimento Produtivo (2) 1) Assistência Técnica e Serviços de Extensão   21 extensionistas em tempo integral e 326 agentes de desenvolvimento local Acordos com entidades públicas e privadas segundo as atividades e arranjos produtivos apoiados 2) Conta de Investimentos Produtivos  US$ 17,8 milhões para investimentos individuais e coletivos para 17,500 agricultores e 1,000 artesãs(ãos):
  • 11. Componente 1: Desenvolvimento Produtivo (3) 3) Crédito de Curto Prazo   PRONAF: US$ 2,8 milhões Pequeno Fundo Rotativo para Artesões(ãs)
  • 12. Componente 2: Desenvolvimento Social e Humano   Fortalecer as capacidades dos jovens rurais para gerar renda e acessar aos mercados de trabalho. Formação técnica em atividades agrícolas e não agrícolas 157 cursos para cerca de 5.010 jovens (50% mulheres) com certificados  Bolsas de estágios de 6 meses para 590 estudantes
  • 13. Componente 2: Desenvolvimento Social e Humano (2)    Introduzir e disseminar nas escolas rurais atividades agroecológicas com embasamento científico e de conhecimento do contexto ambiental 12.000 crianças beneficiadas 1.500 professores de escolas primárias treinados 100 pomares integrados e sistemas de produção alimentar implantados produziriam cultivos alimentares em cada escola
  • 14. Componente 2: Desenvolvimento Social e Humano (3)  Divulgação de informações diretamente relacionadas às atividades do projeto: produção e exibição de documentários, publicações e outras atividades  Promoção de várias atividades de comunicação e divulgação de conhecimentos sobre a temática do semiárido, incluindo temas e atividades técnicas, produtivas, econômicas e questões culturais.
  • 15. Componente 3: Fortalecimento Institucional  Assistência técnica e capacitação às Instâncias de Gestão do Projeto, Fóruns, associações comunitárias, cooperativas e instituições governamentais envolvidas no processo de implementação;  Contratação de consultorias e estudos específicos para promover intercâmbios entre os Projetos do FIDA e outras experiências;  Contratação de pessoal, aquisição de material e equipamentos
  • 16. Componente 4: UGP e M&A 1- Pessoal, material e equipamento para a UGP 2- Sistema de M&A baseado em resultados 3- Gestão do conhecimento
  • 17. Financiamento Componente por Financiador (Milhões de US$) 1. Desenvovimento Social e Humano 2. Desenvolvimento Produtivo 4. Fortalecimento Institucional 5. PMU e M&E TOTAL % Estado BenefiFIDA PRONAF Total do Piauí ciários 2,307 % 2,067 - - 4,373 11% 3,768 15,939 2,800 6,670 29,177 75% 0,169 0,794 3,428 1,200 9,671* 20,000 25% 51% - - 0,963 2% 4,628 12% 2,800 7% 6,670 39,141 100% 17% 100% * O aporte Estadual em dinheiro novo é de US$ 7,10 milhões, os US$ 2,57 milhões restantes são aportes já internalizados pelo Estado (materiais e salários). Além disso, pode se reduzir 0,40 milhões sem diminuir as metas do projeto. O aporte médio do Estado seria de 0,96 milhões/ano em sete anos.
  • 18. ORGANOGRAMA DO PROJETO SEPLAN Agência Líder UNIDADE GESTORA DO PROJETO/SDR Executora SEDUC Co-executora EMATER Co-executora Conselho Gestor SDR, SEPLAN, SEDUC, SETRE, EMATER, PROGRAMA MAIS VIVER CIP Conta de Investimentos Produtivos SETRE Co-executora Agências Parceiras: SE BRAE Coopea tivas (Casa Apis) EMBRAPA PRONAF 05 Coordenações Regionais Beneficiários SENAR, SENAI, ONG´s, IFPI, Univers. Escolas Técn.
  • 19. Resultados e Impactos Esperados  Produção e Produtividade agrícola e não agrícola, incrementados;  Emprego, Renda e Ativos, incrementados:  Agrícola e não agrícola;  Individuais e coletivas;  Acesso aos mercados por parte dos pequenos produtores, melhorados;,  Acesso sustentável a serviços de extensão e assistência técnica, melhorados;  Organizações de produtores e participação na governança local, fortalecidas;  capacidades técnicas dos jovens rurais, melhorados;  Práticas ambientais, melhorados.
  • 20. Resultados Sustentabilidade  O Projeto se insere em instituições estatais permanentes, o que dar sustentabilidade institucional ao Projeto  O Projeto, articulado com as políticas nacionais e estaduais de redução da pobreza  O Projeto representa uma ferramenta complementar as políticas e programas governamentais  Apóia o desenvolvimento de organizações de bases autônomas