AQUILO
Quando aquilo apareceu na cidade, teve gente que levou um susto. Teve gente que caiu na risada.
Teve gente que tremeu de medo.  E gente que achou uma delícia.  E gente arrancando os cabelos. E gente soltando  fogos
E gente mordendo a língua, perdendo o sono, gritando viva roendo as unhas, batendo palma, fugindo apavorada e ainda gente ...
Uns tinham certeza de que aquilo não podia ser feito de jeito nenhum.
Outros também tinham certeza. Disseram:  Viva! Que bom. Até que enfim!
Muitos ficaram preocupados. Exigiram que aquilo fosse proibido. Garantiram que aquilo era impossível. Que aquilo era errad...
Outros, tranqüilos, festejaram, deram risadas, comemoraram e, abraçados, saíram pelas ruas, cantando e dançando felizes da...
Alguns, inconformados, resolveram perseguir aquilo. Disseram que aquilo não valia nada. Disseram que era preciso acabar lo...
Muitos defenderam e elogiaram aquilo. Juraram que aquilo era bom. Que aquilo ia ser melhor para todos. Que esperavam aquil...
Alguém decidiu acabar com aquilo de qualquer jeito.
Mas outro alguém disse que não! E foi correndo esconder aquilo devagarinho no fundo do coração.
Caro leitor: aquilo pode ser muitas coisas.
Se sentir vontade pegue um lápis e uma folha de papel e escreva sobre aquilo: diga em sua opinião e em seu sentimento, o q...
Azevedo, Ricardo. Se eu fosse aquilo... In Revista Nova Escola, n169, janeiro/ fevereiro de 2004.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aquilo

1.088 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.088
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aquilo

  1. 1. AQUILO
  2. 2. Quando aquilo apareceu na cidade, teve gente que levou um susto. Teve gente que caiu na risada.
  3. 3. Teve gente que tremeu de medo. E gente que achou uma delícia. E gente arrancando os cabelos. E gente soltando fogos
  4. 4. E gente mordendo a língua, perdendo o sono, gritando viva roendo as unhas, batendo palma, fugindo apavorada e ainda gente ficando muito, muito, muito feliz.
  5. 5. Uns tinham certeza de que aquilo não podia ser feito de jeito nenhum.
  6. 6. Outros também tinham certeza. Disseram: Viva! Que bom. Até que enfim!
  7. 7. Muitos ficaram preocupados. Exigiram que aquilo fosse proibido. Garantiram que aquilo era impossível. Que aquilo era errado. Que aquilo podia ser muito perigoso.
  8. 8. Outros, tranqüilos, festejaram, deram risadas, comemoraram e, abraçados, saíram pelas ruas, cantando e dançando felizes da vida.
  9. 9. Alguns, inconformados, resolveram perseguir aquilo. Disseram que aquilo não valia nada. Disseram que era preciso acabar logo com aquilo ou, pelo menos, pegar e mandar aquilo para bem longe
  10. 10. Muitos defenderam e elogiaram aquilo. Juraram que aquilo era bom. Que aquilo ia ser melhor para todos. Que esperavam aquilo faz tempo. Que aquilo era importante, bonito e precioso.
  11. 11. Alguém decidiu acabar com aquilo de qualquer jeito.
  12. 12. Mas outro alguém disse que não! E foi correndo esconder aquilo devagarinho no fundo do coração.
  13. 13. Caro leitor: aquilo pode ser muitas coisas.
  14. 14. Se sentir vontade pegue um lápis e uma folha de papel e escreva sobre aquilo: diga em sua opinião e em seu sentimento, o que é aquilo, como é aquilo o que aquilo faz, de onde veio aquilo, para onde aquilo vai e que sentido, afinal, aquilo tem. Se quiser, desenhe aquilo também.
  15. 15. Azevedo, Ricardo. Se eu fosse aquilo... In Revista Nova Escola, n169, janeiro/ fevereiro de 2004.

×