FACULDADE REGIONAL DA BAHIA
BACHARELADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO
EM JORNALISMO
FABIANA ARAÚJO DA SILVA
HISTÓR...
FABIANA ARAÚJO DA SILVA
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS PARA ADULTOS: UM
ESTUDO DE CASO DA DC COMICS
Monografia apresentada ao Cur...
FABIANA ARAÚJO DA SILVA
HISTÓRIAS EM QUADRINHOS PARA ADULTOS: UM ESTUDO DE CASO
DA DC COMICS
Monografia submetida à avalia...
A Deus que criou o mistério, a meus pais
que me fizeram numa noite inspiradíssima,
a todos os meus ancestrais que se unira...
AGRADECIMENTOS
A Deus e a todos os anjos e santos que traçaram um destino vibrante que minha
alma se dispôs a viver. Quero...
Obrigada a Johnny Depp por me encantar e me fazer descobrir o que realmente
quero fazer na vida.
Obrigada Bárbara Silva, q...
Obrigada Fábio Lima, meu “Gordinho Sensual” por todas as manhãs de
discussões sobre a vida na Terra, a morte da bezerra, p...
“Não enfrente monstros sob pena de te tornastes
um deles, e se contemplas o abismo, a ti o abismo
também contempla.”
Fried...
SILVA, Fabiana Araújo da. Histórias em quadrinhos para adultos: um estudo de caso
da DC Comics. p. 57. 2009. Monografia – ...
SUMÁRIO
2 QUADRINHOS E BALÕES – DAS TIRINHAS ÀS EDIÇÕES DE LUXO 14
2.1 DAS CAVERNAS AO IPOD 14
2.2 [...] 1938, NASCE O FIL...
INTRODUÇÃO
As histórias em quadrinhos, popularmente chamadas pela abreviação “HQ”
começaram a ser publicadas em jornais no...
11
A DC – Detective Comics é responsável por algumas das histórias consideradas
divisoras de águas entre a passagem da fas...
12
governo dos Estados Unidos, de um psiquiatra e dos pais das crianças que os liam, até que,
por fim, a liberdade chega, ...
13
Antes disso, a visão patriota e moralista dos Estados Unidos era o principal tema das
histórias, que visavam divulgar b...
2 QUADRINHOS E BALÕES – DAS TIRINHAS ÀS EDIÇÕES DE LUXO
Neste primeiro capítulo, trataremos da arte seqüencial2
, a arte d...
15
hoje há uma produção tão grande de histórias que os clássicos não são os únicos a fazer
sucesso entre os fãs de HQs. Ma...
16
Mais tarde, no final do século XIX, os jornais começaram a publicar as tirinhas, alguns
quadros contendo histórias que ...
17
década de 70, quando a Europa (em especial a França e Bélgica) se curvou à
sua arte, tecendo estudos e sistematizando-a...
18
Mesmo antes do ataque japonês à base de Pearl Harbour no estado do Havaí que forçou a
entrada dos Estados Unidos na Gra...
19
Recentemente, em 2009, devido à adaptação cinematográfica do clássico HQ
Watchmen de Alan Moore e Dave Gibbons de 1985,...
20
meteoros e juntamente com estes meteoros veio a nave com o menino, e fragmentos de
Kryptonita, uma pedra verde de suma ...
21
podia ultrapassar uma locomotiva e uma “bomba explosiva” poderia colocá-
lo no chão. Imaginem! O coitado não tinha nem ...
22
Poucos meses depois de ser lançada a Action Comics nº1, a Segunda Guerra Mundial24
explodiu, e o Superman sofreu com a ...
23
segurar os direitos de publicação, estes foram para a Editora Abril até 2002, quando passou
para a editora Panini Comic...
24
Nicholson (1890-1968), a New York Company, que antes de lançar sua primeira revista
mudou de nome para National Allied ...
25
essa rivalidade já rendeu episódios históricos como plágios recíprocos31
, crossovers32
e
processos judiciais.
Vários d...
3 NONAARTE – DAS FRALDAS AO MANICÔMIO
Neste segundo capítulo iremos abordar a evolução na complexidade das narrativas das
...
27
adulto se interessasse por HQ, era automaticamente rotulado como infantil ou alguém que não
tivesse suas faculdades men...
28
no desejo de vingança e nos sentimentos mais obscuros que podem ser despertados em uma
pessoa após sofrer um trauma.
O ...
29
A arte ficou abalada, mas o terremoto, seguido de tsunami, veio mesmo com o livro de
Wertham.
Sedução do Inocente foi o...
30
No primeiro capítulo, algo como “Tais trivialidades como os comics” ele conta casos
médicos que atendeu e sugere que a ...
31
O tempo todo ele alerta aos pais sobre os supostos malefícios dos gibis e não é
surpreendente que uma verdadeira “caça ...
32
Mas não havia somente “boas intenções” neste código. Haviam também traços da
intenção das editoras participantes do CMA...
33
quadrinhos, mas os vilões não são mais mostrados como bandidos idiotas que cometem
crimes motivados por nada, sempre há...
34
3.2 CORPINHO AMERICANO, CABECINHA INGLESA - A INVASÃO BRITÂNICA
E A GUERRA FRIA NOS QUADRINHOS DA DC
A década de 1980 é...
35
Estes três homens e suas mentes acabaram por revolucionar toda uma indústria, que há
muito tempo sofria com histórias f...
36
O mito que gira em torno dos heróis da DC também serão comentados, bem como que
responsabilidade eles tem para com seus...
37
Pensando na necessidade de amadurecimento, eis que a Invasão Britânica nos
quadrinhos dos Estados Unidos na década de 1...
38
De uma narrativa rápida, direta e com gírias e palavrões, os adultos se viram diante de
uma obra digna de lugar especia...
39
As atitudes dos vilões derivam das atitudes dos heróis e vive-versa, enquanto o anti-
herói deriva da complexidade dos ...
40
A história começa mostrando Batman indo visitar seu maior inimigo no sanatório de
Gotham, o Asilo Arkham56
.
No meio da...
41
Mas a vida é cruel, e a conversa com os bandidos é interrompida por dois policiais que
informam ao Coringa que sua espo...
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics

1.207 visualizações

Publicada em

quadrinhos
estudos
análise

Publicada em: Diversão e humor
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

249859283 historias-em-quadrinhos-para-adultos-um-estudo-de-caso-da-dc-comics

  1. 1. FACULDADE REGIONAL DA BAHIA BACHARELADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM JORNALISMO FABIANA ARAÚJO DA SILVA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS PARA ADULTOS: UM ESTUDO DE CASO DA DC COMICS Salvador 2009
  2. 2. FABIANA ARAÚJO DA SILVA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS PARA ADULTOS: UM ESTUDO DE CASO DA DC COMICS Monografia apresentada ao Curso de graduação da Universidade Regional da Bahia. Como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Jornalismo. Orientadora: Bartira Telles Pereira Santos Salvador 2009
  3. 3. FABIANA ARAÚJO DA SILVA HISTÓRIAS EM QUADRINHOS PARA ADULTOS: UM ESTUDO DE CASO DA DC COMICS Monografia submetida à avaliação dos professores integrantes da Banca Examinadora da Faculdade Regional da Bahia – UNIRB, como parte dos requisitos parciais para obtenção do Grau de Bacharel em Jornalismo. Aprovada em 18 de dezembro de 2009. Banca Examinadora ___________________________________________________________________ Bartira Telles Pereira Santos – Orientadora Mestre em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação Universidade Federal da Bahia ___________________________________________________________________ Benedito Carlos Libório Caires Araújo – Mestre em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação Universidade Federal de Santa Catarina. ___________________________________________________________________ Sara de Almeida Borges – Coordenadora Acadêmica Mestre em Direito pelo Programa de Pós-Graduação em Direito Universidade Federal da Bahia Salvador 2009
  4. 4. A Deus que criou o mistério, a meus pais que me fizeram numa noite inspiradíssima, a todos os meus ancestrais que se uniram para que um dia eu existisse, ao meu finado avô que queria me ver na televisão, a minha finada tia dos bolinhos de chuva e a todos os anos de minha infância.
  5. 5. AGRADECIMENTOS A Deus e a todos os anjos e santos que traçaram um destino vibrante que minha alma se dispôs a viver. Quero agradecer a tudo de bom que existe no mundo e por minha vida ser o que é. A minha “mainha” linda, Célia, fofa e das bochechas rosadas, que sempre implica comigo por causa de bobagens do dia a dia e me ajuda de todas as formas possíveis e impossíveis, cuidando inclusive do meu dinheiro e corrigindo meu português ridículo, indo na minha cama e me dando colo, que deixa eu coçar sua cabeça, que me protegeu de ser roubada na maternidade do hospital deitando em cima de mim e quase me sufocando. Ao meu “painho” Arlindo, um pernambucano arretado, que sacrifica dias e noites para nos sustentar, costurando ternos belíssimos, que é bem bravo também e já aprontou poucas e boas, mas que nos ama incondicionalmente. Agradeço a todas as tardes bêbadas nas quais ele pegava minha irmã e eu, e saía conosco para se aventurar em algum morro ou só mesmo pra nos comprar um pirulito ou uma Coca-Cola e todas as manhãs dos dias 2 de novembro no cemitério, limpando e pintando o túmulo de minha querida avó que nem cheguei a conhecer. A minha irmã, minha fofinha e grandona Maria Fernanda, a menina mais linda do mundo, que tem uma habilidade com as mãos e um dom para a vaidade jamais vistos por mim. Que me chama no meio da noite durante seu sono de pedra, que me acompanha sempre que a preguiça deixa, que guarda meus segredos e é, e sempre foi minha companheira de traquinagens, de atear fogo nos papeis higiênicos da lixeira, de estourar montes de bombas no São João. Minha adorada Bolota! A meus tios e tias e primos que estiveram presentes durante a minha vida e aqueles que se importam muito comigo, mas que por força da falta de dinheiro não estão próximos. Obrigada Padrinho e Madrinha, Neves e Jordão, que além de tios são verdadeiros pais pra mim. Obrigada a meus avós, Cecília e Pedro, por todas as tardes maravilhosas no areal do bairro do Verde Horizonte. Obrigada meu Vô Belino, pelas histórias de sua infância na década de 1920, que tanto me fizeram rir. Sua “Palito” agradece infinitamente todos os dias que passamos juntos. Você continua vivo em minha mente e meu coração. Obrigada minha tia Zelina, por todas as tardes na sua casa, admirando seu jardim no beco, no quarto do meu primo escrevendo naquela máquina velha, olhando sempre através das janelas de ferro e vidro que davam para o quintal com areia bege e mato. Obrigada pelos bolinhos de chuva e por se tornar uma das lembranças mais fortes de minha infância. Um dia a gente se reencontra, nem que seja no dia do Juízo Final. Obrigada meninas da comunidade Jack Sparrow e Elizabeth Swann do Orkut, que me divertem e são meu refúgio nos momentos de alegria e tristeza, nossa amizade transcende o preconceito contra amizades virtuais!
  6. 6. Obrigada a Johnny Depp por me encantar e me fazer descobrir o que realmente quero fazer na vida. Obrigada Bárbara Silva, que me fez conhecer as mais belas canções do mundo e que me alegra o coração. A minha artista preferida! Obrigada Yasmim Deschain, por partilhar comigo o amor por Watchmen e por Eddie e Sally! Obrigada Cristiane Silva, sempre sarcástica e Catarina Xavier sempre doce, suas doidas! Obrigada Gustavo Valente, pelas “nerdices” compartilhadas via internet. Obrigada por todos os desabafos recíprocos e por todos os desejos de sucesso! Obrigada pessoal da Escola Luis Rogério. Obrigada Pró Mercês, por tudo que me ensinou e pelo carinho que me dedica. Obrigada Prof. Gabriel, por me repreender por ter riscado a parede. Obrigada Pró Ionara, por me mostrar que eu podia aprender Matemática. Obrigada Pró Gina por devolver minhas revistas de Animes Japoneses. A todos os meus colegas que “pescaram” comigo, que votaram em mim pra vice-líder da sala pra eu poder esconder nossa bagunça. Por todos os jogos de “bafo” de cartinhas Pokémon e as discussões e comentários sobre Dragon Ball Z com os meninos. Por todos os lanches da cantina e empurrões na fila da merenda, por cada feijão voador que atirávamos em quem quer que cruzasse o pátio! Obrigada Colégio Polivalente de Camaçari, meu querido Carandiru, que me fez conhecer as pessoas mais especiais de minha adolescência. Obrigada Elizângela por me salvar e por me mostrar que eu não era tímida e nem tinha motivos pra ser triste. Obrigada Professor Luiz Alberto, que me ensinou Matemática de Verdade. Obrigada a Lucicleide “Creuza” que me divertiu durante um ano inteiro. Obrigada Almir, Anderson, Jean, Everton e Aidan, por todas as tardes de bagunça, por todas as fugas do colégio pra ir ao cinema, por tudo, tudo mesmo! Obrigada Rose e Geisiane, duas doidas que amo! Obrigada pessoal dos ônibus do transporte universitário da prefeitura de Camaçari, estudantes, fiscais e motoristas, por todas as tardes e noites desse calvário que é a faculdade. Obrigada em especial a Maísa, Dil, Leila e Edvânia pela amizade e ajuda na hora do sufoco no meio da estrada quando o ônibus quebra ou quando me atraso. Obrigada pessoal da Oficina de Teatro da Cidade do Saber, por me proporcionarem fazer o que eu realmente amo, que é atuar. Maick e Tato, obrigada por me ensinar o valor que o ator tem no mundo. Obrigada Fernanda Crescêncio, minha irmã Borboleta, por ser parte da minha vida. Jessikona, obrigada por tudo! Obrigada Jucilene Oliveira, por ter me proporcionado um dos trabalhos mais legais do mundo: cuidar da gibiteca da Cidade do Saber, cheia de livros infantis e gibis da Turma da Mônica, dos X-men e Batman. Obrigada a Reginaldo, Ozana, Leninha, Josafá e todos os funcionários da Cidade do Saber pelos dias de aprendizado, trabalho e diversão.
  7. 7. Obrigada Fábio Lima, meu “Gordinho Sensual” por todas as manhãs de discussões sobre a vida na Terra, a morte da bezerra, política, ideologias, a guerra dos sexos e o amado rock’n’roll. Obrigada Cléber Almeida, pela atenção que me dispõe e por compartilhar o amor incondicional ao Corinthians Paulista e ao grunge. Obrigada Erika, Jordânia, Marcela, Agnaldo, Franco, Diego e todos os colegas que passaram pela turma de Jornalismo da UNIRB. Eu sempre soube que seríamos os únicos dos únicos, pois não há no mundo ninguém mais jovem e forte como cada um de nós. Obrigada por cruzarem meu caminho, por todas as “pescas”, por todos os trabalhos, todos os xingamentos, todos os estresses, todas as aventuras, todos os jornais e todas as noites de alegria e agonia na faculdade. Obrigada a todos do Camaçari Notícias por me proporcionarem um contato tão intenso com a arte de ser jornalista. Obrigada aos professores de UNIRB, que suportaram uma turminha tão inquieta e barulhenta. Obrigada especial a Bartira “Tita” Telles, a pró mais fofa que eu já tive, Benedito “Beka”Libório, otaku, Moabe Breno e suas teorias lacanianas, Cláudia Oliveira, Regina Rocha, Herrera, Ricardo, Marta Cardoso, Leila Bárbara, Márcia Rocha, Claudiane e como esquecer do belo professor Marcelo Gentil. Obrigada a Kurt Cobain e Heath Ledger, onde quer que estejam. Meus anjos e minhas inspirações de todos os dias. Obrigada também aos meus inimigos declarados ou não, por tudo de ruim que fizeram comigo, pois me ensinaram que a vida não é um mar de rosas e que nem todo mundo me ama e me quer bem. Enfim, obrigada mais uma vez Deus, por tudo o que vivi, sorri, chorei e sofri nos poucos anos de minha vida, pois sei que todas as pessoas que passam por ela, amigos, inimigos, colegas, têm uma importância incrível, e me ajudaram – mesmo que eu não me recorde delas por um bom tempo ou que elas saibam disso – e que sempre serão parte de meu sucesso, do sucesso que desde os seis anos de idade sei que terei.
  8. 8. “Não enfrente monstros sob pena de te tornastes um deles, e se contemplas o abismo, a ti o abismo também contempla.” Friedrich Wilhelm Nietzsche
  9. 9. SILVA, Fabiana Araújo da. Histórias em quadrinhos para adultos: um estudo de caso da DC Comics. p. 57. 2009. Monografia – Curso de Bacharelado em Jornalismo, Faculdade Regional da Bahia, Salvador, 2009. RESUMO Essa monografia apresenta como objeto de estudo as histórias em quadrinhos para adultos publicadas pela editora norte-americana DC Comics. A DC é uma das maiores editoras do mundo e criadora do gênero de super-heróis. Dona de ícones da cultura pop, como Batman, Superman, Mulher Maravilha, Lanterna Verde, Watchmen, Hellblazer e tantos outros. O estudo de caso dos quadrinhos da DC Comics se torna necessário porque, além de criar um gênero no qual uma gigante indústria de entretenimento se alicerça, a DC revolucionou as formas de fazer gibis nos anos de 1980 do século XX, quando lançou histórias mais maduras que hoje são citadas como obras primas da literatura mundial, além de inovar e introduzir novas estruturações de narrativas, corres e temáticas. Suas obras mais importantes são citadas neste trabalho, bem como os aspectos históricos, psicológicos e sociais da época em que foram concebidos. Um breve histórico da arte e a censura sofrida durante quase 30 anos também é apresentada no texto. Palavras-chave: quadrinhos para adultos, DC Comics, Batman, Watchmen, super-heróis.
  10. 10. SUMÁRIO 2 QUADRINHOS E BALÕES – DAS TIRINHAS ÀS EDIÇÕES DE LUXO 14 2.1 DAS CAVERNAS AO IPOD 14 2.2 [...] 1938, NASCE O FILHO DE KRYPTON 19 2.3 O SURGIMENTO DA DC COMICS 23 3 NONA ARTE – DAS FRALDAS AO MANICÔMIO 26 3.1 A SEDUÇÃO DO INOCENTE E O COMICS CODE – A INFÂNCIA TRAUMATIZADA, PERVERSÃO E DELINÜÊNCIA 26 3.2 CORPINHO AMERICANO, CABECINHA INGLESA - A INVASÃO BRITÂNICA E A GUERRA FRIA NOS QUADRINHOS DA DC 34 4 MOCINHOS, BANDIDOS E JUSTIÇEIROS – CONSTRUÇÃO E DESCONSTRUÇÃO DO MITO 35 4.1 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS PARA ADULTOS – HERÓIS SÃO DESCONTRUÍDOS TÃO BRUTALMENTE QUANTO SEUS VILÕES SÃO PERVERSOS 36 4.2 ANTI-HERÓIS – VILÕES, HERÓIS, UM POUCO DOS DOIS OU NENHUM? 38 4.3 WATCHMEN – A LINHA TÊNUE ENTRE VIGILANTISMO E VILANISMO 45 CONSIDERAÇÕES FINAIS 53 REFERÊNCIAS 55
  11. 11. INTRODUÇÃO As histórias em quadrinhos, popularmente chamadas pela abreviação “HQ” começaram a ser publicadas em jornais no final do século XIX. Os super-heróis, que hoje povoam as HQs, surgiram nas páginas das revistas da DC Comics e foram publicados com a intenção de serem modelos de bondade, altruísmo, força e benevolência para com as pessoas de bem, suas narrativas eram simplistas e direcionadas ao público infantil. Eles eram exemplos da moral pregada na sociedade do início do século XX. No decorrer de sua breve história, os heróis dos quadrinhos passaram por transformações, o contexto histórico e político da época em que foram criados mudou com o passar dos anos e por conta disso vieram as inevitáveis adequações para que se encaixassem no novo panorama cultural mundial. Nos anos 80 do século XX, as narrativas dos quadrinhos passaram a mostrar um lado mais obscuro e cru da sociedade e as histórias ficaram mais sombrias, os super-heróis começaram a ter sua imagem quase divina sendo desconstruída e se viram paulatinamente transformados em anti-heróis, personagens que têm algumas atitudes dignas do heroísmo clássico, mas que agem assim por motivos egoístas ou distorcidos e se negam a serem chamados de heróis. Também são, na maioria das vezes, vilões que causam empatia no leitor por tomarem atitudes aparentemente inexplicáveis e dignas dos heróis. A linha que separa anti-heróis de vilões é tênue, pois um deriva da complexidade de atitudes do outro, que por sua vez, derivam do modo de agir heróis. Nos quadrinhos, muitos heróis famosos se tornaram tão imperfeitos quanto quaisquer seres humanos e passíveis de erros, dos menores aos que poderiam causar catástrofes em escala mundial, de acordo com a carga de poder da personagem. A densidade psicológica das personagens, dos heróis e principalmente dos anti-heróis e vilões passou a ser regra para chamar a atenção do público adulto que cada vez mais se identificava e era seduzido com essas narrativas mais maduras e complexas, na maioria das vezes questionadoras de aspectos da vida social. O tratamento de temas polêmicos como violência em todas as suas formas, sexo, perversões e a densidade das narrativas chamaram a atenção tanto dos adultos como das crianças “prodígio”, sedentas cada vez mais por temas obscuros e proibidos para eles, temas estes que antes não eram abordados em quadrinhos.
  12. 12. 11 A DC – Detective Comics é responsável por algumas das histórias consideradas divisoras de águas entre a passagem da fase infantil para adulta dos quadrinhos. Em 1986, a DC lançou Watchmen de Alan Moore e Dave Gibbons, considerada por críticos, aficionados e especialistas na área de quadrinhos como a melhor graphic novel (romance gráfico) já escrita e a que mais se aproxima do que Will Eisner1 (1917-2005) chamou de narração seqüencial. Watchmen hoje é citada como um exemplo a ser seguido graças a sua qualidade narrativa, assim reconhecida por ter introduzido uma linguagem e abordagem mais madura, antes só usada em HQs undergrounds (alternativas). Isso marcou o início das HQs adultas da DC e de toda a indústria, pois antes de Watchmen, a opinião era de que a história em quadrinhos era um gênero infantil e também não era considerada literatura. Com o sucesso de Watchmen, lançado em 12 volumes, entre 1986 e 1987, as graphic novels passaram a ser um formato amplamente utilizado. Watchmen, juntamente com A Queda de Murdock e Batman – O Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller e Maus, de Art Spigelman iniciou o interesse dos adultos por histórias em quadrinhos. A DC foi pioneira em dar espaço para escritores e desenhistas colocarem em prática seus sonhos de “fazer os quadrinhos crescerem”, para que acompanhassem os que são adultos, mas que liam gibis quando criança e também para chamar atenção para essa arte por parte dos que sempre a consideraram diversão infantil. Os autores viram nesse público mais adulto um modo de tornar a arte mais séria, mais complexa e envolvente. O resultado dessa visão foi a elevação dos quadrinhos à categoria de literatura. Logo depois surgiram os prêmios mais famosos, o Kirby Awards e o Will Eisner Comic Industry Awards (mais conhecido simplesmente por Eisner), que premiam os melhores dos quadrinhos de narrativa seqüencial. Hoje, a DC é considerada responsável pelos super-heróis mais sombrios e humanos e pelos vilões mais loucos dos quadrinhos populares, como por exemplo, John Constantine de Hellblazer e o idolatrado Curinga, o maior inimigo do Batman. A editora mantém o selo Vertigo, criado em 1993 e voltado estritamente para o público adulto, com histórias que expõem sexo, violência, uso de drogas, perversões e temáticas profundas, polêmicas e controversas. A relevância desta monografia consiste em lançar uma luz sobre todo o processo de amadurecimento dos quadrinhos de super-heróis, desde os primeiros anos, os anos da inocência nas narrativas, até o calvário, com perseguições ideológicas, censura por parte do 1 Um dos maiores e mais importantes artistas, o maior influenciador dos quadrinhos e um dos que mais ajudaram no desenvolvimento da arte. Credita-se a ele a criação do estilo de graphic novel, quando lançou A Contract with God (Um Contrato com Deus) em quatro volumes no ano de 1978.
  13. 13. 12 governo dos Estados Unidos, de um psiquiatra e dos pais das crianças que os liam, até que, por fim, a liberdade chega, e primeiramente nas páginas da DC. O motivo pelo qual o tema foi escolhido para este estudo está no fato de que a DC Comics é uma das maiores e mais influentes editoras de quadrinhos no mundo inteiro e suas obras adultas são comprovadamente marcos na história dos quadrinhos e da passagem das narrativas da fase infantil para a adulta. Deste modo, esta pesquisa visa analisar suas obras adultas, os mecanismos de construção das narrativas e de seus personagens, principalmente anti-heróis e vilões, sua influência nas artes literária, visual e seqüencial, já que a editora foi a primeira a apresentar o formato de publicações que conhecemos hoje, publicando HQs não somente em tiras fragmentadas em jornais como eram publicadas no inicio do século XX, mas as compilando em revistas. Em 1938, foi a primeira a introduzir os super-heróis nos quadrinhos, quando publicou a revista Action Comics, que trazia histórias de ação e aventura e apresentou os dois heróis mais famosos da editora e da história dos quadrinhos, o Superman (ou Super-Homem) que apareceu em 1938, no primeiro exemplar, e Batman em 1939. Com as mudanças políticas, culturais e sociais desde sua criação, os heróis passaram por transformações para se adequarem aos novos padrões da sociedade. As histórias em quadrinhos hoje movimentam um grande mercado e o amadurecimento das narrativas se dá com mais força a partir da década de 1980 com a publicação de Watchmen de Alan Moore e Dave Gibbons. Publicada entre 1986 e 1987, Watchmen é uma graphic novel que hoje é considerada muito mais que uma mini-série, de gibis por sua importância na literatura mundial, que desconstrói o mito dos heróis os retratando como humanos que vestem capa e acham que podem fazer “justiça”, o que acaba transformando-os em anti-heróis e quase vilões diante de uma série de infortúnios no auge da Guerra Fria. O Cavaleiro das Trevas de Frank Miller, um dos maiores roteiristas da atualidade, humanizou o herói ao ponto dele hoje poder ser considerado quase um anti-herói devido às suas reações e ações para com bandidos e seus maiores vilões. Nessa história, Miller transforma o Batman em um homem obsessivo, psicologicamente abalado com a morte de Robin, aposentado e atormentado por seu maior inimigo, o Coringa. O processo de renovação das personagens antigos e a inserção de novas personagens e tramas mais complexas do que o “mamão com açúcar” dos quadrinhos de antes da década de 1980, é um dos principais causadores do fenômeno chamado anti-heróis.
  14. 14. 13 Antes disso, a visão patriota e moralista dos Estados Unidos era o principal tema das histórias, que visavam divulgar boas maneiras, praticar o bem e defender os “fracos e oprimidos” dos vilões, que nessa época eram abordados de maneira ridícula, pejorativa, mais digna de pena do que ódio mortal. Para melhor compreender esse fenômeno, é preciso analisar a natureza das transformações da sociedade e dos quadrinhos ao longo do século XX e seu impacto na vida das pessoas, pois os anti-heróis não são nem mocinhos nem vilões, são o meio termo, estão na beira do abismo, mas algumas vezes cometem atos que os redimem de quaisquer outros que possam ter sido falhos. Os anti-heróis hoje são cultuados por sua brutalidade, crueza e rigidez moral e/ou amoral, moral no sentido de que ninguém os convence de outra coisa que não esteja de acordo com seus princípios, muitas vezes visões distorcidas da realidade social e da moral pregada pela sociedade. É imprescindível dissecar os anti-heróis e os vilões das HQs adultas, para melhor entender o seu papel na história, pois muitas vezes, quando não estão no papel do herói, eles roubam a cena. Para o desenvolvimento desde trabalho, foi usada uma pesquisa de natureza exploratória, foi feita através de revisão de literatura. Foram utilizados autores consagrados no gênero, como estudiosos, roteiristas e desenhistas, além de fontes complementares como livros, teses, artigos e dissertações nas áreas de Comunicação, Filosofia e Arte cujo tema seja quadrinhos, política, cultura, arte, moral e história.
  15. 15. 2 QUADRINHOS E BALÕES – DAS TIRINHAS ÀS EDIÇÕES DE LUXO Neste primeiro capítulo, trataremos da arte seqüencial2 , a arte de contar histórias na ordem em que as coisas acontecem, arte esta que pode ser notada desde as paredes dos templos egípcios até as compilações e edições de gibis3 de luxo. O surgimento dos super-heróis na década de 1930, ocorrido nas páginas da Action Comics da editora norte-americana DC Comics, um dos primeiros comic books4 a publicar histórias compiladas numa revista só, ao contrário do que ocorria na época5 , também é de total importância. Outro dado importante neste capítulo é a relação entre as HQs6 e a Imprensa, já que as tirinhas e charges são, de certa forma, uma tradição nos jornais desde seu surgimento na virada do século XIX até os dias de hoje. 2.1 DAS CAVERNAS AO IPOD Atualmente as histórias em quadrinhos fazem parte da vida de qualquer pessoa que tenha acesso a jornais, revistas, internet. Elas são publicadas e produzidas em várias partes do mundo e não só no modelo tradicional de tiras de jornais ou revistas, mas também em sites na forma de séries, charges ou críticas a um assunto relevante. Ao longo dos mais de 80 anos de publicações periódicas de gibis, o modo de adquirir e ler HQs mudou muito. Quando pensamos em quadrinhos, logo Batman, Superman, Homem-Aranha, X-men e Turma da Mônica vêm à mente. Para a “geração internet” essa premissa ainda é válida, mas 2 É um termo criado pelo desenhista e escritor Will Eisner em seu livro Quadrinhos e Arte Seqüencial, onde define a arte seqüencial como “um veículo de expressão criativa, [...] uma forma artística e literária que lida com a disposição de figuras ou imagens e palavras para narrar uma história ou dramatizar uma idéia.” (EISNER, 1989: 7). O termo também serve para designar as histórias em quadrinhos de um modo geral. 3 No Brasil, gibi é como as revistas onde se publicam histórias em quadrinhos são conhecidas. O Gibi era o nome de uma revista publicada em 1939. Nesta época, gibi “significava moleque, negrinho, porém, com o tempo a palavra passou a ser associada a revistas em quadrinhos e, desde então, virou uma espécie de ‘sinônimo’”. Disponível em: http://www.universohq.com/quadrinhos/museu_gibi.cfm. Acesso em 28 de novembro de 2009. 4 Em inglês significa livro cômico. Os comic books também podem ser conhecidos simplesmente por comics. As primeiras histórias em quadrinhos publicadas tinham, em sua maioria, teor cômico, irônico e por esta razão os gibis nos Estados Unidos até hoje são assim conhecidos. 5 Nessa época, na década de 30 do século XX, a forma mais popular de se publicar histórias em quadrinhos era no formato das tiras – que podem ser entendidas como uma seqüência de cinco ou seis quadros nos quais uma pequenina história sobre algum personagem falando sobre a mitologia de seu universo ficcional, a realidade do mundo na época de sua publicação ou uma crítica social geralmente bem humorada, apesar de quase sempre ácida. Eram publicados em jornais. 6 Abreviação brasileira para histórias em quadrinhos.
  16. 16. 15 hoje há uma produção tão grande de histórias que os clássicos não são os únicos a fazer sucesso entre os fãs de HQs. Mas esse é um assunto para mais adiante. Por agora, comecemos do princípio. Segundo René Gomes Rodrigues Jarcem em seu artigo “História das Histórias em Quadrinhos” para a revista online especializada em HQs, História Imagem e Narrativas, as primeiras manifestações desse tipo de arte “são no começo do século XX, na busca de novos meios de comunicação e expressão gráfica e visual. Com o avanço da imprensa, da tecnologia e dos novos meios de impressão possibilitaram o desenvolvimento desse meio de comunicação de massa.” (JARCEM, 2007: 2) Mas pode-se dizer que a arte seqüencial, no seu significado mais primitivo, surgiu juntamente com os homens das cavernas no período Paleolítico7 . Para embasar este pensamento, basta observar que os desenhos rupestres dos nossos antepassados das cavernas contavam a história do seu cotidiano através de cenas que representavam as caças, rituais, sexo, enfim, tudo da natureza a sua volta. Os homens daquela época ainda não haviam desenvolvido a escrita e essa forma de contar histórias, de se comunicar através de desenhos gravados nas pedras pode ser considerada arte seqüencial. (ALVES, 2003: 7) As paredes dos monumentos egípcios, também nos servem de exemplo, pois a vida dos faraós, nobres, sacerdotes e seus deuses era contada através de relevos desenhados em tumbas, pirâmides, palácios, papiros e templos. (McCLOUD, 1995: 13-14) Outro exemplo vem da Igreja Católica, que através de desenhos em catedrais e vitrais, contam a vida de anjos, de seus santos e do Cristianismo, prática que vem desde a Antiguidade e Idade Média, até os dias atuais. (ALVES, 2003: 7-8) Segundo McCloud (1995: 12), a Bayeux Tapestry do século XII também é um fantástico exemplo de como a arte seqüencial é mais antiga do que o próprio criador do termo, o escritor e desenhista Will Eisner. Não se sabe ao certo quem bordou a tapeçaria, mas esta obra de cerca de 70 metros de comprimento foi encomendada pelo bispo Odo de Bayeux em homenagem ao seu irmão, Guilherme, O Conquistador. Ela mostra cenas com a vida dos nobres no final do século XI e a batalha de Hastings, na qual as forças de Haroldo II, rei da Inglaterra, foram derrotadas por Guilherme da Normandia, no ano de 1066 da Era Cristã. Com 58 cenas, a tapeçaria é uma representação histórica nos moldes da arte seqüencial.8 7 Conhecido também como a Idade da Pedra Lascada. Compreende o período que vai de 2,7 milhões de anos atrás até 10.000 a.C., ou seja, o maior da história humana. Data dessa época os primeiros vestígios de arte rupestre. Disponível em: http://www.brasilescola.com/historiag/paleolitico.htm. Acesso em 28 de novembro de 2009. 8 Ver mais em: http://www.ricardocosta.com/textos/bayeux1.htm. Acesso em 5 de outubro de 2009.
  17. 17. 16 Mais tarde, no final do século XIX, os jornais começaram a publicar as tirinhas, alguns quadros contendo histórias que divertiam despretensiosamente ou criticavam de maneira lúdica, mas muitas vezes ferrenha, algo que incomodava ou era relevante naquela época. Em 5 de maio 1895 uma tirinha sob o nome de At the Circus in Hogan’s Alley (que pode ser livremente traduzido como No Circo no Beco Hogan) de Richard Felton Outcault foi publicada no jornal The New York World, que pertencia a Joseph Pulitzer9 , no qual apresentou a personagem The Yellow Kid (O Menino Amarelo) e que hoje é considerada por muitos autores e estudiosos da história das HQs como a primeira história em quadrinhos da história norte-americana. Era uma tirinha semanal que mostrava meninos pobres do Hogan’s Alley (Beco Hogan). Um deles, o tal Menino Amarelo, era um moleque feio, de cabeça e orelhas grandes, de aparência oriental e vestido num camisolão amarelo que sempre trazia uma frase, acabou por chamar a atenção do público. Em 1896, a tirinha sob o nome de The Yellow Kid, começou a ser publicada semanalmente no New York Journal, jornal para o qual Outcault se transferiu neste mesmo ano e pertencente ao rival de Pulitzer, William Randolph Hearst. Mas o World continuou a publicar a tirinha, com os mesmos elementos e personagens criados por Outcault, o que originou a primeira batalha judicial envolvendo direitos de um personagem. (LUCCHETTI, 2001) Mesmo utilizando-se da técnica da época, que unia desenhos e textos, Outcault acrescentou algo mais que acabou por diferenciar sua arte de tudo o que já tinha sido feito até então: ele introduziu balões para abrigar as falas das personagens. (JARCEM, 2007: 2) Por este motivo, The Yellow Kid pode ser considerada a primeira história em quadrinhos do mundo, nos moldes que hoje conhecemos. A rivalidade entre estes dois jornais era tão forte que acabou por proporcionar à arte a oportunidade para crescer e influenciar o modo de se produzir um filme para o cinema.10 Os jornais traziam um novo meio de comunicação, mais acessível ao grande público e com linguagem simples que pudesse ser facilmente compreendida e os quadrinhos numa feliz união, conseguiram “pegar o barco” e se popularizaram dessa forma barata. As Histórias em Quadrinhos (HQ) tornaram-se assim conhecidas a partir de sua disseminação por jornais e revistas, impulsionadas pela tecnologia da impressão gráfica, desde o fim do século XIX, alcançando seu apogeu na 9 Foi um jornalista e editor famoso dos Estados Unidos. O Prêmio Pulitzer, que premia jornalistas do mundo todo é em sua homenagem. 10 Ver mais em ALVES, Bruno Fernandes. Superpoderes, malandros e heróis: o discurso da identidade nacional nos quadrinhos brasileiros de super-heróis. Universidade Federal de Pernambuco – Centro de Artes e Comunicação, Programa de Pós-graduação em Comunicação: Recife, 2003. Pág. 9.
  18. 18. 17 década de 70, quando a Europa (em especial a França e Bélgica) se curvou à sua arte, tecendo estudos e sistematizando-as como arte. Apesar disso, a proto-história dos quadrinhos, se assim se pode dizer, permeou todos os períodos históricos culturais da raça humana, incluindo a própria pré- história, com as garatujas e pinturas rupestres, passando pelas artes religiosas nas catedrais e livros santos, em paralelo à formatação das escritas, inicialmente pictográficas, e posteriormente ideográficas, culminando na arte madura que influenciou a cinematografia. (ANDRAUS, 2005: 4) Como resultado desse casamento entre jornais e tirinhas, os HQs se tornaram hábito de leitura, que diverte, entretém e critica, na forma de charges ou caricaturas de pessoas públicas, até histórias envolvendo o dia a dia de cada época. Os quadrinhos encontraram a parceira ideal para tornar a arte conhecida. Desde a primeira aparição dos quadrinhos na imprensa diária, na virada do século, essa forma popular de leitura encontrou um público amplo e, em particular, passou a fazer parte da dieta literária inicial da maioria dos jovens. As histórias em quadrinhos comunicam uma “linguagem” que se vale da experiência visual comum ao criador e ao público. (EISNER, 1989: 7) Uma das características mais marcantes dos quadrinhos, principalmente dos norte- americanos, é se adequar à época em que são produzidos. Sempre há uma referência da sociedade contemporânea à produção e, muitas vezes, é fatalmente necessária a adequação do conteúdo à situação em que o mundo vive em dada época.11 As Histórias em Quadrinhos, como todas as formas de arte, fazem parte do contexto histórico e social que as cercam. Elas não surgem isoladas e isentas de influências. As ideologias e o momento político e social moldam, de maneira decisiva, até mesmo o mais descompromissado gibi. (DUTRA, 2002: 8) Momentos históricos sempre influenciaram enredos dos HQs. Exemplo disso eram as histórias publicadas no auge da Crise Econômica de 1929, que alguns dizem ter sido o momento propício para que surgissem os super-heróis, pois o povo americano precisava de seres quase divinos como modelos de virtude, força e perseverança frente a desafios fantásticos, pois com uma crise de tal magnitude, até o mais cético precisa de alguma fantasia como refúgio. A Segunda Guerra Mundial, no final da década de 1930, é outro exemplo, já que os heróis geralmente estavam lutando contra os inimigos da América e os Nazistas12 . 11 Exemplo disso é o Capitão América, da Marvel Comics, que surgiu especialmente para combater o mau na Segunda Guerra Mundial, tanto que em sua primeira aparição numa revista, ele estava lutando contra Adolf Hitler. Ver mais em: http://www.mundohq.com.br/site/detalhes.php?tipo=26&id=32. Acessado em 28 de novembro de 2009 12 São conhecidos como nazistas todos aqueles que lutavam em prol da Alemanha comandada por Adolf Hitler na Segunda Guerra Mundial, conflito que durou de 1938 a 1945. Ver mais sobre o Nazismo e todo o histórico da guerra em: http://www.2guerra.com.br/. Acessado em 29 de novembro de 2009.
  19. 19. 18 Mesmo antes do ataque japonês à base de Pearl Harbour no estado do Havaí que forçou a entrada dos Estados Unidos na Grande Guerra, os heróis já haviam começado sua luta contra os inimigos da “justiça e da moral” norte-americana. “O período que se abre em 1929 e termina com o início da Segunda Guerra Mundial constitui uma idade de ouro para o novo meio de expressão devido em parte à considerável ampliação temática produzida pela introdução da mitologia aventureira, que implicou uma notável ampliação da esfera dos seus leitores. Esta mutação processou-se debaixo da influência do naturalismo da imagem cinematográfica, que constituía então o espetáculo- rei das massas, e da do realismo próprio da ilustração dos magazines e da publicidade (cuidado com o pormenor, sombreado tridimensional, etc.). Uma nova geração de desenhistas, formados nas academias de arte e com prévia prática de ilustradores, conseguiram distanciar-se do estilo bufo e do grafismo caricaturesco a que permaneciam agarrados os comics, desligando- os da tradição da anedota gráfica em direção à da novela de aventuras, cujas dimensões e enredos obrigaram a seriar os episódios” (GUBERN, 1979: 96 apud VIANA, 2004: 3-4). Há milhares de diferenças, seja na forma de construção da narrativa, dos diálogos ou das situações nas quais as personagens das histórias estão envolvidas, desde as primeiras publicações até hoje. A forma de estruturar a narrativa e a abordagem de temas modernos provavelmente seriam dignas de estranhamento pelos leitores da Era de Ouro dos Quadrinhos.13 Nessa época a arte ainda estava se desenvolvendo, os desenhos eram simples, assim como alguns argumentos14 de roteiro. Atualmente, pode-se ter acesso a quadrinhos não só do modo tradicional, comprando gibis, mas também acessando sites de HQs independentes ou blogs, redes sociais e HDs virtuais15 de disponibilizam versões digitais de gibis famosos sem autorização das editoras. Basta alguém ter em mãos um exemplar do HQ, uma câmera fotográfica digital ou um aparelho de scanner, arquivar as imagens das páginas num site de hospedagem de arquivos e compartilhar o link. 13 A história das histórias em quadrinhos é geralmente divida em três eras: a de ouro, a de prata e a de bronze. Era de Ouro dos Quadrinhos é entendida pelo período de produção, desenvolvimento e popularização dos quadrinhos norte-americanos, que na maioria das vezes é considerado entre 1938 até o final dos anos de 1950. A Era de Bronze é considerada entre 1950 e 1970 e a Era de Bronze se estende de 1970 até não se sabe onde, pois artistas e estudiosos ainda não chegaram a um consenso. 14 O termo “argumento” durante a criação de histórias em quadrinhos pode ser descrito como “alguns parágrafos delineando o básico da história.” (O’NEIL, 2005: 26) 15 São sites que funcionam como o HD (disco rígido) de um computador normal e guardam os mais diversos arquivos. O usuário se cadastra e envia ao site seus arquivos que através de um link podem ser compartilhados com todos os usuários da internet. Os sites mais utilizados são o 4shared, Easyshared, Rapidshare, Megaupload.
  20. 20. 19 Recentemente, em 2009, devido à adaptação cinematográfica do clássico HQ Watchmen de Alan Moore e Dave Gibbons de 1985, uma nova mídia foi lançada: a motion comic16 . O motion comic consiste em um arquivo digital onde imagens contendo as páginas do gibi em questão podem ser visualizadas em animação, mas numa animação bem primitiva, como o storyboard de alguns filmes. Os textos contendo as falas dos personagens podem ser lidos e ao mesmo tempo ouvidos através do áudio que acompanha cada cena. É como um desenho animado, mas bem simples em termos de movimento. O Motion Comic de Watchmen foi lançado pouco depois da estréia do filme nos cinemas e é vendido em dois discos nos formatos para DVD e Blu-ray17 . O arquivo pode ser executado também em celulares, iPods18 e qualquer plataforma digital que leia o arquivo. A modernidade realmente chegou aos quadrinhos e a indústria da nona arte percebeu que o mercado é hoje é grande e muito lucrativo. Aficionados e colecionadores ficam em polvorosa sempre que uma HQ ganha espaço numa nova mídia, como um filme, ou é simplesmente lançado acompanhado de bonecos, roupas, assessórios e tudo o que possa ser fabricado com a marca de sua personagem favorita. As edições de luxo, vendidas a preços altos, também fazem muito sucesso e são um sinal de status no mundo dos fanáticos ter uma dessas em casa. 2.2 [...] 1938, NASCE O FILHO DE KRYPTON O Superman, ou em português, Super Homem, é comprovadamente o primeiro super- herói dos quadrinhos. (ALVES, 2003: 11) Apareceu pela primeira vez na Action Comics nº1, revista considerada revolucionária porque criou o gênero de super-heróis. Claro que haviam heróis nas tiras diárias dos jornais, como O Fantasma (1936), Popeye (1929) e tantos outros, mas heróis com super-poderes, que iam além da maior força física do mais forte ser humano que pudesse existir, era a primeira vez que alguém via. Criado por Jerry Siegel e Joe Shuster, Kal-El é um extraterrestre que veio parar na Terra depois que seus pais o enviaram numa espaçonave para salvá-lo da destruição do seu planeta natal, Krypton. Quando o planeta explodiu, o efeito aqui na Terra foi uma chuva de 16 Em inglês, numa tradução literal, significa cômico em movimento, ou seja, gibi em movimento. 17 Blu-ray é um novo formato de mídia que consiste num disco com capacidade de armazenamento de arquivo e qualidade de áudio e imagem muito superiores ao DVD comum. Ver mais informações em: http://tecnologia.uol.com.br/ultnot/2007/03/02/ult4213u43.jhtm. Acessado em 28 de novembro de 2009. 18 É um moderno tocador de arquivos de mp3 (áudio) da marca Apple.
  21. 21. 20 meteoros e juntamente com estes meteoros veio a nave com o menino, e fragmentos de Kryptonita, uma pedra verde de suma importância dentro da mitologia do Superman. O menino foi encontrado por um casal, que acabou o criando e batizando-o como Clark Kent. Até hoje essa versão de sua origem é a mais utilizada pelos roteiristas na DC Comics. Superman foi criado originalmente como vilão e publicado em 1933 numa fanzine19 () dos amigos adolescentes Siegel e Shuster chamada Science Fiction: The Advance Guard of Future Civilization, onde aparecia a primeira história do Superman denominada The Reign of the Superman. Nesta história, o Superman não era um super-herói, ele nem sequer era herói. Era um cientista louco com poderes da mente. 20 Este primeiro Superman da fanzine, parece se aproximar mais da origem do próprio termo Superman derivado do alemão Übermensch21 , que se originou no livro Assim falou Zaratustra22 do filósofo também alemão Friedrich Nietzsche, no qual descrevia os passos que um homem devia seguir para se tornar um Super Homem, um ser superior justamente por buscar o poder, se rebelar contra aquilo que lhe desagrada como preceitos morais, religiosos e de comportamento e procurar criar uma nova ordem, baseada no amor incondicional à terra onde se vive e a condenação de qualquer tipo de pregação da idéia de que a felicidade só pode vir após a morte e depois de uma vida de pobreza e resignação. Ao longo dos anos, o Superman mudou. Não que ele tenha se tornado um anti-herói, ou coisa parecida. Ele ainda prega bondade e justiça, o público continua sendo atraído por ele, mas a complexidade da trama foi se moldando ao contexto social e científico da modernidade de modo que, o personagem ganhou diversos novos super-poderes e a personalidade de Clark Kent evoluiu consideravelmente, adquirindo uma profundidade e riqueza de detalhes, tanto no figurino quanto na história e personagens que o rodeiam, que hoje sustentam todo o seu universo, como explica Dennis O’Neil no Guia Oficial DC Comics – Roteiros: O Super-Homem que apareceu em Action Comics nº 1, datado de junho de 1938, e o Super-Homem de qualquer outra edição de Action que hoje chega na sua loja de quadrinhos, são criaturas diferentes. Claro, o uniforme é similar (embora o traje de hoje em dia seja mais lustroso) e nomes de alguns personagens de apoio são os mesmos, bem como os nomes de locais (embora o primeiro Super-Homem operava em Nova York, não em Metrópolis). Mas o Super-Homem dos anos 1930 era mais duro, mais impetuoso e muito menos forte. Ele podia saltar no máximo um quilômetro de distância, mal 19 Aglutinação do inglês fanatic magazine, que significa revista de fã. 20 Ver mais na matéria “Afinal, quem é dono do Superman?” publicada no site especializado Universo HQ Disponível em: http://www.universohq.com/quadrinhos/2009/superman.cfm. Acessado em 17 de agosto de 2009. 21 Significa Super-Homem em alemão. 22 Publicado originalmente em três partes, entre 1883 e 1898. Sua narrativa se assemelha à narrativa bíblica, dividida em versos.
  22. 22. 21 podia ultrapassar uma locomotiva e uma “bomba explosiva” poderia colocá- lo no chão. Imaginem! O coitado não tinha nem visão de raios-X. (O’NEIL, 2005: 109) O’Neil (2005: 109) também destaca que o personagem de hoje lembra um deus na Terra, tanto é que um de seus apelidos é Homem de Aço por conta da força da raça kryptoniana, mas que não perde o caráter humano que recebeu a partir de sua educação e vida rodeadas de humanos imperfeitos e sem nenhum poder extraordinário. O ideal do Superman, como o nome evoca, deveria ser um perfeito, sem as limitações físicas típicas dos seres humanos. Só que o caráter emocional pode interferir e neutralizar os seus super-poderes, ou pior, fazê-lo cometer atos impensados que para uma pessoa normal seria ruim e trágico e que no caso dele, seria catastrófico para todo o mundo. O caráter humano está intrínseco no Superman, não apenas no seu alter ego23 , Clark Kent, mas também em todas as ações para defender a humanidade. E essa humanidade significa quase que exclusivamente: povo americano. Segundo O’NEIL (2005:67), quando se define uma personagem, tem que se definir também o que ele quer, o que ama, o que teme e o porquê de se envolver nessas situações que o leva a aventuras fantásticas. A resposta para o que o Superman faz é bem simples: o Homem de Aço quer “sustentar os valores que adotou de seus pais adotivos e se integrar na cultura do mundo que agora é seu lar”, ele ama a “verdade, justiça e o modo americano”, o que ele teme muitas vezes não está explícito no texto, mas pode ser a kryptonita que o enfraquece, a violência que seus vilões empregam e a vida que ele, porventura, pode não ter a chance de salvar. Por fim, o porquê de o Superman se envolver em situações de perigo, é que esse é o seu trabalho como super-herói e como cidadão americano. Como o Superman é um personagem clássico, a fórmula é praticamente a mesma desde a década de 1930: algo extraordinário acontece nos Estados Unidos ou envolvendo os americanos. Então o Superman se envolve, seja por se sentir obrigado a salvar sua pátria, o “mundo”, ou alguém muito próximo a ele, como sua mãe, um amigo ou algum interesse romântico, no caso dele, a jornalista e colega de trabalho Lois Lane. Uma característica que pode ser observada na maioria dos heróis norte-americanos é que são extremamente territoriais, raramente saem de suas cidades ou países para lutar pela justiça ao redor do mundo. 23 Termo derivado do latim e significa “outro eu”. Geralmente o termo é empregado para identificar a identidade secreta de algum super-herói ou vice-versa.
  23. 23. 22 Poucos meses depois de ser lançada a Action Comics nº1, a Segunda Guerra Mundial24 explodiu, e o Superman sofreu com a inevitável associação de seu nome com alguns dos ideais nazistas, que por sua vez eram associados a distorções do que pregava o filósofo alemão Friedrich Nietzsche que criou a expressão Super-Homem, além de que o personagem era o modelo físico pregado por Hitler e seus seguidores como o humano ariano e perfeito: branco, olhos azuis, porte atlético e rigidez moral – seja ela o que for e de onde for, alemã ou norte-americana. (JARCEM, 2007: 3) O Superman enfrentou o fantasma do nazismo e suas comparações durante a Era de Ouro, mesmo antes dos Estados Unidos entrarem oficialmente na Segunda Guerra. Quando os americanos entraram na guerra, o que se via nos quadrinhos de super-heróis era a promoção da guerra através de histórias e desenhos que pregavam a justiça e o american way of life (modo de vida americano). Ler Superman hoje, e lembrar-se de como e quando surgiu, a que rumos os roteiristas o levaram, é muito importante para entender a evolução desse tipo de mídia – os quadrinhos de super-heróis – sua evolução através dos anos, suas adequações de década a década. Depois do debut25 do Superman, pode-se dizer que milhares de super-heróis nasceram e morreram, e que esse ramo de mercado sustenta uma poderosa indústria de entretenimento, arte e difusão de cultura estadunidense26 . Como ocorre com todos os personagens do Universo DC, o Superman sofreu várias alterações, não somente as que o fizeram super-herói extraterrestre nos primórdios da Era de Ouro, mas em toda sua origem. É comum acontecer isso nos Estados Unidos, porque diferente de outros lugares no mundo (como no Japão, por exemplo), não são sempre as mesmas pessoas que escrevem os roteiros ou desenham os personagens. Mesmo com todas as mudanças, o Superman nunca perde sua essência e ainda continua sendo o expoente máximo na DC Comics de promoção dos ideais dos Estados Unidos. O Homem de Aço apareceu no Brasil em 1939 no suplemento infanto-juvenil A Gazetinha, do jornal A Gazeta do Povo. Mais tarde, foi publicado por 35 anos pela Editora Brasil-América Limitada, a EBAL, de 1947 a 1983. Quando a EBAL não conseguiu mais 24 A Segunda Guerra Mundial ocorreu de setembro de 1938 a setembro de 1945. 25 Debut em francês, significa começo. O termo é utilizado para se referir a estréia, apresentação. Por conta desta palavra francesa existem as festas de debutante, que tem como principal objetivo apresentar a menina que sai da infância e passa a ser considerada uma moça. É o início da vida social. 26 Ver mais em ALVES, Bruno Fernandes. Superpoderes, malandros e heróis: o discurso da identidade nacional nos quadrinhos brasileiros de super-heróis. Universidade Federal de Pernambuco – Centro de Artes e Comunicação, Programa de Pós-graduação em Comunicação: Recife, 2003. Pág. 50.
  24. 24. 23 segurar os direitos de publicação, estes foram para a Editora Abril até 2002, quando passou para a editora Panini Comics, que publica atualmente a maioria dos títulos da DC Comics, além de publicar também os da rival histórica, a Marvel Comics.27 Sendo um dos personagens mais famosos do mundo, o Superman já foi adaptado seis vezes para o cinema. Seu maior intérprete foi o já falecido ator americano Christopher Reeves, que deu vida ao Homem de Aço em quatro filmes. O mais recente filme do Superman, intitulado Superman – O Retorno foi lançado em 2006. Apareceu em vários desenhos animados, deu origem três séries de TV, a primeira em 1951 sob o título Aventuras do Superman, que saiu juntamente com o primeiro filme, no mesmo ano, sendo um para promover o outro, e estrelados por George Reeves. Esta série da década de 1950 só terminou quando Reeves morreu; a segunda chama-se Lois & Clark – As Novas Aventuras do Superman, que apresentou as aventuras e o relacionamento dos dois jornalistas, Lois Lane (o grande amor do Superman) e Clark Kent e que muitas vezes figurou como comédia romântica. Teve quatro temporadas, de 1993 a 1997; a terceira série é uma visão mais moderna ainda do mito do Superman, chama-se Smallville, e já conta com nove temporadas. Conta a história do Superman no nosso presente, desde a chuva de meteoros que o trouxe à Terra, sua infância e seu período como Superboy, até sua entrada no jornal Planeta Diário, além de introduzir novos personagens e reinventar outros. 28 2.3 O SURGIMENTO DA DC COMICS O universo de super-heróis nasceu nas páginas da Detective Comics com a publicação da revista Action Comics nº1, que trouxe o Superman como personagem de uma trama, revolucionando o formato de publicações de quadrinhos da época e inserindo pela primeira vez um super-herói. Também é dela o mérito de reunir histórias de um só tema em uma só revista e criando novos personagens nessas histórias, ao contrário do que acontecia na época, pois se publicavam apenas tiras em jornais ou revistas com estas tiras aleatórias. A DC Comics como a conhecemos atualmente nasceu da fusão entre várias editoras. Fundada pelo major reformado da Cavalaria dos Estados Unidos, Malcolm Wheeler- 27 Ver mais sobre as publicações dos gibis norte-americanos no Brasil, desde a década de 1930 em: http://www.sescsp.org.br/sesc/revistas_sesc/pb/artigo.cfm? Edicao_Id=207&breadcrumb=1&Artigo_ID=3276&IDCategoria=3548&reftype=1. Acessado em 28 de novembro de 2009. 28 Ver mais informações sobre todos os filmes e séries do Superman no site internacional em inglês Internet Movie Database – IMDB. Disponível em: http://www.imdb.com/find?s=all&q=superman&x=0&y=0. Acessado em 7 de outubro de 2009.
  25. 25. 24 Nicholson (1890-1968), a New York Company, que antes de lançar sua primeira revista mudou de nome para National Allied Publications. Essa primeira revista se chama Fun: The Big Comic Magazine nº1, lançada em fevereiro de 1935, que trazia pela primeira vez histórias em quadrinhos compiladas numa só revista, com o formato tablóide de 36 páginas. Wheeler- Nicholson era escritor de pulp fictions29 que falavam de ficção cientifica, mistério, terror, fantasia, tudo o que chamava atenção dos leitores daquela época. National Allied Publications e a editora Detective Comics de Harry Donenfeld e Jack Liebowitz se uniram em 1937, fato que ocorreu porque Wheeler-Nicholson não tinha muito jeito para negócios e começou a contrair dívidas com as gráficas e distribuidoras das revistas e para não falir, teve que se associar. Essa fusão resultou na National Comics Publications que era o mesmo que National Periodical Publications, Inc. Em 1938, Wheeler-Nicholson teve que abandonar a empresa, pois continuava cheio de dívidas. Ele saiu antes de ver os lucros nas alturas com a primeira publicação da revista de ação Action Comics que trazia o primeiro super-herói da história dos quadrinhos, o Superman. Era impresso nas revistas dessa época o logo30 Superman-DC e a empresa se viu forçada a adotar a sigla DC como nome oficial, pois já era assim conhecida entre os fãs. Desde o início de sua trajetória, a DC vem adquirindo editoras menores, e conseqüentemente adotando, reformulando e relançando algumas personagens dessas editoras. Esse foi o caso, por exemplo, da Carlton Comics e da WildStorm (que pertencia a Image Comics e hoje é um selo dentro da própria DC). Finalmente sob o nome de DC Comics, a editora publica mais de 80 títulos por mês e hoje faz parte da empresas Time Warner Company, do qual também fazem parte os estúdios Warner Bros. Pictures. É rival histórica da também editora de quadrinhos, Marvel Comics, e 29 As revistas pulp eram geralmente de papel de má qualidade para que fossem baratas. Elas revelaram muitos heróis que hoje são populares e cultuados no mundo dos adoradores de HQs, como Conan – O Bárbaro, O Fantasma, Zorro, O Sombra. Ver mais na matéria DC Comics: Sete Décadas de uma Distinta Concorrência no site Fanboy, especializado em HQ http://fanboy.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=861. Acessado em 9 de outubro de 2009. 30 A logomarca, o símbolo de uma empresa.
  26. 26. 25 essa rivalidade já rendeu episódios históricos como plágios recíprocos31 , crossovers32 e processos judiciais. Vários dos maiores e melhores escritores, roteiristas, desenhistas e coloristas do mundo já passaram pela editora com Frank Miller, Alan Moore, Dick Giordano, Steve Ditko, Dennys O’Neil, Greg Rucka, Jack Kirby, Bob Kane que junto com Bill Finger criou o Batman, Gardner Fox que criou o personagem Flash, Neal Adams, Dave Gibbons o desenhista que contribuiu para a criação de Watchmen, Alex Ross que é considerado pelas revistas especializadas em HQs como um dos melhores e um dos mais realistas dos desenhistas e que cuida das ilustrações de vários números do Batman, Superman e Liga da Justiça, entre outros artistas da nona arte33 . A DC Comics é uma das maiores e mais influentes editoras de quadrinhos no mundo inteiro e suas obras adultas são marcos na história dos quadrinhos e da passagem das narrativas da fase infantil para a adulta. Hoje a DC Comics publica títulos com os selos DC Universe34 , Vertigo35 , WildStorm, DC Kids, DC Direct, CMX que republica mangás japoneses, Zuda36 , entre outros. 31 As duas editoras já se envolveram em processos judiciais por conta de plágios de personagens de ambas as partes. Há personagens muito parecidas como a Mulher Gato (DC) e a Gata Negra (Marvel), Arqueiro Verde (DC) e Gavião Arqueiro (Marvel), e o famoso caso do Capitão Marvel. Este era um personagem criado em 1939 pela editora Fawcett Comics, que foi processada pela DC por plágio, pois o Capitão era muito parecido, de certa forma, com o Superman. Em 1973 a DC comprou os direitos deste personagem e para republicá-lo teve que mudar seu nome para Shazan porque a Marvel em 1967 lançou um personagem com uma origem parecida com o Superman e do Capitão Marvel sob o nome de: Capitão Marvel. Ou seja, cópia da cópia. Ver mais em: http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=materias&cod_materia=408. Acessado em 28 de novembro de 2009. 32 É a mistura de duas ou mais histórias de universos e/ou editoras diferentes numa só história, num só gibi. 33 Como a arte seqüencial também é conhecida. 34 Conhecido no Brasil como Universo DC. 35 Publica exclusivamente HQs para adultos, como seu maior sucesso Hellblazer, Datrypper dos gêmeos brasileiros Gabriel Bá e Fábio Moon, 100 Balas, American Virgin, Animal Man, The Swamp Thing, Sandman, V de Vingança, Y: The Last Man e tantos outros. 36 É uma espécie de rede social criada pela DC onde criadores iniciantes de HQs podem publicar e dar visibilidade aos seus trabalhos e projetos, há votações, discussões, etc. Ver mais em http://www.zudacomics.com/. Acessado em 24 de novembro de 2009.
  27. 27. 3 NONAARTE – DAS FRALDAS AO MANICÔMIO Neste segundo capítulo iremos abordar a evolução na complexidade das narrativas das histórias em quadrinhos da DC, desde a publicação de Action Comics nº 1, até os dias atuais, dando atenção especial à chamada “invasão britânica” nos quadrinhos norte-americanos dos anos 80 e o realismo fantástico de algumas histórias. A abordagem da biografia dos principais e mais influentes autores e desenhistas de quadrinhos para adultos faz-se imprescindível neste capítulo, já que trataremos da luta por parte dos escritores e desenhistas de que sua arte fosse respeitada e vista como tal, e não uma caricatura infantil ou mal feita, preconceituosa e violentamente doentia com a qual foi descrita ao redor do mundo desde a publicação do livro Sedução do Inocente37 do psicólogo alemão naturalizado norte-americano Fredrick Werthan. No livro, Werthan destila todo o seu ódio e desconfiança com o novo meio de entretenimento que virou febre entre os jovens de sua época. Graças a este livro, o governo americano criou uma lei para censurar os quadrinhos38 , além de associar a crescente onda de violência e delinqüência juvenil nos Estados Unidos nos anos de 1950 aos exemplos saídos das páginas dos comics. Os aspectos psicológicos e sociológicos das narrativas e personagens também são de suma importância para o entendimento de como os quadrinhos e seus heróis foram das fraldas (do jeito infantil e simples) ao manicômio (com vilões cada vez mais complexos, sanguinários e dignos de ódio) e se tornaram entretenimento adulto e altamente rentável. 3.1 A SEDUÇÃO DO INOCENTE E O COMICS CODE – A INFÂNCIA TRAUMATIZADA, PERVERSÃO E DELINÜÊNCIA Concebidos como arte simples e com um ar ingênuo, os quadrinhos sempre foram vistos como entretenimento puramente infantil, já que com o apelo visual dos gibis e os textos fáceis de serem entendidos, os HQs chamavam atenção principalmente das crianças pelas cores, fantasias e diversão, mas isso foi logo quando surgiram, no final do século XIX. Os quadrinhos eram entendidos como coisa de criança até os meados da década de 1960, que não inspiravam seriedade para grande parte da indústria da comunicação. Se um 37 No original, “Seduction of the Innocent” e ao qual vamos nos referir neste trabalho por seu nome numa tradução literal para o português, já que o livro não foi publicado no Brasil. 38 O Comics Code.
  28. 28. 27 adulto se interessasse por HQ, era automaticamente rotulado como infantil ou alguém que não tivesse suas faculdades mentais bem desenvolvidas, como comenta Will Eisner em um trecho do livro Quadrinhos e Arte Seqüencial: Entre 1940 e o início da década de 1960, a indústria aceitava, comumente, o perfil do leitor de quadrinhos como o de uma “criança de 10 anos, do interior. Um adulto ler histórias em quadrinhos era considerado sinal de pouca inteligência. As editoras não estimulavam nem apoiavam nada além disso. (EISNER, 1989, p. 138) Os quadrinhos se utilizam muito de onomatopéias39 para demonstrar sons, algo que pode soar bem infantil, já que crianças costumam imitar os sons que as coisas fazem para falar sobre elas. As palavras em negrito são usadas para destacar algo importante na trama e falas em letras maiúsculas para indicar grito, voz alta ou surpresa. Compor um desenho utilizando as onomatopéias para que todos os elementos cênicos funcionem bem aos olhos do leitor é um trabalho minucioso, tratar as letras como desenhos e não somente palavras é fundamental numa HQ. É importante salientar que não é tão fácil criar e ler obras em quadrinhos como muitos ainda podem pensar: A configuração geral da revista de quadrinhos apresenta uma sobreposição de palavra e imagem, e assim, é preciso que o leitor exerça as suas habilidades interpretativas visuais e verbais. As regências da arte (por exemplo, perspectiva, simetria, pincelada) e as regências da literatura (por exemplo, gramática, enredo, sintaxe) sobrepõem-se mutuamente. A leitura da revista de quadrinhos é um ato de percepção estética e de esforço intelectual. (EISNER, 1989: 8) No início, na Era de Ouro (1938-1950), os enredos das histórias em quadrinhos eram simples: o bandido comete um crime, ou vai cometer; então o herói luta para impedi-lo, ou o capturar e dar-lhe uma lição para que não cometa mais crime nenhum e entregá-lo à justiça. Essa é a fórmula que quase nunca falha na hora de escrever um roteiro de HQ até hoje, isso no que se refere a quadrinhos comuns, destinados a crianças e jovens. A eterna dicotomia entre o bem e o mal sempre funciona no mundo fantástico dos heróis. Mas alguns personagens desta Era já traziam traços de uma complexidade que só atingiu sua plenitude nos anos 80 do século passado. Este é o caso do Batman40 . Saído das páginas da Action Comics em 1939 e criado por Bob Kane e Bill Finger (este que raramente é creditado), o Batman desde o início teve sua origem baseada na morte, 39 Segundo o Mini Dicionário Luft (2001: 490), onomatopéia é um “vocábulo cuja pronúncia imita ou sugere a voz natural ou o som da coisa significada (tilintar, cicar, etc.)”. Ou seja, quando vemos uma palavra imitar um som na HQ como um tiro (POW), um soco (SOCK), um choro (SNIFF) e etc. 40 Traduzindo do inglês literalmente, é o Homem-Morcego.
  29. 29. 28 no desejo de vingança e nos sentimentos mais obscuros que podem ser despertados em uma pessoa após sofrer um trauma. O personagem principal, Bruce Wayne, perde seus pais após um assalto ainda criança e sobre o corpo deles jura vingar suas mortes e lutar contra a criminalidade de sua cidade, a fictícia Gotham City. Ele passa sua vida treinando para ficar mais forte em todos os sentidos e usa sua herança milionária quase inesgotável para disfarçar sua identidade de herói além de desenvolver as tralhas tecnológicas que utiliza no combate ao crime. Seu único propósito é o combate ao crime, ele tem quase nenhum amigo, mal dorme, só pensa em lutar e lutar e lutar. E é violento, tanto nos quadrinhos dos anos de 1940 quanto nos atuais. Batman não brinca em serviço, mas não é assassino. Somente com esse início já se pode classificar este personagem como subversivo. Isso mesmo, subversivo e perigoso para a moral e os bons costumes americanos, de acordo com um tal psiquiatra. Mas, assim como numa história de fantasia, pulemos numa máquina do tempo, saindo de 1939 para chegarmos em 1954, ano do fatídico lançamento do livro Sedução do Inocente de Fredrick Werthan. Mas um pouco antes disso, em 1950, um senador norte-americano chamado Joseph R. McCarthy41 , já havia promovido uma onda de terror42 afirmando que no país havia uma legião de espiões da então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), e logo vários artistas foram acusados de comunismo e perseguidos. Segundo René Gomes Rodrigues Jarcem em seu artigo “História das Histórias em Quadrinhos” para a revista online História, imagem e narrativas, neste período: [...] o medo passou a estar em toda parte do mundo. Os soviéticos fizeram a bomba atômica e os americanos atacavam contra tudo que soasse como ataque velado e subversivo dessa superpotência ao seu “american way of life”. Enquanto, na vida real, a população procurava comunistas debaixo da cama, nas páginas das histórias em quadrinhos, os heróis faziam sua parte. Com o fim do conflito mundial e a polarização de forças entre EUA e URSS, o alvo das investidas não era mais os alemães e japoneses. Eram tempos em que se confundiam marxistas com comedores de criancinha. (JARCEM, 2007: 6) 41 Foi senador do estado norte-americano do Wisconsin de 1947 a 1957 e deu origem ao termo “Machartismo”. Seus seguidores eram chamados de macartistas e hoje, o termo se refere a qualquer atitude antidemocrática vinda de um governo. 42 Período também conhecido como o Red Scare, em português Terror Vermelho, ao que tudo indica por conta da cor da bandeira comunista. Ver mais sobre o macartismo e o Red Scare em: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20081116/not_imp278332,0.php. Acessado em 28 de novembro de 2009.
  30. 30. 29 A arte ficou abalada, mas o terremoto, seguido de tsunami, veio mesmo com o livro de Wertham. Sedução do Inocente foi o responsável por um alvoroço em toda uma indústria e na criação da censura dos quadrinhos nos Estados Unidos: o Comics Code. Logo na capa, o livro traz seu assunto principal: A influência dos quadrinhos na juventude de hoje. Isso, nos anos 50 do século XX, mas seus reflexos e preconceitos pregados pelo livro podem ser sentidos ainda hoje por parte de alguns pais, de acadêmicos e literatos quando o assunto é HQ. Os artistas da nona arte odeiam até que se fale o nome deste livro. Frank Miller despeja todo o seu ódio em relação a Sedução do Inocente na introdução da edição definitiva da graphic novel Batman – O Cavaleiro das Trevas em 2006. Ao dissertar sobre o período no qual o Batman surgiu e da liberdade de expressão dos artistas, Miller se refere ao livro da seguinte forma: Não vale a pena citar o nome daquele psiquiatra lunático ou de seu livro absolutamente desprezível. Há muito o mundo se esqueceu dos dois. No pequeno mundo dos quadrinhos, entretanto, aquele lixo de livro causou tanto estrago quanto um ciclope. Ou Galactus. As vendas caíram mais e mais. Por algum tempo, os artistas de HQs sem sequer revelavam sua profissão. Não em companhia de pessoas cultas. (MILLER, 2006) O livro, de fato, é tendencioso e de uma leitura sofrível, além de reforçar preconceitos e declarar guerra a toda e qualquer manifestação da arte de fazer quadrinhos ou de contos de ficção científica, terror e fantasia. Sedução do Inocente não foi publicado no Brasil, mas pode ser lido em inglês num site que o disponibiliza na íntegra e gratuitamente43 . Por esta razão, todos os trechos do livro apresentados neste trabalho são traduções da autora. Os nomes dos capítulos são de uma crueza impressionante. Wertham era curto e grosso, dissecava os quadrinhos sob seu ponto de vista sem meias palavras. Segundo a apresentação livro, Wertham conta que o mesmo deriva de sete anos de estudos científicos, pois era comprovadamente gabaritado para tanto, já que foi psiquiatra chefe do Departamento de Hospitais da cidade de Nova York de 1932 a 1952, entre outros cargos de chefia. Os nomes dos capítulos são um caso à parte. Alguns são dignos de riso, como “Capítulo 2. Você sempre tem uma bala aí”, ou “Capítulo 7 – Eu quero ser um maníaco sexual”. 43 Versão digital do livro em inglês disponível em: http://www.goldcomics.com/MLJ/SOTI/index.htm. Acessado em 15 de outubro de 2009.
  31. 31. 30 No primeiro capítulo, algo como “Tais trivialidades como os comics” ele conta casos médicos que atendeu e sugere que a delinqüência juvenil é culpa das cidades grandes e de seus problemas, mas que, sobretudo os gibis e suas histórias, têm culpa porque afloram a agressividade das crianças. No segundo capítulo, o anteriormente mencionado “Você sempre tem uma bala aí”, o autor mostra que as HQs são um perigo real, sobretudo os que envolvam casos policiais e que os pais não tinham noção do quão prejudiciais os quadrinhos são para suas crianças. Num trecho do terceiro capítulo, ele chega ao ponto de afirmar que os pesadelos, freqüentes na infância, são culpa exclusivamente dos quadrinhos. As acusações contra toda a arte seqüencial são muitas, sobretudo contra os crime comics, os quadrinhos que tratam de crimes, investigações policiais, seqüestros, as histórias de detetives. Esses quadrinhos podem ser considerados os pais dos quadrinhos adultos, já que tratavam de temas fortes, violentos e explícitos. E faziam muito sucesso entre os leitores. Num trecho do sexto capítulo, intitulado de “Desenho da Delinqüência”, Wertham afirma: Agora delinqüência é diferente ambos em quantidade e qualidade. Em virtude destas mudanças, isso se tornou um fenômeno social virtualmente novo. Foi informado que a delinqüência juvenil aumentou aproximadamente 20 por cento desde que eu falei primeiro sobre crime comics em 1947. Porém, não é o número deles, mas sim o tipo de delinqüência juvenil que é o ponto saliente. Crianças, jovens e mais jovens cometem atos mais sérios e violentos. Até mesmo crianças psicóticas não agiam assim há quinze anos atrás. (WERTHAM, 1954)44 Logo após essa afirmação, com base em dados que ele não explica de onde tirou, Wertham apresenta casos onde sugere que presença de um gibi foi crucial para que crianças e jovens cometessem um crime. Um menino de onze anos matou uma mulher em um assalto a mão armada. Quando foi preso, ele foi encontrado cercado por comic books. O irmão dele de vinte anos de idade disse “Se você quiser a causa de tudo isso, aqui está: São esses comic books podres. Acabe com eles, e coisas como estas não aconteceriam”. (claro que, este irmão não era um “perito”; ele somente conhecia os fatos.). (WERTHAM, 1954) Pode ser o modo de organizar idéias e escrever dos anos de 1950, mas o livro é de uma narrativa monótona e sem profundidade. Ele critica ferrenhamente os quadrinhos contra o hábito e a forma que os pais daquela época encontravam para entreterem seus filhos, fala também de reformatórios que disponibilizavam HQs para divertir os jovens internados e etc. 44 Traduzido do original em inglês pela autora deste trabalho. Por estar hospedado na internet, não há especificação das páginas, apenas dos capítulos.
  32. 32. 31 O tempo todo ele alerta aos pais sobre os supostos malefícios dos gibis e não é surpreendente que uma verdadeira “caça às bruxas” tenha começado após o lançamento deste livro. Com a ciência psicológica “contra” uma manifestação de arte em desenvolvimento, ficou difícil fazer quadrinhos nos Estados Unidos, sobretudo de terror, fantasia e investigação, as bases dos lucros de várias editoras já extintas e também da DC Comics até hoje. Em outro trecho do sexto capítulo, Wertham diz que, se as crianças forem educadas com gibis à disposição, logo estarão na prisão e isso foi assustador para os pais norte- americanos naquela época. Wertham ainda completa dizendo que violência são as premissas dos gibis. Não há nada nestes “delinqüentes juvenis” que não são descritos ou parecidos nos comic books. Estes são enredos dos comic books. Normalmente em comic books, estes crimes permanecem impunes até o criminoso cometa muitos mais deles. Crianças não têm nenhuma sorte assim. Eles enfrentam castigos severos sempre que são pegos. Educados em comic books, eles entram em um longo curso de pós-graduação nas prisões (com o mesmo assunto de leitura). Cada um destes atos correspondem a dúzias, centenas de milhares de fantasias. (WERTHAM: 1954) Com esse conteúdo agressivo, Wertham quis dizer que não havia desculpa plausível para os pais oferecerem gibis aos filhos porque seria bom para desenvolver o hábito da leitura, para distraí-los, ou sob qualquer outra alegação. O livro de Wertham conseguiu criar um pensamento generalizado de que quadrinhos são coisas de criança, mas ainda assim, extremamente prejudiciais ao intelecto delas por conterem assuntos perigosos. Tudo o que Sedução do Inocente fez foi retardar o período de amadurecimento dos quadrinhos, já que foi criado o Comics Code justamente para manter as histórias “na linha” e de acordo com o moralismo norte- O Comics Code Authority é um selo que pertence a Comics Magazine Association of America (CMAA)45 , e surgiu como um código de ética em 1954, com intuito de auto-censura, pois graças às afirmações em Sedução do Inocente, os quadrinhos sofreram quedas nas vendas por conta da desconfiança dos pais das crianças que até então eram seu maior público-alvo. O Comics Code criou um padrão a ser seguido para que as revistas fossem seguras para a leitura dos jovens norte-americanos, como cores, linguagem e temas abordados nas histórias. 45 Associação de Revistas em Quadrinhos da América, numa tradução literal para o português.
  33. 33. 32 Mas não havia somente “boas intenções” neste código. Haviam também traços da intenção das editoras participantes do CMAA contra aquelas que publicavam os crime comics, como diz Joatan Preis Dutra (2002): O impacto da obra de Wertham foi tamanho, que, para se protegerem, várias editoras juntaram esforços e criaram a Comics Code Authority. O objetivo explícito desta entidade era autocensurar as histórias antes que elas fossem condenadas pela opinião pública e principalmente pelos distribuidores. Se estes últimos boicotassem um gibi, ele não chegaria aos pontos de venda e seria cancelado na certa. Todavia, a intenção não manifesta das empresas participantes era tirar do caminho a notável editora EC Comics, cujos gibis repletos de crime, terror e sexo estavam arrasando a concorrência. (DUTRA, 2002: 33) Alguns termos do Comics Code, se aplicados hoje, acabariam com todo mercado de quadrinhos, sobretudo para adultos, pois terror, fantasia, mistério, crimes, mulheres e homens com roupas colantes e corpos esculturais são os tipos mais vistos nos quadrinhos de todas as editoras atualmente. O código diz que “em qualquer situação, o bem triunfará sobre o mal e o criminoso será punido por seus delitos”, e com certeza a graphic novel Watchmen não receberia o selo e não seria publicado, já que não há heróis e vilões bem definidos. Outro termo diz que “paixões ou interesses românticos jamais serão tratados de forma a estimular emoções vis e rasteiras”, ou seja, o gibi especial Batman – Louco Amor jamais iria para as bancas porque conta a origem do amor destrutivo e obsessivo que a uma jovem psiquiatra do Asilo Arkham46 nutre pelo seu paciente, ninguém menos, ninguém mais que o Coringa, o maior e mais violento inimigo do Batman. As expressões e xingamentos dos quadrinhos adultos também não seriam autorizados pelo Comics Code, pois indicava que “embora gírias e coloquialismos sejam aceitáveis, o uso excessivo deve ser desencorajado e, sempre que possível, a boa gramática deve ser empregada”. O termo onde é afirmado que “mulheres serão desenhadas de forma realista, sem ênfase indevida a qualquer qualidade física” cairia por terra, pois o que mais se vê nas HQs são corpos musculosos, bumbuns esculturais e seios tão grandes, dignos de dar inveja a qualquer fisiculturista. Falando sobre crimes nos gibis, o código indica que “se o crime for retratado, deve ser como uma atividade sórdida e desagradável”. Na maioria das vezes isso acontece nos 46 O manicômio das histórias do Batman. É para este lugar que vão todos os vilões das histórias do Homem- Morcego. O hóspede mais ilustre é o Coringa, que já passou longas temporadas por lá várias vezes. Enlouquecendo cada vez mais e tirando outros do seu juízo perfeito.
  34. 34. 33 quadrinhos, mas os vilões não são mais mostrados como bandidos idiotas que cometem crimes motivados por nada, sempre há um motivo bem grandioso por trás de toda a violência, seja loucura, revolta ou simplesmente prazer. E isso muitas vezes causa empatia no leitor, o que também poderia ser considerado perigoso. Outra indicação altamente destrutiva para muitos gêneros que mais tarde viriam a se tornar ícones dos HQs adultos dizia que “cenas que abordam – ou instrumentos associados a - mortos-vivos, tortura, vampiros e vampirismo, almas penadas, canibalismo e licantropia47 , são proibidos”. Ou seja, Hellblazer, Sandman, e vários outros títulos de imenso sucesso do selo adulto Vertigo da DC Comics seriam ceifados ou nem chegariam a ser publicados se o código ainda fosse rigidamente aplicado. “Ilustração insinuante e obscena ou postura insinuante é inaceitável”, “todas as ilustrações asquerosas, de mau gosto e violentas serão eliminadas”, “as letras da palavra ‘crime’ jamais deverão aparecer consideravelmente maiores do que as outras palavras contidas no título. A palavra ‘crime’ jamais aparecerá sozinha numa capa” e “nenhuma revista em quadrinhos utilizará as palavras “horror” ou “terror” no seu título” são os termos que mais amedrontariam os autores e desenhistas de quadrinhos adultos, por proibir tudo o que eles mais fazem.48 Basta observar algumas páginas dos quadrinhos da DC hoje e notar que o se o Comics Code ainda fosse obrigatório, destruiria não só quadrinhos adultos, como alguns títulos considerados infantis. Nas páginas da graphic novel da DC Comics Question – the Five books of blood (Questão – os cinco livros de sangue), que reúne os cinco gibis chamados The Crime Bible (A Bíblia do Crime), da heroína Questão há cenas que mostram claramente o sexo entre duas mulheres, a heroína e uma prostituta. Ato que seria altamente censurado se o Comics Code ainda fosse obrigatório no mundo dos quadrinhos. As décadas de 1950 e 1980 podem ser consideradas um período sombrio na história das histórias em quadrinhos e no qual, sem liberdade criativa, os artistas, ou se submetiam ao código, ou simplesmente não publicavam suas histórias. 47 É a maldição do lobisomem, uma lenda amplamente utilizada em ficção fantástica, contos sobrenaturais. Quando um homem se torna lobo por conta de algo fantástico, que ultrapassa o entendimento humano. Na psiquiatria é um distúrbio que faz com que alguém pense que se tornou um animal, geralmente um lobo, e se comporte como tal, com grunhidos, fome de carne crua, agressividade. Ver mais em: http://gballone.sites.uol.com.br/forense/licantropia.html. Acessado em 27 de novembro de 2009. 48 Termos do código disponíveis em: http://fanboy.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=861. Acessado em 28 de novembro de 2009.
  35. 35. 34 3.2 CORPINHO AMERICANO, CABECINHA INGLESA - A INVASÃO BRITÂNICA E A GUERRA FRIA NOS QUADRINHOS DA DC A década de 1980 é considerada o auge da Guerra Fria49 , e os HQs de heróis, como são altamente influenciados pela época em que são publicados, participaram e demonstraram ativamente o terror velado no qual viviam os americanos e o mundo naquela década. A Primeira e a Segunda Guerra Mundial faziam parte do passado, mas a corrida espacial e a competição bélica entre os Estados Unidos e a União Soviética ainda estavam vivas no cotidiano dos americanos. Uma iminente guerra nuclear entre as duas maiores potências do pós-guerra parecia uma realidade mais sombria e macabra que qualquer filme ou gibi jamais imaginou. Foi nesse período que as editoras norte-americanas, na intenção de refrescar e renovar as histórias em quadrinhos foram buscar inspiração do outro lado do Atlântico Norte. Os maiores expoentes da chamada “Invasão Britânica”50 nos HQs americanos e, sobretudo, nos títulos da DC Comics são Alan Moore, Neil Gaiman e Grant Morrison. Valdemar de Morais demonstra, em sua matéria publicada no site Fanboy, como estes três artistas são importantes para os quadrinhos adultos. Invasão Britânica nos quadrinhos dos Estados Unidos, processo que desembocaria na evolução das graphic novels e a consolidação dos gibis de fantasia e horror. Alan Moore, Neil Gaiman e Grant Morrison remodelaram esses gêneros com seus trabalhos em séries, minisséries e graphic novels de sucesso, como a revitalização do Monstro do Pântano – criado por Len Wein e Bernie Wrightson em 1971–, V de Vingança (1981-1988) e Watchmen(1985), por Moore; a graphic novel Orquídea Negra (1987) e a total recriação de Sandman (1989), por Gaiman e a renovação da Patrulha do Destino (1987) e do Homem-Animal (1989), por Morrison. Essa enxurrada de produções de alta qualidade textual e artística foi o símbolo do abandono do Comics Code. O sucesso do Monstro do Pântano de Alan Moore (1983- 1988) e de Sandman (1989-1996) foram as grandes razões para a criação do selo de quadrinhos adultos da DC, Vertigo, cujo título mais famoso é Hellblazer (1988), onde são narradas as aventuras do mago anti-herói John Constantine. Outros autores que chegariam ao estrelato nessa onda seriam Jamie Delano, Garth Ennis, Mark Millar e Warren Ellis. (MORAIS: 2008)51 49 Era assim chamada porque não havia confronto militar num campo de batalha, mas sim uma guerra intelectual, de promoção de medo. 50 Esse período é assim chamado na história das HQs porque os mais marcantes gibis dos anos de 1980 e que são considerados revolucionários do gênero de super-heróis pertencem justamente a roteiristas nascidos na Grã- Bretanha. 51 Disponível em: http://fanboy.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=861. Acessado em 28 de novembro de 2009.
  36. 36. 35 Estes três homens e suas mentes acabaram por revolucionar toda uma indústria, que há muito tempo sofria com histórias fracas, beirando o ridículo, além de serem brutalmente podadas pelo Comics Code. Quando se fala em quadrinhos adultos, geralmente pode-se pensar em quadrinhos pornográficos, de teor explícito. Sim, o teor é explicito, há sexo, violência em todas as suas formas, assassinato, nudez, sangue, mas isso é abordado de uma forma densa, bem construída e profunda, não apenas uma história na qual um homem olha uma mulher, ou vice-versa, os dois começam a fazer sexo e o que se lê são só gemidos e gritos. Isso é coisa de filme pornô, não de HQ adulta. O que Moore, Gaiman e Morrison conseguiram foi “fazer os quadrinhos crescerem”, sair da infância, dizer adeus às fraldas e embarcar de vez em aventuras sombrias, densas e fortes, que pudessem ser interpretadas de diversas formas e não só como diversão boba e infantil, com heróis socando vilões que não matavam uma mosca, ou que, quando planejavam matar, revelavam todo o plano aos heróis e davam tempo para que os impedissem. Nos quadrinhos adultos, os heróis e vilões não tem nada de inocente, suas mentes são perversas ou duramente traumatizadas por conta dos crimes com o qual convivem ou cometem, a violência que os rodeia não é representada simplesmente por assaltos ou grandes planos para governar o mundo. Nada de vilões loucos e insanos, que são assim porque tem de ser. Nos quadrinhos adultos tudo tem um porquê, uma mente doentia não é doentia simplesmente porque nasceu assim. Algo aconteceu, um dia ruim, um tendência genética, um trauma. Podem ser várias as causas para a loucura dos vilões, que muitas vezes nem são tão loucos assim, são muito inteligentes e sabem o que querem, mas que seus propósitos são apenas um pouco distorcidos. Até mesmo os heróis passaram a ser abordados com mais defeitos tipicamente humanos, e não como seres acima de qualquer perturbação psicológica, dignos de adoração. E mesmo assim eles são adorados justamente por serem humanos. 4 MOCINHOS, BANDIDOS E JUSTIÇEIROS – CONSTRUÇÃO E DESCONSTRUÇÃO DO MITO Neste terceiro e último capítulo iremos abordar mais profundamente as histórias em quadrinhos para adultos da DC Comics, no que diz respeito aos roteiros, personalidades das personagens, fazendo um comparativo de como eram e ainda são, tanto nos gibi destinados à crianças e adolescentes, quanto nas HQs para adultos.
  37. 37. 36 O mito que gira em torno dos heróis da DC também serão comentados, bem como que responsabilidade eles tem para com seus vilões e os crimes que eles cometem, além do interesse que as obras adultas exercem sobre o seu público. Faz-se necessário dissecar duas das graphic novels consideradas as mais importantes para a consolidação do gênero adulto, Watchmen e Batman – O Cavaleiro das Trevas. Outro aspecto importante a ser comentado é o modo como os mais importantes heróis da DC são vistos nos gibis adultos, nas páginas da Vertigo, além de novos personagens e tramas que afrontam o Comics Code e trazem todo tipo de perversão que se pode imaginar. O choque entre vigilantismo e vilanismo, a suposta loucura dos vilões e o reconhecimento literário das HQs adultas são de suma importância para o entendimento do porque a DC hoje é líder quando se fala em obras de alta qualidade literária e adulta. 4.1 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS PARA ADULTOS – HERÓIS SÃO DESCONTRUÍDOS TÃO BRUTALMENTE QUANTO SEUS VILÕES SÃO PERVERSOS A aura de superioridade e divindade dos heróis não tem muito espaço nas histórias em quadrinhos para adultos. Uma graphic novel sempre traz algo de mais imperfeito e humano aos heróis. Muitas vezes a desconstrução de uma imagem construída há décadas é chocante. O realismo fantástico ou a realidade “nua e crua” também tem seu espaço. Depois de todas as proibições, as histórias em quadrinhos viram no auge da Guerra Fria52 a oportunidade de finalmente elevar a arte ao mais alto patamar, tanto em termos de literatura, quanto de mercado e lucro. Antes vistos como perigo intelectual ou coisa de criança, hoje, graças ao amadurecimento das narrativas, muitas obras são consideradas artigos luxuosos e vendidas a preços altos. As graphic novels por si só são obras de luxo, com histórias realistas, diálogos inteligentes, cores e acabamento impecáveis, trabalhos que tem começo, meio e fim, ao contrário dos gibis comuns, com sagas intermináveis e reviravoltas de deixar os leitores tontos ou revoltados. 52 A época era propícia a histórias cada vez mais apocalípticas, porque, segundo SANTOS (1995: 53) “a década de 80 assistiu à falência de ideologias, ao medo paranóico de uma guerra atômica, ao individualismo consumista, à mistura de conceitos nas teorias e de estilos na arte, à disseminação de doenças fatais, à queda de regimes políticos autoritários, à emergência de novas potências econômicas, à preocupação com a destruição do meio ambiente e à volta do conservadorismo político e moral.”
  38. 38. 37 Pensando na necessidade de amadurecimento, eis que a Invasão Britânica nos quadrinhos dos Estados Unidos na década de 1980 proporciona a gênese das melhores histórias de super-heróis da nona arte. Segundo Dennis O’Neil (2005: 86), hoje não basta mais criar uma história com personagens sem profundidade, as histórias tem que ter algo mais para cativar o leitor, os personagens precisam de uma trama bem escrita, densa e inteligente. O escritor precisa estar atento a cada detalhe de sua narrativa. O vilão nas HQs adultas não é apenas mais um cientista maluco que quer dominar o mundo, um terrorista assassino ou um ladrão de bancos. Os adultos exigem cada vez mais das histórias, mais credibilidade, mais realismo, mesmo que fantástico. Os vilões são pervertidos sexuais, sádicos, psicopatas, estupradores, e toda sorte de criminosos. Obrigatoriamente eles têm de ter uma personalidade marcante para justificar seu vilanismo, sua inclinação ao crime tem de ser explicada ou amplamente mostrada, de modo que o leitor perceba que ele está, assim como o herói, lutando por algo, nem que seja algo horroroso e que vá contra as convenções sociais. Por sua vez, os heróis são obrigados a reagir de forma cada vez mais violenta às investidas dos vilões, mostrando dessa forma que eles não são tão bonzinhos quanto imaginávamos. Todos os exemplos acima citados podem sem comprovados com a simples leitura das duas obras mais importantes e que deram origem ao gênero, além de novo fôlego ao mercado. Watchmen (1986) e Batman – O Cavaleiro das Trevas (1986), ambas da DC Comics, são os maiores exemplos de como os quadrinhos poderiam demonstrar qualidade e profundidade narrativa. Nessas duas obras, os heróis não são tão heróis assim, o mundo é feio, cruel e não há nada de poético em combater o crime. O realismo está sempre presente, como a cobertura da imprensa em Batman, ou a Guerra Fria em Watchmen. Em Batman – O Cavaleiro das Trevas, escrita e desenhada pelo americano Frank Miller em 1986, Batman é um herói aposentado que vê Gotham City cair em desgraça após uma onda de calor assolar toda a cidade e um grupo de jovens delinqüentes começarem a promover ataques terroristas para implantar o caos. Nesta história, Batman está velho, já passou dos 60 anos de idade e se vê obrigado a retornar à ativa, mesmo com as limitações físicas e psicológicas.53 53 Nessa história, fica implícito que Batman desistiu de combater o crime por se culpar pela morte de Robin, que foi brutalmente assassinado durante mais uma noite de vigilantismo (qualidade de ser vigilante, de manter a ordem no anonimato). Batman é apresentado como homem obsessivo, violento, que não aceita derrotas e não sabe a hora de parar.
  39. 39. 38 De uma narrativa rápida, direta e com gírias e palavrões, os adultos se viram diante de uma obra digna de lugar especial na lista das melhores histórias que já leram. Mas, sem dúvida alguma, a história que abriu os olhos dos adultos para o mundo das HQs, definitivamente foi Watchmen em 1986. Introduzindo cores berrantes, diálogos tão bem construídos que não se parece com os gibis publicados na época e sim com um roteiro de um filme, com flashbacks dos personagens, política como pano de fundo para o desenrolar da história e uma conspiração de amplitude mundial, Watchmen conseguiu ir mais além, a graphic novel destrói completamente a aura divina de seus heróis, que em sua maioria não tem super-poder algum a não ser a coragem de se fantasiar e ir às ruas combater o crime. Mesmo o único super-herói, um ser radioativo e azul, resultado de um acidente durante uma pesquisa nuclear, mostra-se um deus, alheio às questões humanas e nem um pouco altruísta, no que diz respeito à sua condição de super-herói e obrigatoriamente defensor dos Estados Unidos da América. Os britânicos Alan Moore e Dave Gibbons, responsáveis pela criação de Watchmen, sentiram a necessidade que o mercado tinha de uma obra realmente bem elaborada e receberam por parte da DC Comics uma liberdade criativa jamais imaginada pelo mundo das HQs, até então regido pela censura do Comics Code. Essa liberdade se deve à crise intelectual no mundo dos quadrinhos, que vendiam pouco e não faziam mais sucesso, tudo culpa do Código de Ética. Watchmen se assemelha às HQs undergrounds, que desde a década de 1960, época da contracultura54 , tratam de temas políticos, sociais, de comportamento, enfim, retratam o mundo como ele realmente é. Tratando de preconceitos, sexo, estupro, violência, carnificina, Watchmen foi o responsável pela criação do gênero adulto nos quadrinhos americanos. 4.2 ANTI-HERÓIS – VILÕES, HERÓIS, UM POUCO DOS DOIS OU NENHUM? Eles são marcados por sua brutalidade e moral dúbia. Não são tão maus quanto os vilões, mas também não são tão bonzinhos quanto os heróis. Eles são o meio-termo, o cinza entre o preto e o branco. Eles são os anti-heróis. 54 É o termo utilizado para designar os movimentos de negação dos valores capitalistas que teve seu auge na década de 1960 e do surgimento de meios de comunicação alternativos, diferentes dos que circulavam no mercado tradicional. A contracultura era a manifestação de novos estilos de arte e cultura. Foi nesse período que circularam os gibis undergrounds, que tratavam de assuntos dos quais o Comics Code tinham proibido.
  40. 40. 39 As atitudes dos vilões derivam das atitudes dos heróis e vive-versa, enquanto o anti- herói deriva da complexidade dos dois. Segundo AREAL (2003) citado por COELHO (2008), o anti-herói é o herói pós- moderno, ou seja, o herói de HQs adultas onde não há muitos exemplos de heróis puros, os “cavaleiros de armadura brilhante”, os bons moços, cuja moral está acima de qualquer coisa. Ao contrário do modelo de herói clássico, que demonstra o seu caráter íntegro e benévolo arrastando as adversidades com que o destino o põe à prova, o herói pós-romântico e moderno assume as suas fraquezas e vive em conflito interior e em crise de relação com o meio social, sendo por isso designado de anti-herói. Se o primeiro tende para o ideal, o segundo é mais realista e promove uma reflexão sobre problemas seus contemporâneos” (AREAL, 2003 apud COELHO, 2008: 44-45) Os anti-heróis são figuras que não podem faltar nos quadrinhos adultos. Pois com o amadurecimento da arte, os heróis se viram mais humanos, mais imperfeitos, mais passíveis de erros. Na DC, graças ao selo Vertigo, que publica somente HQs adultas, a maioria das personagens principais pode ser chamada de heróis, simplesmente porque a trama gira em torno delas, mas quando se analisa minuciosamente sua personalidade, chega-se à conclusão de que nada mais são que anti-heróis. E os leitores os veneram por isso. Para ser aceito na vida real é preciso ser bonzinho o tempo todo, os vilões acabam possibilitando a imaginação de um ser livre e inconseqüente que muitas vezes gostaríamos de ser. Uma espécie de válvula de escape. (NÓRCIO, 2008 apud COELHO, 2008: 118). Para se ter um exemplo de vilão completo, sem traços de heroísmo, analisemos o Coringa e seu comportamento. Em Batman – A Piada Mortal, graphic novel escrita em 1988 por Alan Moore e publicada em um único volume, o Coringa, que desde a primeira aparição em 1939 é considerado o maior inimigo do Batman, consegue ser abordado como um homem comum que teve um dia ruim após várias decisões erradas e que acabou por se tornar um louco sádico graças a mais uma das peripécias do Homem-Morcego ao defender Gotham City do crime. É o gibi que mais disseca a personalidade do Coringa e que consegue passar um realismo em sua forma de estruturação e conteúdo, digna de uma produção cinematográfica. Não é a toa que venceu dois dos principais prêmios da nona arte em 1989.55 55 Ganhou o Harvey Award de melhor história, desenhista, colorista e graphic novel e o Will Eisner Comic Industry Award de melhor escritor, artista e graphic novel. Ver mais em: http://www.universohq.com/quadrinhos/2004/review_batman_piada_mortal.cfm. Acessado em 29 de novembro de 2009.
  41. 41. 40 A história começa mostrando Batman indo visitar seu maior inimigo no sanatório de Gotham, o Asilo Arkham56 . No meio da conversa, enquanto o Coringa joga cartas, Batman pergunta e ao mesmo tempo afirma que eles vão acabar matando um ao outro algum dia. O Coringa nada responde, testando a paciência do Homem-Morcego que acaba por agredi-lo. A trama depois pula para um flashback57 no qual o Coringa nada mais é que um comediante sem graça e desempregado com uma mulher grávida e sem dinheiro algum. Um homem absolutamente normal. Percebe-se então, após uma cena mostrando o Comissário de polícia de Gotham, James Gordon e sua filha Barbara, que o Coringa escapou de Arkham. O Coringa se apossa de um parque de diversões abandonado ao matar seu proprietário de “rir”, e, enquanto relembra fatos de seu passado mais uma vez, vai ao apartamento de Gordon, atira nos quadris de Barbara, captura o comissário e antes de sair, tira fotos da moça ensangüentada e nua. (páginas 16 e 17) O grau de perversão do Coringa toma proporções grotescas. Ele não é mais apenas um palhaço criminoso, ele é um pervertido sexual. Ao capturar Gordon, o Coringa o deixa a mercê de um grupo de anões vestidos com roupas sado masoquistas que o despem, torturam e o fazem de brinquedo. Uma das cenas mais perturbadoras de todo o gibi. Enquanto Gordon é torturado física e psicologicamente, Batman visita Barbara no hospital e ela afirma que, desta vez, o Coringa ultrapassou todos os limites. Batman também fica sabendo que a moça foi encontrada nua e se revolta com seu estado. Barbara foi atingida na coluna pelo tiro e não poderá andar. Tudo graças ao Coringa. Mais alguns flashbacks mostram que o Coringa, antes um homem normal, se envolveu numa trama para assaltar uma fábrica de baralhos e para isso, os bandidos com os quais o Coringa está, precisam que ele facilite tudo, já que para chegar ao alvo do assalto, eles precisam passar por uma indústria química na qual o Coringa trabalhara anteriormente. O Coringa está disposto a tudo para dar uma vida melhor a sua mulher e seu filho que está à caminho. Até a se fantasiar de outro bandido, um tal Capuz Vermelho, para despistar a polícia. 56 É o manicômio das histórias do Batman e para onde todos os psicopatas de Gotham City vão. 57 Termo que se refere a um vislumbre do passado, uma lembrança.
  42. 42. 41 Mas a vida é cruel, e a conversa com os bandidos é interrompida por dois policiais que informam ao Coringa que sua esposa havia morrido eletrocutada quando testava um aquecedor de mamadeiras. Arrasado, ele pensa em desistir, mas os bandidos o convencem e praticamente o obrigam a cometer o crime. Como não tem mais nada a perder, o futuro palhaço do crime aceita a missão e se dirige à indústria. Como lhe foi ordenado, ele põe um terno e gravata borboleta. Não por acaso esse terno é roxo, o que viria a ser seu “uniforme de trabalho”. Logo após isso, a narrativa pula para o trem fantasma, onde Gordon é obrigado pelo Coringa a ver fotos de sua filha Barbara, nua e ferida, envolta em sangue. Tudo o que o Coringa quer é provar que um dia, um único dia ruim na vida do melhor dos homens, pode levá-lo à loucura. E enquanto tortura, o palhaço canta alegremente uma canção que exalta como é “bom” ser louco. Alan Moore é um gênio quando se trata de tramas psicológicas. Os diálogos são tão fáceis de entender e ao mesmo tempo tão complexos, que não há como negar que a empatia que ele cria em torno do Coringa é proposital. Ora, até mesmo o mais cruel e sanguinário assassino pode ter um passado sofrido. Não é o que pensamos quando nos deparamos com os horrores de seus crimes, mas mesmo assim, isso nos passa pela cabeça em algum momento. Uma parte do diálogo merece ser reproduzido aqui, dirigido ao Comissário, sintetiza todo o sentimento que o Coringa adquiriu pela sociedade desde que caiu em desgraça: [...] Senhoras e Senhores! Vocês já o conhecem pelas manchetes dos jornais! Agora tremam ao ver com seus próprios olhos o mais raro e trágico dos mistérios da natureza! Apresento... o ho-mem co-mum! [...] Fisicamente ridículo, ele possui, por outro lado, uma deturpada visão de valores. Observem o seu repugnante senso de humanidade, a disforme consciência social e o asqueroso otimismo. É mesmo de dar náuseas, não? O mais repulsivo de tudo são suas frágeis e inúteis noções de ordem e sanidade. Se for submetido a muita pressão... ele quebra! (Moore, 1999: 36)58 Com estas palavras, percebe-se que o Coringa não é nada idiota, mas que sua visão de mundo é bem peculiar. O jogo psicológico aqui é: exibir Gordon, o homem comum, para uma platéia de aberrações, de excluídos da sociedade que por sua vez, consideram Gordon uma aberração. 58 Palavras mantidas em negrito porque nos quadrinhos, palavras assim apresentadas são dignas de destaque, palavras que tem importância vital para todo o texto.

×