Potencial químico e farmacológico deplantas medicinais do Vale do São Francisco     Prof. Dr. Jackson Roberto Guedes da Si...
O Brasil Cerca de 185 milhões de habitantes (dezembro de 2005, www.ibge.gov.br) Cerca de 8% água potável do mundo; 97% ...
O bioma caatingaOcupa 54% da região Nordeste e 11% do território brasileiro (área de750.000 km2);Região semiárida mais p...
Importância do estudo da biodiversidade                     http://vocereporter.com/biomas-terrestres-do-brasil-brasileiro...
Setembro de 2010
Fevereiro de 2011
28 de abril – Dia nacional da Caatinga29 de agosto – Dia nacional do vaqueiro
O bioma na cultura popular nordestina “... Creio, creio no passado da boiada, que em meio à caminhada descansa em meu vive...
O bioma na cultura popular nordestina“Na emenda, hoje eu vou fazer uma emenda; naemenda, com corda de caroá”.             ...
Devo usar oconhecimento  popular?
Importância do estudo da biodiversidade
Importância do estudo da biodiversidade           420 fitoterápicos      60 plantas       Apenas 10            registrados...
Importância do estudo da biodiversidade            Cordia verbenacea                                                H     ...
A pesquisa química...
Coleta da planta
Extração dos constituintes químicos                        Material seco e pulverizado                                    ...
Extração dos constituintes químicos
Triagem fitoquímica de extratos vegetais
Elucidação estrutural dos constituintes químicos   Espectrometria no Infravermelho (IV)      Espectrometria de massa (EM) ...
OH                                                                                                                        ...
OHOs produtos naturais: diversidade estrutural                                                O                           ...
Processo de descoberta de fármacos   Número de compostos   10.000             →                  1.000             →      ...
F3C         N                                                   H   H   H        CH3             N                        ...
A pesquisa farmacológica...
Atividade farmacológica: ensaios pré-clínicos    Camundongos Swiss (Mus           Ratos Wistar (Rattus    musculus), macho...
Avaliação da toxicidade aguda         2 grupos (5 machos e 5 fêmeas)             Observações para avaliação da atividade a...
Contorções abdominais induzidas por ácido acético      Pré-tratamento         60’          5’                          15’...
Teste da formalina Pré-tratamento       60’        0’                5’         15’                      30’              ...
Teste da placa quente      0’        Tratamento   30’            60’              90’            120’                 Veíc...
Alguns resultados...
Amburana cearensis
Amburana cearensis
Amburana cearensis
Amburana cearensis
Selaginella convoluta
HPLC-DAD de Selaginella convoluta                         1
Selaginella convoluta                                        25                  Number of writhings                      ...
Selaginella convoluta                                                           First phase                               ...
Selaginella convoluta                                                            Second phase                             ...
Selaginella convoluta                            12.5                                                                     ...
Bromelia laciniosa
HPLC-DAD de Bromelia laciniosa                                   8                       5             1                 2...
Bromelia laciniosa                         20                                                  Salina                     ...
Bromelia laciniosa                          20                                                   Salina                % L...
Encholirium spectabile
HPLC-DAD de Encholirium spectabile                       6                                   9                            ...
Encholirium spectabile
Neoglaziovia variegata
HPLC-DAD de Neoglaziovia variegata                                   7                               6                    ...
Neoglaziovia variegata                15                                                     A   B   C   D   Lesion (%)   ...
Neoglaziovia variegata                                15                   Lesion (%)                                10   ...
Neoglaziovia variegata                               10.0                                7.5                  Lesion (%)  ...
Ciência   Mercado
Parcerias...
Agradecimentos
Matança (Jatobá/ Xangai) Caviúna, cerejeira, baraúna, imbuia, pau-darco,            solva, juazeiro e jatobá;    Gonçalo-a...
Obrigado!!!jackson.guedes@univasf.edu.br
Potencial químico e farmacológico de plantas medicinais do vale do são francisco
Potencial químico e farmacológico de plantas medicinais do vale do são francisco
Potencial químico e farmacológico de plantas medicinais do vale do são francisco
Potencial químico e farmacológico de plantas medicinais do vale do são francisco
Potencial químico e farmacológico de plantas medicinais do vale do são francisco
Potencial químico e farmacológico de plantas medicinais do vale do são francisco
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Potencial químico e farmacológico de plantas medicinais do vale do são francisco

1.401 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.401
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
316
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Potencial químico e farmacológico de plantas medicinais do vale do são francisco

  1. 1. Potencial químico e farmacológico deplantas medicinais do Vale do São Francisco Prof. Dr. Jackson Roberto Guedes da Silva Almeida Colegiado de Ciências Farmacêuticas - UNIVASF
  2. 2. O Brasil Cerca de 185 milhões de habitantes (dezembro de 2005, www.ibge.gov.br) Cerca de 8% água potável do mundo; 97% da energia elétrica gerada em usinas hidroelétricas; Imensos recursos naturais (biodiversidade vegetal, petróleo, gás natural,minerais (ferro, bauxita), …); Dependência decrescente da importação de petróleo (85% em 1971 para38% em 2001 do consumo); Líder mundial na produção de álcool de cana-de-açúcar; No. 1 na exportação de tabaco, açúcar e suco de laranja ; No. 2 & 3 na exportação de soja, carne, frango ou aço; Tecnologia para gasolina de fórmula 1; Tecnologia de prospecção de petróleo em águas profundas. Barreiro, E. J., 2009
  3. 3. O bioma caatingaOcupa 54% da região Nordeste e 11% do território brasileiro (área de750.000 km2);Região semiárida mais povoada do mundo (~27 milhões de pessoas);62% das áreas susceptíveis à desertificação;Na maior parte do território chove menos de 750 mm anuais no período denovembro a junho;Bioma semiárido com a maior biodiversidade do planeta;Bioma exclusivamente brasileiro;Bioma menos conhecido do país;Endemismos diversos (932 espécies identificadas; 380 endêmicas);Extremamente frágil;A atividade humana trouxe consequencias impactantes para a coberturavegetal (ameaça de extinção, extrativismo para produção de carvão e lenha).
  4. 4. Importância do estudo da biodiversidade http://vocereporter.com/biomas-terrestres-do-brasil-brasileiros-da-terra/
  5. 5. Setembro de 2010
  6. 6. Fevereiro de 2011
  7. 7. 28 de abril – Dia nacional da Caatinga29 de agosto – Dia nacional do vaqueiro
  8. 8. O bioma na cultura popular nordestina “... Creio, creio no passado da boiada, que em meio à caminhada descansa em meu viver; Creio na esperança, nas minhas lembranças, vaqueiro e criança, o tempo a passar; Creio na paisagem de pobre pastagem, que ensina coragem e como esperar”. O credo (Janduhi Finizola) “Glória a Deus nas alturas, vaquejando por campos, sem campo para ter ilusão; Lá na caatinga vinga a minha profissão; Derruba o gado e me derruba a precisão; Glória a Deus nas alturas, entre pedras e espinhos, os caminhos do gado, o meu pão”. Glória (Janduhi Finizola)
  9. 9. O bioma na cultura popular nordestina“Na emenda, hoje eu vou fazer uma emenda; naemenda, com corda de caroá”. (Manoel Euzébio/ Juarez Santiago) “Eu me criei entre o velame e a macambira, quem é você pra derramar meu munguzá...” (Petrúcio Amorim) “Coroa de frade e facheiro, a caatinga produz; juazeiros, caroás, xique-xique, mulungus; palmatórias, macambiras, cactos e mandacarus”. (Ivanildo Vilanova/ Geraldo Amância)
  10. 10. Devo usar oconhecimento popular?
  11. 11. Importância do estudo da biodiversidade
  12. 12. Importância do estudo da biodiversidade 420 fitoterápicos 60 plantas Apenas 10 registrados na diferentes nos plantas são ANVISA fitoterápicos plantas nacionais
  13. 13. Importância do estudo da biodiversidade Cordia verbenacea H H α-humuleno trans-cariofileno Cordia verbenacea
  14. 14. A pesquisa química...
  15. 15. Coleta da planta
  16. 16. Extração dos constituintes químicos Material seco e pulverizado Maceração EtOH 95 % Solução extrativa Concentração em rotavapor Extrato Etanólico Bruto Solubilização Coluna filtrante Partição líquido-líquido Hexano CHCl3 AcOEt Conc. rotavapor Conc. rotavapor Conc. rotavapor Fase hexânica Fase CHCl3 Fase AcOEt
  17. 17. Extração dos constituintes químicos
  18. 18. Triagem fitoquímica de extratos vegetais
  19. 19. Elucidação estrutural dos constituintes químicos Espectrometria no Infravermelho (IV) Espectrometria de massa (EM) Ressonância Magnética Nuclear de 1H Ressonância Magnética Nuclear de 13C
  20. 20. OH OOs produtos naturais: diversidade estrutural O O OH O Mentol Linalol Ascaridol Rotundifolona O O O HO OH OH O O HO Ácido caféico Psoraleno O OH O OH Lapachol HO CH3 HO CH3 HO OH O OH Lupeol Hipericina
  21. 21. OHOs produtos naturais: diversidade estrutural O OH OH O OH OH O H O HO O HO O MeO OMe OH OH H OMe OH OH O Podofilotoxina Epicatequina Quercetina MeO HO MeO NMe NH MeO N HO MeO O MeO HO OMe O MeO N N O MeO MeO O OMe OMe Alcalóides
  22. 22. Processo de descoberta de fármacos Número de compostos 10.000 → 1.000 → 10 → 1 Candidatos a fármacos Fármaco New Chemical Entities (NCE) Drug Pesquisa básica Descoberta Fase pré-clínica Fase clínica ComercialIdentificação Validação do do alvo alvo Identificação Otimização do protótipo Fase Fase Farmacologia Toxicologia I, II e III IV ~ 15 anos
  23. 23. F3C N H H H CH3 N S CH3 N CH3 N O O COOH S NH2 O OHO O CO2Me O NMe OH HHO Cl HN N
  24. 24. A pesquisa farmacológica...
  25. 25. Atividade farmacológica: ensaios pré-clínicos Camundongos Swiss (Mus Ratos Wistar (Rattus musculus), machos, albinos, novergicus), machos, albinos pesando entre 30-40 g com peso entre 250-350 g
  26. 26. Avaliação da toxicidade aguda 2 grupos (5 machos e 5 fêmeas) Observações para avaliação da atividade autônoma, Administração de até 5 g/kg v.o do EEB da planta motora e reflexos a cada 30 min., durante 4 h (Resolução Nº 90/04 ANVISA) consecutivas A ocorrência de morte é verificada após 24, 48 e 72 h
  27. 27. Contorções abdominais induzidas por ácido acético Pré-tratamento 60’ 5’ 15’ Parâmetro observado: Veículo Ác. acético 0,9% número de contorções Extrato via i.p. abdominais AAS Morfina
  28. 28. Teste da formalina Pré-tratamento 60’ 0’ 5’ 15’ 30’ 1ª fase 2ª fase Veículo Formalina 2% Dor neurogênica Dor inflamatória Extrato via s.c. AAS Morfina Parâmetro observado: tempo de lambida da pata (licking time)
  29. 29. Teste da placa quente 0’ Tratamento 30’ 60’ 90’ 120’ Veículo Valor basal Extrato Parâmetro observado: tempo de latência Morfina (retirar ou lamber da pata)
  30. 30. Alguns resultados...
  31. 31. Amburana cearensis
  32. 32. Amburana cearensis
  33. 33. Amburana cearensis
  34. 34. Amburana cearensis
  35. 35. Selaginella convoluta
  36. 36. HPLC-DAD de Selaginella convoluta 1
  37. 37. Selaginella convoluta 25 Number of writhings 20 15 10 ** 5 ** ** ** 0 ** Control 100 200 400 ASA Morph Sc-EtOH (mg/kg)Fig. 1. Effect of ethanolic extract of the Selaginella convoluta (Sc-EtOH) on aceticacid induced writhing test. Values are mean ± S.E.M. **p < 0.01, significantlydifferent from control; ANOVA followed Dunnett’s test (n = 6, per group).
  38. 38. Selaginella convoluta First phase 70 60 Licking time (s) 50 ** ** 40 ** 30 20 10 ** 0 Control 100 200 400 ASA Morph Sc-EtOH (mg/kg)Fig. 2. Effect of ethanolic extract of Selaginella convoluta (Sc-EtOH) on formalintest (first phase). Values are mean ± S.E.M.; **p < 0.01, significantly different fromcontrol; ANOVA followed Dunnett’s test (n = 6, per group).
  39. 39. Selaginella convoluta Second phase 50 40 Licking time (s) 30 * 20 ** ** 10 ** ** 0 Control 100 200 400 ASA Morph Sc-EtOH (mg/kg)Fig. 3. Effect of ethanolic extract of Selaginella convoluta (Sc-EtOH) on formalin test(second phase). Values are mean ± S.E.M.; *p < 0.05, **p < 0.01, significantlydifferent from control; ANOVA followed Dunnett’s test (n = 6, per group).
  40. 40. Selaginella convoluta 12.5 Control ** ** * Sc-EtOH 100 mg/kg 10.0 Latency time (s) ** Sc-EtOH 200 mg/kg ** ** 7.5 Sc-EtOH 400 mg/kg Morphine 10 mg/kg 5.0 2.5 0.0 30 60 90 120 Time (min)Fig. 4. Effect of ethanolic extract of Selaginella convoluta (Sc-EtOH) on hot platetest. Values are mean ± S.E.M.; *p < 0.05, **p < 0.01, significantly different fromcontrol; ANOVA followed Dunnett’s test (n = 6, per group).
  41. 41. Bromelia laciniosa
  42. 42. HPLC-DAD de Bromelia laciniosa 8 5 1 234 9 6 7
  43. 43. Bromelia laciniosa 20 Salina BL-EtOH 125 % Lesão *** BL-EtOH 250 10 *** Carbenoxolona *** 0 BL-EtOHFigura 1. Efeito do extrato (BL-EtOH) sobre úlcera induzida por etanol v.o. (0,2ml/animal),1 h após o tratamento v.o com carbenoxolona (100 mg/kg e veículo emcamundongo. ANOVA one-way seguida do teste de Tuckey,’’’ p<0,001
  44. 44. Bromelia laciniosa 20 Salina % Lesão *** BL-EtOH 125 10 BL-EtOH 250 *** Carbenoxolona *** 0 BL-EtOHFigura 2. Efeito do BL-(EtOH) sobre úlcera induzida por etanol acidificado v.o (0,2ml/animal), 1 h após o tratamento v.o. com carbenoxolona (100 mg/kg e veículoem camundongo. ANOVA one-way seguida do teste de Tuckey,*** p<0,001.
  45. 45. Encholirium spectabile
  46. 46. HPLC-DAD de Encholirium spectabile 6 9 8 7 2 1 3 10 45
  47. 47. Encholirium spectabile
  48. 48. Neoglaziovia variegata
  49. 49. HPLC-DAD de Neoglaziovia variegata 7 6 4 5 3 8 2 1
  50. 50. Neoglaziovia variegata 15 A B C D Lesion (%) 10 *** 5 *** *** 0 0 l 50 0 0 0 tro 10 10 20 40 on B C AR C NV-EtOHFigure 1: Effect of NV-EtOH (50, 100, 200 and 400 mg/kg) and carbenoxolone 100mg/kg (CARB 100) in model of ulcer induced by absolute ethanol in mice. Theresults are shown as means ± S.E.M. of 8 animals/group. ***p< 0.001 (ANOVA andTest Tukey).
  51. 51. Neoglaziovia variegata 15 Lesion (%) 10 ** 5 *** *** 0 0 l 50 0 0 tro 10 20 40 on B C AR NV-EtOH CFigure 2: Effect of NV-EtOH (50, 200 and 400 mg/kg) and carbenoxolone 100 mg/kg(CARB 100) in model of ulcer induced by ethanol/HCl in mice. The results are shownas means ± S.E.M. of 8 animals/group. **p<0.01 and ***p< 0.001 (ANOVA and TestTukey).
  52. 52. Neoglaziovia variegata 10.0 7.5 Lesion (%) 5.0 *** 2.5 *** *** 0.0 0 l 25 0 0 tro 10 40 10 on IM C C NV-EtOHFigure 3: Effect of NV-EtOH (25,100 and 400 mg/kg) and cimetidine 100 mg/kg (CIM100) in model of ulcer induced by ibuprofen in mice. The results are shown as means± S.E.M. of 7 animals/group. ***p< 0.001 (ANOVA and Test Tukey).
  53. 53. Ciência Mercado
  54. 54. Parcerias...
  55. 55. Agradecimentos
  56. 56. Matança (Jatobá/ Xangai) Caviúna, cerejeira, baraúna, imbuia, pau-darco, solva, juazeiro e jatobá; Gonçalo-alves, paraíba, itaúba, louro, ipê, paracaúba;Peroba, massaranduba, carvalho, mogno, canela, imbuzeiro; Catuaba, janaúba, aroeira, araribá;Pau-ferro, angico, amargoso, gameleira, andiroba, copaíba, pau-brasil, jequitibá.
  57. 57. Obrigado!!!jackson.guedes@univasf.edu.br

×