PACTA 10ª Edição

144 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
144
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PACTA 10ª Edição

  1. 1.                                                                                                                 PACTA    “Eu  quando  fundei  esta  casa  há  30   anos,  que  mais  concretamente  fará   dia   5   de   Dezembro   deste   ano   30   anos,   nunca   tinha   sonhado   que   pudéssemos   ter   alcançado   as   acções  que  alcançámos.“     Fernando  Nobre   MAIS  QUE  UMA  REVISTA,  UMA  JANELA  PARA  O  MUNDO     Edição   especial   dedicada   às   ONG’s   10ª  Edição,  Julho,  2014.  Revista  do  Núcleo  de  Estudantes  de  Relações  Internacionais  –  Especial  ONG’s    
  2. 2.                                                                                                   Coordenadores  da  PACTA:     Miguel  Brito,  nº  210962     Sofia  Ramos,  nº  212430   Colaboradores:     Tiago  Nobre,  nº  216492   Filipe  Gomes,  nº  216427   Gabriel  Machado,  nº  216387   João  Pinto,  nº  214903   Edição  de  imagem:     Miguel  Brito   Responsaveis  pelas  redes  sociais:     Sofia  Ramos,  Tiago  Nobre           CONTEÚDOS   *  Cadernos  do  Tiaguistão                                                4   -­‐    Não  basta  a  história  ensinar,  temos  que   querer  aprenders   *  Da  Casa                                                                                                        6   -­‐    População  e  desenvolvimento  depois  de   2014  um  testemunho  de  Estocolmo   *  Entrevista  a  Fernando  Nobre                            9   *  ONG’S                                                                                                          18   -­‐  AID  Global,    Susana  Damasceno   -­‐  CPR,  Mónica  Frechaut   -­‐  Oikos,  Pedro  Krupenski   *  Cronologia                                                                                          26   *  Experiência                                                                                        30   -­‐  Amnistia  Internacional,  Sara  Bernardo             A  EQUIPA   Segue-­‐nos  em:   https://www.facebook.com/PACTARI http://ae.iscsp.utl.pt/   2  
  3. 3.                             Preparando o ano lectivo que aí vem, a equipa da Pacta foi reestruturada. Para a última edição deste ano, foi decidido que seria uma edição de natureza não habitual mas original: uma edição temática exclusivamente dedicada às Organizações Não Governamentais (ONG’s), um importante vector da sociedade civil. Desde a segunda metade do século XX, a sociedade civil organizada tem assistido a um aumento progressivo do seu poder de acção e de mobilização. Aumento esse que, por consequência, é também qualitativo e quantitativo relativamente às questões propostas para discussão, debate e defesa bem como aos agentes que o passaram a conseguir e a poder fazer. Nada disto seria possível, sem o desenvolvimento, modernização e democratização do acesso às actualmente tão conhecidas tecnologias da informação e da comunicação (TIC). Nesta mais recente edição da Pacta apresentamos, como não podia deixar de ser, os habituais conteúdos, tanto oriundos do ISCSP como da restante comunidade académica, de investigação e de trabalho na área do resto do país. Neste contexto, decidimos entrevistar o Professor Fernando Nobre, o presidente da Assistência Médica Internacional (AMI), uma das mais proeminentes ONG’s portuguesas com uma relevante vertente internacional, a fim de perceber o papel da ONG em especial para um eventual ponte para a importância das ONG’s na generalidade. Em nome da equipa, a todos agradeço o apoio que não deixam nunca de manifestar e que é tão essencial à continuação deste projecto. Sofia Ramos Coordenadora da Revista Pacta          EDITORIAL   3  
  4. 4.   NÃO   BASTA   A   HISTÓRIA   ENSINAR,   TEMOS   QUE   QUERER  APRENDER   É   interessante   o   modo   como   a   História   dialoga   com   os   Homens.   Como  se  a  História  tivesse  vida  própria  e,  na   ausência   de   palavras,   nos   desse   algumas   pistas   sobre   o   nosso   futuro   próximo   se   estivermos  dispostos  a  olhar  para  o  passado.   Como  em  tudo,  não  basta  a  História  querer   ensinar-­‐nos   é   preciso   que   queiramos   aprender.   Em  1505,  enquanto  Portugal  estabelecia  em   Sofala  (Moçambique)  a  sua  primeira  colónia   em   África   Ocidental,   Al-­‐Ashraf   Qansuh   al-­‐ Ghawri,   Sultão   do   Egipto,   ordenava   uma   expedição   contra   os   portugueses   estacionados   em   Aden   (Iémen).   Nesse   mesmo   ano,   o   Reino   da   Polónia   transformou-­‐se   numa   “Commonwealth   de   Nobres”   (iniciando   o   período   da   Liberdade   DouradaI)   e   Moscovo   ganhou   um   novo   Grande  Príncipe:  Vasili  III.   Enquanto   Portugal   liderava,   a   par   com   a   vizinha  Espanha,  a  transformação  da  Europa   acelerando  as  dinâmicas  da  globalização,  na   Ásia   Central   um   espaço   sociopolítico   fragmentado   pelas   duas   incursões   mongóis   (Genghis   Khan   no   século   XIII   e   Timur   no   século  XIV)  entrava  numa  fase  de  profunda   reorganização   interna.   A   ideia   central   era   fechar  um  ciclo  de  conflitos  fratricidas  e  de   constante  derramamento  de  sangue.           Shaybani   khan   (Uzbeque),   em   1505,   conquista   as   importantes   cidades   de   Khwarezm   e   Urgench   (ambas   no   actual   Uzbequistão)   derrotando   as   forças   turquemenas   que   dominavam   a   região   e   afastando   os   líderes   Timuridas   que   haviam   provado  a  sua  incapacidade  para  pacificar  a   região,   viciados   que   estavam   em   golpes   palacianos   com   o   objectivo   de   conquistar,   ampliar  ou  recuperar  poder.   A  Europa  teria  que  esperar  pelo  século  XIX   para   ser   varrida   pelo   furacão   bonapartista.   No   rescaldo,   a   Europa   da   Santa  Aliança   foi   acossada   por   movimentos   liberais,   pela   Primavera   dos   Povos,   pela   aceleração   da   independentização   da   América   Latina,   pela   queda   de   algumas   casas   reais,   por   duas   Guerras   Mundiais,   pelo   aparecimento   e   desaparecimento   de   países   e   de   projectos   políticos.   Em  1957,  um  grupo  de  seis  países  procurou   fazer   em   conjunto   o   que   Shaybani   khan   fizera   sozinho,   cerca   450   anos   antes.   E   o   Tratado   de   Roma   surgiu.   Em   1992,   com   Maastricht,  o  grupo  passou  a  designar-­‐se  de   União   Europeia.   O   objectivo   mantinha-­‐se:   pacificar,   reconstruir   e   unir   a   Europa,   especialmente   após   a   implosão   da   União   Soviética.  Caberia  à  União  organizar  o  Velho   Continente.   Durante   o   reinado   de   Shaybani   khan   uniram-­‐se   uzbeques,   nómadas   turcófonos,   CADERNOS  DO  TIAGUISTÃO   4  
  5. 5. semi-­‐nómadas   iranianos,   semi-­‐nómadas   mongóis   e   cazaques.   Mais   tarde   até   os   turquemenos   e   alguns   grupos   étnicos   de   origem   chinesa   juntaram-­‐se   ao   “conforto   pacifista”   do   khanato.   A   Ásia   Central   viveu   um  período  de  ligeira  acalmia,  antes  da  nova   tempestade…   A   morte   do   khan   e   as   desvirtuações,   feitas   pelos   seus   herdeiros,   ao   modelo   de   governação   por   ele   criado   levariam  a  uma  rápida  implosão  do  khanato.   É  certo  que  a  pressão  do  poderoso  Império   Persa   Safavida   acelerou   a   destruição   do   espaço   construído   por   Shaybani   khan.   É   igualmente  certo,  contudo,  que  os  herdeiros   de  Shaybani  khan  apostaram  numa  política   de   centralização   do   poder,   que   limitava   a   capacidade   de   inclusão,   de   representação,   de   ter   voz.   Os   líderes   locais,   que   contavam   com   os   generosos   favores   das   autoridades   centrais,  tentavam  a  todo  o  custo  mascarar  a   realidade:   o   khanato   reduzira-­‐se   a   uma   cidade-­‐estado.   A  União  Europeia,  após  a  implosão  da  União   Soviética,  viu  como  obra  sua  a  inclusão  dos   povos   que,   sem   Moscovo,   pareciam   ter   ficado   num   estado   de   semi-­‐orfandade.   O   “espaço  protector”  da  União  cresceu.  A  ideia   de  “Europeidade”  deveria  substituir  a  noção   dos  vários  Nós  nacionais…  Mas  enquanto  se   criava   um   Nós-­‐Europeu,   ao   nível   psicossocial,   espartilhava-­‐se   o   poder   cada   vez   mais   afunilado   e   concentrado   numa   única  cidade.   Os  herdeiros  de  1957  parecem  ter  esquecido   o   propósito   inicial   da   União,   embriagados   pelo   aparente   sucesso   do   projecto   que   lideram,   que   recentemente   até   recebeu   o   galardão  de  Nobel  da  Paz  (pronúncio  de  um   momento   pré-­‐póstumo?),   foram   transformando  o  mesmo,  sem  respeito  pela   natureza   desta:   a   inclusão.   E,   curiosa   coincidência,   no   primeiro   abalo   sério,   a   tal   Crise   das   Dívidas   Soberanas,   a   Europa   descobriu  que  não  é  nada  Europeia…   No   topo   da   hierarquia   o   poderoso   Norte   Escandinavo;  seguido  pelo  produtivo  espaço   Austro-­‐Germânico-­‐Francês;   depois   os   relaxados  e  despesistas  dos  Latinos  do  Sul  e   em  quarto  lugar  os  pobrezinhos  e  corruptos   dos   Eslavos.   No   entremeio   as   repúblicas   Bálticas   acham-­‐se   parte   do   segundo   grupo,   enquanto   este   as   vê   como   pertença   do   quarto.   A   Europa   unida   não   pela   ideia   de   comum,   mas   por   uma   corrente   esparvoada   de  estereótipos.   No  khanato  de  Shaybani  khan  as  coisas  não   foram  muito  diferentes.  Os  Uzbeques  logo  se   declararam   herdeiros   de   Genghis   Khan;   os   grupos   Turcófonos   viriam   em   segundo,   seguidos   de   pertinho   pelas   tribos   semi-­‐ nómadas   Iranianas   que   não   devotassem   lealdade  ao  Xá;  os  Cazaques,  mais  próximos   do   futuro   Império   que   aglutinaria   todos,   vinham   em   quarto.   E   no   fim   da   cadeia,   os   Mongóis  e  os  Turquemenos.   Não   levou   muito   a   que   a   ausência   de   um   sentido  de  pertença  a  algo  comum,  de  facto   partilhado,  levasse  ao  surgimento  de  novos   projectos   sociopolíticos,   menos   ambiciosos   no  factor  inclusivo,  mas  mais  capazes  de  se   tornarem   representativos.   A   Europa   da   União   corre   o   mesmo   risco,   enquanto   o   caminho  trilhado  for  o  de  um  centralização   castradora   que   apenas   empodera   os   já   poderosos.   5  
  6. 6. Não   é   preciso   soarem   as   trombetas   do   apocalipse,   porque   a   Europa   da   União   caminha   mesmo   para   a   sua   implosão   com   passo  incerto,  sem  qualquer  noção  de  ritmo.   No  final,  restará  apenas  uma  cidade-­‐estado-­‐ tecnocrática   esvaziada   de   representatividade   real,   entupida   em   questões   regulamentares   e   incapaz   de   travar   a   desagregação   da   ideia   de   um   Nós   Europeu.   Mas,  ao  contrário  do  que  dizem  as  vozes  dos   líderes   locais   favorecidos   pela   tal   cidade-­‐ estado-­‐tecnocrática,   a   implosão   do   Nós   Europeu   não   levará   necessariamente   ao   abismo.   O   fim   do   khanato   de   Shaybani   permitiu   o   florescimento   dos   khanatos   de   Khiva,   Bukhara,   Samarkand,   Tashkent   e   Kokand;  o  fim  da  Europa  da  União  conduzir-­‐ nos-­‐á   a   algo   diferente,   por   certo;   mas   diferente  não  tem  que  ser  necessariamente   pior.   Resta-­‐nos   aguardar   e   olhar   para   trás,   para  saber  o  que  veremos  para  a  frente!           POPULAÇÃO  E  DESENVOLVIMENTO  DEPOIS  DE  2014   UM  TESTEMUNHO  DE  ESTOCOLMO   De  22  a  25  de  Abril   260   parlamentares   de   134  países  de  todas  as   regiões   do   mundo             reuniram-­‐se   em   Estocolmo   para   avaliar   o   estado   de   implementação   do   Programa   de   Ação   (PoA)   da   Conferência   Internacional   sobre   População   e   Desenvolvimento   (CIPD),   realizada  no  Cairo  em  1994.   Naquela  que  foi  a  sexta  grande  conferência   internacional   deste   tipo,   o/as   260   parlamentares   debateram   os   sucessos,   as   limitações  e,  sobretudo,  o  futuro  do  PoA     Por   Tiago   Ferreira,   Professor   na   Universidade  Kirikkale  e  Investigador  do   Instituto  do  Oriente                             cujo   quadro   temporal   de   aplicação   (20   anos)  termina  em  2014.   A   Conferência   do   Cairo   revolucionou   a   forma   como   governos,   parlamentos,   organizações   internacionais   e   sociedade   civil  organizada  olhavam  para  as  dinâmicas   DA  CASA   6  
  7. 7. populacionais   e   a   sua   corelação   com   os   processos  de  desenvolvimento.  População,   igualdade,   direitos,   educação,   saúde,   ambiente   e   desenvolvimento   são   entendidos  como  dimensões  de  um  mesmo   objetivo:   o   desenvolvimento   humano.   As   ligações   entre   estes   elementos   e   as   suas   sinergias  foram  plasmados  no  PoA  do  Cairo   –   com   a   definição   de   grupos-­‐alvo   e   ações   prioritários:   os   jovens,   as   mulheres,   a   igualdade   de   género,   a   prevenção   da   gravidez   adolescentes,   das   infeções   sexualmente  transmissíveis…   De   facto,   o   Cairo   efetuou   uma   revolução   paradigmática   na   forma   como   olhávamos   para  os  indicadores  populacionais  e  para  a   sua   relação   com   o   desenvolvimento.   De   uma   perspetiva   puramente   demográfica   passou-­‐se  para  uma  perspetiva  de  direitos,   isto  significa,  por  exemplo,  que  em  vez  de   nos  perguntarmos  como  é  que  chegamos  a   este  ou  aquele  valor  populacional,  devemos   tentar   perceber   como   é   que   podemos   construir  um  mundo  melhor  para  todas  as   pessoas   e   garantir   a   sustentabilidade   dos   direitos  humanos…   A   redefinição   do   conteúdo   operacional   de   saúde   reprodutiva   foi   um   dos   resultados   mais   debatidos   mas   também   mais   esperados  do  Cairo.   Quase   20   anos   depois,   não   obstante   os   inúmeros  sucessos  trata-­‐se  de  uma  agenda   inacabada.  Mesmo  a  inclusão  de  uma  meta   específica  nos  ODM  sobre  acesso  universal   à   saúde   sexual   e   reprodutiva   (meta   5.b)   não   foi   suficiente   para   garantir   que   a   comunidade  internacional  no  seu  todo  e  os   estados   individualmente   reconheçam   este   acesso  como  um  direito  humano.   Esta  faceta  do  Cairo,  a  igualdade  de  género,   o   empoderamento   de   mulheres   e   raparigas,   a   eliminação   do   casamento   forçado   precoce,   das   práticas   tradicionais   nefastas   como   a   mutilação   genital   feminina,   a   ratificação   da   Convenção   de   Istambul   (Convenção   do   Conselho   da   Europa   para   a   prevenção   e   combate   à   violência  contra  as  mulheres),  a  agenda  da   cooperação   para   o   desenvolvimento   no   pós-­‐2015   foram   apenas   alguns   dos   temas   que  marcaram  os  3  dias  de  trabalho.   Além  de  ter  estado  empenhada  no  Comité   de   Redação   da   Declaração   Final   enquanto   representante   da   Europa   (em   conjunto   com   a   minha   congénere   sueca),   pude   partilhar   com   colegas   de   outros   países   a   experiência   de   Portugal   na   ratificação   da   Convenção   de   Istambul:   Portugal   foi   o   primeiro  país  da  União  Europeia  a  fazê-­‐lo  e   encontra-­‐se   a   ultimar   alguns   aperfeiçoamentos   legislativos   que   decorrem  da  implementação  da  mesma.     Tive  ainda  a  honra  de  presidir  à  mesa  que   debateu   e   aprovou   a   declaração   final   de   Estocolmo.   A   Declaração   de   Estocolmo,   aprovada   por   unanimidade   por   todos   os   parlamentares   presentes,   foi   negociada   intensamente   e   constitui   um   forte   apelo   à   implementação   do  Programa  de  Ação  do  Cairo,  o  mais  forte   algum  dia  aprovado  por  Parlamentares,  no   ano   em   que   a   Assembleia   Geral   da   ONU   decidiu  prorrogar  o  seu  quadro  de  vigência   para  além  de  2014.   7  
  8. 8. Nesta   declaração,   comprometemo-­‐nos   a   mobilizar   os   nossos   eleitores   e   governos   para   que   os   princípios   do   Cairo   sejam   integrados  na  agenda  de  desenvolvimento   para   o   pós-­‐2015   e   que   esta   agenda   esteja   centrada   nos   direitos   humanos   e   na   igualdade   de   género   e   que   dê   voz   e   visibilidade   às   necessidades   e   potencialidades  de  mulheres  e  jovens.  Dito   de   outra   forma:   que   as   dinâmicas   populacionais   (e   os   movimentos   populacionais),  a  visão  do  PoA  do  Cairo,  e   os   valores   perdidos   na   tradução   da   Declaração  do  Milénio  para  os  Objetivos  de   Desenvolvimento   do   Milénio   que   a   implementam  estejam  ao  centro  e  no  topo   da  agenda  pós-­‐2015.   A   Declaração   não   é   um   tratado   internacional,   mas   vincula   os   deputados   e   as   deputadas   presentes   à   promoção   d   os   compromissos  nela  plasmados.     Alguns  dos  compromissos  vêm  já  do  Cairo   e  traduzem-­‐se  no  reconhecer  e  destacar  as   ligações  evidentes  entre  a  população  de  um   país   e   a   sua   capacidade   de   atingir   um   patamar   de   desenvolvimento   (económico,   social   e   ambiental)   sustentável   –   a   tal   revolução  paradigmática  a  que  já  aludimos   e   que   se   centra   não   na   demografia   mas   outrossim  nos  direitos.   Isto  implica  que  o/as  parlamentares  devem   integrar   as   dinâmicas   populacionais   na   elaboração   de   políticas   públicas   e   pugnar   para   quer   a   nível   nacional,   quer   a   nível   regional   e   local   essa   integração   seja   constante  e  efetiva.   Claro   está   que   os   jovens   estiveram   no   centro   das   atenções;   os   grandes   negligenciados  dos  ODM  devem  ser  vistos   como   um   bónus/dividendo   demográfico   que  deve  ser  aproveitado  para  alavancar  os   processos  de  desenvolvimento.   As  raparigas  e  mulheres  –  enquanto  grupos   vulneráveis   –   mereceram   atenção   em   vários   itens   do   nosso   trabalho,   desde   a   igualdade   ao   seu   empoderamento,   passando   pelo   reconhecimento   das   discriminações   e   violências   a   que   estão   sujeitas.   O   acesso   à   educação   como   fonte   de  emancipação  e  de  liberdade,  o  acesso  à   saúde   e   à   saúde   sexual   e   reprodutiva,   especificamente,   e   um   apelo   ao   fim   dos   casamentos   forçados   precoces   foram   mensagens   fortes   e   reiteradas   até   no   encerramento  da  Conferência.   A   necessidade   de   dotações   orçamentais   suficientes   para   que   estes   compromissos   sejam   cumpridos,   do   reforço   da   monitorização   parlamentar   dos   mesmos   e   da   criação   de   mecanismos   de   governação   que   permitam   a   participação   dos   destinatários   nos   processo   de   decisão   foram   conclusões   que   também   devem   ser   destacadas.     Mas  a  Declaração  termina  com  o  mais  forte   compromisso   que   poderíamos   ter   assumido:   “Expressamos   a   nossa   determinação   em   garantir   que   todas   as   pessoas   tenham   todos   os   direitos   e   liberdades   enunciados   na   Declaração   Universal   dos   Direitos   Humanos   das   Nações   Unidas,   sem   qualquer   distinção,   incluindo   os   direitos   e   a   saúde   sexual   e   reprodutiva,   a   fim   de   tornar   extensivos   a   8  
  9. 9. todos  os  princípios  da  igualdade,  dignidade   e  direitos  das  gerações  futuras  e  a  garantir   um  desenvolvimento  sustentável.”   A   dignidade   constrói-­‐se   garantindo   a   todo/as   uma   maior   liberdade.   E   essa   liberdade  implica  ação,  implica  empenho.  E   foi   isso   que   fizemos   em   Estocolmo:   comprometemo-­‐nos  a  fazer  mais  e  a  fazer   do   PoA   do   Cairo   uma   realidade.   Esse   é   o   meu  compromisso  diário.     Por  Mestre  Mónica  Ferro,  Professora  no  ISCSP           Pacta:   A   próxima   edição   da   nossa   revista   vai   ser   só   dedicada   à   questão   das   ONG’s   e   decidimos   fazer   esta   entrevista  ao  Professor  para  saber  qual   é   concretamente   o   papel   da   AMI   neste   âmbito.   Em   primeiro   lugar   queríamos   perguntar  qual  a  importância  da  AMI  e   quais   os   factores   e   ferramentas   desta   organização  na  sua  abordagem  e  na  sua   acção   que   a   diferenciam   das   outras   ONG’s.     Fernando   Nobre:   Faz   este   ano   30   anos   que   fundei   a   AMI.   Esta   Fundação   tem   quatro  eixos  de  intervenção  distintos:   1.  A  sua  missão  humanitária  internacional,  a   qual   se   distingue   em   três   partes:   a)   as   ENTREVISTA  A     FERNANDO  NOBRE   9
  10. 10. grandes  missões  de  emergência,  que  foram   muitas   no   historial   destes   30   anos,   nomeadamente   o   genocídio   no   Ruanda,   a   guerra  no  Golfo,  aos  refugiados  Curdos  no   Irão  e  a  Timor.  A  AMI,  ao  longo  destes  30   anos,   tem   estado   presente   nas   grandes   catástrofes,  tendo  sido  a  última,  o  tufão  que   atingiu  as  Filipinas  no  final  do  ano  passado.   As  nossas  intervenções  de  grande  urgência   implicam,   por   vezes,   o   frete   de   aviões.   b)   Ajuda   ao   desenvolvimento   com   equipas   médicas   em   permanência,   como   por   exemplo  na  Guiné-­‐Bissau  onde  estamos  há   vinte  e  sete  anos  com  equipas.  c)  Projetos   internacionais   em   parceria   com   organizações   locais,   por   exemplo   na   área   da   saúde   ou   na   área   social,   porque   entendemos   sempre,   por   um   lado,   para   a   questão   do   desenvolvimento   e   da   democracia   desses   países,   reforçar   a   sua   componente   civil   e,   por   outro   lado,   essa   rede   extensa   que   temos   pelo   mundo   de   entidades   com   as   quais   colaboramos   permitem-­‐nos   em   situações   de   grandes   emergências  ter  já,  in  loco,  parceiros  locais.   Tal  aconteceu,  por  exemplo,  no  terramoto   no   Haiti,   tal   aconteceu   nas   Filipinas   ultimamente,   tal   aconteceu   também   na   Venezuela.   Por   isso,   a   área   internacional   tem  essas  três  vertentes  de  intervenção.       2. A   intervenção   social   em   Portugal   concretiza-­‐se   através   dos   quinze   equipamentos   e   respostas   sociais   que   temos  em  todo  o  país  (Continente  e  Ilhas),   que  se  dividem  por  9  Centros  Porta  Amiga   (Lisboa   Olaias   e   Chelas;   Almada;   Cascais;   Coimbra;   Porto;   Vila   Nova   de   Gaia;   Funchal;   Angra   do   Heroísmo),   2   Abrigos   Noturnos   (Lisboa   e   Porto),   1   Residência   Social  (S.  Miguel),  2  equipas  de  rua  (Lisboa,   Porto   e   Gaia)   e   1   serviço   de   apoio   domiciliário   (Lisboa).   Estes   equipamentos   e   respostas   sociais   desenvolvem   um   conjunto   de   36   serviços   sociais   (entre   outros,   atendimento/acompanhamento   social,   apoio   ao   emprego,   12   centros   de   distribuição   alimentar,   11   refeitórios   sociais)   por   todo   o   país.   Essa   é   a   nossa   intervenção   social   em   Portugal,   em   que   todos   os   anos,   com   a   ajuda   alimentar   que   também   fazemos,   somos   a   entidade   responsável  pela  ajuda  alimentar  em  todo   o   distrito   do   Porto.   Permite-­‐nos   ajudar   todos  os  anos  entre  35  mil  a  40  mil  pessoas   no  país.         3. A   vertente   ambiental   foca,   como   vocês   sabem,  talvez  o  maior  desafio  para  a  vossa   geração,   entre   outros   desafios,   que   é   a   questão   das   alterações   climáticas,   e   que   está   a   levantar   uma   grande   preocupação   global:  daí  a  AMI  ter  um  departamento  de   Ambiente  bastante  ativo.     Além   disso,   considerando   que   a   saúde,   de   acordo   com   a   definição   da   Organização   Mundial   de   Saúde,   é   um   estado   de   completo  bem-­‐estar,  mental  e  social,  e  não   apenas   a   ausência   de   doença   ou   enfermidade,   uma   das   preocupações   da   AMI  é  a  proteção  do  ambiente,  como  forma   de   prevenir   os   potenciais   danos   resultantes   da   degradação   ambiental,   através   do   desenvolvimento   de   projetos,   que   visam   promover   as   boas   práticas   ambientais  das  empresas,  das  instituições  e   dos   cidadãos,   como   reciclagem   de   radiografias,   recolha   de   óleos   alimentares   usados,   reutilização   de   consumíveis   10
  11. 11. informáticos   e   telemóveis,   energia   solar,   entre  outros.       4. Depois,   temos   uma   quarta   vertente   que,   para   mim,   até   é   talvez   a   mais   importante   em   termos   de   futuro,   que   é   a   vertente   Alertar  Consciências,  ao  fim  e  ao  cabo,  dos   direitos   humanos,   da   cidadania,   da   intervenção  cívica,  da  responsabilização  de   todos   nós.   Essas   são   as   quatro   ações   da   AMI.   Nestas   quatro   ações,   intervimos   lá   fora   e   cá   dentro.   Porquê?   Em   missões   de   emergência,  quando  ocorreram  as  grandes   cheias,   por   exemplo,   na   Madeira,   nós   interviemos   e   até   fornecemos   muitos   equipamentos   aos   bombeiros   do   Funchal,   demonstrando   que   estamos   prontos   também   a   intervir   em   território   nacional,   se  for  necessário,  nas  grandes  emergências.   Ao   nível   Social,   embora   predominantemente   seja   em   Portugal,   fazemos   muitas   intervenções   lá   fora.   Ao   nível   ambiental,   atuamos   cá   dentro,   preferencialmente,   e   também   atuamos   na   Guiné-­‐Bissau   e   em   outros   países   em   parceria   com   organizações   locais.   A   vertente  de  Alertar  consciências  acaba  por   ser  uma  missão  transversal  que  nos  ocupa   a  todos  e  hoje  é  uma  das  áreas  que  mais  me   incentiva   nas   múltiplas   conferências   que   profiro.   Aliás,   no   final   de   Agosto   irei   falar   nas   Nações   Unidas   sobre   a   questão   justamente   da   proteção   ambiental   e   das   parcerias  locais  para  o  desenvolvimento.  E,   por   isso,   acredito   que   não   há   outra   instituição  em  Portugal  (e  isso  é  o  que  nos   diferencia  das  demais)  que  tenha  um  leque   tão   vasto   de   atividades,   e   que   nós   somos,   sem   dúvida   nenhuma,   no   quadro   das   organizações   não-­‐governamentais   portuguesas   que   incluem   associações,   institutos,   fundações   e   organizações   não-­‐ governamentais,   seguramente   a   entidade,   em   termos   humanitários   internacionais,   com  maior  impacto.  Não  há  outra  que  faça   o  que  nós  fazemos.  Em  termos  sociais,  em   Portugal,   e   em   termos   ambientais,   sem   falsas   humildades,   podemos   ombrear   com   qualquer  uma  e  isso  faz  com  que  esta  casa   esteja   em   permanente   tensão.   Utilizando   uma  palavra  que  está  na  moda,  nós  temos   uma   visão   holística   do   mundo,   daí   que   tenhamos   mudado   o   nosso   logotipo.   Hoje,   por  baixo  do  logotipo  da  “AMI”  está  escrito   “Por  uma  Ação  Humanitária  Global”.     P:   Em   relação   mais   concretamente   à   AMI,   esta   organização   tem   conseguido   alcançar   os   seus   objetivos,   aqueles   a   que   se   propõe?   Não   tem   conseguido   alguns,  tem  conseguido  todos?     FN:   É   evidente   que   nunca   conseguimos   tudo.  Quando  fundei  esta  casa  que  fará  dia   5   de   Dezembro   deste   ano   30   anos,   nunca   tinha   sonhado   que   pudéssemos   ter   alcançado   as   ações   que   alcançámos.   Para   quem   não   saiba,   mas   é   bom   talvez   saber,   eu,   embora   português,   nasci   no   Ultramar   em  Angola,  depois  estive  no  Congo,  estive   20   anos   em   Bruxelas   e   quando   vim   da   Bélgica   para   aqui   não   conhecia   ninguém.   Por  isso,  tive  que  criar  uma  instituição  do   zero,   do   absoluto   zero,   abrindo   muitas   portas  e  às  vezes  abrindo  portas  a  pontapé,   como  eu  costumo  dizer.  Agora,  se  fizemos   tudo   o   que   tínhamos   planeado?   Com   certeza   que   não.   E   por   isso,   a   pouco   e   pouco,   fomos   adaptando   a   instituição   aos   11  
  12. 12. desafios  mais  contemporâneos.  Quando  eu   fundei  a  AMI,  a  instituição  tinha  só  um  eixo   de   intervenção,   que   era   a   assistência   médica   internacional.   Porque   antes   de   ter   fundado  a  AMI,  eu  tinha  estado  6  anos  nos   Médicos   Sem   Fronteiras   e   fui   administrador   do   movimento,   por   isso,   trouxe  para  Portugal  uma  intervenção  que   eu  já  conhecia  lá  fora.  Depois,  à  medida  que   fomos   vendo   os   desafios   presentes,   nomeadamente   a   questão   da   exclusão   social   em   Portugal   e   da   nossa   pobreza   estrutural,  decidimos  abrir  o  departamento   de  Ação  Social.  A  AMI  foi  criada  em  1984  só   com   a   vertente   da   assistência   médica   internacional,   10   anos   depois,   em   1994,   criámos   o   Departamento   de   Ação   Social,   que   começou   então   a   abrir   os   vários   equipamentos  sociais  espalhados  pelo  país,   e   só   10   anos   depois,   em   2004,   criámos   o   Departamento   Ambiental.   À   medida   que   fomos  compreendendo  os  mecanismos  que   levam  a  que  o  nosso  mundo  esteja  hoje  na   situação   em   que   está,   pareceu-­‐nos   importante,   e   isso   foi   algo   que   se   foi   interiorizando   em   nós   quase   por   osmose   com  o  nosso  mundo  contemporâneo,  focar   cada  vez  mais  no  alertar  das  consciências,   perante  os  desafios  que  avistávamos  e  que   era   importante   começar   a   focar   nas   conferências,   nos   folhetos,   nas   cartas,   nas   intervenções   nas   escolas,   nas   faculdades,   na   televisão,   cá,   no   estrangeiro,   em   qualquer   parte   do   mundo.   Mas   não   há   nenhuma   entidade,   a   menos   que   esteja   cega,  que  possa  dizer  que  conseguiu  fazer   aquilo   que   pretendia   fazer.   Porquê?   Uma   casa   como   esta,   embora   tenha   estatuto   fundacional,   com   um   orçamento   anual   de   cerca  de  10  milhões  de  euros,  é  obrigada  a   um   esforço   permanente   para   encontrarmos  os  meios  para  poder  manter   um   tão   grande   leque   de   atividades   e   faz   com   que   obrigatoriamente,   por   exemplo,   na   área   internacional   (excluindo   as   grandes   emergências   que   acontecem   de   forma   pontual),   na   vertente   de   ajuda   ao   desenvolvimento,   fomos   dando   mais   primazia   a   financiamentos   a   parceiros   locais  do  que  a  manter  equipas  próprias  no   terreno.   Porquê?   A   relação   custo-­‐eficácia   parece-­‐nos   mais   elevada,   e   temos   constatado  isso,  depois  de  selecionados  os   parceiros   locais   e   aprovados   os   seus   projetos,  para  além  de  que,  indo  ao  terreno   uma  vez  por  ano,  o  resultado  é  mais  eficaz,   tendo  em  conta  essa  relação,  do  que  ter  em   permanência   equipas   médicas   no   local.   E,   por  isso,  em  função  dos  constrangimentos,   inclusive  financeiros,  que  vão  surgindo  no   país,  talvez  a  única  vantagem  desta  casa  em   relação  a  outras,  que  já  morreram  ou  que   irão   morrer,   é   termos   tido   sempre   a   preocupação  de  tentar  ver  mais  além  para   podermos   antecipar   as   dificuldades   e   podermos   adaptar-­‐nos   a   elas.   Uma   instituição   que   não   se   adapta   é   uma   instituição   destinada   a   desaparecer.   E   numa   época   que   é   a   vossa,   cada   vez   mais   acelerada,   menos   perene,   mais   instável   e   porque  não,  talvez  com  maiores  desafios,  é   importante   que   uma   instituição   se   adapte   rapidamente.   E   foi   o   que   nós   fomos   tentando   fazer.   Na   falta   de   capacidade   financeira,   por   exemplo,   nas   missões   de   intervenção  humanitária,  preferimos  nessa   altura   passar   o   testemunho   aos   nossos   parceiros   locais   e   continuar   a   nossa   ação   através   deles.   E   na   área   social,   no   nosso   país,   é   evidente   que   os   desafios   são   12  
  13. 13. tremendos.   A   pressão   nos   centros   sociais   está  muito  grande:  desde  2008  a  esta  parte   temos  tido  um  aumento  das  solicitações  na   ordem  dos  20-­‐25%  todos  os  anos  e  isso  faz   com   que,   se   até   hoje   nunca   rejeitámos   ninguém   que   nos   batesse   à   porta,   estejamos   no   limite   da   capacidade   de   resposta   que   delineámos   e   da   capacidade   financeira   para   o   fazer   porque   simultaneamente   também   é   verdade   que,   com   a   crise   económico-­‐social   no   país,   os   donativos   diminuíram,   o   que   é   normal,   porque  a  classe  média  e  média  baixa,  que  é   aquela   que   contribui   em   geral,   está   hoje   com  os  constrangimentos  conhecidos.     Para  terem  uma  ideia,  globalmente,  a  AMI   ajuda   todos   os   anos   diretamente,   na   área   internacional   e   na   área   nacional,   cerca   de   700   000   pessoas   e   indiretamente,   tendo   em  conta  os  agregados  familiares,  cerca  de   2   milhões   de   pessoas.   Não   deixa   de   continuar  a  ser  uma  gota  de  água  porque,   repito,  nós  estamos  num  planeta  que  já  tem   mais   do   que   7   mil   milhões   de   habitantes   dos  quais  1/5  vive  na  miséria  absoluta,  1/4   na   pobreza,   mas   não   obstante   isso,   acreditamos  que  temos  feito  o  que  tem  sido   possível  fazer,  embora  haja  sempre  mais  a   fazer.     P:   De   uma   forma   geral,   qual   pensa   ser   hoje  em  dia  a  importância  das  ONG’s?     FN:   Eu   acho   que   continua   a   ser   muito   importante   e   a   sua   importância   até   tem   vindo   a   ser   reforçada   devido   à   situação   internacional   e   nacional   que   estamos   a   viver   e   os   desafios   que   se   perspetivam.   Permita-­‐me   focar   só   em   dois,   que   é   a   questão  ambiental  que  já  tinha  referido,  e  a   questão  das  migrações  das  populações  que   vão   ser   um   enorme   desafio,   nomeadamente  para  o  continente  europeu.     Assim,   a   sociedade   civil   organizada,   representada   pelas   organizações   não-­‐ governamentais   que,   ao   fim   e   ao   cabo,   repito,   incluem   associações,   institutos   e   fundações,   tem   permitido,   tanto   ao   nível   europeu  como  ao  nível  de  Portugal,  que  a   famosa  bomba  social  não  tenha  explodido.   O   chamado   terceiro   sector,   representa   seguramente,   embora   não   hajam   estudos   estatísticos  exaustivos,  cerca  de  7%  do  PIB   e   contrata   possivelmente   7   a   8%   dos   assalariados  na  Europa  e  em  Portugal.  Por   isso,   é   um   sector   importante   para   a   contratação   e   é   um   sector   sobretudo   fundamental   na   ação   de   ajuda,   da   solidariedade,   que   tem   sido   feita   em   termos   nacionais   e   internacionais.   Mas   uma  coisa  é  certa,  tanto  na  proteção  como   na   prevenção   da   exclusão   social,   como   na   cooperação   internacional,   como   na   intervenção   ambiental,   como   na   intervenção   dos   direitos   humanos,   da   proteção   das   crianças,   da   questão   do   género,  no  combate  ao  armamento,  o  papel   da  sociedade  civil  tem  sido  vital.     Como  diz  um  grande  conhecedor  do  tema,   que   é   o   Jacques   Attali,   que   foi   não   só   conselheiro  durante  muitos  anos  do  antigo   presidente   francês   François   Mitterrand   e   presidente   do   Banco   Europeu   da   Reconstrução   e   Desenvolvimento:   “A   sociedade   civil   organizada,   nós   todos,   é   a   última   muralha   contra   o   apocalipse”.   É   a   expressão  dele.  Estamos  todos  conscientes   que,  se  esse  terceiro  sector,  essa  sociedade   civil   organizada,   esse   mundo   não-­‐ governamental   ativo   viesse   a   ter   um   13  
  14. 14. colapso,   veríamos   acontecer   nas   nossas   sociedades,  ditas  desenvolvidas,  explosões   sociais   de   grande   dimensão.   Trata-­‐se   de   um   sector   que   seria   preferível   não   ser   preciso   existir,   porque   isso   quereria   dizer   que   teríamos   encontrado   um   outro   paradigma  de  desenvolvimento  e  de  gestão   das   questões   humanas.   Porém,   também   é   verdade,   e   é   bom   que   se   diga   que   não   há   nenhum   governo,   por   melhor   estruturado   e  gerido  que  seja,  que  só  por  si  possa  dar   resposta   a   todas   as   questões.   Mesmo   nos   países   nórdicos,   que   são   aqueles   que   têm   uma   governação   mais   eficaz   e   mais   transparente,   o   mundo   da   sociedade   civil   está   lá   bem   presente   e   atuante.   É   preciso   conseguir   fazer   a   melhor   simbiose,   e   é   o   que  se  tenta  fazer  nesta  casa,  nas  parcerias   entre   nós,   entre   a   sociedade   civil   organizada,   e   neste   caso   concreto,   a   Fundação  AMI,  o  mundo  empresarial,  com   espírito   de   cidadania   e   o   mundo   governamental,   também   com   maior   transparência  e  equidade  na  sua  gestão.  Só   assim   será   possível   levar   este   mundo,   e   o   nosso   país   em   concreto,   para   um   outro   futuro.  Este  é  o  grande  desafio:  essas  três   forças   colocarem   no   vértice   das   suas   preocupações   o   ser   humano   e   não   a   acumulação  de  capital.  Portanto,  sem  uma   sociedade   civil   organizada,   corremos   o   risco   de   colapsar,   mas   a   sociedade   civil   organizada,   para   sobreviver,   tem   de   ser   particularmente   ativa,   imaginativa,   criativa,  inclusive  na  procura  dos  meios  da   sua   sobrevivência,   porque   da   mesma   maneira  que  não  há  nenhum  Estado-­‐Social   num   Estado   falido,   também   a   independência   da   sociedade   civil   não   existe  se  ela  não  encontrar  os  meios  para  a   sua  subsistência  financeira.       P:   Quais   considera   serem   as   características   fundamentais   para   uma   ONG  ter  sucesso?     FN:  Antes  de  mais,  ONG  é  uma  apelidação   de  que  não  gosto  muito,  embora  eu  tenha   sido  presidente  da  plataforma  das  ONGD’s   em  Portugal,  há  muitos  anos.  Prefiro  falar   hoje  em  dia  de  sociedade  civil  organizada.   Para   que   uma   ONG   tenha   sucesso,   primeiro,   é   preciso   que   os   seus   objetivos   estejam   em   sintonia   com   os   grandes   desafios  que  a  humanidade  tem  e  que  esses   objetivos   não   sejam   estáticos,   pois   eles   evoluem  e  é  preciso  que  a  instituição  em  si   saiba   adaptar-­‐se   às   exigências   e   ao   movimento   da   sociedade   e   do   mundo.   É   preciso  ter  objetivos  que  coincidam  com  as   exigências   da   sociedade   contemporânea,   adaptabilidade,   é   preciso   ser   uma   instituição   flexível,   que   antecipe   as   dificuldades   e   as   questões   na   medida   do   possível   e   que   encontre   os   meios   da   sua   atuação.   Por   não   terem   sabido   anteciparem-­‐se  às  mudanças  e  adaptarem-­‐ se  atempadamente,  muitas  organizações  da   sociedade  civil  morreram  na  Europa.  Eu  fiz   parte   de   grandes   conglomerados   de   organizações   europeias.   Há   muitas   que   morreram,  porque  a  EU  que  via  até  há  uns   15   anos,   no   mundo   das   ONG’s   um   privilegiado   e   verdadeiro   parceiro   para   o   desenvolvimento,   foi   mudando   a   sua   abordagem   para   ver   neste   momento   o   mundo   das   ONG’s   como   apenas   mais   um   parceiro,   como   um   parceiro   empresarial,   14  
  15. 15. exigindo   que   responda   a   concursos   semelhantes  aos  das  empresas.   Muitas  dessas  ONG’s  dependiam  80  a  95%   de  uma  única  fonte  de  financiamento,  que   era   a   UE.   Quando   essa   torneira   se   foi   fechando  ou  foi  dificultado  o  acesso,  muitas   também  foram  desaparecendo.  E,  por  isso,   como   dizia   há   pouco,   da   mesma   maneira   que   não   pode   haver   um   Estado   Social   credível   e   sustentado   num   país   em   pré-­‐ falência   ou   em   falência,   pois   isso   é   uma   falácia,  também  não  pode  haver  uma  ONG   atuante  e  livre  de  defender  os  seus  pontos   de  vista  e  a  sua  atuação  se  ela  não  souber   encontrar  os  meios  da  sua  subsistência.  De   contrário,  quando  nós  criticamos  quem  nos   financia,   a   resposta   é   muito   simples:   estanca-­‐se  o  financiamento.     Assim,   esta   casa   tem   conseguido   ter   a   atuação   que   tem   e   a   voz   que   tem   porque,   desde   o   início,   foi   sempre   a   sua   filosofia,   não   só   criar   meios   de   auto-­‐subsistência   próprios,   mas   também   de   diversificação   máxima   das   suas   fontes   de   financiamento   (e,   atualmente,   estamos   num   mundo   em   que   as   empresas   hoje   existem   e   amanhã   deixam  de  existir).   Por   isso,   quanto   mais   se   distribuírem   “os   ovos   pelos   cestos”   todos,   possíveis   e   imagináveis,  mais  temos  a  garantia,  não  de   sermos   perenes,   porque   nada   é   perene   neste   mundo,   mas   de,   pelo   menos,   perspetivarmos  a  nossa  atuação  num  certo   espaço  temporal.     P:  O  Professor  pensa  que  continua  a  ser   viável   criar   uma   ONG   em   Portugal?   O   que   falta   são   os   recursos   ou   a   vontade   por  parte  da  sociedade  civil?   FN:  Há  espaço,  há  muito  espaço.  Porque  há   várias   maneiras   de   ver   uma   instituição,   uma   ONG.   Pode-­‐se   criar   uma   ONG   de   âmbito   puramente   local,   no   Município,   na   Freguesia,   no   bairro.   Agora,   uma   coisa   é   certa:   quanto   mais   cidadãos   participarem   no   mundo   da   sociedade   civil   organizada,   maior   é   o   desenvolvimento,   maior   é   a   democracia   do   país.   E   se   nos   países   mais   avançados   sabemos   que   1   em   cada   3   cidadãos   ou   em   cada   2   participa,   desde   a   associação   de   bairro,   desde   a   associação   desportiva,   desde   a   associação   quase   da   rua,   no   que   diz   respeito   ao   seu   embelezamento,  ao  seu  desenvolvimento  e   à   sua   segurança.   No   que   diz   respeito   ao   desenvolvimento   da   sociedade   civil,   nos   países   mais   desenvolvidos   -­‐   Canadá,   Finlândia,   Noruega,   Dinamarca,   Suécia   -­‐   calcula-­‐se  que  possivelmente  1  em  cada  2   cidadãos   está   inscrito   numa   associação,   seja   ela   de   que   dimensão   for.   Nos   países   menos   desenvolvidos,   em   termos   de   democracia,  em  termo  socioeconómicos,  há   possivelmente  1  em  cada  100  ou  1  em  cada   1000,   nós   estaremos   1   em   cada   6   ou   em   cada  10.  Porém,  uma  coisa  se  sabe,  é  que  há   uma   pirâmide   da   evolução   social,   que   mostra   que   quanto   mais   a   situação   é   miserável,   mais   as   pessoas   tendem   primeiro  a  satisfazer  as  suas  necessidades   básicas,   que   são   simples:   é   a   alimentação,   senão,  uma  pessoa  morre,  é  a  habitação,  a   criação  dos  seus  filhos,  os  estudos  dos  seus   filhos,  e  isso  é  a  primeira  exigência  de  uma   família,   criar   uma   estabilidade   mínima   na   própria   comunidade.   Depois,   quando   está   satisfeita,   liberta   a   mente   para   olhar   e   desenvolver   outras   coisas.   Começam-­‐se   a   preocupar.   Mas   só   podemos   fazer   isso   se,   15  
  16. 16. efetivamente,   à   partida,   temos   satisfeitas,   algumas  das  nossas  necessidades  básicas.     Agora,   ainda   há   espaço,   muito   espaço,   tanto   na   questão   das   crianças   como   na   questão   da   violência   das   mulheres   e   dos   direitos  e  deveres  cívicos.  Vejam  o  que  está   a   acontecer   no   nosso   país,   quantas   mulheres   são   mortas   à   pancada   todos   os   anos.   Intolerável!   Como   na   questão   da   intervenção   cívica   dos   cidadãos,   como   na   questão   da   preservação   do   nosso   património,   seja   ele   local,   regional,   nacional,   como   na   ajuda   internacional   e   nos   desafios   que   se   avizinham.   Há   muito   espaço.   Haja   vontade,   haja   criatividade,   mas  há  que  manter  os  pés  no  chão  e  há  que   ter   a   cabeça   nas   nuvens,   os   ideais.   Sem   ideais   e   sem   utopias   é   difícil   viver,   mas   quando   se   é   responsável   por   algo   que   se   cria,  também  temos  de  ter  os  pés  no  chão.   Se   nós   não   soubermos   criar   as   condições   da   nossa   sobrevivência   enquanto   instituição,   nós   nunca   seremos   independentes.   Estamos   sempre   condicionados   por   alguma   coisa,   é   evidente,   não   há   ninguém   100%   independente   nesse   mundo,   ou   então   é   o   maior   egoísta   de   todos.   Contudo,   a   instituição,   ao   ser   criada,   tem   que   pensar   em  objetivos  concretos  e  estes  podem  ser   locais,   regionais,   nacionais,   europeus   ou   globais,   e   tem   que   ser   criativa,   transmitindo   exemplaridade   e   transparência   na   gestão   de   recursos,   porque  ninguém,  à  partida,  vai  ajudar.     Esta   casa   começou   quando   eu   tinha   a   minha   atividade   clínica,   com   os   meus   cheques  pessoais.  Quando  arrancámos  com   a  primeira  missão  para  a  Guiné  não  havia   dinheiro,   e,   ou   arriscava-­‐se   ou   não   se   arriscava.  Lembro-­‐me  que,  quando  reuni  o   primeiro   grupo   que   estava   comigo,   dizia:   “A  equipa  tem  que  partir  para  a  Guiné  e  é   preciso  eles  comerem,  é  preciso  alugar  um   jeep,  é  preciso  gasolina  para  o  jeep...  enfim,   vamos   começar   de   pequenino,   mas   é   preciso   também   comprar   alguns   medicamentos.   Nós   não   tínhamos   nenhuma   garantia   que   viéssemos   a   recuperar   o   nosso   dinheiro,   a   instituição   podia   morrer.   E,   por   isso,   é   preciso   saber   arriscar,   mas   é   preciso   ser   criativo,   tendo   bons   objetivos,   acreditando   neles.   Criar,   repito,  os  meios  da  nossa  ação  e  da  nossa   sobrevivência   e   da   nossa   independência,   mesmo  que  não  seja  a  100%.   Hoje,   no   quadro   desta   casa,   25%   dos   financiamentos   são   públicos,   logo,   eu   sou   livre  de  ter  um  discurso  livre  mas  que  não   exclui   o   bom   senso.   Esta   casa   não   é   “subsídio-­‐dependente”.   No   entanto,   existem   instituições   neste   país   que   o   são.   Mas   há   espaço,   há   muito   espaço   e   deixo-­‐ vos   esse   desafio:   sejam   criativos,   olhem   com   atenção   para   as   necessidades   da   sociedade.   Não   é   preciso   sonharem   logo   com  uma  instituição  de  cariz  internacional,   mas  podem  fazê-­‐lo.  Eu  sonhei  e  pronto,  não   sabia   que   isto   ia   resultar,   mas   até   hoje   resultou  e  já  faz  30  anos.  Mas  pode  ser  só   na  sua  rua,  bairro,  vila,  aldeia...  Há  sempre   coisas   para   fazer   se   uma   pessoa   se   mantiver  de  olhos  abertos.  E,  mais  do  que   isso,   eu   acho   que   é   fundamental,   embora   nada  seja  perene,  para  a  democracia.  Vocês   nasceram  em  democracia,  eu  não,  mas  não   quer   dizer   que   morram   em   democracia.   Assistiram  aos  resultados  das  eleições  para   o   Parlamento   Europeu   e   a   Europa   nos   próximos   10   anos   pode   mudar   16  
  17. 17. rapidamente  e  o  pêndulo  da  História  pode   voltar   a   bater   no   outro   lado.   Não   adormeçam,   não   se   acomodem,   pensando   que  a  nossa  democracia  está  garantida,  que   é   perene   e   que   vai   passar   para   os   vossos   filhos,   que   não   temos   nada   com   que   nos   preocupar.  Todos  temos  de  nos  preocupar,   e   daí   que,   repito,   as   sociedades   mais   desenvolvidas   e   mais   democráticas   sejam   as   nórdicas,   até   hoje,   porque   são   aquelas   em  que  os  cidadãos  mais  se  empenham.  Só   quero  dizer  que  o  nosso  civismo  ainda  está   muito   incipiente   e   que   a   nossa   sociedade   civil   ainda   é   muito   fraca,   não   só   em   percentagem   mas   também   em   independência,   porque   muitas   são   “subsídio-­‐dependentes”.     Entrevista   por   Tiago   Nobre   e   Sofia   Ramos                                                                                           17  
  18. 18.           A   AIDGLOBAL  -­‐  Acção  e  Integração   para   o  Desenvolvimento  Global   é   uma   Organização   Não   Governamental   sem   fins   lucrativos  vocacionada  para  a  promoção  do   acesso   ao   livro   e   para   o   combate   à   iliteracia,   em   Moçambique,   através   da   construção   e   reforço   de   bibliotecas   municipais   e   escolares.   Até   à   data,   viabilizou   o   equipamento   de   4   bibliotecas   municipais   e   5   bibliotecas   escolares,   uma   delas   sob   a   forma   de   biblioteca   móvel,   a   “Bibliotchova”,  mais  de  25  mil  livros  e  112   computadores,   onde,   também,   realizou   ações   de   formação   para   professores   e   atividades  de  dinamização  da  leitura,  junto   de   crianças   e   jovens,   no   âmbito   do   programa  “Passaporte  para  a  Leitura”.   Até  junho  de  2014,  está  prevista  a  chegada   do   quarto   contentor  com   mobiliário,   material   escolar,   obras   de   literatura   infantil  e  livros  técnicos  para  as  bibliotecas,   municipais   e   escolares,   doados   por   membros   e   amigos   da   AIDGLOBAL,   empresas   e   instituições,   tais   como   a  Editora   LeYa,   os   CTT   –   Correios,   a   Fundação   Portugal   Telecom,   a   Associação   Voluntários  com  Asas,  a  Família  Laginha,  a   Fundação   Luso-­‐Americana   para   o   Desenvolvimento   e   Essentials   Minds.   Paralelamente,  também  em  Moçambique,  a   AIDGLOBAL   envolveu   30   mulheres   em   situação   de   vulnerabilidade   num   projeto   de  geração  de  rendimentos  e  de  educação   para  a  saúde  e  continua  a  apoiar  o  Centro   Comunitário   do   Chimundo,   onde   se   realizam   atividades   de   Educação   para   a   Infância.     Em   Portugal,   tem   vindo   a   aproximar   crianças,   jovens   e   adultos   dos   valores   da   Educação  para  a  Cidadania  Global,  com  o   objetivo  de  consciencializar  para  as  causas   das  desigualdades  no  mundo,  suscitando  a   necessidade  de  agir  em  prol  de  um  mundo   mais  justo  e  sustentável.  A  AIDGLOBAL  tem   vindo   a   atuar   nesta   área,   com   enfoque   na   Educação   para   o   Desenvolvimento,   promovendo   atividades   junto   de   professores  e  alunos  de  escolas  de  Lisboa  e   Loures,   através   do   projeto  “Educar   para   Cooperar”  que   já   envolveu,   até   à   data,   mais   de   2.300   alunos   em   11   estabelecimentos   de   ensino.  Esta   área   destaca   a   abordagem   de   temas   como   o   Consumo   Responsável,   o   Comércio   Justo,   os   Direitos   Humanos,   a   Solidariedade,   a   Interculturalidade,   o   Conflito   e   a   Paz,   o   Acesso   Universal   à   Educação,   o   Desenvolvimento   Sustentável,   a   Igualdade   de   Género,   os   Objetivos   de   Desenvolvimento   do   Milénio,   as   Desigualdades   Mundiais   e   a   Saúde.   Neste   âmbito,   a   Organização   abraçou   o   movimento   moçambicano   em   torno   da   história  da  Formiga  JUJU,  para  difundir  os   valores   da   interculturalidade,   da   inclusão,   da  diversidade,  da  participação  e  da  defesa   do   meio   ambiente,   através   da   leitura   do   ONG’s   18  
  19. 19. conto   em   bibliotecas.     Para   o   período   de   férias   escolares,   a   AIDGLOBAL   oferece   os   ateliês  “O   Mundo   em   Nós”,  convidando  os  mais  pequenos  à   descoberta   de   outras   culturas   numa   “viagem   intercontinental”.   O   projeto  “Despertar   para   a   Educação   Global”  aspira  à  concretização  dos  valores   da   Educação   Global   a   nível   europeu.   O   projeto,  financiado  pela  União  Europeia,  é   promovido  pela  ONGD  alemã  Dachverband   Entwicklungspolitik   Baden-­‐Württemberg   (DEAB),   em   parceria   com   outras   duas   ONGD   alemãs   -­‐   Forum   for   International   Development   +   Planning   (FINEP)   e   Entwicklungspädagogische   Informationszentrum  EPiZ  in  Reutlingen  –,   uma   organização   romena   APSD   –Agenda   21e  duas  portuguesas  Instituto  Marquês  de   Valle  Flôr  e  AIDGLOBAL.   “Despertar  para  a  Educação  Global”  tem   como   finalidade,   não   só   dar   formação   aos   membros   das   Organizações   da   Sociedade   Civil  (OSC)  da  Alemanha,  de  Portugal  e  da   Roménia,   que   estejam   envolvidos   ou   interessados  na  promoção  dos  projetos  de   Educação   para   a   Cidadania   Global   (EG),   numa   perspetiva   de   Educação   para   o   Desenvolvimento   (ED),   como   também   estruturar   um   curso   de   formação   modelo,   para   ser   replicado   futuramente.     O   objetivo   é   que   este   curso,   com   foco   na   análise   das   questões   relacionadas   com   o   desenvolvimento  sustentável  e  a  dimensão   social   da   globalização,   seja   divulgado   com   sucesso  em  toda  a  Europa.  Nos  três  países   alvo,   existem   várias   Organizações   da   Sociedade   Civil   (OSC)   e   várias   ONG   que   trabalham   na   área   da   sensibilização   no   âmbito  da  Educação  Global  e  da  Educação   para   o   Desenvolvimento,   a   nível   local   ou   regional,   organizando   campanhas,   apresentações,   eventos   públicos,   workshops,  etc.   Dado   que   a   maior   parte   deste  trabalho  é  realizado  por  voluntários   sem   a   formação   adequada,   o   projeto   visa   colmatar  as  necessidades  de  formação.   A   AIDGLOBAL   promoveu,   em   2012,   um   intercâmbio  sobre  Meio  Ambiente  entre   as   Escolas   Secundárias   do   Chibuto   e   Malehice,   em   Moçambique,   e   os   agrupamentos   de   escolas   de   Bucelas   e   da   Bobadela,  âmbito  do  projeto  “Educar  para   Cooperar”   -­‐   Loures   (2ª   ed.).   Alunos   das   Escolas   Secundárias   do   Chibuto   e   de   Malehice,   em   Moçambique,   receberam   materiais  manufaturados  pelos  seus  pares,   em   Portugal,   feitos   a   partir   de   materiais   reutilizados,   complementando   a   troca   de   ideias   e   reflexões   sobre   as   diferentes   formas   de   tratamento   do   lixo,   com   o   objetivo  de  sensibilizar  as  crianças  para  o   respeito   pelo   meio   ambiente   e   despertar   para  a  interculturalidade.   Ambas   as   escolas   do   Distrito   do   Chibuto,   participantes   no   intercâmbio,   fizeram   parte   do   projeto   “Rede   de   Bibliotecas   Escolares  do  Distrito  do  Chibuto”,  inserido   no   Programa   “Passaporte   para   a   Leitura”   que   pretendeu   contribuir   para   a   literacia   de   comunidades   moçambicanas   em   situação  de  vulnerabilidade.         19  
  20. 20. Política  de  cooperação  em  portugal   O   Camões   –   Instituto   da   Cooperação   e   da   Língua  (CICL)  é  a  agência  responsável  pela   implementação   da   política   de   Cooperação   para  o  Desenvolvimento,  em  Portugal.     A  política  de  Cooperação  Portuguesa  segue   linhas   de   atuação   que   visam,   maioritariamente,   a   paz,   a   solidariedade   entre   povos,   o   estabelecimento   e   a   consolidação   de   um   regime   político   democrático  em  todos  os  países,  o  respeito   pelos   direitos   do   homem,   a   promoção   da   língua   portuguesa   e   a   proteção   do   meio   ambiente.   O   CICL   dá   prioridade   à   atuação   nos   Países   Africanos   de   Língua   Oficial   Portuguesa  de  forma  a  ajudá-­‐los  nos  mais   diversos  setores,  sendo  a  Educação  um  dos   principais.   No   âmbito   da   Educação,   a   Cooperação   Portuguesa   deseja   contribuir   para   o   segundo   Objetivo   de   Desenvolvimento   do   Milénio   “Alcançar   o   Ensino   Primário   Universal”  e  apoiar  projetos  de  capacitação   e   de   investigação.   “Pretende-­‐se,   portanto,   possibilitar   às   populações   locais   o   acesso   sustentável  e  de  qualidade  à  educação”,  de   acordo   com   o   documento   “Uma   Visão   Estratégica  para  a  Cooperação  Portuguesa”   (IPAD,  2006).  No  nosso  país,  as  ONGD  são   as   maiores   aliadas   de   uma   agenda   de   cooperação   para   o   desenvolvimento   mais   justa,  equitativa  e  eficaz.   Por  Susana  Damasceno   Presidente  da  AIDGlobal           REFUGIADOS:   NÃO   SÃO   APENAS   NÚMEROS   -­‐   Informação   Pública   do   Conselho  Português  para  os   Refugiados   O   Alto   Comissariado   das   Nações   Unidas   para  os  Refugiados  (ACNUR)  e  o  Conselho   Norueguês   para   os   Refugiados   (CNR)   publicaram  recentemente  um  estudo  onde   revelam   que   a   guerra   civil   na   Síria   obriga   aproximadamente   uma   família   a   cada   minuto  a  sair  de  casa  por  causa  do  conflito.   Por  dia,  são  cerca  de  9  500  pessoas  que  são   forçadas   a   deixar   praticamente   tudo   para   trás,   sem   saberem   se   algum   dia   poderão   regressar  a  suas  casas.     Se   em   2012   mais   de   45,2   milhões   de   pessoas  foram  forçadas  a  deslocar-­‐se,  15,4   milhões   de   refugiados,   937,000   requerentes   de   asilo   e   28,8   milhões   de   deslocados   internos,   a   escalada   de   violência  que  teve  lugar  na  Síria,  no  Sudão   do   Sul   e   na   República   Centro   Africana   no   decurso   de   2013   irá,   certamente,   elevar   este   número   para   valores   nunca   vistos.   A   estes,   acrescem   ainda   os   cerca   de   10   milhões   de   apátridas   que   aguardam   por   uma   cidadania,   uma   condição   essencial   para  uma  plena  participação  na  sociedade.   Os   números   do   ACNUR   revelam,   igualmente,   que   os   países   em   desenvolvimento   são   mais   generosos   em   matéria   de   acolhimento,   pois   recebem   20  
  21. 21. cerca   de   80%   dos   refugiados   do   mundo,   quando   há   uma   década   atrás   acolhiam   70%.     Estamos   perante   números   verdadeiramente  alarmantes  que  espelham   duas  realidades  igualmente  perturbadoras.   Por   um   lado,   os   dados   refletem   o   sofrimento   individual   numa   escala   que   é   difícil  de  imaginar  e,  por  outro,  revelam  as   dificuldades   da   comunidade   internacional   na   prevenção   de   conflitos   e   na   promoção   de   soluções   atempadas   para   esta   população  tão  vulnerável.     Apesar   de   Portugal   permanecer   como   um   dos   países   da   União   Europeia   com   menos   pedidos   de   proteção,   apenas   50   por   cada   milhão   de   habitantes,   tem-­‐se   observado   um   aumento,   nos   últimos   anos.   Esta   tendência   de   crescimento   teve   início   em   2011   (mais   70%   que   em   2010),   em   2012   (mais   9%   que   em   2011)   e   durante   2013,   Portugal   recebeu   506   pedidos   de   asilo,   o   número   mais   alto   desde   1994,   o   que   representa   um   aumento   de   69%   em   relação   a   2012   (299   pedidos   de   asilo),   seguindo,   assim,   a   tendência   verificada   globalmente.  O  Conselho  Português  para  os   Refugiados   (CPR)   assegurou   alojamento   e   alimentação   a   cerca   de   432   pessoas,   em   2013,  mais  71  pessoas  que  no  ano  anterior.   No  ano  passado,  as  origens  predominantes   dos  requerentes  em  Portugal  foram  a  Síria   (146   pedidos),   a   Guiné-­‐Conacri   (80),   a   Nigéria  (37),  o  Senegal  (36)  e  o  Mali  (26),   num  total  de  48  nacionalidades  diferentes.     Cabe   ao   ACNUR   e   aos   seus   parceiros,   designadamente   o   seu   representante   em   Portugal,   o   Conselho   Português   para   os   Refugiados,   proporcionar   proteção   internacional   aos   refugiados   e   encontrar   soluções   duradouras   para   que   estes   possam   reconstruir   as   suas   vidas   com   dignidade,  justiça  e  paz.     Especificamente,   o   CPR   tem   como   principal   missão   defender   e   promover   o   direito   de   asilo   em   Portugal,   através   de   atividades   que   visam   o   apoio   jurídico   e   socioprofissional   dos   requerentes   de   asilo,   refugiados,   beneficiários   de   proteção   humanitária,   deslocados   e   apátridas,   desde   a   fase   do   acolhimento   até   à   sua   integração   na   sociedade   portuguesa.  Dito  isto,  este  Conselho,  para   além   de   gerir   os   seus   dois   centros   de   acolhimento  (Centro  de  Acolhimento  para   Refugiados  e  Centro  de  Acolhimento  para   Crianças   Refugiadas)   e   uma   creche/   jardim   de   infância,   procura   assegurar   o   acesso   desta   população   a   um   procedimento  de  asilo  justo  e  eficaz;  criar   um   ambiente   favorável   para   a   proteção   dos   refugiados;   e   promover   soluções   duradouras   para   os   seus   problemas,   particularmente   através   da   integração   e   da  reinstalação.  Não  obstante,  esforça-­‐se,   continuamente,   para   que   a   temática   do   Asilo  e  Refugiados  permaneça  na  agenda   pública   nacional,   promovendo   iniciativas   de   Informação   Pública,   como   ações   de   sensibilização   em   estabelecimentos   de   ensino,  cursos  de  asilo  nas  Universidades,   presenciais   e   a   distância,   campanhas   e   iniciativas   de   advocacia,   seminários   e   congressos   internacionais,   trabalho   com   os   Media,   etc.,   e,   desta   forma,   criar   uma   21  
  22. 22. sociedade   mais   consciente   e   informada   para  este  tema.     Perante   uma   realidade   que   muitas   vezes   se   apresenta   apenas   em   números,   a   necessidade  de  sensibilizar  e  promover  a   compreensão   das   razões   pelas   quais   tantas  pessoas  são  forçadas  a  abandonar   os  seus  países  é  essencial.     As   atividades   do   Setor   da   Informação   Pública   deste   Conselho   oferecem   a   oportunidade   de   compreender   que   por   trás   de   cada   estatística   anónima   relacionada  com  as  migrações  forçadas  há   um   rosto   e   uma   narrativa   pessoal   de   sofrimento   e   perda,   mas   também   de   coragem  e  determinação.     É   fundamental   dar   a   conhecer   estas   histórias  para  que  as  pessoas  saibam  que   os   refugiados   não   são   apenas   números,   são  pessoas  com  necessidades  concretas  e   que   as   soluções   para   os   seus   problemas   não  dependem  só  deles,  mas  de  todos  nós.   Por   Mónica   Frechaut-­‐   Informação   Pública   do   Conselho  Português  para  os  Refugiados                                 LOBBY  E  A  CIDADANIA  COLECTIVA   ORGANIZADA   O  termo  lobby  em  Portugal  está  pejado  de   preconceitos.   É   olhado   –   e   muitas   vezes   alimentado,  até  pela  comunicação  social  –   como   um   conjunto   de   práticas   obscuras,   até   mafiosas   que   visam   defender   de   forma   ilegítima,   interesses   sectoriais   também   eles   obscuros,   até   mafiosos.   Salvo   os   casos   em   que   de   facto   lobby   é   tudo   aquilo,   é   também   provavelmente   uma   das   formas   mais   eficazes   de   a   Sociedade   Civil   organizada   exercer,   num   Estado   de   Direito   Democrático,   a   sua   cidadania   em   defesa   dos   interesses   daqueles  que  –  os  mais  desfavorecidos  –   legitimamente   representa.   Com   efeito,   uma   democracia   saudável   é   aquela   em   que   não   só   os   partidos   políticos   fazem   política.   A   língua   portuguesa   é   rica   mas   não   o   suficiente   para,   como   a   britânica,   distinguir  politics  de  policy.  Por  cá,  é  tudo   política  e  a  política  é  quase  só  partidária.   Fica   pois   de   fora   da   nossa   matriz   fazer   policy,   provavelmente   a   forma   mais   directa   de   participar   na   definição,   construção,   implementação,   monitorização   e   avaliação   das   políticas   públicas   que   definem   o   rumo   da   coisa   22  
  23. 23. pública,  que  uma  democracia  não  directa   permite.   É  esta  policy  que  a  Plataforma  Portuguesa   das   Organizações   Não   Governamentais   para   o   Desenvolvimento   (ONGD)   que   actualmente   tenho   a   honra   de   presidir,   entre   outras   funções   (a   de   capacitar   e   empoderar   as   ONGD   suas   associadas,   de   potenciar  entre  elas  a  culturas  de  parceria   e  de  partilha),  tem  como  grande  objectivo.   Reconhecida  pela  lei  (Lei  n.º  66/98  de  14   de  Outubro)  como  interlocutor  do  Estado   para   as   áreas   da   Cooperação   para   o   Desenvolvimento,  Ajuda  Humanitária  e  de   Emergência  e  Educação  para  a  Cidadania   Global,  a  Plataforma  procura  potenciar  o   trabalho   das   suas   associadas   a   nível   político,   legislativo   e   até   económico.   A   Plataforma,  junto  dos  decisores  políticos,   dos   legisladores,   dos   potenciais   financiadores   procura   que   sejam   adoptadas  as  melhores  opções  de  acordo   com   as   boas   práticas   internacionais   e,   mais   importante,   de   acordo   com   as   necessidades   das   várias   comunidades   com  que,  pelo  mundo  fora,  as  suas  cerca   de  70  associadas  trabalham  directamente.   Na   verdade,   para   resolver   os   problemas   da   pobreza   no   mundo   não   basta   dar   peixe,  nem  ensinar  a  pescar.  É  também  e   sobretudo  preciso  que  a  pesca  tenha  um   enquadramento   político   coerente   e   persistente,   um   enquadramento   legal,   uma   integração   económica   nos   sistemas   existentes.  É  para  assegurar  tudo  isto  que,   como   interlocutor   público,   a   Plataforma   vai   despendendo   do   seu   conhecimento   e   recursos.   Ao   longo   dos   seus   quase   30   anos   de   existência   a   Plataforma   tem   contribuído,   entre   outros,   para   a   construção   e   implementação   das   estratégias   nacionais   da   Cooperação   e   de   Educação   para   o   Desenvolvimento,  Estatutos  das  ONGD,  do   Cooperante,  do  Voluntário,  para  a  Lei  do   Mecenato,   para   as   normas   de   cofinanciamento   público   aos   projectos   das   ONGD,   para   a   criação   de   parcerias   com  outras  organizações  e  sectores,  para   a   sensibilização   e   consciencialização   da   opinião   pública   para   as   questões   relacionadas   com   a   cooperação   para   o   desenvolvimento,  para  o  diálogo  e  debate   público   sobre   os   compromissos   que   Portugal   assume   bilateralmente   com   os   países   parceiros   e   com   as   organizações   multilaterais,   para   a   monitorização   e   avaliação   (quantitativa   e   qualitativa)   da   Ajuda  Pública  ao  Desenvolvimento.   São   ainda   poucas   as   ONGD   portuguesas   que   têm   integrado   na   sua   estratégia   institucional   participarem   activamente   em   todos   estes   processos.   Muitas,   contudo,   desde   muito   cedo   incluíram   na   sua  missão  e  visão  e  nas  escolhas  de  acção   esta   preocupação   de   contribuir,   a   um   nível   mais   macro,   para   a   construção   de   um  mundo  mais  justo  e  equitativo.   A  Oikos  –  Cooperação  e  Desenvolvimento   de   que   tenho   privilégio   de   ser   o   actual   Director   de   Desenvolvimento,   é   uma   delas:   É   uma   ONGD   portuguesa,   voltada   para   o   Mundo.   Por   isso   trabalha   com   as   comunidades   e   regiões   de   países   mais   pobres,   independentemente   da   sua   localização   geográfica. Desde   a   23  

×