022_02_EV-197_201409_pag022-025

253 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
253
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

022_02_EV-197_201409_pag022-025

  1. 1. PAISAGEM Campos a perder de vista e o rio Mira sempre à espreita são a marca deste refúgio alenteja­no. 22-25_MZambujeiro ER.indd 22 20-08-2014 14:56:32
  2. 2. Refúgio autêntico no litoral alentejano É o Mira, rio que percorre as margens deste turismo rural, que nos transporta para um outro Alentejo, mais autêntico, ainda que a apenas alguns quilómetros de Vila Nova de Milfontes. TEXTO DE MIGUEL JUDAS | FOTOGRAFIAS DE GONÇALO VILLAVERDE/GLOBAL IMAGENS 23 M O N T E D O Z A M B U J E I R O 22-25_MZambujeiro ER.indd 23 20-08-2014 14:56:41
  3. 3. 24 A primeirasurpresaéalocalização.Mal sepassamosportões,éfácilesquecer que Vila Nova de Milfontes fica ali mesmo ao lado, a pouco mais de três quiló- metros. Aqui há apenas campo a perder de vista, a lembrar que estamos no Alentejo, mesmo aqui, à beira-mar. A maior surpresa vem a seguir, com a vista panorâmica para o estuário do Mira. O rio é, aliás, uma presença constante em quase todos os recantos desta unidade de turismo rural, aberta em 2008 numa propriedade de 70 hectares situada na margem sul do rio e que se estende mesmo até à água. «Esta herdade está na minha fa- míliahácercade200anos,éalgoquesempre fez parte da nossa história e da minha vida», conta Mónica McGill durante o jantar, servido no monte, mediante pedido antecipado. O menu inclui bacalhau com azeite e alho, bacalhau gratinado ou lombo de porco preto, antecedido de ovos com farinheira ou tostas de pão alentejano com presunto pata negra etomatee,nestanoite,deumasopadefeijão- -verde e curgete, feita com legumes vindos da horta biológica, plantada ali mesmo ao lado. «É outra maneira de mostramos o me- lhor da região e do país, especialmente aos hóspedes estrangeiros», afirma esta antiga bióloga marinha que, na viragem do século, em parceria com a mãe, Maria José, decidiu meter mãos à obra para recuperar alguns dos edifícios do velho monte da família. «Era para ser uma casa de férias, mas depois deu- -se a ­explosão do turismo rural e tomámos a decisão de avançar com um projeto de aloja- mento», recorda. Apesar de inserido no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, numa zonadeproteçãomáxima,oterrenodispunha de várias ruínas, o que permitia mais de 2 mil metros de área de construção. «Abrimos em 2008 e fomos ampliando ao longo do tempo, consoanteasnecessidades.Começouporser umhobby,masdepressasetornoualgo­muito sério»,contaMónica.Nestemomento,o­Monte do Zambujeiro tem seis casas de diferentes tipologias (T1 e T2), todas com cozinha: a do Rio, a Branca, a do Caseiro, a da Avó, a do CantoeadaAdega,aquesejuntaaindaaCasa da Charca, inaugurada em 2012 e composta por três suites de 30 metros quadrados, que tanto podem ser alugadas em conjunto ou de forma independente – há ainda uma cozinha e sala comum. Esta zona, diz Mónica, «acaba por funcionar quase nos mesmos moldes de um hotel». E, nesta nova ala, a proprietária deu largas a outra das suas grandes paixões, a decoração. «Optei por um ambiente mais contemporâneo, para marcar a diferença em relação às outras zonas, mas sem renegar a tradição», diz, apontando para as paredes de taipaeparaumououtropormenorquenunca deixam esquecer onde estamos. E depois há os mimos, como a piscina de água salgada com vista para o rio, as camas de rede espalhadas pela herdade, o parque infantil feito nos ramos deumvelhoe enorme salgueiro ou os trilhos marcados pela herda- de e que se prolongam até ao Mira. E, claro, aspraias,asmaisconhecidasouasselvagens, como a do Carocho ou do Brejo Largo, que Mónicafazquestãodemostrarpessoalmente aos hóspedes. «São locais que eu frequento desde pequena, quando ia com o meu pai à pesca, e agora partilho com quem nos visita.» Em paralelo com a atividade turística, Mónica trabalha ainda numa multinacional de fruti- cultura, o que a obriga a frequentes viagens a paragens tão distantes como o Brasil ou a África do Sul. Mas é sempre aqui que regres- sa, ao monte de família onde cresceu, hoje uma casa de portas abertas ao mundo. MONTE DO ZAMBUJEIRO Portas de Transval, Vila Nova de Milfontes (Odemira) Tel.: 283386143 Suites a partir de 130 euros por noite; casas entre 150 e 190 euros (inclui pequeno-almoço) montedozambujeiro.com M O N T E D O Z A M B U J E I R O MÓNICA MCGILL 22-25_MZambujeiro ER.indd 24 20-08-2014 14:57:00
  4. 4. 22-25_MZambujeiro ER.indd 25 20-08-2014 14:57:16

×