1
Mortágua e Luso, região de Portugal a visitar
O concelho de Mortágua está situado na região de transição entre a Beira I...
2
Monumentos
No que diz respeito a monumentos, o visitante poderá maravilhar-se com o Santuário de Nossa
Senhora do Carmo....
3
Datado do séc. XVII/XVIII, este moinho de vento está localizado num local alto e ventoso. Apresenta
junto à porta uma pl...
4
Barragem da Aguieira
Para finalizar, concentremos agora a nossa atenção na cultura desta região
Quem não conhece as famo...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2014 06-22 - mortágua como região de portugal a visitar sara e mariana 8ºe reportagem

495 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
495
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
172
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2014 06-22 - mortágua como região de portugal a visitar sara e mariana 8ºe reportagem

  1. 1. 1 Mortágua e Luso, região de Portugal a visitar O concelho de Mortágua está situado na região de transição entre a Beira Interior e o Litoral. Esta região é um lugar de passagem para vários destinos. Mortágua oferece assim a quem a visita momentos agradáveis, com a sua beleza natural e através da magnífica gastronomia. Gastronomia No concelho de Mortágua, a chanfana é confecionada com carne de ovelha, assada em caçoila de barro e é servida com batata “fardada” e grelos a acompanhar. É, pois, desde tempos imemoriais, uma das suas especialidades gastronómicas. Para além desta especialidade, que acabámos de apresentar, há também o bolo de cornos ou bolo doce da Páscoa que, como o próprio nome indica, é característico da Páscoa. Existe também a broa de milho e o pão de trigo, cozidos em forno de lenha; a cebola com mel, e pelo Natal, surgem as filhós de abóbora-menina. Uma autêntica iguaria e que está presente nas mesas dos que sabem apreciar uma deliciosa sobremesa.
  2. 2. 2 Monumentos No que diz respeito a monumentos, o visitante poderá maravilhar-se com o Santuário de Nossa Senhora do Carmo. Este monumento foi fundado por Sebastião de Monte Calvário por volta de 1600. Destinava-se assim a um Mosteiro para religiosas Carmelitas. Sendo padroeiro da freguesia, o sexto Conde de Odemira, D. Sancho de Noronha, não consentiu em perder os benefícios deste padroado em favor do mosteiro. Existe ainda o Pelourinho. Vejamos, então, um pouco da sua história. Desde a época de D. Afonso Henriques que tanto o rei como alguns senhores estabeleciam contratos com os habitantes de certa localidade. Esses documentos chamavam-se cartas de foral e as terras que as recebiam chamavam-se concelhos. Na carta de foral, ficavam estabelecidos os foros e as isenções dos habitantes do concelho, os vizinhos, e a garantia de poderem eleger os seus representantes para a administração e a justiça local. A atribuição do foral era acompanhada da edificação de um pelourinho, que testemunhava o exercício do poder local- a autonomia do concelho face aos senhores. Mortágua teve a primeira carta de foral em 1192, atribuída pela rainha D. Dulce, esposa de D. Sancho I e com este documento, Mortágua (e o seu termo) tornava-se um concelho. Falemos, agora, do Moinho de Sula, localizado perto do Buçaco, concelho da Mealhada.
  3. 3. 3 Datado do séc. XVII/XVIII, este moinho de vento está localizado num local alto e ventoso. Apresenta junto à porta uma placa alusiva ao facto de ter sido o posto de comando do General Inglês Crawford, na Batalha do Buçaco. Entretanto, quem visita Mortágua não poderá deixar de passar pela bonita e antiga Aldeia da Tojeira. A Tojeira é uma aldeia situada na freguesia do Sobral, concelho de Mortágua, desabitada, mas que sofreu obras de beneficiação há alguns anos. Subsistem algumas casas de xisto, infelizmente abandonadas, uma capela, um cruzeiro e um parque de merendas. Vale a pena visitá-la e desfrutar das lindíssimas paisagens que desta se avistam. Turismo A criação do percurso das Quedas de Água de Paredes resultou de um projeto como finalidade a preservação do património natural e a promoção turística do concelho, nomeadamente do turismo de natura e a intervenção da Câmara Municipal ao longo do trilho consistiu essencialmente na limpeza de caminhos e acessos, construção de uma ponte pedonal, instalação de gradeamentos de proteção nos locais mais íngremes, arranjo de pavimentos (em xisto), de modo a permitir a sua acessibilidade e utilização em condições de segurança. Foram também montados equipamentos de apoio, dois parques de merendas, com mesas e bancos de madeira e papeleiras, onde os pedestrianistas podem descansar ou fazer um piquenique em família ou com os amigos. Também temos a Barragem da Aguieira, conhecida ainda por Barragem da Foz do Dão. Situa-se no leito do Rio Mondego, nos limites do concelho de Penacova, no Distrito de Coimbra, e do concelho de Mortágua, no Distrito de Viseu. Esta barragem foi concluída em 1979 e entrou em funcionamento em 1981. Quedas de Água de Paredes
  4. 4. 4 Barragem da Aguieira Para finalizar, concentremos agora a nossa atenção na cultura desta região Quem não conhece as famosas Tasquinhas de agosto? Ora, todos os anos em agosto, em Mortágua, realizam-se as Tasquinhas. A Câmara Municipal convida todas as associações de todas as aldeias a participarem nas tasquinhas com uma barraquinha, onde as pessoas servem jantares, sobremesas, bebidas durante toda a noite. Algumas barracas têm em exposição produtos e objetos que as pessoas mais idosas fazem e que estão à venda, outras pessoas acabam por fazer grandes encomendas, para oferecerem aos amigos e familiares. Porém, nas tasquinhas, reina a diversão pela madrugada fora. A Câmara Municipal convida vários artistas famosos para irem tocar ao local. Passadas algumas horas, o concerto, acaba, mas a diversão continua. Como em algumas barraquinhas há música, os jovens aproveitam enquanto estão de férias para se divertirem mais um bocadinho. Grande é a afluência de pessoas ao local, por vezes as pessoas nem se podem mexer. Esta festividade tem a duração de uma semana. Com tudo o que foi apresentado é fácil de constatar que há várias razões que justificam uma visita da vossa parte a esta bela e magnífica região. Esperamos assim pela vossa visita! Mariana Abreu e Sara Martins, nº 20 e 24, 8º E

×