SÃO PEDRO DE JOSELÂNDIA E AS ÁGUAS,UMA PERCEPÇÃO DOS SEUS HABITANTES             Relatório de campo de Aitana Salgado Carm...
Entre os dias 15 a 18 de março de 2012 um grande número depesquisadores do GPEA chegamos novamente na comunidadepantaneira...
O que você poderia me falar sobre o ciclo das  águas nesta comunidade?Os ciclos estão mudando. Antigamente a enchente come...
Como as águas condicionam sua vida em cada   estação?A cheia é bom porque vamos tomar banho no corixo, vamos pescar, brinc...
Qual é a sua opinião sobre a qualidade das      águas?É ótima. Os pesquisadores falaram que as águas são todas contaminada...
Você percebeu alguma mudança no ciclo da  água nos últimos anos?Para mim que nasci e criei aqui mudou muito. Aqui tinha fa...
Você já ouviu falar de mudança climática?Esse desmatamento é que traz a mudançaclimática, não tenho dúvida nenhuma.Esse de...
É por demais de grande anatureza de Deus. Eu queria fazerpara mim uma naturezinhaparticular. Tão pequena quecoubesse na po...
Um agradecimento muito especial a todas as pessoas entrevistadas: Edenir, Thiago, BeneditoJosé, Benedito Paulino, Patrícia...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatório de campo Aitana Salgado

838 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
838
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
49
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório de campo Aitana Salgado

  1. 1. SÃO PEDRO DE JOSELÂNDIA E AS ÁGUAS,UMA PERCEPÇÃO DOS SEUS HABITANTES Relatório de campo de Aitana Salgado Carmona. Março 2012
  2. 2. Entre os dias 15 a 18 de março de 2012 um grande número depesquisadores do GPEA chegamos novamente na comunidadepantaneira de São Pedro de Joselândia, carregados deperguntas, canetas, papeis, câmeras fotográficas e muitacuriosidade por saber sobre a realidade socioeconômica dolugar e outras temáticas de pesquisa individual. No meu casoquis conhecer a percepção dos moradores em relação às águas.
  3. 3. O que você poderia me falar sobre o ciclo das águas nesta comunidade?Os ciclos estão mudando. Antigamente a enchente começava em janeiro e no mês de maio era avazante e o pique era no mês de março. Este ano não tem quase água (Edenir de Arruda, 64anos).O pantanal já mudou bastante. Este ano a água está diferente, este ano está seco, estamosprevendo uma seca muito grande. Aqui em casa fica uma ilha e este ano não. O homem estámexendo com a natureza com desmatamento e queimadas. No 2010 o pantanal queimoumuito. O mês de março é sempre o mês que mais chove e este ano não (Benedito José da Silva,46 anos).
  4. 4. Como as águas condicionam sua vida em cada estação?A cheia é bom porque vamos tomar banho no corixo, vamos pescar, brincamos de pega pegadentro da água, briga de galo, esconde esconde debaixo da água. Também andamos de canoa.Na vazante a água vai e chega a seca. A seca é ruim porque todo o mundo reclama que nãochove, que fica no sol quente trabalhando. Na seca também se anda de cavalo, mas também nacheia (Thiago Correia Silva, 13 anos).Na cheia tem água em abundância. Na seca a gente se torna independente dos poços, a genteprocura economizar a água, se usa muito diminui o lençol freático (Benedito José da Silva, 46anos).Varia mais no transporte, na seca vou de carro, na chuva de barco e como eu não sei nadartenho medo. Também adoro tomar banho no corixo mas no começo da chuva tem que esperarporque vem muita água suja. Na seca tem muita poeira, até muitas pessoas ficam sem água poiso poço seca (Patrícia Adevícula da Silva, 15 anos).
  5. 5. Qual é a sua opinião sobre a qualidade das águas?É ótima. Os pesquisadores falaram que as águas são todas contaminadas. Nós bebemos água dasnascentes, onde estão os girinos, quando vamos no mato. Aqui nunca deu diarreia e talvez éporque o pantaneiro é de ferro. Mas tem muitas pessoas que divergem em relação a opiniãosobre as águas (Edenir de Arruda, 64 anos)É boa, não é potável mas é boa. O problema da água na cheia é que vem resíduos de tudoquanto é canto e somos receptores, a água já não está 100% pura. A gente ferve a água e filtra.O pantaneiro ainda tem costume de beber água das lagoas e corixos. Aqui não tem saneamentobásico, nem rede de esgoto. A prefeitura nos abandonou (Benedito José da Silva, 46 anos).
  6. 6. Você percebeu alguma mudança no ciclo da água nos últimos anos?Para mim que nasci e criei aqui mudou muito. Aqui tinha fartura de peixe, hoje já fica emCuiabá. Quem vive do peixe na comunidade acha que está bom mas antes era mais. [...]Agora sócomemos peixe comprado porque vamos pescar e voltamos do mesmo jeito.Antes era só canoa, agora tem barco e rabeta que facilita. A primeira vez que eu fui para Barãofoi de canoa e demoramos quatro dias.Antes tinha mais pássaros, caça, hoje já acabou e as pessoas destroem e não tem a lei para puniro que está errado. Tinha muito pato bravo, cabeça seca, aracuã, mutum... e como o povo atiraneles, eles vão embora. Não tem fiscalização (Benedito Paulino da Silva, 84 anos).O desmatamento no norte se sofre aqui. O rio está assoreando por causa da erosão (Edenir deArruda, 64 anos).A paisagem também mudou, aqui havia fartura, o homem tirava só o que era para o nossosustento (Benedito José da Silva, 46 anos).
  7. 7. Você já ouviu falar de mudança climática?Esse desmatamento é que traz a mudançaclimática, não tenho dúvida nenhuma.Esse desmatamento é o que está trazendonos campos de soja o uso da água e o usode agrotóxico (Edenir de Arruda, 64anos).Mato Grosso é pioneiro em agronegócio eisso traz mais prejuízo, mais agrotóxico. Omilho e a soja estão invadindo o Cerrado(Benedito Paulino da Silva, 46 anos).
  8. 8. É por demais de grande anatureza de Deus. Eu queria fazerpara mim uma naturezinhaparticular. Tão pequena quecoubesse na ponta do meu lápis.Fosse ela, quem me dera, só dotamanho do meu quintal. Noquintal ia nascer um pé detamarino apenas para uso dospassarinhos. E que as manhãselaborassem outras aves paracompor o azul do céu. E se nãofosse pedir demais eu queria queno fundo corresse um rio. Naverdade na verdade a coisa maisimportante que eu desejava era orio. No rio eu e a nossa turma, agente iria todo dia jogar cangapénas águas correntes. Essa, eupenso, é que seria a minhanaturezinha particular: Até onde omeu pequeno lápis poderiaalcançar.Manoel de Barros
  9. 9. Um agradecimento muito especial a todas as pessoas entrevistadas: Edenir, Thiago, BeneditoJosé, Benedito Paulino, Patrícia e a todos os habitantes de Joselândia pela sua hospitalidade esimpatia. Também aos meus companheiros de pesquisa com os que tanto aprendo: Mimi, Adri,Giseli, Herman, Sonia, Lushy, Fátima, Rosana, Camila, Iara, Péricles e Luigi. Foi ótimo estar comvocês nesses dias!!

×