Professor: Cleber Mira
Dourados, 11 de abril de 2015
Aluno: Jose Roberto do Amaral
Aluno: Jose Roberto do Amaral
Dourados, 11 de abril de 2015
Banco de Dados
a
objeto
orientado
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Orientação a Objeto - Teve origem nas Linguagem de...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Os principais conceitos da programação OO ...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Componentes da Orientação a objeto
 conceitos são implementados pela classe e pelos obj...
Introduction
Schedule
Perspective
Classes
 Agrupa objetos com a mesma estrutura e comportamento, formando uma
coleção de ...
Introduction
Schedule
Perspective
Atributos e Métodos
 Atributos: caracterizam e definem a classe, cada atributo tem um n...
Introduction
Schedule
Perspective
Atributos e Métodos
Objeto
cidade, 11 de abril de 2015
Banco de Dados Orientado a Objeto
Introduction
Schedule
Perspective
Herança
 Herança: permite que classes compartilhem métodos e atributos entre si
cidade,...
Introduction
Schedule
Perspective
Polimorfismo
 É um recurso a onde uma mais classes compartilham os mesmo métodos
de uma...
Introduction
Schedule
Perspective
Mensagens
 Quando um objeto deseja uma informação sobre um outro objeto
 Quando deseja...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
O que é um Banco de Dados Orientado a Objetos?
 Um banco de dados orientado a objeto é ...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Motivação
 A necessidade de manipulação e armazenamento de dados complexos
 Atender os...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Entendo os Objetos no Banco de Dados
Cada objeto é representado como com um identificad...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Objetos– Identificadores de Objeto (OID)
 Uma correspondêcia direta entre o objetos do ...
Introduction
Schedule
Perspective
Uma representação Gráfica
Pessoas
ID
Nome
Apelido
Empregados
Departamento
Cargo
0023
Jos...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Persistência dos Objetos
Sem dúvida alguma uma das grandes característica desse modelo d...
Introduction
Schedule
Perspective
Uma visão da representação do objeto em cada modelo.
Modelo ObjetoModelo relacional
cida...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Objetos complexos
 Objetos podem ser agregados para formar objetos compostos
EX.: capít...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Acesso aos Dados
 Acesso aos dados podem ser feito de duas formas;
 Linguagem de progr...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Controle de Transações
 Difere das aplicações tradicionais
 Utiliza-se de transações d...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Relacionamentos
 Não possuem um elemento especifico para representação dos
relacionamen...
Introduction
Schedule
Perspective
cidade, 11 de abril de 2015
Banco de Dados Orientado a Objeto
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Vantagens
 Capacidade de armazenamento
 Desempenho das consultas, por não ter chaves o...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Porque utilizar banco de dados orientado a objeto
 Agilizam o desenvolvimento de aplica...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
Bancos de dados OO no mercado
cidade, 11 de abril de 2015
Banco de Dados Orientado a Obj...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Introduction
Schedule
Perspective
DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional
 O db4o é um banco de dados orientado a ob...
Introduction
Schedule
Perspective
Estrutura de armazenamento / segurança do db4o
 através de um ou mais arquivos (a escol...
Introduction
Schedule
Perspective
Suporta 3 tipos de conexões:
 Direta - usada em aplicações embarcadas;
 Client/Server ...
Introduction
Schedule
Perspective
Controle de transações
Além do suporte a transações (Commit e Rollback) o db4o oferece a...
Introduction
Schedule
Perspective
Desempenho
De acordo com o site do db4o (www.db4o.com), este banco roda até 44
vezes mai...
Introduction
Schedule
Perspective
Quem está usando DB4o
cidade, 11 de abril de 2015
Banco de Dados Orientado a Objeto
Introduction
Schedule
Perspective
cidade, 11 de abril de 2015
Banco de Dados Orientado a Objeto
Referência Bibliográfica
...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Schedule
Perspective
Introduction
Objective
Perguntas ?
•Embora muitos propositos experimentais e sistemas de banco de dad...
Introduction
Schedule
Perspective
 Uma visão sobre Orientação a Objeto
 Conceitos principais da Orientação a Objeto
 Co...
Schedule
Perspective
Introduction
Objective
Perguntas ?
cidade, 11 de abril de 2015
Banco de Dados Orientado a Objeto
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seminario bdo

324 visualizações

Publicada em

Banco de dados Orientado a objeto

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
324
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminario bdo

  1. 1. Professor: Cleber Mira Dourados, 11 de abril de 2015 Aluno: Jose Roberto do Amaral
  2. 2. Aluno: Jose Roberto do Amaral Dourados, 11 de abril de 2015 Banco de Dados a objeto orientado
  3. 3. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  4. 4. Introduction Schedule Perspective Uma visão sobre Orientação a Objeto  Orientação a Objeto - Teve origem nas Linguagem de Programação OO  Foi aplicada a várias áreas da computação  Engenharia de software  Base de conhecimentos  Inteligência artificial  Banco de dados cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  5. 5. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  6. 6. Introduction Schedule Perspective Conceitos principais da Orientação a Objeto  Os principais conceitos da programação OO são:  Herança  Polimorfismo  Encapsulamento  Mensagem cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  7. 7. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  8. 8. Introduction Schedule Perspective Componentes da Orientação a objeto  conceitos são implementados pela classe e pelos objetos  Classe  Objetos  Identificador de Objeto (OID) cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  9. 9. Introduction Schedule Perspective Classes  Agrupa objetos com a mesma estrutura e comportamento, formando uma coleção de objetos classe: Pessoa Objeto = ocorrência de uma classe cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  10. 10. Introduction Schedule Perspective Atributos e Métodos  Atributos: caracterizam e definem a classe, cada atributo tem um nome e tipo associado.  Métodos: Definem as funcionalidades da classe, procedimentos associados ao objeto cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  11. 11. Introduction Schedule Perspective Atributos e Métodos Objeto cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  12. 12. Introduction Schedule Perspective Herança  Herança: permite que classes compartilhem métodos e atributos entre si cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  13. 13. Introduction Schedule Perspective Polimorfismo  É um recurso a onde uma mais classes compartilham os mesmo métodos de uma outra classe que tem a mesma assinatura, mas comportamento distintos. cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  14. 14. Introduction Schedule Perspective Mensagens  Quando um objeto deseja uma informação sobre um outro objeto  Quando deseja modificar o estado de outro objeto. Exemplo: func.aumentasalario(20, NovoSalario) cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  15. 15. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  16. 16. Introduction Schedule Perspective O que é um Banco de Dados Orientado a Objetos?  Um banco de dados orientado a objeto é um sistema em que cada informação é armazenada na forma de objeto.  Com os mesmos conceitos das linguagens de programação orientada a objeto.  Diferenças é a persistência dos objetos cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  17. 17. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  18. 18. Introduction Schedule Perspective Motivação  A necessidade de manipulação e armazenamento de dados complexos  Atender os requisitos de aplicações não convencionais  Engenharia e manufatura (CAD/CAM, CIM)  Aplicações cientificas (Meteorologia, Genética)  Aplicações envolvendo dados geográficos(GIS)  Aplicações multimídia  Funcionalidades que vão além do que o modelo relacional.  Acompanhar a evolução da Linguagem de programação cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  19. 19. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  20. 20. Introduction Schedule Perspective Entendo os Objetos no Banco de Dados Cada objeto é representado como com um identificador. Pode-se gerenciar objetos compostos  Um objeto definido dentro do outro. Normalmente o objeto possui 2 componentes:  estado(valor)  comportamento(operações) cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  21. 21. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  22. 22. Introduction Schedule Perspective Objetos– Identificadores de Objeto (OID)  Uma correspondêcia direta entre o objetos do mundo real e os objetos do BDOO  É identificador que o diferencia de todos os demais objetos durante a sua existência.  Cada OID é único  É gerado pelo sistema (SGBDOO)  É independente do endereço de armazenamento  É imutável  É desejável que seja utilizado apenas uma vez (mesmo após a exclusão do objeto) – UNIQUE  Podem ser utilizados para estabelecer relacionamento entre objetos.  Não é visível ao usuário externo. cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  23. 23. Introduction Schedule Perspective Uma representação Gráfica Pessoas ID Nome Apelido Empregados Departamento Cargo 0023 Jose Roberto Vendas Supervisor Beto 0026 Instancia do objeto Empregados Classe Sub-classe herda Atributos da classe pessoas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  24. 24. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  25. 25. Introduction Schedule Perspective Persistência dos Objetos Sem dúvida alguma uma das grandes característica desse modelo de banco de dados é a persistência de objetos.  Objetos Transientes  Existem somente durante a execução de um programa.  Objetos Persistentes  Persistem após a execução de um programa e podem ser posteriormente recuperados e compartilhados com outros programas. cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  26. 26. Introduction Schedule Perspective Uma visão da representação do objeto em cada modelo. Modelo ObjetoModelo relacional cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  27. 27. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  28. 28. Introduction Schedule Perspective Objetos complexos  Objetos podem ser agregados para formar objetos compostos EX.: capítulos podem ser agrupados para formar um livro  Agrupamento pode ocorrer em diversos níveis Parágrafos formam uma seção, seções formam um capítulo ... cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  29. 29. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  30. 30. Introduction Schedule Perspective Acesso aos Dados  Acesso aos dados podem ser feito de duas formas;  Linguagem de programação usando os OIDs dos objetos  Linguagem de consulta em geral derivada da SQL.  ODMG – (object data management group)  Definição de Dados- (ODL)  O objetivo da ODL é criar especificações de objetos, isto é, classes e interfaces  Linguagem de Consulta de Objetos - (OQL)  Suporte ao tratamento de objetos complexos, invocação de métodos, herança e polimorfismo cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  31. 31. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  32. 32. Introduction Schedule Perspective Controle de Transações  Difere das aplicações tradicionais  Utiliza-se de transações de longa duração. cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  33. 33. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  34. 34. Introduction Schedule Perspective Relacionamentos  Não possuem um elemento especifico para representação dos relacionamentos.  Pode ser feita por vereáveis de instância que armazenam o OIDs dos objetos  Alguns sistemas implementam e mantêm a integridade referencial. cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  35. 35. Introduction Schedule Perspective cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  36. 36. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  37. 37. Introduction Schedule Perspective Vantagens  Capacidade de armazenamento  Desempenho das consultas, por não ter chaves os objetos se comunicam  Reuso do codigo Desvantagens  A falta de padronização das linguagens de manipulação de dados  Custo de aquisição de novas tecnologias  Curva de aprendizagem e adaptação do ambiente. cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  38. 38. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  39. 39. Introduction Schedule Perspective Porque utilizar banco de dados orientado a objeto  Agilizam o desenvolvimento de aplicações, pois não são necessárias conversões do modelo OO para o modelo relacional.  Fácil manutenção. cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  40. 40. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  41. 41. Introduction Schedule Perspective Bancos de dados OO no mercado cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  42. 42. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  43. 43. Introduction Schedule Perspective DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  O db4o é um banco de dados orientado a objetos que trata objetos nativamente como base de dados; nele não existem tabelas, linhas ou colunas , só objetos.  O db4o também não usa a linguagem SQL - CRUD (Create, Read, Update e Delete) mas utiliza uma outra tecnologia chamada de Native Query´s para tratar objetos.  Disponibiliza acesso direto ao banco sem utilizar ORM (Mapeamento Objeto-Relacional). cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  44. 44. Introduction Schedule Perspective Estrutura de armazenamento / segurança do db4o  através de um ou mais arquivos (a escolha é sua) gravados de forma binária.  Pode-se inserir senha.  A capacidade máxima de um arquivo de objetos é de 254 GB. Funcionalidades usadas no db4o  Db4oFactory - Oferece métodos (estáticos) para abrir/fechar um banco de dados, se conectar e iniciar um servidor;  IObjectContainer - É o coração do db4o para persistência de dados(objetos)  Close - fecha a instância;  Commit - confirma uma transação;  Store - armazena novos objetos ou atualiza objetos já armazenados; (O método Set esta obsoleto)  Get - Interface Query-by-example para retornar objetos; (QueryByExample)  Delete - Deletar um objeto armazenado;  Query<T> - Efetua uma pesquisa e retorna uma lista tipada;  RoolBack -anula uma transação; cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  45. 45. Introduction Schedule Perspective Suporta 3 tipos de conexões:  Direta - usada em aplicações embarcadas;  Client/Server - A forma padrão de conexão com um SGBD; você terá que criar um projeto na sua aplicação que será o seu servidor;  Client/Servidor Embutido - Não precisa de um servidor externo; você instancia um servidor na mesma máquina da aplicação; Recuperação dos dados  pode ser feita através query nativas, há também a possibilidade de recuperar as informações através de QbE (Query by Example) cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  46. 46. Introduction Schedule Perspective Controle de transações Além do suporte a transações (Commit e Rollback) o db4o oferece a criação de Sessions (início e fim), fácil manipulação do arquivo de B.D (Criar, abrir, fechar e pagar) e CRUD em objetos Indexação Em apenas uma linha de comando é possível criar / desfazer um índice. Escolha uma propriedade de sua classe para ser o índice e pronto: o índice foi criado. Com a mesma facilidade que é criado, o índice também é removido. cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  47. 47. Introduction Schedule Perspective Desempenho De acordo com o site do db4o (www.db4o.com), este banco roda até 44 vezes mais rápido que os BDs que já conhecemos (Hibernate com Mysql). Mais detalhes no site que gerou o benchmark PolePosition (www.polepos.org). cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  48. 48. Introduction Schedule Perspective Quem está usando DB4o cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  49. 49. Introduction Schedule Perspective cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto Referência Bibliográfica  ELMASRI, Ramez; NAVATHE, Shamkant B. Sistemas de banco de dados. 6. ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2011. 788p.  SILBERSCHATZ, Abraham; KORTH, Henry F; SUDARSHAN, S. Sistema de bancos de dados. Sao Paulo, SP: Campus, 2006. 861p.  NASSU, Eugenio Akihiro; SETZER, Valdemar Waingot. Bancos de dados orientados a objetos. Sao Paulo, SP: Blucher, 2002. 122p.  GUIMARAES, Celio Cardoso. Fundamentos de banco de dados: modelagem, projeto e linguagem SQL. Campinas, SP: Editora UNICAMP, 2003. 262p.  ALVES, William Pereira. Banco de Dados : teoria e desenvolvimento. São Paulo. Erica, 2009. 288p.  T.M. Connolly, C.E. Begg. Database Systems 4th Edition: A Practical Approach to Desing, Implementation, and Management 1136p.
  50. 50. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  51. 51. Schedule Perspective Introduction Objective Perguntas ? •Embora muitos propositos experimentais e sistemas de banco de dados comerciais orientado a objeto tenham sido criado, eles não tiveram uso generalizado por causa da pupolaridade dos sistemas relacionais e objeto – relacional. cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  52. 52. Introduction Schedule Perspective  Uma visão sobre Orientação a Objeto  Conceitos principais da Orientação a Objeto  Componentes da Orientação a objeto  O que é um Banco de Dados Orientado a Objeto  Motivação  Entendendo os objetos no Banco de Dados  Identificador de Objetos(OID)  Persistência dos objetos  Objetos Complexos  Acesso aos Dados  Controle de Transação  Relacionamentos  Vantagens e desvantagens  Porque utilizar Banco de dados OO  Bancos de dados OO no mercado  DB4o – Na terra de gigantes do BD Relacional  Conclusão  Perguntas cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto
  53. 53. Schedule Perspective Introduction Objective Perguntas ? cidade, 11 de abril de 2015 Banco de Dados Orientado a Objeto

×