Parte09

277 visualizações

Publicada em

Parte 09 da web makeyourdie . com originalmente postada na comunidade só webs.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
277
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parte09

  1. 1. @ — Tom, porque você vai isso com as pessoas? — A cara dela era de tortura. Os cabelos castanhos escuros ficaram tensos ao efeito do vento. — O que eu estou fazendo? — Você me tortura. Ela deu um soco leve no peito de Tom, e esticou os braços para agarrar o pescoço do menino com suavidade. — Eu estou perdoado? — Tom, eu nunca achei que você fosse o culpado pelo o que está acontecendo. — E agora eu posso mostrar meus sentimentos? — Perguntou Tom. — Sim Tom segurou na cintura da menina e pousou os seus lábios nos dela, eles iniciaram um beijo romântico, terno. Brad observava com atenção. Ele cerrava os punhos, como se estivesse com ciúme. Mas certamente, ele não estava. Os dois continuaram com o beijo apaixonadamente. @ Tom e Mellany seguiram para a aula de trigonometria e se separaram para cada um ir para sua própria carteira, como sempre. Tom estava novamente feliz. A tensão do que ocorreria a 52 dias após aquele dia, o preocupava bastante. O relógio corria com velocidade. Quando a aula acabou e o professor saiu da sala, Tom se levantou e ficou esperando Brad sair da sua cadeira, mas ele não parecia estar com disposição, então Tom foi atrapalhar. — Oi galerinha do bem! — Gritou Tom se aproximando da mesa. Mellany riu, Brad não pareceu gostar. — Mellany, eu quero falar com o Tom sozinho. — Me espera lá fora amor. Mellany soprou um beijo para Tom e saiu da sala sorrindo. Tom se sentou na mesa defronte a de Mellany. — Fala Brad. — Disse ríspido. — Eu não aguento mais Tom. — Disse ele com uma angustia
  2. 2. terrível, parecia que seu ente querido estava morrendo. — O que você não aguenta mais Brad? — Tom sabia que estava irritando o garoto falando desta maneira. — Ficar em silêncio. Tom, tirara toda a ironia de seu rosto, ele gelou, segurou na mesa com mais força. — Você não vai contar a ela. — Eu vou sim Tom. @ — Irei te impedir! — Disse Tom — Entenda Tom, isso vai ser bom para mim. — Que se foda! — Gritou Tom, pondo-se de pé — O que você faria se tivesse somente 52 dias de vida? — Me matava. — Ironizou Brad, pondo-se também. — Você já está contando no calendário é? O desdém na voz dele fez Tom se irritar. Ele fechou os olhos. — Vou fingir que isso é só um sonho. — Tchau Tom. — Você vai ficar aqui. Tom empurrou o amigo. @ — Qualé a tua Tom? — Eu não vou deixar você fazê-la sofrer — E eu, seu amigo, posso? — É claro! Você criou tudo isso se lembra? — Sim, e não quero ser mais culpado. — Falar para ela não vai melhorar o erro, só vai fazê-lo ficar pior. — Tom... — Chega! — Gritou o garoto. — Brad, se você for contar para ela, só vão encontrar o seu cadáver morto no meio do mato. — Isso é uma ame... — ...Aça? Creio que sim! Brad empurrou Tom e saiu da sala. Tom saiu logo atrás dele também. A única coisa que ele não sabia era que, uma câmera escondida naquela sala, da própria escola, filmara tudo.
  3. 3. @ Depois de todas as aulas, o garoto encontrou Mellany sentada no banco de praxe, a mesma tinha feições curiosas. Ele não seguiu todos os alunos para a saída como deveria, ao invés disso, sentou-se ao lado dela. — O que Brad queria? — Nada de mais. Ela deixou a mão cair no banco, ligeiramente irritada. — Tom, porque você faz isso? — O que eu faço? — Perguntou Tom encabulado. — Você... mente para mim Tom! Parece que não confia em mim, não me conta nada, me esconde das pessoas. Tom, você tem vergonha de mim? — Mas é claro que não Mellany, o que Brad queria era bobeira sobre uma competição que ele estava armando. — Eu posso realmente confiar em você? Tom deixou a cabeça menear vacilantemente, mas fez o que pode para suas palavras saírem firmes. — Sim Mellany. — Então eu vou fazer isso. Ela pousou os seus lábios nos dele mais uma vez. @ 51 dias! Era quarta-feira, e Tom estava mais uma vez de volta a escola, nesta dieta em que se seguiam os dias, as cenas pareciam estar no avanço de um DVD, ele sabia que ele piscaria, e só restariam 50 dias, e seria assim até o fim. Suas conversas com Mellany pareciam não ter fim, eles sempre ali estavam, naquele banco velho e escondido, que era perfeito para eles trocarem as carícias e os beijos amorosos, nada poderia estar melhor. O que ainda deixava Tom muito encabulado era que, ninguém havia explicado a morte de seu pai, e nem a de Peter ‘Junior’. Ele se sentia meio estranho quanto a isso, queria logo parar de ter o título de: “hihi, eu acho que foi ele que matou o Peter Rowman Junior”. Outra coisa que o estava incomodando bastante era que, Brad parecia contente, ele não havia
  4. 4. conseguido o que queria, pois Mellany não tinha feito um show, mas... porque ele estava tão feliz então? Tom tentou falar com Charlie e Daniel para obter informações sobre isso, mas nada lhe foi revelado. Os dias passaram, chegou a quinta, trazendo os 50 dias, chegou a sexta, trazendo os 49. Chegou também o desespero. Até que chegou o sábado. Marcando 48 dias restantes para a morte de Mellany, e marcando também o início de um novo capítulo na vida de Tom, que iria então, mudar todo o seu padrão de vida, e todo o seu jeito de ser. @ Brad saiu de sua casa no sábado pela noite, estava indo se encontrar com Mellany, iria contar toda a verdade para ela. Ele pegou o táxi, entrou no carro e esperou. — Me leva para a rua principal. O carro avançou, correndo rápido demais. O garoto observava o taxímetro preocupado com o conteúdo em seu bolso, mas concluiu que conseguiria fugir do velho caso não tivesse dinheiro para tudo. — Menino, está fazendo frio por esses dias, não é? — Perguntou o taxista velhinho, de cabelos grisalhos, encarando Brad de uma forma curiosa. O garoto sentiu uma pontada estranha no peito, mas pensou que era efeito da ansiedade. — Sim, NYC é bem fria. —É Não demorou muito e o táxi parou na rua principal, Mellany não estava ali ainda. Ele saiu e viu que seu dinheiro estava à conta do que o valor do taxi dera, entregara tudo ao moço, deixando os bolsos vazios. “Pelo menos, não serei vítima de assaltos.” Não Brad, seria vítima de algo muito pior. Muito pior.

×