A Biblioteca  Escolar e a aprendizagem em  rede usando ferramentas Web 2.0<br />João Paulo da Silva Proença <br />Gabinete...
Mudar a Perspectiva<br />
Mantenha-se atento<br />Pensenumacarta<br />Estaserá a SUA carta<br />Pensena SUA cartacerca de 20 segundos<br />Mantenha-...
Vou agora remover a SUA carta da imagem<br />
A SUA carta foi retirada<br />
Mudar a Perspectiva<br />
Julho de 2011<br />
Palavras que não existiam há 20 anos atrás <br />
Palavras que não existiam há 10 anos atrás <br />
Geração multitarefa?<br />http://www.flickr.com/photos/picstever/387307699/<br />
Viver 72 horas desligado…<br />E se estivéssemos três dias sem utilizar nenhum dos inúmeros gadgets que usamos para tudo-e...
Palavras que não existiam há 6 anos atrás <br />Facebook<br />Youtube<br />Myspace<br />De que falaremos daqui a 6 anos?<b...
http://www.flickr.com/photos/johnmueller/2109197876/<br />
Velhos paradigmas de autoridade e estabilidade são postos em causa…<br />
http://www.flickr.com/photos/dullhunk/202872717/<br />
Novas mentalidades...<br />7 anos<br />
08-07-2011<br />18<br />…Numa escola perto de si!<br />O acesso à informação…<br />
Estes são os nossos tempos…<br />http://www.flickr.com/photos/23258232@N00/1811656015/<br />
jp.proenca@gmail.com<br />Ah… <br />Em 2011, ser analfabeto significa não saber ler?<br />
Informação/Conhecimento no séc XXI<br /><ul><li>Modularidade
Abundância
Evolução constante
Aprendizagem ao longo da vida
Múltiplos suportes
Processos rápidos de disseminação </li></li></ul><li>E as nossas bibliotecas?<br />
As Bibliotecas de ontem?<br />
Qual a ideia de biblioteca que tens? Serve para os dias de hoje?<br />
Os teus utilizadores descobrem aquilo que procuram?<br />
http://www.flickr.com/photos/mamabrarian/104824475/<br />Como é queestãoorganizadososteusrecursos ?<br />
http://www.flickr.com/photos/iwantamonkey/123456425/<br />
É fácil o contactopor parte dos teusutilizadores?<br />http://www.flickr.com/photos/paulgi/283789943/<br />
Qual a ideia de biblioteca que tens?<br />Restrições?<br />Rotinas rígidas?<br />
Algumas realidades<br /><ul><li>As Bibliotecas, tal como as conhecemos, atravessam uma fase crítica
Os utilizadores de hoje, não são os mesmos que os de ontem nem os de amanhã
A tecnologia inunda o nosso dia a dia
…
Estamos preparados para oferecer os serviços que necessitam realmente os nossos utilizadores?   </li></li></ul><li>O que é...
2006<br />
Participação<br />Personalização – características do indivíduo<br />Enfoquenosserviços e nãoemprodutos<br />Constanteactu...
2.0 é uma atitude ?<br />
A tua Biblioteca é 2.0?<br />
Biblioteca Publica de Boston<br />
Biblioteca Publica de Delf<br />
The IFLA School Libraries Guidelines 2002<br />A política da biblioteca deve ser traçada tendo em conta orientações a que ...
08-07-2011<br />48<br />Uma BE 2.0 ?<br />
08-07-2011<br />49<br />Uma BE 2.0 ?<br />Características:<br />É o utilizador que está no centro<br />Os conteúdos estão ...
Quebra Barreiras<br />“The power of a single sledgehammer,” 12 November, 1989 © John Gaps / AP<br />
O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />08-07-2011<br />jp.proenca@gmail.com <br />
O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />08-07-2011<br />jp.proenca@gmail.com <br />
O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />O que une as Redes Sociais?<br />
O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />
Novas correntes de aprendizagem…<br />A aprendizagem e o conhecimento repousam numa diversidade de opiniões.<br />A aprend...
Novas correntes de aprendizagem…<br />What we know is less important than our capacity to continue to learn more. The conn...
Novas correntes de aprendizagem…<br />
Novas correntes de aprendizagem…<br />o conectivismo argumenta que o fluxo rápido e a abundância de informação elevam este...
O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />Proibir o acesso às redes sociais no local de trabalho ser...
Ferramentas web 2.0 em Bibliotecas<br /><ul><li>Uma nova atitude</li></ul>(sem cair em extremismos)<br /><ul><li>É necessá...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Biblioteca escolar e a aprendizagem em rede utilizando ferramentas web 2.0 - 3º encontro de Bibliotecas do Oeste

4.180 visualizações

Publicada em

A minha apresentação no 3º Encontro de Bibliotecas do Oeste - 2011

http://rcbp.dglb.pt/pt/noticias/Paginas/3EncontrodeBibliotecasdoOeste.aspx

Publicada em: Educação, Esportes, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.180
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.202
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • “A screen without a mouse is broken.” –Clay Shirkey
  • Gilbert (AZ) library:&quot;When the new Gilbert library opens next month, it will be the first public library in the nation whose entire collection will be categorized without the Dewey Decimal Classification System, Maricopa County librarians say. Instead, tens of thousands of books in the Perry Branch library will be shelved by topic, similar to the way bookstores arrange books.&quot;
  • 3. A emergência da Web 2.0 – O paradigma da participação Na base da Web 2.0 está a participação dos utilizadores: eles acrescentam valor à rede sendo que os serviços melhorarão sempre que mais pessoas o usam pois qualquer utilizador pode criar conteúdos e avaliar (ratting) os que encontra. Esta mudança de paradigma torna também possível a criação de conexões entre comunidades de utilizadores com interesses em comum. Em síntese, mais do que uma tecnologia, a Web 2.0 pode então ser definida como uma nova atitude e uma nova forma de as pessoas se relacionarem com a Internet:3.2.1. O trabalho em rede - uma nova forma de aprender e ensinarAssistiu-se, em todos os países desenvolvidos, no final do século XX e no início deste século a uma crise do sistema de ensino à qual se tem tentado resolver através de reformas do sistema educativo.A disponibilização, das redes informáticas e a sua introdução nas escolas veio contribuir para que a natureza do ensino se modificasse. A imagem que quanto a nós melhor poderá representar o valor das redes é a que se apresenta abaixo pois sugere que o valor das redes cresce substancialmente nas situações em que existe a criação de grupos ou subgrupos e consequente comunicação entre eles. Figura 2 – Rede representativa da lei de Reed. Em comparação com o ensino tradicional, acima caracterizado, o uso das redes no ensino apresentam, segundo Serra (1998 : 130), as seguintes vantagens: “- Representam uma forma mais atractiva de aceder ao saber, na medida em que, por um lado, combinam trabalho e lazer, informação e entretenimento, e, por outro lado, propõem uma abordagem interactiva, em que o &quot;leitor&quot; se transforma em &quot;utilizador&quot;;- Promovem a passagem da memorização pura e simples à pesquisa, selecção e organização da informação, fazendo com que a educação se torne auto-educação, centrada na actividade e na criatividade do aluno; - Facilitam o alargamento do campo da auto-educação a toda a vida, tornando-se educação permanente; - Deixam antever a passagem de um saber fragmentário, unilateral e linear, a um saber sintético e cumulativo (combinando todo o saber, em todas as suas formas, acerca de todos os temas), multilateral (pondo em confronto imediato os vários pontos de vista e tradições culturais) e não linear (hipertextual); dão azo a que utilizadores com diferentes graus de conhecimento tenham acesso diferenciado ao saber. As Redes permitem assim, a priori, satisfazer os princípios fundamentais do ensino-aprendizagem exigidos numa &quot;sociedade de conhecimento&quot;, e que Barbara Lepani resume nos oito seguintes: aprendizagem permanente, aprendizagem auto-dirigida, aprender a aprender, aprendizagem contextualizada, aprendizagem adaptada às necessidades do aprendiz, aprendizagem transformadora, aprendizagem cooperativa e aprendizagem em tempo real Just-in-time).”
  • 4. A Biblioteca Escolar 2.04.1. Definição de conceitosA emergência da Web 2.0 teve também consequências na forma como hoje em dia se concebem as Bibliotecas Escolares. Tradicionalmente a Biblioteca Escolar era o local na escola onde se acedia à informação, hoje em dia a informação está à distância de um clique na sala de aula, no pátio, no bar em casa,...Com este contexto de fundo em 2005 foi concebido por Michael Casey no seu blogue LibrayCrunch ( (http://www.librarycrunch.com [consult. 12 Out. 2010] ) o termo Biblioteca 2.0 (Library 2.0). Em 2006 Maness ( http://www.webology.ir/2006/v3n2/a25.html [consult. 12 Out. 2010] ) apontou quatro características que podem definir este conceito: “- Centrada no utilizador. O utilizador participa na criação de conteúdos e serviços disponibilizados na Web pela biblioteca. - Disponibiliza uma experiência multimédia. Tanto as colecções como os serviços da biblioteca 2.0 contêm componentes, vídeo, áudio, realidade virtual. - Socialmente rica. Interage com os utilizadores quer de forma síncrona (por ex. IM – mensagens instantâneas) quer de forma assíncrona (por ex. wikis). - Inovadora ao serviço da comunidade. Procura constantemente a inovação e acompanha as mudanças que ocorrem na comunidade, adaptando os seus serviços para permitir aos utilizadores procurar, encontrar e utilizar a informação.”  Deste modo, perspectivar a Biblioteca Escolar face aos desafios colocados pela Web 2.0 é, em primeiro lugar, entendê‐la no contexto da sua missão e objectivos, no contexto da escola e dos diferentes sistemas com os quais interage mas é ainda necessário entendê-la no contexto da Sociedade do Conhecimento, um novo paradigma que confrontou a escola com diferentes modelos de aprendizagem/ construção do conhecimento. Este novo paradigma exige o alargamento das literacias implicadas no acesso à informação e à construção do conhecimento, numa sociedade em rede e onde a informação, não validada por critérios editoriais, se encontra facilmente acessível.
  • A Biblioteca escolar e a aprendizagem em rede utilizando ferramentas web 2.0 - 3º encontro de Bibliotecas do Oeste

    1. 1. A Biblioteca  Escolar e a aprendizagem em rede usando ferramentas Web 2.0<br />João Paulo da Silva Proença <br />Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares Ministério da Educação<br />jp.proenca@gmail.com<br />
    2. 2. Mudar a Perspectiva<br />
    3. 3. Mantenha-se atento<br />Pensenumacarta<br />Estaserá a SUA carta<br />Pensena SUA cartacerca de 20 segundos<br />Mantenha-se atento à SUA carta.<br />
    4. 4. Vou agora remover a SUA carta da imagem<br />
    5. 5. A SUA carta foi retirada<br />
    6. 6. Mudar a Perspectiva<br />
    7. 7. Julho de 2011<br />
    8. 8. Palavras que não existiam há 20 anos atrás <br />
    9. 9.
    10. 10. Palavras que não existiam há 10 anos atrás <br />
    11. 11. Geração multitarefa?<br />http://www.flickr.com/photos/picstever/387307699/<br />
    12. 12. Viver 72 horas desligado…<br />E se estivéssemos três dias sem utilizar nenhum dos inúmeros gadgets que usamos para tudo-e-mais-alguma-coisa?<br />
    13. 13. Palavras que não existiam há 6 anos atrás <br />Facebook<br />Youtube<br />Myspace<br />De que falaremos daqui a 6 anos?<br />
    14. 14. http://www.flickr.com/photos/johnmueller/2109197876/<br />
    15. 15. Velhos paradigmas de autoridade e estabilidade são postos em causa…<br />
    16. 16. http://www.flickr.com/photos/dullhunk/202872717/<br />
    17. 17. Novas mentalidades...<br />7 anos<br />
    18. 18. 08-07-2011<br />18<br />…Numa escola perto de si!<br />O acesso à informação…<br />
    19. 19. Estes são os nossos tempos…<br />http://www.flickr.com/photos/23258232@N00/1811656015/<br />
    20. 20.
    21. 21.
    22. 22.
    23. 23. jp.proenca@gmail.com<br />Ah… <br />Em 2011, ser analfabeto significa não saber ler?<br />
    24. 24. Informação/Conhecimento no séc XXI<br /><ul><li>Modularidade
    25. 25. Abundância
    26. 26. Evolução constante
    27. 27. Aprendizagem ao longo da vida
    28. 28. Múltiplos suportes
    29. 29. Processos rápidos de disseminação </li></li></ul><li>E as nossas bibliotecas?<br />
    30. 30. As Bibliotecas de ontem?<br />
    31. 31. Qual a ideia de biblioteca que tens? Serve para os dias de hoje?<br />
    32. 32. Os teus utilizadores descobrem aquilo que procuram?<br />
    33. 33.
    34. 34.
    35. 35. http://www.flickr.com/photos/mamabrarian/104824475/<br />Como é queestãoorganizadososteusrecursos ?<br />
    36. 36. http://www.flickr.com/photos/iwantamonkey/123456425/<br />
    37. 37.
    38. 38. É fácil o contactopor parte dos teusutilizadores?<br />http://www.flickr.com/photos/paulgi/283789943/<br />
    39. 39. Qual a ideia de biblioteca que tens?<br />Restrições?<br />Rotinas rígidas?<br />
    40. 40.
    41. 41. Algumas realidades<br /><ul><li>As Bibliotecas, tal como as conhecemos, atravessam uma fase crítica
    42. 42. Os utilizadores de hoje, não são os mesmos que os de ontem nem os de amanhã
    43. 43. A tecnologia inunda o nosso dia a dia
    44. 44.
    45. 45. Estamos preparados para oferecer os serviços que necessitam realmente os nossos utilizadores? </li></li></ul><li>O que é aweb 2.0 ?<br />
    46. 46. 2006<br />
    47. 47.
    48. 48.
    49. 49. Participação<br />Personalização – características do indivíduo<br />Enfoquenosserviços e nãoemprodutos<br />Constanteactualização<br />Soluções simples e personalizadas (e.g. Myspace, My yahoo, …)<br />Interactividade<br />Colaboração<br />Agragação da informação<br />Princípios da WEB 2.0<br />
    50. 50. 2.0 é uma atitude ?<br />
    51. 51. A tua Biblioteca é 2.0?<br />
    52. 52. Biblioteca Publica de Boston<br />
    53. 53. Biblioteca Publica de Delf<br />
    54. 54. The IFLA School Libraries Guidelines 2002<br />A política da biblioteca deve ser traçada tendo em conta orientações a que se subordina e as necessidades da escola, e deve reflectir o seuethos,as suas finalidades e os seus objectivos, tanto quanto a sua realidade.<br />
    55. 55. 08-07-2011<br />48<br />Uma BE 2.0 ?<br />
    56. 56. 08-07-2011<br />49<br />Uma BE 2.0 ?<br />Características:<br />É o utilizador que está no centro<br />Os conteúdos estão em diferentes suportes<br />Inteligência colectiva<br />Novos serviços: <br /> 24/7; <br /> maior visibilidade, <br /> estante virtual<br /> Cartão de visita<br /> Difusão<br /> …<br />
    57. 57. Quebra Barreiras<br />“The power of a single sledgehammer,” 12 November, 1989 © John Gaps / AP<br />
    58. 58. O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />08-07-2011<br />jp.proenca@gmail.com <br />
    59. 59. O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />08-07-2011<br />jp.proenca@gmail.com <br />
    60. 60. O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />O que une as Redes Sociais?<br />
    61. 61. O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />
    62. 62. Novas correntes de aprendizagem…<br />A aprendizagem e o conhecimento repousam numa diversidade de opiniões.<br />A aprendizagem é um processo de conectar nós especializados ou fontes de informação.<br />A aprendizagem pode residir em dispositivos não humanos.<br />A capacidade de saber mais é mais importante do que aquilo que sabemos num determinado momento.<br />Promover e manter conexões é fundamental para facilitar a aprendizagem contínua. A capacidade de ver conexões entre ideias, conceitos e áreas de saber é uma competência crucial.<br />
    63. 63. Novas correntes de aprendizagem…<br />What we know is less important than our capacity to continue to learn more. The connections we make (between individual specialized communities/bodies of knowledge) ensure that we remain current. These connections determine knowledge flow and continual learning (…) To remain relevant, education needs to align with the needs of learners and the changing climate of work.. (Siemens, 17-10-2003)<br />
    64. 64. Novas correntes de aprendizagem…<br />
    65. 65. Novas correntes de aprendizagem…<br />o conectivismo argumenta que o fluxo rápido e a abundância de informação elevam estes elementos a um patamar crítico de importância.<br />O conectivismo concentra-se na inclusão da tecnologia como parte da nossa distribuição de cognição e de conhecimento. O nosso conhecimento reside nas conexões que criamos, seja com outras pessoas, seja com fontes de informação, como bases de dados.<br />Compreensão, coerência, interpretação (sensemaking), significado (meaning).<br />
    66. 66. O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />Proibir o acesso às redes sociais no local de trabalho seria o mesmo que proibir os telefones nos escritórios há 60 anos.<br />A transformação dos modos de vida é irreversível.<br />
    67. 67. Ferramentas web 2.0 em Bibliotecas<br /><ul><li>Uma nova atitude</li></ul>(sem cair em extremismos)<br /><ul><li>É necessário o “cozinheiro” </li></ul>(trata-se de educação)<br /><ul><li>Uso educativo</li></li></ul><li>O trabalho em Rede – uma nova forma de aprender e ensinar <br />“Como à esperado comboio na paragem do autocarro”<br />
    68. 68. O mundo está a mudar…<br />Estamos no mesmo barco<br />
    69. 69.
    70. 70.
    71. 71. Na biblioteca…<br /> deve-se procurar o desconhecido<br />
    72. 72. Fontes de inspiração a quem muito agradeço…<br />Carlos Pinheiro<br />CartuxaSeoane<br />Jens Kostrup<br />Michael Sauer<br />
    73. 73. The time is gone<br />The song is over<br />thought I’d something more to say… <br />

    ×