Módulo 7 Higiene do trabalho                Trabalho com Écrans de Visualização                         ISLA - SANTARÉM   ...
Módulo 7 Higiene do trabalhoÍndice1 – Introdução                                           Pag.22 – Écrans de visualização...
Módulo 7 Higiene do trabalho    1 - Introdução    “Os equipamentos de trabalho dotados de visor não devem constituir fonte...
Módulo 7 Higiene do trabalho    2 – Écrans de visualização ou monitores    Chamarei Monitor, por uma questão prática, mas ...
Módulo 7 Higiene do trabalho    Impossibilidade de parametrizar fontes    Impossibilidade de acerto correcto da luminosida...
Módulo 7 Higiene do trabalho     O acerto das condições de visualização e o desenvolvimento de software éhoje mais do que ...
Módulo 7 Higiene do trabalhoFigura 2 – Trabalho essencialmente com textoFigura 3 – Trabalho essencialmente com teclado e m...
Módulo 7 Higiene do trabalho    Nas presentes figuras, retratam-se situações de trabalho típicas do trabalhocom monitores,...
Módulo 7 Higiene do trabalho     Localizar o posto de trabalho entre os pontos de luz artificial que seposicionam no tecto...
Módulo 7 Higiene do trabalho    Figura   A –     Iluminação directa por luminárias colocadas no teto ecolocação correcta d...
Módulo 7 Higiene do trabalho    Figura C – Controlo do posicionamento das luminárias para eliminar ofenómeno de ofuscament...
Módulo 7 Higiene do trabalho    6.1.1 A luz solar    Determinar a zona que beneficia de iluminação natural, analisando atr...
Módulo 7 Higiene do trabalho    6.1.4. Avaliar a luminosidade do local    As medições relativas á luminosidade deverão ser...
Módulo 7 Higiene do trabalho    7. Medidas relativas ao posto de trabalho    7.1. Alguns dos problemas    Os sintomas rela...
Módulo 7 Higiene do trabalho    a) A regulação do assento e/ou da mesa do posto de trabalho, permitedescobrir as posições ...
Módulo 7 Higiene do trabalho    1)      A parte alta do monitor deverá ser ligeiramente mais baixa que avisada horizontal ...
Módulo 7 Higiene do trabalho    1)          Base estável com rodas    2)          Assento pivotante, regulável em altura e...
Módulo 7 Higiene do trabalho    4-Organizar a actividade do trabalhador de forma que o trabalho diário comvisor seja perio...
Módulo 7 Higiene do trabalho    9 – Conclusões      Os principais problemas associados ao trabalho clássico com monitordev...
Módulo 7 Higiene do trabalho    10 – Legislação Aplicada    Decreto-lei nº 349/93    “Transpõe para a ordem Jurídica inter...
Módulo 7 Higiene do trabalhoDezembro 2002                                  21
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

1188253675 376.9461 trabalho_com_monitores

377 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
377
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1188253675 376.9461 trabalho_com_monitores

  1. 1. Módulo 7 Higiene do trabalho Trabalho com Écrans de Visualização ISLA - SANTARÉM Nuno Cardoso FerreiraDezembro 2002 1
  2. 2. Módulo 7 Higiene do trabalhoÍndice1 – Introdução Pag.22 – Écrans de visualização ou monitores Pag.42.1 – Definição de monitor Pag 42.2 – Um pouco de história Pag.43 – O que define o trabalho com monitor Pag.64 – Principais queixas do trabalho com monitor Pag.85 – Recomendações especiais para o trabalho com monitores Pag.86 – Implantação do posto de trabalho Pag.116.1 – Escolha da zona de implantação Pag.116.1.2 – A luz solar Pag.126.1.3 – Cumprir as seguintes regras Pag.126.1.4 – Avaliar a luminosidade do local Pag.136.1.5 – Outros factores Pag.137 – Medidas relativas ao posto de trabalho Pag.147.1 – Alguns problemas Pag.147.2 – Concepção do posto de trabalho Pag.147.3 – Características da cadeira Pag.167.4 – Outros factores Pag.178 – Obrigações do empregador Pag.189 – Conclusão Pag.1910 – Legislação consultada Pag.2011 – Bibliografia consultada Pag.20Dezembro 2002 2
  3. 3. Módulo 7 Higiene do trabalho 1 - Introdução “Os equipamentos de trabalho dotados de visor não devem constituir fontede risco para a segurança e saúde dos trabalhadores” este é o princípioconsagrado no Decreto Lei 349/93. Hoje os écrans de visualização também designados como Monitores, sãoinstrumentos de trabalho perfeitamente disseminados. Os riscos do trabalho commonitor hoje é bastante menor que no passado recente. Os monitores evoluíramtecnicamente e o que no passado era um risco, hoje está suficientementeresolvido. Os perigos estão diagnosticados A obrigação dos construtores dos equipamentos a cumprirem os requisitose as normas legais para a fabricação destes equipamentos, permitiu um aumentosubstancial da qualidade. No entanto, a dessiminação destas ferramentas de trabalho provocada pelasociedade de informação e das novas tecnologias provoca um aumento de riscosassociados ao ambiente de trabalho. Especialmente porque aumentámosdrasticamente sua utilização. Hoje, os riscos estão associados á deficiente utilização, ao incumprimentode regras essenciais, á utilização inconsequente dos equipamentos.Dezembro 2002 3
  4. 4. Módulo 7 Higiene do trabalho 2 – Écrans de visualização ou monitores Chamarei Monitor, por uma questão prática, mas também porque hoje acomplexidade deste equipamento permite e quase obriga a um destaque doconceito de écran 2.1 – Definição de monitor Visor, écran alfanumérico ou gráfico, seja qual for o processo derepresentação visual utilizado (D.L. 349/93). 2.2 – Um pouco de história .O passado recente é caracterizado por uma evolução muito rápida nestetipo de tecnologia. No entanto, com o aparecimento do primeiro computador, oENIAC, por volta de 1943 era ainda impossível visualizar dados. Nesta época osdados a processar eram escassos e eram essencialmente processados porintrodução de fita perfurada e transferidos a papel. Em 1965 aparecem os primeiros écrans de visualização, essencialmente nosector económico, nos “main frame” computadores verdadeiramentegigantescos, para pouco ou nada fazerem... No entanto havia já a possibilidadede visualizar os dados a inserir no computador. Monitores de fósforo, que consistiam em tubos de raios catódicos queprojectavam caracteres verdes ou laranja em fundo negro (em representaçãonegativa) Écran extremamente curvo potenciando reflexos. Má definição dos caracteresDezembro 2002 4
  5. 5. Módulo 7 Higiene do trabalho Impossibilidade de parametrizar fontes Impossibilidade de acerto correcto da luminosidade, brilho, contraste, etc. Com a utilização da tecnologia associada á televisão foi dado o grande saltoqualitativo e necessariamente quantitativo á utilização dos monitores. O monitor associado ao computador tomou o caminho inicial associado aotratamento dos caracteres, ainda em representação negativa. Enquanto o monitorda televisão tratava imagem. Nesta fase o trabalho com monitor ganhava a facilidade de ajustar algunsparâmetros, luminosidade, contraste, de alguma forma semelhantes ás primeirastelevisões. Com a melhoria do software, foram implementados novos tipos defontes e melhor definição do que era representado na imagem. Outro dos motores aceleradores desta evolução foi o aparecimento domicrochip a sua utilização neste hardware. A partir deste momento o crescimento foi “exponencial” A evolução da tecnologia associada á televisão e ao desejo do comumcidadão de ter a melhor imagem na sua televisão, motivou primeiro a evoluçãoda imagem. Este fenómeno foi rápidamente acompanhado pela representação gráfica nocomputador. Estamos então na época da televisão a cores em se começam a destacaroutro tipo de tecnologias associadas ao tratamento de imagem, nomeadamenteos sistemas de representação por plasma e os LCD (Liquid Cristal Display). Estes sistemas foram desenvolvidos pela necessidade de adaptar ocomputador á máquina, e na tentativa de superar o monitor clássico Hoje, não estaremos no pico da nossa evolução tecnológica em termos derepresentação de imagem, mas os sistemas evoluíram para um patamar em que épossível á generalidade das pessoas acederem a uma qualidade de imagem muitoboa, os monitores TFT (Twin Film Transístor) são um bom exemplo disto).Dezembro 2002 5
  6. 6. Módulo 7 Higiene do trabalho O acerto das condições de visualização e o desenvolvimento de software éhoje mais do que suficiente para que se consiga na generalidade das situaçõesboas condições de trabalho. 3- O que define o trabalho com monitor É necessário que exista sempre, mais ou menos frequente umainteractividade entre o ser humano como trabalhador e o que está representadono monitor. O funcionalismo difere no tipo de trabalho a executar, nomeadamente notipo de interfaces que são utilizados para comunicar com o computador e com afrequência de utilização. Também com o ambiente que rodeia esta associaçãohomem/monitor. Logo, podemos concluir que esta associação é um local de trabalho. Oconjunto constituído por um equipamento dotado de monitor, eventualmentemunido de um teclado ou de um dispositivo de introdução de dados e ou desoftware que assegure a interface homem/máquina, por acessórios como telefonemodem, disketes, etc. Características do posto de trabalho, mesa, cadeira, luz,frio, calor e outros.Figura 1 – Trabalho essencialmente com monitor e tecladoDezembro 2002 6
  7. 7. Módulo 7 Higiene do trabalhoFigura 2 – Trabalho essencialmente com textoFigura 3 – Trabalho essencialmente com teclado e monitorFigura 4 – Actividade mistaDezembro 2002 7
  8. 8. Módulo 7 Higiene do trabalho Nas presentes figuras, retratam-se situações de trabalho típicas do trabalhocom monitores, que não servem por si só como definições, mas dão uma ideiaque dentro de situações tão semelhantes existem formas de trabalho muitodiferentes 4- Principais queixas do trabalho com monitores. Perturbações oculares. Fadiga visual por esforços repetidos. Dificuldade de visualização para indivíduos com menor apetência visual Posturas forçadas Fadiga por solicitação excessiva das capacidades de assimilação econcentração. Hoje os riscos associados a estes sintomas são essencialmente provocadospor uma ou mais destas razões. Ergonomia Iluminação Qualidade técnica do equipamento 5. Recomendações especiais para o trabalho com equipamentos commonitor De acordo com as figuras abaixo apresentadas o posto de trabalho deveseguir sa seguintes recomendações: Colocar sempre o monitor de forma que esteja perpendicular á janela Impedir que a luz do sol incida directamente nos olhos do utilizador ousobre o monitorDezembro 2002 8
  9. 9. Módulo 7 Higiene do trabalho Localizar o posto de trabalho entre os pontos de luz artificial que seposicionam no tecto. (Fig. B) Colocar sa fontes luminosas de iluminação indirecta na proximidadeimediata ou por cima do posto de trabalho (Fig. A) Limitar a iluminação do plano de trabalho, na zona onde está o teclado aosseguintes valores: - 200 a 300 lux, quando se trabalha com um monitor de fundo escuro - 300 a 500 lux, quando se trabalha com um monitor de fundo claro. Garantir a ausência , no monitor, de reflexos e de excesso de brilho,susceptíveis de incomodo. Assegurar uma iluminação dos documentos superior a 200lux, dado queeste valor corresponde á iluminação mínima admitida para os trabalhos deescritório. Eliminar qualquer fonte luminosa, na área correspondente ao angulo 30º,acima do nível dos olhos do trabalhador, de modo a evitar encadeamento (fig.C)Dezembro 2002 9
  10. 10. Módulo 7 Higiene do trabalho Figura A – Iluminação directa por luminárias colocadas no teto ecolocação correcta dos postos de trabalho Fig. A’) Iluminação directa com os postos de trabalho mal colocados.Figura B – Iluminação indirecta com os postos de trabalho bem colocadosDezembro 2002 10
  11. 11. Módulo 7 Higiene do trabalho Figura C – Controlo do posicionamento das luminárias para eliminar ofenómeno de ofuscamento. 6 - Implantação do posto de trabalho Para a avaliação das condições para implantar um posto de trabalho énecessário á partida conhecer o local ou dispor de uma planta com orientaçãogeográfica. Definir a zona de implantação dos postos de trabalho Avaliar a luminosidade do local, bem como o potencial a desenvolver Definir a localização de cada posto de trabalho Avaliar o conforto visual. 6.1 - Escolha da zona de implantação A escolha da zona de implantação é condicionada pelos seguintes aspectos;Dezembro 2002 11
  12. 12. Módulo 7 Higiene do trabalho 6.1.1 A luz solar Determinar a zona que beneficia de iluminação natural, analisando atrajectória do sol e as áreas por ele iluminadas. 6.1.2 Cumprir as seguintes regras a) sempre que um posto de trabalho estiver implantado na zonadirectamente iluminada pelo sol, deverão ser colocados estores nas janelas demodo a filtrar a claridade. b) Os locais de trabalho que disponham de vãos envidraçados de maisdo que um lado deverão ser equipados de divisórias móveis ou biombos paracontrolo da luminosidade 6.1.3. Protecção contra o excesso de luz Escolha de uma protecção de luz de modo a: a) Assegurar a regulação da quantidade de luz em função dasnecessidades do trabalhador e da variação da luz natural, durante o dia b) Privilegiar a instalação, do lado interior de estores de lamelas dadoque neste caso é possível regular a luminosidade natural do local esimultaneamente evitar os reflexos da janela c) Evitar utilizar algum dispositivo que não permita acertarcorrectamente a luminosidade, ou que afecte permanentemente a entrada de luz,como por exemplo vidros escuros ou película escura.Dezembro 2002 12
  13. 13. Módulo 7 Higiene do trabalho 6.1.4. Avaliar a luminosidade do local As medições relativas á luminosidade deverão ser realizadas a cerca de70cm do pavimento e com a célula do luximetro dirigida em direcção ao teto. a) Levantamento do nível de luz deverá ser feita somente nas zonasnão iluminadas pelo sol b) No caso de não haver zonas de sombra, o levantamento será feitoem toda a sala c) As medições deverão ser feitas sob as condições extremas de luzartificial e de luz natural, de forma a perceber o nível máximo e mínimo de luz. d) Após as medições é necessário assegurar que os equipamentosinstalados são suficientes para garantir os valorem em lux do ponto 5 dotrabalho (200 a 300 e 300 a 500) 6.1.5. Outros factores Escolha da posição do posto de trabalho em função de outros factores. a) Fluxo de informação entre postos de trabalho b) Distância mínima entre postos de trabalho c) Localização da alimentação aos sistemas. d) Posicionamento dos monitores, de forma a assegurar a alternânciano campo de visão, entre distâncias curtas e longas. e) Controlar as fontes de luz de forma a não incluir uma fonte nocampo de visão 30º a cima da visada horizontal (Fig. C)Dezembro 2002 13
  14. 14. Módulo 7 Higiene do trabalho 7. Medidas relativas ao posto de trabalho 7.1. Alguns dos problemas Os sintomas relacionados com as doenças atribuídas ao posto de trabalhosão frequentemente provocadas pela má concepção do posto de trabalho ou pordeficiências visuais não corrigidas que forçam o operador a posturas forçadas.Mas mais razões contribuem negativamente para esta situação. A utilização de um assento fixo, demasiado duro e sem dispositivos deregulação, torna o posto de trabalho bastante incómodo. O posicionamento errado do monitor obriga o operador a esforço deadaptação. O teclado pode ser também fonte de problemas se for imposto umdeterminado posicionamento, provocando fadiga muscular. A utilização de caracteres demasiado pequenos, obriga a mais esforço deconcentração. A ausência de suporte de documento, obriga a uma constante necessidadede acomodação visual, no movimento de leitura e operação. A duração do trabalho com monitor, nomeadamente a duração das sessões,provoca cansaço muscular Por estas razões é imprescindível dotar o posto de trabalho de medidas quepossam prevenir o aparecimento de doenças profissionais. 7.2 Concepção do posto de trabalho Este aspecto está intimamente relacionado com a ergonomia enomeadamente com as características antropométricas do indivíduo que ocupa oposto de trabalhoDezembro 2002 14
  15. 15. Módulo 7 Higiene do trabalho a) A regulação do assento e/ou da mesa do posto de trabalho, permitedescobrir as posições mais confortáveis (fig.D) b) Possibilidade de mudança de posição sem que a os movimentosmotivem a perda de estabilidade. Dado que uma postura fixa durante muito tempo desenvolve uma tençãomuscular e uma redução do fluxo sanguíneo que está na base da fadiga e dores,torna-se necessário variar as tarefas e o ritmo de trabalho, fazendo pausasregulares.Dezembro 2002 15
  16. 16. Módulo 7 Higiene do trabalho 1) A parte alta do monitor deverá ser ligeiramente mais baixa que avisada horizontal 2) A do monitor deve ser entre 10 a 20º abaixo do nível horizontal davisada 3) Instalar um filtro. 4) Os documentos devem ser instalados num suporte 5) A mesa deverá ser regulada em altura de forma independente doteclado 6) O suporte do teclado deverá ser regulável de forma que o angulo doantebraço e braço seja superior a 90º com os cotovelos junto ao corpo 7) O espaço livre por baixo da mesa deve poder ser o suficiente parapossibilitar movimento livre das pernas 8) Os pés devem repousar no chão ou apoiados, garantindo que ascoxas fiquem na horizontal 9) As coxas devem ficar bem apoiadas na cadeira. 7.3 Características da cadeiraDezembro 2002 16
  17. 17. Módulo 7 Higiene do trabalho 1) Base estável com rodas 2) Assento pivotante, regulável em altura e macio 3) As costas reguláveis em altura e revestidas com um material macio. 4) Multi- regulação para permitir maior adaptação. 7.4 Outros factores Utilização de uma suporte de documentos que se ajuste ao posicionamentodo monitor. Utilização de um apoio de pés de inclinação regulável. Teclado móvel, independente da superfície de trabalho, permitindo o ajusteda distância. 8. Obrigações do empregador Neste aspecto, o empregador tem grande responsabilidade porque cabe a elea concepção dos locais de trabalho, aquisição de equipamentos. O que nos diz concretamente a lei... 1-Avaliar as condições de segurança e de saúde existentes nos postos detrabalho, nomeadamente as que respeitam aos riscos para a visão ás afecçõesfísicas e á tensão mental 2-Tomar com base na avaliação referida no nº anterior, as medidasnecessárias para eliminar aqueles riscos. 3-Informar os trabalhadores sobre tudo o que diga respeito ás questões dasua segurança e da sua saúde relativas ao posto de trabalho.Dezembro 2002 17
  18. 18. Módulo 7 Higiene do trabalho 4-Organizar a actividade do trabalhador de forma que o trabalho diário comvisor seja periodicamente interrompido por pausas ou mudanças de actividadeque reduzam a pressão do trabalho com equipamento dotado de visorDezembro 2002 18
  19. 19. Módulo 7 Higiene do trabalho 9 – Conclusões Os principais problemas associados ao trabalho clássico com monitordevem-se a erros de implantação de equipamento. O monitor de computados só por si já não é fonte significativa de risco Não se justifica que este tema tenha grande notoriedade, os equipamentosde suporte de trabalho já são suficientemente avançados, especialmente secomprados recentemente. Creio que a principal razão é que existe um generalizado desconhecimentodas consequências das más posturas ou dos vícios associados a este tipo detrabalho. Se fosse possível transmitir meia dúzia de regras associadas a este tipode trabalho ás pessoas que estão expostas, seria possível facilmente reduzirgrande parte das consequências. Portanto este é um problema relacionado com a formação profissional ecom a supervisão crítica dos trabalhadores envolvidos.Dezembro 2002 19
  20. 20. Módulo 7 Higiene do trabalho 10 – Legislação Aplicada Decreto-lei nº 349/93 “Transpõe para a ordem Jurídica interna a Directiva nº 90/270/CEE, doConcelho, de 29 Maio, relativa ás prescrições mínimas de Segurança e de Saúderespeitantes ao trabalho com equipamentos dotados de visor” Este documento consiste num instrumento destinado a apoiar acçõesrelacionadas com a concepção e adaptação de postos de trabalho comequipamentos dotados de visor, prevenindo assim riscos profissionais egarantindo a protecção da saúde. Portaria nº 989/93 Estabelece as prescrições mínimas de segurança e Saúde respeitantes aotrabalho com equipamentos dotados de visor. 11 – Bibliografia consultada O trabalho com écrans de visualização – IDICT Le Travail et lécran – Agence Nationale pour l’Amélioration des Conditionde Travail – Decembre 1990. Revista « Segurança »Dezembro 2002 20
  21. 21. Módulo 7 Higiene do trabalhoDezembro 2002 21

×