Correnteetétrica
A coRR[Ì'TÉELÉTRICA
IN'rINSÌDADEDECoRRENTTxLÍTÌÌca
sEr,rrÌDocoÌìlrxNctoNÀLDÂcoÌRENÌEELÉTRICA
crìcr,'ÌToEL...
Ligando-seessecondutoraospólosÁ € I do geradorelétíico,eleÍicaÍásubmetidoà ddp y, - ya,
queorigìna,no interiordo condutor,...
A figura5 mostrao gráficodessacorrenteemfunçãodo tempo.Esseéo casomaissimplesdecor-
renteelétrica,como qualiniciaremoso es...
Essaconvençãoé internacionarmenteadotada,e a cofrenteconsicreradanessascondiçoesé chamada
Corrente(onvenCiondl{tigura7.r.
...
b) Sendono númerodeelétronsee a cegâ elétricâelementã!temos:
.4032
+ n:rs
10+
+ n = 2,0 10'"elétrcns
a)sendo^q=32ceÁr=.1,0...
Câdaelótrcn livre pe.cor.e ãdistância , no intôrvâlo de tempo Áre, poì1aúto,avelocidâde médiâ de câda
elétronnovoÌumeserá:...
ffi ÀÌavêr dema sçao tÌdsversâldeuÍncondutor,
pssm, dadireiiaparaaesquerdâ,Ì,0 l0'" el&
Sendoacargaelúentar e= 1,6 l0 " C,...
O efeito térmico, tambémconhecidocomo efeito Joule,é cau-
sadopeo choquedoselétronslivrescontraosátomosdoscondu-
tores,Ao ...
No circuitoelétrìcodafigura13a,existeapenasumcaminhoparaa coarentequesequermedrt
VerìficamosqueosamperímetrosAr,A, e 43,co...
Como Ep(/)=
^g
. VaeEpG)= Lq ' y&,obtemos:
Devemosdìstinguirdoiscasos.
I lq caso:fe(4> Ee(r)
Nessecaso,y/> ys.A energiaelé...
&
PÍocurêidêntificaraddp€m quêa lâmpãdadeveserligadaeâ potênciãqueconsomenarcondiçÕ€s
dêfuncionamentonormal.OsecàdoÌde càb...
,r.l'...'
ìì..ì ,'ì
.f P.97 tm Lm chuleiío elètrico.a ddp em seLste..oinaisvaÌe220V e a conente que ô ãtravessatem intensi...
A contadeluz
Acontadeenergiâe étrca,us!almentechamada"contade uz",é!rnderìonslÍatlvodâeneÍgãeë
Í calornecidaà nstaâcãonumc...
Sffi umnoperconiooporumâcorrentede1,0Aueve
conduz'r,airavésdeumâseçãotrdsversal, uma
cârgadê3,6C.Quâ1ointervâlodetemponece...
-
potènciã5.000W ôú umalampâdade 60W que
permaneceligadã24horas?Justinque.
NatiÍã,Câr6ekì,úuito rnaldosamenre,reproduz
ô r...
ü(íÍjf$ll Creco E.
'.
ôo de cobte de I cm de diâmeüo
ü' há uma corrente de 66 ampères.Cors'dere a
existênciade 8,6. 10'|3e...
gffi Ounesol* companhtâsdeetetricidãdegeÌa|men-
tê usâmÍnedidorescallbrâdosem qülowâtt-hora
(kwh). Um kryhÍepresentâ o tab...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fisica corrente eletrica

125 visualizações

Publicada em

Publicada em: Carreiras
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
125
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fisica corrente eletrica

  1. 1. Correnteetétrica A coRR[Ì'TÉELÉTRICA IN'rINSÌDADEDECoRRENTTxLÍTÌÌca sEr,rrÌDocoÌìlrxNctoNÀLDÂcoÌRENÌEELÉTRICA crìcr,'ÌToELÉTPJCo EFEIT0Sra coRÌrNTEELÈTFlcÀ MEDÌNÀDÁINTENSÌNADIDÊI:I]RRINTETLÈTNCA ENER0ÌanmrÊxcÌÀDAcoRREN"lEELÉTRICA l : Í .f Neste<apituloini.iamoso estudo da Eletrodinâmi.a.Conceituâmoscorrente êléhicâe analisamosa energiae a potêncìa da coúenteelétrica.Nafoto, vemoslinhasde transmissãode energiaelétrica. j r or- clêrêum dpdrê10 loro o dd Íiqüra dileÍe1d dê poterÍ dl êlêl'i.o íddo) ê'p-e d seusterrninaisÁ e I são denominadospólos. E| r.n correnteelétrica a) 1, cujafunçãoé TnanteÍentteseusterminaGÁ e I uma poÍ yr %.EsseapaÍeLhoé chamâdogeradorelétricoe O pólopositivoé o de maioÍpotencial(yr). O polonegdlrvo" o oê mêno'porencial( J. Figurá1. Ogeradormantém enÍe ospólos4ea umàddp. A bateriautilizadaemautomóveis é um€xemplodegeradoreléíico- ConsideÍe,agora,um condutoÍmetálÌcoemeqLrilíbrioeLetrostático(fÌ9ura2) Sabemosqueosseus elétrons livresestãoem movimento desordenado,com velocidadesem todasasdiÍeções,porémsem saíremdo condutor,não produzindo,portanto,efeitoexteÍno.Todosos pontosdo condutof nìetállco em eouilíbrìotêm o ÍnesmopotencÌalelétrico :..,-t t rr@ FiSurê2. (a)Num(ondutormetálicoemequilíbrioeletíostático,o movìmento doseléíons livresé desoÌdenado.Emdestaque,areprsentàçãodeLrm eléíon livreem movimentodesordenado.(b)OnúmerodeeléÍons lìvresque atravessama secçãotransve6ãldocondutoremequilíbrioeletrostáti<o,num certointervalodetempo,é igualno5doissentidos. CÁdÍúLos . CoRRÉNÌÉaÍR(a 99
  2. 2. Ligando-seessecondutoraospólosÁ € I do geradorelétíico,eleÍicaÍásubmetidoà ddp y, - ya, queorigìna,no interiordo condutor,o campoelétricoÊ,orientadodo poloposìtivoparao pólonega_ tivo.Nessecampoelétrico,cadaelétronÍìca$ieito a umaforçaelétricaF.= qE(delentidoopostoao do vetori poisa cargaelétricôdo elétroné negatìva)SobaçãodaforçaelétricaF",oselétrônslivres alteramsuasvelocidades,adquirindo,nasuamaiorìa,movimentoordenado,cujavelocìdademédìa temadiÍeçãoeo sentidodaÍoÍçaÊ(figura3).E5semovimentoordenadode cargaselétricasconstitui a correnteelétrica.Éimportanterealçarqueoselétronslivres,apesarde seumovimentoordenado, colidemaòì'linuamentecomosátomosdo material,seguindotrajetóriasirrêgularesecomvelocidades médiasmuitopequênas.Elesavançamnosentidodafoça elétrica,superpondo-seaomovimentocad- ticoqueresultadoschoquescom05átomosdo condutor(figura3,no destaque) t FiguÌã3.LigandoocondutolaogeÊdor,há umaddpy, - vaêntr€osterminaisdocondutor êo movimentodosêlétÌontéoÍdenadoEm dêrtaque,ãrêpr€sentaçáodeumêléúonlivrê avançândosobaçãodocampoelétri.o. aa o papeldegrandeìmportânciaqu€a ÉletricidadedêsempenhanavidamodeÍnabaseia-senacor_ renteelétrica.A partedaEletricidadequeestudaacorrcnteelétricaeosefeitosproduzidospelocamìnho oorondeelaoassadenomina-seEletrodinâmica. ! 4 T : a a '' . @ 2.lntensidadedecorrenteelétrica Suponhqum condutormetálico(figura4),ligadoaostermìnais deumgerador,Seiaf)o númerodeelétronsqueatravessamaseção transversaldessecondutordesdeo instantet atéo Ìnstanter + ^tComocadaelétronapresenta,emmódulo,acargaelementarq no ìntelvalode tempo ^L passaporessaseçãotransversalumacafga elétricacuiovalorabsolutoé dadopor: Define-seIntensidademédiade corente elétrica,no intervalodetempot a r + Àt comoo quo- ciente: QuandoacorrentevaÍìacomo tempo,deÍine_seintensidadede coraenteemum instantetcomo sendoo limìteoarao ouaitendea intensidademédia,quandoo intervalodetempo ^ftende azero: Denominamoscorrentecontínuaconstantetodacorentedesentidoeintensidadeconstantêscom o tempo.Nessecaso,a ìntensidademédiadacorrenteelétricai, emqualquerintervalodetempo ^t é amesmae, portanto,iguaìà intensidadei emqualqueÍÌnstantet FiguÌò4. NointeruãlodetemPo ^ír elétronspassâmpêìaseçãodo .too Os FUNDÁMENÌo5DÀFecÂ
  3. 3. A figura5 mostrao gráficodessacorrenteemfunçãodo tempo.Esseéo casomaissimplesdecor- renteelétrica,como qualiniciaremoso estudodeEletrodinâmica. A pilhamostradaaoladodo gráficodafìgura5 nosfornececorrentecontínua. Alémdacorrentecontínuaaonstante,é importanteestudara (orrentealternada*,quemudape- riodicamentedê intensidadee sentido(figura6).Osterminaisdastômadasdasresidênciasfornecem umacorrentealtemadadefreqüêôcia60 Hz(Hz: hertz: cìclos/segundo). -që, t Flgurâ5,4 conêntêcontínuãconstante têm sênlldoê intênsidâdêconstãntês FiguÌâ6. A coíentê ahernadamuda periodi<ãmêntenotemDo.Nocasoda fi9ura,a coÍrênteâltêrnâdâésenoidã1. : a a t 2.1.Unidadede intensidadêdêcorÍenteelétrica A unidadedeintensidadedecorrenteéaunidadefundamentalelétricado Sistemalnternacional de Unldades(Sl)edenominadaampère(símboloA),emhomenagemaocientistafÍancês**.Essauni- dadeé definidapormeiode umfenômenoeletromagnétìco,comovercmosnocapítuloi4. Osprincipaissubmúltiplosdo ampèresãoo miliampère(símbolomA)e o microampère(sím- boloIA). 1mA-10rA e luA - 10 'A A unìdadedecargaelét canoSl,o coulomb(C),édefinidaa partirdo ampère(A), dafórmula ^q = i, ^t. Realmente,fazendoi : 1A eÀf : I s,teremos ^q - 1C.Assim, escreverquel C= I A.1s(1 coulomb=Iampèrevezeslsegundo). Portanto: pormeio PodemoJ iì * @ 3.Sentidoconvencionaldacorrenteelétrica OsentidodomovimehtodoselétronséopostoaosentidodocamDoelétriconointerìordocondutor metálico,pois:F;- qÉ'ege negaLNo. Contudo,por(onven(ào: NoçõesdecôÍenteatehadâseráoapÍeseniadasnocapÍtuloI6, AMPÊRE,André-À,larie(ì77sì83ó),matemáticoefElcoírancêrl€conouanáliseMatenáticãnãÊscôa Pollt&ni@dePaÈ.Com45anosint€E$ou sÊpelãE€tÌi.ìdadee gbçasaoseuinvejávesensomatemático, .onfguiu genemlizãrêukados dp€nmentakpânicuaÈ' En Ia2ó,elaboÍouâcélebÍ€"TeoüaMatêmáticados FenômênôsEleÍodinânicosdeduzidosunicamentedaexpeéncia", CÂPlÌuro5. Co.rÊNrÊ*ÊÌRcÁ tol .
  4. 4. Essaconvençãoé internacionarmenteadotada,e a cofrenteconsicreradanessascondiçoesé chamada Corrente(onvenCiondl{tigura7.r. A coÍrenteconvencionarpodeentâoserimaginada(omo sefosseconstituídade cargasrivres positivasem movimento (figura7b); assim,sempÍequefa armosem sentido da corren!e, esrafemos nosreferindoao sentidodo movimentodessascafgãs.portanto,ao mencionarmoscorrenteem um condutor/ estarerfosnosreferindoà cofrenteconvencional,observeque a correnteconvencronartem sentidocontráÍioao sentÌdorealde movimentodoselétrons.No sentidoconvencionar,a corrente elétricâ entra no gerador pelo pólo negativo e sai pelo pólo positivo. u)n '', o) u'. í L/l ì: -_- 3 ,1 n,o! iì€nt. do5. ótllnr Figürâ7. (a)Osentidoconvencionaldâ corenteetétíicaé osentidodocàmpo êlétri@.(b)Osentidoconvencionàtéosentidoqueteríamosseâ5cargãset;tÍcâs livrêsfossempositivãs. T E +.Circuitoelétrico DenoÍninamoscircuitoelétricoao conjuntode apafe- lhoscorì osquaissepodeestabelecerumacorrenteelétÍica, cornoo dasfotosabâixo.O geradofé a parteinternado circuito;osdeÍnaisaparelhosconstituemo c rcu|lo externo. Fecharum circuitoé efetuara ligaçàoque perÍniteã passagemda correnteelétrica;abrir um circuitoé inter TOTnperessãcorÍente.Taisoperaçõesse efetuam,geral_ mente,pof meiode uma chave(figura8) i";: ..., O, Figurâ4. ChâveCh,parafe(harou âbrir um 1ìometáÌico é percorrido pof uma co.ènte elétricâ c.niinra e co'stênie. sabe-seque uÌnã carga elerrrcã de 32 C aüavessá uma seção transversaÌ .t. fio em 4,0 s. Sendo c : t,ô . 10 ', C a.a;ga etótrica ;lemenrâr, â) a intcnsidáde da cofrènte eÌêtricâì b) o número dè eìétrons que atravessâuma seção ilô condutor no retefido üìrervaìo de tcmfo. " IOz Os FUNDÁMENÌó5DAFlsrcÁ
  5. 5. b) Sendono númerodeelétronsee a cegâ elétricâelementã!temos: .4032 + n:rs 10+ + n = 2,0 10'"elétrcns a)sendo^q=32ceÁr=.1,0",*-, ,=f; = r:fi - 4,:s,ìì i:8oo ro Ì!À r [:8p;;4ì EÈTX Sigt .- ; @ R$pGta a) 8,0Àì b) 2,0. 10"êlétrons Epossívelmedr â pssagemde5,0 i0' elétÍonspor sêgundoaüavésdeuma seçâode um condutorcomcertoaparelhosensível.Sendoa cârgaeìementar 1,6.10 "C, câlcltleainiensidadedacorente coúePondenteâomovimento. EmAr: 1s, passampelaseçãoindicadaemlâranjanafiguran = 5,0. Ì0'elé- üons,cadaqualdotadodecargae: 1,6.i0 "C. ^o n€ 50 t0 1,6 t0 ''q aiar-r' RspGra: 8,0 10 1rA ob,"lúaçòo No esquemadasolução,observeo sentidodâ correnteconveôcionaÌ,queé contrárioao do movimentodos Um frode cobre.de áreade seçãotransversâì5,0. 10 I cm?,é percodidopor úmãcorrentecôntinuade in- tensidade1,0Á..Adotândoa cüga elementar1,6. l0 " C,determine: â) o númerôdeelétrônspassandopor umaseçãot.ânsversaldo condutorem 1,0si b) âvelocidâd€médiadoselétrons,sabendoqueê{istem1,7 10" elétronslivres/cm3. a) EmAr: 1,0spassamn eìéúonscoú cãrgademóduloe = 1,6. l0 '' CpelaseçãoSdestâcãdã. t e rR!40, -.; -- Áo n? i Lt ln.ì0 vnoo'- Á/ Ái. Íemsêque: 4 -p ."=rc,l0" , n = 6,25. 10" elétrons b) No insiantei, os elét.orslivresdistentes no voÌumeÁ .1,ãntesdâ 6eçâoS destâcãdâpõemseem movÈ Fento simultãnemèrte.No inteNaÌode tempoAi,atravessama seçâôSe ocupm o mesmovoÌumeÁ.2 âoósa sêcàoJnoinsÌrlê r - Á/. L CÁPlÌuLo5 . CoTRENÌEflÉÌRrcÀ to3.
  6. 6. Câdaelótrcn livre pe.cor.e ãdistância , no intôrvâlo de tempo Áre, poì1aúto,avelocidâde médiâ de câda elétronnovoÌumeserá:.): ; O Sendon o númercdeelétÍonsqueatrâvessãsem^/eNo númerodeelétrcnspor cm3,temosn : N.Á .r. La ne N.A.L e ^ ^-. rgu": ' ^/ r?' substituindo6eO nâê]i.essão @,vem: ,:N.a.Ò.e= l;: ---' ì I x1] 9.1 sendoque,comâsunidadesdoqercicio,l) sâlfáemcm/s. Substituindoosvaloresi 1,7 102. 5,0. ì0 r ' t,6. l0 ,, 1,0 =,=o,o74cm/s - F=,r4;./"ì Í RBpGtã: â) 6,25. l0Ì€elétÌons;b) 0,?4mm/s O resultadou = 0,74mm/spodesuscitara seguintequêstãor"Ao lige a chavede üm ap&elhoeléttco, eìe começâa luncione quãseinstantaneamente,emborapossâestara centenasde metrosde distância.Como issoé possív,el,seavelocidadedoselétronsnG condutors é relativmente bâixa?"À splicãção é s'mples: oseléÌronsliwesdo condutorsepÕememmovimentosimultdeâmenteêmtodo o ci.cuito. .ò € € l F ú I g m O cráfrcorepresentaa intensidadede co.rentequepercorre um condutoremfunçãodo têmpo.Determinea caÌgâelétrica que ãtravessauma seçãotrãnsversâldo condüto. entre os a) 0e2s b)2e4s Soluçáo: a) No intêrvaìodetenpo de0 a2 s ãintensidãdedecoirente é constantee portantocoincideêbina intosidade média. Dessemodo,comoI = 3Ae At = 2s,temos: ,= 4 -ao-i ^t )^o 3.2 - í- =edì ôl !1 _r Obswe que a carga elétÍica Âq = i . ^r é numèÌicâmente igual à áreado rctâneüto destacadono g.ánco I em tunção á:2.3=6 + 119:6cJ Essapropriedãdevale, têmbém,quando a intensidade de conente óvdiável. lsto é,no gáffco da itrreniidadê de corretrleimlaDlâDo eD fuDçãodo lempo.a áúeâ.nm c€rto int€rlalo de tempo, é nDeúcómente tgüâl à calga eléEtca que âhâvesa à seçâo I!ã|weBar do condutor, n€se Ílt€r!Ìalo d€ tempo. b) Nessecâso,!ão podemosusa. a fórmulã ^g = i ^r, pois I não é constante, DevemosdeterminaÌ. a DetÍ do cálculo da ãrêãdo trapézlodestacadono gÌáfico,o vaÌorda cârgâ o=(ui').2=r- @ .t()'{ RêspGla: a) 6C;b) 9 c Os FuNDMiNrosoÀFlsrca
  7. 7. ffi ÀÌavêr dema sçao tÌdsversâldeuÍncondutor, pssm, dadireiiaparaaesquerdâ,Ì,0 l0'" el& Sendoacargaelúentar e= 1,6 l0 " C,determine a intmidade de coÌr€nte quecorcponde a sse moúmento eiddiquêseúsentidoconvencional. Un condutoré percorridopor umâcoÍ.entede intemidãde20A- Calcuìeo númerode elétÍons por segundoque passampoÍ umaseçãotrâns versâldocondutor(e: 1,6 10 '"C). W Um fio de cobre,de áreãde seçãotransversal 8,0 10 I.mr, ê percorrido po. umâ coÍrente elétricãde2,0A Deidmine avelocidademédiados elétronsqüecoNlituem acorente elétrica,sâbên- dô quedbtm 8,4. 102elétronsliuês/cm3. (ÀcaÌgaelétncaeÌementarva,lere = 1,6 10 "C) ffi Umacorrenteeret.ìcadeintensidâde10À é mantidâemumcondutormetálicodurdte 4min. DeteÍmine,peâ esse 'ntsvaÌo detempo: @ s.ef"itotdacorrenteelétrica A passagemda correnteelétrìcaatravésdoscondutoresacarÍetadìfe- renteseÍeitos,deoendendoda natuÍezado condutore da ìntensidadeda conente,Écomumdizerqueacorrenteelétricatemquatroeíeitosprincipais: Íisiológico,térmico(ouloule),químicoe magnético. o efeitofisiológi€ocorrespondeà passagemda correnteelétricapor organismosvivos.A correnteelétricaagediaetamenteno sistemanervoso, prcvocandocontraçõesmusculares;quandoissoocorre,dizemosquehouve umchoqueelétrico(figura9). O piorcasodechoqueé aquelequeseoriginaquandoumacoÍrente eìétricâentíapelamãode umapessoae saipelaoutra.N€ssecaso,atra- vessandoo tóraxde pontaa ponta,hágrandechancedea corrent€afetar u LUrdldu r d,<JP,,a!au. ovalor mínìmodeintensidadedecorrentequesgpodepeÍceberéI mA. Essevalorprovocasensaçãode cócegasou formíganientgleve,Entretanto, comumacorrentede intensìdade10 mA a pessoaiá perdeo,controledos músculos,sendodiÍícìlabrira mãoe livrar-sedo contato. O valormortalesú compíeendidoentrel0 mAe 3 A,aproxìmadamente.Nessafaixadevalorcs,a corrente,atravessandoo tórax,atingeo coraçãocomintensidadesuficienteparamodificarseuritmo. Modificadoo ritmo,o coÍaçãopáradebombeaisangueparaocorpoeamortepodeocorreremsegun- dos.Sea intensidadeíor aindamaisalta,a correntepodepaÍalisarcompletamenteo coração.Estese contraiaomáximoemantém-seassimenquanÌopassaacorrente.InteÍrompidaacorrente,geralmente o coraçãorelaxae podecomeçara baternovamente,comosÊnadativesseacontecìdo.Todavia,parali- sadoo coração,paralisa-setambémacirculaçãosangüínea,eumainterrupçãodepoucosminutosdessa (i(ulà(ào podeprovocardanoscerebrai5ireveísiveis. a) ã cegâ eléüi.ã queatravessaumaseçãodo b) o númerc deelêtrcns que ãtrâvessamarefeÍi- (À cargaeÌétrica de um elétÌon temvaÌor âbsolü' io de1,6.10 "C.) ffffi o gráncorepresentâaintensidadêdacorote qüe percorreum condutorem iunçãodo tmpo, D+ termine ã.egâ êlélrica queatravèssaumaseção trõsveEãl entE osiBtdtg r: 1s e r: 3s. FiguÍâ9.Etuito fisioló9ico. I CaDrÌuro5. Côm ft nirRca 1o5'
  8. 8. O efeito térmico, tambémconhecidocomo efeito Joule,é cau- sadopeo choquedoselétronslivrescontraosátomosdoscondu- tores,Ao receberemenergia,osátomosvibram maisintensamente. Quanto maioífor â vibraçãodos átomos,maiorseráa temperãtura do condutor. Nessascondiçõesobserva-se/externamente,o aque- cimentodo condutor.EsseeÍeltoé aproveitadocomfreqüênciaem aquecedores/como o chuveiroda foto. (O fevestimentoda parte inferiorfoi fetiradoparadeixaÍexpostoo condutofenroladoem hélice,que é atravessadopelacorrente.) O efeito químicocorrespondea determinadasreaçõesquímicas que ocorremquando a correnteelétricaatravessasouçõese etro- líticas.É muitoaplicado,por exemplo,no recobrimentode rnetais (nÌquelação,cromação,prateaçãoetc.,iÌustradonafiguía10). O efeito magnético é aqueleque semanifestapelacriãçãode um campomagnéticonaregiãoemtornodacorrente.A existência de um campomagnéticoem determinadaregiãopodesefcons- tatadacom o usode uma bússoia:ocorreÍádesviode direçãoda agulhamagnética(ímã,corìo mostradonafigura11).Esseé um efeitomuito irnportanteda coÍrenteelétricae é abordâdodetalha- damentena parteI (Eetromagnetismo)destelivro. FiguÌã10.Efêitoquímico. .f ''IrNum(huveÍo,a passagem dã<oftenteêlétricapela "resktência"píovocão êfe'to témicoouefeitoJouleque Figura11.EÍeitomãgnetico. j @ fn*ro:nauoao Noendeieço€ÌetÌônico]1t.:p:,//n'rvÍ.rìêí1r.,ii!.í,':.ij i (acessoem2118/2007),você€ncontra infornaçõesdecononsara en€rgÌàeÌéüicadeformaadequada(lrocure€n SuasegnÌança;Xvitêacidenteq. El o.nn"Aia"daintensidadedecorrenteelétrica PafaÍnedira intensidadede uma correnteeléüÌcasãoconstruídosaparelhosgefalmentedeno, minãdosamperímetros(figura12).Essesapafelhospossuemdoisterminaisacessíveise devernser colocãdosno circuitode modoquea corfentea sefmedidapossaatravessaro medidor Figura12,4pàrelhodestinàdoa medir â intens'dadedecoÍrente.Ao lãdodelê, temosum dossímbolosusadosparã represêntâÍumamperím€tronociÌcuito. ,í t | ,.106 Os FUNDAMTNÌoSDÁFis.a
  9. 9. No circuitoelétrìcodafigura13a,existeapenasumcaminhoparaa coarentequesequermedrt VerìficamosqueosamperímetrosAr,A, e 43,colocadosem dìveEospontosdo circuito,fornecemã m€smaindicaçãor'.PaÍacircuìtosqueoferecemapenasumcaminhopalaacorrente,a intensidadede correntee a mesmaemtodos05pontos. S..N ii,/ N - EE Elit ._' ë) b)a) m"'*;r.ff9- Y t 9 i E FiguÌâ 13. Medidadàcorentê comamperímêtÌos.(a)Cir<uitoqueofêreceapenasum caminhoparaacorÍênte;(b)cir.uitoondeâcor€nte sêramificà No circuitodafigura13b,entreos pontosN' e N" temosdoistrechosde ciÍcuitodenominados ramosdo cìícuitoprincipal.OspontosN'e M', nosquaisa correntesedivide,sãochamadosnósdo cìrcuito.OsamperímetrosAreA2estãocolocadosnosramose o amperímetroAr,nocircuitoprincipal. Comâchâvech fechada,asintensidadessão,rcspectivamente,/r,t e/-.AsindicaçõesdosamperímetÍos Considerandoo nóM', podemosenunciaraseguinteregrã,conhecidacomoregradosnós,queé válidaparaqualquernó deumcìrcuito: -á'l @ 7.Energiae potênciadacorrenteelétrica um apaÍelhoelétricoécolocado€ntredoìspontos,Áe 4 deumtrechodo chcuitopeloqualpassa a coríenteconvencionâìde intensìdadei (figura14).SejamVÁe % osrespectivos,potencìaiselétricos dessespontosechamemosde U = yr %addpentreospontos.O movimentodascargaselétrìcassó )eraoossivelseÍormanLidaaddp l-lenLre4 e L , ê I __,_-,. !{ i!_,,t1 FiguÌa14.4 ddp Udev€seÌmãntidapan quêhajapassagemdacorente i chamemosÁqa cargaelétri(apoiitivâ que,no inteívâlode tempo ^L atravessaessetrecho No pontoÁ,a cargatemenergiapotencialelétricafe(4: ^g ' y/;aochegarem4 elatemenergìapoten- cialelétricaEÊ{o: ^g Vs.Quandoacargaelétricaatravessao tÍechoÁ4 o trabalhodasforçaselétricas é dâdo por: CÁPiruo5. Co* ÌE ÉÌR.a ro7.
  10. 10. Como Ep(/)= ^g . VaeEpG)= Lq ' y&,obtemos: Devemosdìstinguirdoiscasos. I lq caso:fe(4> Ee(r) Nessecaso,y/> ys.A energiaelétricadacorrentediminui:o movimentodascaíga5é espontâneo e o trabalho,motor. EssaenergìaelétricaconsumidapelotrechoÁBpodeter sidotransformadaem energiatéamica,energiamecânÌca,energiaquímicaetc. A potênciaelétricaconsumidaé dadapoÍ: Pot= !41. Mas,sendoõÁs: ^q . U,vem: =Lq'u ^t Considerandoque obtemos: t Lq --..=l' Parachegarmosa essafórmula,nãofoì necessárioestabelecerqualquerhipótesesobrea natureza dastr.ansformaçõesquea energiaelétricasofrenotrechoÁ8.Portanto,aÍórmulaé geral,podendoser utilizadaqualquerqueseiao aparelhoexistenteentreÁ e 8. A energiaelét caÉ"tconsumidapeloaparelhoexistenteentre/ e B,numintervalodetempo ^t, é dadapelotrabalhodasforçaselétricas: I 2acaso:fe@< Ee(s) Nessêcaso,yr< ys.A energiaelétricadacorrenteaumenta:o movimentodascargasé forçado e o trabalho,resistente.Essaenergiaelétricaé Íornecidapelotrechode circuito,48à custade outra formade energia.Éo casodo geradorelétri€o. A energiaelétricaf" é,portanto,fornecidapelogerador,a partirdeumoutrotipodeenergia.Nas pilhascomuns,éa energiaquímicaqueseconvertena€nergiaelétricafornecidaaocircuito. A ÍórmulaPoi: U . i representa,nêssascondições,a potênciaelétricafornecidapelogerador. Uéddp no geradore i, a intensidadedacorentequeo atravessa. 7,1.Unidâdêsdeenergiaepotênciaelétri(a Recordemosasunidades:Potemwatt 0fú),Uemvolt.(V)e I emampère(A). Osaparelhoselétricostrazemgravadosa potênciaelétrìcaqueelesconsomem,bemcomoo valor daddp aquedevemserligados.fusim,umaparelhoquetraz.ainscrição(60W - 120V) consomea potêncìaelétricade60W quandoligadoentÍedoispontosqueapresentamumaddp de 120V EmEletcidademede-setambéma potênciaemquilowatt(1 kW: 103W) eaenergiaelétricaem quilowatt-hora(kwh).A quantidadedeenergiatrocadano intervalodetempode I h compotênciade 1 kWé I kwh-Portanto: r kwh: r kw.t h: r.000w. 3.600s ã Resumindo,temos: E e € .9 € Ë 3 p 1l= r w:1s lkWh=1kW.1h .rc8 03 FUNDMTNÌoS DÀFISKA
  11. 11. & PÍocurêidêntificaraddp€m quêa lâmpãdadeveserligadaeâ potênciãqueconsomenarcondiçÕ€s dêfuncionamentonormal.OsecàdoÌde càbelosdaíoto consomêa potênciãde 1.400wquandoligado a umatênsãode 127V Ouaìa intensidadedacotrentequeo âtEvêssanessascondicóes? 'rE R.42 UDÌapareìho eÌétrico aÌìmentado sob.ldp de Ì20V coDsomeDIìá potência de iioW CaÌcuìe: a) a intensidade de corfênte que percorrc o aparelboi b) a energièelétri.â que ele coDsomeem 8 b. expressaem kwh. ir -5 rB a) A potêrciâ èléfìca é dâda por: PoÍ=ll.ì=60=120.i3 b)SendoPot= 60W:60 l0ike,l:8h.acnergiaelétrica,.lâdâpelotrabâlhodasturçãselétricâsenire ,4er, será: E - p,r.!:60.t0 ,.8 i 4 :480.10,kwh= lea=0ltl+'il R*posta: â) 0,5Àib) 0,48k$h R.43 Emum aparelhoeìétricoÌigadocorretanentelê-seâ inscfição(480W 120ì. SeDdoa caruaeleúentâÍ 1,6. 10 '' C,calculeo númerodeeléiÌonsquetãssarãopor umaseçãotrarsvefsaÌdo hpaÌeìhoenì I s.  ìnsciçãodo apàrclhô.ôs lonÌcccPot: ,180W e i, = 120V +L_120l I i, I i.,r8oVr, l2o rr i . E ConoPol i.r.i,te osr480=120i=i:,14 1.6 10 ', " = 2,5. 10'"elétrons _j q, i.^t Respostâ:2,5Ì{)' elétÍo.s CaPÌulo5 . CoPftNrErLÍP.a ro9è
  12. 12. ,r.l'...' ìì..ì ,'ì .f P.97 tm Lm chuleiío elètrico.a ddp em seLste..oinaisvaÌe220V e a conente que ô ãtravessatem intensidadeI0Á. I Ou" à Dul;ncraplélíicd, orsun J. oêlo(l re.rol I I ! t:98 Emum apâÍelhoeìétricolê se:600W 120V Estandoo apareÌholigadocoEerâmente,carcure: a) aintensìdâdeda coÍrentequeo atravessaì b) aenergiaelétrica(eft kwh) coosumidaem5 lì. O relogio da luz O quêcomurìentecharnêmosde rêlógioda Ìuz é naverdadeurnrnedictordâeneÍga eléÍicaòohslr m dâno ocâ ondeé instaado Nafoto,e mostÉdo!m dessesrneddoÍes.pfocureo ' reogiodêluz de suacasae compare-ocomo dafoto.Llmdiscohoizontagiraquandoháconslrmodeenerga eléÍica; quantomaoÍ o consumode energê,rnas rapdamentegiÌao d sco.Ao g râr,essed scoêconê,porum s steanadeengÍenagens,os "reoginhos"s tuâdosnapate superLordornedidof. Ao Íazera e turâ, éemse os reognhosdaesquerdaparaa difeita.A leituÉcoÍrespondesernpreao últrnonúrneroutrapassadop€o ponteronoseusentdoderotaçãoObservequeo 1!e o 3! relógosg ram nosentidoant-horáÍo,enquantoo 2"e o 4r g rarnnosentidohorároPorexempo,suponharnosque, r'- dddo| .t" ê 05.ôloo.l-o.ào.õò.êr o.ô9., Ìêo,pecto. .* : a A leturaseriaentáo:4627kwh Essaleturaems náoternmâorsgnÍcado O qle interessae a diÍerènçâentrecjuasetuTasconse cutivas,a quaindcao consumo.Geralmenteas eiÌurâssãofeitasnolnte|Vêo deummês;oesseÌÌìooo, a dlÍerençaenlreas eiturasindcaráconsumomensalnaqueê nstaação.PoÍexemplo,seê eituÍaacma ïoifeitanoda 2 deolrtubro,e a eturaefeÌuadaummêsdepois,em2 de novembÍo,fo deb.273kwh, o consumonoperíodocofiespondeà diÍerença: .llo consumo= 5.273 4.627= consurììo= 646kwh Os FUNÒÀMINÌô5oÀFlsca
  13. 13. A contadeluz Acontadeenergiâe étrca,us!almentechamada"contade uz",é!rnderìonslÍatlvodâeneÍgãeë Í calornecidaà nstaâcãonumcertoperÍododeternpo,geramenteum mês O consurìo,rìeddopea d fefençadeleturasdlscutidaafteriormenÌe,é expfessoerììqulowatts-hora(kwhì Observeo preÇodo kwh e os mposÌosquelncdernsobrea cofta:o CIVIS(lmpostosobreCrcuação de Mercâdoriase ServiÇos),o COSP (Contrbuçãopârco Custeiodo Servlçode umlnaçãoPúblca),o PIS/PASEP(Proqranìade ntegraÇãoSoca/Pfogramade FormaçáodoPaüimôno doServldorPúbco) e o COFNS(ConÍbuÇãoSoca pâfaoFinâncamentodaSegurdadeSoca).Enì"FllstófcodeConsu mo" e possiveanalsaro consumodeenefglaeléÍ canosdiversosmesesqueantecederno mésa que .1,' ':11'l 'rlii.lÈ.* r:l:! f . j csüÂdq'í4âl 3065 27MÁR2007 MAB2007l VEBÀIUCIA t'à SILVA À{4n aú,iRd,r,l NôìaÊìÊ.âlSérieB Cohr..le €nergiâÊlórricê 6690i tto 09aaH2007 47Fn |oia e Àioúirdú ,{. Í,,'r midenção.ta sua rede lmêôte é têito setn intúuDçáo do .ffid:mêìnô dê ênêtgiâ Mãê, èh alsuns @so9 a inteúupçáô tdâ.Jè .Jh'Ìê a .èatÈaç Auahdõ ls.o a@nte@, aÁÈs Etê.rcpãutÒ üeta ã datâ ê h6râ.lo .tê énèÌgià êérá hrtar@mtti<lo. Assim o otienta po.!ê p.ÒqÍàtuàì suàs atìvi.rades. MaÌs ônêígiê hà súa vída ,@p",, voè. wwwêlêtropaílo,com.br cor6ÜMo ÌÂRFÃnt&ú 36,62 3,50 0.33 eon'úírôErék6ocÉmo JAFD|NS ! ó1. PÍdnid. ; ,,5. ì ?,001 13e0 FEvltì7 so Í[]ÍÍ|]ííÍ01ÍlllíÍflÍÍ11||luÍrl trÁnrD7 50 Ì ]IllÍtíllllllíl oEzo6 90 t rnLütrnlfitÍlÍI rÍI nÍ NOV,O6 70 tÍUlÍllÍtÍrnfil ÍltÍ our/o6 70 lrlllilÍÍÍÍIÍlíIt!ÍÍÍl1l eËÍô6 slÍuíÍÍttitlÍJÍI|ÍÍtìIluíIÍlÍÍ ÂGO!6 70 tÍflltlÍI ÍtÍllÍll|ÍIll JU!06 áô !Í|[ÍIUII||[!ÍÍííÍt1íltl JUN66 e fir Í{J|Ífin ||t lÍÍÍ ho6 m nl|Ì]tÌlíÍtÍrítÌlllÍtÍ1t Àsnn6 90 tÍl Í tÍl tÍÍ|ltÍÌLÍÍfiflÍ1fiÍ MAÊr06 0o tÍÍitÍ1ÍÍlflÍtúIrtíllulÍllÍÍ :i;'::'__^- i3 spt 7pç Á|lwbj,*-v!brÀ,523 . .,,";.,,' iÍr,iÊ*r,Ì'r,íffiièti'iËit%^*.omu"***- rud 5u6p.r6lo Frq{rcnMo DE t;**-,;;;;;,;;;" CaPlÌuro5 . CoRENTE4ÊrR.À ltl '.
  14. 14. Sffi umnoperconiooporumâcorrentede1,0Aueve conduz'r,airavésdeumâseçãotrdsversal, uma cârgadê3,6C.Quâ1ointervâlodetemponeces- sãrioparâqueissoocorra? ffi olro-nD,l int"n"ida.ledacorrenteelérricâem um condutor metáÌicovaria, com o tempo,de acordocom o gráIicoabâixo.Sendoa carga elementare : 1,6.10 ', C,deternine: ê) a cargâelétdcaquearràvessaumãseçàodo b) o núnerc de eléíons queâtÍavessaumasò çãodo condutordìrranreessemesmotempo; c) aintemidâdemédiade corrênteentreos ins- ffi 6rrCCol e" carguseostempos.leduraçãodas bateriasde 6 V paraum certo ripo de teìeÍone ceÌuìâr,sãodadosnatãbetaabaixo. aJ Quala quântidadede cargã(em couloftbs) Íornecidãpelabaterlâde0,80Âh? b) CãÌtuÌeaintensidadeÍnédiadacorrenteelétri- cae a potênciamédialornecidâspeÌabâtertâ de0,80Ah. ffi Cvuncl) um apaethoelétricoparãserxgâdo no acendedordecigârrosdeêutomóveis,comer- cializadonasruasde SãoPâulo,traz a seguinre TensãôdeaÌimentação:12W Potênciâconsümida:180V Essainsbuçãoloì escÍta por um Iabdcantecom bonscônhecimentospráricos,masdêscuidado quântoão slgnincadoe usocoÍÍetosdastnida desdo SI(SistemaIniefnacìonãl),adotadono Bra'ì. a) Reescrevââ instrüçÀo,usandocorrerãmente õ unidadesdemedidâdo SL b) Caìculea intensidadeda côÍ.ente elérÍica ìÌtilizãdapeloaparelho, 11@ g,"""p) rvo..a.ente. osapareìhoseÌéÌncos têm um manualde insbuçõesou umaplaqueta qÌreìnrormârna potênciaque absorvemda rede elétricâ parã luncionar. porém, se essa inlormâçãonÀoestiver disponiveì,êpossivel obtêla usandoo medidorde energiaelérricada entradadaresidênciã_Alémde mostradoresque Pêrmitema leiturado consumode cadâmês,o medidortem un discoqLÌegúa quandoã enêF giaelétricãestásendocoôsumidâ.Quantomais energiaseconsome,maisrápidogirâo discô. Usandoessemedidor,umestuddtepÍocedeuda següintefoÌmâpãradescôbrirapotêóciaeìétricâ deum apareÌhoquepossuíâ. . InicialDente,desconectoutodos os apare, lhosd6 tomadãse apagoutodãsas luzes,e o dlscocessoude girar. Em seguida,ligou ãpenasÌrna lãmpadade potênciacoôhecidae mediü o tempo que o discoIfloü paradâr umavoltacomplera. Prosseguindo,Ìigouão mesmotempo duas, depoistrês,dêpoisquatfo....IâmpadõconhÈ cidas,repetindoo procedimentodâ medida. À panir dos dâdosobtidos,consbuiu o grá- ncodo tempogãstopelôdiscopãrêdar uma voltacompletãemfunçãoda porêncjâabsor, vidâdarede,mosrradona6güra. 0 50 r00 150200250 too :l5o4oo450soo Pôtência(W) . Iinalmeôte,ligâ.do apenêso apârelhocuja potènciadesejãvâconhecer,observouqìreo dìscolevâvaaprof,imadâmente30s pa.a dar umavotã comPletã. â) Quãlâ potênciado âpareÌho? b) O tempo gsto pelo disco e a potência aìrsoÍ- vidasãogrddezasdiretâmenreproporcionãis oÌrnversamenteproporcionâis?Justinquesuâ t g j ç i @.? Sabendosêque20lÂúpads de t00watrse l0 de 200watts pe.manecemacesãs5 horú por dia, pe.guntâ-se:quâlo consumode energiaeléúica, em kwh, no periodode30dias? .Í2 05 FUND!MENrosDÁF5ca
  15. 15. - potènciã5.000W ôú umalampâdade 60W que permaneceligadã24horas?Justinque. NatiÍã,Câr6ekì,úuito rnaldosamenre,reproduz ô ramosoexperirnentodeBenjaminF.anktin,com â diierençade queo cientista,na época,teveo cuidadodeisoÌd è si memo deseuaparelhoe de mõteHe proregidodâ chuvade modoquenâo tosseeretrocutadocomotântosoutrosqueren- taramrepÌoduzìro seuexperinento. Franklindescobriüque os raiossãodescargas elètricãsprodu2idasge.almenteentre üma nuveme o soloou entrepetes de umamesma nuvenqueestãoeìeÌrizadãscomcÀrgõopostàs. EotesaDe-sequermàdescêrgaeÌétricanâaÌmos_ lem podegerarcorrenresetêtdcas.Ìaordemde 10"anpèrese queastempestadesqueocorrem no nossoplãnetaôriginãm,em média,t00 rèios Porsegundo.lssosignincaqÌrea ordem.legran_ dezãdonúmerodeelétronsquesÀoüõsteridos, porsegundo,por meiodãsdescê.gasetérrics,é! a) l0' O rò. b) 101 e) 1or c) 10^ fDadorcaryadeumeÌétron 1,6.t0 Ì,C) t ffi {eucsD o q," "onsome mâisenêrsjaelét.,ta:um banhode30miquroscomüIn chuveiroelétrico .le emumcondutormetáÌicodurmredoisminutos. :edese ãcaryaetétricêqueatravessâumãseçâô â) 120c c) 200C e) 600c b) 1.200c ü2OC I1,2!LÀpercorreum condutormetAico.A carsâ eìeoièntarée= 1,6.10,'C.Otipoeonrtmeroãe Pârticulãscdre8adãsqueârêvessamumàseção transversaldessecondutorpor segìrndosão: a) prótonsi7,0. l0r petículãs. b) ÍonsdeÌnetal 14,0.10Ì6petícuìãs. c) prótons;7,0.10Ì!petículas. dJ elétronsii4,0. t0i6parícuìãs. e) elétÌonst7,0. 10Ìrparrículõ. iÌi.i$.-lcuc.sp) r$li# t .ci..a..- i'teüuptordeümâlâmpâdaelé- Ìrrcâ,estase âcendeqüaseinstanrãneamente, emborapossaestar a cenrênasde mehos de distãncia.lssoocorÌeporquei a) avelocldadedoselétronsnacôrrenteeÌétricã è igualàvelocidâdeda tuz. b) os elétrons se põem em movimentoquase imediatamenteemtodo o circüito, emborasua velocidademédiasejareÌâtivamentebaúa. c., avelocidadedos elér.ons nacorrenre etétrica d) nãoénecessárioqueosetétrcnssemoümen_ ten parâquea ìâmpãdaseâcenda.'r. ffi Guvest-SP)Umkwhé a enersiaconsunidapor um aparelhode !,000 W iuncionândoduranre umãhora.ConsidereumatoÌneúa elétricãcom a) Süpondoque o preço de I kwh de enersia etétricâsejaR$0,20,quaìô sastomensat;a torneirãÍunciônandomeiâhorapoÍ dia? b) Quâla energia,em jôules, consumìdapeÌa torneiraem 1min? 4ÉË um chuvei.o elétricotem pôtênciade 3.000w e umalãnpadã incandescentetemporênciade 60W Qüántotempoã lâmpâdadevefrcarÌigada pãrâconsúmrrã mesmaenergiaqüeo chuveúo, durânteün bdho de20minutos?. i-@. (Pucsel u." "o.Ìênte eìétricadeinrênsida.re r.fr.Ìi$Jummpereco.esponaea: I. umcoulombpor segundo. II. pâssagemde 6,25. 1013cargãseÌemeÍt@s poÌ segundoatravésde uÌnaseçãotransversaìde üm condutor(caÌgaeiementü e : 1.6. i0 1'C). a) SóaaflÌÌnação I é correta. D Sóa anrmâçãoIré coüet c) As duasã6rmãçõesetão corrers. O AsduasanÍmaçõesestAoincoretas. CaPiÌlLo5 . ComÊNrEREÌr.À rr3' ffi 6r'i"a.psg quandoo aìuÌnÍni;é produz,ooã pãúir dâ baüxita,ô gastode energiâpâra produ zi-loéde l5 kwh/kg.Jápãrao aìuÌnÍnioreciciado â panir de latiDhâs,o gâstode energiaé de ape nas5%dogastoa pâftir dâ bauxita. a) Emumadadacidade,50.000Ìarinhassãoê cicÌadãspordja. Qlanto de energiaerétricâé poüpadanessacidade(em kwb)? Considere queaÌn6sàde cãdaiathhaó de 16s. b) Um lorno de redução de aìumini; produ, 400kg do hetal, a parti. dã bâuxtâ, em um periodode 10horas.A cubaeletrotÍricâdesse fo.no é aìimentadacom umârensãode 40V QuâÌa coúenreqüealinentaa cubaduranre ãprodução?Desprezeasperdâs. 'i.'-filti+-ì:euc PR)umacoÍrenteeìétÍicadel0AémanÌrda c -q ; F I !
  16. 16. ü(íÍjf$ll Creco E. '. ôo de cobte de I cm de diâmeüo ü' há uma corrente de 66 ampères.Cors'dere a existênciade 8,6. 10'|3elétrcnsÌivrespot melro cúb'cono cobree â ca.gâq de um elétronìgual â -1,6 . 10 '" couÌonb, À dÌstânciapercorrida por um desseseÌétÍonslivres,em umãhora,é apronmadmenteigüalâ um: ô) centimetro b) palmo d) quilômeüo 'fr4ü.SirunisdsPì No drasÌanã lemosâ represenrd.ão da intensidadede corÍente (/) em um rio con- dutor em funçãodo tempo(l). A qudtidade de cargdFlÁln!ã.en í-.quêârravesõaumose.ção Lránsersâldo côndurorênirF2s p 4s é: â)4 b)8 c)l d)6 e)2 a) 5Ae8A b)5ael0À c) Ì3Ae 104 O3Ae2A €) 11Ae104 :.È-1ÍÌlìr. tr""r'. a" "i."uito esquematizâdona Êgüra têm-se dob nós, ]VÌ e l{,. ,r Nr i, N, i llr,q l.z,c lsn IlvI As intensidadêsds correntès i, e i sãorespecti Ìir.]-X-ii*Ìtunrsasp)um ctruveiroeÌétricoqúddo sobddp de 220V é atravessadopor ümâcorrente elétrica de intensidade10A. Quâlé â endgia eìétncacon- sumida,emkwh, em t5 mindeÍuncionameúto? â) 33 b) 3.3 c) 1,21 d) 5,5 e) 0,55 iij;i;lti OEPB)umaresidênciausaarsunsequipâmentos eÌétÍicos,cujapotênciadecâdaum eo teúpo de funcionmentoemummCseúconüâm-seespeci- ficâdosnâ tâbelã âbaixo. AenergiãelétricatotaÌconsumida,efr quilowatt hora (l<Wh),pelos equipamentosvâle: ^) 42,0 b) 66,0 c) 32,0 d) 54,0 .14 e) 72,0 Os FudoÁMlNrosDAFlsrÀ .Siïlì--4.i(olimpÍadâ Pauristade Fsicâ) Preocupad3scom o "apagâô",donãJosela,donaCarolinae dona Eneidatomârm aÌgumasproüdências paÍâ êcG nomize energiaelétrica: l. DonaJoseladeúou deusarofomo demicroon- dõ de 2-000W quecostumavaÌigârdurdte II. DonaCarolinatrocou 10 Iâúpãdâs incãn descentesde 100W cada,quelicavm âcesas duraóte5 ho.âsdiáriãs,por iguãlquantidade dêlâmpãda fluorescent6de 20W UL Donã Eneidaconseguiüreduzir de I ìoÍa pda 0,5horâ por dia o tempo de bânhode chuveiro elótrico de 4.000W SabendGsequeãenetgiâeìêtdcaépagaem kwh e que a quâdtidadede energiaê determinadâ pêloprodìrtodâ potênciaem kW (1.000W)pelo tempo de uso em horâs e conslderandose as providênciasanterio.es,podêúosaÊrmd que: a) Todaseconomizaramâmesftêqúãntidâdede b) DonaCeoÌinãfoiquemconsegujueconomizd maiseneÍgiãelétricã. c) Donâ Ene'dãioi quem economizoumenos O DonâJosefaeconomizôumâisenergiaelétrica do quedonâCa.oliôã. e) Nâohouveecononiade eneryiaeÌétricanas trêssituaçÕes,haveúdoapeúâseconomiana potênciaelétricadosapareìhosutilizadG. t ii.!-ï-ì.i{iJfurrrqlO epo".mmêsdeincânsáveis...apaso a tü!...,..-desligao chuúeirc!...â esposâ.omunì caaomaridoa reduçãode 130kwh noconsumo úensaÌde energia.Nãodandoo bÌaço a tor.êr, o maridoãtÍibui ao suceso da economiao fâto denàomaissêter deipdo ãcesadurantea noite aqüeìãìâmpâdade 100W do corredor,que suâ esposaâchavajodispensávellicârâcesa.Apesar deo nãousodessaEmpadatercodbibuidopeã a economiaobtida,elajamaispodeÍiâter sidoâ únìcarcspomável,umavez que,com a ene.giâ economizada,e$ã lâmpadapoderiapemânecer ininterruptãmenteâcesapor,aproximadafreíte: Ë j € B .. 33d'as - c) 46dias e) 6l dias 38dias O 54diasb) a) b) ,i-f!i.ltêiC.rncs-nqru.uiruminaìsuaba'aca,umgrupo decampistasligaumalâmpadâaumâbatêriade automóvel.A lâmpadaconsomeumâpotência de 6 W quandoopeÍa sob umaiemão de 12V A bateÍiâtÍâz âs segúintesespecilicações: 12Y 45 Á.h. sendoo úìtimo valor a carga ftáximâ que a bâteria é capazde arúazedãr Supondosequeabateriasejaideaìequeesteja coma metadeda cargamáxima,e admitúdo-se que a couente iornecidapor ela se úantenhâ constanteaté a cargaseesgotarpor comPleto, qÌ,ântashoÌâs a lâmpadapoderápermânecet luncionandocontinuaúedte? 90h 60h c)45h e)11h15miú O22h30min
  17. 17. gffi Ounesol* companhtâsdeetetricidãdegeÌa|men- tê usâmÍnedidorescallbrâdosem qülowâtt-hora (kwh). Um kryhÍepresentâ o taba,Ìho reaÌizado por umamáqulnadesenvolvendopotênciaigüaÌa I kWdurdte I hora.Numaconta mensâlde ener, giaelétricâde umarsidência com4 moradores, lêemae,otre outros, os seguintesvalores: 300 75,00 Cadaum dos4moradorestoma um banhodiáÌio, üm de câdâvez, num chuvelÌo elétrico de 3 k!: Secâdâbanhotemdurâçãode5ninutos,ocusro ao finâÌde um mês(30 dias) dâ energiaconsumi dâpelochuveiroéde: â) R$4,50 O R$22,50 b) R$7,50 e) R$45,00 o R$15,00 O Ênunciadoã segütrreÍerêceaosresresT.ttg eï.t20. (EneÌn-MEC)À dlstribuiçãomérttâ,por ripo de equipâmentojdo consumode energiaelétricâ nãsresidêncis no Brasiléapresenrâdano gÌáfi- 25.ta t 20% do nâ mediçãodo consumode.esidências,há um disco,üstveÌ enernâmente,quepodegirar Câdarotaçáocompletado discocorrespondea umcoNümo deenergiaelétricade3,6watrhora. Mantendo-se,em uma residência,âpenâsum equipmento ligado,observa-seqìreo disco exÈ cutaumavoÌtaã cada40segundos.Nessecâso, a potência"consqmidã"por esseequipamenroé de, apronmãdâmente: 30% ffi r. "sso"iuçao"o. osdadosdo gráfico,considÈ .e âsvariáveis: I. potCnciado equipâmenÌo; II. horâsde Íuncionamentoi UI.núnero deequipamentos. O valoÍ dâslraçóesporcentuaisdo consunode d) II e lll, apenas €) I,ll ê lll o324W €) 1.000w im-Ê Guvest'sP)NoftedidoÌ .leenêrsiaelétricausa ! €- c ã ë 3 m Comomedidade €conomiâ,em umaresidênciâ com4 moÍadores,o consumomensalmédide energiaelétricaloi reduzidopara300kwh. Se essarsidência obedeceà distrittqiçãodadano 8lánco,esenelahám único chìrveirode5.000W pode-sêconcluir que o bânho diá.io de cada moradoÍ passoua ter umadu.âçãomédiã,em O 10,0 e) 12,0a)2,s b)5,0 0 7.5 â)36w b)90w c) 144w À quantidadede eneÌgiaelétricade 3,6wâtt- hora é denn:dacomoaqueÌaqueum equlpa- mentode 3,6w consuÍniÍiase permdecesse ligadodurote t hóra. CÁPÍÌuLo5 . CoRlNr! rtÌRrc 115.

×