SlideShare uma empresa Scribd logo
SISTEMA
RESPIRATÓRIO
Sistema Respiratório
o Indicie
o Morfologia do sistema respiratório
o Hematose Pulmonar
o Doenças respiratórias
-Pneumonia
Sistema respiratório e Patologias
Sistema Respiratório
Pulmões
É constituído por:
- Localizam-se no interior da caixa torácica.
-Estabelecem a comunicação com o exterior.
- Fazem parte: fossas nasais, faringe, laringe, traqueia,
brônquios e bronquíolos.
Vias Respiratórias
Fossas nasais
Epiglote
Diafragma
Pulmão
Costela
Faringe
Úvula
Traqueia
Brônquios
Bronquíolos
Laringe
MORFOLOGIA
Vias Respiratórias
Fossas Nasais
Filtração do ar – pêlos e cílios;
Aquecimento do ar – capilares sanguíneos;
Humidificação do ar – glândulas da mucosa.
☺ São 2 cavidades que comunicam
com o exterior através das narinas.
Possuem pelos e cílios
FUNÇÕES
Faringe
Úvula
Faringe
Epiglote
Boca
Fossas
nasais
Esófago
Permite a passagem do bolo alimentar (sistema digestivo);
Permite a passagem do ar para a Laringe (sistema resp.);
Dupla função controlada pela epiglote.
Laringe
Laringe
É nela que se encontra a epiglote
que impede a entrada do bolo
alimentar nas vias respiratórias;
Formada por tecido muscular e tecido cartilagíneo;
É nela que se encontram as cordas
vocais.
Laringe
Ciências Naturais – 8º ano
Traqueia
Situa-se à frente do esófago;
Constituída por anéis de cartilagem incompletos na parte posterior,
tem cerca de 12 cm de comprimento;
Revestida por glândulas produtoras de muco (humidificação) e
células ciliadas (filtração).
Traqueia
Brônquios
Resultam da bifurcação da
traqueia;
Constituídos por anéis de
cartilagem completos;
Revestidos por uma mucosa
lubrificante e ciliada.
Quando atingem 0,5-1 mm de
diâmetro designam-se por
BRONQUÍOLOS
Árvore
brônquica
Alvéolos pulmonares
Pequenas câmaras
esféricas onde
ocorrem as trocas
gasosas;
Formados por 1
camada de células e
são revestidos por
capilares.
Pulmões
Pulmões
Localizados na caixa torácica;
Limitados anteriormente pelo
esterno, posteriormente pela
coluna vertebral e
inferiormente pelo diafragma;
Esterno
Costelas
Pulmões
Diafragma
Coluna Vertebral
Esterno
Costelas
Pulmões
Diafragma
Coluna Vertebral
Pulmões
Estão divididos em lobos
(pulmão direito – 3;
pulmão esquerdo – 2);
Revestidos por uma dupla
membrana – pleura – facilita a
aderência e o escorregamento
dos pulmões na caixa torácica;
A cavidade torácica e a
abdominal estão separadas por
um músculo - Diafragma.
Pulmões
1
3
2
4
1 - Coração
2 -Pulmão direito
3 -Pulmão esquerdo
4 -Traqueia
5 -Parede torácica
6 -Costela
7 - Pleura
8 - Pericárdio
9 - Diafragma
O ar que respiramos contém, para além de
oxigénio, várias impurezas (pó, poeiras, etc), e
são as mucosas que revestem as paredes
internas das vias respiratórias (excepto faringe),
que, através das células secretoras, segregam
um muco que retém as impurezas.
Desta forma, o ar antes de chegar aos pulmões é
aquecido, humedecido e filtrado.
Sistema respiratório e Patologias
A renovação do ar alveolar é
assegurada pela Ventilação
Pulmonar (movimentos
respiratórios), que se realiza
através dos movimentos
respiratórios: Inspiração e
Expiração.
Cada Ciclo Respiratório tem duas fases:
Inspiração e a Expiração.
Movimentos Respiratórios
1. O diafragma contrai e desce; os músculos intercostais
contraem.
2. As costelas e o esterno sobem, o que faz com que os
pulmões se distendam.
3. A caixa torácica  de volume e a pressão intrapulmonar .
4. O AR ENTRA NOS PULMÕES
1. O diafragma relaxa e sobe; os músculos intercostais
relaxam.
2. As costelas e o esterno descem, o que faz com que os
pulmões se contraiam.
3. A caixa torácica  de volume e a pressão intrapulmonar .
4. O AR SAI DOS PULMÓES PARA O EXTERIOR
INSPIRAÇÃO
EXPIRAÇÃO
Movimentos Respiratórios
São os músculos intercostais e o diafragma que origina
os movimentos da caixa torácica.
A elasticidade do tecido pulmonar e a presença de
pleura permitem que os pulmões acompanhem
passivamente o movimento da caixa torácica.
Em suma, são as diferenças de pressão entre o ar
atmosférico e o interior pulmonar que possibilitam a
realização da inspiração e da expiração.
A ventilação pulmonar é indispensável para a
realização das trocas gasosas ao nível doa alvéolos
pulmonares, uma vez que a deslocação dos gases se
deve à diferença de pressão. O deslocamento dos
gases devido às diferenças de pressão denomina-se
DIFUSÃO.
Movimentos Respiratórios
Sistema respiratório e Patologias
Trocas Gasosas - Hematose
São trocas gasosas que ocorrem ao nível dos alvéolos
pulmonares através das quais o sangue venoso é
transformado em sangue arterial.
HEMATOSE PULMONAR
HEMATOSE CELULAR
São trocas gasosas que ocorrem ao nível das células
dos órgãos através das quais o sangue arterial passa a
sangue venoso.
HEMATOSE PULMONAR
As trocas gasosas que ocorrem através das paredes dos alvéolos
pulmonares são facilitadas porque:
-As paredes dos capilares e dos
alvéolos são constituídas por uma
única camada de células.
- O conjunto dos capilares forma
uma rede enorme.
- O sangue circula lentamente.
- A diferença de pressão dos gases
ao nível celular é muito
significativa.
HEMATOSE CELULAR
Célula
O2
CO2
Capilar
Sanguíneo
É durante a circulação sistémica que ocorre esta hematose onde
o sangue arterial passa a venoso.
Sistema respiratório e Patologias
Algumas Doenças do
Sistema Respiratório
Cancro
do Pulmão
As células que
revestem
os brônquios
engrossam e
aparecem
células atípicas
nos alvéolos.
Asma
Doença na qual
Ocorrem
Episódios de
Contracção dos
brônquios. Pode
ser provocada
por respostas
alérgicas ao
pólen, poeira, …
Bronquite
Doença
Inflamatória
dos brônquios
provocada por
substâncias
irritantes, como
o tabaco.
Pneumonia
Infecção do
tecido
pulmonar
causada por,
por exemplo,
bactérias.
Tuberculose
Infecção
causada por
um bacilo que
destrói os
alvéolos.
Pulmão de um
fumador
Enfisema
Cancro do pulmão
CANCRO NO PULMÃO/
ENFISEMA
ENFISEMA PULMONAR
Alvéolos com
enfisema
Alvéolos normais
PNEUMONIA
A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afeta os alvéolos
pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o
que dificulta a realização das trocas gasosas.
PNEUMONIA
Pode afetar pessoas de todas as idades, especialmente os
mais jovens e os mais velhos, e é causada principalmente
por bactérias, vírus ou outros agentes infeciosos. A maior
parte das pneumonias é adquirida na comunidade, através
da aspiração de bactérias que existem normalmente na
parte superior da nasofaringe, mas também podem surgir
através de inalação de gotículas infetadas provenientes de
outros doentes.
Curiosidade
A bactéria Streptococcus Pneumoniae (Pneumococo) é o principal agente causador.
PNEUMONIA
O contexto hospitalar é perigoso para as pneumonias,
uma vez que os microrganismos existentes nos hospitais
tornam-se resistentes aos antibióticos e os doentes
internados ficam mais suscetíveis à infeção.
Sintomas (Também comuns a outras doenças do aparelho respiratório)
Arrepios de frio
Febre
Tosse (com ou sem expetoração)
Dificuldade respiratória / Falta de ar
Cansaço
Dor no peito / Dores musculares / Dor de cabeça
PNEUMONIA
Diagnóstico
O diagnóstico da pneumonia é feito através da auscultação
e do RX do tórax. A análise da expetoração permite
identificar o microrganismo responsável pela infeção.
Tratamento
- O tratamento passa pela administração de antibióticos
adequados ao microrganismo em causa (endovenosos ou
orais).
- Idosos, indivíduos com dificuldade respiratória marcada
ou com doença cardíaca ou pulmonar são habitualmente
hospitalizados.
- Pode haver necessidade de recorrer a oxigénio e
ventilação artificial em casos mais graves.
PNEUMONIA
Cuidados diferenciados (Enfermeiros/Fisioterapeutas)
Os exercícios de respiração profunda e a cinesiterapia para eliminar as
secreções constituem uma forma de prevenir a pneumonia em pessoas
que apresentam um risco elevado de contrair esta infeção (ex: pós
operatórios ou idosos). Os exercícios respiratórios são igualmente úteis
uma vez que facilitam a expulsão da expetoração.
Pneumonia por aspiração
Partículas provenientes da boca migram frequentemente para as vias
aéreas mas, de um modo geral, são eliminadas pelos mecanismos normais
de defesa antes de chegarem aos pulmões. Quando essas partículas não
são eliminadas, como no caso de uma aspiração de vómito, podem causar
pneumonia. Debilidade (ex: idosos), intoxicação alcoólica ou farmacológica
e indivíduos sob o efeito de anestésicos apresentam um risco aumentado
de desenvolver este tipo de pneumonia.
PNEUMONIA
Prevenção
Estilo de vida (Alimentação saudável, Exercício físico)
Meio ambiente favorável (Evitar ambientes poluídos, não fumar)
Vacinação (gripe sazonal, específica contra a pneumonia)
Vacinação gripe sazonal é importante porque a gripe pode afetar os brônquios e os
pulmões e potenciar infeções por outros microrganismos, e dar origem a pneumonias;
Todas as pessoas com + de 65 anos devem-se vacinar.
A vacina anti-pneumocócica previne formas graves da infeção por pneumococo
(pneumonia, meningite, bacteriémia, otite média aguda e a sinusite)
Os mais afetados são:
- Crianças
- Adultos + 50 anos
- Pessoas com doenças crónicas, respiratórias (DPOC), cardíacas, diabetes, alcoolismo,
tabagismo.
PNEUMONIA
Todas as pessoas que se incluem
nestes grupos de risco devem falar
com o seu médico sobre as vacinas
A prevenção pode e deve ser feita
em qualquer altura do ano,
independentemente do mês ou da
estação do ano em que se está.
PNEUMONIA
Mais conhecimento,
melhores cuidados!
Obrigado

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Sistema respiratório e Patologias

Sistema Respiratório - CERJA 2017
Sistema Respiratório - CERJA 2017Sistema Respiratório - CERJA 2017
Sistema Respiratório - CERJA 2017
Joemille Leal
 
sistema_respiratorio_9º.ppt
sistema_respiratorio_9º.pptsistema_respiratorio_9º.ppt
sistema_respiratorio_9º.ppt
CIROROBERTODAROS
 
Sistemarespiratorio
SistemarespiratorioSistemarespiratorio
Sistemarespiratorio
danny sousa
 
CN9-sistema respiratório
CN9-sistema respiratórioCN9-sistema respiratório
CN9-sistema respiratório
Rita Rainho
 
Aula do ensino médio: Respiração - 3 ano.pptx
Aula do ensino médio: Respiração - 3 ano.pptxAula do ensino médio: Respiração - 3 ano.pptx
Aula do ensino médio: Respiração - 3 ano.pptx
Ronaldo Viveiros
 
CN9_Sistema_Respiratorio.pdf
CN9_Sistema_Respiratorio.pdfCN9_Sistema_Respiratorio.pdf
CN9_Sistema_Respiratorio.pdf
Fátima Silva
 
Sistema respiratorio
Sistema respiratorioSistema respiratorio
Sistema respiratorio
Colégios particulares
 
1202257809 sistema respiratorio
1202257809 sistema respiratorio1202257809 sistema respiratorio
1202257809 sistema respiratorio
Pelo Siro
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Maria Lais Lba
 
0 Sistema Respiratorio Tc 0809
0 Sistema Respiratorio Tc 08090 Sistema Respiratorio Tc 0809
0 Sistema Respiratorio Tc 0809
Teresa Monteiro
 
Sistema Respiratório Carmo - Turma 181
Sistema Respiratório Carmo - Turma 181Sistema Respiratório Carmo - Turma 181
Sistema Respiratório Carmo - Turma 181
aferna
 
Quando devo visitar um pneumologista e porque?
Quando devo visitar um pneumologista e porque?Quando devo visitar um pneumologista e porque?
Quando devo visitar um pneumologista e porque?
Tookmed
 
Aula sistema respiratorio and
Aula sistema respiratorio andAula sistema respiratorio and
Aula sistema respiratorio and
91271579
 
Aula sistema respiratório
Aula sistema respiratórioAula sistema respiratório
Aula sistema respiratório
carlotabuchi
 
A respiração
A respiração   A respiração
A respiração
valfridomcjr
 
A respiração valfrido jr.
A respiração   valfrido jr.A respiração   valfrido jr.
A respiração valfrido jr.
valfridomcjr
 
Sistema respiratorio
Sistema respiratorioSistema respiratorio
Sistema respiratorio
AlanWillianLeonioSil
 
Fisiologia - Sistema Respiratorio
Fisiologia - Sistema RespiratorioFisiologia - Sistema Respiratorio
Fisiologia - Sistema Respiratorio
Pedro Miguel
 
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.pptsistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
lioMiltonPires1
 
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
Aroldo Gavioli
 

Semelhante a Sistema respiratório e Patologias (20)

Sistema Respiratório - CERJA 2017
Sistema Respiratório - CERJA 2017Sistema Respiratório - CERJA 2017
Sistema Respiratório - CERJA 2017
 
sistema_respiratorio_9º.ppt
sistema_respiratorio_9º.pptsistema_respiratorio_9º.ppt
sistema_respiratorio_9º.ppt
 
Sistemarespiratorio
SistemarespiratorioSistemarespiratorio
Sistemarespiratorio
 
CN9-sistema respiratório
CN9-sistema respiratórioCN9-sistema respiratório
CN9-sistema respiratório
 
Aula do ensino médio: Respiração - 3 ano.pptx
Aula do ensino médio: Respiração - 3 ano.pptxAula do ensino médio: Respiração - 3 ano.pptx
Aula do ensino médio: Respiração - 3 ano.pptx
 
CN9_Sistema_Respiratorio.pdf
CN9_Sistema_Respiratorio.pdfCN9_Sistema_Respiratorio.pdf
CN9_Sistema_Respiratorio.pdf
 
Sistema respiratorio
Sistema respiratorioSistema respiratorio
Sistema respiratorio
 
1202257809 sistema respiratorio
1202257809 sistema respiratorio1202257809 sistema respiratorio
1202257809 sistema respiratorio
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
0 Sistema Respiratorio Tc 0809
0 Sistema Respiratorio Tc 08090 Sistema Respiratorio Tc 0809
0 Sistema Respiratorio Tc 0809
 
Sistema Respiratório Carmo - Turma 181
Sistema Respiratório Carmo - Turma 181Sistema Respiratório Carmo - Turma 181
Sistema Respiratório Carmo - Turma 181
 
Quando devo visitar um pneumologista e porque?
Quando devo visitar um pneumologista e porque?Quando devo visitar um pneumologista e porque?
Quando devo visitar um pneumologista e porque?
 
Aula sistema respiratorio and
Aula sistema respiratorio andAula sistema respiratorio and
Aula sistema respiratorio and
 
Aula sistema respiratório
Aula sistema respiratórioAula sistema respiratório
Aula sistema respiratório
 
A respiração
A respiração   A respiração
A respiração
 
A respiração valfrido jr.
A respiração   valfrido jr.A respiração   valfrido jr.
A respiração valfrido jr.
 
Sistema respiratorio
Sistema respiratorioSistema respiratorio
Sistema respiratorio
 
Fisiologia - Sistema Respiratorio
Fisiologia - Sistema RespiratorioFisiologia - Sistema Respiratorio
Fisiologia - Sistema Respiratorio
 
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.pptsistema respiratório ufcd 6566.ppt
sistema respiratório ufcd 6566.ppt
 
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios   enfe...
Abordagem diagnóstica ao paciente crítico com distúrbios respiratórios enfe...
 

Último

Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 

Último (6)

Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 

Sistema respiratório e Patologias

  • 2. Sistema Respiratório o Indicie o Morfologia do sistema respiratório o Hematose Pulmonar o Doenças respiratórias -Pneumonia
  • 4. Sistema Respiratório Pulmões É constituído por: - Localizam-se no interior da caixa torácica. -Estabelecem a comunicação com o exterior. - Fazem parte: fossas nasais, faringe, laringe, traqueia, brônquios e bronquíolos. Vias Respiratórias
  • 7. Fossas Nasais Filtração do ar – pêlos e cílios; Aquecimento do ar – capilares sanguíneos; Humidificação do ar – glândulas da mucosa. ☺ São 2 cavidades que comunicam com o exterior através das narinas. Possuem pelos e cílios FUNÇÕES
  • 8. Faringe Úvula Faringe Epiglote Boca Fossas nasais Esófago Permite a passagem do bolo alimentar (sistema digestivo); Permite a passagem do ar para a Laringe (sistema resp.); Dupla função controlada pela epiglote. Laringe
  • 9. Laringe É nela que se encontra a epiglote que impede a entrada do bolo alimentar nas vias respiratórias; Formada por tecido muscular e tecido cartilagíneo; É nela que se encontram as cordas vocais.
  • 11. Ciências Naturais – 8º ano Traqueia Situa-se à frente do esófago; Constituída por anéis de cartilagem incompletos na parte posterior, tem cerca de 12 cm de comprimento; Revestida por glândulas produtoras de muco (humidificação) e células ciliadas (filtração).
  • 13. Brônquios Resultam da bifurcação da traqueia; Constituídos por anéis de cartilagem completos; Revestidos por uma mucosa lubrificante e ciliada. Quando atingem 0,5-1 mm de diâmetro designam-se por BRONQUÍOLOS
  • 15. Alvéolos pulmonares Pequenas câmaras esféricas onde ocorrem as trocas gasosas; Formados por 1 camada de células e são revestidos por capilares.
  • 17. Pulmões Localizados na caixa torácica; Limitados anteriormente pelo esterno, posteriormente pela coluna vertebral e inferiormente pelo diafragma;
  • 19. Pulmões Estão divididos em lobos (pulmão direito – 3; pulmão esquerdo – 2); Revestidos por uma dupla membrana – pleura – facilita a aderência e o escorregamento dos pulmões na caixa torácica; A cavidade torácica e a abdominal estão separadas por um músculo - Diafragma.
  • 21. 1 3 2 4 1 - Coração 2 -Pulmão direito 3 -Pulmão esquerdo 4 -Traqueia 5 -Parede torácica 6 -Costela 7 - Pleura 8 - Pericárdio 9 - Diafragma
  • 22. O ar que respiramos contém, para além de oxigénio, várias impurezas (pó, poeiras, etc), e são as mucosas que revestem as paredes internas das vias respiratórias (excepto faringe), que, através das células secretoras, segregam um muco que retém as impurezas. Desta forma, o ar antes de chegar aos pulmões é aquecido, humedecido e filtrado.
  • 24. A renovação do ar alveolar é assegurada pela Ventilação Pulmonar (movimentos respiratórios), que se realiza através dos movimentos respiratórios: Inspiração e Expiração. Cada Ciclo Respiratório tem duas fases: Inspiração e a Expiração.
  • 25. Movimentos Respiratórios 1. O diafragma contrai e desce; os músculos intercostais contraem. 2. As costelas e o esterno sobem, o que faz com que os pulmões se distendam. 3. A caixa torácica  de volume e a pressão intrapulmonar . 4. O AR ENTRA NOS PULMÕES 1. O diafragma relaxa e sobe; os músculos intercostais relaxam. 2. As costelas e o esterno descem, o que faz com que os pulmões se contraiam. 3. A caixa torácica  de volume e a pressão intrapulmonar . 4. O AR SAI DOS PULMÓES PARA O EXTERIOR INSPIRAÇÃO EXPIRAÇÃO
  • 26. Movimentos Respiratórios São os músculos intercostais e o diafragma que origina os movimentos da caixa torácica. A elasticidade do tecido pulmonar e a presença de pleura permitem que os pulmões acompanhem passivamente o movimento da caixa torácica. Em suma, são as diferenças de pressão entre o ar atmosférico e o interior pulmonar que possibilitam a realização da inspiração e da expiração.
  • 27. A ventilação pulmonar é indispensável para a realização das trocas gasosas ao nível doa alvéolos pulmonares, uma vez que a deslocação dos gases se deve à diferença de pressão. O deslocamento dos gases devido às diferenças de pressão denomina-se DIFUSÃO. Movimentos Respiratórios
  • 29. Trocas Gasosas - Hematose São trocas gasosas que ocorrem ao nível dos alvéolos pulmonares através das quais o sangue venoso é transformado em sangue arterial. HEMATOSE PULMONAR HEMATOSE CELULAR São trocas gasosas que ocorrem ao nível das células dos órgãos através das quais o sangue arterial passa a sangue venoso.
  • 30. HEMATOSE PULMONAR As trocas gasosas que ocorrem através das paredes dos alvéolos pulmonares são facilitadas porque: -As paredes dos capilares e dos alvéolos são constituídas por uma única camada de células. - O conjunto dos capilares forma uma rede enorme. - O sangue circula lentamente. - A diferença de pressão dos gases ao nível celular é muito significativa.
  • 31. HEMATOSE CELULAR Célula O2 CO2 Capilar Sanguíneo É durante a circulação sistémica que ocorre esta hematose onde o sangue arterial passa a venoso.
  • 33. Algumas Doenças do Sistema Respiratório Cancro do Pulmão As células que revestem os brônquios engrossam e aparecem células atípicas nos alvéolos. Asma Doença na qual Ocorrem Episódios de Contracção dos brônquios. Pode ser provocada por respostas alérgicas ao pólen, poeira, … Bronquite Doença Inflamatória dos brônquios provocada por substâncias irritantes, como o tabaco. Pneumonia Infecção do tecido pulmonar causada por, por exemplo, bactérias. Tuberculose Infecção causada por um bacilo que destrói os alvéolos.
  • 35. Enfisema Cancro do pulmão CANCRO NO PULMÃO/ ENFISEMA
  • 38. A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afeta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas. PNEUMONIA
  • 39. Pode afetar pessoas de todas as idades, especialmente os mais jovens e os mais velhos, e é causada principalmente por bactérias, vírus ou outros agentes infeciosos. A maior parte das pneumonias é adquirida na comunidade, através da aspiração de bactérias que existem normalmente na parte superior da nasofaringe, mas também podem surgir através de inalação de gotículas infetadas provenientes de outros doentes. Curiosidade A bactéria Streptococcus Pneumoniae (Pneumococo) é o principal agente causador. PNEUMONIA
  • 40. O contexto hospitalar é perigoso para as pneumonias, uma vez que os microrganismos existentes nos hospitais tornam-se resistentes aos antibióticos e os doentes internados ficam mais suscetíveis à infeção. Sintomas (Também comuns a outras doenças do aparelho respiratório) Arrepios de frio Febre Tosse (com ou sem expetoração) Dificuldade respiratória / Falta de ar Cansaço Dor no peito / Dores musculares / Dor de cabeça PNEUMONIA
  • 41. Diagnóstico O diagnóstico da pneumonia é feito através da auscultação e do RX do tórax. A análise da expetoração permite identificar o microrganismo responsável pela infeção. Tratamento - O tratamento passa pela administração de antibióticos adequados ao microrganismo em causa (endovenosos ou orais). - Idosos, indivíduos com dificuldade respiratória marcada ou com doença cardíaca ou pulmonar são habitualmente hospitalizados. - Pode haver necessidade de recorrer a oxigénio e ventilação artificial em casos mais graves. PNEUMONIA
  • 42. Cuidados diferenciados (Enfermeiros/Fisioterapeutas) Os exercícios de respiração profunda e a cinesiterapia para eliminar as secreções constituem uma forma de prevenir a pneumonia em pessoas que apresentam um risco elevado de contrair esta infeção (ex: pós operatórios ou idosos). Os exercícios respiratórios são igualmente úteis uma vez que facilitam a expulsão da expetoração. Pneumonia por aspiração Partículas provenientes da boca migram frequentemente para as vias aéreas mas, de um modo geral, são eliminadas pelos mecanismos normais de defesa antes de chegarem aos pulmões. Quando essas partículas não são eliminadas, como no caso de uma aspiração de vómito, podem causar pneumonia. Debilidade (ex: idosos), intoxicação alcoólica ou farmacológica e indivíduos sob o efeito de anestésicos apresentam um risco aumentado de desenvolver este tipo de pneumonia. PNEUMONIA
  • 43. Prevenção Estilo de vida (Alimentação saudável, Exercício físico) Meio ambiente favorável (Evitar ambientes poluídos, não fumar) Vacinação (gripe sazonal, específica contra a pneumonia) Vacinação gripe sazonal é importante porque a gripe pode afetar os brônquios e os pulmões e potenciar infeções por outros microrganismos, e dar origem a pneumonias; Todas as pessoas com + de 65 anos devem-se vacinar. A vacina anti-pneumocócica previne formas graves da infeção por pneumococo (pneumonia, meningite, bacteriémia, otite média aguda e a sinusite) Os mais afetados são: - Crianças - Adultos + 50 anos - Pessoas com doenças crónicas, respiratórias (DPOC), cardíacas, diabetes, alcoolismo, tabagismo. PNEUMONIA
  • 44. Todas as pessoas que se incluem nestes grupos de risco devem falar com o seu médico sobre as vacinas A prevenção pode e deve ser feita em qualquer altura do ano, independentemente do mês ou da estação do ano em que se está. PNEUMONIA