SlideShare uma empresa Scribd logo
A linguagem PHP
Robson Flores Silveira
Universidade Luterana do Brasil – São Jerônimo (ULBRA)
robsonsilveira103@hotmail.com
Resumo
O propósito deste trabalho é explicar sobre uma das ferramentas mais poderosas para
desenvolvimento web existente no mercado: o PHP. Um breve histórico para saber
como surgiu e quem começou esta linguagem, comparativos com outras linguagens
semelhantes, alguns exemplos de como ela funciona e por fim uma conclusão que
chegamos a respeito desta linguagem.
Abstract
The purpose of this paper is to explain on one of the most powerful tools for web
development on the market: PHP. A brief history came to know how and who started
this language, comparisons with other similar languages, some examples of how it
works and finally we reached a conclusion regarding this language.
1- Histórico
Sinônimo de robustez e facilidade, o PHP é uma linguagem de programação livre e
gratuita, que busca implementar soluções velozes, simples e eficientes, sendo
extremamente popular entre os desenvolvedores Web e gigantes da tecnologia, como
Oracle, IBM, Facebook e Twitter. Atualmente, o PHP encontra-se em sua quinta versão.
Idealizado pelo programador Rasmus Lerdorf, a linguagem foi sendo aperfeiçoada com
o passar dos anos, com contribuições essenciais dos fundadores da Zend Technologies,
os israelenses Andi Gutmans e Zeev Suraski, além de uma imensa comunidade de
usuários, desenvolvedores e entusiastas. Confira abaixo uma breve cronologia do
desenvolvimento do php:
1.1- PHP/FI
Em 1995, Rasmus Lerdorf criou a primeira codificação para php/fi e concebeu o php.
ele fez uso de uma série de scripts perl em seu site para rastrear quem estava visitando
suas páginas. esta primeira versão do php foi lançada em 1995 e era conhecida como
personal home Page tools .
O php/fi, abreviação para personal home Page / forms interpreter, incluía algumas das
funcionalidades básicas do php, possuíndo variáveis em Perl, interpretações automáticas
de variáveis e sintaxe embutida no html.
1.2- PHP/FI versão 2
Ainda em 1995, o php recebeu a inclusão de um engine que podia entender algumas
macros especiais, além de uma série de novos utilitários, sendo rebatizado como php/fi
versão 2. A partir deste momento, o php cresceu em um ritmo incrível, com um grande
número de pessoas começando a contribuir para seu código.
1.3- PHP versão 3
Em 1997, Andi Gutmans e zeev suraski reescreveram o php a partir do zero, e o novo
código foi batizado de php versão 3. Uma grande quantidade de código do php/fi foi
aproveitado para o php 3, sendo outra parte completamente reescrita.
Uma das maiores virtudes do php 3 era sua funcionalidade de extensão, sendo este o
motivo que atraiu inúmeros desenvolvedores a aderirem ao php, criando e submetendo
novos módulos à comunidade, ajudando muito para seu sucesso.
Em 1998, acumulava uma base de milhares contribuições de usuários, e apó nove meses
de testes públicos, finalmente em junho do mesmo ano o php 3 foi finalmente lançado.
1.4- PHP versão 4
Para otimizar o desempenho de aplicações complexas e melhorar a modularidade do
código base do php, se tornou necessário o uso de novas funcionalidades que
suportassem uma ampla variedade de bases de dados de terceiros, além de APIs.
O php 3 não era capaz de lidar com estas aplicações complexas. Desta feita, um novo
engine, chamado zend engine, foi projetado para superar com sucesso esses problemas.
Este evento deu nascimento ao php 4, que veio acompanhado com uma variedade de
novas características, tendo demorado quase dois anos para ser lançado oficialmente, o
que aconteceu em maio de 2000.
O php 4 tinha muitas novas características, como suporte a inúmeros servidores web,
sessões http, buffer de saída e várias novas inclusões na linguagem. Atualmente, muitos
sites ainda utilizam o php 4.
1.5- PHP 5
Depois de uma longa pesquisa e desenvolvimento, contando com várias versões de pré-
lançamento, finalmente o PHP 5 foi lançado em julho de 2004, baseado no Zend Engine
2.0 e contando com um novo modelo de objeto, além de dezenas de outras novas
funcionalidades, o php 4 falhava em muitos pontos, tais como:
- A extensão MySQL não suportava o novo MySQL 4.1
- Protocolo de cliente
- Suporte a XML
O PHP 5 otimizou o PHP 4 nos seguintes pontos:
- Programação orientada a objetos
- MySQL
- XML
- Suporte ao SQLite, oferecendo aos desenvolvedores um banco de dados que funciona
em todas as cinco instalações PHP
- Modelo completamente diferente da verificação de erro, chamado exception handling.
Utilizando esta funcionalidade, você tem liberdade para verificar o valor de retorno de
cada função do seu código.
2- Estrutura
Em um programa de computador, existe o fluxo do codigo fonte, que o modo como o
computador executa determinadas cadeias de comandos, de acordo com teste binarios e
coisas do tipo. Estruturas de controle servem para controlar esse fluxo, porem, no nosso
caso, não exatamente em um programa e sim em seu site php. abaixo segue alguns
exemplos de sintaxe das estruturas de controle que encontramos no PHP:
-if
-else
-elseif
-while
-do...while
-for
-foreach
-Switch
-break
if
if ($expressao) {
comandos
}
O fluxo do programa somente executa os comandos que estão dentro do if caso o
resultado da $expressao seja verdadeiro (true).
<?php
if ($a == $b) {
echo 'A = igual a B';
}
?>
else
if ($expressao) {
comandos
}
else {
outros comandos
}
Caso o resultado de $expressao seja falso, então o fluxo entra no else e executa os
"outros comandos".
<?php
if ($a == $b) {
echo 'A = igual a B';
}
else {
echo 'A = diferente de B';
}
?>
2.1- Modo de execução
Formas de rodar PHP
Explicando: a primeira forma serve apenas para você chamar a pagina usando seu
próprio PC que esta rodando o apache! a segunda forma, serve para que computadores
de sua rede local chame a pagina usando o numero IP de rede de sua máquina, no meu
caso é : 192.168.0.1. a terceira, é para que usuários da internet tenham acesso à sua
página, nesse caso você tem que saber qual o seu número IP.
3- Principais funcionalidades
PHP tem inúmeras funções e fica muito difícil citar todas elas aqui neste artigo sendo
assim vou citar apenas alguns os que eu acho mais importantes.
- Funções de correio eletrônico
- Gestão de bases de dados
- Gestão de ficheiros
- Tratamento de Imagens
Muitas outras funções pensadas para a Internet (tratamento de cookies, acessos
restringidos, comercio eletrônico...) ou para propósito geral (funções matemáticas,
exploração de cadeias, de datas, correção ortográfica, compressão de ficheiros...) são
realizadas por esta linguagem. A esta imensa livraria só resta agregar todas as funções
pessoais que vamos criando por necessidades próprias.
4- Avaliar outras linguagens
4.1- O ASP são páginas WEB dinâmicas que interagem com a linguagem HTML e
surgiu juntamente com o lançamento do IIS(Internet Information Server 3.0). O IIS é o
servidor WEB mais recomendado pela Microsoft para desenvolvimento de sites
dinâmicos com ASP. A tecnologia ASP disponibiliza um conjunto de componentes para
o desenvolvimento de páginas WEB que possuem conteúdo dinâmico, interativo e de
alta performance. Isto quer dizer que uma parte da página é escrita em HTML, ou seja,
estática e a outra parte é dinâmica que significa que pode ser escrita em uma linguagem
de script onde os mesmos são inseridos nas páginas HTML e processados pelo servidor
WEB antes de serem enviadas ao navegador do usuário. Assim, muitas funcionalidades
e lógicas de uma página ASP é controlada através de comandos de script. Teoricamente,
o ASP pode ser trabalhado em qualquer linguagem de criação de scripts, do VBSCRIPT
ao PHYTON. O Visual Basic Script Language é uma das muitas possibilidades de
linguagem de script que executam em um servidor e, para o IIS, ela é a linguagem
padrão.
4.2- O JSP foi desenvolvido pela Sun Microsystems e consiste em uma tecnologia
baseada em Java que simplifica o processo de desenvolvimento de aplicações para a
WEB. A tecnologia JSP interage fortemente com Java, HTML, banco de dados e HTTP.
O JSP pode ser visto como um tipo de linguagem de criação de scripts no servidor. O
seu código de programação é tipicamente Java, onde ainda aceita um conjunto de tags
personalizadas que interagem com objetos Java no servidor,
sem a necessidade de que o código Java apareça na página, com isto permite uma
separação da camada de apresentação e da lógica de negócio do site. Sendo uma
tecnologia baseada em java, ela se aproveita de todas as vantagens que a linguagem java
fornece em relação a desenvolvimento e acionamento.
4.3- Cold Fusion É uma ferramenta de desenvolvimento de aplicações web que
permite criar páginas web dinâmicas para Internet, intranets ou extranets através de
integração sofisticada entre elementos como: banco de dados, ambiente web e
aplicações de e-mail, além de permitir aplicações
Java. Isto significa que uma vez instalado, você terá acesso a sua base de dados SQL de
forma dinâmica, sem a necessidade de se criar várias páginas para cada item de
pesquisa. Poderá ainda criar formulários de envio de e-mails, criar agendas e
calendários, etc.
O Cold Fusion utiliza-se de uma linguagem denominada CFML (Cold Fusion Markup
Language).
Baseada em tags, como o HTML, tornando-se uma linguagem de fácil aprendizado.
4.4- O PHP é uma linguagem de programação cujo o código PHP é embutido no
HTML, ou seja, ele pode ser escrito no meio de uma página HTML que será
interpretada pelo servidor. O PHP é executado no servidor, sendo enviado para o cliente
apenas HTML puro. Desta maneira é possível interagir com bancos de dados e
aplicações existentes no servidor, com a vantagem de não expor o código fonte para o
cliente.
Uma das vantagens do php é o suporte nativo a um grande número de bancos de dados,
como dBase, Interbase, mSQL, mySQL, Oracle, Sybase, PostgreSQL, além disso, tem
suporte a outros serviços através de protocolos como IMAP, SNMP, NNTP, POP3 e,
logicamente, HTTP. Pode-se utilizar sockets e interagir com outros protocolos.
4.5- Análise comparativa
Vantagens e
desvantagens
PHP ASP JSP Cold fusion
Arquitetura Aberta Fechada Aberta Fechada
Acesso a Bases
de Dados
DBase, interbase
Msql,Mysql,Oracle
Postgresql
ADO ( Active
data Object)
ADO ( Active
data Object)
Microsoft Access,
Excel e arquivos
textos.
Uso de scripts JavaScript VBScript e
Jscript
VBScript e
Jscript
CFML
Segurança Versatilidade de
configuração de
Segurança de
acesso
Baseado na
arquitetura do
NT
Baseado na
arquitetura do
NT
Modelo de
segurança do
Java(sandboxes)
Personalização de
Tags
Não pode ser
ampliado
Não pode ser
ampliado
Não pode ser
ampliado
Através de
mapeamento pers.
de tags.
Custo Gratis pago Gratis pago
Somente via
browse
Sim não sim não
5- Conclusão
Assim é que, as recentes tecnologias na área de desenvolvimento de aplicações na
WEB, atualmente trabalham dentro de um mesmo conceito de aplicações WEB. O ASP
permite desenvolver aplicativos para WEB, é propício para implementar sistemas
menores e soluções que interagem com outros produtos Microsoft. Sua desvantagem
está na dependência do sistema operacional e do servidor Web. As soluções que
permitem que estas páginas sejam usadas nos servidores Unix ainda não foram
aprovadas pela maioria dos designers e desenvolvedores, devido principalmente à baixa
performance. O PHP é fácil de aprender e usar e pode ser mais simples de ser
programado,é parecido com linguagem C, rápido, seguro e compacto. Mas, tem
deficiências na implementação Orientada a Objetos. É ideal para implementação de
pequenos e médios projetos. Enquanto que o JSP detém como característica primordial a
separação da parte visual da lógica envolvida, ou seja, a rogramação em si. A tecnologia
JSP é baseada em Java Servlets, mostrando-se ideal para projetos maiores e que
possuam características orientadas a objetos. O JSP permite que se tenham soluções
escaláveis, robustas, flexível e de rápida resposta. O aumento de performance aparece
como mais um ponto positivo para a manipulação desta tecnologia, pois uma página JSP
é convertida em um Servlet antes de ser executada e fica na memória do servidor já
compilada
Referencias Bibliográficas
www.criarweb.com › ... › Programação em PHP
http://www.dcc.unicamp.br/~conpec/cursos/PHP/apresentando.HTML
http://www.jr3e.fee.unicamp.br/php/
http://www.dpi.ufv.br/~alcione/proginter2001/ApostilaServletJSP.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

40 php orientado a objetos
40 php orientado a objetos40 php orientado a objetos
40 php orientado a objetos
Francisco Santos
 
Comandos gerais do PHP
Comandos gerais do PHPComandos gerais do PHP
Comandos gerais do PHP
Paulo Dayvson
 
Curso de PHP Básico ao Avançado
Curso de PHP Básico ao AvançadoCurso de PHP Básico ao Avançado
Curso de PHP Básico ao Avançado
Luiz Junior
 
Apostila - Desenvolvimento Web com ASP.NET
Apostila - Desenvolvimento Web com ASP.NETApostila - Desenvolvimento Web com ASP.NET
Apostila - Desenvolvimento Web com ASP.NET
José Corrêa Viana
 
Apostila php
Apostila phpApostila php
Apostila php
felgamer
 
PHP - Capítulo 01
PHP - Capítulo 01PHP - Capítulo 01
PHP - Capítulo 01
fdorado
 
Revista On-line
Revista On-lineRevista On-line
Revista On-line
guestb4d343
 
CURSO DE PHP PARA INICIANTES - AULA 1
CURSO DE PHP PARA INICIANTES - AULA 1CURSO DE PHP PARA INICIANTES - AULA 1
CURSO DE PHP PARA INICIANTES - AULA 1
Norivan Oliveira
 
Oo delphi
Oo delphiOo delphi
Oo delphi
Fernando Palma
 
Delphi6bd
Delphi6bdDelphi6bd
File3
File3File3
Linguagem Delphi-Introdução
Linguagem Delphi-IntroduçãoLinguagem Delphi-Introdução
Linguagem Delphi-Introdução
Carlos Eduardo Melo
 
Desenvolvimento multiplataforma
Desenvolvimento multiplataformaDesenvolvimento multiplataforma
Desenvolvimento multiplataforma
stonefull
 

Mais procurados (13)

40 php orientado a objetos
40 php orientado a objetos40 php orientado a objetos
40 php orientado a objetos
 
Comandos gerais do PHP
Comandos gerais do PHPComandos gerais do PHP
Comandos gerais do PHP
 
Curso de PHP Básico ao Avançado
Curso de PHP Básico ao AvançadoCurso de PHP Básico ao Avançado
Curso de PHP Básico ao Avançado
 
Apostila - Desenvolvimento Web com ASP.NET
Apostila - Desenvolvimento Web com ASP.NETApostila - Desenvolvimento Web com ASP.NET
Apostila - Desenvolvimento Web com ASP.NET
 
Apostila php
Apostila phpApostila php
Apostila php
 
PHP - Capítulo 01
PHP - Capítulo 01PHP - Capítulo 01
PHP - Capítulo 01
 
Revista On-line
Revista On-lineRevista On-line
Revista On-line
 
CURSO DE PHP PARA INICIANTES - AULA 1
CURSO DE PHP PARA INICIANTES - AULA 1CURSO DE PHP PARA INICIANTES - AULA 1
CURSO DE PHP PARA INICIANTES - AULA 1
 
Oo delphi
Oo delphiOo delphi
Oo delphi
 
Delphi6bd
Delphi6bdDelphi6bd
Delphi6bd
 
File3
File3File3
File3
 
Linguagem Delphi-Introdução
Linguagem Delphi-IntroduçãoLinguagem Delphi-Introdução
Linguagem Delphi-Introdução
 
Desenvolvimento multiplataforma
Desenvolvimento multiplataformaDesenvolvimento multiplataforma
Desenvolvimento multiplataforma
 

Semelhante a Artigo de php

PHP Moderno
PHP ModernoPHP Moderno
PHP Moderno
Renê Soares
 
Prog web 01-php-introducao
Prog web 01-php-introducaoProg web 01-php-introducao
Prog web 01-php-introducao
Regis Magalhães
 
php 01 introducao
php 01 introducaophp 01 introducao
php 01 introducao
Regis Magalhães
 
Prog web 01-php-introducao
Prog web 01-php-introducaoProg web 01-php-introducao
Prog web 01-php-introducao
Regis Magalhães
 
Aula 01 introdução ao php
Aula 01   introdução ao phpAula 01   introdução ao php
Aula 01 introdução ao php
Adriano Castro
 
Introdução ao PHP5
Introdução ao PHP5Introdução ao PHP5
Introdução ao PHP5
Helton Cardoso
 
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetos
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetosDesenvolvimento web: PHP orientado a objetos
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetos
Lucas Vegi
 
Guia php
Guia phpGuia php
Ebook Apache Server: Guia Introdutório
Ebook Apache Server: Guia IntrodutórioEbook Apache Server: Guia Introdutório
Ebook Apache Server: Guia Introdutório
Fernando Palma
 
4. Introdução ao PHP.pdf
4. Introdução ao PHP.pdf4. Introdução ao PHP.pdf
4. Introdução ao PHP.pdf
RubenManhia
 
5 – Desenvolvimento de Páginas Web Dinâmicas PHP: introdução
5 – Desenvolvimento de Páginas Web Dinâmicas PHP: introdução5 – Desenvolvimento de Páginas Web Dinâmicas PHP: introdução
5 – Desenvolvimento de Páginas Web Dinâmicas PHP: introdução
Agrupamento de Escolas da Batalha
 
Desenvolvendo Aplicações com Software Livre
Desenvolvendo Aplicações com Software LivreDesenvolvendo Aplicações com Software Livre
Desenvolvendo Aplicações com Software Livre
elliando dias
 
File3
File3File3
PHP Presente e Futuro
PHP Presente e FuturoPHP Presente e Futuro
PHP Presente e Futuro
Felipe Vargas Rigo
 
Pho Aula 02
Pho Aula 02Pho Aula 02
Pho Aula 02
GameFlixBR
 
PHP + Flex
PHP + FlexPHP + Flex
PHP + Flex
Cauan Cabral
 
Aula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHPAula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHP
Daniel Brandão
 
Páginas dinâmicas
Páginas dinâmicasPáginas dinâmicas
Páginas dinâmicas
Luciano Crecente
 
Asp
AspAsp
Tema 1 | Introdução a PHP
Tema 1 | Introdução a PHPTema 1 | Introdução a PHP
Tema 1 | Introdução a PHP
Henry Raúl González Brito
 

Semelhante a Artigo de php (20)

PHP Moderno
PHP ModernoPHP Moderno
PHP Moderno
 
Prog web 01-php-introducao
Prog web 01-php-introducaoProg web 01-php-introducao
Prog web 01-php-introducao
 
php 01 introducao
php 01 introducaophp 01 introducao
php 01 introducao
 
Prog web 01-php-introducao
Prog web 01-php-introducaoProg web 01-php-introducao
Prog web 01-php-introducao
 
Aula 01 introdução ao php
Aula 01   introdução ao phpAula 01   introdução ao php
Aula 01 introdução ao php
 
Introdução ao PHP5
Introdução ao PHP5Introdução ao PHP5
Introdução ao PHP5
 
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetos
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetosDesenvolvimento web: PHP orientado a objetos
Desenvolvimento web: PHP orientado a objetos
 
Guia php
Guia phpGuia php
Guia php
 
Ebook Apache Server: Guia Introdutório
Ebook Apache Server: Guia IntrodutórioEbook Apache Server: Guia Introdutório
Ebook Apache Server: Guia Introdutório
 
4. Introdução ao PHP.pdf
4. Introdução ao PHP.pdf4. Introdução ao PHP.pdf
4. Introdução ao PHP.pdf
 
5 – Desenvolvimento de Páginas Web Dinâmicas PHP: introdução
5 – Desenvolvimento de Páginas Web Dinâmicas PHP: introdução5 – Desenvolvimento de Páginas Web Dinâmicas PHP: introdução
5 – Desenvolvimento de Páginas Web Dinâmicas PHP: introdução
 
Desenvolvendo Aplicações com Software Livre
Desenvolvendo Aplicações com Software LivreDesenvolvendo Aplicações com Software Livre
Desenvolvendo Aplicações com Software Livre
 
File3
File3File3
File3
 
PHP Presente e Futuro
PHP Presente e FuturoPHP Presente e Futuro
PHP Presente e Futuro
 
Pho Aula 02
Pho Aula 02Pho Aula 02
Pho Aula 02
 
PHP + Flex
PHP + FlexPHP + Flex
PHP + Flex
 
Aula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHPAula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHP
 
Páginas dinâmicas
Páginas dinâmicasPáginas dinâmicas
Páginas dinâmicas
 
Asp
AspAsp
Asp
 
Tema 1 | Introdução a PHP
Tema 1 | Introdução a PHPTema 1 | Introdução a PHP
Tema 1 | Introdução a PHP
 

Artigo de php

  • 1. A linguagem PHP Robson Flores Silveira Universidade Luterana do Brasil – São Jerônimo (ULBRA) robsonsilveira103@hotmail.com Resumo O propósito deste trabalho é explicar sobre uma das ferramentas mais poderosas para desenvolvimento web existente no mercado: o PHP. Um breve histórico para saber como surgiu e quem começou esta linguagem, comparativos com outras linguagens semelhantes, alguns exemplos de como ela funciona e por fim uma conclusão que chegamos a respeito desta linguagem. Abstract The purpose of this paper is to explain on one of the most powerful tools for web development on the market: PHP. A brief history came to know how and who started this language, comparisons with other similar languages, some examples of how it works and finally we reached a conclusion regarding this language. 1- Histórico Sinônimo de robustez e facilidade, o PHP é uma linguagem de programação livre e gratuita, que busca implementar soluções velozes, simples e eficientes, sendo extremamente popular entre os desenvolvedores Web e gigantes da tecnologia, como Oracle, IBM, Facebook e Twitter. Atualmente, o PHP encontra-se em sua quinta versão. Idealizado pelo programador Rasmus Lerdorf, a linguagem foi sendo aperfeiçoada com o passar dos anos, com contribuições essenciais dos fundadores da Zend Technologies, os israelenses Andi Gutmans e Zeev Suraski, além de uma imensa comunidade de usuários, desenvolvedores e entusiastas. Confira abaixo uma breve cronologia do desenvolvimento do php: 1.1- PHP/FI Em 1995, Rasmus Lerdorf criou a primeira codificação para php/fi e concebeu o php. ele fez uso de uma série de scripts perl em seu site para rastrear quem estava visitando suas páginas. esta primeira versão do php foi lançada em 1995 e era conhecida como personal home Page tools . O php/fi, abreviação para personal home Page / forms interpreter, incluía algumas das funcionalidades básicas do php, possuíndo variáveis em Perl, interpretações automáticas de variáveis e sintaxe embutida no html. 1.2- PHP/FI versão 2 Ainda em 1995, o php recebeu a inclusão de um engine que podia entender algumas macros especiais, além de uma série de novos utilitários, sendo rebatizado como php/fi versão 2. A partir deste momento, o php cresceu em um ritmo incrível, com um grande número de pessoas começando a contribuir para seu código. 1.3- PHP versão 3 Em 1997, Andi Gutmans e zeev suraski reescreveram o php a partir do zero, e o novo código foi batizado de php versão 3. Uma grande quantidade de código do php/fi foi aproveitado para o php 3, sendo outra parte completamente reescrita. Uma das maiores virtudes do php 3 era sua funcionalidade de extensão, sendo este o
  • 2. motivo que atraiu inúmeros desenvolvedores a aderirem ao php, criando e submetendo novos módulos à comunidade, ajudando muito para seu sucesso. Em 1998, acumulava uma base de milhares contribuições de usuários, e apó nove meses de testes públicos, finalmente em junho do mesmo ano o php 3 foi finalmente lançado. 1.4- PHP versão 4 Para otimizar o desempenho de aplicações complexas e melhorar a modularidade do código base do php, se tornou necessário o uso de novas funcionalidades que suportassem uma ampla variedade de bases de dados de terceiros, além de APIs. O php 3 não era capaz de lidar com estas aplicações complexas. Desta feita, um novo engine, chamado zend engine, foi projetado para superar com sucesso esses problemas. Este evento deu nascimento ao php 4, que veio acompanhado com uma variedade de novas características, tendo demorado quase dois anos para ser lançado oficialmente, o que aconteceu em maio de 2000. O php 4 tinha muitas novas características, como suporte a inúmeros servidores web, sessões http, buffer de saída e várias novas inclusões na linguagem. Atualmente, muitos sites ainda utilizam o php 4. 1.5- PHP 5 Depois de uma longa pesquisa e desenvolvimento, contando com várias versões de pré- lançamento, finalmente o PHP 5 foi lançado em julho de 2004, baseado no Zend Engine 2.0 e contando com um novo modelo de objeto, além de dezenas de outras novas funcionalidades, o php 4 falhava em muitos pontos, tais como: - A extensão MySQL não suportava o novo MySQL 4.1 - Protocolo de cliente - Suporte a XML O PHP 5 otimizou o PHP 4 nos seguintes pontos: - Programação orientada a objetos - MySQL - XML - Suporte ao SQLite, oferecendo aos desenvolvedores um banco de dados que funciona em todas as cinco instalações PHP - Modelo completamente diferente da verificação de erro, chamado exception handling. Utilizando esta funcionalidade, você tem liberdade para verificar o valor de retorno de cada função do seu código. 2- Estrutura Em um programa de computador, existe o fluxo do codigo fonte, que o modo como o computador executa determinadas cadeias de comandos, de acordo com teste binarios e coisas do tipo. Estruturas de controle servem para controlar esse fluxo, porem, no nosso caso, não exatamente em um programa e sim em seu site php. abaixo segue alguns exemplos de sintaxe das estruturas de controle que encontramos no PHP: -if -else -elseif -while
  • 3. -do...while -for -foreach -Switch -break if if ($expressao) { comandos } O fluxo do programa somente executa os comandos que estão dentro do if caso o resultado da $expressao seja verdadeiro (true). <?php if ($a == $b) { echo 'A = igual a B'; } ?> else if ($expressao) { comandos } else { outros comandos } Caso o resultado de $expressao seja falso, então o fluxo entra no else e executa os "outros comandos". <?php if ($a == $b) { echo 'A = igual a B'; } else { echo 'A = diferente de B'; } ?> 2.1- Modo de execução Formas de rodar PHP
  • 4. Explicando: a primeira forma serve apenas para você chamar a pagina usando seu próprio PC que esta rodando o apache! a segunda forma, serve para que computadores de sua rede local chame a pagina usando o numero IP de rede de sua máquina, no meu caso é : 192.168.0.1. a terceira, é para que usuários da internet tenham acesso à sua página, nesse caso você tem que saber qual o seu número IP. 3- Principais funcionalidades PHP tem inúmeras funções e fica muito difícil citar todas elas aqui neste artigo sendo assim vou citar apenas alguns os que eu acho mais importantes. - Funções de correio eletrônico - Gestão de bases de dados - Gestão de ficheiros - Tratamento de Imagens Muitas outras funções pensadas para a Internet (tratamento de cookies, acessos restringidos, comercio eletrônico...) ou para propósito geral (funções matemáticas, exploração de cadeias, de datas, correção ortográfica, compressão de ficheiros...) são realizadas por esta linguagem. A esta imensa livraria só resta agregar todas as funções pessoais que vamos criando por necessidades próprias. 4- Avaliar outras linguagens 4.1- O ASP são páginas WEB dinâmicas que interagem com a linguagem HTML e surgiu juntamente com o lançamento do IIS(Internet Information Server 3.0). O IIS é o servidor WEB mais recomendado pela Microsoft para desenvolvimento de sites dinâmicos com ASP. A tecnologia ASP disponibiliza um conjunto de componentes para o desenvolvimento de páginas WEB que possuem conteúdo dinâmico, interativo e de alta performance. Isto quer dizer que uma parte da página é escrita em HTML, ou seja, estática e a outra parte é dinâmica que significa que pode ser escrita em uma linguagem de script onde os mesmos são inseridos nas páginas HTML e processados pelo servidor WEB antes de serem enviadas ao navegador do usuário. Assim, muitas funcionalidades e lógicas de uma página ASP é controlada através de comandos de script. Teoricamente, o ASP pode ser trabalhado em qualquer linguagem de criação de scripts, do VBSCRIPT ao PHYTON. O Visual Basic Script Language é uma das muitas possibilidades de linguagem de script que executam em um servidor e, para o IIS, ela é a linguagem padrão. 4.2- O JSP foi desenvolvido pela Sun Microsystems e consiste em uma tecnologia baseada em Java que simplifica o processo de desenvolvimento de aplicações para a WEB. A tecnologia JSP interage fortemente com Java, HTML, banco de dados e HTTP. O JSP pode ser visto como um tipo de linguagem de criação de scripts no servidor. O seu código de programação é tipicamente Java, onde ainda aceita um conjunto de tags personalizadas que interagem com objetos Java no servidor, sem a necessidade de que o código Java apareça na página, com isto permite uma separação da camada de apresentação e da lógica de negócio do site. Sendo uma tecnologia baseada em java, ela se aproveita de todas as vantagens que a linguagem java fornece em relação a desenvolvimento e acionamento. 4.3- Cold Fusion É uma ferramenta de desenvolvimento de aplicações web que permite criar páginas web dinâmicas para Internet, intranets ou extranets através de integração sofisticada entre elementos como: banco de dados, ambiente web e aplicações de e-mail, além de permitir aplicações
  • 5. Java. Isto significa que uma vez instalado, você terá acesso a sua base de dados SQL de forma dinâmica, sem a necessidade de se criar várias páginas para cada item de pesquisa. Poderá ainda criar formulários de envio de e-mails, criar agendas e calendários, etc. O Cold Fusion utiliza-se de uma linguagem denominada CFML (Cold Fusion Markup Language). Baseada em tags, como o HTML, tornando-se uma linguagem de fácil aprendizado. 4.4- O PHP é uma linguagem de programação cujo o código PHP é embutido no HTML, ou seja, ele pode ser escrito no meio de uma página HTML que será interpretada pelo servidor. O PHP é executado no servidor, sendo enviado para o cliente apenas HTML puro. Desta maneira é possível interagir com bancos de dados e aplicações existentes no servidor, com a vantagem de não expor o código fonte para o cliente. Uma das vantagens do php é o suporte nativo a um grande número de bancos de dados, como dBase, Interbase, mSQL, mySQL, Oracle, Sybase, PostgreSQL, além disso, tem suporte a outros serviços através de protocolos como IMAP, SNMP, NNTP, POP3 e, logicamente, HTTP. Pode-se utilizar sockets e interagir com outros protocolos. 4.5- Análise comparativa Vantagens e desvantagens PHP ASP JSP Cold fusion Arquitetura Aberta Fechada Aberta Fechada Acesso a Bases de Dados DBase, interbase Msql,Mysql,Oracle Postgresql ADO ( Active data Object) ADO ( Active data Object) Microsoft Access, Excel e arquivos textos. Uso de scripts JavaScript VBScript e Jscript VBScript e Jscript CFML Segurança Versatilidade de configuração de Segurança de acesso Baseado na arquitetura do NT Baseado na arquitetura do NT Modelo de segurança do Java(sandboxes) Personalização de Tags Não pode ser ampliado Não pode ser ampliado Não pode ser ampliado Através de mapeamento pers. de tags. Custo Gratis pago Gratis pago Somente via browse Sim não sim não 5- Conclusão Assim é que, as recentes tecnologias na área de desenvolvimento de aplicações na WEB, atualmente trabalham dentro de um mesmo conceito de aplicações WEB. O ASP permite desenvolver aplicativos para WEB, é propício para implementar sistemas menores e soluções que interagem com outros produtos Microsoft. Sua desvantagem está na dependência do sistema operacional e do servidor Web. As soluções que permitem que estas páginas sejam usadas nos servidores Unix ainda não foram aprovadas pela maioria dos designers e desenvolvedores, devido principalmente à baixa performance. O PHP é fácil de aprender e usar e pode ser mais simples de ser
  • 6. programado,é parecido com linguagem C, rápido, seguro e compacto. Mas, tem deficiências na implementação Orientada a Objetos. É ideal para implementação de pequenos e médios projetos. Enquanto que o JSP detém como característica primordial a separação da parte visual da lógica envolvida, ou seja, a rogramação em si. A tecnologia JSP é baseada em Java Servlets, mostrando-se ideal para projetos maiores e que possuam características orientadas a objetos. O JSP permite que se tenham soluções escaláveis, robustas, flexível e de rápida resposta. O aumento de performance aparece como mais um ponto positivo para a manipulação desta tecnologia, pois uma página JSP é convertida em um Servlet antes de ser executada e fica na memória do servidor já compilada Referencias Bibliográficas www.criarweb.com › ... › Programação em PHP http://www.dcc.unicamp.br/~conpec/cursos/PHP/apresentando.HTML http://www.jr3e.fee.unicamp.br/php/ http://www.dpi.ufv.br/~alcione/proginter2001/ApostilaServletJSP.pdf