SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
4 de Fevereiro de 2011
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A casa da mosca fosca
A casa da mosca foscaA casa da mosca fosca
A casa da mosca foscagigilu
 
Os Mil Brancos Dos Esquimos
Os Mil Brancos Dos EsquimosOs Mil Brancos Dos Esquimos
Os Mil Brancos Dos Esquimosguest0a13ce5c
 
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantarA ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantarOfelia Liborio
 
A castanha lili-
A castanha lili-A castanha lili-
A castanha lili-labeques
 
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa Ana Paula Santos
 
Poesia frio de inverno - noção de letra
Poesia  frio de inverno - noção de letraPoesia  frio de inverno - noção de letra
Poesia frio de inverno - noção de letrabeatriz123-madeira
 
Que grande abóbora mimi!
Que grande abóbora mimi!Que grande abóbora mimi!
Que grande abóbora mimi!AVEOS
 
A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa MimiJATG
 
A magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoA magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoCarla Ferreira
 
Historia ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteadoHistoria ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteadoNatalia Pina
 
Chegou a primavera
Chegou a primaveraChegou a primavera
Chegou a primaveraTeresa Ramos
 
Abecedário maluco
Abecedário malucoAbecedário maluco
Abecedário malucoPaula Pires
 

Mais procurados (20)

A casa da mosca fosca
A casa da mosca foscaA casa da mosca fosca
A casa da mosca fosca
 
Animais que hibernam pp
Animais que hibernam ppAnimais que hibernam pp
Animais que hibernam pp
 
Os Mil Brancos Dos Esquimos
Os Mil Brancos Dos EsquimosOs Mil Brancos Dos Esquimos
Os Mil Brancos Dos Esquimos
 
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantarA ovelhinha-que-veio-para-jantar
A ovelhinha-que-veio-para-jantar
 
A Abóbora Gigante
A Abóbora GiganteA Abóbora Gigante
A Abóbora Gigante
 
A castanha lili-
A castanha lili-A castanha lili-
A castanha lili-
 
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa Historia desculpa por acaso és uma bruxa
Historia desculpa por acaso és uma bruxa
 
O gigante egoista
O gigante egoistaO gigante egoista
O gigante egoista
 
Lua sorridente
Lua sorridenteLua sorridente
Lua sorridente
 
O livro dos medos
O livro dos medosO livro dos medos
O livro dos medos
 
Um beijo-na-mão
Um beijo-na-mãoUm beijo-na-mão
Um beijo-na-mão
 
Poesia frio de inverno - noção de letra
Poesia  frio de inverno - noção de letraPoesia  frio de inverno - noção de letra
Poesia frio de inverno - noção de letra
 
Que grande abóbora mimi!
Que grande abóbora mimi!Que grande abóbora mimi!
Que grande abóbora mimi!
 
Mimi que grande abobora
Mimi que grande aboboraMimi que grande abobora
Mimi que grande abobora
 
A galinha ruiva
A galinha ruivaA galinha ruiva
A galinha ruiva
 
A Bruxa Mimi
A Bruxa MimiA Bruxa Mimi
A Bruxa Mimi
 
A magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoA magia da estrela do outono
A magia da estrela do outono
 
Historia ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteadoHistoria ouriço mal_ penteado
Historia ouriço mal_ penteado
 
Chegou a primavera
Chegou a primaveraChegou a primavera
Chegou a primavera
 
Abecedário maluco
Abecedário malucoAbecedário maluco
Abecedário maluco
 

Mais de Fátima Lares Correia (20)

O capitão miau miau
O capitão miau miauO capitão miau miau
O capitão miau miau
 
O pirata pata de lata
O pirata pata de lataO pirata pata de lata
O pirata pata de lata
 
As cores
As coresAs cores
As cores
 
Ciclo de vida da galinha
Ciclo de vida da galinhaCiclo de vida da galinha
Ciclo de vida da galinha
 
Pimpona a galinha tonta
Pimpona a galinha tontaPimpona a galinha tonta
Pimpona a galinha tonta
 
O livro dos corações
O livro dos coraçõesO livro dos corações
O livro dos corações
 
O Cotãozinho e os seus irmãos
O Cotãozinho e os seus irmãosO Cotãozinho e os seus irmãos
O Cotãozinho e os seus irmãos
 
Natal cowall imagens
Natal cowall imagensNatal cowall imagens
Natal cowall imagens
 
Marcelina
MarcelinaMarcelina
Marcelina
 
Dia mundial da alimentação-"Exposição"
Dia mundial da alimentação-"Exposição"Dia mundial da alimentação-"Exposição"
Dia mundial da alimentação-"Exposição"
 
Papá por favor apanha me a lua
Papá por favor apanha me a luaPapá por favor apanha me a lua
Papá por favor apanha me a lua
 
Eu e o_meu_papa
Eu e o_meu_papaEu e o_meu_papa
Eu e o_meu_papa
 
Imagens do circo
Imagens do circoImagens do circo
Imagens do circo
 
Apresentação o primeiro natal
Apresentação o primeiro natalApresentação o primeiro natal
Apresentação o primeiro natal
 
Floresta de agua
Floresta de aguaFloresta de agua
Floresta de agua
 
Quadradinho e seus amigos
Quadradinho e seus amigosQuadradinho e seus amigos
Quadradinho e seus amigos
 
A ovelhinha dá me lã - apresentação
A ovelhinha dá me lã - apresentaçãoA ovelhinha dá me lã - apresentação
A ovelhinha dá me lã - apresentação
 
O nascimento de jesus
O nascimento de jesusO nascimento de jesus
O nascimento de jesus
 
Exposição-Castanhas
Exposição-CastanhasExposição-Castanhas
Exposição-Castanhas
 
Sala 3 a lagartinha
Sala 3 a lagartinhaSala 3 a lagartinha
Sala 3 a lagartinha
 

A História do velho Carvalho

Notas do Editor

  1. - Uuuuh! Uuuuh! Uuuuh! Uuuuuh! - Aaaaah! Aaaaah! Aaaaah! Aaaah! - Iiiiih! Iiiih! Iiiih! Iiiih! - Oooooh! Ooooh! Ooooh! Ooooh! – Ria em altas gargalhadas o grande carvalho no meio daquele bosque onde, para além de outros carvalhos, também se viam pinheiros e eucaliptos muito altos.
  2. Num dos seus ramos, bem escondida, estava a dormir a coruja, que mal disposta decidiu voar até um ramo mais abaixo para pedir explicações de tal algazarra. -   Não tens respeito pelos animais que dormem? Pensas que passei a noite na folia? Não te esqueças que toda a noite cacei ratos. - Disse em tom de poucos amigos a coruja. Ah!Ah!Ah! Desculpa coruja.... Ih!Ih!Ih!Ih!!! – Disse o carvalho às gargalhadas enquanto se agarrava à barriga, ou seja, ao tronco.
  3. -A culpa não é minha. Se olhares bem, hás-de ver as trepadeiras a descer por mim abaixo e outras as trepadeiras a subir por mim acima... Ah!Ah!Ah! Ih!Ih!Ih! -Sim, e isso tem alguma piada? -Não é que tenha piada, mas... se reparares bem, todas elas estão à procura dos insectos que se escondem debaixo da minha casca... e isso faz-me muitas cócegas. - Disse ainda a rir o carvalho. - Ei vocês aí!!! – Gritou a coruja para as trepadeiras – Não podiam ter escolhido outro carvalho para catar?
  4. Espantadas, as trepadeiras levantaram as cabeças e fingindo que não era nada com elas, continuaram o seu trabalho. Entretanto, chateada, a coruja voltou ao seu poiso onde continuou a sua soneca. No chão, aparecia de vez em quando um coelho aos saltinhos, escondendo-se rapidamente debaixo dos arbustos.  É que lá no céu, podia ver-se a voar em círculos o milhafre; àquela hora, esperava avistar uma refeição apetitosa.
  5. De vez em quando, passavam por ali famintos, uma raposa e um gato-bravo. Por isso, sempre que ouviam um barulho suspeito, os coelhos corriam a esconder-se nas tocas que lhes serviam de “casa”. -AUUU!!! Essa doeu!!! Quem é que me está a picar o rabo? – Gritou o grande carvalho, enquanto a coruja voltava a acordar.
  6. -Que se passa aqui?! – Perguntou a coruja. - Nada de especial... – Disse o pica-pau que mais abaixo picava o tronco do carvalho. – Só estou à procura de um insecto maroto que está escondido na casca deste carvalho. -E para que queres tu esse insecto? – Perguntou a coruja. -Ora, para comer. É um insecto muito apetitoso. Ora cá está ele.... Queres provar? – Perguntou o pica-pau.
  7. -Nem pensar !!! – Encolheu-se a coruja enojada. – Podes ficar com ele e bom apetite. Dito isto, voltou para o seu poiso e, quando se preparava para uma vez mais voltar a dormir, eis que ouve alguém chamar: -Doutor!! Ei doutor! Pode aqui chegar por favor? Virando a sua cabeça, quase até às costas, a coruja abriu um dos seus olhos enormes e reparou num Pardal que empoleirado num ramo, chamava curioso o pica-pau.
  8. Que queres tu Pardal? – Perguntou o pica-pau. -Estou preocupado com este carvalho. – Disse o Pardal – Parece-me que ele está doente... -Doente?!? Eu?!? - Exclamou assustado o carvalho enquanto olhava para cima. -Sim!! Andava aqui a caçar insectos quando reparei nesta “coisa”. Olhe bem doutor... – disse o pardal - ...parece uma borbulha em forma de bola. Não acha que o senhor carvalho está doente?
  9. -Realmente!!! É muito estranho. Nunca vi nada assim. O fruto do carvalho não é, porque esse, eu conheço muito bem: é a bolota . – Disse o pica-pau enquanto auscultava a “coisa” estranha. – Espera aí!!! Estou a ouvir um ruído. Parece que está algo a mexer-se lá dentro.
  10. -Ei!! Está aqui um buraco!!! – Exclamou o Pardal. De repente, sai pelo buraco uma pequena cabeça curiosa que, ao ver os dois pássaros, se esconde de novo. -Viste aquilo? – Perguntou entusiasmado o pica-pau. -Sim, parece uma abelha, mas muito mais pequenina... – disse o Pardal. -Ei!!! Vocês aí em cima!!! – Exclamou o carvalho. – Eu posso explicar-vos o que se está a passar.
  11. Agarrando-se à sua bengala, pois já não conseguia dobrar-se como antigamente, o velho carvalho olhou os curiosos pássaros e explicou: - Isso que vocês aí vêem em forma de bola, é um bugalho
  12. Os bugalhos são próprios dos carvalhos e esse surgiu porque um pequeno insecto, parecido com uma vespa muito pequena... ...decidiu picar a casca de um dos meus ramos tenros e deixar aí um ovo. A partir dessa picada, nasceu uma borbulha... ...que aos poucos se transformou numa bola e guardou dentro de si o ovo da vespa. Ao fim de algum tempo, saiu do ovo uma nova vespa, através de um buraco que fez no bugalho.
  13. -Ai o maroto!! Pica o carvalho e ainda por cima recebe um ninho... – diz espantado o Pardal. -Não faz mal. – Disse o carvalho. – Temos de nos ajudar todos uns aos outros. Além disso, eu nem sinto a picada. Já pensaste como seria chata a minha vida se eu não deixasse que outros animais aqui encontrassem abrigo ou fizessem os seus ninhos? -Se eu fosse egoísta - continuou o carvalho - vocês não iriam encontrar insectos para se alimentarem nos meus troncos, não é verdade? E as corujas? Como caçariam os ratinhos que encontram no chão e que se escondem debaixo das minhas raízes ou nos buracos dos meus troncos? E o javali? Onde iria encontrar bolotas tão deliciosas?
  14. -... e eu não poderia fazer aqui o ninho, as trepadeiras ou as corujas... – disse o Pardal -Sim, realmente... para além de boa também és muito importante para todos nós!!! – comentou o pica-pau. -Só é pena que já sejamos tão poucos. – Disse triste o carvalho. – Há muitos anos havia carvalhos por quase todo o lado. Nessa altura, as florestas eram ricas em animais e plantas. No entanto, os homens começaram a cortar carvalhos... e mais carvalhos... e muitos mais carvalhos.... Chuif!! Chuif!!
  15. -Calma!! Não vale a pena chorares. – Acudiu a Coruja. – Porque é que os homens cortaram assim tantos carvalhos? -Por um lado, porque foi muito utilizado nos Invernos para as pessoas se aquecerem à lareira. Mas também, os caminhos de ferro necessitaram de boas madeiras para fazerem os barrotes que aguentam os carris dos comboios. Muitos dos carvalhos estão hoje deitados debaixo desses carris... Chuif!!!... Ninguém nos dá valor...
  16. -Calma!! – Interrompeu o Pardal de cima de um dos ramos mais altos. – Tu hoje estás protegido pela pelos homens e por isso és um privilegiado. Por outro lado, já muita gente sabe que tens uma madeira muito boa para se fazerem móveis. E porque estás assim triste? Já olhaste para o chão com atenção?
  17. -Para o chão? Porquê? – Perguntou o carvalho. -Repara ali ao fundo... vês??? – Apontou o Pardal– Já viste que uma das tuas bolotas já deu origem a mais um carvalho? E ali do outro lado... e mais ao longe? -Já viste que aos poucos e com a ajuda dos javalis e de outros animais como eu, as tuas bolotas vão-se espalhando e dando origem a outros carvalhos? - Perguntou animado o gaio. -A sério? – Espantou-se o velho carvalho. – Como é que fazem isso?
  18. -Bem, na verdade isso acontece sem nos apercebermos. – Confessou o Pardal. - Umas vezes são os javalis que as vão empurrando sem saber, enquanto escavam no chão à procura de raízes e bolotas. Outras vezes somos nós que as deixamos cair do bico ao voar. Outras são a força do vento que as atira para longe...
  19. -Obrigado amigos. Estou muito contente com a vossa ajuda!!! – Exclamou entusiasmado o velho carvalho. -Não tens que agradecer – disse o gaio – se cada um de nós ajudar todos os outros, também os outros poderão ajudar cada um de nós. Afinal todos precisamos de todos. FIM
  20. Estas são a bolota e a folha do carvalho-negral. Este carvalho é também conhecido em todo o mundo pelos cientistas como: Quercus pyrenaica. Embora existam várias espécies de carvalhos, o carvalho-negral é o que mais existe aqui no nosso parque.