Apresentacao3

377 visualizações

Publicada em

Atividade

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Apresentacao3

  1. 1. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoMETODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO OCUPACIONAL CRÍTICA TÉCNICA Leiria 26/10/2012 1
  2. 2. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoPorquê a crítica? A experiência profissional; A observação da prática diária; A recolha de informação junto de colegas técnicos de SHT; A pesquisa bibliográfica (outros trabalhos). Avaliação  da  exposição  ao  ruído  ocupacional  em  contexto  industrial,  éefectuada sempre ou quase sempre de acordo com as imagens seguintes –sonómetro estático, com presença do trabalhador. Esta metodologia não está prevista na Legislação ou Norma 2
  3. 3. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoConsequências Avaliações pouco precisas; Consequências nas estratégias de prevenção. Colectiva e individual Eventualmente  uma  das  razões  da  prevalência  da  surdez  ocupacional, registada  como  a  2.ª causa  de  doença  profissional,  logo  após  as  doenças músculo‐esqueléticas (Portugal e Europa). 3
  4. 4. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoPosições de mediçãoO posicionamento  do  sonómetro  nas  medições  da  exposição  ao  ruído  ocupacional assume  extrema importância, já que  deste  procedimento  dependem  os  resultados obtidos para uma avaliação precisa – LAeq,T. Influência  nos  cálculos  necessários  à determinação  dos  valores  limites  de exposição e valores de acção, (Art. 3º do DL 182/2006); Influência nas medidas de prevenção e/ou protecção que os empregadores estão obrigados a implementar, (Art. 6º, 7º, e 8º do DL 182/2006). 4
  5. 5. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoObjectivos da medição de ruídoDeterminar a exposição ao ruído de todas pessoas susceptíveis de serem expostos a ruído excessivo;Obter informações mais específicas que ajudem a decidir quais as medidas a tomar para reduzir a exposição ao ruído;Verificar a eficácia de qualquer controlo das medidas que foram aplicadas;Auxiliar na selecção adequada dos protectores auditivos quando outras medidas de controlo  não  são  exequíveis  ou  a  necessitar  de  algum  tempo  para  planear  e implementar. 5
  6. 6. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoMedição do ruídoA medição do nível de exposição pessoal diária de um trabalhador ao ruído durante o período laboral, varia com: A localização do ponto de medida; A proximidade dos outros equipamentos; A  potência  e  velocidade  de  funcionamento  desses  mesmos  equipamentos  no instante da medição; O  ruído  ambiente  existente  na  área  produtiva  (resultante  do  somatório logarítmico de todas as fontes operando em simultâneo). 6
  7. 7. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoObjectivo GeralComparar  os  valores  de  medição  do  ruído  ocupacional  obtidos  com  um sonómetro fixo, colocado na proximidade do trabalhador (prática não legislada) e os valores obtidos com um sonómetro móvel a acompanhar o trabalhador [alínea b) do nº 3 do Anexo I do Dec‐Lei 182/2006 de 6 de Set.] – Posições de Medição HIPÓTESES “Os sonómetros móveis e fixos registam valores iguais” “Os sonómetros móveis e fixos registam valores diferentes”Por outro lado, evidenciar que, a medição do ruído com ausência do trabalhador [alínea  a)  do  nº 3  do  Anexo  I  do  Dec‐Lei  182/2006  de  6  de  Set.],  deve  ser  uma metodologia  mais  utilizada  com  o  objectivo  de  avaliação  de  ruído  nos  locais  de trabalho  para  efeitos  de    implementação  de  medidas  de  controlo  do  tipo organizacional ou de engenharia. 7
  8. 8. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoVerificação das hipóteses ‐ Trabalho de campo Medição do ruído ocupacional   Sonómetro fixo ‐ Prática não legislada  Sonómetro móvel [alínea b) do  nº 3  do Anexo  I do Dec‐Lei 182/2006  de 6  de Set.] Comparar registos Verificar as Hipóteses 8
  9. 9. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoTrabalho de campo 12  Empresas 397 medições 9
  10. 10. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoPercentagem de medições por empresa Empresas 10
  11. 11. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoInstrumentação e metodologia de medição Dois grupos de trabalho  designados por A e B, configurados  do seguinte modo: •Grupo A – SF1 + SF3 + SM1 •Grupo B ‐ SF2 + SF4 + SM2 2 sonómetros fixos + 1 sonómetro móvel Um sonómetro fixo colocado no local de anterior medição 11
  12. 12. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoTrabalho de campo – Objectivo Medição simultânea 2 Sonómetros  1 Sonómetro  fixos móvel Comparar  registos LAeq,T Sonómetro fixo 1 Diferença 1 Diferença 2 Sonómetro móvel Sonómetro fixo 2 Igual LAeq Comparativo 12
  13. 13. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoResultados obtidos (LAeq) 397 medições Sonómetro fixo Sonómetro móvel Valores superiores 396 diferentes  Valores superioresao sonómetro móvel 1 igual ao sonómetro fixo 53% 47% Forte probabilidade de se  confirmarem as HIPÓTESES 13
  14. 14. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoResultados obtidos (LAeq) Sonómetro fixo Trabalhador  Valores superiores SOBREAVALIADO ao sonómetro móvel Sonómetro  afastado do  trabalhador Sonómetro fixo Valores inferiores Trabalhador  ao sonómetro móvel SUBAVALIADO 14
  15. 15. Instituto Superior de Línguas e Administração Outros resultados O sonómetro fixo registou O sonómetro móvel registou Ruído de Baixa Frequência Ruído de Alta Frequência Este fenómeno influencia a estratégia de  escolha do protector auricular O mesmo protector pode não servir para os 2  casos Diferenças  quer  pela  diferença  do  nível  de  ruído,  quer  pela  diferença  das características tonais. 15
  16. 16. Instituto Superior de Línguas e Administração Discussão dos resultados LAeq,T LAeq,T COMPARAR Sonómetro fixo Sonómetro móvel registos registos Menos precisos pelo  Mais  precisos e rigorosos pela  afastamento ao trabalhador proximidade ao trabalhadorRecurso à metodologia prevista na alínea b), do nº 3, do anexo I, do Dec‐Lei nº 182/2006, de 6 de Setembro ‐ o sonómetro deve a acompanhar o trabalhador 16
  17. 17. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoDec‐Lei nº 182/2006 de 6 de SetembroAnexo I – Medição do Ruído ...3 – Posições de Mediçãoa)“As medições devem ser realizadas no posto de trabalho, sempre que possível, na ausência do trabalhador, com a colocação do microfone na posição em que se situaria a sua orelha mais exposta”;b)“Quando a presença do trabalhador for necessária, o microfone deve ser colocado a uma distância entre 0,10 m e 0,30 m em frente à orelha mais exposta do trabalhador”;c)“No  caso  de  utilização  de  um  dosímetro  ou  de  outro  aparelho  de medição  usado  pelo  trabalhador,  o  microfone  pode  ser  fixado  no vestuário,  no  ombro,  no  colarinho,  ou  no  capacete,  respeitando  a distância fixada na alínea anterior”;d).... 17
  18. 18. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoPosições de medição ‐ Outros autoresOrganização Mundial da Saúde…7 (STRATEGIES FOR NOISE SURVEYS),1. “…a avaliação da exposição ao ruído deve ser efectuada preferencialmente na  ausência do trabalhador”;e caso isso não seja possível,2. “o ruído deve ser avaliado com o microfone colocado de 0,10m a 0,30m do  ouvido mais exposto”;3. …..Arezes, P. (2002). Percepção do Risco de Exposição Ocupacional ao Ruído. Tese de  Doutoramento. Escola de Engenharia da Universidade do Minho. Guimarães.  18
  19. 19. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoMetodologias de avaliação do Ruído OcupacionalPosições de Medição ‐ nº 3 do Anexo Ia)“As medições devem ser realizadas no posto de trabalho, sempre que possível, na ausência do trabalhador, com a colocação do microfone na posição em que se situaria a sua orelha mais exposta”;Prática pouco observada, contudo considera‐se não aplicável na medição da exposição pessoal ao ruído, porque: Máquinas e equipamentos emitem ruído pela acção do trabalhador; Em postos que não seja necessário a acção do trabalhador: O trabalhador não está estático à semelhança do sonómetro; Pequenas deslocações  (0,50m a 1,00m) podem colocar o trabalhador sob o efeito de outras fontes de ruído; Movimenta o corpo, roda e flecte a cabeça, fala, etc. A simpatia da entidade patronal em medições mais longas sem o trabalhador; Altura da localização do sonómetro (trabalhador com 1,80m); Trabalhador ausente – mede‐se o quê? 19
  20. 20. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoEstudos de casoNas  diversas  pesquisas  efectuadas  sobre  relatórios  e  trabalhos  de  avaliação  do ruído ocupacional, foi comum encontrar na descrição da metodologia de avaliação do ruído:”As  medições  foram  realizadas  no  posto  de  trabalho,  sempre  que  possível,  na ausência do trabalhador, com a colocação do microfone na posição em que estaria a sua orelha mais exposta”. Mais adiante, afirma‐se .....“Procurou‐se que, durante a avaliação, os trabalhadores desempenhassem as suas tarefas  usando  os  métodos  e  as  cadências  habituais,  a  fim  de  assegurar representatividade à avaliação”.Pergunta:  no  desempenho  das  suas  tarefas,  usando  os  métodos  e  as  cadências habituais, o trabalhador está ausente?  20
  21. 21. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoEstudos de caso Zona crítica EXEMPLO Máquinas funcionam em contínuo sem acção do trabalhador; Trabalhador movimenta‐se (zonas rosa e vermelho); Onde colocar o sonómetro de acordo com a alínea a)????Este conceito está determinado no ponto 1.7.4.2, da alínea u), do Anexo I, do Dec‐Lei 103/2008, de 24 de Junho (Directiva Máquinas), para efeitos da determinação do ruído aéreo emitido pelas máquinas, logo, uma metodologia idêntica para avaliar o ruído nos postos de trabalho e não a exposição pessoal. 21
  22. 22. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoMetodologias de avaliação do Ruído OcupacionalPosições de Medição - nº 3 do Anexo I b) “Quando a presença do trabalhador for necessária, o microfone deve ser colocado a uma distância entre 0,10 m e 0,30 m em frente à orelha mais exposta do trabalhador”; Raramente se observa, contudo é a metodologia considerada mais precisa e fiável: O trabalhador no desenvolvimento normal das tarefas; Sonómetro acompanha o trabalhador Exposição às mesmas fontes de ruído c) “No caso de utilização de um dosímetro ou de outro aparelho de medição usado pelo trabalhador, o microfone pode ser fixado no vestuário, no ombro, no colarinho, ou no capacete, respeitando a distância fixada na alínea anterior”. Metodologia aplicável a trabalhadores de elevada mobilidade (irrelevante para este estudo) Relevante a colocação do microfone; 22
  23. 23. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoPosições de medição ‐ Outros autores A  Brüel  &  Kjær,  no  manual  sobre  a  medição  do  som,  “...  As  medições  deveriam simplesmente ser tomadas na posição normal dos ouvidos do trabalhador.” Malchaire , J. (2005), sugere que, em postos de trabalho fixos, pode ser utilizado um sonómetro integrador localizado próximo da orelha do trabalhador.  Norma  de  Higiene  Ocupacional,  determina  que,  as  medições  devem  ser  feitas com o microfone posicionado dentro da zona auditiva do trabalhador, de forma a fornecer dados representativos da exposição ocupacional diária ao ruído a que estásubmetido o trabalhador no exercício das suas funções. Work Safe BC na publicação com o título “Occupational Noise Surveys, April 2007”, cita  como  regra  de  avaliação  do  ruído  com  recurso  a  sonómetros  “Prenda  o microfone na proximidade do ouvido do trabalhador ou coloque‐o perto  do ouvido normalmente mais exposto...” 23
  24. 24. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoPosições de Medição Prática diária – Nem a alínea a), nem a alínea b)Na prática diária é observado, sempre ou na maioria dos casos, que o sonómetro éposicionado  em  tripé nas  proximidades  do  trabalhador  a  ser  avaliado  de  modo  a não interferir nas tarefas deste. Prática não legislada ou normalizada Pode significar o afastamento do sonómetro da fonte do ruído a que o trabalhador  está exposto e/ou interferência deste na medição. 24
  25. 25. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoDurante o trabalho de campoFoi  muito  comum  nas  empresas,  durante  a  realização  do  trabalho  de  campo,  no momento  da  colocação  dos  sonómetros  fixos,  ao  perguntar‐se  ao  trabalhador  se poderia colocar os equipamentos sem incomodar, ouvir: “... aí não, porque tenho de passar ou colocar, fazer isto ou aquilo, etc. ...”. Outras  vezes  houve  informação  que,  na  medição  anterior,  o  técnico  colocou  o “aparelho” ali...  e  indicavam  o  local.  Nestas  situações,  a  alternativa  foi  colocar  o sonómetro afastado 2 ou 3 metros do trabalhador e, por consequência, mediu‐se o ruído ambiente na envolvente do posto de trabalho, tendo o sonómetro medido o ruído emitido por outros equipamentos vizinhos. 25
  26. 26. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoErros associados à posição do sonómetro fixo 26
  27. 27. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoFenómenos de propagação/transmissão do ruídoReflexão – quando  a  propagação  de  uma  emissão  sonora encontra  um  obstáculo  plano,  rígido,  de  grandes  dimensões  em comparação  com  o  seu  comprimento  de  onda,  produz‐se  uma inversão das ondas incidentes como se emanassem de uma fonte simétrica da fonte emissora, em relação à superfície de reflexão. Reverberação e Campo reverberante ‐ Uma fonte sonora, ao emitir  as  ondas  sonoras,  estas  vão  reflectir‐se  nas  paredes  de  todas  as  áreas do espaço envolvente, reforçando o nível de som e produzindo  um nível maior com a soma total produzida pela fonte. Quando um  som  é emitido  (por  uma  fonte  sonora),  tende  a  propagar‐se  em  todas  as  direcções,  mas,  quando  encontra  um  obstáculo  rígido,  é rejeitado (ressalto e mudança de direcção). Quando isso ocorre num recinto fechado, as ondas sonoras são reflectidasvárias vezes pelas superfícies, ampliando o som ou elevando o nível de ruído do local.  27
  28. 28. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoFenómenos de propagação/transmissão do ruídoDifracção – é o  fenómeno  que  justifica  o  facto  de  um  obstáculo  ou barreira acústica não ser tão eficiente como seria desejável, considerando que  em  termos  de  acústica  geométrica,  a  interposição  de  um  obstáculo entre a fonte e o receptor produziria uma “sombra acústica” por trás da barreira .O sonómetro  Trabalhador  em zona   em zona  Sombra SombraTrabalhador  Sonómetro em  em zona  zona ruidosa ruidosa 28
  29. 29. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoFenómenos de propagação/transmissão do ruídoRefracção  – é o  fenómeno  que  justifica  a  mudança  de  direcção  das emissões  sonoras  quando  estas  atravessam  meios  de  propagação  com características  diferentes.  Um  factor  importante  é a  variação  da temperatura entre o interior e o exterior das máquinas.  Influência na  localização do  sonómetro  e/ou do  trabalhador 29
  30. 30. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoFenómenos de propagação/transmissão do ruídoInterferência  – é o  fenómeno  consequente  da  sobreposição  de  ondas  sonoras, isto  é, quando  duas  fontes  sonoras  produzem,  em  simultâneo  e  num  mesmo ponto,  ondas  concordantes,  as  suas  amplitudes  adicionam‐se,  criando  uma interferência  construtiva  (aumento  da  intensidade  do  ruído).  Ao  contrário, quando  as  ondas  são  discordantes  (uma  produz  uma  compressão  e  a  outra produz  uma  rarefacção)  as  amplitudes  subtraiem‐se    criando  uma  interferência negativa (diminuição da intensidade do ruído). Aumento da  intensidade do ruído Diminuição da  intensidade do ruído 30
  31. 31. Instituto Superior de Línguas e Administração Conclusões1) A  colocação  do  sonómetro  móvel  a  acompanhar  o  trabalhador,  apresenta  diferenças relativamente aos resultados obtidos quando o sonómetro é fixo nas  proximidades do posto de trabalho;2) Mesmo  em  casos  em  que  as  diferenças  dos  valores  dos  níveis  de  ruído  são  próximos, há diferença em matéria de exposição pessoal ao ruído, uma vez que  os  espectros  registados  têm  um  espectro  de  carácter  tonal  diferente,  isto  é,  o  sonómetro  móvel  regista  predominantemente  alta  frequência  e  o  sonómetro  fixo regista predominantemente baixa ou muito baixa frequência;3) Do  mesmo  modo,  e  nos  casos  em  que  a  diferença  de  nível  de  ruído  é pouco  significativa  e  estamos  perante  um  espectro  de  carácter  tonal  igual,  o  sonómetro fixo apresenta componentes significativas de baixa frequência;  31
  32. 32. Instituto Superior de Línguas e Administração Conclusões (cont.)4) Consideram‐se  os  valores  registados  pelos  sonómetros  fixos  menos  precisos  e  fiáveis para efeitos da avaliação pessoal ao ruído, pelo facto deste posicionamento  apresentar  alguns  condicionalismos  que  influenciam  os  resultados,  nomeadamente: A decisão do técnico sobre a melhor localização; O  afastamento  do  sonómetro  ao  posto  de  trabalho  por  imposição  das  tarefas, o que leva a posicionar dentro do campo reverberante; O  posicionamento  do  sonómetro  relativamente  a  multifontes  de  ruído  (não sendo estas predominantes face à exposição do trabalhador). 32
  33. 33. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoConclusão final Avaliação da exposição pessoal ao ruído  ocupacional Medição Recurso ao determinado pela alínea b) do nº 3, Anexo I, do Dec‐Lei nº 182/2006, de 6 de  Setembro.  33
  34. 34. Instituto Superior de Línguas e AdministraçãoDesenvolvimentos futuros Avaliação da exposição pessoal ao ruído  ocupacional Medição Comparar  os  valores  registados  pelo  sonómetro  quando  colocado  de  acordo  com  a  alínea  a)  e  alínea  b)  do  nº 3  Anexo I Dec‐Lei nº 182/2006, de 6 de Setembro. 34
  35. 35. Instituto Superior de Línguas e Administração 35

×