O preço do feijãoNão cabe no poema. O preço do arrozNão cabe no poema.
Não cabem no poema o gás     A luz o telefone       A sonegação         Do leite         Da carne        Do açúcar        ...
O funcionário público  Não cabe no poemaCom seu salário de fome   Sua vida fechada     Em arquivos.
Como não cabe no poema       O operárioQue esmerila seu dia de aço        E carvão   Nas oficinas escuras
-porque o poema, senhores,      Está fechado:     “ não há vagas “
Só cabe no poemaO homem sem estômago  A mulher de nuvens  A fruta sem preço
O poema, senhores,    Não fede   Nem cheira
DOLORES
Nao ha vagas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Nao ha vagas

340 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
340
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nao ha vagas

  1. 1. O preço do feijãoNão cabe no poema. O preço do arrozNão cabe no poema.
  2. 2. Não cabem no poema o gás A luz o telefone A sonegação Do leite Da carne Do açúcar Do pão
  3. 3. O funcionário público Não cabe no poemaCom seu salário de fome Sua vida fechada Em arquivos.
  4. 4. Como não cabe no poema O operárioQue esmerila seu dia de aço E carvão Nas oficinas escuras
  5. 5. -porque o poema, senhores, Está fechado: “ não há vagas “
  6. 6. Só cabe no poemaO homem sem estômago A mulher de nuvens A fruta sem preço
  7. 7. O poema, senhores, Não fede Nem cheira
  8. 8. DOLORES

×