“Acácia malvada: Mata Nacional de Vale de Canas, património natural a preservar”

263 visualizações

Publicada em

Educação e Sensibilização Ambiental

A Câmara Municipal de Coimbra (CMC) realiza, esta sexta-feira, 10 de Outubro, uma ação de irradicação e controlo de plantas exóticas de cariz invasor e de plantação de espécies arbóreas da nossa floresta autóctone. A Mata Nacional de Vale de Canas é possuidora de elevada biodiversidade e de um património genético considerável, desempenhando uma importante função de conservação e possibilidade de usufruto da natureza. Trata-se de um espaço de elevada qualidade ambiental, com grandes condições para a realização de ações de educação e sensibilização ambiental, além de desporto, recreio e lazer.
A CMC considera fundamental preservar este espaço, procedendo à irradicação das plantas exóticas de cariz invasor (ex: acácias, háque-picante, espanta-lobos, entre outros) que são nocivas para as plantas indígenas e para os ecossistemas. Como complemento, e de forma a recuperar os ecossistemas locais, é necessário proceder à sua reflorestação com espécies autóctones.

VEJA UM ÁLBUM COM 127 FOTOGRAFIAS DA MATA NACIONAL DE VALE DE CANAS
https://www.flickr.com/photos/126008239@N05/sets/72157648355908242/

Visite o portal da Câmara Municipal de Coimbra
http://cm-coimbra.pt/

Câmara Municipal de Coimbra no Facebook
https://www.facebook.com/municipiodecoimbra

Câmara Municipal de Coimbra no YOUTUBE
https://www.youtube.com/channel/UCPFR_M9mVthLlVQbxcAIrig

Câmara Municipal de Coimbra no Twitter
https://twitter.com/camaradecoimbra

Câmara Municipal de Coimbra no olhares.sapo.pt
http://olhares.sapo.pt/camaradecoimbra/

Câmara Municipal de Coimbra no FLICKR
https://www.flickr.com/photos/126008239@N05/

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

“Acácia malvada: Mata Nacional de Vale de Canas, património natural a preservar”

  1. 1. “Acácia malvada: Mata Nacional de Vale de Canas, património natural a preservar” Educação e Sensibilização Ambiental A Câmara Municipal de Coimbra (CMC) realiza, esta sexta-feira, 10 de Outubro, uma ação de irradicação e controlo de plantas exóticas de cariz invasor e de plantação de espécies arbóreas da nossa floresta autóctone. A Mata Nacional de Vale de Canas é possuidora de elevada biodiversidade e de um património genético considerável, desempenhando uma importante função de conservação e possibilidade de usufruto da natureza. Trata-se de um espaço de elevada qualidade ambiental, com grandes condições para a realização de ações de educação e sensibilização ambiental, além de desporto, recreio e lazer. A CMC considera fundamental preservar este espaço, procedendo à irradicação das plantas exóticas de cariz invasor (ex: acácias, háque-picante, espanta-lobos, entre outros) que são nocivas para as plantas indígenas e para os ecossistemas. Como complemento, e de forma a recuperar os ecossistemas locais, é necessário proceder à sua reflorestação com espécies autóctones.
  2. 2. PROGRAMA 10 de Outubro de 2014 9h30 – Receção aos alunos da Escola Básica das Torres do Mondego. Distribuição de material pedagógico. 9h40 – Sessão de boas vindas: Vereador Carlos Cidade, presidente da Junta de Freguesia das Torres do Mondego, Paulo Cardoso, representante do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. 9h45 - Centro de Interpretação Ambiental: Apresentação da Mata Nacional de Vale de Canas. Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. 10h00 – Acácia malvada. Ação de irradicação de plantas exóticas de cariz invasor. Câmara Municipal de Coimbra, Junta de Freguesia das Torres do Mondego, Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. 11h00 – Florestar, dar vida à Mata Nacional de Vale de Canas. Plantação de castanheiros, sobreiros, carvalhos, medronheiros, pinheiros-mansos. Câmara Municipal de Coimbra, Junta de Freguesia das Torres do Mondego, Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. Organização: Câmara Municipal de Coimbra e Junta de Freguesia das Torres do Mondego Colaboração: Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas Participação: Escola Básica das Torres do Mondego
  3. 3. Mata Nacional de Vale de Canas A Mata Nacional de Vale de Canas situa-se na estrada de Tovim, em direção à Serra da Aveleira, junto à povoação do Picoto dos Barbados, a 292 m de altitude. Ocupa uma área de 16 hectares e estende-se em direção ao rio Mondego, na margem direita, até à povoação que lhe deu o nome, Vale de Canas, distribuindo-se pelas freguesias de Santo António dos Olivais e Torres do Mondego. As rochas dominantes são os xistos. No séc. XVI era designada por Mata do Rei e constituída por vegetação espontânea. Teria sido uma coutada da Casa Real de Bragança. Em 1867 foi adquirida pelo Estado Português, para retirar a madeira de pinheiro necessária às obras hidráulicas do Baixo Mondego e de defesa da Mata do Choupal contra as cheias.
  4. 4. Em 1866-1870, sob orientação de Manoel Afonso D´Esgueira e com a colaboração do Jardim Botânico da Universidade de Coimbra, foi repovoada com plantas autóctones e exóticas, algumas vindas de França e da Alemanha. Da Austrália vieram os eucaliptos, distribuídos por 32 espécies da família Myrtaceae. Em 1939, sofreu obras de melhoramento, sob a orientação do Dr. Manuel Braga. Desde 1980 que a sua gestão está a cargo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. A Mata divide-se em duas zonas, uma ajardinada e outra florestada. A Mata possui considerável diversidade de plantas e animais. As árvores aí existentes, além das autóctones ou nativas como os carvalhos (Quercus spp.), os sobreiros (Quercus suber), os pinheiros-bravos (Pinus pinaster), os pinheiros-mansos (Pinus pinea), as faias (Fagus sylvatica subsp. sylvatica), os plátanos (Platanus x hispanica), os áceres (Acer spp.), o medronheiro (Arbutus unedo), também dispõe de árvores oriundas de outros locais da Terra. Do México, o cedro-do-buçaco (Cupressus lusitanica), da Argélia e Marrocos, o cedro-do-atlas (Cedrus atlantica); do Japão, o cedro-do-japão (Cryptomeria japonica), da Califórnia, o cipreste-da-califórnia (Cupressus macrocarpa), entre outros. Ao fundo da mata, já perto de Vale Canas, existem árvores de tamanho invulgar (porte e fuste), nomeadamente: o Eucalyptus diversicolor com mais de 75m, considerado a árvore mais alta da Europa; o Eucalyptus obliqua com 60 m; Eucaliptus globulus com 70m. Também oriundos da Austrália: o carvalho-sedoso (Grevillea robusta); a araucária (Araucaria bidwillii), com mais de 50m de altura é considerada a mais alta de Portugal.
  5. 5. Na mata existem relíquias da flora e fauna, nomeadamente: a) O rododendro (Rhododendron ponticum subsp. Baeticum), loendro ou adelfeira, relíquia da nossa flora primitiva do Terciário (70 a 2 milhões de anos). Os principais núcleos desta planta estão localizados no Algarve e no Caramulo, na Reserva Botânica do Cambarinho; b) O pinheiro-de-casquinha (Pinus sylvestris) é uma relíquia glaciária da qual restam alguns exemplares na Serra do Gerês; c) A salamandra-lusitânica (Chioglossa lusitanica) é o mais emblemático dos anfíbios endémicos portugueses, estando a sua ocorrência confinada a uma faixa de 500m em redor da pequena ribeira que atravessa o vale do fundo da mata. VEJA UM ÁLBUM COM 127 FOTOGRAFIAS DA MATA NACIONAL DE VALE DE CANAS https://www.flickr.com/photos/126008239@N05/sets/72157648355908242/

×