i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
Catarina Rodrigues
Blogs e a fragmentação do
espaço público
Universidade da Beira Interior
2006
i
i
i
i
i
i
i
i
Livros LabCom
Série: Estudos em Comunicação
Direcção: António Fidalgo
Paginação: Catarina Rodrigues
Design...
i
i
i
i
i
i
i
i
Conteúdo
Introdução 1
1 A fragmentação do espaço público 9
1.1 A esfera pública e a mudança estrutural . ....
i
i
i
i
i
i
i
i
3.7 Vigilantes atentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
3.7.1 Os blogs como fonte . . . . . . . ...
i
i
i
i
i
i
i
i
Introdução
O número crescente de blogs1
constitui um dos fenómenos mais mar-
cantes da Internet na actuali...
i
i
i
i
i
i
i
i
2 Catarina Rodrigues
diferentes pontos de vista sobre determinados assuntos. Simultanea-
mente, a comunica...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 3
contram neste suporte de fácil acesso uma total liberdade criat...
i
i
i
i
i
i
i
i
4 Catarina Rodrigues
objectiva, centrada nos factos e apagou as marcas da subjectividade do
autor. Perante...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 5
fera, os leitores encontram o que escasseia nos jornais: sentid...
i
i
i
i
i
i
i
i
6 Catarina Rodrigues
área do ensino têm surgido exemplos interessantes de interacção entre
professores e a...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 7
espaço público. Em relação à metodologia, teremos por base, não...
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
Capítulo 1
A fragmentação do espaço
público
“Embora possamos reconhecer na agora grega já uma realização d...
i
i
i
i
i
i
i
i
10 Catarina Rodrigues
uma audiência segmentada, fomentando a diversidade, a qual se tor-
nou ainda mais ev...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 11
domínio, é obrigatório falar de blogs onde o espaço de liberda...
i
i
i
i
i
i
i
i
12 Catarina Rodrigues
modernos de público e privado nasceram na época do Iluminismo, ape-
sar do conceito ...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 13
lho social”.7
As primeiras manifestações desta esfera pública ...
i
i
i
i
i
i
i
i
14 Catarina Rodrigues
e participam na formulação dos juízos críticos. Esta esfera pública fun-
ciona na pr...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 15
importa abordar, mas, antes de desenvolver este tema, importa ...
i
i
i
i
i
i
i
i
16 Catarina Rodrigues
burguesa. Por sua vez, os meios de comunicação de massas ganharam
terreno e transfor...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 17
dade tendo em vista a necessidade de alcançar públicos mais va...
i
i
i
i
i
i
i
i
18 Catarina Rodrigues
buído para esta tendência destacam-se o actual sistema de consumo e,
em particular, ...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 19
a sua atenção. Para além disso, os blogs apresentam-se como vi...
i
i
i
i
i
i
i
i
20 Catarina Rodrigues
ção comercial ou relacionada com interesses estratégicos dominantes,
para, em seu lu...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 21
único e efémero, ora fechados nos seus mundos interiores ora b...
i
i
i
i
i
i
i
i
22 Catarina Rodrigues
de blogs em todo o mundo. Em Portugal existem aos milhares (aloja-
dos no serviço la...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 23
blico burguês. A propósito da Internet, Maria João Silveirinha...
i
i
i
i
i
i
i
i
24 Catarina Rodrigues
forma instantânea, independentemente da sua localização geográfica.
Para além disso, ...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 25
da literacia digital, que julgamos ser o aspecto crucial pelo ...
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
i
Capítulo 2
Regresso de uma subjectividade
opinativa?
“Há hoje uma indústria de falar / escrever sob a form...
i
i
i
i
i
i
i
i
28 Catarina Rodrigues
isto se tornou uma necessidade para todos os editores”2
. Os interesses
comerciais e...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 29
uma subjectividade individual responsável pela produção do enu...
i
i
i
i
i
i
i
i
30 Catarina Rodrigues
Enquanto durante os 150 anos anteriores apenas se tinham criado 41
jornais”8
. O con...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 31
tores que contribuíram para as mudanças registadas no jornalis...
i
i
i
i
i
i
i
i
32 Catarina Rodrigues
riosidade evanescente dos leitores e visando essencialmente divertir e
agradar”13
.
...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 33
nos media, há muitas pessoas que não se sentem representadas n...
i
i
i
i
i
i
i
i
34 Catarina Rodrigues
culturalmente construídas, pouco estudo sério se tem realizado acerca
das qualidades...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 35
dos registos literários. A diferença está em grande parte no e...
i
i
i
i
i
i
i
i
36 Catarina Rodrigues
2.2 Opinião ganha força
Os blogs parecem reanimar os “publicistas” do nosso tempo. C...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 37
Frasquilho e Suzana Toscano, entre outros, O espectro30
de Con...
i
i
i
i
i
i
i
i
38 Catarina Rodrigues
Como em qualquer outra indústria, também aqui é notável a competiti-
vidade, mas o a...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 39
conseguiu obter um enorme sucesso, e que apenas terminou devid...
i
i
i
i
i
i
i
i
40 Catarina Rodrigues
nem cada vez mais leitores. “Os blogs são escritos por uma elite para
uma elite, são...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 41
dos 15 aos 24 anos e dos 25 aos 34 anos. O primeiro representa...
i
i
i
i
i
i
i
i
42 Catarina Rodrigues
a frequência com que a ela recorremos faz esquecer que se trata de
algo ainda inaces...
i
i
i
i
i
i
i
i
Blogs e a fragmentação do espaço público 43
durante o ano de 2004 situou-se nos 602 000”, um valor que rep...
i
i
i
i
i
i
i
i
44 Catarina Rodrigues
mediática50
. Outro exemplo é o das personalidades que abandonam
as suas colunas de ...
i
i
i
i
i
i
i
i
Capítulo 3
Blogs e jornalismo
“O jornalismo é uma profissão rodeada de um conjunto de
constrangimentos que ...
i
i
i
i
i
i
i
i
46 Catarina Rodrigues
é também um tema que merece uma abordagem. Estes são apenas al-
guns dos pontos que ...
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Blogs fragmentação do espaço público   catarina rodrigues
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Blogs fragmentação do espaço público catarina rodrigues

843 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
843
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Blogs fragmentação do espaço público catarina rodrigues

  1. 1. i i i i i i i i
  2. 2. i i i i i i i i
  3. 3. i i i i i i i i Catarina Rodrigues Blogs e a fragmentação do espaço público Universidade da Beira Interior 2006
  4. 4. i i i i i i i i Livros LabCom Série: Estudos em Comunicação Direcção: António Fidalgo Paginação: Catarina Rodrigues Design da Capa: Joana Casteleiro Covilhã, 2006 Depósito Legal: 248915/06 ISBN: 972-8790-58-9
  5. 5. i i i i i i i i Conteúdo Introdução 1 1 A fragmentação do espaço público 9 1.1 A esfera pública e a mudança estrutural . . . . . . . . 15 1.2 Alargamento do espaço público . . . . . . . . . . . . . 19 1.3 O papel inovador dos blogs . . . . . . . . . . . . . . . 21 2 Regresso de uma subjectividade opinativa? 27 2.1 Contar “estórias” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 2.2 Opinião ganha força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 2.3 Indústria do comentário . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 2.4 “Info-excluídos”? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 3 Blogs e jornalismo 45 3.1 Vozes alternativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 3.2 Redefinição dos mediadores de conteúdos . . . . . . . 54 3.3 Cidadãos-jornalistas? . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 3.4 O importante papel dos blogs . . . . . . . . . . . . . . 61 3.4.1 Casos em que o jornalismo foi superado . . . . 61 3.5 Blogs e participação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 3.5.1 Complementaridade ou alternativa? . . . . . . 67 3.6 Credibilidade: uma questão fundamental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 3.6.1 Fontes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 i
  6. 6. i i i i i i i i 3.7 Vigilantes atentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 3.7.1 Os blogs como fonte . . . . . . . . . . . . . . 86 3.8 O “quinto equívoco” . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 3.9 Jornalismo Cívico – aproximar o jornalismo dos cidadãos 91 3.9.1 Do jornalismo cívico ao “jornalismo 3.0” . . . 95 3.10 Jornalistas e bloggers podem aprender uns com os outros100 4 Blogs presentes em várias áreas 105 4.1 Blogs e Ensino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 4.2 Blogs e Política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 4.3 Blogs Regionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 4.4 Blogs no Contexto Organizacional . . . . . . . . . . . 123 4.5 Blogs Culturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 5 Afirmação de identidades 131 5.1 Modernidade e pós-modernidade . . . . . . . . . . . . 134 5.2 Identidades próprias da net . . . . . . . . . . . . . . . 138 5.3 Revelar o eu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145 5.4 Blogs e identidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147 5.5 Diários íntimos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149 5.5.1 Narcisismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153 5.6 Emergência de novas comunidades . . . . . . . . . . . 156 Conclusão 163 Bibliografia 175 Anexos 191 Glossário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191 Lista de blogs consultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193 Questionário sobre blogs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204 Conclusões gerais dos inquéritos . . . . . . . . . . . . . . . 209 Gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213 ii
  7. 7. i i i i i i i i Introdução O número crescente de blogs1 constitui um dos fenómenos mais mar- cantes da Internet na actualidade. Estes dispositivos multipli- caram-se nos últimos anos a um ritmo alucinante, um pouco por todo o mundo. Se inicialmente muitos achavam que se tratava apenas de um fenómeno passageiro, a sua dimensão e expansão provam exactamente o contrá- rio. O mundo da blogosfera é um espaço caracterizado pela liberdade de expressão, sendo a opinião o motor que a faz avançar. A publicação simples e acessível é apenas uma vantagem destes dispositivos que, tal como muitas outras ferramentas proporcionadas pela Internet, apaga- ram as barreiras de espaço e de tempo. “A capacidade de contactar, no imediato, com um outro utilizador da rede nos antípodas do espaço geográfico, e receber resposta quase imediata, abre um conjunto alar- gado de possibilidades, criando uma conjuntura, nunca antes possível, de comunicação global”2 . Todas estas possibilidades permitidas pelos blogs parecem co- locar- nos perante um alargamento do espaço público. Vozes e olhares sobre a realidade envolvente encontram assim uma nova forma de se afir- marem. O espaço público é alargado no âmbito da apresentação de 1 Decidimos usar neste trabalho, as expressões em inglês, uma vez que na língua portuguesa não está ainda reunido um consenso sobre os termos em causa (em Portu- gal utilizam-se de igual modo e com igual significado os termos blog, blogue, weblog e weblogue). Assim utilizaremos o termo blog, para nos referirmos ao dispositivo em si, e blogger, para nos referirmos ao seu autor. 2 Elisabete Barbosa e António Granado, Weblogs – Diário de Bordo, Porto, Porto Editora, 2004, p. 11. 1
  8. 8. i i i i i i i i 2 Catarina Rodrigues diferentes pontos de vista sobre determinados assuntos. Simultanea- mente, a comunicação é feita de forma cada vez mais segmentada e consequentemente fragmentada. O tema central desta dissertação será: “Blogs e a fragmentação do espaço público”. A fragmentação refe- rida manifesta-se sobretudo através da publicação individual permitida pelas potencialidades destas ferramentas e é analisada no primeiro ca- pítulo e justificada nos restantes quatro do trabalho. Na primeira parte, estuda-se a transformação estrutural do espaço público com especial incidência para a ideia que Jürgen Habermas for- mulou acerca deste conceito e da mudança estrutural verificada com o aparecimento dos meios de comunicação de massas. Colhendo algu- mas ideias de Kant, Habermas definiu o espaço público como “a esfera intermediária que se constitui historicamente, na época das Luzes, en- tre a sociedade civil e o Estado. É o lugar, acessível a qualquer cidadão, no qual se reúne um público para formular uma opinião colectiva. O intercâmbio discursivo de posicionamentos razoáveis sobre problemas de interesse geral permite o surgimento da opinião pública”3 . Adriano Duarte Rodrigues lembra que o aparecimento do jornalismo industrial implicou algumas mudanças, se não mesmo uma crise no espaço pú- blico moderno “na medida em que os jornais passaram a ser mais em- presas orientadas para o lucro do que para o debate e o confronto polí- ticos”4 . Tentaremos pois observar as mudanças mais significativas que atravessaram este conceito, uma problemática que Habermas associou aos meios de comunicação de massas, e a consequente fragmentação que se seguiu e que foi ainda mais acentuada com o aparecimento de novos meios como a Internet e mais concretamente, com os blogs. No fundo, estes dispositivos assumem-se como um fenómeno que está a re- volucionar a comunicação contemporânea. Definem-se sobretudo pelo carácter pessoal dos conteúdos transmitidos pelos seus autores, que en- 3 Dominique Wolton, E depois da Internet? - Para uma teoria crítica dos novos media, Lisboa, Difel, 2000, p. 199. 4 Adriano Duarte Rodrigues, Dicionário Breve da Informação e da Comunicação, Lisboa, Editorial Presença, 2000, p. 47. www.labcom.ubi.pt
  9. 9. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 3 contram neste suporte de fácil acesso uma total liberdade criativa, que neste caso, ultrapassa as regras onde assenta o jornalismo, nomeada- mente as regras editoriais e as rotinas produtivas. Será a blogosfera uma agora moderna em suporte virtual? Estarão os blogs a introduzir mudanças assinaláveis que permitem uma intervenção mais activa dos cidadãos no espaço público? Permitem, de facto, o seu alargamento? Ou são simplesmente mais uma forma de multiplicação de opiniões e interpretações do mundo que nos rodeia? Na segunda parte deste trabalho, reflecte-se sobre o regresso da sub- jectividade opinativa (regresso da opinião e do eu que escreve) que se perdeu com a industrialização do jornalismo e que reaparece agora com os blogs, aparentemente fora de qualquer tipo de constrangimentos ou interesses económicos. Aqui, o universo da blogosfera será comparado com o mundo do jornalismo. Em certa medida, parece que assistimos ao regresso da figura do publicista, termo que entretanto desaparecera e que se referia à existência de personalidades que escreviam nos jor- nais apesar de não serem jornalistas, intelectuais do século XIX que desapareceram com a profissionalização do jornalismo e o início da gestão industrial. Tentaremos encontrar exemplos disso mesmo, apon- tando as formas em que se apresenta actualmente esta subjectividade opinativa. Com os blogs, assiste-se ao regresso não apenas da opinião, mas também da sátira, dos delírios poéticos, do gosto pelo fantástico e de uma certa imaginação literária que fazia parte do jornalismo antes da industrialização. Com efeito, não representam determinados blogs uma tentativa de recuperar características do jornalismo quando este andava de braços dados com a literatura popular? Antes da industria- lização, o jornalismo era também feito de histórias bizarras, de sátiras, de polémica, enfim, de “estórias”, um pouco à semelhança do que é transmitido hoje por grande parte dos blogs. De salientar que muitas dessas “estórias” resultam de factos relacionados com acontecimen- tos concretos. Interessa portanto, neste caso, investigar os estudos que analisam o jornalismo no seu papel de contar “estórias” e de divulgar ideias. A industrialização desta actividade deu origem a uma escrita www.labcom.ubi.pt
  10. 10. i i i i i i i i 4 Catarina Rodrigues objectiva, centrada nos factos e apagou as marcas da subjectividade do autor. Perante um fenómeno que reúne um número cada vez maior de utilizadores, várias questões se colocam. O que leva um indivíduo a partilhar as suas opiniões e argumentos com uma comunidade ilimi- tada? Quais as motivações do autor de um blog para concretizar essa actividade constante? Mas, esta relação com o jornalismo vai muito além da opinião e por isso tentaremos, no terceiro capítulo, averiguar que outras relações, se- melhanças e diferenças, se podem encontrar entre este e a blogosfera. Qual o papel do jornalismo face ao crescimento da publicação pessoal? Até que ponto não se está a quebrar o que a imprensa de massas criou com a industrialização do jornalismo, com a produção em série, com a escrita objectiva e centrada nos factos e até com a especialização da profissão, em que as subjectividades do autor deixaram de ser expres- sas? Pode o jornalismo aproveitar os blogs para se rejuvenescer? Estas são apenas algumas das muitas questões que podem ser colocadas e que incentivam um estudo mais aprofundado sobre esta área. Parece-nos que os blogs não substituem nem o jornalismo, nem os meios de comunicação tradicionais, mas a verdade é que estão a fazê- los mudar. Parecem expandir o universo dos media. Permitem que qualquer cidadão participe no espaço público fragmentado e troque opi- niões acerca de um determinado assunto. Os blogs não vêm substituir o jornalismo, mas podem interagir com ele, favorecer o debate e ser um complemento. São um fenómeno comunicacional e os próprios jornais veiculam informações produzidas por eles. Nesta parte do trabalho, analisaremos a relação entre estas duas áreas, que em nosso entender, são distintas e não devem ser confundidas, embora haja espaço para um intercâmbio cada vez maior. Tentaremos observar esta realidade à luz de exemplos concretos referentes à publicação que é feita em blogs. Uma das principais características dos blogs, particularmente dos portugueses, prende-se com o facto de serem muito opinativos e pouco informativos. Muitos comentam a actualidade e vivem por isso de ou- tros meios de comunicação e do agendamento destes. Mas, na blogos- www.labcom.ubi.pt
  11. 11. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 5 fera, os leitores encontram o que escasseia nos jornais: sentido de hu- mor, gosto pela polémica e lugar para ideias marginais onde o conheci- mento é partilhado. Existe liberdade sem limites de espaço e de tempo. “A blogosfera é um espaço extenso, sem limites definidos, muito dife- rente neste sentido de outros géneros de comunicação”5 . A propósito do regresso da subjectividade opinativa e de uma in- tervenção mais activa dos leitores no processo de comunicação e logo, na sociedade civil e na construção de uma opinião pública, torna-se in- teressante tentar perceber se será ou não possível falar de blogs como uma forma de jornalismo participativo. Aqui seria importante anali- sar esta participação em dois sentidos diferentes. Em primeiro lugar, enquanto jornalismo complementar, através do qual é possível discutir notícias com o autor das mesmas, comentando-as. O blog seria, neste caso, complementar à própria versão online do meio de comunicação relacionando-o com o público e criando interactividade com os leito- res. Em segundo lugar, enquanto uma forma de jornalismo alternativo, no sentido em que apresenta notícias que não aparecem nos media tra- dicionais. Às vezes, estas surgem através dos próprios jornalistas que encontram no espaço dos blogs uma outra liberdade que não têm no meio de comunicação para o qual trabalham. Neste caso particular, os blogs assumem formas específicas de jornalismo e abordam questões que os media não tocam. O tema e os objectivos do nosso trabalho, que consiste sobretudo na tentativa de compreensão do papel dos blogs na fragmentação do espaço público, permitirá reflectir sobre a importância destes e a sua relação, nem sempre pacífica, com os media tradicionais. Para além do jornalismo, o papel dos blogs e a sua utilização tem-se destacado em muitas outras áreas, como é o caso do ensino, da política, da cultura, do contexto organizacional e até do contexto regional. Por isso, dedicaremos uma quarta parte a analisar a importância destes dis- positivos nestas áreas sociais que encontramos assim segmentadas. Na 5 Adolfo Estalella, Anatomia de los blogs. La jerarquia de lo visible, disponível em: http://www.campusred.net/telos/articulocuaderno.asp?idArticulo=9&rev=65 www.labcom.ubi.pt
  12. 12. i i i i i i i i 6 Catarina Rodrigues área do ensino têm surgido exemplos interessantes de interacção entre professores e alunos, não só no ensino superior, mas também no ensino secundário. A política ocupa uma parcela importante da blogosfera. Os cidadãos sentem-se motivados para debater e dar a sua opinião sobre “causas públicas”, algo que parecia estar adormecido. A manifestação pelas mais variadas formas culturais, a utilização de blogs nas empre- sas e a promoção de determinadas localidades e regiões conseguida na blogosfera merece também uma atenção especial. Sem qualquer pretensão de os categorizar exaustivamente, faremos uma viagem por alguns blogs portugueses no sentido de encontrar formas em que estes dispositivos se têm revelado úteis em determinadas áreas. Na quinta e última parte, estuda-se o papel dos blogs na representa- ção da identidade: há quem faça destes “diários” uma forma de exposi- ção da própria intimidade. Uma parte significativa dos blogs traduz-se em novas aparições do eu no espaço público. Conta-se o dia a dia, expõe-se a personalidade, a opinião, ou uma qualquer preocupação e criam-se redes de leitores que mantém este fenómeno vivo e em cons- tante processo de renovação. As subjectividades dos autores são ex- pressas por identidades que se procuram afirmar e ser reconhecidas na vasta blogosfera. Para além dum espaço de liberdade total, os blogs, ou pelo menos alguns deles, apresentam-se também como um exercício de narcisismo, onde se incluem imagens, poemas, reflexões íntimas, entre tantas outras coisas. O objectivo não é mais do que apresentar o próprio eu a uma determinada comunidade. Aqui encontramos uma diluição cada vez maior entre o público e o privado. Estaremos assim perante o regresso da subjectividade, da afirmação do eu? Para além desta exposição individual, muitas vezes escondida no anonimato e no pseudónimo, será que podemos também falar na possibilidade de criar comunidades, a partir de blogs, que em maior ou menor grau defendem, de forma activa, interesses em comum? Na tentativa de dar respostas às várias questões aqui colocadas, da- mos então início a esta viagem pela blogosfera portuguesa no sentido de desvendarmos os factores que contribuem para a fragmentação do www.labcom.ubi.pt
  13. 13. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 7 espaço público. Em relação à metodologia, teremos por base, não só a bibliografia existente sobre as várias temáticas que pretendemos abor- dar, mas também a opinião que os próprios bloggers vão tecendo sobre alguns temas em causa, porque são eles de facto os intervenientes acti- vos na blogosfera. Tentaremos assim fazer uma análise reflexiva dando exemplos concretos e considerando ainda os dados recolhidos através de um inquérito realizado sobre a blogosfera portuguesa. Partimos as- sim à descoberta de um novo território comunicacional que alarga ho- rizontes e envolve milhares de utilizadores. www.labcom.ubi.pt
  14. 14. i i i i i i i i
  15. 15. i i i i i i i i Capítulo 1 A fragmentação do espaço público “Embora possamos reconhecer na agora grega já uma realização do espaço público, a sua origem moderna remonta ao século XVII, altura em que surgiu no contexto do espírito iluminista que então se desenvolveu na Europa”1 . Adriano Duarte Rodrigues Os meios de comunicação tradicionais têm evoluído no sentido de explorar determinados segmentos de público. Há cada vez mais meios dirigidos a um público específico até porque a sociedade é um mosaico composto por públicos diferentes. Assistimos actualmente a uma frag- mentação crescente dos media visível, por exemplo, no nascimento de canais temáticos ou no aparecimento de publicações especializadas. A mediatização generalizada em que vive a sociedade modificou a relação estabelecida entre os indivíduos e a visão que eles têm do mundo. Os meios de comunicação suportam conteúdos que contribuem para uma representação social da realidade e têm evoluído no sentido de explorar 1 Adriano Duarte Rodrigues, Dicionário breve da informação e da comunicação, Lisboa, Editorial Presença, 2000, p. 46 9
  16. 16. i i i i i i i i 10 Catarina Rodrigues uma audiência segmentada, fomentando a diversidade, a qual se tor- nou ainda mais evidente com o aparecimento e crescente utilização da Internet que constituiu mais um forte contributo para a fragmentação social e cultural. Com este meio surgem novas dinâmicas e movimen- tos sociais. “De certa forma, a Internet estava destinada a ser um meio social desde o começo – aberta, sem regulação, extensível e imprevisí- vel. Como o telefone, elimina uma das barreiras críticas para manter as redes sociais: a geografia. Para o fazer, a Internet torna possível que um vibrante universo social surja impulsionado pela paixão de milhões”2 . Com os novos meios que vingam na web, não existem fronteiras. Na sua maioria, estes meios não são institucionalizados: pertencem a quem neles participa. Surgem assim novas formas de expressão e co- municação que têm influência nas relações sociais e nos processos de produção, reprodução, construção, reconstrução e representação da re- alidade. “Através dos novos dispositivos, o Homem liberta-se de todos os grilhões referenciais que o aprisionavam ao mundo real e aventura- se na criação de novos mundos virtuais. O Homem lança-se assim numa nova aventura, no âmbito da qual a própria noção de espaço e de tempo é subvertida, protagonizada pelos novos media, dispositivos tec- nológicos que operam a recontextualização comunicacional dos nossos dias”3 . As novas tecnologias permitiram a erupção dos self media enten- didos como meios de comunicação usados por uma pessoa ou por um pequeno grupo de pessoas sem dependência de um constrangimento organizacional, institucional ou editorial. O desenvolvimento dos self media só foi possível graças à evolução registada ao nível tecnológico. Um cidadão pode agora ser, não apenas receptor, mas também produtor de informação, com a vantagem de o fazer a custos reduzidos. Neste 2 Shayne Bowman e Chris Willis, Nosotros, el médio. Cómo las audiencias están modelando el futuro de la noticias y la información, 2003, disponível em: www.hypergene.net/wemedia/espanol.php, p. 17. 3 Ana Sofia Bentes Marcelo, Novos media: inauguração de novas formas de soci- abilidade, Actas do II Congresso Ibérico de Ciências da Comunicação (versão elec- trónica), Covilhã, Universidade da Beira Interior, 2004, p 1. www.labcom.ubi.pt
  17. 17. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 11 domínio, é obrigatório falar de blogs onde o espaço de liberdade no que diz respeito à troca de ideias parece ser total. Estes dispositivos impul- sionam a formação de novos espaços de debate e discussão o que em determinados pontos faz lembrar algumas ideias defendidas por Jürgen Habermas, apesar das situações, até pelo seu contexto histórico, serem completamente distintas. Importa, por isso, identificar as principais ca- racterísticas da esfera pública defendida por este autor, observar em que medida podem alguns desses pontos ser encontrados também na blogosfera e averiguar a possibilidade ou não de falar na formação de novos espaços públicos na sociedade actual, atendendo, como é óbvio, às suas especificidades históricas. Na obra Mudança Estrutural da Esfera Pública, Habermas fala do declínio da esfera pública burguesa e do surgimento do capitalismo in- dustrial e da democracia de massas. Será por isso interessante clarificar o conceito de espaço público defendido por este autor, com especial destaque para a formação do espaço público moderno4 . Os conceitos 4 Habermas bebeu alguma da sua inspiração na obra de Hannah Arendt onde está presente a ideia de liberdade e onde é defendido um espaço para a política. As ideias que cada um apresenta sobre os conceitos de “público” e privado” assumem-se como cruciais para estabelecer uma distinção entre o pensamento dos dois autores. Arendt vê a esfera pública como um espaço de virtude e de honra. A autora é mesmo, muitas vezes, acusada de ter uma visão elitista sobre esta matéria. Já Habermas transmite uma visão mais sociológica, onde o discurso tem um papel fundamental e onde se pretende modelar o agir político. Para Arendt, o privado diz respeito à vida em fa- mília onde, por exemplo, são satisfeitas as necessidades básicas do Homem. “A dis- tinção entre uma esfera de vida privada e uma esfera de vida pública corresponde à existência das esferas da família e da política como entidades diferentes e separadas, pelo menos desde o surgimento da antiga cidade-estado” (Hannah Arendt, A condi- ção humana, Lisboa, Relógio d’ Água, 2001, p. 43). Tudo o que não diga respeito à organização da polis fica de fora pois o público diz respeito à vida colectiva do Es- tado. Talvez neste ponto possamos questionar o facto de não ser dado qualquer lugar para as simples histórias de rosto humano, mas a verdade é que Hannah Arendt não oferece espaço para isso, uma vez que defende uma esfera pública clássica. A polis demarca-se do carácter particular, familiar por se tratar de uma organização composta por membros de igual para igual. Neste ponto, em que Arendt estabelece um corte radical entre o público e o privado, podemos observar uma distinção entre o pensa- www.labcom.ubi.pt
  18. 18. i i i i i i i i 12 Catarina Rodrigues modernos de público e privado nasceram na época do Iluminismo, ape- sar do conceito de espaço público já ser anterior enquanto forma que permitia a troca de opiniões entre os cidadãos, nomeadamente sobre as- suntos de ordem política. O espaço público é, pois, condição essencial para o desenvolvimento da instância política moderna. Não podemos esquecer as diferenças entre o espaço público bur- guês e a agora grega na qual havia um corte radical entre público e privado. Inicialmente poderia dizer-se que o espaço público era um es- paço físico: uma praça, por exemplo. É a “redefinição do privado que permite, em contraponto, ao espaço público desenhar-se e afirmar-se”5 . “Habermas nota que, para os gregos, a cidade (polis) é a coisa co- mum a todos os cidadãos livres e que está estritamente separada da esfera privada (oikos), que é própria de cada indivíduo. A agora é, pois, o lugar concreto onde todos os cidadãos devem mostrar-se para debater as questões de interesse para o governo da Cidade. Esta es- fera pública constitui o reino da liberdade com um direito igual para todos os cidadãos livres de participarem directamente nos assuntos pú- blicos, enquanto que a esfera privada é o espaço de domínio do dono da casa (sobre a mulher, as crianças, os escravos)”6 . Aqui podemos notar, desde logo, um ponto em que a esfera pública e a política se tocam. Quanto à esfera pública burguesa, Habermas considera-a um espaço homogéneo onde as pessoas utilizam a razão para a troca de argumen- tos e ideias. “A esfera pública burguesa pode ser entendida inicialmente como a esfera das pessoas privadas reunidas em um público; elas rei- vindicam esta esfera pública regulamentada pela autoridade, mas di- rectamente contra a própria autoridade, a fim de discutir com ela as leis gerais da troca na esfera fundamentalmente privada, mas publi- camente relevante, as leis do intercâmbio de mercadorias e do traba- mento desta autora e de Jürgen Habermas, uma vez que para ele, o espaço público é no fundo, uma associação de pessoas privadas. 5 José Augusto dos Santos Alves, O poder da comunicação. A história dos media dos primórdios da imprensa aos dias da Internet, Cruz Quebrada, Casa das Letras, 2005, p. 83. 6 Rémy Rieffel, Sociologia dos Media, Porto, Porto Editora, 2003, p. 45. www.labcom.ubi.pt
  19. 19. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 13 lho social”.7 As primeiras manifestações desta esfera pública burguesa surgem nos chamados “salões” e nos cafés ou coffee-houses. Segundo o autor, o crescimento do público burguês foi possível devido à cres- cente transmissão de informação, principalmente a nível mercantil e financeiro. “O Espaço Público Liberal supõe a existência de indiví- duos autónomos, capazes de produzirem a sua opinião, não “alienados aos discursos dominantes”, acreditando nas ideias e na argumentação e não apenas no afrontamento físico”8 . Convém, contudo, lembrar que o povo é excluído desta discussão, uma vez que não lhe é reconhecida a competência necessária para o debate. Habermas associa a esfera pública ao plano literário e ao plano da arte, apesar de existir um momento na história do iluminismo em que a arte perde a sua dimensão de poder. “Foi no domínio da cultura que se definiram e iniciaram os princípios da sua organização e as regras do seu funcionamento, antes de se estenderem à esfera política”9 . Antes das pessoas começarem a discutir questões políticas, discutiam litera- tura, entre outros temas de natureza diversa que as mobilizavam. No século XVIII, aparece todo um conjunto de obras, centradas na vida das pessoas comuns pertencentes à burguesia emergente, que ad- quiriram uma visibilidade crescente. “Assim, a formação moderna da opinião pública ao longo do iluminismo ocorre inicialmente em espa- ços íntimos de discussão de ideias, com apresentação em primeira-mão das obras, para medir as reacções, trans- ferindo-se, depois, para os debates mediatizados pelos meios impressos, por meio da colaboração de uma intelectualidade crítica nascente”10 . Forma-se uma esfera pú- blica composta por leigos oriundos da burguesia que discutem o gosto 7 Jürgen Habermas, Mudança Estrutural na Esfera Pública, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1994, p. 42. 8 José Augusto dos Santos Alves, O poder da comunicação. A história dos media dos primórdios da imprensa aos dias da Internet, Cruz Quebrada, Casa das Letras, 2005, p. 84. 9 Idem, p. 86. 10 Rogério Santos, Os novos media e o espaço público, Lisboa, Gradiva, 1998, p. 10 e 11. www.labcom.ubi.pt
  20. 20. i i i i i i i i 14 Catarina Rodrigues e participam na formulação dos juízos críticos. Esta esfera pública fun- ciona na prática como um autêntico “laboratório de ensaios” de ideias e de argumentos. O papel da arte liga-se ao quotidiano das pessoas. Os sentimentos começam a ser objecto da vida quotidiana. Os autores colocam as suas obras ao juízo crítico das pessoas vulgares e todos se podem pronunciar. Segundo Habermas, foi na arte e na literatura que se criou este laboratório de debate, depois transposto para a política. A esfera literária politiza-se. As pessoas passam a discutir assuntos que dizem respeito à vida colectiva. João Carlos Correia lembra as principais características da esfera pública moderna, tal como ela foi pensada, sobretudo por Jürgen Ha- bermas: “a emergência de uma forma de racionalidade que se identifi- cou com a emancipação, em relação às explicações metafísicas e teo- lógicas; o aparecimento de uma forma de subjectividade constituída na vivência da família restrita, da literatura e da propriedade, e que teve a sua tradução política na emergência do cidadão, isto é, do sujeito livre e racional que participa na formação de uma opinião esclarecida; o apa- recimento de uma publicidade crítica entendida como a publicitação, com vista ao debate, das decisões do poder, a fim de que a legitimidade de tais decisões fosse obtida no tribunal da opinião pública; e o exercí- cio efectivo de formas dialógicas de interacção no debate em ordem à constituição da opinião mais esclarecida”11 . O autor refere assim algumas componentes da esfera pública ide- alizada por Habermas como a capacidade argumentativa e a liberdade de problematização e questionamento do cidadão com base na troca de argumentos entre iguais. A comunicabilidade entre os indivíduos na es- fera pública era assim identificada com o exercício da razão. Em muitos dos pontos referidos descortinamos já algumas semelhanças entre este modelo de esfera pública e a blogosfera, no sentido em que ambas se configuram como uma instância onde todos podem falar, questionar-se e debater sobre tudo. Esta relação é de facto o aspecto que mais nos 11 João Carlos Correia, Jornalismo e Espaço Público, Colecção Estudos em Co- municação, Covilhã, Universidade da Beira Interior, 1998, p. 21. www.labcom.ubi.pt
  21. 21. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 15 importa abordar, mas, antes de desenvolver este tema, importa lembrar quais as principais causas a que Habermas atribui o declínio da esfera pública burguesa, as quais são directamente relacionadas com a indus- trialização dos media. Depois desta abordagem poderemos observar a possibilidade ou não de recuperar algumas das características da esfera pública habermasiana para os novos espaços que se formam, dia após dia, através do recurso aos blogs. 1.1 A esfera pública e a mudança estrutural Segundo Habermas, a esfera pública burguesa entra em decadência com o início do capitalismo industrial e da democracia de massas. A comunicação característica dos salões e cafés cede assim lugar à co- municação mediatizada e de massas. “Na passagem do público que pensa a cultura para o público que consome cultura, o que anterior- mente ainda se permitia que se distinguisse como esfera pública lite- rária em relação à esfera política perdeu o seu carácter específico. A “cultura” difundida através dos meios de comunicação de massa é par- ticularmente uma cultura de integração”12 . A informação difundida é fragmentada e, muitas vezes, descontínua. Os cidadãos recebem um grande número de informação, mas perde-se o carácter de debate que vigorava até então. “A esfera pública emergente foi progressivamente pressionada, de um lado, pela expansão de um estado intervencionista que assumiu cada vez mais um amplo raio de funções de bem-estar e, de outro, pelo crescimento massivo das organizações industriais que tomaram cada vez mais um carácter semipúblico”13 . Os salões e cafés foram perdendo as características que até então os caracterizavam como espaços privilegiados de debate na esfera pública 12 Jürgen Habermas, Mudança Estrutural na Esfera Pública, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1994, p. 207. 13 John B. Thompson, Ideologia e cultura moderna. Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa, Petrópolis, Editora Vozes, 2a edição, 1998, p. 147. www.labcom.ubi.pt
  22. 22. i i i i i i i i 16 Catarina Rodrigues burguesa. Por sua vez, os meios de comunicação de massas ganharam terreno e transformaram-se em autênticas indústrias. O conceito de es- fera pública conheceu assim mudanças significativas, mas Habermas acredita, no entanto, nas potencialidades dos media em desenvolver públicos, embora adiante que não tenha sido esse o percurso seguido pelas sociedades contemporâneas. O autor acredita na ligação entre democracia e publicidade crítica e introduz os públicos como espaços activos. Ao lado das massas amorfas existem públicos críticos, par- ticipativos e racionais. Os media, nomeadamente a imprensa escrita, são vistos como tendo a capacidade de proporcionar aos cidadãos in- formação que contribua para um debate racional. Assiste-se a uma “reestruturação da esfera pública enquanto uma esfera que pode ser apreendida na evolução da sua instituição por excelência: a imprensa. Por um lado, na mesma medida da sua comercialização supera-se a di- ferença entre circulação de mercadorias e circulação do público: dentro do sector privado, apaga-se a nítida delimitação entre esfera pública e esfera privada. Por outro lado, no entanto, a esfera pública, à medida que a independência das suas instituições só pode ser ainda assegu- rada mediante certas garantias políticas, ela deixa de ser de modo geral exclusivamente uma parte do sector privado”14 . O acesso crescente à imprensa, por parte dos cidadãos, provoca transformações no funcio- namento da esfera pública. “O papel da imprensa em particular e dos media em geral é, desde logo, ponderado: será que favorecem a con- solidação de um espaço público onde os cidadãos trocam argumentos racionais com vista ao bem comum, ou provocam, como o sugere Ha- bermas, uma diluição dos ideais democráticos?15 ”. Assim, “os jornais deixam de ser o mero suporte de grandes cruzadas ideológicas para in- cluírem secções destinadas ao entretenimento. Os jornalistas começam a discutir as questões relacionadas com a objectividade e a imparciali- 14 Jürgen Habermas, Mudança Estrutural na Esfera Pública, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1994, p. 213. 15 Rémy Rieffel, Sociologia dos Media, Colecção Comunicação, Porto, Porto Edi- tora, 2003, p. 46. www.labcom.ubi.pt
  23. 23. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 17 dade tendo em vista a necessidade de alcançar públicos mais vastos in- dependentemente da diversidade de credos e proveniências sociais”16 . A subjectividade do autor começa a ser apagada, a opinião adquire me- nos importância e a principal preocupação consiste em alcançar um maior número de leitores, tendo em conta os objectivos comerciais e, em última análise, o lucro. Mas, à medida que se forma uma escrita especializada e aumenta o número de leitores, aumenta também o gosto pela privacidade. Se há algo que caracteriza o Iluminismo é o seu individualismo profundo. O espaço público é uma associação pública de pessoas privadas. Haber- mas acredita que os media têm possibilidade de dar origem ao debate, aos temas que dizem respeito à vida comunitária. “Embora, os desen- volvimentos dos séculos XIX e XX tenham minado a esfera pública burguesa e transformado o princípio da publicidade num instrumento de interesses pré estabelecidos, Habermas não descarta a possibilidade de que as ideias e princípios, originalmente presentes na esfera pública possam ser reconstituídos em bases diferentes no futuro17 ”. A imprensa aparece ligada à formação da opinião pública e não é possível pensar em opinião pública sem pensar num espaço público onde os media se movimentam. Porém, “ao mesmo tempo que cresce o número de lei- tores de jornais, a imprensa de intervenção política, fundamental no período primitivo dos media, perde a sua influência”18 . Juntamente com a industrialização dos media em geral, e com es- pecialização do jornalismo em particular, começa também a assistir-se, a uma crescente fragmentação cultural e, consequentemente, das are- nas de visibilidade. “Hoje, o espaço público, entendido no seu sentido mais lato enquanto espaço de visibilidade pública, encontra-se sujeito a tensões fragmentárias. Entre os factores sociais que mais têm contri- 16 João Carlos Correia, Jornalismo e Espaço Público, Colecção Estudos em Co- municação, Covilhã, Universidade da Beira Interior, 1998, p. 91. 17 John B. Thompson, Ideologia e cultura moderna. Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, Editora Vozes, 2a edição, 1998, p. 149. 18 Rogério Santos, Os novos media e o espaço público, p. 11. www.labcom.ubi.pt
  24. 24. i i i i i i i i 18 Catarina Rodrigues buído para esta tendência destacam-se o actual sistema de consumo e, em particular, os modernos dispositivos tecnológicos de mediação”19 . Surgem novas dinâmicas sociais reflectidas no espaço público a par- tir de algumas tendências de fragmentação crescente induzidas pelos novos media. É também devido a estes fenómenos que surgem novas identidades. “Esta tendência para a segmentação lança dúvidas sobre a fiabilidade e solidez da esfera pública, da qual apenas se vislumbraria uma pálida nostalgia. Sob o signo do multiculturalismo, os media de hoje, organizados em segmentos alvo e subculturas de consumo, ca- pitalizam graças à multiplicação de fronteiras identitárias. No limite, recorre-se a um novo elemento induzido pelas tendências mais recentes dos media: a transformação do quotidiano individual numa mercadoria de elevada rentabilidade (até pela dispensa de actores especializados) confundir-se-ia com o direito de acesso democrático à visibilidade”20 . A visibilidade dada aos temas agendados pelos media nem sempre sa- tisfaz os receptores da informação que se refugiam noutras formas de comunicar em espaços informais de discussão onde contribuem com a sua opinião própria e enriquecem o debate, seja sobre a actualidade seja sobre um tema específico ou alternativo. “A fragmentação é também reflexo da “segmentação” da mensagem comunicativa, muito mais es- pecífica para um receptor ou grupo concreto de receptores”21 . Os blogs são um óptimo exemplo de uma segmentação temática que contribui para o processo mais geral de fragmentação a que nos temos vindo a referir.Existem blogs sobre política, humor, literatura, tecnologia, ci- nema, jornalismo, ciência, entre muitos outros temas. Debruçando-se sobre uma temática específica, ou sobre a própria vida íntima do seu autor, vão ao encontro de determinado tipo de receptores, mobilizando 19 João Carlos Correia, A fragmentação do espaço público: novos desa- fios ético-políticos, disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/correia-joao-carlos- fragmentacao-do-espaco-publico.pdf, p. 1 e 2. 20 Idem, p. 3 21 Javier Diaz Noci, La escritura digital, Hipertexto y construcción del discurso informativo en el periodismo electrónico, Bilbao, Servicio Editorial de la Universidad del País Vasco, 2001, p. 97. www.labcom.ubi.pt
  25. 25. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 19 a sua atenção. Para além disso, os blogs apresentam-se como vigilantes atentos ao que passa nos media tradicionais e falam sobre os mais diver- sos assuntos para os mais variados públicos. Tal como Rogério Santos, podemos colocar a seguinte questão: “Como funciona a esfera pública na era da sociedade de massas e dos meios electrónicos de comunica- ção?”22 Estaremos perante a reconstrução de novos espaços de debate onde se trocam argumentos de forma racional? Até que ponto, o apare- cimento de blogs e a sua crescente utilização não está a quebrar o que a imprensa de massas criou com a industrialização do jornalismo, com a produção em série, com a escrita objectiva e centrada nos factos e até com a especialização da profissão, fenómenos em que as subjectivida- des do autor deixaram de ser expressas? A evolução dos meios tecno- lógicos e as novas ferramentas comunicativas acessíveis a um cada vez maior número de cidadãos têm obrigatoriamente que estar envolvidas nas respostas possíveis a estas questões. A tecnologia alterou a forma de comunicar. Um novo meio acrescenta sempre algo novo, mesmo que não se sobreponha aos anteriores e ocupe simplesmente um novo espaço. 1.2 Alargamento do espaço público A alteração tecnológica foi uma das causas que contribuiu para uma mudança radical do espaço público. Podemos mesmo falar numa multi- plicidade de espaços públicos que vigoram graças à crescente utilização de novas tecnologias da informação e da comunicação. É assim possi- bilitada a criação de novas esferas públicas onde se desenvolve o debate com base na troca de argumentos. “Surgiram possibilidades efectivas de divulgar conteúdos críticos de interesse público e incrementaram- se espaços de observação que exercem a sua vigilância crítica sobre os media que pertencem ao mainstream, denunciando uma informa- 22 Rogério Santos, Os novos media e o espaço público, Lisboa, Gradiva, 1998, p. 13. www.labcom.ubi.pt
  26. 26. i i i i i i i i 20 Catarina Rodrigues ção comercial ou relacionada com interesses estratégicos dominantes, para, em seu lugar, veicular visões alternativas produzidas no exterior do establishment mediático. No sentido da democratização do sistema mediático, surgiram oportunidades como uma certa proliferação de im- prensa alternativa, a democratização das redes informáticas, a expansão de rádios e televisões comunitárias e as televisões de acesso público”23 . Por outro lado, é visível o nascimento de novos espaços que promo- vem o debate sobre os mais variados temas, permitindo que o receptor deixe de ser passivo face aos conteúdos que são recebidos pelos me- dia. Por isso, convém dizer que o espaço público “é o resultado de um movimento de emancipação que valorizou a liberdade individual, a expressão de opiniões e que permite aos agentes políticos, sociais, religiosos e culturais dialogar, opor-se e responder uns aos outros pu- blicamente. Designa, ainda, actualmente, o conjunto de cenas e palcos mais ou menos institucionalizados onde se debatem as questões do mo- mento. A imprensa, a rádio, a televisão, mas também, desde há algum tempo, a Internet, constituem, por esta razão, canais e filtros essenci- ais desta troca de pontos de vista”24 . Nos dias de hoje assumem-se mesmo como elementos fundamentais para a troca de ideias e para o desenvolvimento dos debates na esfera pública. Assiste-se, assim, a uma transformação estrutural do espaço pú- blico que se manifesta “através da segmentação dos fenómenos de pro- dução e recepção”25 . Este fenómeno deve-se em grande parte à Inter- net, às novas tecnologias, à mediatização generalizada e acima de tudo à facilidade que cada indivíduo tem na publicação pessoal. “Os mo- vimentos sociais tendem a ser fragmentados, locais, com um objectivo 23 João Carlos Correia, Comunicação e Cidadania. Os media e a fragmentação do espaço público nas sociedades pluralistas, Colecção Media e Jornalismo, Lisboa, Livros Horizonte, 2004, p. 163. 24 Rémy Rieffel, Sociologia dos Media, Colecção Comunicação, Porto, Porto Edi- tora, 2003, p 46. 25 João Carlos Correia, A fragmentação do espaço público: novos desa- fios ético-políticos, disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/correia-joao-carlos- fragmentacao-do-espaco-publico.pdf, p. 1. www.labcom.ubi.pt
  27. 27. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 21 único e efémero, ora fechados nos seus mundos interiores ora brilhando por um instante em torno de um símbolo dos media. Num mundo de mudanças confusas e incontroladas, as pessoas tendem a reagrupar-se em torno de identidades primárias: religiosas, éticas, territoriais e na- cionais”26 . A segmentação em torno de determinados interesses é cada vez mais evidente. Os novos dispositivos de comunicação acentuam essa tendência. 1.3 O papel inovador dos blogs Os blogs vêm permitir algo novo, algo que os media de massas não po- diam dar, pelo menos com total plenitude: a possibilidade de cada um dar a sua opinião sobre um determinado assunto. Recorde-se que blog é uma abreviação de weblog que resulta das palavras inglesas web (rede) e log (diário de bordo onde os navegadores registavam os pormenores das viagens realizadas)27 . Na realidade os blogs podem ser considera- dos autênticos diários, mas em formato electrónico. Nos últimos anos, tem surgido um número crescente de blogs, sendo que o verdadeiro boom da blogosfera se deu em 200328 . Em Fevereiro de 2006, segundo os dados avançados pelo Technorati29 , existiam mais de 29 milhões 26 Manuel Castells, A era da informação: economia, sociedade e cultura. Volume I. A sociedade em rede, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2002, p.3. 27 Paulo Querido, Blogs, Lisboa, Centro Atlântico, 2003, p. 9. 28 O surgimento de um dos primeiros blogs – Scripting News – no mundo, é atri- buído a Dave Winer, (http://www.scripting.com/), em 1997. Em Portugal, segundo um trabalho publicado em http://blogo.no.sapo.pt/25momentos/index.htm, o primeiro blog – Macacos sem Galho – surgiu em Março de 1999. Neste mesmo ano os blogs começaram a ganhar popularidade com o lançamento dos sites Blogger e Weblog- ger que possibilitaram a criação e manutenção de blogs por qualquer pessoa, uma autêntica revolução na edição de textos na web. Grande parte do potencial destes dispositivos foi revelada em 2002, durante a invasão ao Iraque, quando Salam Pax publicou a sua própria experiência na guerra e a sua visão dos acontecimentos, num blog (http://dear_raed.blogspot.com/). Em 2003 assistiu-se ao verdadeiro boom da blogosfera. 29 http://www.technorati.com www.labcom.ubi.pt
  28. 28. i i i i i i i i 22 Catarina Rodrigues de blogs em todo o mundo. Em Portugal existem aos milhares (aloja- dos no serviço lançado pelo Sapo - servidor da PT, no Weblog.com.pt e nos servidores internacionais Blogger e Weblog), sendo impossível uma contabilização certa e definitiva. Qualquer pessoa pode ter o seu próprio blog para nele dar a sua opinião e tecer comentários sobre os mais variados assuntos. Para isso, basta ter um computador com liga- ção à Internet, seguir uns pequenos passos e mergulhar no mundo da blogosfera. Tal tarefa é facilitada pela simples actualização das páginas que dispensam conhecimentos em HTML30 que, por exemplo, são ne- cessários para a simples manutenção de outro tipo de sites. No fundo, estas páginas oferecem espaços de opinião impossíveis de concretizar nos media tradicionais. Claro que essa informação pode ou não chegar a um elevado número de utilizadores, até porque o número de pessoas que têm acesso à Internet é ainda reduzido. Certo é que quem escreve anseia ser lido por alguém, deseja ter visibilidade, ser reconhecido não só pelo público, mas também pelos seus pares. A liberdade criativa, a instantaneidade, a interactividade e a ausência de constrangimentos económicos são características fundamentais apresentadas pelos blogs. Estes dispositivos, pelo menos alguns deles, são um caso exemplar de um meio que exerce uma vigilância crítica e constante sobre os meios de comunicação social e não só. Se alguns se limitam a divulgar pensa- mentos íntimos expondo uma determinada experiência da identidade, outros há que, pelo elevado número de leitores que conseguem alcan- çar, desempenham a função, não só de informar, mas também de de- bater assuntos que, muitas vezes, são de interesse público. O conjunto de vozes individuais consegue, assim, promover um debate colectivo onde se acrescenta informação e se desenvolve a interacção entre os intervenientes através da troca de argumentos. Podem, assim, os blogs concretizar alguns dos traços da esfera pú- blica profetizados ou descritos pelas teorias habermasianas? É possível encontrarmos algumas semelhanças entre a blogosfera e o espaço pú- 30 Hypertext Markup Language, linguagem na qual se baseiam grande parte dos sites da World Wide Web e que permite a navegação por hipertexto. www.labcom.ubi.pt
  29. 29. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 23 blico burguês. A propósito da Internet, Maria João Silveirinha dizia que esta “pode ser lida como um espaço neutro, não-coercivo para a livre troca de ideias. Os textos são geralmente publicados sem restri- ções de conteúdo, o anonimato pode ser assegurado e os marcadores de género, raça, e classe, se bem que não estejam ausentes, podem ser evitados. Nesse sentido, as relações de poder são minimizadas. É preciso convencer pela persuasão, não pela força. No entanto, não se pode ignorar a comunicação ‘desespacializada’ operada na Internet, ou transferir para a comunicação mediada por computador um modelo ha- bermasiano de interacção humana para descrever a tomada de decisões pela interacção face-a-face”31 . Apesar de todas as cautelas, esta con- cepção da Internet em geral pode aplicar-se ao caso concreto dos blogs. Parece-nos coerente a hipótese de considerar estes dispositivos como sendo capazes de, pelo menos em algumas circunstâncias, partilhar al- gumas características do espaço público, como sejam um discurso li- vre, universal e transparente e a emergência de uma comunidade crítica que em determinados casos, pode mesmo originar um verdadeiro de- bate ideológico. Mas, ao contrário do sentido defendido por Habermas, com os blogs esse debate não é realizado em presença, tendo por isso características próprias. A interacção não ocorre em tempo real, em- bora quase. Aos blogs acrescentam-se um conjunto de características que me- recem ser referidas e que influenciam de forma decisiva a comunicação entre as pessoas. A interactividade é um desses aspectos que, apesar de ser já possibilitado por meios anteriores, parece atingir na rede a sua total plenitude. Os blogs são um exemplo. A maioria permite co- mentários sobre os seus conteúdos, praticamente em tempo real. Estes dispositivos acabam por cumprir aquela que foi sempre uma promessa da web, a comunicação e troca de informação entre as pessoas, de uma 31 Maria João Silveirinha, Novos media, velhas questões, in Correia, João Carlos Correia, Fidalgo, António, Serra, Paulo (Orgs.). Informação e Comunicação Online, Volume III – Mundo Online da Vida e Cidadania, Covilhã, Universidade da Beira Interior, 2003 p. 112. www.labcom.ubi.pt
  30. 30. i i i i i i i i 24 Catarina Rodrigues forma instantânea, independentemente da sua localização geográfica. Para além disso, através dos links e hiperligações, cada blog acaba por ser uma sugestão para visitar outros sites, outros blogs, outras opiniões. “O desenvolvimento das novas tecnologias obriga à redefinição das re- lações comunicativas entre os informadores, as fontes de informação e a audiência”32 . Esta forma de publicação pessoal e auto-edição parece de facto alargar o espaço de participação dos cidadãos, multiplicando ou se quisermos, criando novos espaços públicos que podem ou não ser ampliados pelos media e pela sociedade em geral. Um conjunto de novas vozes acompanha questões públicas e não só, indicando assim que a cidadania se exerce também na Internet e através dela. A troca livre de ideias possibilitada a todos, para além de reme- ter para a esfera pública, remete para o conceito de democracia que só existe se os cidadãos puderem expressar-se, trocar argumentos e dar a sua opinião livremente, sendo que estas posições podem ser criticadas por outros de forma igualmente livre. “O conceito de esfera pública tal como proposto por Habermas e outros, incorpora diversas provas de autenticidade reconhecidas pelos indivíduos que vivem em democra- cia: livre circulação, participação voluntária e não institucionalizada na vida pública, geração da opinião pública através de reuniões de ci- dadãos envolvidos no discurso racional, liberdade de exprimir opiniões e de discutir assuntos do Estado e de criticar a forma como é organizado o poder do Estado”33 . Os blogs, pelas suas características próprias, po- dem ser vistos como novas formas de intervir no espaço público, apesar de se dirigirem a uma audiência normalmente segmentada. Apesar de partirem da individualidade do seu autor (ou autores), teriam vantagens face à concepção de esfera pública formulada por Habermas uma vez que seriam de índole mais alargada e democrática, proporcionada pelas novas ferramentas de comunicação, um factor que depende, contudo, 32 Elvira Garcia de Torres y Maria José Amérigo. Características de la comuni- cación digital, in Javier Diaz Noci, Ramón Salaverría Aliaga (coords.), Manual de Redacción Ciberperiodística, Barcelona, Editorial Ariel, 2003, p. 49. 33 Howard Rheingold, Comunidade Virtual, Lisboa, Gradiva, 1996, p. 343. www.labcom.ubi.pt
  31. 31. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 25 da literacia digital, que julgamos ser o aspecto crucial pelo qual deverá passar o futuro. Sem dúvida que a questão da segmentação já verificada com os media e ainda mais visível com os blogs contribuiu de forma decisiva para a fragmentação assistindo-se a uma explosão de “esferas públicas alternativas dotadas de dinamismo e capazes de responderem e de se afirmarem como um complemento inverso das segmentações de audi- ência causada pelos media situados no mainstream”34 . Hoje, todos os cidadãos podem ter o seu próprio espaço de opinião, de acordo com os temas que mais lhe despertam interesse. Se, por um lado, a Internet pode parecer um meio que induz efeitos perversos, como seja fechar-nos em nós próprios, acedendo ao mundo através do computador ou de induzir a exclusão social e cultural pelo facto de haver ainda um grande número de pessoas sem acesso a este meio, por outro lado, a Internet, parece também despertar uma partici- pação cívica crescente do público em assuntos do seu interesse e da co- munidade em geral. Os blogs conseguiram atrair milhares de pessoas, para um novo sentido de transmitir ideias, sentimentos, trocar opiniões e estabelecer relações de afinidade, o que permitiu alargar o espaço pú- blico até então confinado essencialmente aos media e aos assuntos por estes tratados. Os blogs são também um bom exemplo de recuperação de uma subjectividade opinativa, muito presente no jornalismo antes da industrialização e que entretanto se havia perdido. É sobre este aspecto que nos iremos debruçar no próximo capítulo. 34 João Carlos Correia, Comunicação e Cidadania. Os media e a fragmentação do espaço público nas sociedades pluralistas, Colecção Media e Jornalismo, Lisboa, Livros Horizonte, 2004, p. 214. www.labcom.ubi.pt
  32. 32. i i i i i i i i
  33. 33. i i i i i i i i Capítulo 2 Regresso de uma subjectividade opinativa? “Há hoje uma indústria de falar / escrever sob a forma de comentário que faz parte das novas tecnologias e é, meus caros amigos e inimigos, uma “indústria de ponta””1 José Pacheco Pereira Ao longo dos tempos, a opinião difundida através dos meios de co- municação obteve uma grande importância, a qual diminuiu de forma significativa, com a indústria de massas e com os interesses económi- cos. Por isso, faz sentido referir a possibilidade de estarmos diante de uma revitalização da ideia de subjectividade opinativa ligada à propa- gação de ideias. Habermas fala muito do conceito de publicidade, no sentido de atribuição de visibilidade, de tornar público e não no con- ceito comercial de publicidade que temos hoje. O mesmo autor adianta ainda que “se, no começo, dentro de uma imprensa diária motivada em primeiro lugar politicamente, a reorganização de certas empresas sobre uma base exclusivamente comercial podia representar tão-somente uma simples possibilidade de investimento capaz de gerar lucros, em breve 1 http://abrupto.blogspot.com/2005_02_01_abrupto_archive.html 27
  34. 34. i i i i i i i i 28 Catarina Rodrigues isto se tornou uma necessidade para todos os editores”2 . Os interesses comerciais e financeiros passaram a ser uma prioridade. Associado ao conceito de publicidade, surge o conceito de publi- cista, um opinion maker, ou se quisermos, um intelectual produtor de opinião que escrevia em jornais apesar de não ser jornalista, que apare- ceu no século XVIII e que se manteve activo com influência crescente durante o século XIX, intervindo sobre os mais variados temas, nome- adamente nos capítulos da arte e da política. Rita Figueiras define opinion makers como “o conjunto de cola- boradores permanentes do “Espaço Opinião””3 que por sua vez é “o conjunto de páginas cujo título referencial indica claramente que esta- mos perante uma secção dedicada à manifestação directa de opiniões, por contraposição à dimensão noticiosa dos jornais que remete para os factos (como oposto da opinião)”4 . Numa primeira fase, o jornalismo era sobretudo um instrumento de propagação de ideias. Existia uma publicidade crítica, entendida como a publicitação que tinha em vista o debate e a influência da opinião pública. “O Espaço Público Libe- ral inicia a intermediação entre o público e o privado e a publicidade, enquanto sua expressão, é no século XVIII uma realidade histórica e sociológica no sentido da formação de uma opinião pública”5 . Mas, o publicista do século XIX acabou por desaparecer com o início da gestão industrial, com a profissionalização do jornalismo e com o apa- recimento da figura do repórter. O jornalismo ideológico cedeu o seu lugar ao jornalismo objectivo e centrado nos factos. A opinião e dis- cussão ficam paulatinamente em segundo plano. Quando o jornalismo profissional apareceu liquidou a autoria, no sentido da existência de 2 Jürgen Habermas, Mudança Estrutural na Esfera Pública, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1994, p. 217. 3 Rita Figueiras, Os Comentadores e os Media. Os autores das colunas de opi- nião, Lisboa, Livros Horizonte, 2005, p. 56. 4 Idem, p. 56. 5 José Augusto dos Santos Alves, O poder da comunicação. A história dos media dos primórdios da imprensa aos dias da Internet, Cruz Quebrada, Casa das Letras, 2005, p. 107. www.labcom.ubi.pt
  35. 35. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 29 uma subjectividade individual responsável pela produção do enunci- ado. No período que precedeu o jornalismo industrial, as redacções eram integralmente compostas por pessoas que davam a sua opinião para doutrinarem os outros. Com a industrialização do jornalismo, as marcas dessa subjectividade opinativa são apagadas do texto jornalís- tico. A partir do século XIX, começa a definir-se jornalismo como o relato objectivo dos acontecimentos exercido por profissionais. “Du- rante o século XIX, sobretudo com a criação de um novo jornalismo – a chamada penny press – os jornais são encarados como um negócio lucrativo, apontando como objectivo fundamental o aumento das tira- gens. Com a finalidade de fornecer informação e não propaganda, os jornais oferecem um novo produto – as notícias, baseadas em “factos” e não em opiniões”6 . A informação é restringida aos factos e começam a utilizar-se técnicas de redacção jornalística como sejam o caso da “pi- râmide invertida”, o desaparecimento dos verbos na primeira pessoa e uma escrita simples e acessível a todos. Para falar de opinião e do seu papel, importa analisar as mudanças verificadas ao longo dos anos. No caso concreto português, José Ten- garrinha divide a história da imprensa em três fases. Primeiro, o autor fala do período que vai até ao século XVI, onde destaca as gazetas. Depois, surge a imprensa “romântica” ou de opinião, onde predomina o jornalismo ideológico. “O grande surto da Imprensa após 1834 está intimamente relacionado com a vitória do constitucionalismo e, por- tanto, com a construção de uma sociedade assente numa ordem bur- guesa. A liberdade permitia que se formasse uma verdadeira imprensa de opinião que, sem restrições, debatia os candentes problemas que o País vivia”7 . Nuno Crato lembra que “com o início do século XIX o jornalismo português vai-se tornar abertamente político e de opinião. As invasões francesas vão incentivar o aparecimento de jornais e fo- lhetos propagandísticos. Entre 1799 e 1816 apareceram 91 periódicos. 6 Nelson Traquina, Jornalismo, Lisboa, Quimera Editores, 2002, p. 20. 7 José Tengarrinha, História da Imprensa Periódica Portuguesa, Lisboa, Cami- nho, 2a edição, 1989, p. 150 e 151. www.labcom.ubi.pt
  36. 36. i i i i i i i i 30 Catarina Rodrigues Enquanto durante os 150 anos anteriores apenas se tinham criado 41 jornais”8 . O conteúdo das publicações é alvo de um melhoramento, as- sim como o seu aspecto gráfico. É de salientar que a imprensa da época conta com nomes sonantes como Alexandre Herculano e Almeida Gar- rett. Outro aspecto relevante foi, sem dúvida, a luta política e o debate ideológico a que se assistia um pouco por toda a Europa do século XVIII. A última fase avançada por José Tengarrinha diz respeito à in- dustrialização da imprensa, com a profissionalização do jornalismo e com a passagem da opinião para um plano secundário. Com o aparecimento de novos meios de comunicação, não só es- critos, como também audiovisuais, com a Internet e com os dispositi- vos por ela proporcionados, às fases avançadas por José Tengarrinha poderíamos certamente acrescentar novas etapas. Mas esta divisão é importante porque permite compreender o importante papel que a opi- nião deteve, conseguindo ser mesmo o motor para o funcionamento da imprensa, como é hoje, sem dúvida, motor para o funcionamento dos blogs. Trata-se de um aspecto que também em outras fases da história teve grande importância. Vários factores contribuíram para passagem do jornalismo ideoló- gico para um jornalismo baseado nos factos, que ocorreu paulatina- mente. Manuel Pinto lembra que este fenómeno surgiu nos Estados Unidos da América ligado a dois factores cruciais “os constrangimen- tos decorrentes da entrada em cena das agências de informação, que operavam como rede de recolha e tratamento de informações que, de- pois, distribuíam pelos jornais seus clientes, recorrendo às possibilida- des abertas pela comunicação telegráfica; e a emergência e afirmação dessa nova figura no campo da actividade jornalística que dá pelo nome de repórter ou seja, aquele que se ocupa a deslocar-se ao local dos acon- tecimentos, sejam eles próximos ou distantes, enviando os seus relatos para o órgão em que presta serviço”9 . Estes são pelo menos dois fac- 8 Nuno Crato, Comunicação Social - A imprensa, Lisboa, Editorial Presença, 1992, p. 34. 9 Manuel Pinto, Uma perspectiva histórica do jornalismo e da Imprensa, dispo- www.labcom.ubi.pt
  37. 37. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 31 tores que contribuíram para as mudanças registadas no jornalismo e que contribuíram para um maior interesse pelas notícias objectivas em detrimento da subjectividade opinativa dos autores. Como refere José Tengarrinha, “prefere-se cada vez mais a informação objectiva à discus- são e à opinião, as notícias sensacionais aos editoriais reflectidos. Na necessidade de encontrar um público mais vasto, o jornal procura man- ter uma atitude imparcialmente objectiva, dirigindo-se assim a todos, e não a um grupo de leitores ideologicamente afins, necessariamente muito mais restrito”10 . Anteriormente, existiam pessoas que davam a sua opinião para, de certa forma, influenciar a opinião alheia. Com o aparecimento do jornalismo como actividade profissional e de massas essa subjectividade é apagada. “A Imprensa exclusiva ou preponderan- temente noticiosa, se é certo que pode esclarecer o leitor acerca de de- terminado acontecimento, não o ajuda a formar uma posição crítica em face dele”11 . Também Nuno Crato esclarece que durante o século XIX se assiste “na Europa e nos Estados Unidos a uma importante transfor- mação da imprensa. Acumulando os progressos do período anterior, o jornalismo perde o seu carácter limitado e essencialmente propagandís- tico para se tornar numa indústria informativa de grandes dimensões, virada para um público de massa”12 . Dirigido ao grande público, o jor- nalismo passa a moldar-se por critérios como a objectividade e a profis- sionalização. “A história do jornalismo mostra que, a partir de meados do século XIX – altura em que começa a definir-se o jornalismo como relato “noticioso” e “objectivo” e, ao mesmo tempo, como profissão específica – este começa a privilegiar, em vez de tal informação for- mativa e comunitariamente relevante, uma informação orientada para o “acontecimento” mais ou menos efémero, destinada a alimentar a cu- nível em: http://aulajornalismo.blogspot.com/2004/10/texto-de-apoio-para-prxima- aula-uma.html 10 José Tengarrinha, História da Imprensa Periódica Portuguesa, Lisboa, Editorial Presença, 1992, p. 219. 11 Idem, p. 219. 12 Nuno Crato, Comunicação Social - A imprensa, Lisboa, Editorial Presença, 1992, p. 40. www.labcom.ubi.pt
  38. 38. i i i i i i i i 32 Catarina Rodrigues riosidade evanescente dos leitores e visando essencialmente divertir e agradar”13 . Surgem as agências noticiosas, nasce a imprensa popular (penny press) dirigida ao grande público e a publicidade, no sentido comercial de hoje, adquire cada vez mais importância. “O século XIX terminou, graças à publicidade com o jornalismo de opinião. Surgiram um con- junto de géneros (a notícia, a reportagem), que implicaram a formação de normas organizacionais, convenções narrativas, modelos de gestão industrial e o aparecimento de profissionais especializados”14 . A pouco e pouco, foram sendo atribuídas ao jornalismo uma série de elementos e regras que o iriam caracterizar a partir de então. “A pró- pria escrita tornou-se estereotipada, eliminando cuidadosamente tudo o que exija esforço, obedecendo aos imperativos da circulação alargada a uma massa indiferenciada, definida mais como alvo do que como sujeito da palavra esclarecida”15 . Os meios passam assim a ser acessí- veis (a todos os níveis) a um cada vez maior número de pessoas. “De crítica, a opinião pública torna-se, assim, cada vez mais dependente de um novo campo de legitimidade, o da máquina discursiva dos me- dia, campo cada vez mais autónomo dos outros campos sociais, como esfera obrigatória de visibilidade e de notoriedade. Nele, todos os res- tantes campos sociais se reflectem como num espelho, não podendo as dimensões da prática social prescindir do seu contributo”16 . Mas, esse universo dos media fica restrito a um número limitado de opinion ma- kers, o que ainda hoje se verifica. Apesar de existirem, nos jornais im- pressos, as cartas do leitor, através das quais os indivíduos podem dar a sua opinião e de, cada vez mais, ser pedida a intervenção dos cidadãos 13 Paulo Serra, Informação e sentido. O estatuto epistemológico da informação, Covilhã, Universidade da Beira Interior, 2003, p. 328. 14 João Carlos Correia, CMC e Esfera Pública, in João Carlos Correia, António Fi- dalgo e Paulo Serra (orgs.), Informação e Comunicação Online, Volume III - Mundo Online da Vida e Cidadania, Covilhã, Universidade da Beira Interior, 2003, p. 68. 15 Adriano Duarte Rodrigues, Estratégias da Comunicação. Questão Comunica- cional e Formas de Sociabilidade, Lisboa, Editorial Presença, 1990, p. 42. 16 Idem, p. 42. www.labcom.ubi.pt
  39. 39. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 33 nos media, há muitas pessoas que não se sentem representadas nesses espaços restritos. Talvez se deva a esses factores a grande proliferação de blogs, na actualidade, onde são expostas opiniões pessoais do seu autor (ou autores), onde são debatidas ideias, ou onde, simplesmente se contam “estórias”. 2.1 Contar “estórias” Outro aspecto que reporta a algumas características específicas do jor- nalismo é o acto de contar “estórias”. Os blogs são, em muitos casos, simples formas de contar histórias do dia-a-dia. Representam alguns blogs uma recuperação de características do jornalismo, antes da in- dustrialização, quando este ainda mantinha relações estreitas com a literatura popular? Recorde-se que, nessa altura, o jornalismo dava grande importância ao contar de “estórias” bizarras, polémicas, sáti- ras, etc. Cristina Ponte lembra que “nos primeiros textos impressos e destinados a circular em grande escala ainda que sem carácter jornalís- tico, é comum a presença do corrente como do extraordinário”17 . Se, por um lado, apareciam textos que interessavam às classes dominan- tes, por outro, surgiam narrativas provenientes da tradição oral que se aproximavam mais dos interesses das pessoas comuns. Gaye Tuchman diz que “os relatos de acontecimentos noticiosos são “estórias””18 . Também Nelson Traquina considera que se pode- ria dizer que “o jornalismo são estórias, estórias da vida, estórias das estrelas, estórias de triunfo e de tragédia”19 . Bird e Dardenne, por sua vez, afirmam que “embora os relatos de notícias sejam tradicional- mente conhecidos como “estórias” que, por definição, são narrativas 17 Cristina Ponte, Leituras das notícias. Contributos para uma análise do discurso jornalístico, Colecção Media e Jornalismo, Lisboa, Livros Horizonte, 2004, p. 21. 18 Gaye Tuchman, Contando “estórias”, in Nelson Traquina (Org.). Jornalismo: Questões, Teorias e “Estórias”, Colecção Comunicação & Linguagens, Lisboa, Vega, 1993, p. 258. 19 Nelson Traquina, Jornalismo, Lisboa, Quimera Editores, 2002, p. 10 e 11. www.labcom.ubi.pt
  40. 40. i i i i i i i i 34 Catarina Rodrigues culturalmente construídas, pouco estudo sério se tem realizado acerca das qualidades narrativas das notícias e o que, de facto, significa cons- truir “estórias””20 . É sobre a tentativa de descobrir o significado da construção de “estórias” nas notícias que estes autores se vão debruçar tendo em conta que a relação entre a realidade e as “estórias” sobre a realidade nem sempre é pacífica. Com a consciência de que a publicação de notícias é diferente da publicação em blogs, podemos encontrar alguns pontos em comum, como a tentativa de narrar um determinado acontecimento indepen- dentemente dos mecanismos utilizados para o fazer. “Considerar as notícias como narrativas não nega o valor de as considerar como cor- respondentes da realidade exterior, afectando ou sendo afectadas pela sociedade, como produto de jornalistas ou da organização burocrática, mas introduz uma outra dimensão às notícias, dimensão essa na qual as “estórias” de notícias transcendem as suas funções tradicionais de in- formar e explicar”21 . Dizer que as notícias são “estórias” não diminui de forma alguma a sua importância. “Enquanto contados como “estó- rias”, os relatos são ornamentados com adornos retóricos, canções e um toque pessoal – e é através das “estórias” que as pessoas “realmente” compreendem os acontecimentos em termos humanos”22 . Ou seja, es- tas “narrativas culturalmente construídas” aproximam as pessoas da re- alidade que as envolve, recorrendo para isso à criatividade na escrita, por exemplo. Isso é visível principalmente em grandes reportagens. Esta ideia de contar “estórias” pode ser relacionada com a escrita literária. Cristina Ponte, abordando as relações entre jornalismo e li- teratura, diz que “a referência ao mundo real poderia ser a pedra de toque na separação entre literatura ficcional e jornalismo. Essa referên- cia é estruturante do jornalismo, mas também está presente em muitos 20 S. Elizabeth Bird e Robert W. Dardenne, Mitos, registo e ‘estórias’: explorando as qualidades narrativas das notícias, in Nelson Traquina (Org.). Jornalismo: Ques- tões, Teorias e “Estórias”. Colecção Comunicação & Linguagens, Lisboa, Vega, 1993, p. 263. 21 Idem, p. 265. 22 Ibidem, p. 270. www.labcom.ubi.pt
  41. 41. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 35 dos registos literários. A diferença está em grande parte no estilo e na forma com que apresentam essa referência ao real”23 . Para além disso “a informação jornalística é fragmentada, exige capacidade de contex- tualização, implica um leitor que se supõe informado, capaz de integrar sucessivas vagas de fragmentos informativos e de neles inscrever nar- rativas que vão sendo construídas, sejam elas as dos eternos conflitos de interesses ou dos insondáveis mistérios da natureza”24 . Actualmente, há autores que defendem que o jornalismo deveria caminhar no sentido da escrita literária25 . Essa ideia deriva da neces- sidade de aproximar a escrita dos leitores e isso poderia ser feito de várias formas sem qualquer falsificação da realidade, tendo em conta que a principal função do jornalismo é informar. As notícias são uma forma antiga e fragmentada de contar “estó- rias” enquanto que os blogs são uma forma moderna de o fazer, mar- cada pela autonomia do autor onde este torna evidente a sua subjectivi- dade, livre de constrangimentos apriorísticos de qualquer ordem. Nes- tes dispositivos, são relatados acontecimentos, muitas vezes de forma criativa. Os textos são ornamentados com o toque pessoal do seu autor, que não tem qualquer obrigação organizacional no sentido de eviden- ciar a preocupação com critérios como a objectividade ou a isenção. Talvez estes sejam factores de atracção para os leitores que conseguem assim ter alcance a uma criatividade que contrasta com a escrita estere- otipada da imprensa que obedece e regras específicas. 23 Cristina Ponte, Leituras das notícias. Contributos para uma análise do discurso jornalístico, Lisboa, Livros Horizonte, 2004, p. 19 e 20. 24 Idem, p. 20. 25 Mark Kramer defende o Jornalismo Narrativo (ou Literário), uma posição que pode ser observada na obra Literary Journalism (Norman Sims e Marc Kramer (orgs.), Literary Journalism, New York, Ballantine Books, 1995) e em vários arti- gos por ele publicados, como por exemplo Narrative Journalism Comes of Age, dis- ponível em http://www.nieman.harvard.edu/reports/00-3NRfall/Comes-of-Age.html, consultado a 4 de Janeiro de 2006. www.labcom.ubi.pt
  42. 42. i i i i i i i i 36 Catarina Rodrigues 2.2 Opinião ganha força Os blogs parecem reanimar os “publicistas” do nosso tempo. Com este fenómeno, não estaremos perante o regresso da subjectividade opina- tiva? Não estaremos novamente perante personalidades que sem serem jornalistas publicam a sua opinião, comentam e dão informações so- bre variados temas? “Não é por acaso que os entusiastas dos logs e weblogs consideram o self publishing o futuro da Internet: ou seja, haverá, de certo modo, um regresso ao publicismo e ao jornalismo opi- nativo”26 . A opinião é, sem dúvida, o principal motor da blogosfera. Veja-se o exemplo do blog Causa Nossa27 animado, entre outros, por Vicente Jorge Silva, Vital Moreira, Ana Gomes e Luís Osório. Veja-se também o exemplo de José Pacheco Pereira, autor do blog Abrupto28 , completamente opinativo, que pode assim exemplificar o regresso do publicismo. Quando esta figura pública, reconhecida a nível nacional, aderiu à blogosfera o tema chegou a ser notícia nos jornais de referên- cia. A audiência do Abrupto ganhou grandes dimensões e acredita-se que este impacto fez mesmo aumentar o número de blogs existentes. O seu autor transmite opiniões sobre vários quadrantes da vida social e cultural, e tece, frequentemente, comentários políticos. Determinados comentários feitos neste âmbito, tomam grandes proporções e são no- vamente comentados noutros blogs. Por vezes, passam para as páginas da imprensa escrita e para os noticiários televisivos. Mas, muitos ou- tros exemplos podem ser dados no âmbito de blogs a que denominamos de publicistas: o 4R - Quarta República29 de David Justino, Miguel 26 João Carlos Correia, Novo Jornalismo: CMC e Esfera Pública, in João Carlos Correia, António Fidalgo e Paulo Serra, (orgs.), Informação e Comunicação Online, Volume III - Mundo Online da Vida e Cidadania, Covilhã, Universidade da Beira Interior, 2003, p. 68. 27 http://causa-nossa.blogspot.com/ - Este site tem mesmo um outro blog de apoio, o Aba da Causa (http://aba-da-causa.blogspot.com/) que reúne uma colectânea de textos, muitos deles também publicados na imprensa. 28 http://abrupto.blogspot.com 29 http://quartarepublica.blogspot.com/ www.labcom.ubi.pt
  43. 43. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 37 Frasquilho e Suzana Toscano, entre outros, O espectro30 de Constança Cunha e Sá e Vasco Pulido Valente e o Aspirina B31 , um blog colec- tivo que reúne nomes como José Mário Silva, Daniel Oliveira e Luís Rainha, antigos membros dos entretanto extintos Barnabé e Blog de Esquerda, são apenas mais alguns exemplos que podem ser apontados. Este regresso da subjectividade opinativa é de facto visível no nú- mero de blogs existentes em todo o mundo, que ultrapassa os 29 mi- lhões. Perante alguns blogs – e face à escrita neles praticada - é possível identificar vários pontos de contacto com esta ideia de subjectividade opinativa, no sentido de difundir ideias em relação a determinados te- mas, sem necessidade de seguir qualquer modelo organizacional e sem exigência de especialização. Por outro lado, trata-se de mais um fenó- meno que, pela facilidade na publicação individual, acentua a fragmen- tação. 2.3 Indústria do comentário A situação vivida na actualidade, no que diz respeito à opinião, e ao facto de esta poder ser produzida por todos foi definida por José Pa- checo Pereira como “a indústria do comentário”, da qual o próprio assume fazer parte, ou seja, uma actividade que consiste em tecer co- mentários e que em certa medida se deve às novas tecnologias e ao caso concreto dos blogs. Num post publicado no Abrupto, o autor considera que “como acontece numa sociedade industrial moderna, há fluxos en- tre os diferentes sectores de produção: da política tradicional para o co- mentário, da publicidade tradicional para o humor como publicidade, das artes do espectáculo para a política, da televisão para a indústria “cor-de-rosa” (outra indústria “de ponta”), da escrita bloguística para a escrita dos jornais. Em todos estes casos há também um vice-versa”32 . 30 http://o-espectro.blogspot.com/ 31 http://aspirinab.weblog.com.pt/ 32 http://abrupto.blogspot.com/2005_02_01_abrupto_archive.html www.labcom.ubi.pt
  44. 44. i i i i i i i i 38 Catarina Rodrigues Como em qualquer outra indústria, também aqui é notável a competiti- vidade, mas o autor vê isso de uma forma positiva. Apesar de Pacheco Pereira considerar que os blogs são sobretudo utilizados por uma elite, argumenta que “na indústria do comentário tudo se mede pela qua- lidade da opinião, que é obviamente reforçada pelas competências a montante e a jusante, mas não é por elas legitimada”33 . Neste aspecto, diz-se que “opinião mede-se contra opinião”, uma espécie de luta sau- dável pela visibilidade e pela conquista da atenção. Nesse desejo de visibilidade, terá mais sucesso e influência nesta “indústria” quem mais se destacar pela qualidade da escrita, pelos co- mentários proferidos e pelos argumentos utilizados. Contudo, é neces- sário ressalvar que “há produtos com audiência que não têm influência e vice-versa”34 . A possibilidade de dar opinião e manifestar publica- mente uma posição pessoal perante um determinado acontecimento é um factor que sem dúvida impulsiona centenas de bloggers a alimen- tarem o seu site constantemente. “A indústria do comentário produz controvérsia, racionalidade, e às vezes, imaginação e um olhar fresco. Não é tudo, nem pretende ser tudo, nem se substitui a outras indústrias e actividades cívicas, mas é uma parte indissociável do espaço público da democracia, que sem “opinião” respiraria com dificuldade”35 . De facto o aparecimento de blogs foi como uma espécie de “lufada de ar fresco” na opinião que se vinha transmitindo nos media. Há mesmo au- tênticos fenómenos como por exemplo o Barnabé36 , um blog colectivo, entretanto extinto, que falava sobretudo de política. Segundo dados re- tirados do site do Weblog.com.pt37 , antes do final do mês de Março de 2005 o Barnabé contabilizava já 174 768 visitas, o que ultrapassou muitos jornais existentes. Este blog chegou a ultrapassar as seis mil vi- sitas diárias e em 31 posts colocados durante uma semana obteve mais de 400 comentários. O Barnabé é apenas um exemplo de um blog que 33 Idem 34 Ibidem 35 Ibidem 36 http://barnabe.weblog.com.pt 37 http://www.weblog.com.pt www.labcom.ubi.pt
  45. 45. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 39 conseguiu obter um enorme sucesso, e que apenas terminou devido a desentendimentos entre os seus autores. Assim, os melhores adquiriram o seu lugar, captando cada vez mais leitores. Outros há que se extinguiram, e isso pode ter acontecido por variadíssimos motivos. Não é de forma alguma sinónimo de má quali- dade dos mesmos, apesar de essa ser uma das possibilidades. E se uns desaparecem há outros que surgem, estando a blogosfera em constante renovação. A verdade é que quem escreve deseja ser lido por alguém, ambici- ona ter visibilidade (pelo menos alguma, nem que seja entre o grupo de amigos). “As hiperligações são sobretudo fundamentais para obter visibilidade numa blogosfera que é extensa e ilimitada. As hiperliga- ções que apontam para um blog são a forma que o seu autor tem para ser lido, ser ouvido, ser “visto”, e isto é fundamental para manter a mo- tivação da sua actividade e para manter a dinâmica da blogosfera”38 . Os blogs exigem tempo e dedicação dos seus autores que por vezes não conseguem manter a actualização desejada e acabam por desistir. É certo que se alguns blogs não têm qualidade, outros fornecem cons- tantemente informação actualizada, e até especializada sobre diversas matérias, indicações úteis, sugestões, posições pessoais e alertam para questões que por vezes passam ao lado dos meios de comunicação tra- dicionais. Mas, a realidade é que nem todos têm acesso a essa infor- mação sendo ainda significativa a iliteracia digital que existe na nossa sociedade. 2.4 “Info-excluídos”? Ideias, opiniões e informação a que nem todos têm acesso Não será exagerado dizer que algumas dezenas de blogs em Portugal oferecem, todos os dias, novas ideias, reflexões e informações que reú- 38 Adolfo Estalella, Anatomia de los blogs. La jerarquia de lo visible, disponível em: http://www.campusred.net/telos/articulocuaderno.asp?idarticulo=9 www.labcom.ubi.pt
  46. 46. i i i i i i i i 40 Catarina Rodrigues nem cada vez mais leitores. “Os blogs são escritos por uma elite para uma elite, são escritos por estudantes, literatos, políticos, cientistas, in- vestigadores, jornalistas, na maioria dos casos jovens e no início de carreira, e são lidos pelos mesmos grupos sociais e profissionais dos que os escrevem. Um grupo que tem relevo especial neste ecossistema que é a blogosfera: são os jornalistas”39 . Esta citação de Pacheco Pe- reira contraria um pouco a ideia de esfera pública onde todos podem participar e intervir de forma activa. Apesar da blogosfera estar cada vez mais alargada, o conceito de elite não pode ser completamente eli- minado. Se observarmos atentamente o relatório preliminar sobre A Socie- dade em Rede em Portugal, coordenado por Gustavo Cardoso e Antó- nio Firmino da Costa, podemos constatar que “o nível de escolaridade assume um papel central na definição do perfil dos utilizadores da In- ternet em Portugal, como aliás acontece em muitos outros casos de natureza semelhante”. Segundo este estudo, a Internet é utilizada por pessoas qualificadas do ponto de vista académico: “34% completaram o ensino secundário e 27% obtiveram um diploma do ensino superior. Entre os restantes, a maioria completou o 3o ciclo do ensino básico, sendo praticamente nulos os casos de utilizadores apenas com o 1o ciclo”40 . Pelo contrá- rio, o relatório revela ainda que os não utilizadores da net raramente completaram uma licenciatura ou até o ensino secundário “concentra- se na categoria do ensino básico e, muito em particular, do 1o ciclo”41 . O grau de escolaridade e a formação dos indivíduos aparecem assim muito ligados à utilização da Internet. Por outro lado, “os dados reco- lhidos confirmam claramente que este tipo de prática está intimamente associado à população mais jovem, nomeadamente nos escalões etários 39 José Pacheco Pereira, Media-esfera, Blogosfera e Atmosfera, in jornal Público, 16 de Setembro de 2004. 40 Relatório preliminar sobre “A Sociedade em Rede em Portugal”, Gustavo Car- doso e António Firmino da Costa (coords.), cap. 1, p. 4. in http://www.cies.iscte.pt/linhas/linha2/sociedade_rede/pag2.jsp 41 Idem www.labcom.ubi.pt
  47. 47. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 41 dos 15 aos 24 anos e dos 25 aos 34 anos. O primeiro representa 40% desta população, o segundo 30%. Entre os mais velhos a utilização da Internet é bastante mais rara, não chegando a 3% os utilizadores com 55 ou mais anos”42 . A informação recolhida permite ainda perceber que a maioria dos utilizadores trabalha, sendo que há também uma per- centagem significativa de estudantes. “O tipo de inserção profissional dos utilizadores da Internet em Portugal reflecte, em larga medida, o seu elevado nível de qualificações escolares. As categorias do topo da classificação nacional das profissões são as mais representadas, sendo comparativamente bastante reduzido o número de operários, operado- res, trabalhadores agrícolas ou, em geral, trabalhadores pouco qualifi- cados. Trata-se então maioritariamente de profissionais intelectuais e científicos, técnicos e profissionais de nível intermédio, trabalhadores administrativos e pessoal dos serviços ou vendedores43 . Observando a utilização da Internet por este prisma podemos di- zer que este é um meio ainda longe de ser democrático e acessível a todos. A este nível podemos referir o conceito de info-exclusão, for- mulado por Castells. Aqueles que, pelos mais variados motivos, não têm acesso à rede acabam por ficar à margem de todas as potenciali- dades que a web tem para oferecer. “Por isso, não devemos estranhar em absoluto que a previsão do potencial da Internet como meio para conseguir a liberdade, a produtividade e a comunicação venha acom- panhada de uma denúncia da info-exclusão, induzida pela desigualdade na Internet. A disparidade entre os que têm e os que não têm Internet amplia ainda mais o hiato da desigualdade e da exclusão social, numa complexa interacção que parece aumentar a distância entre a promessa da Era da Informação e a crua realidade na qual está imersa uma grande parte da população mundial”44 . A visão romântica da Internet, das suas vantagens e possibilidades, 42 Ibidem, cap. 1, p. 2. 43 Ibidem, cap. 1, p. 8 44 Manuel Castells, A Galáxia Internet. Reflexões sobre Internet, Negócios e Soci- edade, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2004, p. 287 www.labcom.ubi.pt
  48. 48. i i i i i i i i 42 Catarina Rodrigues a frequência com que a ela recorremos faz esquecer que se trata de algo ainda inacessível para muitos. No mundo actual, o número de pessoas sem acesso à Internet é ainda muito elevado, mas é também verdade que é cada vez maior o número daqueles que não conseguem viver sem este meio no seu dia a dia, seja para consultar o e-mail, falar num chat, para ler os jornais online, para obter informação ou para actualizar o seu blog. Há, por isso, autores a lembrar que “a retórica à volta dos novos media electrónicos incorpora muitas vezes a ideia de que ajudam a produzir uma sociedade mais igualitária e mais liberal. A grande vantagem é o acesso fácil para todos os que querem falar sem mediação pelos interesses poderosos que controlam o conteúdo da imprensa e dos canais de emissão. Não é necessário ser rico nem poderoso para ter presença na World Wide Web”45 . Com o aparecimento dos blogs e com o seu crescimento exponen- cial, em grande parte devido à facilidade de manutenção, o número de cidadãos anónimos a ter voz sobre as mais diversas matérias parece igualmente ter disparado. O estudo Netpanel revelado pela Marktest46 transmite dados curiosos sobre o consumo de Internet direccionado para o caso concreto dos blogs. “Durante o ano de 2004, os internau- tas portugueses passaram mais de 840 mil horas a navegar em páginas de blogs”, refere esse mesmo estudo, segundo o qual “durante este pe- ríodo, foram visitadas mais de 57 milhões de páginas de blogs, uma média de 95 por utilizador. O tempo total de navegação ultrapassou as 842 mil horas, uma média de 1 hora e 24 minutos por utilizador”. É ainda possível constatar que Dezembro foi o mês mais activo neste tipo de sites, com a visita de 220 mil utilizadores. “O número de residentes no Continente com quatro e mais anos que acederam a páginas de blogs 45 Denis McQuail, Teoria da Comunicação de Massas. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2003, p. 140. 46 O NetPanel é o estudo nacional de audiências de Internet, iniciado em 2002 pela Marktest. É assim possível encontrar informação online sobre o comporta- mento dos portugueses na utilização da Internet a partir de um painel de utilização doméstica A informação é actualizada periodicamente. Este estudo está disponível em http://www.marktest.com/wap/a/n/id∼707.aspx www.labcom.ubi.pt
  49. 49. i i i i i i i i Blogs e a fragmentação do espaço público 43 durante o ano de 2004 situou-se nos 602 000”, um valor que representa 36,9% do total de internautas desse ano47 . Estes números referentes a 2004 continuaram e registar avanços em 2005, quer em Portugal, quer no resto da Europa. Segundo um estudo da Associação Europeia de Publicidade Interactiva48 , os alojadores de blogs, blogspot.com e we- blog.com.pt surgem, respectivamente, na 13a e na 20a posição49 da lista dos 50 domínios mais acedidos em Portugal, composta em maioria por portais, motores de busca e sites de gestão de contas de e-mail. Os blogs constituem um meio envolvente e flexível, alguns ricos em informação especializada, outros simplesmente divertidos. Por um lado, incitam à participação, por outro, à partilha de conhecimentos e opiniões. Porém, é necessário ter em conta um dado significativo. Os blogs mais populares, que merecem mais considerações e ecos por parte dos media tradicionais, são de facto aqueles cujos autores já são conhecidos da vida pública, ou seja, aqueles que já têm visibilidade e até são merecedores de alguma credibilidade por parte do público. Ou- tros há também que, de simples anónimos, passaram a ser conhecidos por intermédio do seu blog e agora intervêm também através da opi- nião publicada em jornais. Os blogs foram neste caso o impulso para a inserção de determinadas personalidades no espaço de visibilidade 47 O mesmo estudo da Maktest analisa o perfil dos visitantes de blogs e aponta para o predomínio do sexo masculino (68.9% dos visitantes destes sites são homens e 31.1% são mulheres). Os escalões etários mais representados são entre os 15 e os 34 anos, que constituem 63.9% do total de visitantes. Por classes sociais, predominam os indivíduos das classes alta e média alta, que representam 47.7% dos “bloguistas”, sendo a região da Grande Lisboa a mais representada, já que aí residem 32.1% dos visitantes destes sites. Durante o ano de 2004, o site que mais visitantes captou foi o www.blogger.com, que recebeu 193 mil utilizadores únicos. O www.photoblog.be foi o segundo mais visitado, por 115 mil utilizadores. Em terceiro lugar posicionou-se o Gato Fedorento (http://gatofedorento.blogspot.com), que recebeu 77 mil visitantes. 48 Disponível em: http://www.eiaa.net/Ftp/casestudiesppt/EIAA%20Medias cope%20Europe%20Study%20 executive%20summary.pdf, consultado em 12 de De- zembro de 2005. 49 http://www.marktest.com/wap/a/n/id∼9ed.aspx www.labcom.ubi.pt
  50. 50. i i i i i i i i 44 Catarina Rodrigues mediática50 . Outro exemplo é o das personalidades que abandonam as suas colunas de opinião em jornais e criam o seu blog pessoal51 . Trata-se também de um espaço dedicado à opinião, mas num suporte diferente e com características distintas. A relação entre a blogosfera e o jornalismo tem mesmo sido alvo de várias reflexões, motivo pelo qual é importante analisar as ligações existentes (visíveis a vários ní- veis) entre estas duas áreas. Procederemos a esta análise no próximo capítulo. 50 Daniel Oliveira, um dos autores do blog Barnabé (http://barnabe.weblog.com.pt/) e Carla Quevedo do blog Bomba Inteligente (http://www.bomba-inteligente.blogspot.com) assinam colunas no semanário Ex- presso, depois de terem adquirido visibilidade no blog. Daniel Oliveira é também comentador do programa semanal da Sic Notícias “Eixo do Mal”. 51 Um exemplo disso verificou-se com o advogado José Barreiros que era colunista do Diário de Notícias, lugar que entretanto abandonou, dedicando-se agora ao blog A Revolta das Palavras, disponível em: http://revoltadaspalavras.blogspot.com www.labcom.ubi.pt
  51. 51. i i i i i i i i Capítulo 3 Blogs e jornalismo “O jornalismo é uma profissão rodeada de um conjunto de constrangimentos que condicionam e limitam a possibilidade do seu exercício”1 Mário Mesquita Como explicámos logo no início deste trabalho, em que a fragmen- tação do espaço público é o tema central, existem vários domínios onde essa situação se torna evidente. Um deles é observável na relação entre a blogosfera e o jornalismo. O número de autores e leitores de blogs tem aumentado, assim como as fontes de informação. Os cidadãos têm participado de forma mais activa no debate e até na transmissão de in- formação e de conteúdos noticiosos, o que remete para uma possível redefinição dos tradicionais mediadores de conteúdos e, consequente- mente, para uma fragmentação do espaço público. Neste domínio, é necessário pensar também acerca da credibilidade. Com a quantidade, cada vez maior de informação, que é disponibilizada online, é neces- sário um cuidado acrescido no sentido de identificar o que é ou não credível. Por outro lado, a vigilância atenta sobre os media exercida pelos blogs, que muitos já denominaram os watchdogs do jornalismo, 1 Mário Mesquita, O quarto equívoco. O poder dos media na sociedade contem- porânea, Coimbra, MinervaCoimbra, 2a edição revista, 2004, p. 47. 45
  52. 52. i i i i i i i i 46 Catarina Rodrigues é também um tema que merece uma abordagem. Estes são apenas al- guns dos pontos que a pouco e pouco têm influenciado o processo co- municacional dos nossos dias e merecem uma análise mais profunda. Estaremos perante o surgimento de um novo poder? Serão os blogs o quinto poder que vigia o quarto? E quem vigia os blogs? Este capí- tulo pretende estabelecer as devidas distinções entre a blogosfera e o jornalismo, onde já se verificaram relações menos pacíficas, mas onde também se observam algumas complementaridades. Com o aparecimento dos blogs houve, de imediato, quem os iden- tificasse (pelo menos a alguns) com o jornalismo. De facto, existem blogs que se caracterizam sobretudo pela informação que transmitem, expõem opiniões e alguns fazem mesmo entrevistas o que em tudo os aproxima ao jornalismo. No entanto, estas são duas áreas distintas que não devem ser confundidas, apesar de poderem ser complementares ou até alternativas. Como diz Orihuela, “os weblogs podem ser jor- nalismo, mas não por serem weblogs”2 . Nesta afirmação simples está o cerne da distinção que pretendemos fazer. Os blogs são um meio que pode ser utilizado para os mais diversos fins e nesse âmbito podem ser utilizados para publicação de um diário pessoal, para a exposição de opiniões, para a divulgação de fotografias e até para a prática jor- nalística. Mas o jornalismo é uma actividade profissional, que deve obedecer a regras específicas em qualquer meio em que seja exercida. Por isso mesmo, a definição de jornalismo depende de muitos factores normalmente ligados a esta actividade profissional. “Na sua essência, corresponde, dominantemente, à actividade de divulgação mediada, pe- riódica, organizada e hierarquizada de informações com interesse para o público. No entanto, as novas formas de jornalismo online, de jornais a la carte, de jornais “em rede” sem jornalistas, de televisão interactiva, 2 José Luís Orihuela, Weblogs: el médio y el mensage, disponível em: http://www.ideasapiens.com/blogs/Medios/archivos/000254.html www.labcom.ubi.pt

×