Apesar de existirem algumas informações sobre
as referidas medalhas, estas são esparsas e
insuficientes. Informações sobre...
I – INTRODUÇÃO
II – DESENVOLVIMENTO
a. Critérios de concessão
b. Descrição da medalha
c. Proposta de concessão da medalha
...
(FEV 44)(JUL 1932)
JUL 1918
(JAN 1918)(JAN 1861)
As Cruzes de Combate foram medalhas
criadas para serem outorgadas aos militares
que se distinguiram em ação, sendo que a d...
D.O.U. de 25 de
outubro de 1944
Responsável: General Comandante da Força em Ope-
rações
Publicação de atos de bravura comprovados em BI
Recurso - General ...
A Cruz de Combate seria entregue no Teatro de
Operações, em presença de tropa, pelo Comandante
das Forças em Operações. Pa...
INICIAL: até seis meses após o regresso da ultima
fração do TO (25 Out 44)
Último regresso: 31 Out 45 (DOU 30 Nov 45)
ALTE...
Como dito anteriormente, os prazos para
entrada de requerimentos para a concessão das
medalhas foi dilatado várias vezes. ...
A resposta da Câmara dos Deputados foi
enviada ao Presidente através da mensagem Nr. 165,
acompanhada da exposição de moti...
Esta quantia permitiu ao Exército que cunhasse as
medalhas que estavam faltando ser entregues àqueles
que já faziam jus e ...
Falta de controle do Exército.
A determinação do Secretario Geral da Guerra Paulo
Figueiredo corrobora com esta hipótese. ...
TO – antes 08 maio
CC1 – 8
CC2 - 23
TO – após 08 maio
CC1 – 111
CC2 - 69
Brasil – Set 45 e Jul 47
CC1 – 454
CC2 - 512
Bras...
Os totais encontrados neste estudo foram próximos
aos números divulgados no Livreto Notícia Histórica
(1945, p. 43) "Além ...
Apesar de cerca de 1750 cruzes de combate terem
sido concedidas, o número de diplomas foi um pouco
maior, pois temos que a...
Por fim, o Brasil mandou cerca de 25000 homens do
Exército para a Itália. Com os resultados encontrados
neste estudo, pode...
Cruz de combate ii esfeb
Cruz de combate ii esfeb
Cruz de combate ii esfeb
Cruz de combate ii esfeb
Cruz de combate ii esfeb
Cruz de combate ii esfeb
Cruz de combate ii esfeb
Cruz de combate ii esfeb
Cruz de combate ii esfeb
Cruz de combate ii esfeb
Cruz de combate ii esfeb
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cruz de combate ii esfeb

4.740 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.740
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.363
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cruz de combate ii esfeb

  1. 1. Apesar de existirem algumas informações sobre as referidas medalhas, estas são esparsas e insuficientes. Informações sobre a quantidade de medalhas concedidas, tipos de cunhagens e datas de concessão não existiam até então. Sendo assim, este estudo teve por objetivo fazer uma revisão de literatura, de forma que estas informações possam trazer à tona maiores conhecimentos históricos e numismáticos sobre as referidas medalhas.
  2. 2. I – INTRODUÇÃO II – DESENVOLVIMENTO a. Critérios de concessão b. Descrição da medalha c. Proposta de concessão da medalha d. Local de concessão e. Prazos de concessão f. Diplomas g. Novas cunhagens h. Dilatação dos prazos e últimas concessões i. Quantitativos concedidos III – CONCLUSÃO PARCIAL
  3. 3. (FEV 44)(JUL 1932) JUL 1918 (JAN 1918)(JAN 1861)
  4. 4. As Cruzes de Combate foram medalhas criadas para serem outorgadas aos militares que se distinguiram em ação, sendo que a de 1ª Classe para aqueles que praticaram atos de bravura, ou revelaram espírito de sacrifício no desempenho de missões de combate, e as de 2ª Classe para aqueles que participaram de feitos excepcionais, praticados em conjunto, por vários militares.
  5. 5. D.O.U. de 25 de outubro de 1944
  6. 6. Responsável: General Comandante da Força em Ope- rações Publicação de atos de bravura comprovados em BI Recurso - General Comandante - Ministro da Guerra Estes requerimentos foram feitos pelo menos até 1948, com o último caso que se tem registro o do 2º Sargento Enfermeiro, do Hospital Central do Exército, Artelino Borges dos Santos, o qual solicitava a Cruz de Combate de 1ª Classe, tendo seu requerimento sido arquivado por falta de amparo legal. (D.O.U. 16 de dezembro de 1948).
  7. 7. A Cruz de Combate seria entregue no Teatro de Operações, em presença de tropa, pelo Comandante das Forças em Operações. Para os ausentes, proceder- se-ia como previsto para a Medalha de Campanha, em local e datas fixados pelo Ministro da Guerra. Como os acontecimentos eram sucessivos e rápidos, muitas vezes as partes de combate não eram escritas, perdendo-se a oportunidade de se descrever alguma ação meritória e, desta forma, concedendo tardiamente alguma condecoração, mesmo que ainda na Itália.
  8. 8. INICIAL: até seis meses após o regresso da ultima fração do TO (25 Out 44) Último regresso: 31 Out 45 (DOU 30 Nov 45) ALTERAÇÃO: até um ano após o regresso (DOU 24 Abr 46) Veremos adiante que estes prazos foram adiados mais algumas vezes, não tendo encerrado ainda a concessão das Cruzes de Combate nesta segunda data prevista: 31 de outubro de 1946.
  9. 9. Como dito anteriormente, os prazos para entrada de requerimentos para a concessão das medalhas foi dilatado várias vezes. Então, em março de 1948, quando o estoque da cunhagem inicial estava esgotando, não sendo suficiente para as futuras concessões, o Presidente da República determinou que o Ministério da Fazenda enviasse mensagem, devidamente justificada, à Câmara dos Deputados, solicitando abertura de crédito especial, para a aquisição de Medalhas de Guerra e de Cruz de Combate, conferidas a Oficiais, Sargentos e Civis, a título de excepcional distinção (Noticiário, transcrito do D.O.U. de 3 de março de 1948).
  10. 10. A resposta da Câmara dos Deputados foi enviada ao Presidente através da mensagem Nr. 165, acompanhada da exposição de motivos Nr 433, de 8 de abril de 1948, justificando a necessidade de abertura de crédito especial, pelo Ministério da Guerra, na importância de Cr$ 1.189.900,00 para atender as despesas com a confecção de medalhas de guerra e da cruz de combate, conferidas a oficiais, sargentos e civis. (Aviso Nr 108, P.R. 9.167 – 48, ao 1º Secretário da Câmara dos Deputados, transcrito no DOU de 30 de abril de 1948).
  11. 11. Esta quantia permitiu ao Exército que cunhasse as medalhas que estavam faltando ser entregues àqueles que já faziam jus e ainda não tinham sido condecorados, e provavelmente ainda teria alguma sobra para que fossem entregues àqueles que ainda as requeressem no futuro. O processo iniciado em março de 1948 foi encerrado apenas em 1952, quando houve novamente a concessão da referida medalha, já com as medalhas da segunda cunhagem. Não se sabe o motivo, mas algumas pequenas características das medalhas iniciais não foram mantidas, originando um 2° modelo de Cruz de Combate. Talvez a mudança de fabricante possa ser uma das razões.
  12. 12. Falta de controle do Exército. A determinação do Secretario Geral da Guerra Paulo Figueiredo corrobora com esta hipótese. Ele determinou, aos comandantes de corpos e chefes de estabelecimentos e repartições militares, que remetessem, com a possível urgência, à sua secretaria, relações de oficiais, praças e serventuários civis que foram agraciados com as Medalhas de Guerra, Cruz de Combate de 1ª Classe, idem de 2ª Classe, Sangue do Brasil, Ouro, Prata, Bronze e passadeira de Platina, descriminando separadamente as condecorações, assim como as dos que ainda não receberam os diplomas da Medalha de Campanha da F.E.B. (Noticiário, transcrito no DOU de 16 de março de 1949).
  13. 13. TO – antes 08 maio CC1 – 8 CC2 - 23 TO – após 08 maio CC1 – 111 CC2 - 69 Brasil – Set 45 e Jul 47 CC1 – 454 CC2 - 512 Brasil – Fev 52 e Mai 61 CC1 – 70 CC2 - 513 TOTAL CC1 – 643 CC2 - 1117
  14. 14. Os totais encontrados neste estudo foram próximos aos números divulgados no Livreto Notícia Histórica (1945, p. 43) "Além disso, perto de 1500 citações de combate (grifo nosso) e cerca de 1000 condecorações atestam bem o valor com que se bateu a nossa gente, em tão curto prazo".
  15. 15. Apesar de cerca de 1750 cruzes de combate terem sido concedidas, o número de diplomas foi um pouco maior, pois temos que acrescentar a este resultado os diplomas conferidos àqueles que tombaram em combate. Desta forma, os números subiriam para aproximadamente 2100 diplomas.
  16. 16. Por fim, o Brasil mandou cerca de 25000 homens do Exército para a Itália. Com os resultados encontrados neste estudo, podemos concluir parcialmente que cerca de 8,4% dos febianos receberam uma das duas mais altas condecorações que a FEB possuía, demonstrando que grande parte destes homens demonstraram elevado espírito de cumprimento de missão e sentimento do dever, não medindo esforços para honrar o nome do Brasil, perante os aliados e perante inclusive seus inimigos.

×