A BATALHA DE MONTE CASTELO E A FORÇAEXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA SEGUNDAGUERRA MUNDIAL1◦ Ten Al WANESKA LUCENA NÓBREGA DE ...
1◦ Ten Al WANESKA LUCENA NÓBREGA DE CARVALHOA BATALHA DE MONTE CASTELO E A FORÇAEXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA SEGUNDA GUERR...
TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE O TRABALHO MONOGRÁFICOEu, Waneska Lucena Nóbrega de Carvalho, regularmentematriculado no...
Dedico esta monografia de especialização primeiramente a Deus, a quemme concede a graça da sabedoria e ao meu filho Gabrie...
AGRADECIMENTOSAo Senhor meu Deus, pelo dom da vida e por abençoar meus caminhos, tornando possível esse sonho, poissem Ele...
“Quando falta saúde a sabedoria não se revela, a arte não se manifesta,a força não luta, a riqueza é inútil e a inteligênc...
RESUMOVárias foram as implicações sócio-econômicas e militares que levaram na ida do Brasil à Segunda Guerra Mundial,agind...
ABSTRACTMany were the social and economic implications that lead to the Brazilian participation in the Second World War,ac...
LISTA DE ILUSTRAÇÕESFigura 1 - Escultura do Museu aos Mortos da Segunda Guerra Mundial............................21Figura...
SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO..........................................................................................................
C 331b Carvalho, Waneska Lucena NóbregaA Batalha de Monte Castelo e a Força Expedicionária Brasileira naSegunda Guerra Mun...
A BATALHA DE MONTE CASTELO E A FORÇAEXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA SEGUNDAGUERRA MUNDIAL1º Ten Al WANESKA LUCENA NÓBREGA DE ...
1 INTRODUÇÃOA indignação provocada pelos torpedeamentos de navios mercantes brasileiros fortaleceu a campanha emfavor da e...
No Terceiro capitulo, será debatida a Batalha de Monte Castelo e sua importância exponencial para aSegunda Guerra Mundial ...
2 EPISÓDIOS PRELIMINARES: O CONTEXTO DA GUERRA2.1 O CONTEXTO BRASILEIRO: GETÚLIO VARGAS NO PODERNa década de 1930, o Brasi...
interesses e pressões econômicos, políticos, sociais e militares. Às vezes as pressões e os interesses –principalmente eco...
“rebeldes”. Para contribuir ainda mais com este medo, o grupo político de Vargas organizou um plano falsodenominado Plano ...
golpe. O grupo da Ação Integralista era a favor de Vargas desde sua fundação, em 1932, e também possuíainfluências fascist...
de junho de 1940 num momento chave para a guerra em ação. Neste momento, a Itália passa a lutar ao lado do Pactode Aço, de...
os estoques e baixaram os preços. b) Tornaram-se escassos os produtos importados, tais como carvão, gasolina,óleo combustí...
vítimas da guerra denominado “Monumentos aos Mortos da Segunda Guerra Mundial”, comumente conhecido com“Monumentos aos Pra...
Figura 1 - Escultura em homenagem aos pracinhas brasileiros presente no Museu aos Mortos da SegundaGuerra Mundial. Autor d...
3 E O BRASIL PARTE PARA A GUERRA3.1 ROMPIMENTO DE RELAÇÕESEm face ao rompimento das relações diplomáticas do Brasil com os...
A escalada da agressão no mar atingira seu ponto culminante na segunda quinzena de agosto, quando foramtorpedeados, no esp...
Franklin Roosevelt13– em sua visita ao Brasil na cidade de Natal em 1943. Nestas conversas, Vargas enfatizou avontade de a...
1) sua posição geográfica, um saliente do Atlântico formando com a costa do Senegal o estreito do Atlântico; oPresidente R...
Mas vale o questionamento em torno do alistamento de tal exército, já que vários membros já presentes nasforças armadas po...
Haviam, então, vários embates psicológicos acompanhando os pracinhas na guerra, que eram os mesmossentidos por parte da po...
herança nuclear deixada no local por tais ataques. A reação brasileira à continuidade do Japão na guerra se deu com adecla...
[...] a convocação, praticamente, ocorreu às vésperas do embarque. Houve exames de saúde muito complicados,muito prolongad...
Figura 4: Soldados brasileiros em ação no teatro de operações da Itália. Autor desconhecido.Outro local importante de se c...
por dispersarem-se no teatro de operações do norte da Itália e acabaram por facilitar a dominação aliada após avitória de ...
4 A IMPORTÂNCIA DE UMA BATALHA: MONTE CASTELO4.1 DO GERAL AO LOCAL, O CONTEXTO DA BATALHAA Segunda Guerra Mundial contou, ...
A figura 5 retrata os combatentes acampados no norte da Itália, concentrados para combate que se aproxima.Figura 5: Brasil...
norte-americanas nos locais, que, devido a uma forte pressão em quatro ataques à Monte Castelo e vários outros nasdemais e...
unidade que sofrera pânico participar do próximo ataque a Monte Castelo. Isso aconteceu a 12 de dezembro,quando o ataque u...
Figura 6: Esquema ilustrativo para posicionar as localidades de Monte Castelo e Bombiana, focada no primeiro ataquede Mont...
Em 29 de novembro de 1944 temos o terceiro ataque à Monte Castelo. Nesta, o comando já era brasileirocom o General Mascare...
muito importante o soldado brasileiro uma vez que atribui uma maior vivencia e estrutura militar e emocional paraenfrentar...
5 CONCLUSÃODentre as várias implicações ocorridas desde a subida de Getúlio Vargas ao poder no Brasil, muitos foram osfato...
Vingança esta que tornou-se possível pela preparação a que este soldado se submeteu, estando assimpreparado para avançar e...
REFERÊNCIASALMEIDA, A.L. de et AL. Preparação do contingente de Saúde na 2aGuerra Mundial. Projeto interdisciplinarde fim ...
PINTO, Júlia Amabile; FERRAZ, Francisco. A participação brasileira na Segunda Guerra Mundial e areintegração social dos ve...
ANEXOS
Cd103%201%ba%20 ten%20al%20waneska%20lucena%20n%d3brega%20de%20carvalho
Cd103%201%ba%20 ten%20al%20waneska%20lucena%20n%d3brega%20de%20carvalho
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cd103%201%ba%20 ten%20al%20waneska%20lucena%20n%d3brega%20de%20carvalho

2.850 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.850
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.564
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cd103%201%ba%20 ten%20al%20waneska%20lucena%20n%d3brega%20de%20carvalho

  1. 1. A BATALHA DE MONTE CASTELO E A FORÇAEXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA SEGUNDAGUERRA MUNDIAL1◦ Ten Al WANESKA LUCENA NÓBREGA DE CARVALHORIO DE JANEIRO2008
  2. 2. 1◦ Ten Al WANESKA LUCENA NÓBREGA DE CARVALHOA BATALHA DE MONTE CASTELO E A FORÇAEXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA SEGUNDA GUERRAMUNDIALTrabalho de conclusão de curso apresentado à Escola de Saúde doExército, como requisito parcial para aprovação no Curso de Formaçãode Oficiais do Serviço de Saúde, especialização em AplicaçõesComplementares às Ciências Militares.ORIENTADOR: MAJ MARCELO PONCE LEONRIO DE JANEIRO2008
  3. 3. TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE O TRABALHO MONOGRÁFICOEu, Waneska Lucena Nóbrega de Carvalho, regularmentematriculado no Curso de Formação de oficiais, da especialidade MedicinaIntensiva, na Escola de Saúde do Exército, autor do Trabalho de Conclusão deCurso intitulado de A Batalha de Monte Castelo e a Força ExpedicionáriaBrasileira na Segunda Guerra Mundial, autorizo a EsSEx a utilizar meu trabalhopara uso específico no aperfeiçoamento e evolução da Força Terrestre, bem comoa divulgá-lo por publicação em revista técnica ou outro veículo de comunicação.A EsSEx poderá fornecer cópia do trabalho mediante ressarcimento dasdespesas de postagem e reprodução. Caso seja de natureza sigilosa, a cópiasomente será fornecida se o pedido for encaminhado por meio de umaorganização militar, fazendo-se a necessária anotação do destino no Livro deRegistro existente na Biblioteca.É permitida a transcrição parcial de trechos dos trabalhos para comentários ecitações desde que sejam transcritos os dados bibliográficos dos mesmos, deacordo com a legislação sobre direitos autorais.A divulgação do trabalho, por qualquer meio, somente pode ser feita com aautorização do autor e da Diretoria de Ensino da EsSEx.___________________________________________________Waneska Lucena Nóbrega de Carvalho
  4. 4. Dedico esta monografia de especialização primeiramente a Deus, a quemme concede a graça da sabedoria e ao meu filho Gabriel, a quem tantoamo e por quem vivo.
  5. 5. AGRADECIMENTOSAo Senhor meu Deus, pelo dom da vida e por abençoar meus caminhos, tornando possível esse sonho, poissem Ele ao meu lado sempre, nunca conseguiria.Ao meu filho Gabriel, essência de minha vida, razão de meu viver, motivo pelo qual devo sempre prosseguirnessa minha missão intitulada por Deus de vida, sem ele não vivo, não existo, nada sou, reduzo-me ao pó.Aos meus pais Reinaldo e Alaíde, responsáveis por todas as minhas conquistas, essenciais em todos osgrandes e melhores momentos de minha vida, fundamentais neste precioso momento, pois nunca deixaramtransparecer medo ou insegurança, pontos estratégicos da derrota, ao contrário, me mostraram sempre a valiosacoragem, dedicação, garra, fibra, valores excepcionais que garantiram essa vitória.Ao meu esposo Victor, único, compreensivo, carinhoso, incentivador, amável, que sempre se mostrou forte edecidido em apoiar-me, em ajudar-me em todos os preciosos momentos que dele necessitei. Meu amor eterno, minhaalma gêmea.As minhas irmãs, Louise e Soraya, minhas grandes amigas, companheiras, um grande presente de Deus,incentivadoras nessa conquista sempre, meus dois pilares base onde alicerço o significado precioso da palavrafamília.A minha “mainha”, minha sogra (in memoriam), que sempre me concedeu momentos de felicidade em suapresença, de paz, de prazer e que me mostrou o amor verdadeiro pela vida, e a determinação de nunca desistir, decombater batalhas árduas, de percorrer caminhos difíceis, de aceitar o desejo divino, que se foi deixando um imensovazio entre nós, preenchido por uma saudade inestimável, por uma fé inabalável, pelo discernimento do devercumprido.Aos meus avôs, em especial ao meu “vô” Agenor, incentivador desta minha carreira, orgulhoso de ter em suaneta a fiel seguidora e herdeira da vocação militar. A todos da minha família que sempre torceram por mim, nestedifícil momento.A meu orientador Major Ponce, pela amizade, preocupação, compreensão, pelos ensinamentos e, acima detudo, pelo exemplo, por ele a minha sempre grande admiração.Ao meu co-orientador Major Florindo pela paciência, compreensão, pelo carinho, o meu muito obrigada.
  6. 6. “Quando falta saúde a sabedoria não se revela, a arte não se manifesta,a força não luta, a riqueza é inútil e a inteligência é inaplicável”Herophilus
  7. 7. RESUMOVárias foram as implicações sócio-econômicas e militares que levaram na ida do Brasil à Segunda Guerra Mundial,agindo com bravura e valentia no teatro de operações da Itália. Após acordos bilaterais com os Estados Unidos, alémdo torpedeamento de um grande número de navios brasileiros, entre outros, não era mais possível protelar a entradado Brasil na luta contra o nazi-fascismo – uma contradição intrínseca à participação brasileira uma vez que vivíamosnuma ditadura. Na Itália, a Força Expedicionária Brasileira (FEB) – criada com o objetivo de ação na guerra – se uneao IV Corpo do Exército norte-americano, e com ele atinge importantes conquistas e domínios no norte da Itálialevando à rendição alemã em 1945. Este trabalho tem como intenção analisar uma destas batalhas encabeçadas pelospracinhas da FEB, a Batalha de Monte Castelo, colocando em evidência a sua importância para as posteriores açõesbrasileiras na Itália que levaram à vitória aliada.Palavras-chave: Segunda Guerra Mundial. Força Expedicionária Brasileira. Monte Castelo.
  8. 8. ABSTRACTMany were the social and economic implications that lead to the Brazilian participation in the Second World War,acting with bravery and courage in Italy. After bilateral agreements with the United States and also, between otherreasons, the siring of a great plethora of Brazilian ships, it wasn’t possible anymore to postpone the entrance ofBrazil in the war, against nazi-fascism – a contradiction inherent to the Brazilian participation once we were living adictatorship. In Italy, the Brazilian Expeditionary Force – created with the meaning of going to war – join the IVnorth-american corps and with him achieve important conquests and dominions in north Italy taking to the Germanrendition in 1945. This work intends to analyze one of these battles, the Battle of Monte Castelo, evidencing itsimportance to the later Brazilian actions in Italy that took to the ally victory.Key-words: Second World War. Brazilian Expeditionary Force. Castel Hill.
  9. 9. LISTA DE ILUSTRAÇÕESFigura 1 - Escultura do Museu aos Mortos da Segunda Guerra Mundial............................21Figura 2 - Encontro de Getúlio Vargas e Franklin Roosevelt..............................................26Figura 3 - Símbolo da FEB..................................................................................................27Figura 4 - Soldados brasileiros em ação no teatro de operações da Itália...........................33Figura 5 - Brasileiros no norte da Itália...............................................................................37Figura 6 - Posicionamento das localidades de Monte Castelo e Bombiana ......................41
  10. 10. SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO....................................................................................................................102 EPISÓDIOS PRELIMINARES: O CONTEXTO DA GUERRA...................................122.1 CONTEXTO BRASILEIRO: GETÚLIO VARGAS NO PODER....................................122.2 A GUERRA ECLODE ......................................................................................................162.3 A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL E O BRASIL.........................................................183 E O BRASIL PARTE PARA A GUERRA........................................................................233.1 ROMPIMENTO DE RELAÇÕES......................................................................................233.2 A FEB E A GUERRA: O BRASIL EM AÇÃO.................................................................263.3 A SAÚDE NAGUERRA....................................................................................................313.4 A GUERRA EM ETAPAS.................................................................................................324 A IMPORTÂNCIA DE UMA BATALHA: MONTE CASTELO...................................364.1 DO GERAL AO LOCAL, O CONTEXTO DA BATALHA.............................................364.2 A DURA CONQUISTA DE MONTE CASTELO.............................................................384.3 ATAQUE POR ATAQUE: AS INVESTIDAS À MONTE CASTELO............................405 CONCLUSÃO......................................................................................................................45REFERÊNCIAS......................................................................................................................47ANEXOS..................................................................................................................................49
  11. 11. C 331b Carvalho, Waneska Lucena NóbregaA Batalha de Monte Castelo e a Força Expedicionária Brasileira naSegunda Guerra Mundial /. – Waneska Lucena Nóbrega de Carvalho. -Rio de Janeiro, 2008.52 f. ; 30 cm.Orientador: Marcelo Ponce LeonTrabalho de Conclusão de Curso (especialização) – Escola de Saúdedo Exército, Programa de Pós-Graduação em Aplicações Complementaresàs Ciências Militares.)Referências: f. 47-48.1. Força Expedicionária Brasileira. 2. Monte Castelo. I.Leon,Marcelo Ponce. II. Escola de Saúde do Exército. III. Título.CDD 940.541281
  12. 12. A BATALHA DE MONTE CASTELO E A FORÇAEXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA SEGUNDAGUERRA MUNDIAL1º Ten Al WANESKA LUCENA NÓBREGA DE CARVALHORio de Janeiro, 12 de outubro de 2008Trabalho de conclusão de curso apresentado àEscola de Saúde do Exército, como requisito parcialpara aprovação no Curso de Formação de Oficiaisdo Serviço de Saúde, especialização em AplicaçõesComplementares às Ciências Militares.COMISSÃO DE AVALIAÇÃOMARCELO PONCE LEON- MAJJÚLIO CÉSAR FIDALGO ZARY- CAP____________________________________________________RAPHAEL BARBOSA GOMES DA SILVA- 1˚ TEN
  13. 13. 1 INTRODUÇÃOA indignação provocada pelos torpedeamentos de navios mercantes brasileiros fortaleceu a campanha emfavor da entrada do Brasil na guerra, da qual participavam diversos grupos sociais no país. Em resposta aos apelos dasociedade, finalmente o Brasil decretou o estado de beligerância em 22 de agosto de 1942 e, mais tarde, o estado deguerra, em 31 de agosto do mesmo ano, contra a Alemanha e a Itália.Mesmo com tais declarações, apenas após ajustes difíceis com os Estados Unidos e a Grã-Bretanha foi criadaa Força Expedicionária Brasileira (FEB), que levou o Brasil ao Teatro de Operações na Itália.Iniciaram-se então as conversações sobre o envio de um contingente brasileiro à frente de combate.Entretanto, as vitórias aliadas no norte da África, em novembro de 1942, reduziram consideravelmente a importânciaestratégica do Nordeste do Brasil e, por extensão, as possibilidades de reequipamento das Forças Armadasbrasileiras. Preocupado, Vargas insistiu com o presidente norte-americano Franklin Roosevelt, quando este visitou acidade de Natal, Rio Grande do Norte, em janeiro de 1943, no fornecimento do material bélico prometido pelosEstados Unidos e no interesse brasileiro em tomar parte ativa nos combates. Com a concordância do governo norte-americano, a Força Expedicionária Brasileira (FEB) foi finalmente estruturada em agosto de 1943, sob o comando dogeneral Mascarenhas de Morais.Além de ter viabilizado o reequipamento das Forças Armadas, a participação militar direta do Brasil naguerra, num primeiro momento, fortaleceu o regime e ampliou o poder e o prestígio de setores civis e militares. Suaimportância na Guerra, contudo, divide opiniões. Mas é claro, através de batalhas como a de Monte Castelo, o valorda participação brasileira na Itália.A operação mais importante da FEB consistiu em desalojar as forças alemãs, que ocupavam o pontoestratégico de Monte Castelo, na região de Bologna. Obtida essa difícil vitória em 21 de fevereiro de 1945, ficouaberto o caminho para a cidade de Bologna pela rodovia SS64.A Força Expedicionária Brasileira retrata a real e marcante passagem brasileira em tempos de guerra na Itáliae, através de eventos como a Batalha de Monte Castelo, um conjunto de operações que vieram a permitir o sucessodos Aliados na região. Por isso, esta pesquisa monográfica visa apresentar e contemplar a participação do Brasil naSegunda Guerra Mundial, mais especificamente através da Batalha de Monte Castelo e sua importância para ocontingente militar brasileiro no delinear de sua participação na Segunda Guerra Mundial.Desta maneira, no primeiro capítulo será discutido o contexto do governo de Getúlio Vargas no país e acampanha pela participação brasileira na Segunda Guerra Mundial, enfocando os aspectos políticos, econômicos esociais em torno de tal participação militar brasileira, além da contradição presente nas influências fascistas dopresidente.No segundo capítulo discutiremos o surgimento da FEB e sua investida em meio a Segunda Guerra Mundialanalisando as bases em que se sustentaram e permitiram a ida do Brasil para lutar na Itália.
  14. 14. No Terceiro capitulo, será debatida a Batalha de Monte Castelo e sua importância exponencial para aSegunda Guerra Mundial e a vitória brasileira na Itália. Neste ponto, estudaremos a guerra na Itália e o delinear dasbatalhas que permitiram o sucesso na região relacionando-as com a tomada estratégica de Monte Castelo.Por fim, concluiremos com uma análise geral da Batalha de Monte Castelo e sua compreensão a partir dasdiscussões expostas nos capítulos anteriores na tentativa de traçar a sua importância em meio à ação brasileira naSegunda Guerra Mundial.
  15. 15. 2 EPISÓDIOS PRELIMINARES: O CONTEXTO DA GUERRA2.1 O CONTEXTO BRASILEIRO: GETÚLIO VARGAS NO PODERNa década de 1930, o Brasil e o Mundo passavam por várias e importantes modificações que iriam traçarposteriormente a forma de seu futuro. O mundo havia acabado de passar pela crise da bolsa de Nova York, queprovocou diversos reveses no cenário internacional – e principalmente na Europa que se encontrava em processo dereconstrução. No Brasil, os efeitos da quebra da bolsa foram sentidos no preço do café, que foi reduzido em 30% e asuperprodução, que já era um problema, tornou-se ainda pior. Contudo, logo o mundo voltava a modernizar-se e areerguer-se especialmente devido à ajuda dos Estados Unidos. Já o Brasil, experimentava a Revolução de 30 e asubida de Getúlio Vargas ao poder. Este último foi um político antes de tudo nacionalista e modernizador para opaís, que vinha de um contexto político e economicamente estagnado pela República do Café com Leite1. Aoassumir no governo provisório em 03 de novembro de 1930, Getúlio Vargas já mostrou ser um centralizador, logodissolvendo o Congresso Nacional e as Assembléias estaduais, além de nomear vários cargos políticos einterventores pelo país.O golpe de 1930, segundo Ianni (1991, p.25), “[...] cria condições para o Estado burguês[...]” e “[...] implicouna derrota [...] do Estado oligárquico”. O movimento de 1930 almejava acabar com as estruturas oligárquicaspresentes no país desde a instauração da República e que ficaram ainda mais fortes a partir do governo de CamposSales, contudo, era um movimento em prol da subida do poder de novas oligarquias. O ponto central que de fatotornou o golpe de 30 um movimento de ruptura na política nacional foi a figura de Getúlio Vargas, que logo realizoureformas e que defendeu de maneira autoritária a industrialização e modernização do país. Alguns autores colocamque este político possuía um projeto político para o Brasil desde 1930, contudo nem Vargas nem a Aliança Liberal,que liderou o movimento de 1930, contavam com tal projeto, baseando suas ações apenas na busca da mudança dostatus quo vigente no país. Como explica Ianni (1991,p.26):Nos anos de 1930 a 1945, o governo brasileiro, sob Getúlio Vargas, adotou uma série de medidas econômicas erealizou inovações institucionais que assinalaram, de modo bastante claro, uma fase nova nas relações entreEstado e o sistema político-econômico. Todavia, as medidas econômico-financeiras adotadas, as reformaspolítico-administrativas realizadas e a própria reestruturação do aparelho estatal não foram o resultado de umplano preestabelecido. E, muito menos, foram o resultado de um estudo objetivo e sistemática das reaiscondições preexistentes. O próprio desenrolar das soluções adotadas após 1930 mostra que o governo foirespondendo aos problemas e dilemas conforme eles apareciam no seu horizonte político, por injunção de1A República do Café com leite ou República dos Governadores existiu no país desde a instauração da República, em 1889, até 1930. Elabaseou-se na política destinada a beneficiar apenas as oligarquias que encontravam-se arraigadas ao poder. Por isso a Constituição de 1891foi tida como liberal e oligárquica. A República do Café com leite teve como principal articulador o presidente civil Campos Sales, queorganizou todo um aparato político do federal ao estadual e local para que o poder permanecesse nas mãos daqueles que fossem do seugrupo ou apoio político, além de garantir o cumprimento de ações políticas de seu interesse – revezando-se no poder os estados de MinasGerais e São Paulo. Assim, do coronel ao governador do estado e ao presidente da República, estava armado um esquema que permaneceriaaté a Revolução de 1930.
  16. 16. interesses e pressões econômicos, políticos, sociais e militares. Às vezes as pressões e os interesses –principalmente econômicos e financeiros – eram de origem externa. (IANNI, 1991, p. 26)Conhecido por muitos como “pai dos pobres”, Vargas aliou os grupos sociais o máximo possível ao seu apoiopara a tomada de medidas políticas, e, quando isto não funcionara como queria, declararia o golpe do Estado Novo elançar-se-ia numa ditadura em que não precisaria de nenhum apoio popular sob suas ações. Governaria com plenospoderes entre 1937 e 1945, período em que eclode a Segunda Guerra Mundial – que transforma o cenário mundial eexige ações por parte do Brasil.Com o golpe de 1930, foi instalado no país o governo provisório com a liderança de Vargas como presidente,este governo durou de 1930 a 1934 e foi marcado como um primeiro momento das tendências centralizadoras deVargas, em que nega o legislativo e a Constituição Nacional de 1891, governando através de decretos-lei, além denomear interventores ao lugar dos governadores eleitos nos estados da federação. Mas, já mostra avanços no camposocial, como as conquistas trabalhistas (criação do Ministério do Trabalho e várias outras ações e leis em prol dotrabalhador com a CLT – consolidação das leis trabalhistas – sendo instaurada apenas em 1943 resumindo estasmedidas desde o governo provisório).Neste governo provisório, contudo, era esperada uma nova constituição e o então presidente a estavaprotelando. Desta espera, tivemos a Revolução Constitucionalista em São Paulo, que lutava pela formação de umaAssembléia Constituinte e, também, por parte dos fazendeiros de café, buscavam o status perdido com a revoluçãode 30, com a sua volta ao poder nas eleições que a nova constituinte convocaria. Tais reivindicações foram escutadase a Assembléia Constituinte passa a funcionar em 10 de novembro de 1933, com a constituição sendo promulgadaem 16 de julho de 1934. Esta mantinha tópicos já de constituições anteriores como as eleições diretas e, entre outros,o federalismo. Mas, como novas ações, apresentava a exclusão do cargo de vice-presidente, criava a Justiça doTrabalho, limitava os habeas corpus e, entre outros, para a próxima eleição, estava previsto o voto indireto. Nesta,Getúlio Vargas saiu vitorioso.Como o país passando por um período de efervescência política devido a todas as inovações e incertezaspolíticas despertadas na subida de Getúlio Vargas ao poder, os ânimos políticos se acirraram no Brasil e váriosgrupos políticos passaram a agir e a ganhar notoriedade ou não no cenário social local, estadual ou até nacional. Doisgrupos que tiveram muito sucesso e abertura junto à população foram os integralistas (Ação Integralista Brasileira) eos comunistas (Aliança Nacional Libertadora). Os primeiros estavam em ação desde 1932, enquanto o segundoiniciou e fechou suas atividades no mesmo ano, entre maio e junho de 1935, não por seu fracasso, mas pela ameaçaque este significava para o governo brasileiro que via neste a tentativa de golpe e transformação do país numgoverno socialista. Em 1935, eclode no país o movimento denominado Intentona Comunista liderado por Luis CarlosPrestes e grupos comunistas articulados em torno da Aliança Nacional Libertadora, este movimento atingiu osestados do Rio Grande do Norte, Pernambuco e Rio de Janeiro, mas fracassou por ter ocorrido de maneiradesarticulada e sem orientações claras suficientes para juntar e fazer força com o poder centralizador nacional.Mesmo fracassada, tal rebelião permitiu a Vargas um motivo para a repressão àqueles que eram contra seupoder e a instaurar o Estado Novo sob a névoa do medo comunista no país. Isto porque a Intentona Comunistalevantou o medo comunista na população brasileira, que logo confiou em Vargas na sua repressão contra estes
  17. 17. “rebeldes”. Para contribuir ainda mais com este medo, o grupo político de Vargas organizou um plano falsodenominado Plano Cohen, que visava consolidar o medo comunista e ganhar espaço no cenário nacional. Este planoforjado, que nas aparências pertencia a grupos comunistas e seria uma tentativa de tomada do poder por estes,permitiu a “tomada” de ações por parte do Executivo. Este último aprovou a Lei de Segurança Nacional além de,com poder para tal, declarar estado de guerra2e, por fim, proferir o golpe do Estado Novo. As eleições de 03 dejaneiro de 1938 foram canceladas3e Vargas manteve-se no poder até 1945 sob uma ditadura conhecida como EstadoNovo. O Estado Novo foi importante porque deu a Vargas uma liberdade de ação que não possuía anteriormente –tendo de negociar com diversos setores sociais no país – e desta maneira ele pode governar mais facilmente.O Estado era uma “terra de ninguém”, mais ou menos ao alcance dos imperialismos estaduais, que medravam ecresciam a custa da unidade espiritual e política da Nação. Era imperioso remover os obstáculos que impediam aação, imediata e eficaz, necessária para recompor e restaurar aquela unidade, imprimindo-lhe o sentido daordem, da decisão e da vontade, sem que o Estado, ao invés de aglutinação, se transformara em motivo dediscórdia, de conflitos, de divisões. Com a sua unidade ameaçada, sem ordem interna e sem segurança externa,ao Brasil faltavam os instrumentos adequados a sua própria restauração, e a tais circunstancias acrescia ainda ofato de que se haviam artificialmente estabelecido lutas e antagonismos políticos e sociais, a que nãocorrespondia nenhum sentimento substancial e para os quais o País não se encontrava preparado. O Brasilestava dotado de instituições em que não ressoavam as vozes claras da realidade e, ao mesmo tempo, criavam-se, pelo artifício e pela mentira, correntes de opinião estranhas aos seus sentimentos, a sua índole, a sua culturae a sua formação nacional. (IANNI, 1991, p. 32.)O Estado Novo contou com o apoio essencial dos militares e foi instaurado em forma de golpe em 10 denovembro de 1937. Nele, Vargas mostrou todo o seu autoritarismo, principalmente através da nova constituiçãoinstaurada no momento, em que ao executivo contava com poderes como o de dissolver o Congresso, além de nãomais haver liberdade de imprensa4e, entre outros, os partidos políticos serem extintos. Como motivo, ele tinha otemido “avanço” comunista, que foi tão forte que praticamente não houve resistência à atitude ditatorial dopresidente – uma vez que o país e o mundo estavam receosos quanto a este modelo político. A ditaduraimplementada por Vargas era burguesa e veio a modificar o país economicamente e socialmente por dar vozes aclasses antes não ouvidas, como a classe média, os militares e a burguesia nacional (IANNI, 1991, p. 33-34).No movimento anti-comunista e na própria forma de governar, Vargas havia adquirido característicasfascistas – regime que, no período entreguerras, estava ganhando força na Europa. A própria constituição vigente nomomento contava com forte influência fascista5. E, afinal, o Brasil vivia uma ditadura que contava com váriasformas de anulação do indivíduo perante o Estado, como a repressão, a falta de liberdade de imprensa, entre outros.Como movimento contrário a Vargas, ele enfrenta em 1938 a Intentona Integralista, que fracassa. Estamobilizou-se principalmente porque não conseguiu o status político que almejava após o seu apoio à Vargas e ao2Ao declarar estado de guerra, Vargas tinha o poder de prender qualquer pessoa considerada culpada sem a necessidade de uma ordemjudicial. Isso permitiu o aumento vertiginoso da repressão e a formação de um campo propício para a consolidação do autoritarismo ecentralização de Vargas no poder.3As eleições de 1938 já possuíam, inclusive, candidatos em campanha pelo poder desde 1937, eram eles Armando Sales e José Américo deAlmeida. Isso prova ainda mais a intenção de manter-se no poder de Vargas via golpe, que não apenas o forneceu isso como também oatribuiu poderes ilimitados, sua política no Estado Novo não precisará de arranjos políticos para conseguir o exercício de suas medidas, poissua assinatura nestes tempos de ditadura bastará.4O órgão de censura prévia à imprensa era o DIP – Departamento de imprensa e propaganda. Este também foi um órgão propagandístico deVargas.5Para exemplificar este caráter fascista, podemos colocar a centralização administrativa.
  18. 18. golpe. O grupo da Ação Integralista era a favor de Vargas desde sua fundação, em 1932, e também possuíainfluências fascistas.O autoritarismo de Vargas no Estado Novo mostra que o país durante a Segunda Guerra Mundial estaria bemmais propenso a apoiar as forças do Eixo (Alemanha e Japão) do que os Aliados (Inglaterra e França). Isto se tornauma contradição mais adiante, com a efervescência da guerra no mundo e a pressão para que o Brasil entrasse naguerra ao lado dos aliados - que já eram apoiados pelo Brasil. A própria repressão existente no país desde o EstadoNovo não condizia com a proposta dos aliados, mas sim da frente do Eixo, nazi-fascista.Desta maneira, percebe-se que houve além de fatos, todo um contexto político e militar que aproximou o paísdos aliados. Questões estas que giravam em torno do aquecimento da economia e da modernização industrial do país,junto com, entre outros fatores, os ataques alemãs na costa brasileira.2.2 A GUERRA ECLODEA Segunda Guerra Mundial, 1939 – 1945, é colocada por vários historiados como algo inevitável devido aocontexto em que algumas nações européias se submeteram ao final da Primeira Guerra Mundial, principalmente pelaAlemanha – a que se viu mais prejudicada com as cláusulas do Tratado de Versalhes.A Alemanha e a Itália – que também se viu prejudicada no entreguerras – a fim de se soerguerem apostaramem governos totalitários, respectivamente, nazista e fascista. E a Europa, que não queria mais outra guerra, optou porcalar-se frente à emergência de tais movimentos numa política de apaziguamento que apenas retardou o que setornaria mais tarde a Segunda Grande Guerra. E mais, o ímpeto imperialista ainda assolava a Europa, principalmentecom o rápido crescimento e recuperação da Alemanha frente a sua derrota anterior. Ela queria relançar-se novamenteem busca de mercados e centros de matérias-primas, já que não contava mais com colônias – que haviam sidoretiradas da direção da mesma no pós-Primeira Guerra Mundial.Tal status quo culminou na invasão da Polônia pela Alemanha, eclodindo a Segunda Grande Guerra. Nasforças do Eixo, liderados pela Alemanha, contavam também a Itália (com entrada posterior ao início da guerra) e oJapão. Este último possuía fortes pretensões imperialistas na Ásia. E, na força dos Aliados, existiam inicialmente aInglaterra e a França, com entrada posterior dos Estados Unidos e da União Soviética. Apesar de apenas algumasnações liderarem o front, todo o mundo estava separado em alianças com um grupo ou outro.Ao início da guerra, o eixo avançou de maneira rápida e eficiente. Um reflexo claro dos objetivos de Hitlertanto ideológicos, com a efervescência nazista e nacionalista alemã, como militar, no rearmamento erestabelecimento do serviço militar obrigatório na Alemanha desde 1935 – mesmo que proibido pelos tratados pós-guerra. A estratégia de luta alemã consistia na blitzkrieg, uma guerra rápida e que não fornecia muitas baixas aosexércitos nazistas. Em menos de um mês a Alemanha havia tomado a Polônia e partira para as demais naçõeseuropéias, dentre elas a Bélgica e a Holanda. Em maio de 1940, a Alemanha foca seus exércitos na França, com ocerco à Paris. Com sucessivas vitórias e a ocupação de nações próximas, a Alemanha consegue ocupar Paris em 14
  19. 19. de junho de 1940 num momento chave para a guerra em ação. Neste momento, a Itália passa a lutar ao lado do Pactode Aço, denominado posteriormente de Eixo. A próxima grande nação a atacar seria a Inglaterra.Na Ásia, o Japão também se expandia, em estratégia de guerra de se buscar inicialmente as naçõesimperialistas do continente para posterior conquista das suas metrópoles para a enfim dominação japonesa docontinente – objetivo final destes.A fim de minar as forças inglesas, os alemães atacavam os meios de transporte que poderiam fornecermantimentos para a Inglaterra. Por isso, bombardeavam os portos e aeroportos ingleses a fim do seuenfraquecimento6, ocorrendo inclusive torpedeamento de submarinos. Continuam com tal política, mas em agosto de1940 também partem em busca da conquista deste país. Graças a sua tecnologia na aviação e de radar somada a umaforte resistência, a Inglaterra conseguiu manter-se frente a força alemã até que esta última retrocedeu (CHIARETTI,1995, p. 22-23).Uma grande perda alemã foi com a invasão da União Soviética em 1941, que motivou esta nação a entrar naguerra ao lado dos Aliados como um forte poder de combate devido a sua estratégia de guerra7. A força russa,inclusive, trouxe a primeira derrota alemã, a Batalha de Stalingrado, ocorrida em 1943. Outra soma para os Aliadosfoi a entrada dos Estados Unidos no conflito devido ao ataque a Pearl Harbor, Havaí, EUA, em 07 de dezembro de1941, pelo Japão. Antes deste ataque, os EUA enviavam mantimentos e outros produtos de guerra para os paísesaliados, como também enviou pilotos para a Royal Air Force, Real Força Aérea Britânica, que defendia o espaçoaéreo. Mas, ao ser atacado em solo nacional, parte com um forte poder bélico em ações na Europa e no Pacífico. Aestes eventos, a Segunda Guerra Mundial vê uma reviravolta em seus resultados, com o avanço dos aliados emdetrimento do anterior sucesso alemão. A própria Itália é um exemplo deste momento, já que teve o sul de seu paísocupado por forças aliadas, restando o norte a ser conquistado com tropas germânicas que haviam sido enviadas parao país já devido às perdas que o mesmo vinha passando.É na Itália que o Brasil, junto deste contexto de entrada de novos países na guerra, vai ter seu teatro deoperações com a Força Expedicionária Brasileira.2.3 A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL E O BRASILNo Brasil, a Segunda Guerra Mundial não exerce influência apenas na pressão para a entrada do país naguerra, mas também no campo político-econômico provocando uma crise no país que acarretou, segundo Ianni(1991,p.58-59):No nível do sistema econômico e financeiro, a Segunda Guerra Mundial colocou o Brasil diante de problemastais como os seguintes: a) Caíram repentinamente as exportações do café, cacau, madeira, laranja, banana, etc.,devido ao isolamento dos mercados externos mais importantes. Em conseqüência, cresceram desmedidamente6Navios mercantes provenientes da América também eram focados neste contexto com intenção de corte no fornecimento de mantimentos ecomida.7Esta estratégia de resistência foi essencial principalmente na contra-ofensiva russa entre 1942 e 1944, quando os soldados alemãessucumbiram ao frio soviético.
  20. 20. os estoques e baixaram os preços. b) Tornaram-se escassos os produtos importados, tais como carvão, gasolina,óleo combustível, máquinas, metais etc. c) Cresceu rapidamente a demanda de material bélico ou importantepara a mobilização militar. d) Verificou-se uma onda inflacionária, com o agravamento da situação econômica esocial dos assalariados urbanos, particularmente o proletariado. Essa inflação foi impulsionada pelo rescimentodas despesas governamentais e pelo acúmulo de divisas provenientes das exportações de suprimentos de guerrapara os Estados Unidos e a Inglaterra. Em regime de controle cambial (numa época em que a importação nãocompensava a exportação) o governo brasileiro era obrigado a transferir grandes quantidades de moeda nacionalaos exportadores. Em conseqüência, crescia mais que proporcionalmente a demanda no mercado interno.(IANNI, 1991, p. 58-59)Esta crise generalizada fez com que o país tomasse medidas econômicas e tecnicistas capazes de supri-las,para tal foram criados órgãos como a Coordenação da Mobilização Econômica e o Serviço de Proteção Industrial.No campo social, a pressão para a entrada do Brasil na guerra acontece sob diversas formas. A primeiraocorre com o ataque a Pearl Harbor, uma vez que o continente americano, que até o momento não havia sido palcode conflito algum, foi atingido. Os EUA pressionaram o continente a posicionarem-se em apoio ao mesmo e aosAliados, e o Brasil, neste momento, aceitou permanecer ao lado destes.Cinco navios brasileiros são bombardeados por forças alemãs – que não queriam que os Aliados recebessemos mantimentos trazidos do país para eles. Por isso, começa no Brasil uma comoção contra o nazi-fascismo e,conseqüentemente, contra as forças do Eixo. E junto a esta mobilização, começa um movimento de apoio a entradado país na guerra.Em 31 de agosto de 1942, cedendo a pressões internas e externas, Vargas declara-se em guerra contra aAlemanha e Itália. Mas permanece sem enviar tropas para a guerra, restringindo-se a construir bases militares com oapoio dos Estados Unidos8- cedendo seu uso para os mesmos –, que em contrapartida apoiaram a formação daSiderúrgica de Volta Redonda.Em 1944 a Força Expedicionária Brasileira (FEB), parte para o centro da Itália, mais especificamente osMontes Apeninos, a fim de lutar ao lado dos Aliados, e fica no país durante 07 meses e meio de conflito. No total,cinco escalões foram enviados para o país, somando 25.334 soldados comandados pelo General João BatistaMascarenhas de Moraes. Tal investida provocou uma atenção ainda maior do país para a guerra, motivando inclusivea população a criticar a ditadura em que estávamos convivendo. Pois, existia a contradição: o Brasil, um país emditadura, apoiando os Aliados em prol da democracia. Isto fez emergir a voz da população, que pressionou opresidente até que o mesmo, em 1945, inicia uma reforma constitucional.Desta maneira, podemos analisar não apenas o caráter militar da investida brasileira na Itália, mas também oseu caráter simbólico. Afinal, o país estava em conjunto com sua população – que atentava a cada dia para as notíciasda guerra – lutando ao lado dos aliados num contexto mundial de defesa territorial, nacional e ideológica. E istomobilizou a população para outras questões em torno de sua própria nação, levando-as a exigir melhores situaçõespara si que não uma ditadura. Inclusive, tal simbolismo existe até os dias atuais com uma grande produção científicae livresca sobre a participação brasileira na guerra, além da própria realização de roteiros turísticos por onde astropas brasileiras travaram suas guerras na Itália9, a produção midiática – principalmente de filmes como “LapaAzul” e “A Cobra Fumou” - e, entre outros, a existência, no Rio de Janeiro, de um museu dedicado aos pracinhas8Estas bases militares tomaram lugar em Belém, PA; Recife, PE; Natal, RN e, por fim, em Salvador, BA.9Como por ser visto no sitio eletrônico <http://www.anvfeb.com.br/roteiro_italia.htm>. Acesso em 05.08.08.
  21. 21. vítimas da guerra denominado “Monumentos aos Mortos da Segunda Guerra Mundial”, comumente conhecido com“Monumentos aos Pracinhas”10.Outro questionamento despertado com a participação brasileira na Segunda Guerra Mundial foi em torno daimportância ou não da FEB na luta – uma vez que em comparação aos demais exércitos foram poucos escalõesenviados para o local, aliado à crítica de que tal participação seria apenas para reduzir o número de mortos dos outrospaíses, como os EUA. Tal pensamento é posto por Luis Felipe Neves (1995, p.295), que coloca:Ainda hoje há quem acredite que os navios brasileiros foram torpedeados, o foram por submarinos americanose/ou ingleses e não pelos barcos da marinha alemã. Também não falta quem pense que fomos à Itália porimposição dos americanos, para sangrar por eles quando, na verdade, não há razão para duvidar que foram oschefes do Estado Novo – isto é, Vargas, absoluto, e uns pouco mais – os responsáveis pela criação da FEB(NEVES, 1995, p. 295)Desta maneira percebemos a diversidade de opiniões sobre a participação brasileira na guerra, de arranjopolítico à submissão aos países aliados e até a possibilidade de fogo amigo. Porém há relatórios ainda hoje naAlemanha da antiga Kriegmarine( marinha) que mostram afundamentos destes navios por submarinos alemães.O contexto internacional e o nacional impulsionaram o Brasil à guerra e, mesmo com o ceticismo de váriosintelectuais sobre a importância da participação brasileira na guerra, sabe-se que a mesma foi importante não apenaspara o destino mundial, como para o próprio país. Economicamente, contávamos com o apoio aliado dos EUA, comacordos de financiamento de siderúrgica; politicamente, iniciava-se uma crítica que faria o Estado Novo retroceder;e, simbolicamente, estávamos unidos num único povo em luta numa guerra de outrem, mas que ganhou conotaçãonacional. Além destes, podem ter existido vários outros motivos na pauta do governo brasileiro.Apesar das discussões sobre a importância ou não da guerra para o Brasil, os pracinhas que lutaram na Itáliaaté hoje são lembrados e homenageados. Eles são postos como os heróis do Brasil neste momento por, entre outrosmotivos, terem enfrentado uma guerra que não era sua, mas conquistando vitórias importantes e avançando juntocom o exército norte-americano a fim de parar o Eixo – representado na Itália não apenas pelos exércitos nacionais,mas principalmente pelas forças germânicas que foram apoiar o país que estava próximo da capitulação.Dentre várias homenagens aos pracinhas, temos a presença de depoimentos e do apoio destes em seu retornopara o país, além da presença de locais como os existentes no Museu dos Mortos da Segunda Guerra Mundial,localizado no Rio de Janeiro, RJ. Neste museu, descansam vários pracinhas brasileiros que lutaram na FEB, e queestavam enterrados em Pistóia, dentre vários monumentos representando os mesmos.Afinal, o Brasil devia mostrar a sua força e potencialidade militar para os demais países do mundo. E estessoldados cumpriram seu dever.A figura abaixo mostra uma escultura construída em homenagem aos pracinhas, retratando os trêscombatentes das Forças Armadas, Marinha, Exército e Aeronáutica.10Este museu conta, entre esculturas e monumentos, com um mausoléu com os corpos de 466 combatentes brasileiros na Itália.
  22. 22. Figura 1 - Escultura em homenagem aos pracinhas brasileiros presente no Museu aos Mortos da SegundaGuerra Mundial. Autor desconhecido.Assim, a participação brasileira na guerra foi um elemento polêmico e que despertou muita crítica no paísdurante a Era Vargas e nos anos subseqüentes em termos econômicos, políticos e simbólicos.No contexto militar, também se mostrou importante com o início do avanço aliado a partir do sul da Itália em1943, em batalhas chaves como a de Monte Castelo e Montese. Estas estabeleceram o ritmo de ação dos exércitosbrasileiros em meio ao sucesso na batalha, proporcionando o avanço cada vez maior junto com a rendição alemã nonorte da Itália em 1945.O país depois da guerra não seria o mesmo, assim como o mundo também não o foi. No caso brasileiro, nãoapenas a Segunda Guerra Mundial transformou nossa sociedade, como a FEB também o fez, estimulando apopulação a pensar sob diversos aspectos sua própria existência, mas que se mostrou eficaz em suas vitórias. Porisso, a FEB na Segunda Guerra Mundial não foi apenas uma entidade militar, mas uma representante simbólica dopaís.
  23. 23. 3 E O BRASIL PARTE PARA A GUERRA3.1 ROMPIMENTO DE RELAÇÕESEm face ao rompimento das relações diplomáticas do Brasil com os países que compunham o bloco do Eixo,em 28 de janeiro de 1942, proferido pelo chanceler Oswaldo Aranha ao fim da Terceira Reunião de Consultas dosMinistros do Exterior das Repúblicas Americanas11, a nação teve vários navios mercantes torpedeados porsubmarinos alemães.Curiosamente, nos dois primeiros anos da guerra, três navios brasileiros foram confiscados pelos britânicos(Aliados), que alegavam a presença de produtos de contrabando alemão (o que na verdade era armamento alemãocomprado pelo Brasil antes da guerra) ou de alemães em si no navio. Estes confiscos geraram protestos por parte dogoverno brasileiro e foram prontamente resolvidos com a liberação dos navios.Contudo, a tomada dos navios brasileiros por partes dos alemães se deu em forma de investida militar, com oprimeiro navio atacado, de nome Taubaté, acarretando num saldo de 13 feridos e um morto, José Francisco Fraga.Outros navios são atacados, como: Siqueira Campos, que é tomado por tiros de canhão pelas forças alemãs, que oliberam após vistoria no mesmo; Cairu, que é atacado com saldo de uma morte; Gonçalves Dias, afundado e com umsaldo total de seis mortes; Alegrete; Parnaíba; Barbacena; Tamandaré, Pedrinhas, entre outros, são torpedeados eafundados com algumas mortes envolvidas em tais ataques. O maior saldo de mortes neste momento se dá no Piave,com um total de 18 mortes. Posteriormente, outros navios serão bombardeados com um saldo ainda maior de mortose feridos.Outro ponto que ainda deve ser considerado é a reunião dos chanceleres do continente americano, em que em30 de julho de 1940 foi decidido que qualquer atentado a um dos países do continente seria tido como um ataque aocontinente. E, no caso, não apenas contávamos com os bombardeios aos nossos navios, como o memorável atentadoà Pearl Harbor, Havaí, EUA12, já havia ocorrido – levando os Estados Unidos a ingressarem na luta armada diretacontra o Eixo e a mobilizar a América como um todo a fazer o mesmo.A esses incidentes, e vários outros descritos anteriormente, seguiu-se uma forte mobilização popular em favorda entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial para lutar ao lado dos Aliados contra o nazi-fascismo. E é entre 15e 21 de agosto de 1942 que cinco navios mercantes brasileiros são atacados e afundados em Sergipe, novamente commortes contabilizadas. Sobre este evento, o General Octavio Costa comenta no sítio eletrônico do ExércitoBrasileiro:11Vale frisar que na primeira reunião discutiu-se em prol do estado de neutralidade. Contudo, em vista do delinear dos acontecimentos, foiconcordado nesta terceira edição da reunião que o melhor seria o rompimento de relações com o Eixo.12O atentado à Pearl Harbor ocorreu em 07 de dezembro de 1941 e se deu em forma de ataque surpresa pelos japoneses, que acabaram coma esquadra marinha norte-americana. A este ataque, o continente americano declarou solidariedade e, mais tarde, declararia o rompimento derelações de vários países com o Eixo – inclusive por parte do Brasil.
  24. 24. A escalada da agressão no mar atingira seu ponto culminante na segunda quinzena de agosto, quando foramtorpedeados, no espaço de dois dias, cinco navios, no mar raso das costas de Sergipe e Alagoas. O drama denossa Marinha Mercante comovia a nação. A imprensa brasileira cumpria o seu papel ao fazer-se o grandeporta-voz do povo que, nas ruas, exigia a declaração de guerra, afinal decretada a 22 de agosto de 1942. (Sítioeletrônico do Exército Brasileiro, disponível em http://www.exercito.gov.br/01inst/feb/octavio.htm. Acesso em11.08.08)A este evento, tido como uma ameaça à soberania nacional, o governo brasileiro não poderia mais esperar anão ser declarar estado de beligerância à Alemanha e à Itália em 22 de agosto de 1942. E, a seguir, o estado de guerra(31 de agosto de 1942) contra a Alemanha e a Itália em oposição ao estado de neutralidade proferido pelo Brasil em3 de setembro de 1939.A organização e estruturação militar, contudo, vem a delinear-se posteriormente, com a criação da ForçaExpedicionária Brasileira (FEB). Os mares brasileiros também passam a serem mais protegidos, devido àpossibilidade de mais ameaças ao mesmo.Mesmo com a declaração de guerra, inúmeros grupos sociais no país clamavam pela entrada de fato do Brasilna guerra, principalmente após os torpedeamentos alemães a navios brasileiros. Dentre organizações favoráveis auma investida militar, tínhamos a União Nacional dos Estudantes (UNE). Para o governo brasileiro, a entrada naguerra também significava investimentos da modernização e industrialização do país – o que tornava tal ação aindamais atraente para Vargas.Sobre os pensamentos em torno da motivação brasileira para a guerra, temos as questões econômicas, comintenções de Vargas de acordos com os EUA; políticas e de retaliação aos bombardeamentos de navios brasileirospelos alemães. As teses sobre tais bombardeamentos serem provenientes da Inglaterra ou dos EUA podem nuncaserem explicadas devido à confidencialidade dos documentos de guerra, aos quais instituições preferem destruí-los alevar a verdade para a sociedade. Como afirma Le Goff (1997), todo documento é um monumento, e por isso ele nãodeve ser visto como uma fonte absoluta de verdade, mas como algo que deve ser analisado e entendido segundo ocontexto em que foi criado.Neste meio, a falta e ausência de documentos, como é o caso da maioria dos documentos de guerra, mostramo silencia almejado pelos chefes e órgãos militares – que pode considerar tais documentos e estratégias de guerrasegredo nacional ocultando e/ou selecionando a verdade que querem passar. Contudo, estes pensamentos tambémsão interessantes para se entender todo o pensamento que se é difundido sobre a Segunda Guerra Mundial.Das mobilizações em torno da participação brasileira, foram iniciadas as negociações por tal ação afetiva.Apesar da aparente vontade do governo brasileiro pela participação na guerra, as vitórias dos Aliados em pontosestratégicos com o norte da África retiravam certo prestígio de investimentos militares para o Brasil – que inclusiveestava geograficamente mais distante e por isso provavelmente considerado menos importante em termosestratégicos do que a África.Mas a guerra era interessante para o Brasil, e a vista de equipar militarmente as Forças Armadas Brasileiraspor países Aliados, com os EUA e a Inglaterra, Vargas negociou principalmente com o presidente norte-americano –
  25. 25. Franklin Roosevelt13– em sua visita ao Brasil na cidade de Natal em 1943. Nestas conversas, Vargas enfatizou avontade de ação efetiva do Brasil na guerra e por isso a necessidade de acordos bilaterais para tornar tal açãorealidade.A figura abaixo mostra a confraternização dos presidentes (brasileiro e norte-americano) em sua visita aoBrasil.Figura 2: Encontro de Getúlio Vargas e Franklin Roosevelt. Autor desconhecido.3.2 A FEB E A GUERRA: O BRASIL EM AÇÃOAs primeiras ações brasileiras consistiram apenas na defesa do norte e do nordeste brasileiro, com aimplantação de bases militares a serem realizadas pela Comissão Mista de defesa Brasil-Estados Unidos, e cessão douso dos portos também para os EUA, dos quais neste arranjo o Brasil receberia armamentos para fortalecer seuexército. Ainda, várias bases já existentes foram aprimoradas, como as bases aéreas e navais de Recife e de Salvador,e outras criadas, com bases aéreas em Natal, Fortaleza e Belém. Ainda, um número maior de soldados ocupou oNordeste preparando para um potencial desembarque de inimigos do Eixo.Os EUA também construíram bases aéreas em Natal e Belém. Como descrito no sítio eletrônico do ExércitoBrasileiro, a defesa do nordeste brasileiro era importante devido a:13Este presidente havia aprovado em 11 de março de 1941 o fundo Lend-lease-act, que seria destinado a fornecer apoio financeiro e deprodutos bélicos aos países que se declarassem em guerra contra a Alemanha.
  26. 26. 1) sua posição geográfica, um saliente do Atlântico formando com a costa do Senegal o estreito do Atlântico; oPresidente Roosevelt em discurso referiu-se à importância da ponte estratégica Natal-Dacar; 2) as evidentesintenções do governo alemão, após o armistício com a França (governo Pétain) de ocupar as colônias francesasda costa atlântica da África, defronte ao litoral brasileiro. (Sítio eletrônico institucional do Exérci-to Brasileiro, disponível em: http://www.exerci-to.gov.br/03ativid/feb/meiramat.htm. Acesso em 01.08.08)Já em 26 de janeiro de 1943, o então ministro da Guerra Eurico Gaspar Dutra, afirma em declaração aopresidente a vontade do exército brasileiro de participar do conflito. Neste meio termo, navios brasileiros como oAfonso Pena e Brasilóide são torpedeados com alto número de mortos e feridos. Com aprovação norte-americana,Getúlio Vargas em 15 de março de 1943 afirma sua posição favorável à declaração do Ministro Dutra e a FEBcomeça a se delinear enquanto instituição.A figura 3 representa o símbolo da FEB. Muitos diziam que era mais fácil a cobra fumar do que o Brasil irpara a guerra, por isso a representação abaixo, mostrando então, que a cobra de fato fumou.Figura 3: Símbolo da FEB.Sobre a ação da FEB, Pinto e Ferraz (2007,p.02) colocam que esta foi “[...] a única força combatente daAmérica Latina no continente europeu”, conotando mais uma importância para a ação brasileira na Itália, no qualrepresentava o país e a latino-américa. Os autores denominam, ainda, os membros da FEB de “cidadãos-soldados”devido ao recrutamento voluntário tanto das Forças Armadas como do Exército Brasileiro, em que vários brasileirospuderam ingressar na instituição num contexto acusado também por estes autores do ingresso ao exército como umaforma de “castigo”, uma vez que os benefícios de tal emprego no exército, e na própria FEB, eram baixos e, por isso,relegados aos cidadãos das classes mais baixas, que apesar de tudo tinham no exército uma garantia de, ao menos, seestar empregado.Desta situação, a FEB, que também amedrontava por ser destinada ao combate de fato, foi composta por “[...]em sua maioria de soldados pobres, que integrava negros, brancos (a FEB foi à única tropa racialmente integrada),com baixa escolaridade e que pouco sabiam das razões de lutar contra o Eixo” (PINTO; FERRAZ, 2007, p. 4).Estes soldados teriam que lutar por aqueles mais ricos que conseguiam evitar seu recrutamento e pela sua própriasobrevivência, já que no mundo as oportunidades são oferecidas de maneira diferenciada para cada um.
  27. 27. Mas vale o questionamento em torno do alistamento de tal exército, já que vários membros já presentes nasforças armadas poderiam ter sidos convocados, implicando em pessoas mais treinadas por já estarem na instituição.Enquanto os pracinhas selecionados tiveram de passar por um rápido treinamento e logo entrar na guerra.Em 09 de agosto de 1943 é criada a Força Expedicionária Brasileira, FEB, através da Portaria Ministerial nº47/44. O comando destes estaria a cargo do General Mascarenhas de Morais. Em 20 de outubro do mesmo ano, osoficiais do exército que passaram a integrar a FEB, que já possuía autonomia administrativa após passar apenas ummês vinculada à 1º Divisão de Infantaria Expedicionária e Órgãos-Não-Divisionários, iniciam seus exames de saúdepara verificar como estão fisicamente e psicologicamente. Tais testes ocorreram de maneira rápida de acordo comohavia se delineado a própria seleção dos pracinhas.Em 02 de julho o primeiro escalão da FEB parte para a Itália a fim de ingressar a força dos Aliados nocombato ao Eixo e desembarcam em 16 de julho de 1944 em Nápoles. Este grupo era composto por 5.081 homens,dos quais 295 eram oficiais, 4.769 eram praças e 17 indivíduos que compunham o grupo em outros serviços. Aoanalisar o alto número de praças em relação aos demais membros do escalão, confirma-se ainda mais a importânciada figura do “pracinha” para a ação brasileira na Itália, que foi selecionado para ir a guerra de maneira rápida e semtreinamento militar e psicológico suficiente para uma participação eficaz na guerra, mas que a ele caberia todo opeso do sucesso militar brasileiro.O treinamento e preparo insuficientes do pracinha não é percebido apenas através das armas que os mesmosdispunham, até porque uma vez na Itália o exército norte-americano forneceu novas armas para os brasileiros, mastambém acerca de como procedê-las e até mesmo no treinamento psicológico para o ataque no front. Como pode servisto em trechos do depoimento de Schnaidermann (1995), em que relata sobre o momento de estada na Tarquínia,pouco depois do desembarque dos pracinhas na Itália:[...] chegou o armamento. Era completamente diferente daquilo que conhecíamos, eram canhões de 105milímetros; a arma de defesa aproximada ao que estava acostumado era o mosquetão, mais pesado e menor queo fuzil, mas recebemos carabinas leves, pequenas e semi-automáticas que pareciam armas de brinquedo.(SCHNAIDERMANN, 1995, p. 288)Outra problemática enfrentada pelos pracinhas brasileiros na Itália dizia respeito à própria ida destes para aItália, em que 5.081 partem para o país junto com o primeiro escalão, mas não sabe-se ao certo o porquê da guerra –uma vez que são interesses de outros países e outros povos, e não do Brasil. Tais dúvidas também foram passadas nodepoimento de um pracinha na guerra, Boris Shnaidermann, que apesar de ter nascido na Rússia, cresceu no Brasil evoluntariou-se para lutar contra os fascistas na guerra. Em seu discurso, ele expõe:Havia um grande desalento, não havia entusiasmo. Os jornais falavam e usavam aquele palavreado bonito,“vamos à luta” ou “lutar pela democracia”, mas como o povo poderia ter algum entusiasmo? Lutar pelademocracia saindo de um país dominado por uma ditadura feroz? A ditadura do Estado Novo no tempo deGetúlio Vargas não foi brincadeira. Então, iria-se lutar pela democracia para outros enquanto que, no país,reinava aquela ditadura? E, mais ainda, o próprio governo de Getúlio, pouco antes de aderir aos aliados, narealidade, estava orientando-se no sentido dos países do Eixo. [...] O povo não sentia nenhuma necessidade delutar. Quando você é atacado, você reage, mas sair daqui do Brasil onde não aconteciam os combates? E, aindamais, dizia-se que os navios brasileiros afundados foram atacados por americanos para colocar os brasileiros nofogo. Essas idéias eram correntes então. (SCHNAIDERMANN, 1995, p. 285)
  28. 28. Haviam, então, vários embates psicológicos acompanhando os pracinhas na guerra, que eram os mesmossentidos por parte da população brasileira, mas em um nível mais elevado devido a possibilidade da morte emcombate por um objetivo de outrem. Contudo, ainda com tais conflitos, a ação brasileira na Itália ocorreu de maneiraeficaz, como pode ser visto adiante.O Grupo de Aviação de Caça já havia partido desde 03 de janeiro e outro grupo em 13 de março deste ano,mas antes passaria por uma fase de treinamentos nos Estados Unidos. Estes partem para a Itália em 10 de setembrode 1944.O primeiro ataque à Alemanha por parte dos brasileiros, contudo, ocorre no Brasil com a continuidade detorpedeamentos a navios brasileiros, aviões da Força Aérea Brasileira conseguem afundar um submarino alemão noRio de Janeiro em 31 de julho de 1943. E, em 09 de janeiro de 1944, outro submarino alemão é torpedeado porforças norte-americanas e brasileiras, aprisionando um total de 145 prisioneiros de guerra – entre italianos e alemães.Uma vez em Nápoles, o Primeiro escalão da FEB é incorporado, em 05 de agosto de 1944, ao 5º Exércitonorte-americano - que era comandado pelo General Mark Clark e que já havia passando por severas baixas em seuscorpos militares – partindo para lutar no Vale do rio Serchio. Posteriormente, partem para o Vale do rio Reno, onde abatalha de Monte Castelo é vencida após várias tentativas; seguindo para o Vale do rio Panaro e, então, para o Valedo Pó.O primeiro escalão brasileiro que desembarca na Itália se transfere para a cidade de Vada, passando antes porAgnaro e Tarquínia, onde recebeu por um treinamento e tem sua entrada na guerra em 15 de setembro junto com o 5ºExército norte-americano. No dia seguinte, ocupa as cidades de Massarosa e Monte Comunale e depois, em 18 desetembro, toma Camaiore. Numa seqüência de cidades conquistadas, passa também por Monte Prano, Lama di Sottoe Fornaci. Reforços chegam em 06 de outubro de 1944, com o 2º e o 3º Batalhão da FEB desembarcando emNápoles.A força aérea também marca presença na Guerra, após treinamento nos EUA, ela chega em Livorno e seintegram às forças aéreas Aliadas no Mediterrânea – começando suas ações em 06 de novembro. Era o 350˚ FighterSquadron.Dentre outras cidades conquistadas pela FEB temos: Barga, Gaciliano, Lama di Sopra, Pradescello, Pian delos Rios, Collo e San Chirico. E, em novembro, começam as investidas em busca da conquista de Monte Castelo. Oprimeiro ataque ocorreu em 24 de novembro, com os ataques subseqüentes à região, que é conquistada apenas em 21de fevereiro de 1945. Neste meio termo, chegaram à Itália o 4º Escalão da FEB, com o 5º chegando apenas um diaapós a conquista de Monte Castelo, em 22 de fevereiro.A FEB toma ainda Montese, Zocca, Montalto e, entre outras, Turim. Em 28 de abril, quando a FEB tambémtoma Colecchio, a 148ª Divisão de Infantaria alemã se rende até que no dia seguinte apresenta-a oficialmente à FEBem Ponte Scodogna.Em 08 de maio, a rendição alemã é geral e as lutas se encerram, sendo a última a de Praga – não mais naItália.Vale frisar que o Japão permanece na guerra, rendendo-se apenas depois, em 14 de agosto, após sofrer osataques nucleares de Hiroshima e de Nagasaki – que até hoje são pólos conhecidos de doenças de câncer por toda
  29. 29. herança nuclear deixada no local por tais ataques. A reação brasileira à continuidade do Japão na guerra se deu com adeclaração de guerra contra o mesmo em 06 de junho de 1945.Em 06 de julho de 1945, o primeiro escalão da FEB parte de Nápoles de volta para o Brasil com aqueles quesobreviveram. Num total, o Brasil contabilizou 457 mortos entre os membros da FEB e 2.722 feridos em combate deum efetivo total de 25.334 membros.Os soldados e pracinhas brasileiros são recebidos como heróis de guerra. Não há muitos estudos sobre comose deu seu retorno a vida civil (já que muitos voluntários eram civis e de acordo com a lei brasileira uma vez acabadaa guerra eles poderiam retornar a vida civil e a seus respectivos empregos), contudo, vários monumentos, livros,entre outras homenagens foram criados para os mesmos.3.3 A SAÚDE NA GUERRASabe-se que toda guerra, não importa de que tamanho, necessita de uma assistência médica a fim de reduziras baixas de cada lado. Vários órgãos de saúde, como a Cruz Vermelha são, inclusive, colocados como neutros e,como entidades de saúde, não devem ser atingidas por fogo inimigo. Para exemplificar, podemos colocar o choquena opinião pública sobre a Guerra do Iraque proferida pelos Estados Unidos e seu presidente George W. Bush, emque vários alvos civis – e nestes hospitais – foram atingidos por mísseis norte-americanos, comovendo a opiniãopública uma vez que a população iraquiana não deveria sofrer tais reveses por motivos supranacionais e, ainda porcima, perder suas condições básicas de sobrevivência aos mísseis com o bombardeio de sua própria ajuda médica.Na investida brasileira na Itália, um corpo de 100 médicos e 111 enfermeiras compuseram a equipe médicanacional. Serviço este muito importante para os soldados brasileiros que tiveram um número total de 2.722 feridos,além dos 457 mortos que puderam ou não contar com uma prévia ajuda médica. O setor médico também contavacom uma unidade psicológica que baseava suas ações principalmente na preparação mental e motivacional dosoldado para a guerra.A inspeção médica não se deu apenas durante a guerra. Ela iniciou-se junto a convocação dos voluntários quecomporiam a FEB, que selecionou no país vários jovens para lutarem pelo país. Com estes voluntários, eramrealizados testes de saúde e psicológicos para avaliar a capacidade física e mental dos futuros pracinhas brasileirosna guerra.Não se tinha muita exigência com estes testes psicológicos já que não se poderia ter uma “elite” no corpo depracinhas da instituição, já que a maioria dos voluntários era de classes pobres e recorriam ao mesmo apenas emnível de sobrevivência própria. Aqueles que segundo os autores, possuíam “capacidade” maior para ingressar asforças armadas – inclusive pessoas já dentro da instituição – recorriam a favores e apadrinhamentos para fugir daconvocação de guerra.Entretanto, em relato sobre os exames realizados antes de ir para a guerra, Schnaidermann (1995,p.284),coloca:
  30. 30. [...] a convocação, praticamente, ocorreu às vésperas do embarque. Houve exames de saúde muito complicados,muito prolongados, e o resultado destes exames não poderia ter chegado ao quartel por ocasião do embarque e,comigo, embarcaram muitos que não tinham condições físicas para ir à guerra; pessoas doentes, pessoas que nãotinham um dedo e que, depois, foram recambiados. (SCHNAIDERMANN,1995, p. 284)Realizados de maneira rápida, tais exames mostram como a seleção dos soldados e dos pracinhas brasileirosfoi realizada – de maneira displicente quanto a quem fosse para o local, comprovando a própria tese de Pinto eFerraz, quanto à seleção de pessoas sem maiores exigências.Durante a estada brasileira na Itália, o frio do inverno europeu tomou conta dos soldados. E, ainda por cima,haviam vários problemas de saúde entre os pracinhas que já vinham com estes desde o Brasil, um deles, porexemplo, era a “[...] dificuldade de encontrar homens com vinte e seis dentes na boca.” (ALMEIDA et al , 2001, p.14). Desta maneira, percebemos a grande importância da assistência médica na Itália, que tornou o trabalho de guerrados pracinhas menos doloroso e, mesmo, contribuiu para a redução do número de mortos entre os membros da FEB.3.4 A GUERRA EM ETAPASA ação da FEB foi dividida em cinco momentos, são eles: as operações iniciais do destacamento do GeneralZenóbio da Costa; a fase defensiva; a ofensiva do IV Corpo do Exército; período de reajustamento e, por fim, a tãoesperada Ofensiva da Primavera. (ALMEIDA et al, 2001)As operações iniciais do destacamento do General Zenóbio da Costa ocorreram entre setembro e novembrode 1944, quando este destacamento realizou ações de deslocamento para a guerra, seguindo para o oeste da Itália.Neste momento as tropas alemãs estavam em retirada, o que facilitou as primeiras ações do exércitobrasileiro, que marcharam rumo à luta na guerra. Em 1˚ de novembro, o General Mascarenhas de Morais assume astropas brasileiras na Itália, acarretando no esfacelamento do destacamento, mas também em novas ações militares noteatro de operações da guerra. Vale frisar o caráter motivador de tal esforço inicial, em que o General Zenóbio daCosta e os soldados brasileiros transmitiram uma imagem de estarem dispostos e com coragem para lutar em prol dosaliados na guerra. A valentia é algo bem visto não apenas no exército, mas em todo o convívio social, e tal açãoprova a coragem de tal destacamento em detrimento de deserções e desistências que ocorrem posteriormente,principalmente durante a Batalha de Monte Castelo.A fase defensiva ocorreu entre novembro de 1944 e fevereiro de 1945 e baseou-se na época de inverno emque os pracinhas brasileiros tiveram de submeter a temperaturas muito baixas, aliado a batalhas importantes – tantoem vitórias como derrotas. Sobre este momento: “Aí, a FEB passou a atuar como uma Divisão inteira, sob ocomando já do General Mascarenhas de Morais. E o tempo dos ataques malogrados ao sinistro Monte Castelo”(ALMEIDA et al, 2001, p. 26).A figura abaixo mostra fotografia de soldados brasileiros em marcha para ação no Teatro de Operações.
  31. 31. Figura 4: Soldados brasileiros em ação no teatro de operações da Itália. Autor desconhecido.Outro local importante de se conquistar no Vale do rio Reno foi a cidade de Bolonha – que já vinha há trêsmeses em tentativas de conquista fracassadas pelos ingleses. A cidade era um entrecruzamento de acessosimportantes para a posterior conquista total da Itália, e por isso a necessidade de sua conquista. Nas lutas em talcidade, a Divisão da FEB já agiu em conjunto e não em destacamentos separadamente. A estratégia brasileira foiatacar outras localidades no Vale do Pó situadas em terrenos elevados e de domínio alemão, a fim de reduzir asforças inimigas e evitar o alto número de perdas na Bolonha. O Monte Castelo era um deles.A dificuldade era maior nestes ataques pelo fato destas elevações também serem fortificadas. O que faz destafase um momento marcado pelas tentativas de conquista de tais espaços para só depois investir-se numa conquista daBolonha.Após várias tentativas a FEB vai ganhando terreno com conquistas como a de Monte Castelo e Bervedere,que com sucessivos ataques o exército brasileiro conseguiu vencer na fase seguinte (em fevereiro de 1945), e depoispartir para a conquista do resto das cidades da região.O período que vai de fevereiro a março de 1945 destaca-se pela ofensiva do IV Corpo do Exército comvitórias importantes como a de Monte Castelo, entre outras que tornam o avanço brasileiro e do IV Corpo doExército norte-americano mais a frente dos inimigos, que perdem posições (ALMEIDA et al, 2001, p. 26).Monte Castelo, na verdade, é uma conquista emblemática para a FEB, já que foi conseguida a duras penaspelo exército brasileiro que a atacou quatro vezes para enfim sair vitorioso. Este período é, então, decisivo para orumo da guerra como aquele em que se dá a partida para a vitória eminente em torno do Vale do rio Pó. Afinal, coma conquista das elevações próximas a cidade de Bolonha, a rota 64 estava aberta, além da própria cidade – que eraum grande entrecruzamento no norte da Itália e até para a chegada na fronteira com a Áustria. Outro pontoimportante na conquista destas elevações, entre elas Monte Castelo, foi os esforços militares alemães, que acabaram
  32. 32. por dispersarem-se no teatro de operações do norte da Itália e acabaram por facilitar a dominação aliada após avitória de Monte Castelo.Entre março e abril de 1945 temos o período de reajustamento, em que as tropas permanecem em patrulhaconstante esperando pelo momento certo de agir, que chega no último período da ação da FEB denominado Ofensivada Primavera, entre abril de 1945 e o próprio final da guerra.Este período baseia-se na ofensiva final das forças aliadas na guerra com vitórias importantes como a enfimtomada de Bolonha, do qual o exército brasileiro parte para conquistar demais pontos como Montese e Zocca –essenciais para a rendição alemã na Itália em 07 de maio de 1945. A importância da Batalha de Montese é inclusivealvo de várias publicações e obras sobre a participação brasileira na guerra.Aos eventos que seguem o final da guerra na Itália, Almeida et al( 2001,p.27) coloca:[...] a arremetida em meio à desorganização inimiga do fim da guerra: a retirada, o cerco, Colecchio, Fornovo diTaro, a rendição de duas divisões inimigas, a corrida do vale do Pó, para os Alpes franceses, a junção de tropasbrasileiras e gaulesas, em Susa, a oeste de Turim. (ALMEIDA et al, 2001, p. 27)E, finalmente, a vitória contra o Eixo na Segunda Guerra Mundial com a rendição alemã na Itália e, poucodepois, em todo o continente europeu.Vale colocar aqui que apesar do curto espaço de tempo a ação brasileira na Itália se deu de forma eficiente ecomo um complemento e reforço àqueles que já estavam no teatro de operações na Itália. Integrando-se ao Corpo doexército norte-americano, a FEB contou com vitórias importantes que levaram à rendição alemã na Itália,ocasionando – junto com outros eventos na Alemanha e Europa – na rendição final da Alemanha e a vitória dosaliados.
  33. 33. 4 A IMPORTÂNCIA DE UMA BATALHA: MONTE CASTELO4.1 DO GERAL AO LOCAL, O CONTEXTO DA BATALHAA Segunda Guerra Mundial contou, em geral, com duas fases. São elas: a ofensiva do Eixo e a ofensivaaliada. A ofensiva do Eixo baseou-se na vitória alemã na Europa nos primeiros anos da guerra, entre 1939 e 1942.Com a tática da guerra relâmpago (Blitzkrieg), os exércitos alemães logo conquistaram países importantes comoPolônia, Holanda, Bélgica, Noruega, França, Grécia, entre outros. Além das sucessivas vitórias em demais países,com um avanço no Mediterrâneo e no norte da África. A Itália, neste momento, já apresentava dificuldades, e porisso tropas alemãs foram enviadas para o Mediterrâneo. O contingente alemão era numeroso e por isso exercia forteinfluência ao lado dos países componentes do bloco. O Japão buscava o domínio na Ásia já possuindo territórios daMalásia, Indonésia, Filipinas, Tailândia, entre outros. Seus exércitos eram determinados e aos poucos elesconquistavam importantes vitórias. Mas, seu ataque mais destacado neste momento foi o de Pearl Harbor, Havaí,EUA em 1941. Com esta investida, os EUA entraram na guerra ao lado dos Aliados, que também com a entrada dagrande e socialista União Soviética, marcava uma nova fase da Segunda Guerra Mundial: a ofensiva aliada.Na ofensiva aliada, este grupo pode avançar mais graças à entrada dos EUA na guerra, além da forçasoviética, que fez com que a Alemanha passasse por sua primeira derrota na guerra em 1942 com a Batalha deStalingrado - com a rendição alemã aos soviéticos em 1943.O pêndulo da guerra passa, então, a mudar de direção em favor dos Aliados. Esta ofensiva, segundo Neves(1996), agiu sob duas frentes de ataque, foram elas: o norte, procedente inicialmente da Inglaterra e o sul, iniciado nonorte da África. Do norte da África vieram as forças que tomaram o sul da Itália, retendo a resistência alemã no nortedo país, como a autora coloca:A partir da retomada do norte da África e da ocupação da Sicília, reconquistaram também o sul da Itália.Mussolini foi afastado do poder pelo próprio Conselho Fascista, e seu cargo acabou entregue ao marechalBadoglio. Os alemães, contudo, ainda ocupavam o norte do país e invadiram Roma em apoio a Mussolini, entãoreconduzido ao poder. Essa situação durou pouco tempo, pois o Duce foi capturado e morto pelas forças daresistência italiana. Enquanto isso, os Aliados continuavam sua ofensiva em território italiano, reconquistandoRoma e avançando até o norte, onde os alemães conservavam o vale do Rio Pó. Foi nessa ofensiva que as tropasbrasileiras (...) exerciam um papel destacado. (NEVES, 1996, p. 251)Foi neste contexto de guerra na Itália que a FEB entrou em ação. Suas operações foram concentradas no nortedo país, em que, como já colocado, teve suas primeiras ações em Varga no Vale do rio Reno e, posteriormente, embusca da conquista do Vale do rio Pó, com cidades importantes para a conquista final da Itália, como Bologna e,mais adiante, Montese. Esta última é tida, inclusive, como a Batalha que selou a conquista aliada sobre os alemãesno norte da Itália, sendo então alvo de estudos mais apurados sobre a mesma.
  34. 34. A figura 5 retrata os combatentes acampados no norte da Itália, concentrados para combate que se aproxima.Figura 5: Brasileiros no norte da Itália. Autor desconhecido.A planície do Pó era uma região estratégica para a conquista aliada e que se encontrava sob o domínioalemão. Uma porta de entrada para a possibilidade de luta e posse da região era a cidade de Bologna.Entretanto, para se conquistar Bologna era preciso atacar antes várias fortificações alemãs localizadas ao pédas montanhas do Vale do rio Reno, e uma destas fortificações era Monte Castelo. Tal estratégia era importante parao sucesso militar da FEB na Bolonha – que continha um grande arsenal de defesa e por isso exigia a necessidade deconquistas tangenciais à mesma para a enfim investida na cidade. Afinal, como coloca o General Octávio Costa,devia-se pressionar o inimigo em outras frentes:Tratava-se de fazê-lo pressionando o adversário em outras partes da frente, forçando-o a retirar alguns meios,que combatiam na defesa da grande cidade, para os setores ameaçados. Impunha-se, pois, atacar as posiçõesfortificadas do inimigo em nosso setor; atacar incessantemente, em um pedaço daquela frente extensíssima quetambém devíamos defender. Atacar do sopé para o cume fortificado, ainda sem a necessária experiência decombate; realizando ações frontais, sem meios suficientes; sem o apoio de blindados, pouco próprios para ocombate na montanha e que se atolariam no lodo daqueles dias; na lama e no frio, arrastando-se sob o castigo depesados capotões e enormes galochas; e sem a ajuda e o conforto da aviação, ausente daqueles terríveis céus denovembro e dezembro de 1944. Cada soldado brasileiro tombado nas encostas do Monte Castelo poupava osangue de muitos combatentes de Bolonha e permitia a recuperação de tantos outros que, desde a Sicília, oumesmo o Norte da África,vinham pagando o seu tributo. (Disponível em http://www.exercito.gov.br/01inst/feb/octavio.htm. Acesso em10.08.08)Então, mesmo com dificuldades, era melhor investir nos montes elevados próximos a Bolonha do que numataque à cidade em si. Os alemães também possuíam várias vantagens nas fortificações elevadas, como uma maiorvisibilidade e até dominância militar, mas estaria desprotegido pelo cerco e as constantes investidas brasileiras e
  35. 35. norte-americanas nos locais, que, devido a uma forte pressão em quatro ataques à Monte Castelo e vários outros nasdemais elevações fortificadas, fizeram o inimigo capitular.4.2 A DURA CONQUISTA DE MONTE CASTELOMonte Castelo chegou a ser chamado de Monte Sinistro pelo General Octavio Costa em registro no sitioeletrônico do exército brasileiro. A primeira investida na região ocorreu em 24 de novembro de 1944, seguido de umsegundo ataque no dia seguinte- ambos considerados como único ataque por alguns autores- e outro em 29 denovembro. Todos fracassados. O último ocorreu em 21 de fevereiro de 1945 e, finalmente, marca a conquista deMonte Castelo junto com outros montes militarizados próximos.As dificuldades de se conquistar as elevações fortificadas eram marcantes. Como expõe Theodoro (2003), atopografia do Vale do rio Reno favorecia os alemães, uma vez que a região era cortada por dois rios (Reno e Panaro),e contava com uma extensa rede de montanhas que asseguravam uma posição privilegiada para os alemães, que asocupavam sitiando os inimigos. A região também contava com observatórios dos quais os alemães mantinham-seinformados sobre as ações inimigas. Ainda, o clima do inverno europeu não era favorável às tropas aliadas, deixandoo terreno escorregadio e os dias mais curtos, evitando um possível ataque aéreo e prejudicando a própria mobilizaçãomilitar.A conquista de Monte Castelo, desta maneira, exigiria grandes esforços por parte do exército brasileiro.Como coloca um ex-pracinha da FEB:Foi um setor muito difícil. Durante muito tempo ficamos junto a uma ponte que era bombardeadaconstantemente pelos alemães. Dormíamos vestidos e fazíamos a ronda, revezando para não abandonar a centralde tiro. (SCHNAIDERMANN, 1995, p. 291)Em 12 de dezembro de 1944, teríamos o quarto ataque à Monte Castelo, mais uma vez fracassado. O GeneralOctavio Costa também faz um depoimento sobre o ataque, em que o analisa sob o viés militar:Assim é que, a 24 e 25 de novembro, um batalhão do 6º RI atacou juntamente com a Task Force 45 norte-americana; no dia 29, o grupamento de ataque estava formado por um batalhão de cada regimento; e, a 12 dedezembro, operamos com dois batalhões do 1º RI e dois do 11º RI. Por duas vezes o soldado brasileiro chegouquase a dominar o morro sinistro, mas não conseguiu firmar-se nas posições conquistadas. De ataque paraataque crescia a soma de nossas perdas e sacrifícios e, também, de nosso heroísmo e valia. Monte Castelo nãocaíra, mas a missão estava sendo bem cumprida, pois, pressionados no vale do Reno, os alemães traziam,apressadamente, da área de Bolonha para a nossa frente, a 114ª Divisão Ligeira. O preço dessa contribuição erao grande passivo de mortos e feridos, a crescente fama da inexpugnabilidade de Monte Castelo e o visíveldeclínio do poder combativo e do estado moral de nossa tropa. Em um dos batalhões do 1º RI que nãoconseguira firmar-se nas posições conquistadas, surgira uma questão disciplinar entre um comandante decompanhia e seu comandante de batalhão, que o processaria pelo "não cumprimento do dever em presença doinimigo". Esse estado de espírito chegou a contagiar e a alastrar-se a outras unidades. Substituído o batalhão do1º RI por um outro do 11º, este não resistiu, emocionalmente, ao assédio de uma patrulha de combate alemã, emsua primeira noite na frente de operações, de 2 para 3 de dezembro; foi acometido pelo pânico e abandonou suasposições, reocupadas, na manhã seguinte, por um batalhão do já experimentado 6º RI. Diante do ocorrido com o1º e o 11º RI, o General Mascarenhas decidiu afastar três de seus capitães, e, em decisão exemplar, fazer a
  36. 36. unidade que sofrera pânico participar do próximo ataque a Monte Castelo. Isso aconteceu a 12 de dezembro,quando o ataque uma vez mais fracassou, por diversas circunstâncias, apesar do bom desempenho da tropa.Os comandos, brasileiro e americano, bem souberam compreender o desgaste de nossas tropas que, emcircunstâncias normais, seriam retiradas da frente, a fim de preparar-se, à retaguarda, para as futuras missões.Mas isso não poderia se passar com a única Divisão brasileira, porque seria retirar o Brasil do campo da luta.Com a chegada do inverno, estabilizaram-se as operações, devendo a 1ª DIE defender seu setor mantendoagressivo contato com o inimigo. Foi a fase vivida de 13 de dezembro a 18 de fevereiro, de extraordináriaimportância para os destinos da FEB. Era a pausa de que necessitavam os comandos para reorganizar e instruir.Era a hora dos Capitães, inexcedíveis em seu papel de verdadeiros condutores da tropa. Eles puderam realizar,afinal, na própria frente de combate, nossa verdadeira preparação para a guerra, que não se concretizara nasáreas de treinamento da Itália e muito menos no Brasil. Nas longas vigílias geladas, repelindo investidas,suportando o castigo da experimentada artilharia alemã ou indo, em patrulhas, às posições inimigas, nossosoldado acreditou em si mesmo e esperou sua hora de avançar. Forjava-se, ali, o instrumento de combate quenoslevaria aos melhores dias e à vitória final. (Disponível em http://www.exercito.gov.br/01inst/feb/octavio.htm.Acesso em 10.08.08)A conquista de Monte Castelo proporcionaria aos aliados o acesso a rota 64 e, conseqüentemente, à Bolonha,além da possibilidade de ações e posterior conquista da planície do Pó. Ainda, o próprio enfraquecimento alemão.Por isso, a vitória nesta era muito importante, como em outras localidades de pé de montanha da região do Vale dorio Reno (Belvedere, Gorgolesco, Torre di Nerone, Soprassasso e Della Toraccia, além de Monte Castelo), onde osalemães se concentravam com a sua 232ª Divisão de Infantaria.4.3 ATAQUE POR ATAQUE: AS INVESTIDAS À MONTE CASTELOA primeira investida em Monte Castelo ocorreu em 24 de novembro de 1944. Alguns autores colocam osataques do dia 24 e de 25 de novembro como uma única investida, mas convêm-se expor os dois dias como ataquesdiferentes.Neste primeiro ataque a FEB (terceiro Batalhão do 6º Regimento de Infantaria e Esquadrão deReconhecimento) foram incorporados à Força-Tarefa 45, ou seja, não contava com uma liderança brasileirainvestindo na direção de Bombiana, Della Caselina e M. Terminale, partindo destes para Monte Castelo, ondeencontrar-se-iam com as tropas norte-americanas. No ataque a Bombiana, apenas a 7ª Companhia do 3º Batalhãoconseguiu romper a barreira alemã e prosseguir sua investida. Contudo, ao fim do dia, a luta havia sido malograda.Na figura seguinte, vemos desenhado a estratégia montada para conquista de Monte Castelo, mostrandopassagem por Bombiana.
  37. 37. Figura 6: Esquema ilustrativo para posicionar as localidades de Monte Castelo e Bombiana, focada no primeiro ataquede Monte Castelo.Como possuíam uma privilegiada posição, com várias possibilidades de visualização do inimigo, os alemãesjá sabiam do ataque que seria proferido a 24 de novembro – mesmo que os aliados tivessem se articulado pensandonum ataque surpresa. A reação alemã ao ataque já conhecido foi pesada e os aliados fracassaram.Em 25 de novembro, o ataque foi retomado, mas em direção à Monte Castelo (e não mais Bombiana). Mesmofracassado, as tropas brasileiras e norte-americanas conseguiram dominar La Cá e C. Viteline (retomada pelosalemães no dia seguinte), além de Monte Belvedere. Monte Castelo foi alcançado, mas as tropas tiveram de recuar,devido à “[...] enorme extensão do objetivo alcançado e por motivo de desgaste físico de que se achava presa, a tropaatacante não pôde firmar-se no terreno conquistado, sendo rechaçada para as posições de partida pelos carros-de-combate alemães” (MORAIS, 2005, p. 109).O alvo acabou maior do que o exército aliado poderia conseguir. Contudo, ficou claro um sentimento denegatividade e falta de credibilidade atribuída ao exército brasileiro por parte dos norte-americanos, que ficaria maisevidente posteriormente com o Plano Encore.O General Mascarenhas de Morais ainda acusa tal tentativa de derrota pela exibição ao inimigo dos objetivosmilitares de conquista de Monte Castelo. Mesmo que os dois primeiros ataques não tenham contado com suaparticipação (apenas os demais terão o comandante Mascarenhas de Morais na liderança), o militar expõe em seulivro de memórias que a Task Force 45 havia tomado Belvedere e por isso “[...] nasceu a lenda de Monte Castelo,que passou a atrair sobre si o prestígio de posição inexpugnável” (MORAIS, 2005, p. 109).Como atitudes, o IV Corpo do Exército decidiu reunir as tropas envolvidas nos ataques preliminares à MonteCastelo na Primeira Divisão de Infantaria, da qual seria responsável pela guarda defensiva e ofensiva da frente deataque. A maioria dos exércitos norte-americanos descansaria na retaguarda (MORAIS, 2005, p. 109-110).
  38. 38. Em 29 de novembro de 1944 temos o terceiro ataque à Monte Castelo. Nesta, o comando já era brasileirocom o General Mascarenhas de Morais a frente. Sobre ela, Theodore coloca:[...] foi selecionado um batalhão de cada regimento para executar o novo ataque. Também foram anexados àdivisão brasileira dois pelotões de tanques e um de tank destroyers (destruidores de tanques). Estimavam-se asforças inimigas em um batalhão em linha e dois em reserva. (THEODORE, 2003, p. 04)Com a tropa exausta, o exercito alemão contra-ataca de maneira implacável, retomando Monte Belvedere e,ainda, aprisionando 60 soldados norte-americanos e alguns tanques. Dentre outras dificuldades, o terreno lamacentotambém impedia a ação aliada.Mais uma vez o ataque foi fracassado, com o retorno das tropas para sua base inicial, mas agora com a perdamilitar do Monte Belvedere e de equipamentos e soldados. Ainda, um comandante foi afastado da tropa por desistirdo combate e, posteriormente, houveram duas deserções antes do quarto ataque à Monte Castelo. O total de mortosque este ataque produziu foi de 185, sem considerar sobre o grande número de feridos em combate.O ataque de 12 de dezembro de 1944 à Monte Castelo contava com dois batalhões do Primeiro Regimento deInfantaria e um batalhão do 6º Regimento. A intenção de Mascarenhas de Morais era de um ataque surpresa, e porisso sem preparação de artilharia. Contudo, a equipe foi surpreendida por um ataque alemão aos norte-americanos.Com uma barreira de artilharia formada não era mais possível o ataque-surpresa, mas as tropas brasileiras insistiramno ataque, partindo para Gambiana e depois em busca de C. Vitelline, atacando também Falfare, Abetaia (apenas poralguns soldados, com um total de 26 mortos), Mazzancana, Cá di Berto, Guanella por batalhões de regimentosdiferenciados e sob uma forte névoa que reduzia em muito a visibilidade.Com o clima não favorável e ainda a forte ofensiva alemã, os brasileiros tiveram de retirarem-se. Moraiscritica este ataque, como os demais até então, por ser uma investida “[...] de insucesso de ações isoladas, com meiosescassos, sobre Monte Castelo” (MORAIS, 2005, p. 119). Isto se deu pelas tentativas de conquistas em vários locaisao mesmo tempo, são elas Belvedere, Gorgolesco, Monte Castelo e Toraccia. E, ainda, proteger sua própria base.Num total morreram 145 brasileiros neste ataque. Alguns tiveram seus corpos explodidos pelos alemães eoutros permaneceram caídos por todo o inverno no local, só coletados após a conquista final de Monte Castelo, emfevereiro.Sobre esta derrota, Theodore coloca que a mesma “[...] quase se transformou numa catástrofe para a FEB.Crittenberger ficou furioso com a suspensão do ataque e o comando americano passou a duvidar da capacidadecombativa dos soldados brasileiros” (THEODORE, 2003, p. 06). Após esta derrota, o exército brasileiro manteve-sena defensiva e passou por um forte inverno na região, em que presenciaram rígidas temperaturas, mas conseguiramresistir à neve e ao frio.Também com severas perdas no geral, o exército alemão recorreu a ajuda da 114ª Divisão Ligeira. Isso eraum sinal de que, apesar das derrotas, a guerra ainda era possível de ser vencida pelos aliados.Durante a defensiva de inverno, as tropas permaneceram sem atacar, contudo, faziam constantes turnos depatrulhas agressivas, o que veio a trazer experiência de guerra para os pracinhas brasileiros. Este “treinamento” foi
  39. 39. muito importante o soldado brasileiro uma vez que atribui uma maior vivencia e estrutura militar e emocional paraenfrentar os próximos ataques na Itália.A própria moral do soldado brasileiro estava abalada devido a desconfiança do exército norte-americano daeficiência destes. E tal descrédito era demonstrado por diversas ações norte-americanas, como o próprio nome doPlano que viria a dar origem ao ataque seguinte à Monte Castelo, denominado Encore.A fim de realizar um novo ataque à Monte Castelo foi lançado o Plano Encore. Através deste plano, MonteCastelo seria atacado em conjunto com Monte Belvedere com as tropas da Primeira Divisão de Infantaria e da 10ªDivisão de Montanha – um Divisão de elite. Ainda, o exercito brasileiro contaria com o apoio do combate aéreoatravés do Primeiro Grupo de Caça brasileiro. Sobre o delinear deste último ataque, Theodore (2003,p.07) coloca:A 10ª atacaria à esquerda, avançando contra Monte Belvedere, visando o Morro Della Torraccia (finalmentecompreendeu-se que a conquista do Monte Castello só seria possível com a queda daqueles pontos), enquantoos brasileiros teriam a oportunidade de ir à forra contra Castello. (...) A operação teve início às 23:00h de19/02/45, com um audacioso ataque da 10ª Divisão de Montanha, escalando um paredão absolutamenteinacessível e pegando os alemães de surpresa e Monte Belvedere e Gorgolesco. Ao entardecer do dia 20,Mazzancana estava em poder dos montanhistas americanos, apesar de pesadas baixas.Era a vez dos brasileiros. Com os alemães distraídos pelos americanos, o ataque do Regimento Sampaiocomeçou às 5:30h do dia 21/02/45. (THEODORE, 2003, p. 07)Aos poucos os brasileiros foram conquistando posições na Batalha. Em Morro Della Torraccia, tropas norte-americanas chegaram ao local e passando pelos brasileiros, os confundiram com alemães, lançando fogo contra osmesmos. O fogo amigo acarretou em alguns feridos e um morto da tropa que estava no comando do major Uzeda.Esta confusão acabou por atrasar a conquista da região pelos brasileiros e quase acarretava em problemasdiplomáticos entre os comandantes de cada exército.Com maiores reforços de artilharia e de pessoal, os 1º e 3º batalhões brasileiros chegam ao cume de MonteCastelo esperando de lá as tropas lideradas por Uzeda, que em seu caminho faz prisioneiros de guerra. Com o fim dodia, os demais batalhões atingem o cume, preparando-se para a resistência e contra-ataque alemães, que não ocorreu– apenas na forma de bombardeios.Nesta batalha, contamos com um total de 87 mortos. Entre os alemães, 30 soldados foram mortos e 27 foramaprisionados pelos brasileiros.A vitória de Monte Castelo desperta uma continuidade nos ataques a demais localidades, e os brasileirosconquistaram assim La Serra e Caselina. Ainda, os norte-americanos conquistaram Morro Della Torracia (com osalemães distraídos pela seqüência da investida brasileira).Além disto, a rota 64 estava finalmente aberta para se prosseguir em direção à Bolonha com um inimigo quemalograva severas perdas, com, inclusive, o esfacelamento do 1043º Regimento de Infantaria.Ainda mais, a vitória de Monte Castelo dava inicio à Ofensiva de Primavera, última e mais vitoriosa fase daconquista da FEB na Itália. Logo os alemães estariam cercados e rendidos.
  40. 40. 5 CONCLUSÃODentre as várias implicações ocorridas desde a subida de Getúlio Vargas ao poder no Brasil, muitos foram osfatos que não apenas levaram o Brasil à Guerra, mas que também proporcionaram um debate sobre o contextopolítico no país, acarretando numa conscientização cidadã e busca de melhores condições de liberdade de expressãoe ação, principalmente.A ida da Força Expedicionária Brasileira ao teatro de operações na Itália não foi apenas um fato militar, massocial e político para o Brasil. Esta gerou acordos bilaterais entre Brasil e Estados Unidos, além de uma emergênciabrasileira no cenário mundial como o país latino que foi à guerra. E, internamente, a ditadura que lutou contra o nazi-fascismo.Em meio à luta dos pracinhas brasileiros na guerra, é essencial ressaltar a importância de sua força e coragempara a vitória aliada frente o Eixo na Itália. E, mais especificamente, a importância da ação da FEB na Batalha deMonte Castelo. Esta foi decisiva para a FEB e para a Segunda Guerra Mundial, principalmente sob duas vertentes: amilitar e a simbólica.A importância militar desta Batalha se deu porque, uma vez conquistado, Monte Castelo permitia o acesso àsrotas 9, 64 e 65 e, conseqüentemente, a localidades importantes como Bolonha e toda a Planície do Pó, na Itália,além da entrada para o passo de Brenner, Áustria. Enfim, a região era um entrecruzamento de estradas e entradas quepermitiriam aos aliados uma grande vantagem na guerra. E, posteriormente, a vitória eminente.A importância simbólica ocorreu pelas sucessivas tentativas de domínio do local. Como visto, Monte Casteloprovocou um alto número de mortos, 317 ao todo, contabilizando 69% das mortes de soldados brasileiros da FEB emtoda a Segunda Guerra Mundial. Ainda, as constantes derrotas também criaram um clima de descontentamento efalta de confiança dos oficiais norte-americanos para com os brasileiros. Uma situação problemática considerandoque os brasileiros lutavam ao lado destes no IV Corpo do Exército. Um exemplo da falta de crédito dos norte-americanos é o próprio nome do Plano de tomada de Monte Castelo, Encore, que significa de novo em francês, numacrítica à formação francesa dos oficiais brasileiros. Ainda, os próprios soldados estavam desgastados após tantasmortes e ataques sem sucesso.Por isso, a vitória em Monte Castelo representou uma reviravolta das tropas brasileiras, que avançaram eimbuíram-se de otimismo partindo em conquista de outras mais cidades, além de mostrar para os norte-americanosque os brasileiros sabiam sim guerrear – um aprendizado também passado pelos brasileiros nos intervalos das lutasde conquista à Monte Castelo, quando eram submetidos às patrulhas de agressão. Foi preciso de muito esforço emuitas perdas militares, mas a superação do soldado da FEB na Itália é a principal marca da vitória de MonteCastelo, em que o pracinha brasileiro deixou de ser um mero jovem voluntário da FEB para tornar-se um importantesoldado experiente e disposto a vingar todos os seus companheiros mortos em combate.
  41. 41. Vingança esta que tornou-se possível pela preparação a que este soldado se submeteu, estando assimpreparado para avançar e cercar o inimigo até a sua rendição.A emergência do soldado brasileiro frente às dificuldades de guerra enfrentadas neste momento definiu todoo posterior delinear da guerra, em que ninguém mais pôde conter o avanço dos soldados brasileiros, por si sóverdadeiras máquinas de combate a partir de então.
  42. 42. REFERÊNCIASALMEIDA, A.L. de et AL. Preparação do contingente de Saúde na 2aGuerra Mundial. Projeto interdisciplinarde fim de curso apresentado à Escola de Saúde do Exército como requisito para a conclusão do Curso de Formaçãode Oficiais. Rio de Janeiro, 2002.AQUINO, Maria Aparecida de. A América vai à guerra. In: COGGIOLA, Osvaldo (org). Segunda GuerraMundial: um balanço histórico. São Paulo, SP: Xamã, 1995.BRAGA, Rubem. Crônicas da guerra na Itália. Rio de Janeiro: Record, 1985.CANSANÇÃO, Elza. E foi assim que a cobra fumou. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: Marques-Saraiva, 1987.CARVALHO, Estevão Leitão de. A serviço do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro, RJ: Bibliex,1952.CHIARETTI, Marco. A Segunda Guerra Mundial. São Paulo: Ática, 1995.DA REDAÇÃO. Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial. AnoII.Nº 03. Edição de Jun/Jul 2002. Disponível em <http://www.funceb.org.br/revista3/rc3_monumento_aos_mortos.pdf> Acesso em 28.ago.2008.FREITAS, Adriana Duarte et al . Participação do Brasil na II Guerra Mundial: projeto interdisciplinar. Rio deJaneiro, RJ: Escola de Saúde do Exército, 2001.HOBSBAWN, Eric. A Era dos Extremos: o breve século XX: 1914 – 1989. Tradução Marcos Santarrita. SãoPaulo, SP: Companhia das Letras, 1995.IANNI, Octávio. Estado e Planejamento no Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.MANDEL, Ernest. O Significado da Segunda Guerra Mundial. São Paulo: Ática, 1989.MORAES, João Baptista Mascarenhas de. A FEB pelo seu comandante. São Paulo: Progresso, 1947.MORAES, João Baptista Mascarenhas de. Memórias. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1984.NEVES, Joana. História Geral: moderna e contemporânea. São Paulo: Saraiva, 1996.NEVES, Luis Felipe da Silva. A Força Expedicionária Brasileira: 1944-1945. In: COGGIOLA, Osvaldo (Org).Segunda Guerra Mundial: um balanço histórico. São Paulo: Xamã, 1995.
  43. 43. PINTO, Júlia Amabile; FERRAZ, Francisco. A participação brasileira na Segunda Guerra Mundial e areintegração social dos veteranos da Força Expedicionária Brasileira: notas de pesquisa. In: RevistaAfrotitudianas, 2007 .Disponível em: http://mail.google.com/mail/?ui=2&view=js&name=js&ver=jSDSDrErQ6g&am=R_E4pUT3eKZ29m8. Acesso em 01.07.08.SCHNAIDERMANN, Boris. Minha guerra: lembranças de um soldado. In: COGGIOLA, Osvaldo (org). SegundaGuerra Mundial: um balanço histórico. São Paulo: Xamã, 1995.SILVEIRA, Joaquim Xavier da. A FEB por um soldado. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.TAYLOR, Alan John Percivale. A Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1963.THEODORE, Reinaldo. A Batalha de Monte Castelo. In: Revista Clube Somnium, 2003.Disponível em: http://www.clubesomnium.org/arquivos/militaria/batalhas/Batalha_de_Montecastello.pdf?PHPSESSID=047493ad96ca305a639c8287a9a2895d. Acesso em 15.07.08.THOMAZ, Manuel. O Brasil na Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Bibliex, 1960.
  44. 44. ANEXOS

×