EXAME VESTIBULAR / A HISTÓRIA DO VESTIBULAR-
O exame de admissão passou a ser obrigatório por lei a partir de 1911. Naquel...
AS DIFERENTES FORMAS DE AVALIAÇÃO
A Lei de Diretrizes e Bases de 96 deu plenos poderes às instituições de ensino superiore...
Trata-se da avaliação de noções práticas e teóricas sobre a área do curso que o candidato
pretende cursar. Alguns cursos c...
dificilmente poderá participar de processos seletivos de diferentes faculdades - e terá suas
chances de aprovação diminuíd...
defende que o direito do candidato em se integrar na universidade provém do seu
desempenho(mérito) no vestibular, não pode...
A ADMISSÃO EM UNIVERSIDADES NO EXTERIOR
Cada país tem sua determinada forma de permitir que estudantes ingressem em
univer...
A ADMISSÃO EM UNIVERSIDADES NO EXTERIOR
Cada país tem sua determinada forma de permitir que estudantes ingressem em
univer...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Exame vestibular

346 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
346
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exame vestibular

  1. 1. EXAME VESTIBULAR / A HISTÓRIA DO VESTIBULAR- O exame de admissão passou a ser obrigatório por lei a partir de 1911. Naquela época, as faculdades realizavam os testes em duas etapas. A primeira era escrita e dissertativa, e a segunda era oral. Esse foi o formato usado até meados dos anos 60, quando surgiram as questões de múltipla escolha. O curso de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) foi o primeiro a utilizar tal sistema. O número de candidatos crescia vertiginosamente fazendo com que surgisse a necessidade de realização de testes processados em computador, facilitando a correção. Tudo parecia ir bem até que o critério de notas utilizadas passou a ser um problema. Até então, era utilizado o sistema de nota mínima, o que acabou aprovando muito mais gente do que as faculdades comportavam. Os candidatos excedentes organizaram um movimento nacional, “solucionado” pelo governo através da implementação da Lei 5540/68 que passou a instituir o sistema classificatório com corte por nota máxima. 1808 - São instituídos os exames preparatórios para os cursos superiores existentes no Brasil, mas o ingresso torna-se privilégio de colégios de elite apenas a partir de 1837. 1911 - Lei cria a obrigatoriedade do exame de admissão. 1915 - As provas passam a ser chamadas de “vestibulares”, de acordo com o decreto n.11530. 1964 - É criada a Fundação Carlos Chagas para seleção dos candidatos a vestibulares em São Paulo. Os exames ganham questões de múltipla escolha, processadas em computadores. 1968 - Estoura o movimento de excedentes, candidatos aprovados com média mínima, porém, sem vagas. Para solucionar o problema é criada a Lei n. 5540 que passa a instituir o sistema classificatório por nota máxima. 1970 - É criada a Comissão Nacional do Vestibular Unificado, para organizar o sistema no país. 1976 - A USP unifica o seu vestibular com a criação da Fuvest. A primeira prova é realizada no ano seguinte, avaliando também candidatos de duas outras instituições estaduais, a Unicamp e a Unesp. 1994 - A Fuvest altera suas provas, ampliando a fase de Conhecimentos Gerais. A primeira fase passa a ser eliminatória. 1996 - Aprovada a Lei de Diretrizes e Bases. O ingresso ao ensino superior passa a ser feito via processo seletivo a critério de cada escola. Mesmo assim, ainda existiam muito mais candidatos do que vagas em escolas públicas. Para aliviar o problema, o Ministério da Educação autorizou a abertura de um grande número de faculdades privadas. Em 1996, o governo decretou a Lei de Diretrizes e Bases de Educação, no qual se estabeleceu que o sistema federal de ensino compreenderia as instituições de ensino mantidas pela União, as instituições de educação superior criadas e mantidas pela iniciativa privada e os órgãos federais de educação. A lei permitiu que cada entidade escolhesse o seu próprio sistema de ingresso. Segundo dados do INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, em 2007 existiam no Brasil 2.141 instituições de ensino superior particulares.
  2. 2. AS DIFERENTES FORMAS DE AVALIAÇÃO A Lei de Diretrizes e Bases de 96 deu plenos poderes às instituições de ensino superiores para criarem seus próprios critérios e métodos de avaliação. Dá para imaginar que, além do vestibular tradicional, aquele que todo mundo conhece, existem inúmeras outras formas de avaliação. Vale lembrar que é o próprio candidato quem deve se informar sobre o sistema de avaliação utilizado na instituição em que ele pretende ingressar. Vamos listar àqueles mais utilizados. Vestibular tradicional Esse tipo de avaliação é realizado na grande maioria em duas etapas. A primeira é composta por questões objetivas de múltipla escolha, comuns a todos os candidatos de todos os cursos. A correção se dá por meio de leitura ótica e é essa primeira etapa que dá a nota de corte de todos os cursos. A segunda etapa é conhecida como “discursiva”. O candidato deve responder questões discursivas relacionadas à área do curso escolhido. Algumas instituições que utilizam o vestibular tradicional: UFPR e UFSC. Enem Os estudantes que estão terminando ou que já tenham concluído o ensino médio podem fazer a prova do Enem - Exame Nacional do Ensino Médio. Esse exame é opcional, porém, muitas instituições têm utilizado as notas dos alunos com os mais variados critérios. Algumas instituições destinam parte de suas vagas para candidatos que tenham prestado o Enem. Outras estipulam uma média que o estudante deverá atingir no Enem para que possa usar sua nota como forma de ingresso. Outras ainda utilizam a combinação da nota do Enem com a nota no vestibular. Os estudantes de escolas públicas não precisam pagar a taxa de inscrição para prestarem a prova, que normalmente é realizada em agosto. A UNESP, a Unicamp e a FUVEST (Fundação Universitária para o Vestibular) entidade que realiza o vestibular da USP, utilizam notas do Enem no processo seletivo. Análise do histórico escolar e currículo A classificação é feita pela média aritmética (geralmente simples) de todas as notas obtidas pelo candidato no ensino médio. Cursos de idioma, informática e outros, podem significar pontos extras para os candidatos. Esse tipo de avaliação não é muito comum. Instituição que utiliza essa forma de avaliação: UnC. Avaliação seriada Para participar desse tipo de avaliação o aluno deve se inscrever logo no 1º ano do ensino médio. São realizadas três provas, uma no final de cada ano do ensino médio. Cada prova é composta por questões relativas a assuntos estudados durante o ano em questão. Após o término da terceira prova se obtém a média final. O aluno também pode optar por prestar o vestibular tradicional e depois disso escolher a sua melhor nota para concorrer a uma vaga na instituição. A grande vantagem desse sistema é que o aluno pode ir melhorando sua nota ano a ano. Instituição que utiliza o sistema de avaliação seriada: UnB. Habilidade específica
  3. 3. Trata-se da avaliação de noções práticas e teóricas sobre a área do curso que o candidato pretende cursar. Alguns cursos como Arquitetura, Artes Cênicas, Artes Plásticas e Música podem ter provas de habilidade específica. Instituições que utilizam essa forma de avaliação: Universidade Mackenzie e UNEB. Aptidão física Normalmente são testes que verificam se o candidato possui resistência e está apto para realizar todas as atividades do curso. O curso de Educação Física pode utilizar esse tipo de avaliação para eliminar parte dos candidatos. Quem utiliza esse sistema: USP. Apesar das novas formas de avaliação, em especial o Enem, o vestibular tradicional continua a ser a principal forma de acesso à universidade. Fraudes no vestibular As fraudes no vestibular ocorrem praticamente desde o início de sua criação. Recentemente a Polícia Federal desvendou uma quadrilha que agia em diversos Estados brasileiros. A operação da polícia ficou conhecida como Operação Vaga Certa. A quadrilha vendia vagas em universidades públicas e particulares em todo o país. O grupo recrutava alunos inteligentes aprovados em cursos de grande concorrência para fazer a prova para candidatos já inscritos. Cada vaga custava de R$ 25 mil a R$ 70 mil. O aluno "piloto", aquele que fazia a prova, ganhava cerca de R$ 6 mil. A quadrilha também comercializava a transferência de universitários aprovados em universidades particulares para universidades federais e estaduais. Vestibular Tradicional (ou, mais propriamente, exame vestibular) designa o processo de seleção de novos estudantes empregado pelas universidades. Também designados de exames de acesso ao ensino superior em Portugal. O vestibular caracteriza-se normalmente como uma prova de aferição dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental e médio, sendo o principal meio de acesso ao ensino superior no Brasil. É o mais importante critério de seleção de candidatos, utilizado tanto pelas instituições públicas quanto privadas de ensino superior. Tem maior significado nas instituições públicas, que por sua gratuidade, são geralmente mais procuradas. Como não é caracterizado como concurso público, mesmo quem possui antecedentes criminais pode fazer e entrar para uma universidade. Os exames vestibulares mais concorridos são normalmente aqueles que permitem o ingresso nas universidades públicas. Tais exames são aplicados por fundações ou comissões especialmente criadas para tal fim. Há também alguns vestibulares de instituições privadas bastante concorridos. Acesso às Universidades públicas Os vestibulares para as universidades públicas no Brasil são os mais concorridos dentre aqueles aplicados no país, seja pela oportunidade única do estudo gratuito ou pela reputação de um ensino de qualidade de que gozam estas instituições em relação às privadas. Sendo o número de vagas limitado nas universidades, estes vestibulares atingem um grau de concorrência elevado, representado tanto pelo número elevado de candidatos por vaga. Em 2009 o ministro da educação, Fernando Haddad, apresentou a proposta de unificar o vestibular das universidades federais utilizando um novo modelo de prova para o Enem.O MEC argumenta que o vestibular tradicional desfavorece candidatos que não podem se locomover pelo território. Assim, um jovem que queira prestar medicina e tenha problemas financeiros,
  4. 4. dificilmente poderá participar de processos seletivos de diferentes faculdades - e terá suas chances de aprovação diminuídas. Por outro lado, as federais localizadas em Estados menores ficam restritas aos candidatos de suas regiões. Acesso às Universidades particulares Os vestibulares para as universidades particulares no Brasil são muitas vezes mal vistos, exatamente por não representarem, em muitos casos, nenhuma dificuldade ao estudante. EXAME VESTIBULAR: Estrutura da prova A estrutura das provas varia de acordo com a instituição responsável pela prova e algumas vezes uma mesma instituição utiliza diferentes métodos ao longo dos anos e dependendo do objetivo da prova. Algumas instituições costumam dividir o o exame em duas fases distintas: • Primeira fase: O candidato deve responder a questões de múltipla escolha, compreendendo as matérias Língua inglesa ou Língua Espanhola ou ainda Língua Francesa, Língua portuguesa, História, Geografia, Biologia, Física, Matemática e Química dependendo da instituição ter outras opções como Sociologia, Filosofia e até Artes. • Segunda fase (exige que o candidato tenha se classificado na primeira fase): O candidato deve responder a questões na forma escrita de acordo com a faculdade que ele deseja freqüentar. Por exemplo, um candidato a Engenharia deve atender às provas de Língua portuguesa, Matemática, Física e Química. Outras permitem que o candidato preste a prova via internet enquanto outras demandam uma maior vigilância sobre o candidato, tendo uma enorme estrutura para a execução da prova para milhares de candidatos em apenas um dia. Recentemente o governo brasileiro tomou medidas no tocante a incentivar que as notas do Exame nacional do ensino médio fossem levadas em consideração para a colocação do candidato nas provas vestibulares. Críticas ao modelo Uma série de movimentos sociais vê no modelo do vestibular uma barreira de acesso ao ensino superior público para as camadas mais populares da sociedade, alegando que os exames, da forma como são propostos, privilegiam não o conhecimento que de fato se adquiriu no ensino médio mas simplesmente a avaliação de informações memorizadas e sem conteúdo crítico. Esta linha de pensamento é justificada pelos seus defensores, através da análise do tipo de ensino que é dado nos cursos preparatórios ao vestibular (popularmente conhecidos como "cursinhos"), considerado por eles como acrítico e repousante na memorização de fórmulas e estratégias de resolução das provas, e normalmente acessíveis apenas às camadas da população com maior poder aquisitivo. Além disso, existem outros fatores que podem influenciar no rendimento do vestibular, como, por exemplo, o estresse, já que a pressão que é exercida sobre os candidatos é alta (disputa por uma vaga cobiçada, alguns já tentaram outras vezes e não conseguiram) e alguns acabam caindo diante desse quadro, e também há o fator tempo, pois alguns candidatos acabam se atrasando, perdendo a chance de realizar a prova e tendo de esperar pelo próximo ano para realizar a prova. Especialistas de ensino também criticam o fato de o vestibular incentivar o sistema de ensino, de uma forma geral, a apenas oferecer o conteúdo curricular que é exigido pelo exame, deixando de tocar em assuntos normalmente ignorados pelos exames, como a História da Arte, a Filosofia e a Sociologia. Dentre as propostas para substituir o Vestibular, a mais conhecida e mais aceita é a utilização das notas obtidas pelo candidato durante os ensinos fundamental e médio. Porém, há também as propostas em que o candidato deve ser livre para se matricular no ensino superior, uma vez que ele também é livre para se matricular no ensino fundamental e médio. A meritocracia, que
  5. 5. defende que o direito do candidato em se integrar na universidade provém do seu desempenho(mérito) no vestibular, não pode ser considerada democrática, pois não se baseia no direito e sim no poder (dos que são capazes de passar no vestibular com o auxílio dos cursinhos pré-vestibular). Se todos temos direito ao ensino público de qualidade(Constituição brasileira de 1988), logo o vestibular não condiz com a nossa estrutura política(Democracia). Vantagens do modelo Há vantagens inegáveis que decorrem da utilização do vestibular em detrimento de outras formas de seleção (entrevistas, indicações, necessidades econômicas). A principal é a impessoalidade da prova e da correção, coadunada com a existências apenas de raros casos de suspeita de fraudes, normalmente acompanhados de cancelamento de prova (Unicamp, 1997; UFAC, 2005). Garantido o anonimato nas correções, todos os candidatos têm chances iguais de concorrerem às vagas, segundo, é claro, o preparo acadêmico de cada um. O vestibular privilegia a meritocracia, que é a base de qualquer sistema universitário de ponta no mundo. Existe o benefício implícito do vestibular de proporcionar, também, acesso igualitário às universidades, especialmente as públicas, a qualquer pessoa de qualquer lugar do país que queira prestar a prova, uma vez que são proibidas discriminações de origem. ENEM Histórico Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tem o objetivo de avaliar o desempenho do estudante ao fim da escolaridade básica. Podem participar do exame alunos que estão concluindo ou que já concluíram o ensino médio em anos anteriores. O Enem é utilizado como critério de seleção para os estudantes que pretendem concorrer a uma bolsa no Programa Universidade para Todos (ProUni). Além disso, cerca de 500 universidades já usam o resultado do exame como critério de seleção para o ingresso no ensino superior, seja complementando ou substituindo o vestibular. O Ministério da Educação apresentou uma proposta de reformulação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e sua utilização como forma de seleção unificada nos processos seletivos das universidades públicas federais. A proposta tem como principais objetivos democratizar as oportunidades de acesso às vagas federais de ensino superior, possibilitar a mobilidade acadêmica e induzir a reestruturação dos currículos do ensino médio. As universidades possuem autonomia e poderão optar entre quatro possibilidades de utilização do novo exame como processo seletivo: • Como fase única, com o sistema de seleção unificada, informatizado e on-line; • Como primeira fase; • Combinado com o vestibular da instituição; • Como fase única para as vagas remanescentes do vestibular. PROUNI O ProUni - Programa Universidade para Todos foi criado pela MP nº 213/2004 e institucionalizado pela Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005. Tem como finalidade a concessão de bolsas de estudos integrais e parciais a estudantes de baixa renda, em cursos de graduação e seqüenciais de formação específica, em instituições privadas de educação superior, oferecendo, em contrapartida, isenção de alguns tributos àquelas que aderirem ao Programa.
  6. 6. A ADMISSÃO EM UNIVERSIDADES NO EXTERIOR Cada país tem sua determinada forma de permitir que estudantes ingressem em universidades. Nos Estados Unidos, os alunos que estão terminando o high school enviam uma carta de interesse à universidade que pretendem freqüentar e esta, por sua vez, têm seus próprios critérios de avaliação. Não existe um “vestibular” como conhecemos por aqui. O histórico escolar do aluno é a peça fundamental. O teste aplicado por lá é conhecido como SAT (Scholastic Aptitude Test), porém, cada uma das universidades tem seu próprio sistema de admissão, que inclui ou não a nota do SAT como a mais importante no processo de avaliação. Nem sempre é fácil cursar uma universidade no exterior. O primeiro passo para obter a aceitação é listar as universidades e os cursos que correspondam às suas expectativas profissionais e pessoais. Depois, deve-se entrar no site da instituição e colher todas as informações referentes à grade curricular do curso, ao processo seletivo e principalmente ao ingresso de estrangeiros. Para obter o maior número de informações vale consultar as agências de intercâmbio, os órgãos representantes do país de destino no Brasil e os departamentos de cooperação internacional das universidades brasileiras. As feiras de intercâmbio que trazem representante das principais instituições internacionais também podem estreitar a comunicação entre os estudantes e a universidade estrangeira. Aqui vão algumas dicas de alguns lugares bastante procurados pelos estudantes brasileiros: Estados Unidos O Departamento de Educação dos Estados Unidos disponibiliza um site para que estudantes estrangeiros possam buscar por conta própria as informações sobre cursos, universidades etc. França O governo francês criou o CampusFrance, uma agência do Ministério de Relações Exteriores da França que tem por objetivo orientar os brasileiros sobre todos os detalhes do ensino superior na França. Para candidatar-se a um curso o interessado deverá criar um espaço pessoal na página do Campusfrance. Austrália Grande parte das instituições australianas mantém agências representantes no país, que auxilia os brasileiros interessados em participar de sua seleção durante todo o processo. O Ministério da Educação Australiano também oferece um site que centraliza todas as informações sobre universidades e cursos. Alemanha Não existe um órgão do governo alemão que centraliza os processos seletivos das instituições de ensino da Alemanha. Existem, porém, alguns sites que disponibilizam as principais informações sobre cursos de gradução na Alemanha. Espanha A embaixada da Espanha no Brasil mantém um departamento de educação, que oferece aos estudantes interessados em continuar seus estudos no território espanhol, uma orientação completa dos passos a serem seguidos.
  7. 7. A ADMISSÃO EM UNIVERSIDADES NO EXTERIOR Cada país tem sua determinada forma de permitir que estudantes ingressem em universidades. Nos Estados Unidos, os alunos que estão terminando o high school enviam uma carta de interesse à universidade que pretendem freqüentar e esta, por sua vez, têm seus próprios critérios de avaliação. Não existe um “vestibular” como conhecemos por aqui. O histórico escolar do aluno é a peça fundamental. O teste aplicado por lá é conhecido como SAT (Scholastic Aptitude Test), porém, cada uma das universidades tem seu próprio sistema de admissão, que inclui ou não a nota do SAT como a mais importante no processo de avaliação. Nem sempre é fácil cursar uma universidade no exterior. O primeiro passo para obter a aceitação é listar as universidades e os cursos que correspondam às suas expectativas profissionais e pessoais. Depois, deve-se entrar no site da instituição e colher todas as informações referentes à grade curricular do curso, ao processo seletivo e principalmente ao ingresso de estrangeiros. Para obter o maior número de informações vale consultar as agências de intercâmbio, os órgãos representantes do país de destino no Brasil e os departamentos de cooperação internacional das universidades brasileiras. As feiras de intercâmbio que trazem representante das principais instituições internacionais também podem estreitar a comunicação entre os estudantes e a universidade estrangeira. Aqui vão algumas dicas de alguns lugares bastante procurados pelos estudantes brasileiros: Estados Unidos O Departamento de Educação dos Estados Unidos disponibiliza um site para que estudantes estrangeiros possam buscar por conta própria as informações sobre cursos, universidades etc. França O governo francês criou o CampusFrance, uma agência do Ministério de Relações Exteriores da França que tem por objetivo orientar os brasileiros sobre todos os detalhes do ensino superior na França. Para candidatar-se a um curso o interessado deverá criar um espaço pessoal na página do Campusfrance. Austrália Grande parte das instituições australianas mantém agências representantes no país, que auxilia os brasileiros interessados em participar de sua seleção durante todo o processo. O Ministério da Educação Australiano também oferece um site que centraliza todas as informações sobre universidades e cursos. Alemanha Não existe um órgão do governo alemão que centraliza os processos seletivos das instituições de ensino da Alemanha. Existem, porém, alguns sites que disponibilizam as principais informações sobre cursos de gradução na Alemanha. Espanha A embaixada da Espanha no Brasil mantém um departamento de educação, que oferece aos estudantes interessados em continuar seus estudos no território espanhol, uma orientação completa dos passos a serem seguidos.

×