Fábula Moderna    Autoria do texto: Ronald Reagan                                       Click para avançar                ...
Uma galinha achou alguns grãos de trigo              e disse aos vizinhos:“Se plantarmos este trigo, teremos pão para come...
“Eu não, estás parva !” - disse a vaca.   “Nem eu, tenho mais que fazer !” - emendou o pato.                        “Eu ta...
“Então, eu mesma planto”, disse a galinha. E assim o fez.  O trigo cresceu alto e amadureceu, com grãos dourados.“Quem me ...
“Eu não, já tenho o rendimento mínimo garantido” - disse o pato. “Não faz parte das minhas funções. Só se pagares algum se...
“Então, eu mesma colho” - disse agalinha,                           e colheu o trigo, ela                       própria.  ...
“Eu fugi da escola e não aprendi essas merdas ! Ganho bem               com a passa !” - disse o porco.  “Eu não posso pôr...
“Então, eu mesma faço” - exclamou a pequena galinha.   Cozeu cinco pães e pô-los a todos numa cesta para             que o...
“Lucros excessivos, sua agiota!” - gritou a vaca.“Sanguessuga capitalista!” - exclamou o pato.                        “Eu ...
Pintaram faixas e cartazes dizendo “Injustiça” e        marcharam em protesto contra a   galinha, gritando obscenidades, c...
Chamado um fiscal do governo, disse àpobre galinha: “Você, galinha, não pode ser  assim tão egoísta. Você ganhou pão a    ...
“Exactamente” - disse o funcionário do governo.            “Essa é a vantagem da livre iniciativa.Qualquer pessoa, numa em...
E todos viveram felizes parasempre,                         inclusive a pequena         galinha, que sorriu e cacarejou:  ...
Esta fábula deveria ser distribuída e estudada              em todas as escolas.                     Talvez               ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fábula da política moderna

592 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
592
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fábula da política moderna

  1. 1. Fábula Moderna Autoria do texto: Ronald Reagan Click para avançar Formatação by: Ana Arkia
  2. 2. Uma galinha achou alguns grãos de trigo e disse aos vizinhos:“Se plantarmos este trigo, teremos pão para comer. Alguém me quer ajudar a plantá-lo?” Formatação by: Ana Arkia
  3. 3. “Eu não, estás parva !” - disse a vaca. “Nem eu, tenho mais que fazer !” - emendou o pato. “Eu também não” - retorquiu o porco. “Eu muito menos” - completou o bode. Formatação by: Ana Arkia
  4. 4. “Então, eu mesma planto”, disse a galinha. E assim o fez. O trigo cresceu alto e amadureceu, com grãos dourados.“Quem me vai ajudar a colher o trigo?” - quis saber a galinha. Formatação by: Ana Arkia
  5. 5. “Eu não, já tenho o rendimento mínimo garantido” - disse o pato. “Não faz parte das minhas funções. Só se pagares algum sem recibo” - disse o porco. “Não, depois de tantos anos de serviço”, - exclamou a vaca. “Eu arriscava-me a perder o fundo de desemprego” - disse o bode. Formatação by: Ana Arkia
  6. 6. “Então, eu mesma colho” - disse agalinha, e colheu o trigo, ela própria. Finalmente, chegara a hora de amassar o pão.“Quem me vai ajudar a cozer o pão?” - indagou a galinha. Formatação by: Ana Arkia
  7. 7. “Eu fugi da escola e não aprendi essas merdas ! Ganho bem com a passa !” - disse o porco. “Eu não posso pôr em risco o meu subsídio de doença” - continuou o pato. “Caso seja sozinho a ajudar, é discriminação” - resmungou o bode. “Só se me pagarem horas extra” - exclamou a vaca. Formatação by: Ana Arkia
  8. 8. “Então, eu mesma faço” - exclamou a pequena galinha. Cozeu cinco pães e pô-los a todos numa cesta para que os vizinhos pudessem ver.De repente, toda a gente passou a querer pão, e pediu um bocado. A galinha disse simplesmente: “Não! Vou comer os cinco pães sozinha”. Formatação by: Ana Arkia
  9. 9. “Lucros excessivos, sua agiota!” - gritou a vaca.“Sanguessuga capitalista!” - exclamou o pato. “Eu exijo direitos iguais!” - bradou o bode. O porco grunhiu: - A Paz, o Pão, Educação, são para todos! Direitos do Povo! Formatação by: Ana Arkia
  10. 10. Pintaram faixas e cartazes dizendo “Injustiça” e marcharam em protesto contra a galinha, gritando obscenidades, como as claques dos clubes de futebol. INJUSTIÇA! Formatação by: Ana Arkia
  11. 11. Chamado um fiscal do governo, disse àpobre galinha: “Você, galinha, não pode ser assim tão egoísta. Você ganhou pão a mais, tem de pagar muito imposto”“Mas eu ganhei esse pão com meu próprio trabalho e suor” - defendeu-se a galinha. Os outros não quiseram trabalhar! - Retorquiu sentida. Formatação by: Ana Arkia
  12. 12. “Exactamente” - disse o funcionário do governo. “Essa é a vantagem da livre iniciativa.Qualquer pessoa, numa empresa, pode ganhar o que quiserPode trabalhar ou não trabalhar. Mas, de acordo com a nossa moderna legislação,a mais adiantada do Mundo, os trabalhadores mais produtivos têm que dividir o produto do trabalho com os que não fazem nada”. Além disso há as mais valias, o IRS, a ex- Sisa, o desconto para a CNP, o IRC, o aumento dos combustíveis, o imposto Automóvel, o selo do carro, o perdão aos clubes de futebol, que tem de ser pagos para garantir a nossa Saúde e a nossa Educação e a nossa Justiça ! Todas elas as melhores do Mundo ! Formatação by: Ana Arkia
  13. 13. E todos viveram felizes parasempre, inclusive a pequena galinha, que sorriu e cacarejou: “Eu estou grata”, “Eu estou grata”. Os vizinhos é que passam o tempo a perguntar porque é que a galinha nunca mais fez um pão. Formatação by: Ana Arkia
  14. 14. Esta fábula deveria ser distribuída e estudada em todas as escolas. Talvez que, assim, decorridas uma ou duasgerações, a mensagem central pudesse tomar o lugar de toda essa papagaiada pseudo-igualitária que insiste em deprimir um país e condená-lo ao eterno miserabilismo. Formatação by: Ana Arkia

×