Parte07

200 visualizações

Publicada em

Parte 07 da web makeyourdie . com originalmente postada na comunidade só webs.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
200
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parte07

  1. 1. @ Tom estava sozinho em casa, e como dizia o ditado "mente vazia oficina do diabo". Ele ligou o computador e pesquisou mais sobre o makeyourdie, e como salvar uma pessoa do makeyourdie. O primeiro resultado do google foi: pesquisas comprovam 1O fatos importantíssimos do makeyourdie. Ele clicou. 1° — O banco de dados do makeyourdie está localizado em algum lugar do Mar Adriático, pois o sinal do site vem de lá. 2° — Entretanto, todo o mar Adriático já foi esquadrinhado e nada foi encontrado. 3° — As mortes produzidas no makeyourdie, são todas de acordo com a descrição, não se sabe como se faz para que isso aconteça. 4° — Nenhuma hipótese pode ser concluída por necrópsia e afins... 5° — O makeyourdie.com é um site que nasceu na cidade de Nova York, pois foi onde se espalhou primeiramente. Temos um nova-iorquino por trás de tudo. 6° — Medicina não salva a pessoa do Makeyourdie. 7° — Não há como salvar uma pessoa após clicar em concluir. 8° — Não existe maneira de tirar o site do ar. 9° — A população que visita o site é de mais de 1OOOO acessos por dia. 10° — Sim, virou uma epidemia. Então era oficial. Tom saiu da cadeira e foi para cama, não queria ler mais nada. @ No dia seguinte, Tom teve uma aula normal, não falara com Melissa e ela não viera falar com ele. Ele foi depois da escola até o prédio onde o chefe de seu pai trabalhava. Queria falar com ele. Entrou abusadamente denovo e foi falar com Peter pai. — Quero seu filho fora da escola. — Porque? — Ele ta me atrapalhando. — Em quê? — Não faz pergunta demais, só me obedece. — Não. Tom suspirou fundo. — Deixe para lá. Me diga o que você descobriu sobre a morte de meu pai. — Nada. — Obrigado pela ajuda. Você não está cumprindo o que você disse, se lembra? Tom deu as costas e saiu de modo violento, deixando implícito as denuncias dele. Ele rumou para um táxi e balançou as madeixas, passando a mão pelas mesmas. O que ele iria fazer agora? @ Tom estava consumido pela raiva. Mellany estava cada vez mais com aquele carinha. E de acordo com que a semana foi passando, ele foi relaxando na sua aparência. Tom também aprendera a fumar cigarros, um hábito nojento que ele logo aprendera com Brad. Faltava somente dois meses e uma semana para a morte de Mellany. Ele não conseguia acreditar que desde que a inscrição dela no MYD causasse todo esse motim. Em três semanas, sua vida mudara completamente. Em uma segunda feira monótona, Tom estava sozinho, fumando cigarros no estacionamento de sua escola. Matando aula de trigonometria. De repente, ele viu alguém caminhando, conhecia aquele suéter, conhecia mesmo! Era Mellany. Ele passou a mão pela barba mal feita disposta pelo rosto. Ela chegou perdo dele e sentou-se ali. — Fui uma idiota não é? — Sim. — Respondeu Tom. — Me desculpe mesmo. É que... eu fiquei triste quando você não me deixou entrar lá com você, como se você não quisesse que me conhecesse.
  2. 2. — Mas eu não queria, aquilo podia ser perigoso, não queria te expor ao inimaginável. Ela deu um sorriso desanimado e Tom sabia que algo a afligia. — O que está acontecendo? — Você fuma? — Não. Tom tacou o cigarro longe. — Faça a barba por favor. — OK! Agora me diga o que esta havendo. Mellany hesitou. — Ele me pediu em namoro. @ Tom olhou para ela. — O que você disse. — Eu disse que iria pensar. Pedi ao Jhon para ir ao banheiro e vim para cá, sabia que ia te encontrar aqui. Tom se curvou um pouco mais para Mellany. — Você não pode aceitar. — A autoridade na voz de Tom fez Mellany inflar como um balão. — Está tentando mandar em mim novamente? — Ele é um cafajeste! — Ele tem coragem de se mostrar, e de abrir seus sentimentos. — Você está novamente de volta ao ponto de que eu uso máscaras? De que me escondo em meus amigos para não demonstrar quem eu sou, é isso? — Nós realmente perdemos o pouco de comunicação que havia entre nós. Mellany se levantou, e Tom se pôs de pé no mesmo instante, segurando ela pelo braço e se curvando sobre ela. — Você não pode fazer isso comigo, por favor. Mellany saiu do abraço. — Faça a barba por favor. E se você realmente é contra este namoro, você agora vai ter que resolver isso com o meu namorado. Ela foi andando. Tom deixou ela ir. Ela queria jogar? Então os jogos iriam começar. Ele só tinha um tempo, 2 meses para resolver tudo. @ Então era oficial! Na semana que se seguiu, Tom notou que Mellany estava com o Peter para todo lado! E ele percebeu que era tanto beijinho que ele ficava enjoado. Então, no dia em que marcou um mês a menos na vida de Mellany, restando só dois meses para ela, ele enfim criou coragem paa fazer algo. Ele chegou na escola cedo, e quando Peter sentou naquele banco que antigamente pertencia a ele e a Mellany, ele sentou-se do lado dele. — Peter Junior! — Começou ele teatralmente. — O que foi idiota? — Perguntou Peter, já sendo agressivo. — Termina com a Mellany, ok? — Porque você acha que eu vou fazer isso? — Peter cuspiu as palavras. — Porque eu quero. — Você acha que manda não é? — Peter se levantou e chutou a canela de Tom — Vá a merda. — O que? Você praticamente me chamou para uma briga? Se achando o sabichão, não é? — Tom não percebeu, mas um círculo de pessoas estava se formando ao redor daquele lugar. Todos começaram a gritar "briga!" — Ah Tom, não implica com a pessoa errada não. — Disse Peter, e com velocidade, ele acertou um soco no nariz de Tom, ouve um estalido, um "oh" da platéia, e a briga estava oficialmente começando.
  3. 3. @ Com habilidade, Tom se levantou e devolveu o soco na mesma medida, Peter foi ao chão com a intensidade, a galera agora gritava e Tom pode ver o rosto chorão de Mellany na multidão. Peter voou para cima de Tom, jogando o mesmo no chão e pulando em cima do mesmo, eles começaram a rolar pela terra com socos, chutes e tapas. Os pontapés eram ainda mais fortes, até que Tom foi acertado na cabeça e seu corpo rolou até um banco, o sangue escorria. — Isso é o que dá, querer se meter com minha garota. Ele sentiu a força de mais três chutes em sua barriga, e a dor era de que seu rim iria se desprender. Os olhos tremularam, o sangue vazou pelo nariz e pela boca. Ele se levantou e vou para cima de Peter e com um chute que o fez cair, ele acertou o peito de Peter com a maior força possível. — Toma isso! Peter caiu no chão. Mas havia algo errado! A camisa de Peter estourou drasticamente, as vias áreas de seu corpo ficaram vísiveis, as veias se dilataram, os olhos incharam, um grito agoniante escapou por seus lábios agora negros. O diretor interrompeu a multidão agora assustada, ele viu o que acontecia e seu corpo ficou rígido no mesmo instante, Tom estava tão tenso quanto ele. "Makeyourdie . com" Porque? Quem fizera isso? Seria a mesma pessoa que fizera isso com seu pai? Ele correu para perto de Peter, se sentindo estranhamente culpado. E, na trânsparencia da pele do garoto, ele pode ver todas as veias do garoto explodirem e o coração dele parar de bater. Peter estava morto, e no oficial, a culpa era dele. @ Tom olhou para o corpo imóvel na sua frente. Mellany olhava assustada, aterrorizada na verdade, enquanto todo o resto corria com a presença do diretor, que olhava de forma severa para Tom. — Tom, você matou esse cara! Ele está morto Tom, e que diabos é isso que aconteceu com ele? — Foi o makeyourdie . com — Foi só o que Tom conseguira balbuciar. — Não fale bobeira menino! — Gritou o diretor Patrick — Se eu te desse um chute no peito agora, você iria morrer desta maneira? Brutal? ISSO foi obra do makeyourdie. Patrick segurou o braço de Tom com força e foi o puxando, uma equipe de médicos já chegava no local. Tom se viu no estacionamento com o diretor. — O que você acabou de fazer é gravíssimo. — E as minhas fraturas? Tom mostrou a cabeça aberta, o nariz quebrado, a barriga roxa. — Ele morreu. — Disse o garoto. — Mas não é culpa minha. Não é! — Isso realmente não é lógico. Ele não morreria desta maneira. Tom, eu vou te ajudar nesta vez, você não merece mas eu vou te ajudar a sair desta. Agora Tom, você vai ter que me ajudar a outra coisa. Eu quero que você comece a cooperar com a escola, que pare de fumar, que tire notas boas. Eu vou enfrentar todos os processor por você, eu posso acreditar que vai nascer um novo Tom?

×