Tortura Florbela Espanca
Tirar dentro do peito a Emoção, A lúcida Verdade, o Sentimento!
– E ser, depois de vir do coração, Um punhado de cinza esparso ao vento!...
Sonhar um verso de alto pensamento, E puro como um ritmo de oração!
– E ser, depois de vir do coração, O pó, o nada, o sonho dum momento ...
São assim ocos, rudes,  os meus versos: Rimas perdidas,  vendavais dispersos,
Com que eu iludo os outros,  com que minto!
Quem me dera encontrar  o verso puro, O verso altivo e forte,  estranho e duro,
Que dissesse, a chorar,  isto que sinto!!
Poema: Tortura Autor: Florbela Espanca Música: A Comme Amour Formatação: Angela Gurgel [email_address]
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tortura florbela espanca

992 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
992
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tortura florbela espanca

  1. 1. Tortura Florbela Espanca
  2. 2. Tirar dentro do peito a Emoção, A lúcida Verdade, o Sentimento!
  3. 3. – E ser, depois de vir do coração, Um punhado de cinza esparso ao vento!...
  4. 4. Sonhar um verso de alto pensamento, E puro como um ritmo de oração!
  5. 5. – E ser, depois de vir do coração, O pó, o nada, o sonho dum momento ...
  6. 6. São assim ocos, rudes, os meus versos: Rimas perdidas, vendavais dispersos,
  7. 7. Com que eu iludo os outros, com que minto!
  8. 8. Quem me dera encontrar o verso puro, O verso altivo e forte, estranho e duro,
  9. 9. Que dissesse, a chorar, isto que sinto!!
  10. 10. Poema: Tortura Autor: Florbela Espanca Música: A Comme Amour Formatação: Angela Gurgel [email_address]

×