Módulo de php

534 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
534
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Módulo de php

  1. 1. Hypertext Preprocessor
  2. 2. História  Criado por Rasmus Lerdorf em 1995, o PHP tem a produção de sua implementação principal — referência formal da linguagem, mantida por uma organização chamada The PHP Group. O PHP é software livre, licenciado sob a PHP License, uma licença incompatível com a GNU General Public License (GPL) devido a restrições no uso do termo PHP.
  3. 3. História  PHP 5  Em junho de 2004 foi lançada a versão 5 do PHP, introduzindo um novo modelo de orientação a objeto, incluindo a reformulação dos construtores e adição de destrutores (ver exemplo contextualizado em anexo), visibilidade de acesso, abstração de objeto e interfaces de objetos.  O tratamento de objetos do PHP foi completamente reescrito, permitindo um desempenho melhor e mais vantagens. Enquanto na versão anterior era preciso muito esforço para atender à orientação a objetos e aos padrões de projetos (alguns não eram possíveis), o PHP 5 veio para sanar essa deficiência. Ainda sofre nesse sentido, contudo, por problemas devido a ser uma linguagem de tipagem fraca.
  4. 4. Interação  PHP tem suporte aos protocolos: IMAP, SNMP, NNTP, POP3, HTTP, LDAP, XML-RPC, SOAP. É possível abrir sockets e interagir com outros protocolos.
  5. 5. O que o PHP pode fazer?  Qualquer coisa. O PHP é focado para ser uma linguagem de script do lado do servidor, portanto, você pode fazer qualquer coisa que outro programa CGI pode fazer, como: coletar dados de formulários, gerar páginas com conteúdo dinâmico ou enviar e receber cookies. Mas o PHP pode fazer muito mais.
  6. 6. O que o PHP pode fazer?  Script no lado do servidor (server-side). Este é o mais tradicional e principal campo de atuação do PHP. Você precisa de três coisas para seu trabalho. O interpretador do PHP (como CGI ou módulo), um servidor web e um browser. Basta rodar o servidor web conectado a um PHP instalado. Você pode acessar os resultados de seu programa PHP com um browser, visualizando a página PHP através do servidor web. Todos eles podem rodar na sua máquina, em casa, para você experimentar programação com o PHP.
  7. 7. O que o PHP pode fazer?  Script de linha de comando. Você pode fazer um script PHP funcionar sem um servidor web ou browser. A única coisa necessária é o interpretador. Esse tipo de uso é ideal para script executados usando o cron ou o agendador de Tarefas (no Windows). Esses scripts podem ser usados também para rotinas de processamento de texto.
  8. 8. O que o PHP pode fazer?  Escrevendo aplicações desktop. O PHP provavelmente não é a melhor linguagem para criação de aplicações desktop com interfaces gráficas, mas se você conhece bem o PHP, e gostaria de usar alguns dos seus recursos avançados nas suas aplicações do lado do cliente, você pode usar o PHP-GTK para escrever programas assim. Isso ainda lhe habilita a escrever aplicações multiplataformas. O PHP-GTK é uma extensão do PHP, não disponibilizada na distribuição oficial.
  9. 9. Banco de Dados  Talvez a mais forte e mais significativa característica do       PHP é seu suporte a uma ampla variedade de banco de dados. Escrever uma página que consulte um banco de dados é incrivelmente simples. Os seguintes bancos de dados são atualmente suportados: dBase MySQL InterBase Oracle Sybase Entre outros
  10. 10. Sintaxe Básica  <?php // Este exemplo irá imprimir "Hello World", e não "<p>Hello World!</p>" echo "<p>Hello World!</p>"; ?>
  11. 11. Sintaxe Básica Forma 1 Forma 3 <?php Comandos ?> Forma 2 <script language=“php”> comandos </script> <? Comandos ?> Forma 2 <% comandos %>
  12. 12. Separadores de instrução  Todo fim de código tem de haver vírgula(;) <? echo ‘com ponto e vírgula’; ?>  Linhas de comandos, de controle, não precisam de vírgula. <? If($x==$x){ //não precisa de vírgula echo ‘com ponto e vírgula’; //precisa de vírgula } ?>
  13. 13. Nome de variáveis cap. 2  Toda variável PHP tem o nome composto por cifrão ($) iniciado por uma letra ou caracter “_”;  PHP é case sensitive, ou seja, $php e $PHP são diferentes.  Evitar nomes maiúsculos pois o PHP já possui algumas variáveis pré-definidas que são formadas por maiúsculas.
  14. 14. Comentários de uma linha cap. 2  Comentários de linha delimitado por barra dupla (//) ou por cerquilha (#). <?php echo 'Isto é um teste'; // Estilo de comentário de uma linha echo „Isto é um teste‟; # Estilo de comentário de uma linha ?>
  15. 15. Comentários de mais de uma linha cap 2  Tem com delimitador os carateres “/*”para início e “*/” para o fim do comentário.  <?php echo 'Isto é um teste'; /* Este é um comentário de múltiplas linhas ainda outra linha de comentário */  ?>
  16. 16. Tipos de Dados cap. 2  O PHP utiliza checagem de tipos dinâmica, em outras        palavras, uma variável pode conter valores de diferentes tipos em diferentes momentos da execução do script. Os tipos de dados suportados por esta linguagem são: Inteiro Ponto flutuante String Array Objeto Booleanos
  17. 17. Tipos de Dados cap. 2  STRING: O tipo de dados STRING é uma cadeia de caracteres alfanuméricos(letras, números e caracteres especiais). O tipo STRING pode ser utilizado de duas maneiras:  Utilizando aspas simples o valor da variável será exatamente o texto contido entra as aspas, com exceção de: e ’.  Utilizando aspas duplas qualquer variável ou caracter de escape será expandido antes de ser atribuído.
  18. 18. Tipos de Dados <?php $testando = "Olá Mundo Novo"; $testando1 = '--- $testando ---'; echo $testando1; ?> <?php $testando = "Olá Mundo Novo"; $testando1 = "--- $testando ---"; echo $testando1; ?> cap. 2
  19. 19. Tipos de Dados cap. 2  Números em ponto flutuante (double ou float)  Os tipos de dados de ponto flutuante são os números reais, ou seja, inteiros ou fracionários. <?php $tipo = 1.543; $tipo = 23e4;// (equivale a 230.000) ?>
  20. 20. Tipos de Dados cap. 2 Inteiros (integer ou long) Vamos começar a entender o tipo de dado INTEIRO, que no caso do PHP pode ser INTEGER ou LONG. A seguir temos alguns exemplos: 1234 – Inteiro positivo da base decimal. -2345 – Inteiro negativo na base decimal. 0234 – Inteiro na base octal-simbolizado pelo 0# equivale a 156 decimal. 0x34 – Inteiro na base hexadecimal (simbolizado # pelo 0x) – equivale a 52 decimal.
  21. 21. Tipos de Dados <?php $tipo = 1234; $tipo = -2345; $tipo = 0234; $tipo = 0x34; ?> cap. 2
  22. 22. Tipos de Dados cap. 2  Arrays: Tipo de dados arrays ou vetores, são uma lista de valores que podem armazenar dados de diversos tipos. No PHP podem ser observados como mapeamentos ou como vetores indexados. <?php $vetor [1] = "Alemanha "; $vetor [2] = "Itália "; $vetor [3] = "França"; $vetor ["testando"] = 1; ?> ------------------------------------------------------------------------------------------<?php $vetor = array(1 => "Alemanha", 2 => "Itália", 3 => "França", "testando" => 1); ?> ------------------------------------------------------------------------------------------<?php $vetorPaises = array("Alemanha", "Itália", "França", "Noruega"); echo $vetorPaises[1]; ?>
  23. 23. Tipos de Dados cap. 2  Objeto: São um tipo de dado que pode ser inicializado utilizando o comando o NEW para instanciar uma classe para uma variável <?php class CD { var $titulo; var $banda; var $ano_lancamento; } $disco = new CD(); $disco ->Titulo = "The Number of the Beast"; $disco ->banda = "Iron Maiden"; $disco ->ano_lancamento = 1982; ?>
  24. 24. Tipos de Dados cap. 2  Boolean: Tipo de dado capaz de armazenar valores do tipo TRUE(verdadeiro) ou FALSE(falso) <?php $noite = TRUE; $chuva = FALSE; if($noite == TRUE) echo "Está de noite."; else echo "Está de dia."; if($chuva == TRUE) echo "Está chovendo."; else echo "Não está chovendo."; ?>

×