Lição síntese da disciplina de
História Política Medieval de Portugal
6 de Dezembro de 2007
A Antroponímia da Oficialidade...
I Parte – Objecto e estrutura da lição
Objecto:
Estudar o nome enquanto forma de designação pessoal dos
oficiais da burocr...
1.1. A Antroponímia – sinopse da evolução da problemática
Momentos-chave da evolução da disciplina:
Até meados do século X...
1.1. A Antroponímia – sinopse da evolução da problemática
(cont.)
Os anos 80 marcam o início de uma nova fase:
1980 – Soci...
1.1. A Antroponímia – sinopse da evolução da problemática
(conclusão)
Nas décadas de 80 e 90 a antroponímia ascende a área...
1.2. Descrição das tarefas e objectivos
Definição do corpus documental: Chancelarias de
D. Fernando, D. João I, D. Duarte ...
1.3. Construção da metafonte
Utilização do software EXCEL
Estabelecimento das entradas: nº de ordem, período,
nome próprio...
Levantámos os nomes pessoais de 1003 indivíduos que exercem
diferentes funções e detêm diferentes estatutos sociais e
hier...
Quadro I - Dados gerais da documentação (1367-1481)
Faixas
cronológicas
Total de anos
por faixa
Número de
indivíduos
%
136...
II Parte - Estudo empírico dos antropónimos da
oficialidade régia (1367-1481)
Total de indivíduos – 1003
Redactores – 267
...
O nome individualiza, distingue, umas vezes realça qualidades
outras defeitos, destaca origens, é sinal de pertença a um m...
Quadro II – Nomes próprios e patronímicos dos oficiais da
burocracia régia (1367-1481)
Nº Nome próprio Totais % Patronímic...
Quadro III – Nomes próprios em progressão de uso e desuso
(1367-1481)
Nomes próprios 1367-1432 1433-1448 1449-1481 Totais
...
Quadro IV – Índices absolutos de variação dos dez nomes mais frequentes
(1367-1481)
Nº de
ordem Nomes próprios
1367-
1432
...
Gráfico I – Origem dos nomes próprios
(1367-1481)
16
15
1415
20
Frequência
9
7
0
5
10
Greco-romana Judaico-cristã Germânic...
2.2. Patronímico e parentesco
No Ocidente medievo o uso do patronímico é comum, p. ex.:
Álvares de Álvaro, Gonçalves de Go...
Quadro V – Número de ordem do nome próprio e do patronímico dos
oficiais régios (1367-1481)
Nome próprio
Nº de
ordem Patro...
2.3. Uso do apelativo e caracterização social das formas
de denominação
Na Idade Média Final convivem sistemas antroponími...
Quadro VI – Sistemas antroponímicos
(1361-1481)
Sistemas
antroponímicos
Número de
ocorrências %
N 1 0,09
N + P 730 72,78
N...
Quadro VII – Distribuição do total de apelidos de localidade e de
família por categorias burocráticas (1367-1481)
Categori...
Quadro VIII – Apelidos de localidade mais frequentes
(1367-1481)
Total de apelidos
de localidade Frequência Designações
1 ...
Quadro IX – Apelidos de família mais frequentes
(1367-1481)
Total de apelidos
de família Frequência Designações
1 9 Almeid...
2.4. Nome e família
Questões prévias:
Que relação existe entre a estrutura do nome e o estatuto
social do indivíduo nos gr...
2.4.1. Apelido de família ou patrimonialização do nome ?
O apelido de família surge primeiro em indivíduos de estatuto
soc...
Gráfico II – Origem dos apelidos de família
(1367-1481)
65
50
60
70
22
14
21
9
0
10
20
30
40
50
Toponímica Estrangeira Alc...
2.4.2. Flutuações: multiplicidade e regularidade(s)
Na Idade Média tardia convivem sistemas antroponímicos
diversos: dupla...
Itinerários antroponímicos - exemplos
1. Nomes de oficiais que detém um apelido identificador do pai,
transmitindo-o à ger...
Conclusões e perspectivas
Do ponto de vista da descrição da estrutura do nome a Idade Média Final
apresenta sinais de tran...
Bibliografia recomendada
Anthroponymie. Document de l’histoire sociale
des mondes méditerranées - Actes du Colloque
Intern...
“Há uma idade em que se ensina o que se sabe;
mas surge de seguida uma outra em que se ensina
o que não se sabe: a isto se...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lição de agregação_ História Política Medieval de Portugal _ FLUP_ 2007

130 visualizações

Publicada em

A Antroponímia da Oficialidade Régia de
Finais da Idade Média (1367-1481):
identidade pessoal e diferenciação social

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
130
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição de agregação_ História Política Medieval de Portugal _ FLUP_ 2007

  1. 1. Lição síntese da disciplina de História Política Medieval de Portugal 6 de Dezembro de 2007 A Antroponímia da Oficialidade Régia de Finais da Idade Média (1367-1481): 1 identidade pessoal e diferenciação social Judite A. Gonçalves de Freitas
  2. 2. I Parte – Objecto e estrutura da lição Objecto: Estudar o nome enquanto forma de designação pessoal dos oficiais da burocracia régia (1367-1481) Estrutura da lição: I parte – Contexto epistemológico Breve contextualização histórica da Antroponímia medieval no Ocidente Explicação dos objectivos e âmbito cronológico Metodologia de tratamento e recolha de dados nas fontes II parte - Estudo empírico dos antropónimos da oficialidade régia (1367-1481) Análise empírica dos antropónimos e das formas onomásticas dos dois núcleos de oficiais (redactores e escrivães) que 2 dos dois núcleos de oficiais (redactores e escrivães) que ocupam as instâncias da burocracia régia ao longo do período consignado
  3. 3. 1.1. A Antroponímia – sinopse da evolução da problemática Momentos-chave da evolução da disciplina: Até meados do século XX - predomina a visão tradicional da antroponímia – valor simbólico e moral do nome; a antroponímia é campo de estudo de filólogos e linguistas. 1ª Fase (Anos 60 e 70) A Antroponímia surge como uma disciplina1ª Fase (Anos 60 e 70) A Antroponímia surge como uma disciplina ou área de saber que se ocupa da referência contextualizada dos nomes pessoais - Escola alemã - Universidade de Münster – necrologia monástica - Philippe Besnard – influência da Sociologia sobre a História. Uma sociologia histórica do nome - Françoise Zonabend - contributos da Antropologia do parentesco 3 2ª Fase (Anos 80 aos nossos dias) O estudo do nome e das formas de designação obedece a novos métodos, temas e perspectivas analíticas.
  4. 4. 1.1. A Antroponímia – sinopse da evolução da problemática (cont.) Os anos 80 marcam o início de uma nova fase: 1980 – Sociedade de Demografia Histórica parisiense promoveu a execução de um encontro subordinado a três temas:três temas: O stock de nomes e os processos de difusão e renovação, Os nomes e o parentesco: formas de transmissão, O nome e identidade: as funções de denominação. 1980 – A revista L’Homme lança um número especial dedicado ao nome pessoal e à designação. 4 Reúne as contribuições de André Burguière, Françoise Zonabend, Martine Segalen et al. Traduz um maior envolvimento da antropologia histórica e da sociologia histórica com a problemática
  5. 5. 1.1. A Antroponímia – sinopse da evolução da problemática (conclusão) Nas décadas de 80 e 90 a antroponímia ascende a área de interesse da História Social medieval. A antroponímia surge como documento social. Lançamento do projecto Genèse Médiévale de l’Anthroponymie Moderne liderado por Monique Bourin, assente na aplicação de um inquérito antroponímico, com os seguintes objectivos:de um inquérito antroponímico, com os seguintes objectivos: Levantamento de dados em cartulários e séries documentais Adopção de métodos estatísticos Combinar bases prosopográficas (macro-pesquisas) com inquéritos genealógicos (micro-pesquisas) Explicar os comportamentos de nomear, os ritmos de evolução e os modos de difusão dos sistemas de denominação Influências internacionais da direcção escolhida pela Escola francesa : Espanha – Pascoal Martinez Sopeña; Portugal – Iria 5 francesa : Espanha – Pascoal Martinez Sopeña; Portugal – Iria Gonçalves e Robert Durand. Mais recentemente Isabel Franco.
  6. 6. 1.2. Descrição das tarefas e objectivos Definição do corpus documental: Chancelarias de D. Fernando, D. João I, D. Duarte e D. Afonso V Cronologia (1367-1481): análise comparativa das formas antroponímicasantroponímicas Detecção de formas onomásticas novas, sistemas duplo e triplo de designação, e respectiva utilização nos dois grupos de oficiais (redactores e escrivães) Seriação do total de indivíduos (1003) e elaboração de listagens 6 Elaboração do inquérito-antroponímico (cfr. anexo)
  7. 7. 1.3. Construção da metafonte Utilização do software EXCEL Estabelecimento das entradas: nº de ordem, período, nome próprio, patronímico, apelido (família), apelido (localidade), apelido (alcunha), início e fim de carreira,(localidade), apelido (alcunha), início e fim de carreira, ofício 1, especialidade, ofício 2, especialidade, ofício 3, especialidade, observações Sistematização da informação compulsada numa base de dados que permite responder às principais questões patentes no inquérito-antroponímico Estabelecimento da base de dados de consulta e 7 Estabelecimento da base de dados de consulta e impressão de listagens
  8. 8. Levantámos os nomes pessoais de 1003 indivíduos que exercem diferentes funções e detêm diferentes estatutos sociais e hierárquicos São usados diferentes sistemas antroponímicos pelos oficiais (sistemas de nome duplo e triplo, com e sem apelidos de família) 1.4. Questões metodológicas (sistemas de nome duplo e triplo, com e sem apelidos de família) Desequilíbrios assinaláveis entre o número de oficiais por reinado ou períodos decenais Estabelecimento e distribuição do total de oficiais por faixas irregulares atendendo aos períodos de alternância governativa e mudança de quadros humanos: 1367-1432; 1433-1448; 1449- 1481. 8
  9. 9. Quadro I - Dados gerais da documentação (1367-1481) Faixas cronológicas Total de anos por faixa Número de indivíduos % 1367-1432 66 389 39 1433-1448 16 272 27 1449-1481 32 342 34 9 Totais 114 1003 100
  10. 10. II Parte - Estudo empírico dos antropónimos da oficialidade régia (1367-1481) Total de indivíduos – 1003 Redactores – 267 Escrivães - 736 10
  11. 11. O nome individualiza, distingue, umas vezes realça qualidades outras defeitos, destaca origens, é sinal de pertença a um meio ou, simplesmente, antediz a profissão. O nome é o resultado de uma relação entre o gosto da época, o meio social, as circunstâncias culturais, políticas e demográficas. O nome é um 2.1. Nome próprio: escolhas, reposições e ... renovação? circunstâncias culturais, políticas e demográficas. O nome é um importante sinal da mudança dos tempos! Os núcleos de oficiais (redactores e escrivães) fazem um uso de 61 nomes próprios diferentes 39 são de uso corrente 22 nomes raros (uma utilização) acima das 10 ocorrências temos apenas 19 onomatos 11 acima das 10 ocorrências temos apenas 19 onomatos
  12. 12. Quadro II – Nomes próprios e patronímicos dos oficiais da burocracia régia (1367-1481) Nº Nome próprio Totais % Patronímico Totais % 1 João 172 17,14 Anes/Eanes 83 11,36 2 Fernão/Fernando 84 8,37 Afonso 77 10,54 3 Pero/Pedro 83 8,27 Gonçalves 70 9,58 4 Álvaro 71 7,07 Martins 56 7,67 5 Diogo 66 6,58 Peres/Pires 50 6,84 6 Afonso 64 6,38 Fernandes 46 6,3 7 Gonçalo 59 5,88 Vaz/Vasques 46 6,3 8 Vasco 45 4,48 Esteves 41 5,61 9 Martim/Martinho 37 3,68 Rodrigues 41 5,61 10 Rui 35 3,48 Álvares 31 4,24 11 Luís 29 2,89 Lourenço 27 3,69 12 Estêvão/Esteves 25 2,49 Gil 25 3,42 12 13 Rodrigo 22 2,19 Lopes 21 2,87 14 Lopo 20 1,99 Dias 21 2,87 15 Lourenço 20 1,99 Domingues 16 1,16 16 Gil 19 1,89 Gomes 14 1,91 17 Vicente 19 1,89 Vicente 14 1,91 18 Nuno 18 1,79 Garcia/Garcês 10 1,36 19 Gomes 17 1,69 Mendes 8 1,09
  13. 13. Quadro III – Nomes próprios em progressão de uso e desuso (1367-1481) Nomes próprios 1367-1432 1433-1448 1449-1481 Totais Progressão de Uso António 0 4 4 8 Filipe 1 0 3 4 Lopo 6 9 9 21 Nuno 6 6 8 20 Pedro 21 20 42 83 Rodrigo 10 8 4 22 Rui 8 14 13 35 Desuso André 3 1 1 5 Bartolomeu 5 0 1 6 Estêvão 14 5 6 25 13 Gil 9 8 2 19 Lourenço 11 5 4 20 Martim/Martinho 23 8 6 37 Vasco 25 12 8 45 Vicente 9 5 5 19
  14. 14. Quadro IV – Índices absolutos de variação dos dez nomes mais frequentes (1367-1481) Nº de ordem Nomes próprios 1367- 1432 1433- 1448 1449- 1481 Totais 1 João 66 34 72 172 2 Fernão/Fernando 28 23 33 84 3 Pero/Pedro 21 20 42 83 3 Pero/Pedro 21 20 42 4 Álvaro 20 22 29 71 5 Diogo 23 21 22 66 6 Afonso 32 17 15 64 7 Gonçalo 30 12 17 59 8 Vasco 25 12 8 45 Martim/Martinho 23 8 6 37 14 9 Martim/Martinho 23 8 6 37 10 Rui 8 14 13 35
  15. 15. Gráfico I – Origem dos nomes próprios (1367-1481) 16 15 1415 20 Frequência 9 7 0 5 10 Greco-romana Judaico-cristã Germânica Obscura Outra Frequência 15
  16. 16. 2.2. Patronímico e parentesco No Ocidente medievo o uso do patronímico é comum, p. ex.: Álvares de Álvaro, Gonçalves de Gonçalo, ... Patronímico é o nome derivado do designativo pessoal de um antepassado, geralmente o pai; distingue-se do sobrenome que, regra geral, surge após o nome próprio, p. ex.: André,que, regra geral, surge após o nome próprio, p. ex.: André, Jorge, Dinis... No conjunto de oficiais tratado uma maioria faz uso de patrónimos – 730 (72,78% do total) Verifica-se uma maior variedade antroponímica ao nível do nome próprio (61 apelativos), comparativamente ao repertório de patronímicos (39 designativos) 16
  17. 17. Quadro V – Número de ordem do nome próprio e do patronímico dos oficiais régios (1367-1481) Nome próprio Nº de ordem Patronímico João 1 Anes/Eanes Fernão/Fernando 2 Afonso Pero/Pedro 3 Gonçalves Álvaro 4 Martins Diogo 5 Peres/Pires Afonso 6 Fernandes Gonçalo 7 Vaz/Vasques Vasco 8 Esteves Rui 9 Rodrigues Martim 10 Álvares 17 Luís 11 Lourenço Estêvão 12 Gil
  18. 18. 2.3. Uso do apelativo e caracterização social das formas de denominação Na Idade Média Final convivem sistemas antroponímicos diferentes O sistema duplo persiste, mas o sistema triplo parece indiciar uma alteração dos padrões tradicionaisuma alteração dos padrões tradicionais O questionário antroponímico lançado compreende distintos modelos antroponímicos nos dois núcleos de oficiais régios e procura avaliar a dimensão quantitativa em cada um deles 18
  19. 19. Quadro VI – Sistemas antroponímicos (1361-1481) Sistemas antroponímicos Número de ocorrências % N 1 0,09 N + P 730 72,78 N + P + AF 76 7,57 Legenda: N = Nome Próprio P = Patronímico A = Apelido N + P + AF 76 7,57 N + P + AL 32 3,19 N + P + O 17 1,69 N + AF 159 15,85 N + AL 59 5,88 N + O 39 3,88 N + P + AF (+ O) 3 0,29 AF = Apelido de Família AL = Apelido de Localidade O = Pronomes, Adjunções Nominais, Alcunhas, … 19
  20. 20. Quadro VII – Distribuição do total de apelidos de localidade e de família por categorias burocráticas (1367-1481) Categorias burocráticas Apelidos de localidade % Apelidos de família % Redactores 24 8,98 110 41,19 Escrivães 67 9,1 125 16,98 Totais 91 ----- 235 ------ 20
  21. 21. Quadro VIII – Apelidos de localidade mais frequentes (1367-1481) Total de apelidos de localidade Frequência Designações 1 9 Lisboa 1 8 Guimarães 3 5 Braga, Elvas, Porto3 5 Braga, Elvas, Porto 4 4 Beja, Évora, Olivença e Santarém 2 3 Coimbra e Estremoz 8 2 Alcáçova, Aveiro, Azambuja, Barcelos, (…) 21
  22. 22. Quadro IX – Apelidos de família mais frequentes (1367-1481) Total de apelidos de família Frequência Designações 1 9 Almeida 1 8 Godinho 1 7 Costa 2 6 Castro, Machado 4 5 Castelo Branco, Figueiredo, Silveira, Vieira 3 4 Borges, Carneiro, Galvão Camelo, Cardoso, Faleiro, 22 9 3 Lobato, Silva (…) 30 2 Abul, Azevedo, Boto, Faria, Freitas, Lucena (…) 80 1 Abreu, Alvarenga, Carvalho, Grã, Sem, Sousa (…)
  23. 23. 2.4. Nome e família Questões prévias: Que relação existe entre a estrutura do nome e o estatuto social do indivíduo nos grupos burocráticos em análise? Que vantagens se podem retirar da relação estabelecidaQue vantagens se podem retirar da relação estabelecida entre onomástica e genealogia? Condicionantes implícitas às questões formuladas: 1ª) É difícil proceder, para a Idade Média, a uma análise social da antroponímia 2ª) Em antroponímia não é fácil estabelecer classificações etimológicas, linguísticas ou toponímicas seguras 23 3ª) Em antroponímia uma asserção ou interpretação não é, uma maioria das vezes, a única explicação
  24. 24. 2.4.1. Apelido de família ou patrimonialização do nome ? O apelido de família surge primeiro em indivíduos de estatuto social mais elevado O nome de família tem o efeito da raridade, opõe-se ao patronímico que, regra geral, conduz à homonímia O apelido de família é hereditário, identifica a linhagem (consanguinidade = transmissão biológica do nome) O uso de apelido de família está relacionado com a difusão do modelo linhagístico (agnático) O apelido de família conduz a uma distribuição mais regular dos elementos antroponímicos, induz à topologia 24
  25. 25. Gráfico II – Origem dos apelidos de família (1367-1481) 65 50 60 70 22 14 21 9 0 10 20 30 40 50 Toponímica Estrangeira Alcunha Incerta Outra Frequência 25
  26. 26. 2.4.2. Flutuações: multiplicidade e regularidade(s) Na Idade Média tardia convivem sistemas antroponímicos diversos: dupla e tripla denominação O uso do apelido de família veio complicar as regras antroponímicas A alteração da concepção de família, manifesta-se no uso mais frequente do apelido de família nos séculos finais da Idade Média A tendência é para se acentuar a relação entre apelido e hereditariedade Vejam-se alguns segmentos linhagísticos (itinerários antroponímicos) e respectivas estratégias de denominação a seguir 26
  27. 27. Itinerários antroponímicos - exemplos 1. Nomes de oficiais que detém um apelido identificador do pai, transmitindo-o à geração seguinte: Aires Gomes da Silva filho de João Gomes da Silva, filho de Gonçalo Gomes da Silva. Descendência: João da Silva, Francisco da Silva,(…) 2. Os oficiais que não são apelidados inteiramente com o nome do2. Os oficiais que não são apelidados inteiramente com o nome do pai: Nuno Martins da Silveira filho de Martim Gil Pestana e Maria Gonçalves da Silveira. Descendência: Gonçalo da Silveira, Vasco da Silveira, (…) 3. Apelidos individuais com origem numa alcunha: Rui Galvão filho de João Fernandes (clérigo de missa). Descendência: João Rodrigues Galvão, Duarte Galvão, (…) 4. Uso misto e do nomen paternum: Paio Rodrigues de Araújo, teve por filhos Pedro Pais, Rui Pais, João Rodrigues Pais, Paio Rodrigues, Lopo Rodrigues de Araújo e Leonor 27 Rodrigues Pais, Paio Rodrigues, Lopo Rodrigues de Araújo e Leonor Pais.
  28. 28. Conclusões e perspectivas Do ponto de vista da descrição da estrutura do nome a Idade Média Final apresenta sinais de transformação dos componentes de designação individual. Não existe uma única prática antroponímica. O patronímico na sua forma genitiva é bastante mais comum do que na forma nominativa, enquanto segundo elemento de identificação.forma nominativa, enquanto segundo elemento de identificação. Nos séculos finais da Idade Média coexistem práticas onomásticas diversas, cujos componentes do nome assumem posições variáveis relacionáveis com os laços de parentesco existentes. Tendencialmente o uso do apelido com carácter hereditário, i.e. o nome de linhagem surge entre os indivíduos de condição social mais elevada. O uso de apelido de família é relativamente frequente entre os oficiais redactores, ca. de 41% do total. 28 As posições ocupadas pelo nome próprio, patronímico e apelido tendem a ganhar espessura e regularidade encontrando-nos mais próximo das formas contemporâneas de designação.
  29. 29. Bibliografia recomendada Anthroponymie. Document de l’histoire sociale des mondes méditerranées - Actes du Colloque International de Rome, ed. Monique Borin, Jean- Marie Martin e François Menant, École française de Rome, 6-8 octobre 1994, Roma, 1996.de Rome, 6-8 octobre 1994, Roma, 1996. Personal Names Studies of Medieval Europe. Social Identity and Familial Structures, ed. George T. Beech, Monique Bourin e Pascal Chareille, Kalamazoo, Michigan, 2002. Prénom (Le) mode et histoire. Les Entretiens de 29 Prénom (Le) mode et histoire. Les Entretiens de Malher 1980, org. Jacques Dupâquier, Alain Bideau, Marie-Elizabeth Ducreux, Paris, École des Hautes Études en Sciences Sociales, 1984.
  30. 30. “Há uma idade em que se ensina o que se sabe; mas surge de seguida uma outra em que se ensina o que não se sabe: a isto se chama procurar. Chega, agora, talvez a idade de uma outra experiência: a de desaprender, de deixar germinar a mudança imprevisível que o esquecimento impõe à sedimentação dos saberes, das culturas, das crenças que atravessámos.” Roland Barthes, Collège de France, 1977. 30

×