SlideShare uma empresa Scribd logo
100 anos no
gol
Um especial da Furacao.com para
homenagear os goleiros do Club
Athletico Paranaense em seu
centenário.
por Jefferson Gabardo
De Tapyr a Bento: 100 anos de história
06 de abril de 1924 16 de março de 1924
Total: 4.941 jogos
0 500 1000 1500 2000 2500
Paranaense
Brasileiro
Internacionais
Amistosos
Torneio Inicio
Copas e Torneios
Torneio Internacionais
Jogos do Furacão por competição
138 goleiros em 100 anos
Cronologia
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1924
Tapyr 13 13 6 2 5
1924
Nato 3 9 1 2
1925
Tapyr 5 5 3 2
1925
Nato 1 1 1
1925
Tercio 24 25 14 8 2
1926
Tapyr 2 2 1 1
1926
Mane 1 0 1
1926
Jarbas 1 1 1
1926
Tercio 12 20 8 1 3
1926
Duca 3 6 2 1
1927
Tercio 9 11 4 1 4
1927
Alberto 14 23 5 1 8
1927
Jarbas 1 5 1
1927
Mane 1 7 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1928 Alberto 16 31 7 5 4
1928 Tercio 4 6 4
1929
Mane 1 2 1
1929
Alberto 20 19 12 6 2
1929
Tercio 9 14 7 1 1
1930
Alberto 26 38 17 5 4
1930
Quinze 3 0 2 1
1930
Miro 1 4 1
1930
Cecy 4 10 2 2
1931
Cecy 1 1 1
1931
Mario 1 3 1
1931
Alberto 20 30 13 2 5
1931
Mugggiati 1 3 1
1932
Alberto 14 34 5 2 7
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1932
Alarico 2 1 1 1
1932
David 2 6 2
1932
Cecy 4 7 1 1 2
1933
Cecy 3 12 1 2
1933
Alberto 10 20 3 4 3
1933
Caju 10 25 1 3 6
1934
Caju 24 27 9 8 7
1935
Caju 21 27 11 4 6
1936
Caju 24 24 17 6 1
1936
Paraguaio 2 2 2
1936
Canhoto 1 2 1
1937
Cecy 1 4 1
1937
Caju 22 37 11 4 7
1937
França 2 3 1 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1937
Boliviano 2 4 1 1
1937
Zorro 1 0 1
1938
Caju 7 25 2 2 3
1938
Bino 9 24 2 3 4
1938
Boliviano 3 4 1 1 1
1938
Lauro 1 1 1
1938
Francisquinho 1 3 1
1939
Lauro 10 16 5 2 3
1939
Boliviano 9 13 3 1 5
1939
Caju 12 10 9 2 1
1940
Caju 18 34 12 2 4
1940
Boliviano 2 5 1 1
1941
Rubens 1 2 1
1941
Boliviano 6 10 3 3
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1941
Caju 24 34 13 1 10
1941
Belo 3 3 1 1 1
1942
Caju 20 37 10 3 7
1942
Laio 2 7 1 1
1942
Belo 1 1 1
1942
Mario 1 0 1
1943
Caju 22 30 14 3 5
1943
Laio 14 17 7 1 6
1944
Caju 7 13 5 1 1
1944
Laio 24 40 17 2 5
1945
Caju 18 21 14 1 3
1945
Laio 11 22 3 3 4
1945
Ivan 1 2 1
1945
Rui 1 3 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1946 Laio 22 47 10 1 10
1946 Caju 3 4 3
1946 Osvaldo 1 0 1
1947 Laio 25 36 16 2 7
1947 Ivan 1 0 1
1948 Laio 12 21 8 3 1
1948 Caju 16 22 10 3 3
1948 Helio 2 11 2
1948 Ivan 1 1 1
1949 Caju 9 18 5 2 2
1949 Laio 28 47 22 1 5
1949 Ivan 3 4 1 2
1950 Laio 21 38 10 1 10
1950 Ivan 10 18 4 2 4
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1950
Laio 21 38 10 1 10
1950
Ivan 10 18 4 2 4
1950
Caju 1 5 1
1951
Ivan 20 43 9 1 10
1951
Laio 18 32 9 2 7
1952
Silas 19 44 7 3 9
1952
Ivan 11 28 1 10
1953
Silas 24 47 11 6 7
1953
Ivan 8 12 4 1 3
1954
Silas 16 24 7 3 6
1954
Ivan 15 25 8 6 1
1954
Durair 1 2
1955
Silas 35 58 16 11 8
1955
Ivan 1 4 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1955
Durair 1 1 1
1956
Silas 14 26 7 3 4
1956
Pianoski 20 39 7 3 10
1956
Willian 4 5 2 2
1957
Pianoski 19 29 8 3 8
1957
Willian 25 27 17 3 5
1957
Silas 7 10 2 1 4
1957
Montovani 2 7 2
1958 Willian 24 36 15 5 4
1958 Mantovani 13 19 7 1 5
1958 Helio 1 2 1
1959
Willian 27 38 12 6 9
1959
Mantovani 11 23 7 1 3
1959
Milton 10 14 5 1 4
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1959
Oberdan 3 2 1 1 1
1959
Itamar 3 4 2 1
1959
Orley 1 0 1
1960
Willian 32 38 13 10 9
1960
Raul 5 6 3 1 1
1960
Oberdan 5 5 4 1
1960
Pedrinho 1 4 1
1960
Mario 1 0 1
1960
Hamilton 1 0 1
1960
Celso Caju 1 2 1
1961 Willian 1 3 1
1961 Waldomiro 36 40 20 5 11
1961 Marco Aurelio 4 7 2 2
1961 Oberdan 2 7 1 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1962
Waldomiro 19 31 9 3 7
1962
Marco Aurélio 9 11 4 2 3
1962
Celso Caju 15 26 6 2 7
1962
Raul 2 2
1962
Peixoto 1 3 1
1963
Celso Caju 19 23 10 6 3
1963
Marco Aurelio 9 14 2 4 3
1963
Gil 15 16 9 3 3
1964
Gil 15 15 5 4 6
1964
Celso Caju 8 11 2 1 5
1964
Waldomiro 19 25 10 3 6
1964
Marco Aurelio 1 1 1
1965
Gil 31 39 15 5 11
1965
Celso Caju 3 1 1 2 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1965
Paulo Roberto 6 14 1 5
1965
Dudu 2 2 1 1
1966
Gil 24 30 9 7 8
1966
Nilson 5 6 3 2
1966
Hamiton 8 8 5 2 1
1966
Rubens 1 3 1
1966
Didi 2 4 1 1
1967
Gil 13 18 1 6 6
1967
Nilson 10 10 1 5 4
1967
Mariano 1 4 1
1967
Barbosa 12 18 3 4 6
1968
Gil 4 9 3 1
1968
Barbosa 3 5 2 1
1968
Muca 30 30 15 7 8
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitoria Empate Derrota
1968
Zeferino 1 2 1
1968
Celio 16 23 7 5 4
1968
Silas 4 7 2 2
1969
Barbosa 20 20 9 6 5
1969
Gil 5 10 2 1 2
1969
Silas 10 17 5 3 2
1969
Lourival 3 7 2 1
1969
Ze Augusto 1 1 1
1970
Barbosa 1 2 1
1970
Zé Augusto 3 6 3
1970
Lourival 6 14 6
1970
Vanderlei 32 31 14 9 9
1970
Benicio 8 7 5 2 1
1970
Waldomiro 7 6 4 2 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitoria Empate Derrota
1970
Paulista 1 1 1
1970
Miguel 1 2 1
1970
Sergio 1 2 1
1971
Rubens 44 40 18 18 8
1971
Joãozinho 13 10 9 3 1
1971
Miguel 3 3 1 2
1971
Valdir 3 3 3
1972
Joãozinho 7 4 6 1
1972
Picasso 48 34 27 16 4
1972
Altevir 2 2 2
1972
Miguel 2 2
1973
Neuri 18 19 10 5 3
1973
Gainete 34 22 17 10 7
1973
Altevir 4 3 3 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1973
Nascimento 14 14 3 5 6
1973
Armando 1 2 1
1974
Altevir 57 50 31 16 10
1974
Clarino 8 6 1 1
1974
Marco Aurélio 1 1
1975
Altevir 45 51 22 9 14
1975
Clarino 24 17 11 9 4
1975
Cicero 4 2 2 2
1975
Sérgio 1 2 1
1976
Clarino 2 3 1 1
1976
Altevir 49 44 30 10 9
1976
Cicero 9 5 5 3 1
1977
Altevir 43 30 13 19 11
1977
Cicero 20 19 9 7 4
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1977
Carlos Alberto 1 1 1
1978
Cicero 13 13 8 2 3
1978
Roberto Costa 23 25 7 6 10
1978
Romeu 7 8 5 2
1978
Tobias 10 7 4 6
1979
Cicero 9 7 5 2 2
1979
Roberto Costa 61 42 23 27 11
1979
Almir 1 1
1979
Edison 3 4 2 2
1979
Clemata 1 1
1980
Roberto Costa 56 37 23 26 7
1980
Edison 6 6 2 2 2
1980
Clemata 3 1 3
1980
Almir 1 0 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1981
Roberto Costa 40 32 18 13 9
1981
Clemata 4 2 3 1
1981
Valdir 1 1 1
1982
Roberto Costa 47 41 25 14 8
1982
Clemata 10 12 3 4 3
1982
Almir 3 2 2 1
1982
Rafael 2 2 1 1
1983
Rafael 25 24 10 7 8
1983
Roberto Costa 32 35 16 6 10
1983
Joceli 11 7 7 2 2
1983
Almir 1 1 1
1983
Orlando 1 1 1
1984
Rafael 60 53 23 22 15
1984
Joceli 6 1 2 4
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1985
Marolla 31 21 18 6 7
1985
Joceli 11 5 8 2 1
1985
Lopez 2 1 1 1
1986
Marolla 48 34 17 21 10
1986
Culik 6 10 3 2 1
1987
Marolla 19 12 7 8 4
1987
Roberto Costa 32 22 15 11 6
1987
Culik 6 1 1 5
1987
Tedeschi 2 2 1 1
1988
Tedeschi 3 3
1988
Marolla 50 32 16 22 12
1988
Carlos 5 5 2 1 2
1989
Marolla 45 36 18 19 8
1989
Tedeschi 9 7 2 5 2
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1990
Toinho 29 23 13 10 6
1990
Marolla 17 16 7 7 3
1990
Tedeschi 1 1
1990
Rafael 14 7 3 9 2
1991
Rafael 14 19 3 6 5
1991
Toinho 7 11 2 1 4
1991
Tedeschi 4 5 1 1 2
1991
Gilmar 29 16 17 9 3
1992
Gilmar 35 40 17 9 9
1992
Sadi 23 18 13
1993
Gilmar 34 29 13 9 12
1993
Sadi 12 11 7 2 3
1994
Gilmar 49 43 18 17 13
1994
Bira 4 2 2 1 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1995
Gilmar 29 11 12 7 10
1995
Ricardo Pinto 22 14 15 5 2
1995
Bira 5 5 3 1 1
1995
Flávio 5 4 5
1996
Ricardo Pinto 52 52 32 12 8
1996
Ivan 12 15 5 2 5
1996
Bira 1 3 1
1996
Flávio 2 2
1997
Ricardo Pinto 56 83 31 11 14
1997
Flávio 4 4 2 1 1
1998
Flávio 57 58 31 13 13
1998
Wellignton 2 2
1999
Flávio 66 84 34 13 19
1999
Cristiano 1 1 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
1999
Antonio Carlos 1 1 1
2000
Flávio 62 61 32 17 13
2000
Renato 5 6 3 1 2
2000
Nicola 6 4 4 1 1
2001
Flávio 60 73 37 14 9
2001
Antonio Carlos 4 2 3 1
2001
Emerson 4 9 1 1 2
2002
Flavio 52 67 22
2002
Adriano Basso 10 12 3 3 4
2002
Cléber 2 1 1 1
2003
Diego 55 77 20 12 23
2003
Cléber 10 14 4 1 5
2003
Tiago Cardoso 13 8 10 2 1
2004
Diego 61 69 36 14 11
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
2004
Cléber 1 1
2005
Diego 51 76 23 10 18
2005
Tiago Cardoso 21 24 13 4 4
2005
Guilherme 2 3 1 1
2005
Vinicius 1 1 1
2006
Cléber 55 80 19 14 22
2006
Tiago Cardoso 9 13 5 2 2
2006
Navarro Montoya 3 5 3
2006
Vinicius 5 6 2 1 2
2006
Guilherme 5 6 1 3 1
2007
Cléber 19 21 11 6 2
2007
Guilherme 24 34 7 7 10
2007
Viáfara 23 30 9 7 7
2007
Vinicius 10 16 6 2 2
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
2007
Vagner 1 2 1
2007
Nei (lateral) 1 1
2008
Vinicius 39 33 21 9 9
2008
Galatto 34 49 10 8 16
2008
Neto 13 9 5 5 3
2008
Viáfara 1 2 1
2009
Galatto 47 55 20 11 16
2009
Vinicius 17 22 7 2 8
2009
Renan Rocha 4 5 3 1
2009
Neto 2 2
2010
Neto 60 58 30 15 15
2010
João Carlos 8 5 4 3 1
2011
Renan Rocha 47 64 20 13 14
2011
João Carlos 8 12 5 3
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
2011
Santos 4 5 1 1 2
2011
Silvio 6 8 3 1 2
2011
Marcio 6 10 1 5
2012
Rodolfo 27 22 16 5 6
2012
Vinicius 9 9 6 2 1
2012
Weverton 33 32 19 7 7
2012
Santos 1 1
2013
Weverton 57 60 28 17 12
2013
Santos 25 28 10 9 6
2013
Renan Rocha 3 4 2 1
2013
Alexandre 1 1 1
2013
Hugo 1 2 1
2014
Weverton 44 48 19 8 17
2014
Rodolfo 13 17 6 3 1
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
2014
Santos 4 7 1 1
2014
Hugo 2 6 2
2015
Weverton 64 68 26 16 22
2015
Santos 5 3 1 3 1
2015
Alexandre Cajuru 4 3 2 1 1
2015
Lucas Macanhan 2 2 1 1
2015
Hugo 1 1
2015
Rodolfo 1 5 1
2016
Weverton 58 44 28 13 17
2016
Santos 10 10 3 2 5
2017
Weverton 59 72 20 16 23
2017
Santos 13 11 4 5 4
2018
Santos 56 46 26 16 14
2018
Felipe Alves 6 9 3 1 2
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
2018
Leo 2 1 1 1
2018
Caio Allan 10 4 6 3 1
2019
Santos 49 37 26 10 13
2019
Leo 21 16 9 7 5
2019
Caio 6 7 3 3
2019
Felipe Alves 1 1 1
2019
Gabriel 1 4 1
2020
Santos 38 43 15 8 15
2020
Jandrei 7 5 3 1 3
2020
Anderson 5 6 3 2
2020
Gabriel 3 5 2 1
2020
Bento 3 5 1 2
2020
Leo 1 1
2021
Santos 59 54 31 11 17
Ordem Cronológica
Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota
2021
Bento 20 26 6 5 9
2021
Anderson 8 8 3 2 3
2022
Bento 53 55 26 13 14
2022
Anderson 14 17 4 6 4
2022
Santos 7 8 2 3 2
2023
Bento 62 58 32 14 16
2023
Leo Linck 7 7 4 3
2024
Bento 19 8 13 4 2
2024
Leo Linck 4 1 3
FURACAO.COM - 100 anos no gol: uma viagem pela história de todos que defenderam a meta do Club Athletico Paranaense em seus cem anos
Os goleiros que mais jogaram
Goleiro Jogos Anos
1 Weverton 317 2013,2014,2015,2016, 2017
2 Flávio 308 1995,1996,1997,1998,1999,2000,2001,2002
3 Roberto Costa 291 1978,1979,1980,1981,1982,1983,1987
4 Santos 267 2011,2012,2013,2014,2015,2016,2017,2018,2019,2020,2021,2022
5 Caju 258 1933,1934,1935,1936,1937,1938,1939,1940,1941,1942,1943,1944,1945,1946,1948,1949,1950
6 Marolla 210 1985,1986,1987,1988,1989,1990
7 Altevir 200 1972,1973,1974,1975,1976,1977
8 Laio 179 1942,1943,1944,1945,1946,1947,1948,1949,1950,1951
9 Gilmar 176 1991,1992,1993,1994,1995
10 Diego 167 2003,2004,2005
11 Bento 158 2020, 2021, 2022, 2023, 2024
12 Ricardo Pinto 130 1995, 1996, 1997
13 Silas 129 1952, 1953,1954,1955,1956, 1957,1957, 1968
14 Alberto 120 1927 , 1928, 1929, 1930, 1931, 1932, 1933
Melhor aproveitamento entre os primeiros
Goleiro Aproveitamento nos jogos
1 Ricardo Pinto 67,1%
2 Caju 62,5%
3 Laio 60,1%
4 Flavio 59,4%
5 Alberto 58,6%
6 Altevir 57,5%
7 Bento 56,9%
8 Roberto Costa 55,4%
9 Diego 54,4%
10 Gilmar 53,4%
11 Santos 52,6%
12 Marolla 52,6%
13 Weverton 52,5%
14 Silas 52,4%
Família Gottardi
• São 424 jogos que a família Gottardi
defendeu na meta rubro-Negra.
• Os mais antigos diziam que Alberto, o
irmão mais velho, era tão bom quanto
Caju, mas não foi convocado para a
Seleção Brasileira.
• Celso Caju, filho de Caju, foi o que
menos jogou, com 46 partidas.
• Mas a família não era só de bons
goleiros. Alfredo, filho de Caju, foi
zagueiro do título de 1970. Rui e Aldir,
filhos de Alberto, foram excelentes
atacantes da década de 1950.
Medalhistas olímpicos
• O futebol brasileiro jamais havia
conquistado uma medalha
olímpica até que em 2016 nas
Olimpíadas do Brasil, Weverton,
então goleiro do Athletico, foi
convocado e o Brasil ganhou a tão
esperada medalha de ouro.
• Já nas Olímpiadas de Tóquio
2020, disputada em 2021, o
goleiro foi o Santos. Pela segunda
vez consecutiva, um goleiro do
Furacão levou o ouro
A invencibilidade de
Altevir
• Altevir é sétimo goleiro que mais vestiu a
camisa do Athletico. Além desta marca, Altevir
detém a maior invencibilidade de minutos sem
sofrer gol na meta rubro-negra: são 1.066
minutos, o que o coloca em top 10 no Brasil.
• 25/06/77 - Atlético 1×0 Londrina
29/06/77 - Atlético 6×0 Mourãoense
03/07/77 - Coritiba 0×0 Atlético
10/07/77 - Atlético 1×0 Colorado
13/07/77 - Atlético 0×0 Matsubara
17/07/77 - Iguaçu 0×0 Atlético
20/07/77 - Atlético 0×0 Coritiba (pror: Atlético 1×0)
31/07/77 - Atlético 0×0 União Bandeirante
07/08/77 - Matsubara 0×1 Atlético
14/08/77 - Colorado 0×0 Atlético
17/08/77 - Atlético 1×0 Iguaçu
Marolla, o pegador de pênaltis
• O Campeonato Brasileiro de 1988 tinha uma fórmula
de disputa que previa que em caso de empate
haveria uma disputa de pênaltis valendo um ponto
extra.
• Neste ano, o Furacão empatou 10 jogos (Sport,
Cruzeiro, Corinthians, Guarani, Santa Cruz, Palmeiras,
Portuguesa, São Paulo, Goiás e Atlético Mineiro)
• Marolla brilhou nestes duelos. Ele foi o goleiro que
mais defendeu pênaltis no campeonato: em 44
cobranças, ele fez 17 defesas.
• Além de figurar entre os 10 goleiros que mais vezes
defenderam o Furacão nos 100 anos, Marolla foi
campeão paranaense por 3 vezes: 1985, 1988 e
1990.
Convocados para a
Seleção Brasileira
• Caju: 1942 e 1945
• Weverton: 2017
• Santos: 2019
• Bento: 2023 e 2024
O goleiro presidente
• O goleiro Lauro teve a difícil
tarefa de substituir Caju em
1933, após um atrito das
Famílias Gottardi e Cecatto, que
não atuaram nos jogos de
primeira divisão daquele ano
• Anos depois, em 1972, Lauro
Rego Barros assumiu a
presidência do clube. Formou
um inesquecível time em 1972, e
exerceu o cargo até 1973.
Joceli: tiros em Apucarana
• Joceli chegou ao Athletico depois de se
destacar pelo Pato Branco no
Campeonato Paranaense de 1982.
• Enfrentou uma dura concorrência com
goleiros históricos: Roberto Costa,
Marolla e Rafael.
• Sua atuação mais destacada foi em
Apucarana, em 1985. O ônibus da
delegação rubro-negra foi cercado na
saída do estádio. Percebendo a
situação, Joceli sacou um revólver de
sua bolsa, atirou para o alto e dispersou
os mais exaltados.
Ricardo Pinto, sangue
e suor nas Laranjeiras
O Furacão foi a sensação do Brasileirão 1996.
Campeão da Série B no ano anterior, a equipe venceu
vários adversários e chegou ao confronto contra o
Fluminense, em novembro, lutando pela liderança. O
Flu lutava para não cair. O jogo foi marcado para o
modesto Estádio das Laranjeiras. A ausência de
segurança e um clima hostil causaram uma das
histórias mais triste de um goleiro. Ricardo Pinto,
goleiro revelado pelo Flu, foi xingado pela torcida.
Depois, foi agredido fisicamente pelo goleiro Léo, que
saiu da sua meta somente para cometer tal
atrocidade. A partida chegou a ser paralisada. Com a
vitória por 2 a 1 e a liderança, Ricardo Pinto vibrou
com o resultado. A torcida revoltada invadiu o campo
para agredi-lo. Bravamente, ele enfrentou os
invasores, mas foi covardemente agredido. Deu o
sangue pelo Athletico, mas as agressões o tiraram dos
jogos seguintes e comprometeram a temporada.
Goleiro Bola de Ouro
• A Bola de Ouro é o prêmio concedido ao melhor
jogador do Campeonato Brasileiro. Roberto Costa
conquistou o troféu em 1983 pela defesas na
grande campanha do Athletico naquele ano. Foi o
único goleiro a receber tal honraria.
• Terceiro goleiro com mais número de jogos com a
camisa do Furacão, Roberto foi bicampeão estadual
em 1982 e 1983. Também foi o goleiro nos dois
jogos de maior púbico do Estado: Athletico x
Flamengo (65.493) e Athletico x São Paulo (60.784).
Primeiro jogo
internacional do Paraná
O Atlanta, da Argentina, excursionou pelo Brasil e
jogou um amistoso contra a Seleção Paranaense em
4 de março de 1937. O jogo foi muito disputado e
terminou empatado por 1 x 1. O grande destaque da
partida foi Caju, goleiro do Athletico.
Belo em 1942, 1943 e 1946
• Belo atuou pelo Athletico nos anos de 1942 e 1943. Jogou
apenas quatro partidas, pois nesta época brilhavam Caju e Laio,
dois dos maiores da história.
• Depois de amargar a reserva, Belo deixou o Athletico e rodou
por alguns times até chegar ao Coritiba. Em 1946, a semana que
antecedeu um Atletiba foi tumultuada. O Furacão lutava pela
absolvição de Lolô, que havia sido suspenso pelo TJD. O Coritiba
não concordou com o adiamento da partida.
• Com os ânimos exaltados, o Coxa saiu na frente. Mas logo aos 8
minutos, Jackson empatou o clássico. Conhecendo a vaidade do
ex-companheiro, Cireno resolveu expor a careca de Belo. Ao
buscar a bola no fundo das redes, Cireno arrancou touca da
cabeça do goleiro e correu para o meio de campo. Belo saiu
correndo e agrediu Cireno. Confusão generalizada, e o Coxa
resolve abandonar o jogo, que entrou para história como o
Atletiba dos 8 minutos.
Culik, da suburbana
para o Atletiba
• Antes de ser goleiro, Culik era torcedor do
Furacão. Em 1970, aos 8 anos, esteve em
Paranaguá e acompanhou in loco a
conquista do histórico Campeonato
Paranaense de 70, o Título da Raça.
• Anos mais tarde, disputava o campeonato
suburbano de Curitiba quando foi
descoberto pelo Athletico. Em uma
situação emergencial, estreou pelo time
principal em um clássico Atletiba, em
1986.
Nei foi para o gol
Em uma partida contra o Paraná Clube
em 2007, na Vila Capanema, o goleiro
Cléber foi expulso. O técnico Vadão já
havia feito todas as substituições.
Algum jogador de linha precisava ir
para o gol. O escolhido foi o lateral-
direito Nei, que vestiu a camisa de
goleiro nos minutos finais e saiu de
campo sem sofrer gol.
O resgate do fazendeiro Tapyr
• Na final do Campeonato Paranaense de 1925,
disputada no dia 16 janeiro de 1926, o goleiro do
Athletico Tercio e seu reserva imediato foram
hospitalizados dias antes da final. Como resultado, o
clube ficou sem goleiros para a decisão.
• Surgiu uma ideia: convocar Tapyr, o primeiro goleiro da
história do clube, que havia se aposentado e se
tornado fazendeiro em Palmeira.
• A viagem para Curitiba foi uma epopeia. O trajeto de
100 km foi feito a bordo de um Ford Bigode, que teve
três pneus furados e um rio que teve que ser
atravessado a nado. O regate durou quase 6 horas.
Mesmo sem dormir e chegando minutos antes do
jogo, Tapyr se superou, fez duas estupendas partidas e
o Athletico conquistou seu primeiro título estadual.
Atletiba da Gripe em
1933: jornal exaltando a
atuação do goleiro
Alberto. Depois deste
jogo, o Furacão se
tornou o Clube da Raça.
O alerta de Santos
Em 2019, poucos momentos antes do início da partida contra o Atlético
Mineiro, o goleiro Santos pegou um telefone celular e, distraidamente,
conferiu a tela. Para surpresa geral, foi advertido pelo árbitro e recebeu
críticas da imprensa esportiva. Dias depois, o clube revelou que a ação
fazia parte de uma campanha de segurança no trânsito para alertar sobre
os perigos de dirigir e usar o celular.
As abelhas atacam
novamente
• Em 1972, em pleno jogo Athletico x Jandaia,
ocorreu uma infestação de abelhas na
Baixada. Os jogadores de ambos os foram
obrigados a se abaixar. Todos ficaram imóveis
até o enxame se dissipar.
• Vinte anos depois, as abelhas voltaram atacar.
Desta vez, a vítima foi o goleiro Sadi. O ataque
foi isolado nele e em alguns jornalistas que
estavam atrás do gol. Como em 72, o Furacão
venceu a partida, desta vez contra o
Matsubara por 3 x 2.
Flávio, o maior
campeão
• Brasileiro Série B 1995
• Paranaense 1998
• Paranaense 2000
• Paranaense 2001
• Paranaense 2002
• Copa Paraná 1998
• Seletiva da Libertadores 1999
• Campeonato Brasileiro 2001
O goleiro mais novo e o mais velho a estrear
Raul, 16 anos Navarro Montoya, 40 anos
Apelidos
• Caju – A Majestade do Arco
• Laio – A Fortaleza Voadora
• Ivan – O Grande
• Bino – O Gato Selvagem
• Marco Aurélio – Voador
• Roberto Costa – O Mão de Anjo
• Flávio - Pantera
Goleiros estrangeiros
• Clemata – uruguaio, jogou de 1979 até
1982, sempre reserva
• Lopez – argentino, disputou o Torneio
Mauricio Fruet e foi embora em 1985
• Navarro Montoya – nascido na Colômbia,
naturalizado argentino. Jogou três partidas
e saiu invicto
• Nicola – uruguaio, jogou 6 jogos em 2000
• Viáfara – colombiano, o goleiro estrangeiro
que mais jogou: 23 jogos em 2007
Caju
Os nomes Caju e Athletico se
misturam no tempo e na história.
Caju começou como gandula para
o seu irmão mais velho Alberto,
grande goleiro, e depois dirigente,
guardião da Baixada em obras e na
manutenção do gramado. Caju se
tornou o maior nome da história
do clube, a ponto de ter cedido
seu nome para o centro de
treinamentos. Foi campão em
1934, 1936, 1940, 1943, 1945,
1949.
Laio
O oficial da Polícia Militar Antônio Alves de
Souza chegou ao Athletico em 1941, aos
23 anos. Era uma época de amadorismo,
em que os jogos eram disputados apenas
nos domingos ou feriados. Laio juntou-se a
Caju, abrilhantando a meta do clube, que
passou a ter os dois melhores goleiros do
estado. Laio, a Fortaleza Voadora, foi
campeão em 1943, 1945 e 1949 no time
que deu origem ao nome Furacão.
Roberto Costa
Roberto chegou ao Athletico em 1978,
vindo do Criciúma para substituir Altevir. O
clube enfrentava um jejum de títulos, e ele
chegou com a difícil missão de substituir
um goleiro histórico. Mas com o tempo foi
se afirmando na meta, passando
segurança e iniciando uma fase vencedora.
Foi campeão paranaense em 1982 e 1983
e o goleiro da incrível campanha de 1983
no Campeonato Brasileiro, conquistando a
Bola de Ouro. Repetiu a dose no Vasco,
onde virou Roberto Costa.
Weverton
Foi contratado pelo Furacão em
2012, depois de se destacar pela
Portuguesa. Naquele ano,
Weverton assumiu a meta e
ajudou o clube a conquistar o
acesso para a Série A. Com
segurança, foi se firmando e
atingiu o maior número de jogos
de um goleiro do Athletico. Foi
campeão paranaense em 2016,
vice da Copa do Brasil em 2016 e
chegou à Seleção Brasileira.
Gilmar
Chegou ao Athletico em 1991,
contratado do Joinville. Enfrentou
os anos sem títulos e no gélido
Pinheirão. Mesmo assim, Gilmar se
tornou um dos jogadores mais
queridos da torcida atleticana, por
seu estilo arrojado e firmeza. Foi
bicampeão do Torneio
Internacional amistoso Schützi Cup
1991 (Winterthur).
Silas
Iniciou a carreira no Athletico, formado nas categorias de
base. Foi campeão paranaense em 1954. Suas atuações nos
anos de 1954 e 1955 chamaram a atenção do Santos e para
lá foi defender a meta praiana. Retornou ao Furacão para
encerrar a carreira nos anos de 1968 e 1969, sendo o
goleiro do último jogo do capitão Bellini.
Flávio
Primeiro goleiro contratado na gestão de
Mario Celso Petraglia, em 1995. Veio do
do CSA para a disputa da Série B do
Campeonato Brasileiro de 1995. Foi
banco de Ricardo Pinto, mas depois
assumiu a meta entre 1996 e 2002. Foi
campeão brasileiro de 2001 e se tornou o
mais vitorioso de todos os goleiros
atleticanos.
Marolla
Fiodermundo Marolla Júnior
chegou ao Athletico em 1985,
vindo do Santos para cobrir
uma lacuna deixada por
Roberto Costa e Rafael.
Defendeu o Furacão no
período de 1985 a 1990, com
uma rápida saída ao América-
SP por 6 meses. Ficou famoso
por pegar pênaltis e foi três
vezes campeão paranaense
na década de 80.
Diego
Diego foi contratado pelo Athletico
em 2004, depois de ter sido
destaque do Juventude. Chegou
com a difícil missão de substituir
Flávio. Fez parte do time do vice-
campeonato brasileiro de 2004 e
do vice-campeonato da
Libertadores de 2005. Conquistou
o Estadual de 2005.
Ricardo Pinto
Contratado do Corinthians em
1995, assumiu a meta logo no
início da campanha vitoriosa da
Série B. Foi fundamental na
campanha e rapidamente se
tornou ídolo da torcida. Encarnou
a camisa e o sangue rubro-negro
como poucos. Seus números são
impressionantes: tem o melhor
aproveitamento entre os goleiros
que mais jogaram. Em 2001, foi
campeão brasileiro como
preparador de goleiros.
Alberto
Alberto Gottardi iniciou sua trajetória no
Savóia, mas ao resolver disputar jogos
pelo Athletico surgiu um grande amor pelo
clube que durou para o resto de sua vida.
Como goleiro, atuou nos anos de 1928 até
1933. Foi substituído por Caju, seu irmão.
Como jogador, foi campeão em 1925, 1929
e 1930.
Bento
A pandemia acelerou o
desenvolvimento de Bento. Cria
das escolinhas, teve a
oportunidade de estrear pelo
Furacão em um jogo de Copa
Libertadores em 2020. Mostrou
grande potencial, o que veio a se
confirmar nos anos posteriores. Foi
campeão da Copa Sul-Americana e
dos estaduais de 2020, 2022 e
2023. Com a camisa do Athletico,
chegou à Seleção Brasileira.
Santos
Foi contratado pelo Athletico ainda
com idade de júnior do Porto de
Caruaru, em 2008. Fez sua
primeira partida profissional em
2010. Com a saída de Weverton,
assumiu a meta e fez fama pela
tranquilidade. Chegou à Seleção
Brasileira e acumulou conquistas:
bicampeonato sul-americano,
Copa do Brasil em 2019 e campeão
paranaense em 2016.
Altevir
Altevir chegou do interior do estado
para o Furacão em 1972. Foi reserva
de Picasso e depois de Gainete.
Quando a diretoria pediu a indicação
de um substituto, Gainete
respondeu que o clube já tinha um
goleiro melhor do que ele. Assim, o
carismático Altevir fez carreira no
Athletico. Bateu recorde de minutos
sem tomar gol.
Primeira partida nacional oficial em
1958, Willian e o goleiro
Didi seguido pelos goleiros Almir e
Clemata
Goleiros de 1979: Romeu, Roberto Costa e Cicero
Camisa de Altevir quando jogou pela seleção do
Paraná em 1977 contra a seleção brasileira
Caju
São Altevir Alberto
Altevir
Altevir e Tobias Marco Aurélio Voador
Muca Willian
Jogo em Ponta Grossa contra o Guarani Caju na seleção paranaense
Rafael na segunda passagem Rafael campeão
Goleiro Nilson em 1966
Goleiro Bino, o Gato Selvagem Goleiro Gainete com Sérgio Lopes em
1973
Milton e Willian Goleiro Mario
Goleiro Silas Toinho e os goleiros campeões brasileiros da Série B
em 1995: Ricardo Pinto, Bira e Flávio
Goleiro Duir Goleiro Waldomiro e Marco Aurélio, um chegando do
Flamengo e o outro indo para o Flamengo
Raul Plassmann jogando pelo Athletico em
1960
Bola e fardamento do goleiro nos anos 70

Mais conteúdo relacionado

Destaque

How Race, Age and Gender Shape Attitudes Towards Mental Health
How Race, Age and Gender Shape Attitudes Towards Mental HealthHow Race, Age and Gender Shape Attitudes Towards Mental Health
How Race, Age and Gender Shape Attitudes Towards Mental Health
ThinkNow
 
AI Trends in Creative Operations 2024 by Artwork Flow.pdf
AI Trends in Creative Operations 2024 by Artwork Flow.pdfAI Trends in Creative Operations 2024 by Artwork Flow.pdf
AI Trends in Creative Operations 2024 by Artwork Flow.pdf
marketingartwork
 
Skeleton Culture Code
Skeleton Culture CodeSkeleton Culture Code
Skeleton Culture Code
Skeleton Technologies
 
PEPSICO Presentation to CAGNY Conference Feb 2024
PEPSICO Presentation to CAGNY Conference Feb 2024PEPSICO Presentation to CAGNY Conference Feb 2024
PEPSICO Presentation to CAGNY Conference Feb 2024
Neil Kimberley
 
Content Methodology: A Best Practices Report (Webinar)
Content Methodology: A Best Practices Report (Webinar)Content Methodology: A Best Practices Report (Webinar)
Content Methodology: A Best Practices Report (Webinar)
contently
 
How to Prepare For a Successful Job Search for 2024
How to Prepare For a Successful Job Search for 2024How to Prepare For a Successful Job Search for 2024
How to Prepare For a Successful Job Search for 2024
Albert Qian
 
Social Media Marketing Trends 2024 // The Global Indie Insights
Social Media Marketing Trends 2024 // The Global Indie InsightsSocial Media Marketing Trends 2024 // The Global Indie Insights
Social Media Marketing Trends 2024 // The Global Indie Insights
Kurio // The Social Media Age(ncy)
 
Trends In Paid Search: Navigating The Digital Landscape In 2024
Trends In Paid Search: Navigating The Digital Landscape In 2024Trends In Paid Search: Navigating The Digital Landscape In 2024
Trends In Paid Search: Navigating The Digital Landscape In 2024
Search Engine Journal
 
5 Public speaking tips from TED - Visualized summary
5 Public speaking tips from TED - Visualized summary5 Public speaking tips from TED - Visualized summary
5 Public speaking tips from TED - Visualized summary
SpeakerHub
 
ChatGPT and the Future of Work - Clark Boyd
ChatGPT and the Future of Work - Clark Boyd ChatGPT and the Future of Work - Clark Boyd
ChatGPT and the Future of Work - Clark Boyd
Clark Boyd
 
Getting into the tech field. what next
Getting into the tech field. what next Getting into the tech field. what next
Getting into the tech field. what next
Tessa Mero
 
Google's Just Not That Into You: Understanding Core Updates & Search Intent
Google's Just Not That Into You: Understanding Core Updates & Search IntentGoogle's Just Not That Into You: Understanding Core Updates & Search Intent
Google's Just Not That Into You: Understanding Core Updates & Search Intent
Lily Ray
 
How to have difficult conversations
How to have difficult conversations How to have difficult conversations
How to have difficult conversations
Rajiv Jayarajah, MAppComm, ACC
 
Introduction to Data Science
Introduction to Data ScienceIntroduction to Data Science
Introduction to Data Science
Christy Abraham Joy
 
Time Management & Productivity - Best Practices
Time Management & Productivity -  Best PracticesTime Management & Productivity -  Best Practices
Time Management & Productivity - Best Practices
Vit Horky
 
The six step guide to practical project management
The six step guide to practical project managementThe six step guide to practical project management
The six step guide to practical project management
MindGenius
 
Beginners Guide to TikTok for Search - Rachel Pearson - We are Tilt __ Bright...
Beginners Guide to TikTok for Search - Rachel Pearson - We are Tilt __ Bright...Beginners Guide to TikTok for Search - Rachel Pearson - We are Tilt __ Bright...
Beginners Guide to TikTok for Search - Rachel Pearson - We are Tilt __ Bright...
RachelPearson36
 
Unlocking the Power of ChatGPT and AI in Testing - A Real-World Look, present...
Unlocking the Power of ChatGPT and AI in Testing - A Real-World Look, present...Unlocking the Power of ChatGPT and AI in Testing - A Real-World Look, present...
Unlocking the Power of ChatGPT and AI in Testing - A Real-World Look, present...
Applitools
 
12 Ways to Increase Your Influence at Work
12 Ways to Increase Your Influence at Work12 Ways to Increase Your Influence at Work
12 Ways to Increase Your Influence at Work
GetSmarter
 
ChatGPT webinar slides
ChatGPT webinar slidesChatGPT webinar slides
ChatGPT webinar slides
Alireza Esmikhani
 

Destaque (20)

How Race, Age and Gender Shape Attitudes Towards Mental Health
How Race, Age and Gender Shape Attitudes Towards Mental HealthHow Race, Age and Gender Shape Attitudes Towards Mental Health
How Race, Age and Gender Shape Attitudes Towards Mental Health
 
AI Trends in Creative Operations 2024 by Artwork Flow.pdf
AI Trends in Creative Operations 2024 by Artwork Flow.pdfAI Trends in Creative Operations 2024 by Artwork Flow.pdf
AI Trends in Creative Operations 2024 by Artwork Flow.pdf
 
Skeleton Culture Code
Skeleton Culture CodeSkeleton Culture Code
Skeleton Culture Code
 
PEPSICO Presentation to CAGNY Conference Feb 2024
PEPSICO Presentation to CAGNY Conference Feb 2024PEPSICO Presentation to CAGNY Conference Feb 2024
PEPSICO Presentation to CAGNY Conference Feb 2024
 
Content Methodology: A Best Practices Report (Webinar)
Content Methodology: A Best Practices Report (Webinar)Content Methodology: A Best Practices Report (Webinar)
Content Methodology: A Best Practices Report (Webinar)
 
How to Prepare For a Successful Job Search for 2024
How to Prepare For a Successful Job Search for 2024How to Prepare For a Successful Job Search for 2024
How to Prepare For a Successful Job Search for 2024
 
Social Media Marketing Trends 2024 // The Global Indie Insights
Social Media Marketing Trends 2024 // The Global Indie InsightsSocial Media Marketing Trends 2024 // The Global Indie Insights
Social Media Marketing Trends 2024 // The Global Indie Insights
 
Trends In Paid Search: Navigating The Digital Landscape In 2024
Trends In Paid Search: Navigating The Digital Landscape In 2024Trends In Paid Search: Navigating The Digital Landscape In 2024
Trends In Paid Search: Navigating The Digital Landscape In 2024
 
5 Public speaking tips from TED - Visualized summary
5 Public speaking tips from TED - Visualized summary5 Public speaking tips from TED - Visualized summary
5 Public speaking tips from TED - Visualized summary
 
ChatGPT and the Future of Work - Clark Boyd
ChatGPT and the Future of Work - Clark Boyd ChatGPT and the Future of Work - Clark Boyd
ChatGPT and the Future of Work - Clark Boyd
 
Getting into the tech field. what next
Getting into the tech field. what next Getting into the tech field. what next
Getting into the tech field. what next
 
Google's Just Not That Into You: Understanding Core Updates & Search Intent
Google's Just Not That Into You: Understanding Core Updates & Search IntentGoogle's Just Not That Into You: Understanding Core Updates & Search Intent
Google's Just Not That Into You: Understanding Core Updates & Search Intent
 
How to have difficult conversations
How to have difficult conversations How to have difficult conversations
How to have difficult conversations
 
Introduction to Data Science
Introduction to Data ScienceIntroduction to Data Science
Introduction to Data Science
 
Time Management & Productivity - Best Practices
Time Management & Productivity -  Best PracticesTime Management & Productivity -  Best Practices
Time Management & Productivity - Best Practices
 
The six step guide to practical project management
The six step guide to practical project managementThe six step guide to practical project management
The six step guide to practical project management
 
Beginners Guide to TikTok for Search - Rachel Pearson - We are Tilt __ Bright...
Beginners Guide to TikTok for Search - Rachel Pearson - We are Tilt __ Bright...Beginners Guide to TikTok for Search - Rachel Pearson - We are Tilt __ Bright...
Beginners Guide to TikTok for Search - Rachel Pearson - We are Tilt __ Bright...
 
Unlocking the Power of ChatGPT and AI in Testing - A Real-World Look, present...
Unlocking the Power of ChatGPT and AI in Testing - A Real-World Look, present...Unlocking the Power of ChatGPT and AI in Testing - A Real-World Look, present...
Unlocking the Power of ChatGPT and AI in Testing - A Real-World Look, present...
 
12 Ways to Increase Your Influence at Work
12 Ways to Increase Your Influence at Work12 Ways to Increase Your Influence at Work
12 Ways to Increase Your Influence at Work
 
ChatGPT webinar slides
ChatGPT webinar slidesChatGPT webinar slides
ChatGPT webinar slides
 

FURACAO.COM - 100 anos no gol: uma viagem pela história de todos que defenderam a meta do Club Athletico Paranaense em seus cem anos

  • 1. 100 anos no gol Um especial da Furacao.com para homenagear os goleiros do Club Athletico Paranaense em seu centenário. por Jefferson Gabardo
  • 2. De Tapyr a Bento: 100 anos de história 06 de abril de 1924 16 de março de 1924
  • 3. Total: 4.941 jogos 0 500 1000 1500 2000 2500 Paranaense Brasileiro Internacionais Amistosos Torneio Inicio Copas e Torneios Torneio Internacionais Jogos do Furacão por competição
  • 4. 138 goleiros em 100 anos
  • 6. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1924 Tapyr 13 13 6 2 5 1924 Nato 3 9 1 2 1925 Tapyr 5 5 3 2 1925 Nato 1 1 1 1925 Tercio 24 25 14 8 2 1926 Tapyr 2 2 1 1 1926 Mane 1 0 1 1926 Jarbas 1 1 1 1926 Tercio 12 20 8 1 3 1926 Duca 3 6 2 1 1927 Tercio 9 11 4 1 4 1927 Alberto 14 23 5 1 8 1927 Jarbas 1 5 1 1927 Mane 1 7 1
  • 7. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1928 Alberto 16 31 7 5 4 1928 Tercio 4 6 4 1929 Mane 1 2 1 1929 Alberto 20 19 12 6 2 1929 Tercio 9 14 7 1 1 1930 Alberto 26 38 17 5 4 1930 Quinze 3 0 2 1 1930 Miro 1 4 1 1930 Cecy 4 10 2 2 1931 Cecy 1 1 1 1931 Mario 1 3 1 1931 Alberto 20 30 13 2 5 1931 Mugggiati 1 3 1 1932 Alberto 14 34 5 2 7
  • 8. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1932 Alarico 2 1 1 1 1932 David 2 6 2 1932 Cecy 4 7 1 1 2 1933 Cecy 3 12 1 2 1933 Alberto 10 20 3 4 3 1933 Caju 10 25 1 3 6 1934 Caju 24 27 9 8 7 1935 Caju 21 27 11 4 6 1936 Caju 24 24 17 6 1 1936 Paraguaio 2 2 2 1936 Canhoto 1 2 1 1937 Cecy 1 4 1 1937 Caju 22 37 11 4 7 1937 França 2 3 1 1
  • 9. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1937 Boliviano 2 4 1 1 1937 Zorro 1 0 1 1938 Caju 7 25 2 2 3 1938 Bino 9 24 2 3 4 1938 Boliviano 3 4 1 1 1 1938 Lauro 1 1 1 1938 Francisquinho 1 3 1 1939 Lauro 10 16 5 2 3 1939 Boliviano 9 13 3 1 5 1939 Caju 12 10 9 2 1 1940 Caju 18 34 12 2 4 1940 Boliviano 2 5 1 1 1941 Rubens 1 2 1 1941 Boliviano 6 10 3 3
  • 10. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1941 Caju 24 34 13 1 10 1941 Belo 3 3 1 1 1 1942 Caju 20 37 10 3 7 1942 Laio 2 7 1 1 1942 Belo 1 1 1 1942 Mario 1 0 1 1943 Caju 22 30 14 3 5 1943 Laio 14 17 7 1 6 1944 Caju 7 13 5 1 1 1944 Laio 24 40 17 2 5 1945 Caju 18 21 14 1 3 1945 Laio 11 22 3 3 4 1945 Ivan 1 2 1 1945 Rui 1 3 1
  • 11. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1946 Laio 22 47 10 1 10 1946 Caju 3 4 3 1946 Osvaldo 1 0 1 1947 Laio 25 36 16 2 7 1947 Ivan 1 0 1 1948 Laio 12 21 8 3 1 1948 Caju 16 22 10 3 3 1948 Helio 2 11 2 1948 Ivan 1 1 1 1949 Caju 9 18 5 2 2 1949 Laio 28 47 22 1 5 1949 Ivan 3 4 1 2 1950 Laio 21 38 10 1 10 1950 Ivan 10 18 4 2 4
  • 12. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1950 Laio 21 38 10 1 10 1950 Ivan 10 18 4 2 4 1950 Caju 1 5 1 1951 Ivan 20 43 9 1 10 1951 Laio 18 32 9 2 7 1952 Silas 19 44 7 3 9 1952 Ivan 11 28 1 10 1953 Silas 24 47 11 6 7 1953 Ivan 8 12 4 1 3 1954 Silas 16 24 7 3 6 1954 Ivan 15 25 8 6 1 1954 Durair 1 2 1955 Silas 35 58 16 11 8 1955 Ivan 1 4 1
  • 13. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1955 Durair 1 1 1 1956 Silas 14 26 7 3 4 1956 Pianoski 20 39 7 3 10 1956 Willian 4 5 2 2 1957 Pianoski 19 29 8 3 8 1957 Willian 25 27 17 3 5 1957 Silas 7 10 2 1 4 1957 Montovani 2 7 2 1958 Willian 24 36 15 5 4 1958 Mantovani 13 19 7 1 5 1958 Helio 1 2 1 1959 Willian 27 38 12 6 9 1959 Mantovani 11 23 7 1 3 1959 Milton 10 14 5 1 4
  • 14. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1959 Oberdan 3 2 1 1 1 1959 Itamar 3 4 2 1 1959 Orley 1 0 1 1960 Willian 32 38 13 10 9 1960 Raul 5 6 3 1 1 1960 Oberdan 5 5 4 1 1960 Pedrinho 1 4 1 1960 Mario 1 0 1 1960 Hamilton 1 0 1 1960 Celso Caju 1 2 1 1961 Willian 1 3 1 1961 Waldomiro 36 40 20 5 11 1961 Marco Aurelio 4 7 2 2 1961 Oberdan 2 7 1 1
  • 15. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1962 Waldomiro 19 31 9 3 7 1962 Marco Aurélio 9 11 4 2 3 1962 Celso Caju 15 26 6 2 7 1962 Raul 2 2 1962 Peixoto 1 3 1 1963 Celso Caju 19 23 10 6 3 1963 Marco Aurelio 9 14 2 4 3 1963 Gil 15 16 9 3 3 1964 Gil 15 15 5 4 6 1964 Celso Caju 8 11 2 1 5 1964 Waldomiro 19 25 10 3 6 1964 Marco Aurelio 1 1 1 1965 Gil 31 39 15 5 11 1965 Celso Caju 3 1 1 2 1
  • 16. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1965 Paulo Roberto 6 14 1 5 1965 Dudu 2 2 1 1 1966 Gil 24 30 9 7 8 1966 Nilson 5 6 3 2 1966 Hamiton 8 8 5 2 1 1966 Rubens 1 3 1 1966 Didi 2 4 1 1 1967 Gil 13 18 1 6 6 1967 Nilson 10 10 1 5 4 1967 Mariano 1 4 1 1967 Barbosa 12 18 3 4 6 1968 Gil 4 9 3 1 1968 Barbosa 3 5 2 1 1968 Muca 30 30 15 7 8
  • 17. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitoria Empate Derrota 1968 Zeferino 1 2 1 1968 Celio 16 23 7 5 4 1968 Silas 4 7 2 2 1969 Barbosa 20 20 9 6 5 1969 Gil 5 10 2 1 2 1969 Silas 10 17 5 3 2 1969 Lourival 3 7 2 1 1969 Ze Augusto 1 1 1 1970 Barbosa 1 2 1 1970 Zé Augusto 3 6 3 1970 Lourival 6 14 6 1970 Vanderlei 32 31 14 9 9 1970 Benicio 8 7 5 2 1 1970 Waldomiro 7 6 4 2 1
  • 18. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitoria Empate Derrota 1970 Paulista 1 1 1 1970 Miguel 1 2 1 1970 Sergio 1 2 1 1971 Rubens 44 40 18 18 8 1971 Joãozinho 13 10 9 3 1 1971 Miguel 3 3 1 2 1971 Valdir 3 3 3 1972 Joãozinho 7 4 6 1 1972 Picasso 48 34 27 16 4 1972 Altevir 2 2 2 1972 Miguel 2 2 1973 Neuri 18 19 10 5 3 1973 Gainete 34 22 17 10 7 1973 Altevir 4 3 3 1
  • 19. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1973 Nascimento 14 14 3 5 6 1973 Armando 1 2 1 1974 Altevir 57 50 31 16 10 1974 Clarino 8 6 1 1 1974 Marco Aurélio 1 1 1975 Altevir 45 51 22 9 14 1975 Clarino 24 17 11 9 4 1975 Cicero 4 2 2 2 1975 Sérgio 1 2 1 1976 Clarino 2 3 1 1 1976 Altevir 49 44 30 10 9 1976 Cicero 9 5 5 3 1 1977 Altevir 43 30 13 19 11 1977 Cicero 20 19 9 7 4
  • 20. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1977 Carlos Alberto 1 1 1 1978 Cicero 13 13 8 2 3 1978 Roberto Costa 23 25 7 6 10 1978 Romeu 7 8 5 2 1978 Tobias 10 7 4 6 1979 Cicero 9 7 5 2 2 1979 Roberto Costa 61 42 23 27 11 1979 Almir 1 1 1979 Edison 3 4 2 2 1979 Clemata 1 1 1980 Roberto Costa 56 37 23 26 7 1980 Edison 6 6 2 2 2 1980 Clemata 3 1 3 1980 Almir 1 0 1
  • 21. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1981 Roberto Costa 40 32 18 13 9 1981 Clemata 4 2 3 1 1981 Valdir 1 1 1 1982 Roberto Costa 47 41 25 14 8 1982 Clemata 10 12 3 4 3 1982 Almir 3 2 2 1 1982 Rafael 2 2 1 1 1983 Rafael 25 24 10 7 8 1983 Roberto Costa 32 35 16 6 10 1983 Joceli 11 7 7 2 2 1983 Almir 1 1 1 1983 Orlando 1 1 1 1984 Rafael 60 53 23 22 15 1984 Joceli 6 1 2 4
  • 22. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1985 Marolla 31 21 18 6 7 1985 Joceli 11 5 8 2 1 1985 Lopez 2 1 1 1 1986 Marolla 48 34 17 21 10 1986 Culik 6 10 3 2 1 1987 Marolla 19 12 7 8 4 1987 Roberto Costa 32 22 15 11 6 1987 Culik 6 1 1 5 1987 Tedeschi 2 2 1 1 1988 Tedeschi 3 3 1988 Marolla 50 32 16 22 12 1988 Carlos 5 5 2 1 2 1989 Marolla 45 36 18 19 8 1989 Tedeschi 9 7 2 5 2
  • 23. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1990 Toinho 29 23 13 10 6 1990 Marolla 17 16 7 7 3 1990 Tedeschi 1 1 1990 Rafael 14 7 3 9 2 1991 Rafael 14 19 3 6 5 1991 Toinho 7 11 2 1 4 1991 Tedeschi 4 5 1 1 2 1991 Gilmar 29 16 17 9 3 1992 Gilmar 35 40 17 9 9 1992 Sadi 23 18 13 1993 Gilmar 34 29 13 9 12 1993 Sadi 12 11 7 2 3 1994 Gilmar 49 43 18 17 13 1994 Bira 4 2 2 1 1
  • 24. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1995 Gilmar 29 11 12 7 10 1995 Ricardo Pinto 22 14 15 5 2 1995 Bira 5 5 3 1 1 1995 Flávio 5 4 5 1996 Ricardo Pinto 52 52 32 12 8 1996 Ivan 12 15 5 2 5 1996 Bira 1 3 1 1996 Flávio 2 2 1997 Ricardo Pinto 56 83 31 11 14 1997 Flávio 4 4 2 1 1 1998 Flávio 57 58 31 13 13 1998 Wellignton 2 2 1999 Flávio 66 84 34 13 19 1999 Cristiano 1 1 1
  • 25. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 1999 Antonio Carlos 1 1 1 2000 Flávio 62 61 32 17 13 2000 Renato 5 6 3 1 2 2000 Nicola 6 4 4 1 1 2001 Flávio 60 73 37 14 9 2001 Antonio Carlos 4 2 3 1 2001 Emerson 4 9 1 1 2 2002 Flavio 52 67 22 2002 Adriano Basso 10 12 3 3 4 2002 Cléber 2 1 1 1 2003 Diego 55 77 20 12 23 2003 Cléber 10 14 4 1 5 2003 Tiago Cardoso 13 8 10 2 1 2004 Diego 61 69 36 14 11
  • 26. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 2004 Cléber 1 1 2005 Diego 51 76 23 10 18 2005 Tiago Cardoso 21 24 13 4 4 2005 Guilherme 2 3 1 1 2005 Vinicius 1 1 1 2006 Cléber 55 80 19 14 22 2006 Tiago Cardoso 9 13 5 2 2 2006 Navarro Montoya 3 5 3 2006 Vinicius 5 6 2 1 2 2006 Guilherme 5 6 1 3 1 2007 Cléber 19 21 11 6 2 2007 Guilherme 24 34 7 7 10 2007 Viáfara 23 30 9 7 7 2007 Vinicius 10 16 6 2 2
  • 27. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 2007 Vagner 1 2 1 2007 Nei (lateral) 1 1 2008 Vinicius 39 33 21 9 9 2008 Galatto 34 49 10 8 16 2008 Neto 13 9 5 5 3 2008 Viáfara 1 2 1 2009 Galatto 47 55 20 11 16 2009 Vinicius 17 22 7 2 8 2009 Renan Rocha 4 5 3 1 2009 Neto 2 2 2010 Neto 60 58 30 15 15 2010 João Carlos 8 5 4 3 1 2011 Renan Rocha 47 64 20 13 14 2011 João Carlos 8 12 5 3
  • 28. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 2011 Santos 4 5 1 1 2 2011 Silvio 6 8 3 1 2 2011 Marcio 6 10 1 5 2012 Rodolfo 27 22 16 5 6 2012 Vinicius 9 9 6 2 1 2012 Weverton 33 32 19 7 7 2012 Santos 1 1 2013 Weverton 57 60 28 17 12 2013 Santos 25 28 10 9 6 2013 Renan Rocha 3 4 2 1 2013 Alexandre 1 1 1 2013 Hugo 1 2 1 2014 Weverton 44 48 19 8 17 2014 Rodolfo 13 17 6 3 1
  • 29. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 2014 Santos 4 7 1 1 2014 Hugo 2 6 2 2015 Weverton 64 68 26 16 22 2015 Santos 5 3 1 3 1 2015 Alexandre Cajuru 4 3 2 1 1 2015 Lucas Macanhan 2 2 1 1 2015 Hugo 1 1 2015 Rodolfo 1 5 1 2016 Weverton 58 44 28 13 17 2016 Santos 10 10 3 2 5 2017 Weverton 59 72 20 16 23 2017 Santos 13 11 4 5 4 2018 Santos 56 46 26 16 14 2018 Felipe Alves 6 9 3 1 2
  • 30. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 2018 Leo 2 1 1 1 2018 Caio Allan 10 4 6 3 1 2019 Santos 49 37 26 10 13 2019 Leo 21 16 9 7 5 2019 Caio 6 7 3 3 2019 Felipe Alves 1 1 1 2019 Gabriel 1 4 1 2020 Santos 38 43 15 8 15 2020 Jandrei 7 5 3 1 3 2020 Anderson 5 6 3 2 2020 Gabriel 3 5 2 1 2020 Bento 3 5 1 2 2020 Leo 1 1 2021 Santos 59 54 31 11 17
  • 31. Ordem Cronológica Goleiro Jogos Gols Vitória Empate Derrota 2021 Bento 20 26 6 5 9 2021 Anderson 8 8 3 2 3 2022 Bento 53 55 26 13 14 2022 Anderson 14 17 4 6 4 2022 Santos 7 8 2 3 2 2023 Bento 62 58 32 14 16 2023 Leo Linck 7 7 4 3 2024 Bento 19 8 13 4 2 2024 Leo Linck 4 1 3
  • 33. Os goleiros que mais jogaram Goleiro Jogos Anos 1 Weverton 317 2013,2014,2015,2016, 2017 2 Flávio 308 1995,1996,1997,1998,1999,2000,2001,2002 3 Roberto Costa 291 1978,1979,1980,1981,1982,1983,1987 4 Santos 267 2011,2012,2013,2014,2015,2016,2017,2018,2019,2020,2021,2022 5 Caju 258 1933,1934,1935,1936,1937,1938,1939,1940,1941,1942,1943,1944,1945,1946,1948,1949,1950 6 Marolla 210 1985,1986,1987,1988,1989,1990 7 Altevir 200 1972,1973,1974,1975,1976,1977 8 Laio 179 1942,1943,1944,1945,1946,1947,1948,1949,1950,1951 9 Gilmar 176 1991,1992,1993,1994,1995 10 Diego 167 2003,2004,2005 11 Bento 158 2020, 2021, 2022, 2023, 2024 12 Ricardo Pinto 130 1995, 1996, 1997 13 Silas 129 1952, 1953,1954,1955,1956, 1957,1957, 1968 14 Alberto 120 1927 , 1928, 1929, 1930, 1931, 1932, 1933
  • 34. Melhor aproveitamento entre os primeiros Goleiro Aproveitamento nos jogos 1 Ricardo Pinto 67,1% 2 Caju 62,5% 3 Laio 60,1% 4 Flavio 59,4% 5 Alberto 58,6% 6 Altevir 57,5% 7 Bento 56,9% 8 Roberto Costa 55,4% 9 Diego 54,4% 10 Gilmar 53,4% 11 Santos 52,6% 12 Marolla 52,6% 13 Weverton 52,5% 14 Silas 52,4%
  • 35. Família Gottardi • São 424 jogos que a família Gottardi defendeu na meta rubro-Negra. • Os mais antigos diziam que Alberto, o irmão mais velho, era tão bom quanto Caju, mas não foi convocado para a Seleção Brasileira. • Celso Caju, filho de Caju, foi o que menos jogou, com 46 partidas. • Mas a família não era só de bons goleiros. Alfredo, filho de Caju, foi zagueiro do título de 1970. Rui e Aldir, filhos de Alberto, foram excelentes atacantes da década de 1950.
  • 36. Medalhistas olímpicos • O futebol brasileiro jamais havia conquistado uma medalha olímpica até que em 2016 nas Olimpíadas do Brasil, Weverton, então goleiro do Athletico, foi convocado e o Brasil ganhou a tão esperada medalha de ouro. • Já nas Olímpiadas de Tóquio 2020, disputada em 2021, o goleiro foi o Santos. Pela segunda vez consecutiva, um goleiro do Furacão levou o ouro
  • 37. A invencibilidade de Altevir • Altevir é sétimo goleiro que mais vestiu a camisa do Athletico. Além desta marca, Altevir detém a maior invencibilidade de minutos sem sofrer gol na meta rubro-negra: são 1.066 minutos, o que o coloca em top 10 no Brasil. • 25/06/77 - Atlético 1×0 Londrina 29/06/77 - Atlético 6×0 Mourãoense 03/07/77 - Coritiba 0×0 Atlético 10/07/77 - Atlético 1×0 Colorado 13/07/77 - Atlético 0×0 Matsubara 17/07/77 - Iguaçu 0×0 Atlético 20/07/77 - Atlético 0×0 Coritiba (pror: Atlético 1×0) 31/07/77 - Atlético 0×0 União Bandeirante 07/08/77 - Matsubara 0×1 Atlético 14/08/77 - Colorado 0×0 Atlético 17/08/77 - Atlético 1×0 Iguaçu
  • 38. Marolla, o pegador de pênaltis • O Campeonato Brasileiro de 1988 tinha uma fórmula de disputa que previa que em caso de empate haveria uma disputa de pênaltis valendo um ponto extra. • Neste ano, o Furacão empatou 10 jogos (Sport, Cruzeiro, Corinthians, Guarani, Santa Cruz, Palmeiras, Portuguesa, São Paulo, Goiás e Atlético Mineiro) • Marolla brilhou nestes duelos. Ele foi o goleiro que mais defendeu pênaltis no campeonato: em 44 cobranças, ele fez 17 defesas. • Além de figurar entre os 10 goleiros que mais vezes defenderam o Furacão nos 100 anos, Marolla foi campeão paranaense por 3 vezes: 1985, 1988 e 1990.
  • 39. Convocados para a Seleção Brasileira • Caju: 1942 e 1945 • Weverton: 2017 • Santos: 2019 • Bento: 2023 e 2024
  • 40. O goleiro presidente • O goleiro Lauro teve a difícil tarefa de substituir Caju em 1933, após um atrito das Famílias Gottardi e Cecatto, que não atuaram nos jogos de primeira divisão daquele ano • Anos depois, em 1972, Lauro Rego Barros assumiu a presidência do clube. Formou um inesquecível time em 1972, e exerceu o cargo até 1973.
  • 41. Joceli: tiros em Apucarana • Joceli chegou ao Athletico depois de se destacar pelo Pato Branco no Campeonato Paranaense de 1982. • Enfrentou uma dura concorrência com goleiros históricos: Roberto Costa, Marolla e Rafael. • Sua atuação mais destacada foi em Apucarana, em 1985. O ônibus da delegação rubro-negra foi cercado na saída do estádio. Percebendo a situação, Joceli sacou um revólver de sua bolsa, atirou para o alto e dispersou os mais exaltados.
  • 42. Ricardo Pinto, sangue e suor nas Laranjeiras O Furacão foi a sensação do Brasileirão 1996. Campeão da Série B no ano anterior, a equipe venceu vários adversários e chegou ao confronto contra o Fluminense, em novembro, lutando pela liderança. O Flu lutava para não cair. O jogo foi marcado para o modesto Estádio das Laranjeiras. A ausência de segurança e um clima hostil causaram uma das histórias mais triste de um goleiro. Ricardo Pinto, goleiro revelado pelo Flu, foi xingado pela torcida. Depois, foi agredido fisicamente pelo goleiro Léo, que saiu da sua meta somente para cometer tal atrocidade. A partida chegou a ser paralisada. Com a vitória por 2 a 1 e a liderança, Ricardo Pinto vibrou com o resultado. A torcida revoltada invadiu o campo para agredi-lo. Bravamente, ele enfrentou os invasores, mas foi covardemente agredido. Deu o sangue pelo Athletico, mas as agressões o tiraram dos jogos seguintes e comprometeram a temporada.
  • 43. Goleiro Bola de Ouro • A Bola de Ouro é o prêmio concedido ao melhor jogador do Campeonato Brasileiro. Roberto Costa conquistou o troféu em 1983 pela defesas na grande campanha do Athletico naquele ano. Foi o único goleiro a receber tal honraria. • Terceiro goleiro com mais número de jogos com a camisa do Furacão, Roberto foi bicampeão estadual em 1982 e 1983. Também foi o goleiro nos dois jogos de maior púbico do Estado: Athletico x Flamengo (65.493) e Athletico x São Paulo (60.784).
  • 44. Primeiro jogo internacional do Paraná O Atlanta, da Argentina, excursionou pelo Brasil e jogou um amistoso contra a Seleção Paranaense em 4 de março de 1937. O jogo foi muito disputado e terminou empatado por 1 x 1. O grande destaque da partida foi Caju, goleiro do Athletico.
  • 45. Belo em 1942, 1943 e 1946 • Belo atuou pelo Athletico nos anos de 1942 e 1943. Jogou apenas quatro partidas, pois nesta época brilhavam Caju e Laio, dois dos maiores da história. • Depois de amargar a reserva, Belo deixou o Athletico e rodou por alguns times até chegar ao Coritiba. Em 1946, a semana que antecedeu um Atletiba foi tumultuada. O Furacão lutava pela absolvição de Lolô, que havia sido suspenso pelo TJD. O Coritiba não concordou com o adiamento da partida. • Com os ânimos exaltados, o Coxa saiu na frente. Mas logo aos 8 minutos, Jackson empatou o clássico. Conhecendo a vaidade do ex-companheiro, Cireno resolveu expor a careca de Belo. Ao buscar a bola no fundo das redes, Cireno arrancou touca da cabeça do goleiro e correu para o meio de campo. Belo saiu correndo e agrediu Cireno. Confusão generalizada, e o Coxa resolve abandonar o jogo, que entrou para história como o Atletiba dos 8 minutos.
  • 46. Culik, da suburbana para o Atletiba • Antes de ser goleiro, Culik era torcedor do Furacão. Em 1970, aos 8 anos, esteve em Paranaguá e acompanhou in loco a conquista do histórico Campeonato Paranaense de 70, o Título da Raça. • Anos mais tarde, disputava o campeonato suburbano de Curitiba quando foi descoberto pelo Athletico. Em uma situação emergencial, estreou pelo time principal em um clássico Atletiba, em 1986.
  • 47. Nei foi para o gol Em uma partida contra o Paraná Clube em 2007, na Vila Capanema, o goleiro Cléber foi expulso. O técnico Vadão já havia feito todas as substituições. Algum jogador de linha precisava ir para o gol. O escolhido foi o lateral- direito Nei, que vestiu a camisa de goleiro nos minutos finais e saiu de campo sem sofrer gol.
  • 48. O resgate do fazendeiro Tapyr • Na final do Campeonato Paranaense de 1925, disputada no dia 16 janeiro de 1926, o goleiro do Athletico Tercio e seu reserva imediato foram hospitalizados dias antes da final. Como resultado, o clube ficou sem goleiros para a decisão. • Surgiu uma ideia: convocar Tapyr, o primeiro goleiro da história do clube, que havia se aposentado e se tornado fazendeiro em Palmeira. • A viagem para Curitiba foi uma epopeia. O trajeto de 100 km foi feito a bordo de um Ford Bigode, que teve três pneus furados e um rio que teve que ser atravessado a nado. O regate durou quase 6 horas. Mesmo sem dormir e chegando minutos antes do jogo, Tapyr se superou, fez duas estupendas partidas e o Athletico conquistou seu primeiro título estadual.
  • 49. Atletiba da Gripe em 1933: jornal exaltando a atuação do goleiro Alberto. Depois deste jogo, o Furacão se tornou o Clube da Raça.
  • 50. O alerta de Santos Em 2019, poucos momentos antes do início da partida contra o Atlético Mineiro, o goleiro Santos pegou um telefone celular e, distraidamente, conferiu a tela. Para surpresa geral, foi advertido pelo árbitro e recebeu críticas da imprensa esportiva. Dias depois, o clube revelou que a ação fazia parte de uma campanha de segurança no trânsito para alertar sobre os perigos de dirigir e usar o celular.
  • 51. As abelhas atacam novamente • Em 1972, em pleno jogo Athletico x Jandaia, ocorreu uma infestação de abelhas na Baixada. Os jogadores de ambos os foram obrigados a se abaixar. Todos ficaram imóveis até o enxame se dissipar. • Vinte anos depois, as abelhas voltaram atacar. Desta vez, a vítima foi o goleiro Sadi. O ataque foi isolado nele e em alguns jornalistas que estavam atrás do gol. Como em 72, o Furacão venceu a partida, desta vez contra o Matsubara por 3 x 2.
  • 52. Flávio, o maior campeão • Brasileiro Série B 1995 • Paranaense 1998 • Paranaense 2000 • Paranaense 2001 • Paranaense 2002 • Copa Paraná 1998 • Seletiva da Libertadores 1999 • Campeonato Brasileiro 2001
  • 53. O goleiro mais novo e o mais velho a estrear Raul, 16 anos Navarro Montoya, 40 anos
  • 54. Apelidos • Caju – A Majestade do Arco • Laio – A Fortaleza Voadora • Ivan – O Grande • Bino – O Gato Selvagem • Marco Aurélio – Voador • Roberto Costa – O Mão de Anjo • Flávio - Pantera
  • 55. Goleiros estrangeiros • Clemata – uruguaio, jogou de 1979 até 1982, sempre reserva • Lopez – argentino, disputou o Torneio Mauricio Fruet e foi embora em 1985 • Navarro Montoya – nascido na Colômbia, naturalizado argentino. Jogou três partidas e saiu invicto • Nicola – uruguaio, jogou 6 jogos em 2000 • Viáfara – colombiano, o goleiro estrangeiro que mais jogou: 23 jogos em 2007
  • 56. Caju Os nomes Caju e Athletico se misturam no tempo e na história. Caju começou como gandula para o seu irmão mais velho Alberto, grande goleiro, e depois dirigente, guardião da Baixada em obras e na manutenção do gramado. Caju se tornou o maior nome da história do clube, a ponto de ter cedido seu nome para o centro de treinamentos. Foi campão em 1934, 1936, 1940, 1943, 1945, 1949.
  • 57. Laio O oficial da Polícia Militar Antônio Alves de Souza chegou ao Athletico em 1941, aos 23 anos. Era uma época de amadorismo, em que os jogos eram disputados apenas nos domingos ou feriados. Laio juntou-se a Caju, abrilhantando a meta do clube, que passou a ter os dois melhores goleiros do estado. Laio, a Fortaleza Voadora, foi campeão em 1943, 1945 e 1949 no time que deu origem ao nome Furacão.
  • 58. Roberto Costa Roberto chegou ao Athletico em 1978, vindo do Criciúma para substituir Altevir. O clube enfrentava um jejum de títulos, e ele chegou com a difícil missão de substituir um goleiro histórico. Mas com o tempo foi se afirmando na meta, passando segurança e iniciando uma fase vencedora. Foi campeão paranaense em 1982 e 1983 e o goleiro da incrível campanha de 1983 no Campeonato Brasileiro, conquistando a Bola de Ouro. Repetiu a dose no Vasco, onde virou Roberto Costa.
  • 59. Weverton Foi contratado pelo Furacão em 2012, depois de se destacar pela Portuguesa. Naquele ano, Weverton assumiu a meta e ajudou o clube a conquistar o acesso para a Série A. Com segurança, foi se firmando e atingiu o maior número de jogos de um goleiro do Athletico. Foi campeão paranaense em 2016, vice da Copa do Brasil em 2016 e chegou à Seleção Brasileira.
  • 60. Gilmar Chegou ao Athletico em 1991, contratado do Joinville. Enfrentou os anos sem títulos e no gélido Pinheirão. Mesmo assim, Gilmar se tornou um dos jogadores mais queridos da torcida atleticana, por seu estilo arrojado e firmeza. Foi bicampeão do Torneio Internacional amistoso Schützi Cup 1991 (Winterthur).
  • 61. Silas Iniciou a carreira no Athletico, formado nas categorias de base. Foi campeão paranaense em 1954. Suas atuações nos anos de 1954 e 1955 chamaram a atenção do Santos e para lá foi defender a meta praiana. Retornou ao Furacão para encerrar a carreira nos anos de 1968 e 1969, sendo o goleiro do último jogo do capitão Bellini.
  • 62. Flávio Primeiro goleiro contratado na gestão de Mario Celso Petraglia, em 1995. Veio do do CSA para a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro de 1995. Foi banco de Ricardo Pinto, mas depois assumiu a meta entre 1996 e 2002. Foi campeão brasileiro de 2001 e se tornou o mais vitorioso de todos os goleiros atleticanos.
  • 63. Marolla Fiodermundo Marolla Júnior chegou ao Athletico em 1985, vindo do Santos para cobrir uma lacuna deixada por Roberto Costa e Rafael. Defendeu o Furacão no período de 1985 a 1990, com uma rápida saída ao América- SP por 6 meses. Ficou famoso por pegar pênaltis e foi três vezes campeão paranaense na década de 80.
  • 64. Diego Diego foi contratado pelo Athletico em 2004, depois de ter sido destaque do Juventude. Chegou com a difícil missão de substituir Flávio. Fez parte do time do vice- campeonato brasileiro de 2004 e do vice-campeonato da Libertadores de 2005. Conquistou o Estadual de 2005.
  • 65. Ricardo Pinto Contratado do Corinthians em 1995, assumiu a meta logo no início da campanha vitoriosa da Série B. Foi fundamental na campanha e rapidamente se tornou ídolo da torcida. Encarnou a camisa e o sangue rubro-negro como poucos. Seus números são impressionantes: tem o melhor aproveitamento entre os goleiros que mais jogaram. Em 2001, foi campeão brasileiro como preparador de goleiros.
  • 66. Alberto Alberto Gottardi iniciou sua trajetória no Savóia, mas ao resolver disputar jogos pelo Athletico surgiu um grande amor pelo clube que durou para o resto de sua vida. Como goleiro, atuou nos anos de 1928 até 1933. Foi substituído por Caju, seu irmão. Como jogador, foi campeão em 1925, 1929 e 1930.
  • 67. Bento A pandemia acelerou o desenvolvimento de Bento. Cria das escolinhas, teve a oportunidade de estrear pelo Furacão em um jogo de Copa Libertadores em 2020. Mostrou grande potencial, o que veio a se confirmar nos anos posteriores. Foi campeão da Copa Sul-Americana e dos estaduais de 2020, 2022 e 2023. Com a camisa do Athletico, chegou à Seleção Brasileira.
  • 68. Santos Foi contratado pelo Athletico ainda com idade de júnior do Porto de Caruaru, em 2008. Fez sua primeira partida profissional em 2010. Com a saída de Weverton, assumiu a meta e fez fama pela tranquilidade. Chegou à Seleção Brasileira e acumulou conquistas: bicampeonato sul-americano, Copa do Brasil em 2019 e campeão paranaense em 2016.
  • 69. Altevir Altevir chegou do interior do estado para o Furacão em 1972. Foi reserva de Picasso e depois de Gainete. Quando a diretoria pediu a indicação de um substituto, Gainete respondeu que o clube já tinha um goleiro melhor do que ele. Assim, o carismático Altevir fez carreira no Athletico. Bateu recorde de minutos sem tomar gol.
  • 70. Primeira partida nacional oficial em 1958, Willian e o goleiro Didi seguido pelos goleiros Almir e Clemata
  • 71. Goleiros de 1979: Romeu, Roberto Costa e Cicero Camisa de Altevir quando jogou pela seleção do Paraná em 1977 contra a seleção brasileira
  • 72. Caju
  • 75. Altevir e Tobias Marco Aurélio Voador
  • 77. Jogo em Ponta Grossa contra o Guarani Caju na seleção paranaense
  • 78. Rafael na segunda passagem Rafael campeão
  • 80. Goleiro Bino, o Gato Selvagem Goleiro Gainete com Sérgio Lopes em 1973
  • 81. Milton e Willian Goleiro Mario
  • 82. Goleiro Silas Toinho e os goleiros campeões brasileiros da Série B em 1995: Ricardo Pinto, Bira e Flávio
  • 83. Goleiro Duir Goleiro Waldomiro e Marco Aurélio, um chegando do Flamengo e o outro indo para o Flamengo
  • 84. Raul Plassmann jogando pelo Athletico em 1960 Bola e fardamento do goleiro nos anos 70