Resumo para a 2' Ficha de Avaliação de Lingua Portuguesa 11°B

Sermão de Santo António aos Peixes. 
Estrutura interna Estr...
- Capítulo¡
Conceito preoicável: 
“Vós sois o sai da terra": 
- Vós:  Pregadores; 
- Sal:  Doutrina (evitar a propagação d...
Paralelismo (entre Sto.  António e Padre Antonio Vieira)

Sarto Arlónio:  Parte Antonio Vieira: 
Arimido S.  Luís de Maran...
Os peixes são a metáfora do Homem,  as suas virtudes são.  por contraste,  os defeitos do Homem e os
seus vícios são diret...
'r A Rémora: 
 Pequena no corpo; 
 Grande no poder e na força

-u› Simbologia:  menos perigos na vida,  rrienos naulrágios...
Algum réu emjulgamento - I.35

Políssemia doverbo "comer” - alimenb.  exploração.  A sua repetição reforça a ideia da vora...
"r Voadores:  são peixes mas querem ser aves. 

- Alegoria da vaidade e ambição
o Ex(s) Biblicos - lcaro,  também é feita ...
oMunauçunIitpnIanduoH-oauoa
nunk. 
och to da midi# ú¡ ainda

o Orwanncnnbrúnacnuào

o 0 na¡ hà.  da uaüia¡ conh- alo
' ¡pi...
Ver pág.  332 do manual orações não finitas e orações substantivas! 

Funções sinfáticas: 

- Sujeito: 
i: : Singles (O Jo...
vanarnndaiaaúuúcnrüirtvívhsoonoaúmcnnwrltk. 

drympabhmàauodacprmuuzquuuiumm
nur caiu attack ninho b ! me contaminada. 

10
11
Sermao aos peixes
Sermao aos peixes
Sermao aos peixes
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sermao aos peixes

334 visualizações

Publicada em

:)

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
334
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sermao aos peixes

  1. 1. Resumo para a 2' Ficha de Avaliação de Lingua Portuguesa 11°B Sermão de Santo António aos Peixes. Estrutura interna Estrutura extema MATERIA/ CONTEUDO i Correspo. PARTES CAPITULOS no texto narrativo i 1' o Apresentação do tema, partindo de conceito predicávei: vos i Exórdlo ou intróito estis sal terrae (vós sois o sai da Terra) (ideia sumária da matéria o Explçração da term; que va¡ ser tratada) Can¡ o Panegírico a Santo António; Introdução 1 _Irwocgçâqüfirsem Maria_ _ _ r ú Proposição: até «E onde há bons, e maus, há que louvar, e que * iepreenden» (apresentação do assunto do sermão) C3D- " o : rício d? aãegorla: «suposto isto, para que procedarnos com areza » o Divisão: desde «suposto isto » até «vossos vícios» (o aurãtório fica na posse do esquema do desenvohiimento do sermão) _r __ “ o Louvores em geral: a partir de «começando pois * g peios vossoslouvorestnj» 'E' -Exempi iñcaçao: oi ia Jonas pregador do mesmo deus w i l-acj» i * o Louvores do geral para o particular: desde “ «Este é, peixes (. ..) descendo ao particular (. ..)», Ca m g até «Santo António abria a sua contra os que não P- se queriam lavar». 2, 3 _ã o oonfimtação: «Ah Moradores do Desenvol_ Exmsíçã', ' o Louvores em articular' (apresentação a . . _p ' circunstanciada de uma E : Egg: Tobias' matéria didática) e “' o tomem; Confirmação ' (desenvoivimento a i o quítrodms _ . . . i apresentação de pmvas E 1. Repreensão aos peixes “tem )geral. a ictiofagia . . os peixes comemse uns aoso ros dos factos) Cap. IV É -Ampiiñcação da repreensão (os maiores comem os g °'* mais pequenos) g É o 2' Repreensão em geral: a ignorância e a ° r @Queira dos gixes. r É à ' o Repreensões em particular: “ «os roncadores; Cap. V os pagadores, -os voadores, «E» r -o pohro. r _ 3° ' o Ape lo, incitamento, elevação: “ Peroraçao ou Epilogo «os peixes estão acima dos outros animais; (parte ñnai do discurso) Cap. VI ao peixes estão acima do pregador. Condusão (as ultimas palavras são as que a memória dos ouvintes mais /1
  2. 2. - Capítulo¡ Conceito preoicável: “Vós sois o sai da terra": - Vós: Pregadores; - Sal: Doutrina (evitar a propagação da corrupção); ~ Terra : Povo. Propriedades: - impedir a corrupção, -Louvar o bem e impedir o mal. Qual a causa desta corrupção? “Ou proque o sal não saiga” “Ou porque a Terra não se deixa salgar" (a) Os pregadores não pregam a verdadeira (a) Os ouvintes não querem receber a doutrina; verdadeira doutrina; (b) Dizem uma coisa e fazem outra; (b) Os ouvintes preferem imitar o que fazem (c) Os pregadores pregamse a s¡ mesmos e do que fazer o que eles dizem; não a Crisb. (c) Os ouvintes querem servir os seus apetites em vez de servirem a Cristo. 0 que há a lazer? Em relação ao sal: Cristo propõe que o sai seja lançado fora como inútil e calcado pelos Homens; Em relação à terra: Santo António propõe a mudança do púlpito e do auditório.
  3. 3. Paralelismo (entre Sto. António e Padre Antonio Vieira) Sarto Arlónio: Parte Antonio Vieira: Arimido S. Luís de Maranhão Miitos Heueges Coionos corriptos Mudança do púlpito; Mudança do Auditório. Conclusão: Padre António Vieira conciui que não se conseguindo, através da pregação da doutrina sagrada. mudaro comportamento do auditório, deve-se proceder a dterações que consistem em: - Mudança de pilpito; -Mudança de auditório. o Capitulo ll (exposição) Proprieuhibs do sal: (a) Conservar o são; (b) Repreerider a corrimão l Finalidade do semião Louiar as virtudes dos peixes Propriedarhs da negação de Sto. Antóriohparece para legitinare engrandecer o sermão): (a) Louvar o bem; (b) Fbpreeuider o mal i Finalidade do semião i Repreender os vícios dos peixes
  4. 4. Os peixes são a metáfora do Homem, as suas virtudes são. por contraste, os defeitos do Homem e os seus vícios são diretamente a metáfora dos vícios do mesmo l-bmem. Divisão do semáo em duas partes: (l) O louvor dos peixes; (Il) A repreensão dos vícios ñrtudes dos peixes: e Obedientes; - Atentos; n Ouvem e não falam (ouvem e calam'); e Ouietação; e Ordem; - Caracteristicas que os distinguem dos restantes animais - não se deixam domar nem domestimr; e Foram os primeiros seres a serem criados; - São seres em maior quantidade no mundo; - Afastamse dos Homens porque descontiam deles. A partir do momento em que o Padre António Vieira começa a enumerar as virtudes dos peixes o sermão é uma alegoria (metáforas e comparação). os peixes são a rrietáfora do Homem e cada peixe enumerado tem como semelhante um Homem MÉTODO UTILIZADO: Do geral para o particular! Conclusão: «quanto melhor sois que os homens, quanto mais longe dos homens ticardes» o Capítulo lIl (confirmação a partir de «ah moradores de Maranhão (. ..)» Virtudes em particular: O peixe de Tobias e as virtudes das suas entranhas: 0 fel (para raurar a cegueira); 0 coração (para Iançarfora os demonios) i Comparação a Sto. António: “abria a boca contra os Hereges' rj L-_i ' . :› “Procura aiu miar e curara cegueira dos Homens? -; 'Tentara lançar os demônios fora de casa, limpando as almas dos Homens'
  5. 5. 'r A Rémora: Pequena no corpo; Grande no poder e na força -u› Simbologia: menos perigos na vida, rrienos naulrágios no mundo. i Comparação a Sto. António cr “Prega ao leme da nau' - procurando conduzir no bom caminho; a 'Agarra ao freio' - tratando o mai. i Domou as paixões Humanas 'r mio; (faz tremero braço do pescador impedindo que o pesque) c» Energia; Quanto maiores mais se escondem -› Simbologia: Hà Homens que ouvem a verdade e continuam no seu caminho errado. indiferente. ir Quatro-olhos: :- Dois olhos para cima -vigiam as aves (inimigos do ar); Dois olhos para baixo -vigiam os peixes (inimigos do mar) Fé e uso da razão (ensinou o pregador) -othar diretamente para cima (céu); -olhar diretamente para baixo únferno). - Capítulo IV ( a crítica e a repreensão aos peixes para melhorar e explicitar a condenação dos Homens) Repreensões dirigidas aos Peixes: 'Vos comes uns aos outros' 1.3; 'Os grandes comem os pequenos' I. 5 - Os Home ns também se comem uns aos outros e vivos: Ex: Alguém que morreu - l.23
  6. 6. Algum réu emjulgamento - I.35 Políssemia doverbo "comer” - alimenb. exploração. A sua repetição reforça a ideia da voragem incansável e ininterrupta. tomando. assim, mais repugnante a cobiça dos Homens 0.29 - trocadilhos). Ignorância e cegueira: -Caracterização do peixe: “arremete e fica preso' Ignorância porque não entende o significado do pano, cegueira porque se atirava cegamente e ficava preso. Os peixes não precisam de roupa e deixamse enganar pelo isco. -Caracterização do Homem: não conseguem resistir à tentação e vaidade. (vaidade no vestuário = ambição). - Santo António despojouse de vestes ricas e com as suas roupas simples e as suas palavras 'pesr muitos' para o bom caminho. As virtudes e os defeitos dos peixes surgem sempre associados, por comparação aos homens do Maranhão. -Ora porantítese, opondo os peixes aos homens; -Ora porsemelhança. identificando os peixes com os homens. o CapltuloV 'r Roncadores: são pequenos e fáceis de pescar. mas muito barulhentos. - Alegoria da arrogância, da soberba e da vaidade. o Exls) Bíblicos - Pedro o Deus não quer Roncadores - Conselho (conclusão): o melhor é “calar e imitar Santo António' I.23 'r Pegadores: vivem à custa dos peixes grandes, morrem quando os peixes grandes morrem. o Alegoria do paras itísmo, oportunismo e bajulação n Ex(s) BÍbÍÍCOS - Herodes - Santo António também foi pegador, pegouse a Cristo o Conselho (conclusão): |.91r'92
  7. 7. "r Voadores: são peixes mas querem ser aves. - Alegoria da vaidade e ambição o Ex(s) Biblicos - lcaro, também é feita referencia a Sto António 0.144) (voou mas não correu perigo) 'r Polvo: Aparenta uma coisa mas é outra. o Alegoria da díssimulação, do disfarce, da hipocrisia, da traição. Aparência do Polvo: Capelo - monge -o santidade; Raio-estreia -› Beleza; Ausência de ossos ~› Bondade. Realidade: maior traidor do mar. Recursos tra içoeiros: liludagg de cor. -Verde -› Lima (vegetação); -Pardo -› Lodo; -Cor-de-pedra -› Pedra Consguênciasz vítimas inocentes e desacauteiadasl Comparação de Judas com o Polvo: Judas: 90m¡ ° Traidm¡ o Traidor' a Abraçou misto mas não o prendeu; _ Abraça; prende. t Faz sinal com os braços; o Dos braços faz cordas; o 'Traição às daras' o 'Traição às escuras'
  8. 8. oMunauçunIitpnIanduoH-oauoa nunk. och to da midi# ú¡ ainda o Orwanncnnbrúnacnuào o 0 na¡ hà. da uaüia¡ conh- alo ' ¡piunldhthyaulauin o Mddllnuloünduúmhuugúa . I ¡. o üüaaovulpiapnuiahat o lbuQnhlhuhnún-nhnhdn o Pbhtnhmúuavonapú ohnanuhhnapumnnlr_ -ñuun-¡ionaarpualinrniilaidn @na -Ahhalhhuouahhnrnahu - Ialdauocpaanoclnannaalúu. o Atlnunamhvalnrnuh ohnaalolauununilnbnd¡ sumiram oToI-ulndui-&hMpcl-nrhnnú. ollnaouaniunolíhilslhw o olnpollloüdubnanúhik um -Mnwdndrpnacumanaunduu o hrndbgwbquudaiilnddudoum o lnhnuitaldhaunmpduuncu-u - luíumlàsduanúwhndà. o Iaualoui-ahlnlsnupdnlruihuu. o human *""v ara¡ : qua: o canavial). Growroom-unlo- o EhipaolI-iiodulliuqaubqgmhdolvu. lmlüííl o Amçíjqgíxíbu . . . o nawmtnmlodwtpoíno' hnanpannunihulliuua: ampliada arrumar-Worm oAarIaiiancuuçn-iqn-a-gn- vndvovouarüa o (laianánlonüdlopthkanc matar , , . .. . .,_, .. ,mig __ _
  9. 9. Ver pág. 332 do manual orações não finitas e orações substantivas! Funções sinfáticas: - Sujeito: i: : Singles (O João vai à via); Composto (O João e a Maria vão à vila); Nulo subentendido (Falamos todo o dia no assalto); i Nulo indeterminado (Falou-se todo o dia no assalto); Nulo expletivo (froveia, Há falta de àgua); o Predicado ( O João escreveu-lhe uma carta de despedida); - Modificador: i: : Apositlvo (Jacinto Lucas Pires. o escritor. veio ontem a esta escola. c: Restritivo (As raparigas que usamos cabelos compridos gastam muito tempo ao espelho; - Vocativo (António, espera um pouco, que eu vou contigo); e Complemento direto (A Tânia comeu o bolo); o Complemento indireto (Ela ofereceu uma prenda à mãe); - Complemento obll quo (A minha irmã foi ao Suriname); n Complemento agente da passiva (Ele foi aplaudido por todos); o Predicativo do sujeito (O quarto é grande); › Predicativo do complemento direto (Ela julga-o inteligente); t Complemento do nome (A lista de convidados já foi enviada); o Complemento de adjetivo (Eu estou feliz com este acontecimento) iji (l i_ Ver mais exemplos manual pág(s)329/330!
  10. 10. vanarnndaiaaúuúcnrüirtvívhsoonoaúmcnnwrltk. drympabhmàauodacprmuuzquuuiumm nur caiu attack ninho b ! me contaminada. 10
  11. 11. 11

×