Os Sete Estágios da Ação, segundo Donald Norman,       aplicados ao Sistema de Ventilação do modelo básico do Celta Life  ...
execução e a avaliação desta execução. Os sete estágios compreendem: “formalizar a meta, for-malizar a intenção, especific...
Ação escolhida para estudo neste artigo: uso do sistema de ventilação.O objetivo intrínseco da análise é a direção do veíc...
Detalhando os sete estágios da ação “uso do sistema de ventilação”, segundo NormanMeta: ao dirigir um veículo (sem desemba...
direção, a tirar uma das mãos do volante, a reduzir a velocidade do veículo ou a aguardar paraparar em algum semáforo para...
dáveis, sem motivação e insatisfatórias, que seriam o oposto das metas da experiência do usuá-rio. O conforto também foi p...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Os Sete Estágios da Ação, segundo Donald Norman, aplicados ao Sistema de Ventilação do modelo básico do Celta Life

1.952 visualizações

Publicada em

Artigo apresentado na disciplina "Fundamentos de Design de Interação", ministrada por Karine Drummond e Leandro Alves, em maio/2010.

Curso de Especialização em Design de Interação - IEC - PUC Minas

Publicada em: Design
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.952
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
470
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os Sete Estágios da Ação, segundo Donald Norman, aplicados ao Sistema de Ventilação do modelo básico do Celta Life

  1. 1. Os Sete Estágios da Ação, segundo Donald Norman, aplicados ao Sistema de Ventilação do modelo básico do Celta Life Sílvia Fonseca Ferreira Resumo O sistema de ventilação de um veículo de passeio popular, que não possui aces- sórios que auxiliem a visibilidade em dia de chuva, foi escolhido como o produto para ilustrar os sete estágios da ação de Donald Norman (2006). Os resultados encontrados definiram que alguns acessórios para veículos deveriam se tornar itens obrigatórios. Palavras-chaves: usabilidade, estágios, interagentes, usuário, ventilaçãoIntroduçãoA partir das ações executadas no sistema de ventilação de um veículo popular, cujo modelo esco-lhido será descrito no decorrer do trabalho, cada um dos sete estágios (NORMAN, 2006) da açãoutilizada para melhorar a visibilidade na direção do carro, em um dia de chuva, foi detalhado nesteartigo. Consideraram-se, para analisar os resultados, os princípios e metas de usabilidade, se-gundo Norman, 2006 e Preece et al, 2005, e a listagem dos interagentes do produto.ConceitualizaçãoDe acordo com Preece et al (2005), são metas de usabilidade de um sistema: ser eficaz, ser efici-ente, ser seguro, ter boa utilidade, ser fácil de aprender e ser fácil de lembrar.Ainda segundo Preece et al (2005), são metas do sistema decorrentes da experiência do usuário:possuir boa estética, ser compensador, adequado, satisfatório, agradável, divertido, interessante,útil e motivador.Podemos citar os seguintes princípios de usabilidade, segundo Preece et al (2005, p. 42-47): - visibilidade: quanto mais visíveis forem as funções, mais os usuários saberão como pro- ceder. (...) - feedback: se refere ao retorno de informações a respeito de que ação foi feita e do que foi realizado, permitindo à pessoa continuar a atividade. (...) - restrição: refere-se à determinação da forma de delimitar o tipo de interação que pode ocorrer em um determinado momento. (...) - consistência: interfaces contendo operações e elementos semelhantes para a realização de tarefas similares. (...) - mapeamento: refere-se à relação entre os controles e seus efeitos no mundo. (...) - affordance: é um termo utilizado para se referir ao atributo de um objeto que permite à pessoas saber como utilizá-lo.Este trabalho utiliza os conceitos dos sete estágios da ação de Norman (2006) aplicado a um sis-tema interativo definido, centrado em uma ação escolhida. Foi definida a meta desta ação, sua 1
  2. 2. execução e a avaliação desta execução. Os sete estágios compreendem: “formalizar a meta, for-malizar a intenção, especificar a ação, executar a ação, ter a percepção do estado do mundo, in-terpretar o estado do mundo e avaliar o resultado” (NORMAN, 2006, p. 73).Para cumprir o objetivo deste artigo, houve a necessidade de definir os interagentes, que são “ascoisas ou pessoas que se relacionam, através de ação e reação, em um ambiente, onde ocorre ainteração. Este ambiente também influencia no sistema” (notas de aula, ALVES e DRUMOND,2010).DesenvolvimentoComo já foi citado anteriormente, para ilustrar os sete estágios da ação (NORMAN, 2005, p. 71-80), foi necessário escolher um produto, que é o sistema de ventilação do veículo Celta Life, daChevrolet. Este veículo, modelo básico, duas portas e motor 1.0, não possui desembaçador e lim-pador para o vidro traseiro, ar quente ou ar condicionado (carros produzidos entre 2005 e 2010).Os interagentesPara prosseguir na pesquisa, a definição dos interagentes envolvidos no projeto também foi ne-cessária:Produto: sistema de ventilação do painel frontal de um veículo da marca Chevrolet, modelo Cel-ta Life, motor 1.0, duas portas, básico.Usuários: motoristas do veículo. Em geral, pessoas que buscam um carro popular, pequeno eeconômico, que o utilizam mais dentro da cidade, que fazem viagens curtas e que não se preocu-pam muito com o conforto.Características do produto (ver figuras 1 e 2 e quadros 1 e 2): não possui desembaçador trasei-ro, ar quente ou condicionado. Tem dois interruptores giratórios: um de rotação ou velocidade(com as posições: ventilador desligado, 1, 2 e 3) e um de posição (com as opções: cabeça, cabe-ça e pés, pés, pés e desembaçamento de pára-brisa e somente desembaçamento de pára-brisa).Possui quatro saídas de ar, no formato redondo, com opção para direcionamento do ar: duas nocentro e duas nas laterais do painel.Ambiente: a interação ocorre dentro do veículo, entre o usuário (motorista) e o sistema de venti-lação. Na situação escolhida, o carro está em movimento (o usuário está dirigindo) e considera-se um período de chuva.Ações relacionadas à direção no ambiente especificado: manuseio do volante, dos pedais,ajuste dos espelhos retrovisores, ajuste do banco.Ações relacionadas à segurança no ambiente especificado: redução da velocidade, desem-baçamento dos vidros (uso do sistema de ventilação), colocação do cinto de segurança. 2
  3. 3. Ação escolhida para estudo neste artigo: uso do sistema de ventilação.O objetivo intrínseco da análise é a direção do veículo especificado, de forma segura, em dia dechuva. Para conseguir atingir esta “forma segura” de direção, utilizou-se o sistema de ventilaçãopara auxiliar a visibilidade do motorista. Saída de ar Saída de ar Saídas de ar centrais lateral lateral Interruptor Interruptor de rotação de posição Figuras 1 e 2: Painel e parte da cabine de Celta Life 1.0, com indicações do sistema de ventilação. Foto: Sílvia Fonseca / Abril de 2010 Quadro 1: Posições do interruptor giratório de rotação ou velocidade Fonte: General Motors do Brasil. Manual do Proprietário do Celta 2010. Seção 6.20. Quadro 2: Opções do interruptor giratório de posições Fonte: General Motors do Brasil. Manual do Proprietário do Celta 2010. Seção 6.20. 3
  4. 4. Detalhando os sete estágios da ação “uso do sistema de ventilação”, segundo NormanMeta: ao dirigir um veículo (sem desembaçador e limpador para o vidro traseiro, sem ar quente esem ar condicionado), em um dia de chuva, melhorar a visibilidade do motorista através dos vidrosdo carro.Intenção: procurar recursos diferentes dos não existentes para que os vidros do carro não se em-bacem demais, melhorando a visibilidade na direção, evitando, assim, um acidente.Sequência de ações: reduzir a umidade interna, aumentar a circulação interna de ar ou a ventila-ção, evitar o embaçamento excessivo dos vidros laterais, frontal e traseiro.Execução das ações: abrir ligeiramente os vidros da frente (deixando uma pequena “fresta” decada lado para a entrada de ar) e ligar o sistema de ventilação, regulando a velocidade da ventila-ção, o modo e as quatro saídas.A lacuna de execução: “as ações fornecidas pelo sistema correspondem às ações pretendidaspela pessoa?” (NORMAN, 2006, p. 77)Resposta: no caso da abertura dos vidros, sim. Porém, somente este procedimento não auxilioutotalmente a circulação de ar. Foi necessário, também, direcionar as duas saídas laterais do sis-tema de ventilação para estes vidros. No caso de tentar fazer o sistema de ventilação ligar e regu-lá-lo, foi necessário observar os símbolos constantes nos dois interruptores giratórios do sistemade ventilação, que ficam no centro do painel. Com isso, regulou-se a ventilação para a rotaçãomáxima (3) e posicionou-se no modo “desembaçamento do pára-brisa” (símbolo ). Verificou-se que, para substituir a inexistência de um desembaçador traseiro, foi necessário direcionar ade-quadamente as duas saídas centrais do sistema de ventilação para o vidro traseiro.Até se chegar a estas conclusões, foram feitas diversas combinações entre os interruptores e assaídas de ar. Ou seja, um processo de tentativa e erro foi utilizado.Percepção do estado do mundo: a umidade interna foi reduzida, porém não totalmente elimina-da. A circulação de ar aumentou e o embaçamento dos vidros foi reduzido, no entanto, também,não foi totalmente eliminado.Interpretação do estado do mundo: foi possível prosseguir com a direção de forma quase segu-ra, ou seja, o risco não foi totalmente eliminado, pois enquanto se realizava a sequência de ações,o carro estava em movimento. Houve visibilidade para a direção do veículo, apesar da não elimi-nação total do embaçamento e da umidade internas, do desconforto, do cansaço e da demora emresolver o problema.Avaliação do resultado/das interpretações: para realizar a quantidades de ações especificadas,foi necessário tomar mais cuidados ao dirigir o veículo, pois, além da direção propriamente dita, ousuário teve que atender à outras ações, o que o obrigou, muitas vezes, a desviar a atenção da 4
  5. 5. direção, a tirar uma das mãos do volante, a reduzir a velocidade do veículo ou a aguardar paraparar em algum semáforo para executar algumas das ações. Numa situação mais extrema, ouseja, num período de chuva muito forte, o usuário teria que ser levado até a estacionar o veículopara realizar toda a sequência de ações apresentada.Alguns ruídos do ambiente interferiram negativamente para distrair a atenção do usuário na suafunção do condutor: ao abrir ligeiramente os vidros da frente, o que auxiliou na circulação internade ar, houve também a entrada da água da chuva, molhando a parte interna do veículo e o própriocondutor; ao acionar o sistema de ventilação, foi necessário colocá-lo na velocidade máxima, oque resultou em um som desagradável; ao direcionar todas as duas saídas centrais para o vidrotraseiro, o fluxo de ar ficou maior em direção ao usuário, o que provocou a desagradável sensa-ção de frio. Foi necessário, ainda, passar um pano limpo no vidro da frente, internamente, parareduzir mais a umidade, pois apenas a direção do ar direcionada para o pára-brisa (posicionamen-to do interruptor giratório direito no modo ) não resolveu o problema.A lacuna de avaliação: “o sistema oferece uma representação física que possa ser percebidafacilmente e seja imediatamente interpretável em termos de intenções e expectativas da pessoa?”(NORMAN, 2006, p. 77)Resposta: o sistema ofereceu representações físicas que não foram percebidas facilmente pelousuário ou imediatamente interpretáveis, pois o sistema não portava de certos itens que resolveri-am melhor o problema. Foi necessário um conjunto de ações para tentar substituir alguns itensessenciais que seriam mais rapidamente executados. Este tipo de substituição acarretou em ou-tros tipos de problemas que chegaram a interferir no tempo de realização do processo ou atingiu-se parcialmente a meta.ResultadosAs lacunas encontradas se deram exclusivamente com relação à demora em resolver o problema.Isto refletiu nos princípios da usabilidade do produto. Como o número de tarefas para se atingir oobjetivo final foi grande, o retorno das informações se tornava ligeiramente atrasado, ou seja, ofeedback foi prejudicado. Segundo Norman (2006, p.79), no princípio do feedback, “o usuário re-cebe pleno e contínuo retorno de informações sobre o resultado das ações.”Nem todos os motoristas conhecem os símbolos constantes no sistema de ventilação, apesar daconsistência dos mesmos. O mapeamento da situação, para o usuário em questão foi bem resol-vido.Analisando-se os resultados da interação e a existência de lacunas de execução e de avaliação,pode-se perceber que a falta de certos acessórios compromete a segurança do usuário.Comprovou-se que a tarefa de dirigir um carro sem ar condicionado ou ar quente, limpador e de-sembaçador do vidro traseiro, torna as ações do usuário mais cansativas, inadequadas, desagra- 5
  6. 6. dáveis, sem motivação e insatisfatórias, que seriam o oposto das metas da experiência do usuá-rio. O conforto também foi prejudicado ao expor o condutor a se molhar ao abrir os vidros ligeira-mente e a sentir frio ou se incomodar com o barulho muito alto do sistema de ventilação ligado nomáximo.Um sistema interativo como o demonstrado, em termos de usabilidade, se mostrou ineficiente,com pouca segurança e ligeiramente difícil de aprender (pois utilizou-se tentativa e erro, o queacarretou em demora para atingir a meta da ação escolhida).ConclusãoPara ilustrar os sete estágios da ação segundo Donald Norman (2006, p. 71-79), partiu-se do atode dirigir um veículo. Resolveu-se restringir mais o sistema interativo deste ato para as ações e-xecutadas em um veículo popular específico, o Celta Life – modelo básico – da marca Chevrolet.Filtrando mais ainda o sistema, chegou-se ao uso do sistema de ventilação do veículo citado emum dia de chuva. Como o modelo básico não possui ar quente, ar condicionado e nem desemba-çador ou limpador traseiro, foram determinados os passos para tornar segura a direção do carro,sem comprometer a visibilidade através do desembaçamento e da retirada da umidade interna doveículo. Assim, as definições dos estágios da ação escolhida e suas análises e resultados com-provaram que a inexistência de certos acessórios ou opcionais em veículos de passeio compro-metem a segurança e o conforto do usuário.Há um projeto de lei (PL-4979/2009) que “inclui dispositivo destinado a desembaçar o vidro trasei-ro como equipamento obrigatório dos veículos”. Porém, ainda está em tramitação na Câmara dosdeputados. E não há nada relativo ao ar quente ou ao limpador traseiro. A inexistência de certosacessórios ou itens determinados como opcionais pelos fabricantes poderia ser reestudada peloCONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), pois comprometem a segurança do condutor do veí-culo.Referências BibliográficasNORMAN, Donald A.; trad. Ana Deiró. O design do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.PREECE, Jennifer; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen; trad. Viviane Possamai. Design de Interação: além dainteração homem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005. Cap.1.ALVES, Leandro.; DRUMOND, Karine. Notas de aula. O que é design de interação e interagentes. Instituto deEducação Continuada da PUC Minas. Curso de Especialização em Design de Interação. Belo Horizonte. Março e abrilde 2010.Automatik – transmissão automática e manutenção definitiva. Guia das luzes do painel do carro, entenda para queservem. Disponível na internet: http://automatik.com.br/site/luzes-espia.asp. Acesso em maio/2010.Ministério das Cidades. Denatran – Departamento Nacional de Trânsito. Resoluções do Conatran (Conselho Nacio-nal de Trânsito). Disponível na internet: http://www.denatran.gov.br/resolucoes.htm. Acesso em abril de 2010.General Motors do Brasil Ltda. Manual do Proprietário do Celta, 2010. Disponível na internet:http://www.novoservicochevrolet.com.br/site/manuais-dos-veiculos/. Acesso em maio/2010. Seções 6-20 a 6-27. 6

×