Curiosa Grécia_Revista

2.503 visualizações

Publicada em

Revista produzida por Alice, da Casa Na Árvore Produções, para o Projeto de Livre Escolha da Escola da Serra no primeiro semestre de 2009.

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.503
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curiosa Grécia_Revista

  1. 1. Filosofia Mitologia Entrevista com minha bisavó Memórias de uma Teatro viagem à Grécia PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  2. 2. Créditos Das Ilustrações C APA Máscara Comédia: Grécia: Berço do Ocidente. Vol.2. Coleção Grandes Impérios e Civilizações. Edições del Prado. P. 147 Sócrates: Revista A História Ilustrada da Grécia Antiga. Editora Escala. P. 88 Deuses: Grécia: Berço do Ocidente. Vol.2. Coleção Grandes Impérios e Civilizações. Edições del Prado. P. 157 C ONT RA C APA Atena: Grécia: Berço do Ocidente. Vol.2. Coleção Grandes Impérios e Civilizações. Edições del Prado. P.158 . Í NDIC E Damas de Azul: História Gerald a arte. Pintura I. Edições del Prado. P. 35. M APA DA G RÉ CIA Mapa da Grécia: Revista A História Ilustrada da Grécia Antiga. Editora Escala. P. 94. E NTREVI STA Fotos de Viagem: acervo da Vovó Filhinha F ILOSOFIA Filósofos: Grécia: Berço do Ocidente. Vol.1. Coleção Grandes Impérios e Civilizações. Edições del Prado. P. 105. M ITOLOGI A Máscara de Afrodite: Revista A História Ilustrada da Grécia Antiga. Editora Escala. P. 61. Vaso de Apolo: Grécia: Berço do Ocidente. Vol.2. Coleção Grandes Impérios e Civilizações. Edições del Prado. P. 185 Cálice Prometeu: Grécia: Berço do Ocidente. Vol.2. Coleção Grandes Impérios e Civilizações. Edições del Prado. P. 185 R EC ONTO “O T EA R DAS M OI RAS ” Moiras: O Tear das Moiras. Adriana Bernardino. Editora FTD. P. 23. T EATRO Vaso Dionísio: Grécia: Berço do Ocidente. Vol.2. Coleção Grandes Impérios e Civilizações. Edições del Prado. P. 185. P ASSAT EMPO S Carro: Grécia: Berço do Ocidente. Vol.1. Coleção Grandes Impérios e Civilizações. Edições del Prado. P. 109. Jovens Pugilistas: Grécia: Berço do Ocidente. Vol.1. Coleção Grandes Impérios e Civilizações. Edições del Prado. P. 49. Curiosa Grecia PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  3. 3. Revista Curiosa Grécia / Brasil. nº1. CONSELHO EDITORIAL: Alice Ramos Silva e Renata de Oliveira Ramos EDITOR-CHEFE: Alice Ramos Silva DIREÇÃO DE ARTE: Alice Ramos Silva DESIGNER: Renata de Oliveira Ramos e Alice Ramos Silva COLABORADORES: Vovó Filhinha, Vovô Ivan, Tio Caio, Anna Lena, Mariri, Thomas. PLANEJAMENTO: Escola da Serra Editora: Casa na Árvore Página Web: http:// aliceerenata.blogspot.com Editorial Redação: Rua Romano Gostei muito de fazer uma revista, é como se estivéssemos es- Stochiero, 54 apto 09. Santa Efigênia. BH/MG crevendo as memórias que a gente tem sobre um tipo de assunto. Contato: É muito difícil fazer uma revista. Primeiro a gente pesquisa e alicenovaledasfantasias faz o que queremos que tenha na revista, depois temos que fazer. @gmail.com Eu acho que é o melhor e mais difícil jeito de aprender porque pas- sei dois dias inteiros fazendo a revista. Gostei das ajudas de minha mãe, do projeto da escola, da ajuda de minha bisavó e das apro- vações de meu tio e meu avô. Fazer uma revista é um jeito de aprender brincando. Copyright 2009 por Casa na Venha brincar também. Árvore Produções. Todos os direitos reservados. Curiosa Grecia 1 PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  4. 4. Editorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 Mapa da Grécia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 Entrevista com minha Bisavó . . . . . . . . . . . . . . . .4 O Teatro Grego . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Mitologia Grega . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 Árvore Genealógica dos Deuses . . . . . . . . . . . . 7 O Tear das Moiras (reconto) . . . . . . . . . . . . . . . 8 Filosofia Grega . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9 Passatempos Jogo dos 4 erros . . . . . . . . . . . . . . . 10 Quebra Cabeça . . . . . . . . . . . . . . 11 índice 2 PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  5. 5. Por que é importante estudar a Grécia Antiga? Do meu ponto de vista, acho que estudar a Grécia Antiga é importante porque é um jeito de saber nossa história mesmo que nós não sejamos gregos. Além disso o que? Bem, eu gosto muito dos jeitos que eles pensam como começou o mundo, seus mitos, os filósofos, seu teatro... Vocês sabiam que foram os gregos que criaram o teatro e a política? Curiosa Grecia 3 PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  6. 6. Entrevista ENTREVISTA COM MINHA BISAVÓ, MARIA ANTÔNIA, A VOVÓ FILHINHA. No Mar Egeu. Fui entrevistar minha avó, pensando, que legal, vou ter “Ele é sereno assim, ó, não tem onda . . .” uma experiência diferente. Quando eu estava na casa d e l a , f i q u e i p e n s a n d o em como eu ia contar pros meus colegas que eu entrevistei minha bisavó. Chegamos, e eu percebi que foi diferente do que pensei antes de ir. Eu esperava que ela teria um monte de fotos da viagem, que mostraria tudo calmamente. Ilha de Patmos Não pensei que ela poderia querer mos- trar outras coisas, ou tivesse se esquecido de onde estavam as fotos dessa viagem e que, por ela ter 88 anos, sua memória so- bre as coisas não seria tão boa. Descobri então, que a entrevista é um jeito da pessoa contar, e não o que a gente i- magina da entrevista. Isso que faz a en- trevista ser interessante,porque a gente vê as diferenças da pessoa, o tempo que ela Meu bisavô em Éfeso leva pra pensar e explicar sobre as per- guntas feitas. Em 1985, minha bisavó e meu bisavô viaja- ram pra Europa. Em Atenas, eles embarca- ram num navio e ficaram 4 dias navegando e conhecendo algumas ilhas gregas. Minha bisavó Perguntei pela primeira vez, o que você mais gostou? Ela respondeu, da Espanha e da Grécia. Perguntei que lugar da Grécia você mais gostou? Ela disse que era das ilhas gre- gas. Aí eu resolvi não perguntar mais uma vez, porque eu es- perava uma resposta mais direta. Minha avó conheceu muitas ilhas, mas a única da qual ela se lembrou foi da Ilha de Patmos, onde São João escreveu Meu bisavô o Apocalipse. Minha mãe me contou que isso é muito inte- ressante, por causa da memória que está ligada ao que as pessoas fazem no dia-a-dia. Minha avó é católica, vai muito à missa, tem esculturas de santos, então, da Grécia,sua me- mória mais forte foi logo do lugar onde um santo católico escreveu uma parte da bíblia. Gostei muito da entrevista, obrigada vó! Curiosa Grecia 4 PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  7. 7. Teatro Grego O teatro grego tem muitas curiosidades, vamos conhecê-lo um pouco. VOCÊ SABIA: Que foram os gregos que VOCÊ SABIA: inventaram o teatro? O primeiro tipo de teatro na Grécia foi o Coro, depois foi a Tragédia e depois a comédia? VOCÊ SABIA: Suas arenas de teatro VOCÊ SABIA: eram grandes e ao ar O teatro grego tem sua parte religiosa, porque a livre? origem dos espetáculos de teatro está no culto a Dionísio? VOCÊ SABIA: As máscaras, por serem grandes e ocas, amplificavam o som, como um microfone? VOCÊ SABIA: Nas cenas de tragédia o coro não cantava, pois algumas vezes usavam-se falas ou recitava-se ou até mesmo coloquial (falas do dia-a-dia) ao dirigir-se Os escravos e servos eram as figuras favoritas das comédias atenienses e até Aristófa- aos atores? nes os trata cuidadosamente, embora exprima algum tédio pelas suas graças rotinei- ras. Pode compreender-se a atração que exerciam sobre o público. Existem muitas figuras cômicas,por vezes com máscaras grotescas e roupas enchumaçadas, mas muito poucas trágicas. VOCÊ SABIA: Tal como os atores, o coro apresentava-se com va- riados figurinos e usava máscaras apropriadas a idade, sexo e personalidade das personagens re- presentadas? VOCÊ SABIA: Nos primeiros teatros de comédia, no século V, os atores viajavam para fazerem suas apresentações . Suas cenas eram representadas num mercado vazio com um carro no fundo. As suas representações começaram a ser em locais onde se realizavam assembléias políticas. Neste novo cenário em forma de ferradura, puderam fazer seu teatro com muito mais pessoas. As decorações de teatro vieram 100 anos depois. Cálice-cratera (taça de mistura de vinho) pintada por Asteas, em Paestum, cerca de 350 a. C. Um jovem Dionísio, dois atores cômicos com máscaras e roupas acolchoadas, e dois atores vestidos de mulher (nas janelas) assistem à representação de uma acro- Curiosa Grecia bata nua sobre um estrado. 5 PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  8. 8. Mitologia Grega ZEUS: Deus de todos os P ROMETEU E P ANDORA Deuses. Derrotou seu pai e ganhou seu trono. Prometeu moldou os homens em argila. Cer- to dia ele estava a pensar no frio do inverno per- APOLO: Deus do sol, da to de seus homens moldados. Rouba o fogo de Verdade, da música, Apolo e dá aos seus homens. Zeus, irritado, conta da medicina e da pro- com a ajuda de Hefesto, Atena, Afrodite, Hermes fecia. e Apolo para criar a mulher, a quem chamaram . de Pandora. Zeus lhe deu uma caixinha e lhe dis- Esse vaso, do século V, mostra o Deus Apolo viajando pelo mar num caldeirão-trípode alado. Muito do que sabemos sobre a história e a se que não podia abrir esta caixa. cultura grega chegaram até nós através das informações contidas em objetos de arte e utensílios como esse. Epimeteu encantou-se ATENA/PALAS/ATENÉIA: Deusa da com a beleza de Pan- sabedoria e da cidade de Ate- dora, e acabou casan- nas do-se com ela. Certo HERA/JUNO: Esposa-irmã de dia Pandora quis sa- Zeus. Deusa do casamento, ber o que tinha dentro das crianças, dos lares e das da caixa, então, a a- mulheres casadas. briu. De lá saíram to- dos os sentimentos ru- AFRODITE/VÊNUS: Nasceu do sê- ins, os pecados, as doenças, o homem perdera men de Cronos. Deusa do amor e da beleza. seu paraíso. Pandora, assustada, fechou rapida- mente a caixa. Mas lá no fundo da caixa, bem no DEMÉTER/CERES: Deusa das co- lheitas, dos cereais, dos frutos. fundo, estava a esperança ainda trancada. Deméter é a mãe de Perséfo- E prometeu, por ter roubado o fogo de A- ne. polo, foi acorrentado numa rocha, e todos os dias ÁRTEMIS/DIANA: Deusa caça- vem um grifo e devora seu fígado. Como Prome- dora, protetora das cidades, teu é um deus, seu dos animais e das mulheres.. fígado sempre HEFESTO: Deus do fogo e dos nasce de novo. Ele artífices, foi expulso do Olim- po por mancar.. foi condenado a ficar aprisionado POSSÊIDON: Deus dos mares e por 10 mil anos. dos terremotos. Deu de pre- sente aos mortais os cavalos. DIONÍSIO: Deus do vinho, das festas, e da hospitalidade, do Taça Espartana, 550 A.C. Á esquerda, Atlas segura o céu. E à direita, Prometeu amarrado em prazer e da aventura. Dionísio uma rocha enquanto o grifo devora seu fígado. Castigo diário de Prometeu, por dar o fogo aos homens. é filho de Zeus com uma mor- tal. Curiosa Grecia 6 PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  9. 9. Árvore Genealógica dos Deuses Gregos 7 PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  10. 10. O Tear das Moiras Reconto As moiras (chamadas de parcas na antiga Roma) eram mulheres que teciam os destinos das pessoas. Em uma caverna escura e fria, viviam três moiras.Viviam séculos e sécu- los fazendo a mesma coisa, fiar. Primeiro os fios chegavam as mãos de Clotó, que lia a hora em que a pessoa iria nascer. Depois, os fios eram passados para a mão de Láquesi, que lia onde as coisas iriam acontecer. E por fim, Átropos, a cortadeira, via o dia em que a pessoa iria morrer. Um dia, quando as moiras tra- balhavam, Apolo, o Deus-Sol , foi fazer uma visita às Moiras, atra- palhando-as. Ele ofereceu a elas um garrafão de vinho e contou fofocas e pia- das engraçadíssimas. As moiras insistiam para que Apolo contas- se mais, então, Apolo contou-lhes de um amigo chamado Admeto que se apaixonara por Alceste. E o rei e pai de Alceste disse que se casaria com ela quem viesse num carro de ouro forra- do com pele de animal selva- gem e puxado por um javali e um leão, ambos lado a lado. E Artemis arranjou-lhe tudo, mas Admeto de- via oferecer-lhe sacrifícios depois de seu casamento. Ele esqueceu-se do acordo deixando Artemis furiosa, a deusa condenou-o a morrer picado por uma serpente. As moiras, já embriagadas caçoavam de Apolo, que, para amolecer Este reconto o coração das moiras, fingiu chorar. As moiras, preocupadas, aconse- foi baseado lharam a Apolo que procurasse alguém para morrer no lugar de Adme- no livro “O to. Apolo conta a história ao amigo e Alceste aceita morrer em seu lu- gar. E as moiras, ouvindo isso, trocas os fios dos amantes. Tear das Moiras, de Quando Alceste cai ao mundo dos mortos, as três moiras já não esta- vam mais embriagadas, se arrependem e têm a idéia de sensibilizar Adriana Perséfone, que fica com pena da história da morte de Alceste. Perséfo- Bernardino. ne leva Alceste de volta ao mundo dos vivos. Coleção Se não fossem as Moiras para puxar os fios do destino e continuando Contos da seu trabalho eternamente . . . Mitologia, As Moiras prometem nunca mais receberem visitas com ou sem vinho. da Editora FIM Curiosa Grecia FTD. 8 PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  11. 11. Filosofia Os dois principais filósofos da Gré- cia Antiga foram Aristóteles e Sócra- tes. Sócrates não foi só um filósofo como também um política de Atenas. Ele a- cabou com o politeísmo (acreditar em vários deuses) grego. Sócrates foi tão importante para a filosofia que os fi- lósofos que vieram antes dele, hoje Heráclito são chamados de pré-socráticos. Aristóteles foi um discípulo de Pla- tão, que foi mais longe que seu mestre e disse que só o homem concreto exis- te. Platão também foi um filósofo gre- go com muitos discípulos. Ele acredita- va que existia uma hierarquia (ordem de importância) entre a razão e os sentidos. Seus discípulos foram Aristó- teles, Sócrates e tantos outros. Aristóteles Epicuro Zenão Phisis: é o jeito de defi- nir o que é imortal no uni- verso, o que é imortal é phisis, como a natureza. Sócrates Platão Curiosa Grecia 9 PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  12. 12. Passatempos Jogo dos 4 erros Encontre as diferenças entre as imagens abaixo: Curiosa Grecia 10 PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com
  13. 13. Passatempos Quebra Cabeça Cole uma cartolina no verso dessa página, recorte a imagem nas linhas pontilhadas e divirta-se com seu quebra cabeça dos dois jovens pugilistas de Santorini (1550 A.C.) PDF created with pdfFactory Pro trial version www.pdffactory.com

×