Ttpp08

381 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
381
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Em 1890 ele ganhava 100 dólares por dia por esse trabalho.
  • Em 1890 ele ganhava 100 dólares por dia por esse trabalho.
  • Em 1890 ele ganhava 100 dólares por dia por esse trabalho.
  • Em 1890 ele ganhava 100 dólares por dia por esse trabalho.
  • Em 1890 ele ganhava 100 dólares por dia por esse trabalho.
  • Em 1890 ele ganhava 100 dólares por dia por esse trabalho.
  • Em 1890 ele ganhava 100 dólares por dia por esse trabalho.
  • Em 1890 ele ganhava 100 dólares por dia por esse trabalho.
  • Ttpp08

    1. 1. Criação Publicitária no Século XIX<br />O contexto americano (parte 2)<br />Teoria e Técnica II<br />Fernando Fontanella<br />2009.1<br />
    2. 2. O sucesso de John Powers inspirou<br />outro redator americano<br />que faz parte da história da publicidade<br />Seu nome era Charles Austin Bates<br />Sua agência foi uma das primeiras agências<br />fundadas por um criativo e a ter<br />um departamento de direção de arte<br />
    3. 3. As regras de ouro da Bates:<br />Sempre mostre o preço<br />Use linguagem simples<br />Não superestime a capacidade de<br />compreensão do público<br />Seja confiável<br />
    4. 4. Em 1897, Bates foi jurado em um<br />concurso de redatores publicitários<br />que premiou um rapaz chamado<br />Earnest Elmo Calkins<br />Bates ficou tão impressionado<br />com a qualidade dos textos de Calkins<br />que o contratou<br />
    5. 5. Calkins havia ficado surdo ainda criança<br />por causa do sarampo<br />No entanto, possuia grande sensibilidade<br />e uma visão muito apurada<br />Seu alto nível de exigência com os layouts<br />logo colocou-o em conflito<br />com o departamento de arte da Bates<br />
    6. 6. Calkins havia concluído que um bom texto<br />não bastava para o anúncio ser<br />bem sucedido<br />Os consumidores precisavam ser atraídos<br />por um visual que chamasse a atenção<br />e promovesse a mensagem<br />Não havia naquela época esse cuidado<br />
    7. 7.
    8. 8. Inconformado com a incapacidade <br />de seus diretores de arte<br />Calkins começou a fazer aulas noturnas <br />de desenho industrial<br />A perspectiva radical de Calkins<br />ocasionalmente o colocou em oposição <br />ao próprio Charles Bates<br />
    9. 9.
    10. 10.
    11. 11. Calkins fundou sua própria agência<br />juntamente com Ralph Holden<br />A Calkins & Holden<br />Lá ele pode por em prática suas idéias <br />ao contratar Joseph Leyendecker<br />como ilustrador e inaugurar<br />um estilo americano de anúncios visuais<br />
    12. 12. Leyendecker era alemão<br />e havia estudado artes em Paris<br />Tinha se aperfeiçoado no rico ambiente<br />de cartazes da França<br />Seus cartazes para a Arrows Collars & Shirts<br />tiveram grande influência na iconografia da<br />arte publicitária nos Estados Unidos.<br />
    13. 13. Joseph Leyendecker<br />

    ×