A percepção é mesmo a realidade!

349 visualizações

Publicada em

O marketing é uma “batalha” de perceções, não de produtos ou serviços…

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
349
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A percepção é mesmo a realidade!

  1. 1. (1)Literalmente… pois dados robustos, provenientes de repetidas experiências na área da físicaquântica (2), revelam um mundo sub-atómico onde reina o condicionamento estatístico. Pensa-se que, neste âmago da realidade, o desígnio probabilístico só abdica do seu reinado se existirum observador... Écran B “The Double Slit Experiment”: Barreira Partículas II P=1 (com observador) com fendas Écran A Ondas I Barreira 0<P<1 Foco com fendas de luz (sem observador) Foco de luz Fonte: Adaptado de (Satinover, 2001) “The path comes into existence only when we observe it” (3)(1) Ries, et. al., Positioning: The Battle For Your Mind, books.google.com, 2001 Werner Heisenberg(2) Satinover, J., The Quantum Brain, Wiley, 2001(3) Wolf, F., Taking the Quantum Leap, Harper & Row, 1989.
  2. 2. (1)No âmago sub-atómico da natureza não existem partículas com posição precisamente definidano tempo e no espaço (4)Apenas é possível definir esta “existência” em termos probabilísticos (0<P<1), verificando-seexperimentalmente uma paradoxal “super-posição” (função de onda quântica).É o próprio acto observacional que resolve este paradoxo, num acto súbito de criação, fazendocolapsar a função de onda quântica num único ponto (onde P = 1). O observador cria então a realidade!Numa mera analogia, este “cubo paradoxal” (5) Qual é a face voltada para o observador?ilustra bem a potencialidade criativado acto observacional…(4) Heisenberg, W., The Physical Principles of the Quantum Theory, amazon.com, 1930(5) Wolf, F., Taking the Quantum Leap, Harper & Row, 1989
  3. 3. (1) Quando “ter consciência das coisas” parece corresponder à efectiva criação da realidade aos níveis atómico e molecular (6) … … quaisquer perceções de valor estarão eivadas de subjectividade. Este enviesamento é inevitável e indissociável da observação! Perante produtos e serviços, agimos em função de como os percebemos… Por isto, a informação individualizada aumenta o valor de um produto ou serviço... O marketing é uma “batalha” de perceções, não de produtos ou serviços…(6) Bass, L., “Bass`s Model: A Quantum Mechanical Mind-Body Interaction” Foundations of Physics 5, (1975) p.159

×