Pontos turisticos-joinville

433 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
433
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pontos turisticos-joinville

  1. 1. Pontos Turísticos de Joinville
  2. 2.  Centreventos Cau Hansen  Inspirado no moderno conceito de arenas multiuso, o Centreventos foi concebido para reunir, em um só lugar, o máximo em entretenimento. Inaugurado em meados de 1998, possui uma estrutura que reúne arena multiuso, capaz de abrigar desde concertos musicais até competições esportivas; o Teatro Juarez Machado, com completa estrutura cenotécnica e qualidade acústica; Centro de Convenções Alfredo Salfer, ideal para sediar feiras de pequeno porte, congressos, convenções e reuniões técnicas; e o Expocentro Edmundo Doubrawa, com área de 4.050 m², especialmente construído para abrigar feiras, congressos, exposições, eventos esportivos, religiosos, musicais e outros acontecimentos de grande porte.
  3. 3. Expoville  Primeiro local de Joinville a receber feiras, festas e eventos de diversos segmentos, o Complexo Expoville recentemente inaugurou o Megacentro Wittich Freitag, um novo espaço público para atender à demanda de grandes feiras e eventos que ressalta o forte perfil econômico da cidade.  Localizado às margens da BR-101, o complexo conta com uma área de 25.600 m², dispõe de completa estrutura para sediar eventos de qualquer natureza, incluindo: instalações para esporte e lazer, centro comercial, lago com pedalinhos, churrascaria e bosque ecológico.  Seu estacionamento tem capacidade para mais de três mil vagas e conta, inclusive, com áreas exclusivas para ônibus de turismo.  Horário de atendimento: das 9h às 18h todos os dias, inclusive finais de semana e feriados.  Rua XV de Novembro, 4.305 - BR-101 - Km 39.
  4. 4. Museu Nacional de Imigração e Colonização  O Museu Nacional de Imigração e Colonização registra a memória da imigração e colonização do Sul do Brasil, tendo por base a Colônia Dona Francisca, hoje Joinville. O edifício-sede do museu foi construído em 1870 para residência do administrador da colônia, Frederico Brüstlen, e possui características do século XIX, com móveis, artefatos e fotografias originais da época. Além da sede principal, possui anexo ao jardim um galpão e uma casa enxaimel. O galpão mostra etapas da evolução da indústria primitiva, retratando aspectos da tecnologia desenvolvida e utilizada pelo imigrante. Já a casa enxaimel apresenta reconstituição ambiental de uma casa semi-urbana do início do século XX, com rico mobiliário de carpintaria e decorada aos moldes do século passado. A visitação custa R$ 2,00. Não pagam entrada adultos acima de 60 anos, crianças com idade inferior a doze anos e quem apresentar carteirinha estudantil.  Horário de atendimento: de terça a sexta-feira das 9h às 17h e sábados, domingos e feriados das 11h às 17h. Rua Rio Branco, 229.
  5. 5. Barco Príncipe de Joinville III O iate é um espaço privilegiado para realizar os mais variados eventos em qualquer condição climática: passeios, reuniões, congressos, confraternizações, festas de casamento ou aniversário, em tempo integral (manhã, tarde e noite). Amplo e confortável, tem capacidade para 350 pessoas e estrutura de serviços com piscina, restaurante e bares. O roteiro do passeio compreende a Baía da Babitonga, entre Joinville e a cidade histórica de São Francisco do Sul, e oferece um cenário encantador com 14 ilhas, águas tranquilas e a beleza da fauna e flora da Mata Atlântica. O barco parte às 10h30 e retorna entre 15h e 15h30. O preço individual é de R$ 70,00, com almoço incluso. Crianças com idade até cinco anos não pagam e, de seis a 15 anos pagam metade, desde que estejam acompanhadas pelos pais ou responsáveis. Os passeios estão sujeitos às condições climáticas.
  6. 6. Escola do Teatro Bolshoi • Referência na educação, cultura e cidadania de Joinville, a Escola do Teatro Bolshoi é um projeto em desenvolvimento, cuja grandeza se verifica pela extensão social e abrangência educacional que alcança com seus propósitos e atividades. Cerca de 95% dos alunos que integram a escola recebem bolsa de estudo integral durante os oito anos de curso, gratuidade do ensino, alimentação complementar, uniformes, transporte, assistência médica e orientação pedagógica, além de fazerem parte da única escola do tradicional balé fora da Rússia. • Atendimento somente com visitas agendadas. • Avenida José Vieira (Beira Rio), 315, Centro, anexa ao Centreventos Cau Hansen.
  7. 7. Casa da Cultura • Há mais de 30 anos contribuindo para o conhecimento em arte e incentivando a produção e criação artística, a Casa da Cultura abriga a Escola de Artes Fritz Alt, a Escola Municipal de Balé e a Galeria Municipal de Arte Victor Kursancew, que realiza exposições com artistas locais. É frequentada por alunos e estudantes que utilizam seus espaços para aprender história da arte, pintura, escultura, aulas de música e canto, entre outros. • Horário de Atendimento: de segunda a sexta-feira das 8h às 21h. • Rua Dona Francisca, 800. Centro.
  8. 8. Museu Nacional do Bombeiro Localizado na sede do Corpo de Bombeiros Voluntários de Joinville, a mais antiga corporação do Brasil, o museu resgata a história de Joinville e dos Bombeiros no Brasil, mostrando roupas, fotos e equipamentos usados pelos primeiros bombeiros, instruindo e alertando a população. Em exposição, a primeira bomba de sucção vinda da Alemanha no início do século e o primeiro carro-pipa. • As visitas podem ser feitas todos os dias, das 9h às 18h. Não é cobrada taxa de visitação. • Rua Jaguaruna, 13 – Centro.
  9. 9. Museu Fritz Alt Antiga residência do artista Fritz Alt, abriga exposição permanente de obras de arte e objetos de uso pessoal do escultor joinvilense autor de monumentos públicos como o Monumento aos Imigrantes, situado na Praça da Bandeira, centro da cidade. Sua localização proporciona ao visitante uma visão panorâmica de Joinville. • Horário de Atendimento: de terça a sexta-feira das 9h às 17h e sábados, domingos e feriados das 11h às 17h. • A entrada é franca. Rua Aubé, s/n – Boa Vista.
  10. 10. Museu de Fundição Tupy • Acervo constituído por cerca de 700 itens, incluindo livros, documentos, fotografias, ferramentas, equipamentos, peças artísticas, minérios e demais artigos ligados à fundição. • Atendimento de segunda a sexta-feira das 7h30 às 11h50 e das 13h às 17h25. A entrada é franca. • Rua Helmuth Fallgatter, 3345 - Boa Vista.
  11. 11. Museu Arqueológico de Sambaqui • Responsável pela preservação e desenvolvimento de estudos da cultura sambaquiana, o espaço promove e estimula o contato com o patrimônio arqueológico do município, através da Exposição de Longa Duração Pré-Histórica Regional. Expõe didaticamente elementos culturais do "Homem do Sambaqui", sua alimentação, técnica, costumes estéticos e funerários, além de sua arte em pedra. • Atendimento de terça a sexta-feira das 9h às 17h e sábados, domingos e feriados das 11h às 17h. • Rua Luiz Niemeyer, 54 (Novo endereço e novo prédio).
  12. 12. Mirante • A torre está localizada no alto do Morro do Boa Vista, a 250 metros de altura e em meio à preservada Mata Atlântica. Proporciona uma vista panorâmica da cidade de Joinville, da Baía da Babitonga e de São Francisco do Sul. • O acesso é feito pela rua Saguaçu.
  13. 13. Mercado Municipal • Criado em 12 de Março de 1907, quando ali se praticava a comercialização de pescados oriundos das comunidades pesqueiras de São Francisco do Sul, o Mercado Municipal conta hoje com lojas de especiarias, produtos típicos, artesanato variado, restaurante, lanchonete e parque infantil. • Funciona de segunda a sexta- feira das 7h às 19h e sábado das 7h às 13h. • Praça Hercílio Luz, s/n - Centro.
  14. 14. Catedral Municipal Diocesana • Construída em versão futurista, é formada por duas conchas gigantescas. É famosa pelos seus vitrais, que contam a história do homem através de símbolos e cores. • Horário de atendimento: das 8h às 11h45 e das 13h30 às 17h30, Sábados das 8h às 11h30. Missas diariamente. • Paróquia São Francisco Xavier - Avenida Juscelino Kubitschek, s/n - Centro.
  15. 15. Estação Ferroviária de Joinville • Inaugurada em 29 de julho de 1906, possui uma construção em estilo germânico. Tombada pelo Patrimônio Histórico e Fundação Catarinense de Cultura, suas dependências abrigam o Museu da Bicicleta e o Museu da Indústria. • Devido a reformas, a estação ferroviária não está aberta à visitação. Rua Leite Ribeiro s/n - Floresta.
  16. 16. Festival de Dança de Joinville • Reconhecido pelo Guinness Book como o maior festival do gênero no mundo, o Festival de Dança de Joinville transforma a cidade em ponto de encontro de bailarinos, turistas e admiradores da dança que vêm à cidade reverenciar a cultura. O festival abriga vários eventos paralelos: as Noites Especiais – Noite de Abertura, de Gala e dos Campeões; a Mostra Competitiva, evento de competição dividido em seis gêneros – ballet clássico, contemporâneo, danças populares, dança de rua, jazz e sapateado; Meia Ponta – Mostra Competitiva destinada a estudantes de dança com idades entre dez e doze anos; e Mostra de Dança Contemporânea, que reúne companhias profissionais que apresentam seus espetáculos de vanguarda. • Outra atração durante os dias do festival é a Feira da Sapatilha, um espaço de convivência entre os participantes e a comunidade e grande vitrine para lançamentos de produtos ligados à dança. Quem participa do Festival de Dança de Joinville também pode se inscrever em cursos e oficinas, voltados ao aprimoramento profissional. • Toda a cidade se mobiliza e se envolve com o festival, que reúne apresentações em diferentes locais. O palco principal é o Centreventos Cau Hansen, mas espaços como a Casa da Cultura, Cidadela Antártica, shoppings, praças, indústrias, entre outros, também recebem espetáculos durante todo o dia.
  17. 17. Festa das Flores • Outro apelido que Joinville recebe, o de Cidade das Flores, foi um título originalmente dado pelo Presidente da República, Dr. Afonso Penna, que, em visita à cidade no ano de 1906, se encantou com os exuberantes jardins ostentados pelas casas e praças e chamou-a de “Cidade Jardim”. O cuidado com a vegetação é realmente levado a sério em Joinville, através da preservação da Mata Atlântica, que circunda a cidade, pela legislação e pelo zoneamento municipal, que impede o crescimento desordenado em áreas de encostas e manguezais. Todo esse amor e cuidado pela natureza é simbolizado pela Festa das Flores. Organizado pela Agremiação Joinvilense dos Amadores de Orquídeas, em parceria com a Promotur, o evento é realizado todo ano no mês de novembro, época em que floresce a Laelia purpurata – flor que simboliza o estado de Santa Catarina – e transforma os pavilhões do Megacentro Wittich Freitag e toda a cidade em uma celebração de cores, formas e aromas, com a exposição de orquídeas e flores da região. Este ano a festa acontece entre os dias 14 e 18 de novembro, com uma programação bastante diversificada. Haverá a eleição da Rainha, o tradicional Mercado de Plantas e Flores, onde os visitantes podem comprar flores e plantas ornamentais das mais variadas espécies, além da Exposição Nacional de Orquídeas, mostrando a coleção dos melhores exemplares do país.
  18. 18. Turismo Industrial • Joinville, além de reunir atrativos turísticos e belezas naturais, é também um pólo de investimentos e desenvolvimento. Localizada entre a serra e o mar, com uma população em torno de 500 mil habitantes e uma economia consistente com concentração de grandes indístrias, transforma-se na maior cidade de Santa Catarina. Conhecida como a Manchester Catarinense - em referência à cidade inglesa que é destaque na indústria mundial -, destaca- se como uma das mais importantes cidades brasileiras, integrando o roteiro de turistas de todas as partes do Brasil e do mundo. • O destaque industrial da cidade é também um atrativo turístico e quem se interessar em conhecer a integração entre os setores primários e terciários da economia joinvilense pode participar de roteiros de Turismo Industrial, que revelam a hospitalidade e o trabalho local. Atualmente, as empresas que abrem suas portas aos visitantes são: Arroz Vila Nova, Chocopp Chocolate Caseiro, CRW Plásticos Joinville, Datasul, Laboratório Catarinense, Logocenter, Perini Business Park, Tigre S.A. e Wiest S.A.
  19. 19. Parque Zoobotânico • Com uma área de 40.000 metros quadrados, o parque foi criado com o objetivo de valorizar a Mata Atlântica e sua fauna, além de atender a uma antiga reivindicação da comunidade por uma área de lazer. O plantel do parque é formado por aproximadamente 200 animais, que são mantidos em regime de cativeiro, e por uma grande variedade de animais que co-habitam o complexo florestal do Morro do Boa Vista e procuram o parque em busca de alimentos e abrigos seguros. Além dos atrativos naturais, o espaço também dispõe de parque infantil e quiosques para piqueniques. • Rua Pastor Guilherme Rau, s/n. • Atendimento de terça-feira a domingo das 9h às 18h.
  20. 20. Rua das Palmeiras – Alameda Brüstlein • Antiga alameda que dava acesso ao Palácio dos Príncipes, hoje Museu Nacional de Imigração e Colonização, impressiona pela beleza e exuberância das palmeiras imperiais gigantescas, que pertencem ao Patrimônio Histórico Nacional desde 1982. Aberto à visitação do público diariamente. Entrada pela Rua Rio Branco ou pela rua do Príncipe, no centro de Joinville.
  21. 21. Estrada Bonita • Um caminho sinuoso leva o visitante a uma região de beleza única e encantos naturais. O lugar, quase inalterado, é formado por pequenas e bem cuidadas propriedades que lembram uma antiga colônia do século XIX, onde os moradores comercializam produtos coloniais e caseiros e fazem da pesca uma agradável opção de lazer. O lugar possui opções de hospedagem, restaurantes e café colonial. Localizada a 20 km do Pórtico de Joinville – BR 101, Pirabeiraba.
  22. 22. Serra Dona Francisca • Com um trecho de dez quilômetros pertencente à SC-301, a sinuosa estrada que liga Joinville a Campo Alegre e São Bento do Sul é um dos mais belos cenários naturais da região norte de Santa Catarina. Subindo ou descendo a estrada, é possível contemplar a vegetação exuberante da Floresta Atlântica misturada às flores cultivadas nos jardins das residências que margeiam a via. A paisagem ainda conta com cachoeiras de pequenos córregos ou rios, ao longo da estrada, cujas águas descem morro abaixo entre as pedras e rochas. Além disso, a estrada conta com uma iluminação especial, deixando o trecho ainda mais bonito e seguro, nos dias de neblina.
  23. 23. Escola Municipal Vereador Curt Alvino Monich Edição: Coordenadora de Informática Pedagógica: Angelita Mendes Vieira Público Alvo: Turmas: 4º Anos Ano: 2012

×