Crónica nº1Aluno: João ClaroNº/Turma: nº17 10ºKProfessora: Margarida Macedo
Ricardo Araújo Pereira• Lisboa, 28 de Abril de 1974• Filho de Artur Álvaro Neves de Almeida Pereira e Emília Rita  da Cunh...
Ontologia de RelvasMiguel Relvas, que foi licenciado antes de o ser, pode agora deixar de o ser sem nunca o ter sido.9:33 ...
Acaba por ser um escândalo que Miguel Relvas precise mesmo de selicenciar para que o tratem por doutor.         Creio que ...
Grandes criadores não tiveram formação universitária, entre osquais:         Bill Gates, abandonou o curso de Matemática e...
FIM
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

"Ontologia de relvas" crónica de Ricardo Araújo Pereira

658 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
658
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

"Ontologia de relvas" crónica de Ricardo Araújo Pereira

  1. 1. Crónica nº1Aluno: João ClaroNº/Turma: nº17 10ºKProfessora: Margarida Macedo
  2. 2. Ricardo Araújo Pereira• Lisboa, 28 de Abril de 1974• Filho de Artur Álvaro Neves de Almeida Pereira e Emília Rita da Cunha Araújo Pereira• É ateu• Comunicação Social e Cultural• Jornais de Redação e Informação• Programas televisivos de humor• Nº17411• Atualmente: - Visão - Mixórdias de Temáticas - Governo Sombra – TSF - Maria José Areias - Rita Areias de Araújo Pereira e Maria Inês Areias de Araújo Pereira
  3. 3. Ontologia de RelvasMiguel Relvas, que foi licenciado antes de o ser, pode agora deixar de o ser sem nunca o ter sido.9:33 Quinta, 8 de Novembro de 2012 Quando, na semana passada, se soube que o ministro Miguel Relvas até teveequivalências a três cadeiras que não existiam, a notícia levantou sobretudo problemasfilosóficos. Problemas políticos, mais uma vez, nem um. Mas, filosoficamente, a questão é,de facto, muito complexa, uma vez que o ministro arrisca mesmo perder o grau académico. Ou seja, Miguel Relvas, que foi licenciado antes de o ser, pode agora deixar de oser sem nunca o ter sido. Quem está em maus lençóis não é Relvas (como, aliás, é costume sempre que háproblemas com Relvas) mas sim a Lusófona. Pode uma universidade tirar ao ministro algoque ele nunca teve? E se Miguel Relvas se licenciar na floresta e não estiver lá ninguém paraouvir, a licenciatura fará barulho? Porque é disso que se trata: do barulho que se pode fazercom a licenciatura. Um curso universitário habilita pouco e tem ainda menos serventia. Antigamente, a licenciatura servia para arranjar emprego. Hoje, é capaz deatrapalhar. Nisso, o caso de Miguel Relvas é exemplar: mesmo não sendo licenciado, sempreconseguiu arranjar emprego, não só para si como, a fazer fé no que dizem os jornais acercado caso Tecnoforma, também para os amigos. A licenciatura é só para enfeitar.
  4. 4. Acaba por ser um escândalo que Miguel Relvas precise mesmo de selicenciar para que o tratem por doutor. Creio que cada pessoa devia poder escolher a forma de tratamentodeferente que lhe parecesse mais apropriada e aplicá-la ao ministro semnecessidade da mesquinha verificação de que ele possui realmente as habilitaçõesque permitem esse tratamento. É o que vou passar a fazer relativamente aoalmirante Miguel Relvas. Todos os manifestantes que empunharam cartazes facetos sugerindo aobispo Miguel Relvas que fosse estudar também devem estar a sentir-se bastanteestúpidos. Os novos factos revelam que o ministro estudou não só cadeiras queexistiam como cadeiras que não existiam. Normalmente, a matéria das últimas ébastante mais vasta do que a das primeiras. E a bibliografia bem mais difícil deencontrar. "Vai estudar matérias que existam, Relvas" poderia ser um cartaz maispróximo da verdade mas, mesmo no âmbito das matérias existentes, o maestroMiguel Relvas tem equivalências para exibir. O escuteiro-chefe Miguel Relvas encontra-se agora, injustamente, numaposição ingrata. Já se sabia que tinha feito um curso com equivalências, e sabe-seagora que eram equivalências a cadeiras imaginárias. Por isso, o visconde MiguelRelvas tem com a sua licenciatura a mesma relação que Portugal tem com a dívida:talvez consiga cumprir as suas obrigações, mas precisa de mais tempo. O melhor é reestruturar a licenciatura. Vamos esperar que o juiz desembargador Miguel Relvas consiga chegar aum acordo com a universidade.
  5. 5. Grandes criadores não tiveram formação universitária, entre osquais: Bill Gates, abandonou o curso de Matemática e Direito no 3° ano, paradedicar-se à Microsoft; Henry Ford, um perfeito e simplesmente surpreendente exemplo deuma das pessoas mais bem-sucedidas sem educação universitária; Luiz Inácio Lula da Silva, hoje é um dos políticos mais respeitado nomundo; Michael Dell, graças a este homem, fundador e Diretor Geral da Dell,Inc. é que usamos computadores e notebooks fantásticos; Edwin Powell Hubble, um génio da Astronomia, astrofísica, exploraçãoespacial, formou-se em advocacia, mas fez o seu caminho pela astronomia apulso. Teria sido o que foi se não o tivesse feito de modo livre? A liberdade é abase da criação. O grande problema da humanidade atual é a excessivaformatação; Hamilton Naki, (26 de junho de 1926 – 29 de maio de 2005) foi um"cirurgião" e professor sul-africano sem nenhuma formação académica; Mark Elliot Zuckerberg não tem formação universitária e ainda assimcriou o fantástico facebook; Steve Jobs é mais um grande criador, não tinha formação universitáriae conseguiu criar a grande Apple.
  6. 6. FIM

×