Fabio Coimbra_SUMMIT_junho 2015

222 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
222
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fabio Coimbra_SUMMIT_junho 2015

  1. 1. Gestão de Risco e Reputacional Fábio Coimbra fabio.coimbra@fecap.br Coordenador MBA Gestão de Riscos e Compliance FECAP *As opiniões apresentadas são exclusivamente de responsabilidade do autor e não necessariamente representam a posição das organizações em que atua São Paulo, 25 de junho de 2015
  2. 2. TÍTULO TÍTULO Subtítulo Subtítulo Subtítulo Subtítulo Lorem ipsum "Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum." Fonte: Pesquisa Accenture “Rethinking Risk in Financial Institutions: Making the CFO-CRO Partnership Work” (2015) Contextualizando…
  3. 3.  Desde 2003, quase 38% dessas empresas sofreram quedas abruptas (no período de até um mês) de mais de 20% no preço de suas ações, quando comparado com o índice MSCI Global no mesmo período.  Até o final de 2012, cerca de 18% destas empresas ainda não tinham recuperado seus valores e outros 18% levaram mais de 1 ano para recuperar os preços de suas ações.  Embora grande parte no setores Financeiro, Seguros, Construção e Manufaturas, a destruição de valor ocorreu em diversas indústrias.  90% das empresas que mais perderam valor tiveram mais que um evento de risco identificado. Isso demonstra que as perdas relevantes de valor são frequentemente resultado da interação de diversos tipos de riscos e raramente resultado de um único evento.  A alta incidência de riscos interdependentes nas empresas que mais perderam valor é indicativo de que estas ainda não estão adequadamente preparadas para tratar dos riscos de forma integrada, o que permitiria a identificação dos possíveis efeitos de contágio quando um risco se materializa. Fonte: Pesquisa Deloitte “Destruidores de Valor” (2014). Amostra: 1.000 maiores empresas globais de capital aberto Contextualizando…
  4. 4. Casos Reais
  5. 5. TÍTULO TÍTULO Subtítulo Subtítulo Subtítulo Subtítulo Lorem ipsum "Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum." Velho paradigma Novo paradigma Fragmentado: cada área gerencia riscos de forma independente, abordagem por silos Integrado: a gestão de risco é coordenada entre as áreas e supervisionada pelo Conselho de Administração e pela Diretoria; gestão de risco é parte do trabalho de cada um na organização Ad hoc, isto é, gestão de risco não é um processo contínuo Gestão de risco é um processo contínuo De modo geral, o foco restringe-se a riscos financeiros, fraude e riscos que podem ser cobertos por seguros Escopo ampliado: todos os riscos relevantes do negócio Os riscos são tratados de forma isolada Busca-se identificar e reconhecer o inter-relacionamento entre os diversos tipos e categorias de risco Operacional e tático Estratégico, tático e operacional Fonte: Coimbra, F. C. Estrutura de governança corporativa e gestão de riscos: Tese de doutorado. FEA USP (2011). Gestão de Riscos Corporativos
  6. 6. Gestão de Risco e Reputacional Fábio Coimbra fabio.coimbra@fecap.br Coordenador MBA Gestão de Riscos e Compliance FECAP *As opiniões apresentadas são exclusivamente de responsabilidade do autor e não necessariamente representam a posição das organizações em que atua São Paulo, 25 de junho de 2015

×