SlideShare uma empresa Scribd logo

2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais

Colégio Batista de Mantena
Colégio Batista de Mantena
Colégio Batista de MantenaProfessora na Colégio Batista de Mantena em Colégio Batista de Mantena

Curso Pré Vestibular Sistema Objetivo. Colégio Batista de Mantena

2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais

1 de 28
Baixar para ler offline
HORMÔNIOS VEGETAIS E
TROPISMOS
Colégio Batista de Mantena
Prof. Ms. Zayra Prado Almondes
Pré Vestibular Sistema Objetivo
CRESCIMENTO VEGETAL
Uma planta precisa de diversos fatores, internos e externos, para crescer e se
desenvolver, e isto inclui diferenciar-se e adquirir formas, originando uma variedade de
células, tecidos e órgãos.
 Fatores externos: luz (energia solar), dióxido de carbono, água e minerais, incluindo o
nitrogênio atmosférico (fixado por bactérias fixadoras e cianofíceas), temperatura,
comprimento do dia e gravidade.
 Fatores internos: hormonas vegetais ou fito-hormonas, substâncias químicas que
atuam sobre a divisão, elongação e diferenciação celular.
HORMÔNIOS VEGETAIS
FITORMÔNIOS
 Fitormônios: são compostos orgânicos que atuam
em doses muito pequenas e são os principais
fatores internos de regulação das reações
de desenvolvimento e crescimento das plantas.
 Exemplos:
 Ácido indolilacético (auxina)
 Giberelinas
 Etileno
 Citocininas
 Ácido abscísico
AUXINAS
 Pioneiros.
 Produzido no meristema apical do caule, primórdios foliares, flores, frutos
e sementes, e transportado pela extensão do vegetal através do vaso
floema.
 Responsáveis por:
 Tropismos (foto e geotropismo);
 Desenvolvimento dos frutos;
 Alongamento celular radicular e caulinar
 Dominância apical do caule.
 Inibir o desenvolvimento das gemas laterais.
AUXINAS
 Ácido indolilacético: transformação de um
aminoácido conhecido por triptofano.
 Auxinas sintéticas:
 Ácido indolbutírico
 Ácido naftalenoacético
 Ácido 2-4 diclorofenoxiacético, etc.
Anúncio

Recomendados

Ppt 2 RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais Parte Ii)
Ppt 2   RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais   Parte Ii)Ppt 2   RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais   Parte Ii)
Ppt 2 RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais Parte Ii)Nuno Correia
 
Frente 3 módulo 12 Hormônios Vegetais Auxinas Tropismos
Frente 3 módulo 12 Hormônios Vegetais Auxinas TropismosFrente 3 módulo 12 Hormônios Vegetais Auxinas Tropismos
Frente 3 módulo 12 Hormônios Vegetais Auxinas TropismosColégio Batista de Mantena
 
B13 hormonas vegetais
B13   hormonas vegetaisB13   hormonas vegetais
B13 hormonas vegetaisNuno Correia
 
Regulação hormonal nas plantas
Regulação hormonal nas plantasRegulação hormonal nas plantas
Regulação hormonal nas plantasmargaridabt
 
Aprsentação fito hormonas_rita
Aprsentação fito hormonas_ritaAprsentação fito hormonas_rita
Aprsentação fito hormonas_ritaPelo Siro
 
Hormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e Etileno
Hormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e EtilenoHormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e Etileno
Hormonas Vegetais, Fitormonas, Ácido Abscísico e EtilenoCarolina Sobrenome
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FitormôniosSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormônios
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre FitormôniosTurma Olímpica
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)Bio
 
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
2º Ano - Hormônios vegetais - FitormôniosEscola Modelo de Iguatu
 
Hormoniosvegetais
HormoniosvegetaisHormoniosvegetais
HormoniosvegetaisLuiz Santos
 
Hormônios vegetais ou fitormônios
Hormônios vegetais ou fitormôniosHormônios vegetais ou fitormônios
Hormônios vegetais ou fitormôniosAndrea Barreto
 
Hormonio vegetal 2011_alunos
Hormonio vegetal 2011_alunosHormonio vegetal 2011_alunos
Hormonio vegetal 2011_alunosIvanise Amaral
 
Aula hormônios vegetais
Aula hormônios vegetaisAula hormônios vegetais
Aula hormônios vegetaisErik Macedo
 
Hormônios vegetais – giberelinas, etileno, citocininas e Ácido Abscísico.
Hormônios vegetais – giberelinas, etileno, citocininas e Ácido Abscísico.Hormônios vegetais – giberelinas, etileno, citocininas e Ácido Abscísico.
Hormônios vegetais – giberelinas, etileno, citocininas e Ácido Abscísico.Lucas Pereira
 
Tropismo e Movimentos Nasticos
Tropismo e Movimentos NasticosTropismo e Movimentos Nasticos
Tropismo e Movimentos NasticosMarcel Thomas
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais3a2011
 
Hormônios vegetais e movimentos vegetais final
Hormônios vegetais e  movimentos vegetais finalHormônios vegetais e  movimentos vegetais final
Hormônios vegetais e movimentos vegetais finalIonara Urrutia Moura
 
Hormonios vegetais
Hormonios vegetaisHormonios vegetais
Hormonios vegetaiseli292011
 

Mais procurados (20)

Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
 
Fitormonios
FitormoniosFitormonios
Fitormonios
 
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
2º Ano - Hormônios vegetais - Fitormônios
 
Hormoniosvegetais
HormoniosvegetaisHormoniosvegetais
Hormoniosvegetais
 
Hormônios vegetais ou fitormônios
Hormônios vegetais ou fitormôniosHormônios vegetais ou fitormônios
Hormônios vegetais ou fitormônios
 
Fisveg aula3
Fisveg aula3Fisveg aula3
Fisveg aula3
 
Hormonio vegetal 2011_alunos
Hormonio vegetal 2011_alunosHormonio vegetal 2011_alunos
Hormonio vegetal 2011_alunos
 
Aula hormônios vegetais
Aula hormônios vegetaisAula hormônios vegetais
Aula hormônios vegetais
 
Hormônios vegetais – giberelinas, etileno, citocininas e Ácido Abscísico.
Hormônios vegetais – giberelinas, etileno, citocininas e Ácido Abscísico.Hormônios vegetais – giberelinas, etileno, citocininas e Ácido Abscísico.
Hormônios vegetais – giberelinas, etileno, citocininas e Ácido Abscísico.
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
 
Mov veg e hormônios 17092012
Mov veg e hormônios  17092012Mov veg e hormônios  17092012
Mov veg e hormônios 17092012
 
Tropismo e Movimentos Nasticos
Tropismo e Movimentos NasticosTropismo e Movimentos Nasticos
Tropismo e Movimentos Nasticos
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
 
Hormonas vegetais
Hormonas vegetaisHormonas vegetais
Hormonas vegetais
 
Hormônios vegetais e movimentos vegetais final
Hormônios vegetais e  movimentos vegetais finalHormônios vegetais e  movimentos vegetais final
Hormônios vegetais e movimentos vegetais final
 
Hormônios Vegetais
Hormônios VegetaisHormônios Vegetais
Hormônios Vegetais
 
Hormônios vegetais
Hormônios vegetaisHormônios vegetais
Hormônios vegetais
 
Hormonios vegetais
Hormonios vegetaisHormonios vegetais
Hormonios vegetais
 
Hormonios vegetais
Hormonios vegetaisHormonios vegetais
Hormonios vegetais
 
Etileno
EtilenoEtileno
Etileno
 

Destaque

Vé máy bay vietnam airlines tân sân nhất đi austin giá rẻ
Vé máy bay vietnam airlines tân sân nhất đi austin giá rẻVé máy bay vietnam airlines tân sân nhất đi austin giá rẻ
Vé máy bay vietnam airlines tân sân nhất đi austin giá rẻthuy09baydep
 
SYNERGENO2 COLAGENO
SYNERGENO2 COLAGENOSYNERGENO2 COLAGENO
SYNERGENO2 COLAGENOCARLOS FELIX
 
Apperentance cetificate
Apperentance cetificateApperentance cetificate
Apperentance cetificateUmair Khan
 
Para blogger david montoya
Para blogger david montoyaPara blogger david montoya
Para blogger david montoyaDavid Montoya
 
PLAN DE COMPENSACION DE SYNERGYO2 PERU
PLAN DE COMPENSACION DE SYNERGYO2 PERUPLAN DE COMPENSACION DE SYNERGYO2 PERU
PLAN DE COMPENSACION DE SYNERGYO2 PERUCARLOS FELIX
 
Rails monolith-to-microservices-design
Rails monolith-to-microservices-designRails monolith-to-microservices-design
Rails monolith-to-microservices-designPhilippe Lafoucrière
 
Ciência e-engenharia-dos-materiais
Ciência e-engenharia-dos-materiaisCiência e-engenharia-dos-materiais
Ciência e-engenharia-dos-materiaisDeivid Prates
 
Natureview Farm Case Analysis
Natureview Farm Case AnalysisNatureview Farm Case Analysis
Natureview Farm Case AnalysisSarthak Anand
 
The Mind of the Food Worker Webinar Slides
The Mind of the Food Worker Webinar SlidesThe Mind of the Food Worker Webinar Slides
The Mind of the Food Worker Webinar SlidesAlchemy Systems
 
15 ch ken black solution
15 ch ken black solution15 ch ken black solution
15 ch ken black solutionKrunal Shah
 

Destaque (17)

Vé máy bay vietnam airlines tân sân nhất đi austin giá rẻ
Vé máy bay vietnam airlines tân sân nhất đi austin giá rẻVé máy bay vietnam airlines tân sân nhất đi austin giá rẻ
Vé máy bay vietnam airlines tân sân nhất đi austin giá rẻ
 
SYNERGENO2 COLAGENO
SYNERGENO2 COLAGENOSYNERGENO2 COLAGENO
SYNERGENO2 COLAGENO
 
Lisbeth valojavesi
Lisbeth valojavesiLisbeth valojavesi
Lisbeth valojavesi
 
SYNERGYO2
SYNERGYO2SYNERGYO2
SYNERGYO2
 
Apperentance cetificate
Apperentance cetificateApperentance cetificate
Apperentance cetificate
 
Para blogger david montoya
Para blogger david montoyaPara blogger david montoya
Para blogger david montoya
 
Act. 9
Act. 9Act. 9
Act. 9
 
Ch19-1
Ch19-1Ch19-1
Ch19-1
 
STEMO2
STEMO2STEMO2
STEMO2
 
Alimentos transgênicos
Alimentos transgênicosAlimentos transgênicos
Alimentos transgênicos
 
document
documentdocument
document
 
PLAN DE COMPENSACION DE SYNERGYO2 PERU
PLAN DE COMPENSACION DE SYNERGYO2 PERUPLAN DE COMPENSACION DE SYNERGYO2 PERU
PLAN DE COMPENSACION DE SYNERGYO2 PERU
 
Rails monolith-to-microservices-design
Rails monolith-to-microservices-designRails monolith-to-microservices-design
Rails monolith-to-microservices-design
 
Ciência e-engenharia-dos-materiais
Ciência e-engenharia-dos-materiaisCiência e-engenharia-dos-materiais
Ciência e-engenharia-dos-materiais
 
Natureview Farm Case Analysis
Natureview Farm Case AnalysisNatureview Farm Case Analysis
Natureview Farm Case Analysis
 
The Mind of the Food Worker Webinar Slides
The Mind of the Food Worker Webinar SlidesThe Mind of the Food Worker Webinar Slides
The Mind of the Food Worker Webinar Slides
 
15 ch ken black solution
15 ch ken black solution15 ch ken black solution
15 ch ken black solution
 

Semelhante a 2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais

Aula hormoniosvegetais 2017 1
Aula hormoniosvegetais 2017 1Aula hormoniosvegetais 2017 1
Aula hormoniosvegetais 2017 1Fabrícia Martins
 
(11) biologia e geologia 10º ano - hormonas vegetais
(11) biologia e geologia   10º ano - hormonas vegetais(11) biologia e geologia   10º ano - hormonas vegetais
(11) biologia e geologia 10º ano - hormonas vegetaisHugo Martins
 
Condução de Seiva Bio
Condução de Seiva Bio Condução de Seiva Bio
Condução de Seiva Bio Laguat
 
Ppt 2 RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais Parte Ii)
Ppt 2   RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais   Parte Ii)Ppt 2   RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais   Parte Ii)
Ppt 2 RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais Parte Ii)Nuno Correia
 
Hormônios e movimentos vegetais profo james martins
Hormônios e movimentos vegetais  profo james martinsHormônios e movimentos vegetais  profo james martins
Hormônios e movimentos vegetais profo james martinsJames Martins
 
Hormônios vegetais e suas principais funções
Hormônios vegetais e suas principais funçõesHormônios vegetais e suas principais funções
Hormônios vegetais e suas principais funçõescamilasantos195061
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetalRafael Costa
 

Semelhante a 2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais (14)

Aula hormoniosvegetais 2017 1
Aula hormoniosvegetais 2017 1Aula hormoniosvegetais 2017 1
Aula hormoniosvegetais 2017 1
 
(11) biologia e geologia 10º ano - hormonas vegetais
(11) biologia e geologia   10º ano - hormonas vegetais(11) biologia e geologia   10º ano - hormonas vegetais
(11) biologia e geologia 10º ano - hormonas vegetais
 
hormoniosvegetais.ppt
hormoniosvegetais.ppthormoniosvegetais.ppt
hormoniosvegetais.ppt
 
Condução de Seiva Bio
Condução de Seiva Bio Condução de Seiva Bio
Condução de Seiva Bio
 
Ppt 2 RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais Parte Ii)
Ppt 2   RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais   Parte Ii)Ppt 2   RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais   Parte Ii)
Ppt 2 RegulaçãO Nos Seres Vivos (Hormonas Vegetais Parte Ii)
 
2S_Mov veg e hormônios
2S_Mov veg e hormônios2S_Mov veg e hormônios
2S_Mov veg e hormônios
 
Hormônios e movimentos vegetais profo james martins
Hormônios e movimentos vegetais  profo james martinsHormônios e movimentos vegetais  profo james martins
Hormônios e movimentos vegetais profo james martins
 
Fitormônios
FitormôniosFitormônios
Fitormônios
 
Hormônios vegetais e suas principais funções
Hormônios vegetais e suas principais funçõesHormônios vegetais e suas principais funções
Hormônios vegetais e suas principais funções
 
Plano 8
Plano 8Plano 8
Plano 8
 
Giberelinas
GiberelinasGiberelinas
Giberelinas
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Hormônio vegetal
Hormônio vegetalHormônio vegetal
Hormônio vegetal
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 

Mais de Colégio Batista de Mantena

O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuaisColégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos ContraceptivosColégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetaisColégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisõesColégio Batista de Mantena
 

Mais de Colégio Batista de Mantena (20)

2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas
2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas
2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas
 
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
 
Frente 1 módulo 11 Sistema abo
Frente 1 módulo 11 Sistema aboFrente 1 módulo 11 Sistema abo
Frente 1 módulo 11 Sistema abo
 
2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética
2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética
2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética
 
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
 
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
 
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
 
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
 
2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica
2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica
2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica
 
2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos
2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos
2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos
 
2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas
2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas
2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas
 
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
 
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
 
2016 Frente 3 módulo 9b transporte
2016 Frente 3 módulo 9b transporte2016 Frente 3 módulo 9b transporte
2016 Frente 3 módulo 9b transporte
 
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
 
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
 
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
 
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
 
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
 

Último

PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfkeiciany
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfAndreiaSilva852193
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
CURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfCURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfdaniele690933
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxssuser86fd77
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfalexandrerodriguespk
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...azulassessoriaacadem3
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfkeiciany
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
 
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdfApresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
Apresentacao_Geral_Plataformas_200604.pdf
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
CURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdfCURRICULO ed integral.pdf
CURRICULO ed integral.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docxPROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
PROJETO INTERDISCIPLINAR 6º AO 9º ANOS - 2.docx
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 

2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais

  • 1. HORMÔNIOS VEGETAIS E TROPISMOS Colégio Batista de Mantena Prof. Ms. Zayra Prado Almondes Pré Vestibular Sistema Objetivo
  • 2. CRESCIMENTO VEGETAL Uma planta precisa de diversos fatores, internos e externos, para crescer e se desenvolver, e isto inclui diferenciar-se e adquirir formas, originando uma variedade de células, tecidos e órgãos.  Fatores externos: luz (energia solar), dióxido de carbono, água e minerais, incluindo o nitrogênio atmosférico (fixado por bactérias fixadoras e cianofíceas), temperatura, comprimento do dia e gravidade.  Fatores internos: hormonas vegetais ou fito-hormonas, substâncias químicas que atuam sobre a divisão, elongação e diferenciação celular.
  • 4. FITORMÔNIOS  Fitormônios: são compostos orgânicos que atuam em doses muito pequenas e são os principais fatores internos de regulação das reações de desenvolvimento e crescimento das plantas.  Exemplos:  Ácido indolilacético (auxina)  Giberelinas  Etileno  Citocininas  Ácido abscísico
  • 5. AUXINAS  Pioneiros.  Produzido no meristema apical do caule, primórdios foliares, flores, frutos e sementes, e transportado pela extensão do vegetal através do vaso floema.  Responsáveis por:  Tropismos (foto e geotropismo);  Desenvolvimento dos frutos;  Alongamento celular radicular e caulinar  Dominância apical do caule.  Inibir o desenvolvimento das gemas laterais.
  • 6. AUXINAS  Ácido indolilacético: transformação de um aminoácido conhecido por triptofano.  Auxinas sintéticas:  Ácido indolbutírico  Ácido naftalenoacético  Ácido 2-4 diclorofenoxiacético, etc.
  • 7. AUXINA: ÁCIDO INDOLILACÉTICO O vegetal produz o AIA em várias regiões do corpo:  ponta do caule (gema apical);  folhas jovens e adultas;  ponta da raiz;  frutos;  ponta de coleóptilos;  embriões das sementes.
  • 8. AUXINA: ÁCIDO INDOLILACÉTICO Transporte do AIA:  O deslocamento dessa auxina no corpo vegetal é polarizado.  Ápice para a base da planta.  As causas dessa polarização ainda são desconhecidas.
  • 9. AUXINA: ÁCIDO INDOLILACÉTICO Destruição:  Algumas enzimas (peroxidases e fenoloxidases) são capazes de destruir o AIA, transformando-o em compostos inativos.
  • 10. AUXINA: ÁCIDO INDOLILACÉTICO Descoberta:  Charles e Francis Darwin (1880)  Boysen-Jensen (1913)  F. W. Went, em 1928.  Experiências com coleóptilo de aveia.
  • 12. AUXINA: AIA Descoberta:  Charles e Francis Darwin (1880)  Na primeira plântula ocorreu o fototropismo.  No segundo caso não houve reação porque o ápice fora removido.  O terceiro caso permaneceu imóvel.  Na quarta situação houve orientação para a luz.  No quinto caso onde apenas o ápice não havia sido coberto houve orientação para a luz.
  • 14. AUXINA: AIA Descoberta:  Went (1928)  Coleóptilo crescendo normalmente (controle).  Coleóptilo decapitado: cessa o crescimento.  Coleóptilo decapitado com um bloco de ágar: também cessa o crescimento.  Coleóptilo decapitado. A ponta é colocada em contato com o bloco de ágar durante algum tempo. O bloco de ágar é colocado sobre o coleóptilo. Este reinicia o crescimento.
  • 16. AUXINA: AIA - AÇÃO Célula  Aumenta a plasticidade da parede celular, facilitando a distensão da célula.  Multiplicação celular. Caule  Estimulador ou inibidor da distensão celular, dependendo da concentração. Geralmente, muito altas.
  • 17. AUXINA: AIA - AÇÃO Raíz  Estimulador ou inibidor do crescimento, dependendo da concentração.  A raiz é muito mais sensível ao AIA do que o caule.  Pequenas concentrações de AIA estimulam o crescimento radicular.  À medida que a concentração aumenta, o AIA passa a inibir o crescimento da raiz.
  • 18. AUXINA: AIA - AÇÃO Gemas laterais  O AIA produzido nas gemas apicais desloca-se polarizado para a base.  Dominância apical: As gemas laterais (axilares), recebendo esse hormônio, ficam inibidas no seu desenvolvimento.  Quando podamos uma planta, retiramos as gemas apicais. Dessa maneira, cessa-se a inibição e, rapidamente, as gemas laterais se desenvolvem.
  • 19. AUXINA: AIA - AÇÃO Folhas  O AIA controla a permanência da folha no caule ou a sua queda (abscisão).  Fenômeno controlado pelo teor relativo de auxinas entre a folha e o caule.  Teor de auxina na folha é maior do que no caule ⇒ a folha permanece unida ao caule;  Teor de auxina na folha é menor do que no caule ⇒a folha destaca-se e cai (abscisão).  Forma-se na base do pecíolo uma camada especial de células com paredes finas e em desintegração.
  • 21. AUXINA: AIA - AÇÃO Frutos  Origem do fruto:  Polinização (agentes polinizadores).  Fecundação do óvulo (tubo polínico) – sementes.  Ovário se desenvolve em fruto: Embriões das sementes em desenvolvimento produzem AIA que será recebido pelas paredes do ovário e originam seu crescimento.  Ovários que não são polinizados normalmente caem e não originam frutos.  Aplicando-se auxinas em ovários não fecundados, estes se desenvolvem em frutos partenocárpicos (sem sementes).
  • 22. AUXINAS: AIA - AÇÃO  O AIA também controla a permanência do fruto no caule ou a sua queda (abscisão), da mesma maneira como ocorre com a folha.
  • 23. AUXINAS: APLICAÇÃO ARTIFICIAL Estacas  Método muito usado na horticultura.  Estaca: porção inferior de um caule cortado.  Aplicação de auxina estimulam as divisões celulares e a produção de raízes adventícias.  Auxinas mais usadas: ácido indolbutírico e naftalenoacético.  Resultado: Plantas que dificilmente se propagariam por estacas podem facilmente enraizar.
  • 24. AUXINAS: APLICAÇÃO ARTIFICIAL Flores  Aplicadas no ovário ou no estigma de flores não fecundadas, as auxinas estimulam o desenvolvimento do ovário para a formação de frutos partenocárpicos.
  • 25. AUXINAS: APLICAÇÃO ARTIFICIAL Frutos  O AIA, aplicado em frutos jovens, evita a formação de camadas de abscisão.  Dessa maneira, pode-se obter melhor rendimento nas colheitas.
  • 26. AUXINAS: HERBICIDAS  Herbicidas seletivos: atacam algumas plantas e outras não.  Dentre eles podemos citar o ácido 2-4 diclorofenoxiacético (2-4- D).
  • 27. AUXINAS: HERBICIDAS  O 2-4-D elimina dicotiledôneas herbáceas (folhas largas).  As gramíneas (folhas estreitas) são imunes ao 2-4-D.  Plantação de gramíneas (milho, arroz, trigo etc.) é trata da  com esse herbicida, as ervas dicotiledôneas são eliminadas.
  • 28. AUXINAS E FLORAÇÃO  Auxinas não são hormônios promotores da floração nos vegetais.  Existem algumas espécies, como o abacaxi, que têm a floração regulada pelas auxinas.  Ao serem pulverizadas com auxinas (especialmente o ácido naftalenoacético), a floração inicia-se e a produção dos frutos ocorre praticamente ao mesmo tempo em toda a plantação, o que  facilita consideravelmente a colheita.