SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
Distribuição Geográfica

              FÊMEA




                                MACHO




                    AZULÃO (Cyanoloxia brissonii)
De bico avantajado e negro, o macho é azul-escuro, com partes azuis
brilhantes. A fêmea e os filhotes são pardos com as partes inferiores um
pouco mais claras.
Apresenta um bonito canto, por isso é muito apreciado como pássaro de gaiola,
tornando-se raro na natureza em virtude da perseguição dos passarinheiros.
Distribuição Geográfica




                   BICO DE PIMENTA (Saltator atricollis)
Também conhecido como batuqueiro, vive em pequenos grupos ou em pares,
executando gritarias coletivas ao amanhecer.
Possui uma máscara e o pescoço anterior negros, as partes superiores cinza
pardacentas, as partes inferiores são cinza amareladas claras. O bico é grosso,
laranja avermelhado. A fêmea possui as mesmas cores porém mais atenuadas,e
o bico é vermelho pálido.
Distribuição Geográfica




              BICO-DE-VELUDO (Schistochlamys ruficapillus)
Possui a plumagem do dorso azul-acinzentada e uma máscara negra. A
garganta, o peito e barriga são acanelados.
Vive em áreas arborizadas abertas alimentando-se de frutos e insetos nas
copas. É migratória e freqüentemente encontrada aos casais que pousam no
topo de pequenas árvores para cantar e observar.
MACHO                        Distribuição Geográfica




              FÊMEA


                    BIGODINHO (Sporophila lineola)
O macho é inconfundível, pelas áreas brancas na cabeça, responsável pelo seu
nome comum. Devido ao canto, é apreciado para o comércio ilegal.
Alimenta-se basicamente de sementes e vive em pares espalhados durante o
período reprodutivo. Costuma formar bandos mistos com outros papa-capins no
período de descanso.
MACHO                                                 Distribuição Geográfica
 (SÃO 2
CORES:
BRANCO
E BEGE)




               FÊMEA



                       CABOCLINHO (Sporophila bouvreuil)
Conhecido também como caboclinho-verdadeiro, fradinho, caboclinho-paulista,
etc., o macho é de coloração canela, com um boné, asas e cauda pretos e a fêmea é
marrom-olivácea nas partes superiores e branco-amarelada nas inferiores. A
subespécie S. bouvreuil pileata apresenta variação na cor branca da plumagem.
Vive em grupos freqüentemente em meio a outras espécies que também se
alimentam de sementes.
Distribuição Geográfica




                 CANÁRIO DO MATO (Basileuterus flaveolus)
Também conhecido como pula-pula pelo fato de quase não ficar parado. Tem o
hábito de cantar com a cauda entreaberta e movimentá-la lateralmente para o
lado inverso de onde está a cabeça.
A plumagem é amarelo intenso e oliváceo nas costas com listra superciliar
amarela e longas pernas amareladas ou alaranjadas. O bico é negro,
continuando-se com uma estreita listra escura que passa pelos olhos.
Distribuição Geográfica




                  CANÁRIO DA TERRA (Sicalis flaveola)
O macho possui uma coloração amarela brilhante com macha laranja na testa, já
as fêmeas possuem um amarelo mais pálido. Apreciado por seus dotes canoros, é
aprisionado como pássaro de gaiola no Brasil.
Durante o acasalamento o macho canta em seu território a partir de poleiros
elevados, e eleva a cauda e a cabeça de forma altiva na presença da fêmea.
Distribuição Geográfica




                           CARDEAL (Paroaria coronata)
Também conhecido como cardeal-do-sul, é um pássaro de extraordinária beleza
física e sonora. Por estas características é um pássaro muito caçado. É branco
pardacento com topete ferrugíneo e asas que vão desde a cor cinza escuro até
pretas. São territorialistas no período de reprodução e vivem em bordas de
arrozais, campos com vegetação alta e bordas de matas alimentando-se de grãos.
Distribuição Geográfica




         CARDEAL DO NORDESTE (Paroaria dominicana)
Também conhecido como galinho da campina, possui o corpo branco com asas
escuras manchadas, da cabeça até a garganta, vermelho vivo. Seu bico possui
a parte superior preta e inferior branca.
Vive em bordas de arrozais, campos com vegetação alta e bordas de matas e
são territorialistas no período de reprodução.
MACHO                            Distribuição Geográfica




 FÊMEA




                     CHORÃO (Sporophila leucoptera)
Conhecido também como bico-vermelho, boiadeiro, cigarra-bico-vermelho e
patativa-chorona o macho é cinza nas partes superiores e branco nas
inferiores e a fêmea é marrom-olivácea nas partes superiores e bege-
amarronzada nas inferiores.
Vive solitário ou em pares com um canto como um assovio melancólico e
repetido sem pressa.
Distribuição Geográfica



                MACHO




                     FÊMEA


               CIGARRA VERDADEIRA (Sporophila falcirostris)
Com um canto semelhante ao som emitido pelas cigarras, as fêmeas e os jovens
são pardos, enquanto os machos adultos têm uma plumagem cinza azulado e uma
faixa branca nas penas das asas.
Habitam os campos, banhados, áreas cultiváveis, beiras de estrada, vegetações
arbustivas e bordas de mata. Andam em bandos, muitas vezes mistos.
Distribuição Geográfica



                   MACHO




               FÊMEA




                   COLEIRINHO (Sporophila caerulescens)
Também conhecido como papa-capim, o macho possui a cabeça preta com a
garganta branca, formando um colar incompleto na nuca, já a fêmea é marrom
acinzentada. É a espécie mais comum do gênero no Brasil, atinge a Amazônia em
sua migração durante o inverno. Costuma formar bandos mistos no período de
descanso.
FÊMEA                 Distribuição Geográfica




   MACHO


                   COLEIRO DO BREJO (Sporophila collaris)
O macho possui plumagem de padrão preto e branco ou preto e amarelado-
canela. O alto e os lados da cabeça são negros com duas pequenas manchas
oculares brancas, asas e cauda negras, dorso posterior cinzento, com faixa
peitoral negra, e garganta branca. As fêmeas apresentam coloração parda.
Possui um gorjear rápido e imita outras aves.
Distribuição Geográfica

             MACHO




                 FÊMEA



                         CURIÓ (Sporophila angolensis)
O canto desta espécie é muito estimado, por isso é um dos pássaros canoros
mais valiosos do país. Para muitos, seu canto é similar ao som do violino. Seu
nome na linguagem indígena significa “amigo do homem”.
Possui uma coloração marrom quando novo e depois suas penas ficam pretas
com apenas uma pequena mancha branca e sua barriga e peito ficam na cor
vinho.
Distribuição Geográfica




                         ENCONTRO (Icterus cayanensis)
Também conhecido como Inhapim, de cor negra, apresenta sobre as asas uma
área de penas amareladas.
Vive solitário ou aos pares em bandos mistos nas copas, sugando néctar da flores
ou vasculhando as folhas a procura de insetos. Seu canto é flautado e imita com
perfeição o canto de muitas aves.
MACHO
                                                       Distribuição Geográfica




                            FÊMEA

                          FIM FIM (Euphonia chlorotica)
Também conhecido como fi-fi-verdadeiro, vi-vi, puvi e vem-vem. O macho é preto
com a barriga e o topete amarelo, e a fêmea é verde-olivácea, de fronte amarelada
e ventre esbranquiçado.
No período reprodutivo o macho costuma ficar cantando nas horas mais quentes
do dia, pousado sob a copa. Nessas cantorias, usa um canto próprio: “di-di”, “vi-vi”
ou “fi-fi”, às vezes mesclado com imitações.
Distribuição Geográfica




                    FOGO-APAGOU (Columbina squammata)
É facilmente reconhecido pela plumagem clara barrada de preto.
Emite um canto onomatopéico melodioso, que domina a paisagem sonora nos
locais onde vive. Ao voar produz um forte ruído com o bater das asas, como se
fosse o chocalhar de uma cascavel, vindo daí o seu nome popular “rola-
cascavel”.
Distribuição Geográfica
     FÊMEA




                                MACHO


                   GARIBALDI (Chrysomus ruficapillus)
Também conhecido por dó-ré-mi e pássaro-do-arroz, o macho apresenta
plumagem negra, tendo a coroa, a garganta e o peito em vermelho fosco. A
fêmea apresenta plumagem pardo-olivácea, com barriga e lado superior
estriados de negro e pardacento-claro.
Seu canto é agradável e melodioso, sendo um dos sons mais típicos dos
brejos e banhados brasileiros.
Distribuição Geográfica




                  PÁSSARO PRETO (Gnorimopsar chopi)
Tem a plumagem preta uniforme brilhante. As penas da cabeça são estreitas
e pontudas e o bico também negro.
É um pássaro de canto vigoroso, apreciado por seus dotes de cantor em
muitas regiões do país. Se houver disponibilidade, usa ninhos abandonados de
jaburu, joão-de-barro, ou pica-pau.
Distribuição Geográfica




                      PIMENTÃO (Saltator fuliginosus)
Possui o corpo negro com bico vermelho-pimenta bem destacado.
Vive aos casais no interior da mata, e acompanha bandos mistos à procura de
frutas e sementes.
Seu canto é desenvolvido e pode parecer dialetos regionais.
Distribuição Geográfica




                      MACHO




               FÊMEA



                      PINTASSILGO (Canduelis magellanica)
Possui uma coloração amarelada com a cabeça totalmente preta e as asas
compostas pelas duas cores e um bico afilado.
Desenvolvem cantos complexos, sendo que estes podem imitar até mesmo
outros pássaros e aves. Realizam migrações sazonais fora do período
reprodutivo, associando-se em bandos.
Distribuição Geográfica
FÊMEA




              MACHO


                    PIPIRA PRETA (Tachyphonus rufus)
Conhecida também como encontro-de-prata, o macho é preto-brilhante com
manchas brancas sob as asas, que ficam à mostra durante o vôo, já a fêmea é
marrom. Na época da reprodução, o macho exibe para a fêmea as manchas
brancas que ele tem embaixo das asas, abrindo-as e fechando-as.
Vive quase sempre aos pares e é capaz de pairar no ar para apanhar um
frutinha ou um inseto.
MACHO                                 Distribuição Geográfica




                       FÊMEA

                      PIXOXÓ (Sporophila frontalis)
Também conhecido como chanchão, catatau e estalador, os machos possuem
uma lista branca pós ocular e outra no seguimento da parte inferior do bico.
As fêmeas são parecidas com os machos porém mais esverdeadas e sem as
listas branca.
Tem um canto violento, uma espécie de açoitar.
Distribuição Geográfica




                  SABIÁ-COLEIRA (Turdus albicolllis)
Possui uma coloração marrom acinzentada na parte superior e mais clara na
barriga. Também possui uma coloração diferenciada nas penas do pescoço, no
formato de coleira.
É freqüente em matas subtropicais como sub-bosques de bambu, na Mata
Atlântica, montanhas e matas de araucária.
Distribuição Geográfica




                 SABIÁ LARANJEIRA (Turdus rufiventris)
Possui uma coloração marrom acinzentada com a barriga totalmente
alaranjada. É a ave símbolo nacional do Brasil, canta ate de madrugada
durante o período de acasalamento.
Toma demorados banhos de chuva, arranca minhocas no solo úmido e bica
frutos nos pomares.
Distribuição Geográfica




                 SABIÁ DE CABEÇA CINZA (Turdus leucomelas)
Possui a coloração marrom acinzentada na parte superior, e mais claro na
parte inferior.
Agressivo, domina outros sabiás, sendo páreo apenas para o sabiá laranjeira.
O casal torna-se agressivo durante o período de acasalamento, afugentando
outras aves de seu território.
Distribuição Geográfica




                   SABIÁ POCA (Turdus amaurochalinus)
Possui uma coloração escura entre o olho e o bico. Sua cabeça é mais achatada,
parecendo que o bico está no plano da testa. O papo possui riscos brancos e em
algumas aves parecem ter uma gola branca separando os riscos do peito.
Seu canto é um piado traduzido por póca, nome tupi para barulho. Na época da
reprodução, aparecem com o bico amarelo vivo.
FÊMEA                                         Distribuição Geográfica




                         MACHO




                        SAÍ AZUL (Dacnis cayana)
O macho é azul claro com penas negras no dorso e em volta dos olhos, as
pernas vermelho-claras, enquanto a fêmea é verde com a cabeça azulada e
pernas alaranjadas.
Seu canto é um gorjear fraco. Vive normalmente aos pares ou em pequenos
grupos e alimentam-se de néctar, insetos e frutos.
Distribuição Geográfica

             FÊMEA




              MACHO




                    SAÍRA AMARELA (Tangara cayana)
O macho possui uma plumagem de coloração amarelo prateada e uma
notável máscara negra, que se estende pela garganta e passa pelo meio de
toda a barriga. A fêmea é mais pálida e não possui a máscara de cor negra.
Em ambos os sexos as asas apresentam uma coloração verde brilhante.
Vive aos pares ou em pequenos grupos e habitam matas abertas e ciliares,
áreas cultivadas, parques e jardins.
MACHO                             Distribuição Geográfica




               FÊMEA



                  SANHAÇU CINZENTO (Thraupis sayaca)
Tem o corpo cinzento, ligeiramente azulado e é conhecido por realizar
acrobacias na disputa por frutas. Um dos pássaros mais conhecidos do
Brasil oriental, comum em cidades, parques e jardins.
Fora do período reprodutivo torna-se nômade, dispersando-se em grupos.
Tem um canto longo entrecortado pelo som de notas altas e baixas.
Distribuição Geográfica



MACHO
                                       FÊMEA




                    SOLDADINHO (Antilophia galeata)
 Também conhecido como tangará-rei, o macho possui uma vasta crista
 vermelho vivo que vai do alto da cabeça até o meio das costas, com penas
 negras no restante do corpo. Sobre o bico, um tufo de penas mais
 compridas e dirigidas para a frente tem um formato marcante, originando o
 nome mais comum desta ave. A fêmea tem a plumagem de cor verde.
Distribuição Geográfica




                   TICO-TICO (Zonotrichia capensis)
Possui a coloração marrom alaranjada com manchas pretas e brancas
intercaladas na cabeça. É o pássaro mais popular do Brasil, graças a sua
adaptabilidade em viver ao lado do homem.
Seu canto melodioso atrai a atenção de todos, e como muitos outros
pássaros, inclui em seu repertorio um canto da madrugada.
Distribuição Geográfica




            TICO TICO DO BANHADO (Donacospiza albifrons)
Possui uma cauda comprida, larga e flexível. O dorso é estriado de negro e
faixas brancas na fronte.
Vivem aos pares ou em pequenos grupos e vasculham a base das plantas em
busca de insetos e artrópodes. Canta sobre poleiros expostos ou em curtos
vôos sobre a vegetação.
MACHO                            Distribuição Geográfica




                 FÊMEA



                 TICO-TICO-REI (Coryphospingus cucullatus)
No macho, o forte avermelhado da maior parte do corpo destaca as asas e
cauda escuras, além da área branca ao redor dos olhos. No alto da cabeça,
o topete vermelho vivo no centro, bordejado por uma linha negra de cada
lado. Pode ser ereto ou ficar em descanso, mas é sempre chamativo. A
fêmea não possui topete nem a área branca ao redor dos olhos e a
coloração é mais alaranjada.
MACHO
                                          Distribuição Geográfica




           FÊMEA




                 TICO-TICO-REI-CINZA (Coryphospingus pileatus)
Também é conhecido como galinho da serra ou abre-fecha, possui uma
coloração cinza e somente o macho exibe mancha vermelha no topete
preto quando excitado.
Vivem nas árvores e também no solo, por vezes em pequenos grupos ou
solitário.
Distribuição Geográfica




              TICO TICO DO MATO (Arremon semitorquatus)
Conhecido também como pai-pedro, coroado, salta-caminho, jesus-meu-
deus, o macho possui a parte inferior branco-acinzentada com uma faixa
preta à altura do peito, formando um colar, os ombros e a parte inferior do
bico são amarelo, e a fêmea apresenta as partes inferiores de coloração
bege com as laterais amarronzadas e a faixa do peito não tão evidente e, às
vezes, interrompida.
Distribuição Geográfica

                    MACHO




                         FÊMEA




                    TIÊ-PRETO (Tachyphonus coronatus)
Também conhecido como gurundi, o macho é preto brilhante com uma estreita
faixa vermelha no alto da cabeça e branco debaixo das asas, a fêmea é toda
marrom.
Vivem aos casais em bandos mistos e voa empoleirando-se nos altos das
árvores para cantar. Procura por frutos, néctar de flores e insetos.
MACHO                                 Distribuição Geográfica




            FÊMEA

                  TIÊ SANGUE (Ramphocelus bresilius)
Também conhecido como sangue-de-boi, tiê-fogo e tapiranga, é uma ave
reconhecida pela beleza de sua plumagem vermelho vivo presente no macho,
assim como a calosidade branca reluzente na base da mandíbula usada para
atrair a fêmea para o acasalamento. A plumagem da fêmea é de cor parda
nas partes superiores e marrom-avermelhada nas inferiores, e parte das
asas e da cauda são pretas.
MACHO                               Distribuição Geográfica




              FÊMEA


                          TIZIU (Volatinia jacarina)
O macho possui uma coloração totalmente preta, já a fêmea é parda. Fora
do período de acasalamento o macho muda para uma plumagem de descanço
reprodutivo semelhante a plumagem da fêmea.
O macho canta de poleiros elevados, saltando em pleno ar tanto mais alto
quanto mais baixo for o poleiro, competindo com os outros machos em
territórios vizinhos ao seu.
Distribuição Geográfica




              TIÊ SANGUE (Ramphocelus bresilius)



                  TRINCA FERRO (Saltator similis)
Possui uma coloração marrom esverdeada na parte superior e mais clara
na parte inferior. Também possui uma faixa de penas brancas acima de
cada olho. Associa-se a bandos mistos e canta do alto das copas das
matas, mas também visita plantações e parques em cidades,
alimentando-se de frutos e bagas.
Distribuição Geográfica




   Macho                         fêmea



                     BICUDO (Oryzoborus maximiliani)
O macho apresenta coloração preta com uma mancha branca na parte
externa das asas. Seu bico é claro ou manchado de preto. A fêmea apresenta
coloração parda, em tons de castanho.
Seu canto lembra o som de uma flauta, toma postura ereta ao cantar, com o
peito empinado e a cauda abaixada, destacando sua valentia e disposição
para disputas territoriais.
Distribuição Geográfica




 macho                     fêmea


                COLEIRA BAIANA (Sporophila nigricollis)
Também conhecido como baiano, o macho possui um capuz preto da cabeça
ao pescoço, contrastando com as partes superiores oliváceas e com as
partes inferiores mais claras, as fêmeas possuem a cor parda. Ocorrem
também coleiros com as partes inferiores brancas.
Vive em pares e o canto é melodioso e muito agradável.
Distribuição Geográfica




   macho

                                fêmea

                     CHOPIM (Molothrus bonariensis)
Também conhecido como vira-bosta, o macho adulto é preto-azulado, e a
fêmea é marrom-escura.
Essa ave nunca cuida de seus próprios ovos, sempre os bota nos ninhos de
outras aves para que elas criem seus filhotes, e esses podem eliminar do
ninho os verdadeiros filhotes, tendo maior probabilidade de sobrevivência.
Quando abandona o ninho o filhote é alimentado pelos pais adotivos por 15
dias.
Distribuição Geográfica




              MACHO               FÊMEA




                     GOLINHO (Sporophila albogularis)
O macho possui a cabeça enegrecida e o restante das partes superiores
cinza, a garganta branca, cuja tonalidade estende-se para cima, formando
um colar incompleto na nuca. A fêmea é marrom-acinzentados nas partes
superiores e amarelo-esbranquiçados nas inferiores.
Seu canto é um gorjear fino, persistente, bem variado e rápido.
Distribuição Geográfica




                 SABIÁ DA MATA (Turdus fumigatus)
De cor marrom uniforme, mais avermelhada nos lados e peito, possui o bico
escuro e a barriga branca no centro, mesma cor da base da cauda. A
diferenciação entre macho e fêmea é feita apenas pelo canto, que é
característico dos machos.
Distribuição Geográfica




                                 fêmea

       MACHO


                     SABIÁ UNA (Platycichla flavipes)
O macho é preto com as costas e barriga de coloração cinza, a fêmea é
marrom-oliváceo nas partes superiores e marrom-amarelado nas partes
inferiores, com a garganta estriada de marrom-escuro.
O canto é bem variado de duração diferente, e são capazes de imitar outras
aves.
Distribuição Geográfica




                                             .


                POMBA-DE-COLEIRA (Columba fasciata)
Sua distribuição vai da América do norte até o sul da Argentina
É uma ave de cabeça pequena e garganta larga, com os pés
avermelhados.
A coloração varia de um marrom claro, bege e branco, com um colarinho
preto fino na nuca.
Distribuição Geográfica




                    POMBO DOMÉSTICO (Columba livia)
De cabeça pequena e redonda, bico fraco, corpo pesado e plumagem cheia e
macia, o canto territorial é baixo, sendo emitido de bico fechado.
Essa pomba se adaptou perfeitamente à vida nas cidades. Voa bem, move-se
no solo andando com passinhos miúdos e rápidos, mas é considerada um
grave problema ambiental, pois compete por alimento com as espécies
nativas, danifica monumentos com suas fezes e pode transmitir doenças ao
homem.
Distribuição Geográfica




                         IRERÊ (Dendrocygna viduata)
Conhecido também como paturi, freqüenta praias marítimas, rios, banhados,
pantanais, lagos artificiais, arrozais, lagoas, taboais e brejos de todo o Brasil.
Consome sementes, plantas e insetos aquáticas.
Mais ativo durante o crepúsculo, e faz deslocamentos noturnos sobrevoando
as cidades. Sua vocalização é muito agudo e alto, lembrando o barulho de
apitos ou som de brinquedos de borracha.
Distribuição Geográfica




                                                   .



 TARTARUGA-DO-OUVIDO-VERMELHO (Trachemis scripta elegans)
Originária do sul dos Estados Unidos, no Rio Mississipi, é a tartaruga de
estimação mais popular do mundo.
O animal adulto em cativeiro atinge cerca de 30cm, e na natureza cerca
de 40 cm, chegando a viver aproximadamente 40 anos.
INHAMBU DE PERNA VERMELHA
                  (Crypturellus erythropus)


As partes superiores são acastanhadas e o peito cinza
contrasta com o ventre amarelado. As costas e asas são
levemente barradas, sendo pouco visível nos machos.
Alimenta-se de sementes, bagas, caracóis e insetos.




                 distribuição
PERDIZ
                  (Rhynchotus rufescens)

Possui a coloração parda, com as penas das asas listradas, bico fino
alongado e também listras na cabeça. É uma espécie campestre de
grande porte que vive em campos de cerrados, pastos e áreas abertas
com arbustos e touceiras altas. Alimenta-se de cupins, gafanhotos e
outros insetos, e também raízes.




        distribuição
Cartilha zôo viveiro passaro 2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho Carls Tavares
 
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambienteIno impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambienteedsondecristo3
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Rômulo Alexandrino Silva
 
América do sul andina platina
América do sul andina platinaAmérica do sul andina platina
América do sul andina platinaRoberta Sumar
 
Amendoim
AmendoimAmendoim
Amendoimwagcher
 
Boletim da Conjuntura Agropecuária Capixaba 2017 - Incaper
Boletim da Conjuntura Agropecuária Capixaba 2017 - IncaperBoletim da Conjuntura Agropecuária Capixaba 2017 - Incaper
Boletim da Conjuntura Agropecuária Capixaba 2017 - IncaperLuiz Valeriano
 
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - Manejo, produção e comerci...
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - Manejo, produção e comerci...Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - Manejo, produção e comerci...
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - Manejo, produção e comerci...cbsaf
 
Acordo de livre comércio da américa do norte
Acordo de livre comércio da américa do norteAcordo de livre comércio da américa do norte
Acordo de livre comércio da américa do norteDricadiass
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para avesMarília Gomes
 
Agropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaAgropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaBruna M
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do AmendoimKiller Max
 

Mais procurados (20)

produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho produção de Animal Coelho
produção de Animal Coelho
 
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambienteIno impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Biogás e Biodisel
Biogás e BiodiselBiogás e Biodisel
Biogás e Biodisel
 
América do sul andina platina
América do sul andina platinaAmérica do sul andina platina
América do sul andina platina
 
Os quilombolas do Maranhão
Os quilombolas do MaranhãoOs quilombolas do Maranhão
Os quilombolas do Maranhão
 
Amendoim
AmendoimAmendoim
Amendoim
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 
Cadeia alimentar
Cadeia alimentarCadeia alimentar
Cadeia alimentar
 
Energia.pptx
 Energia.pptx Energia.pptx
Energia.pptx
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
 
Boletim da Conjuntura Agropecuária Capixaba 2017 - Incaper
Boletim da Conjuntura Agropecuária Capixaba 2017 - IncaperBoletim da Conjuntura Agropecuária Capixaba 2017 - Incaper
Boletim da Conjuntura Agropecuária Capixaba 2017 - Incaper
 
Região Sudeste do Brasil
Região Sudeste do BrasilRegião Sudeste do Brasil
Região Sudeste do Brasil
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - Manejo, produção e comerci...
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - Manejo, produção e comerci...Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - Manejo, produção e comerci...
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - Manejo, produção e comerci...
 
Acordo de livre comércio da américa do norte
Acordo de livre comércio da américa do norteAcordo de livre comércio da américa do norte
Acordo de livre comércio da américa do norte
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
 
Agropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - GeografiaAgropecuária Brasileira - Geografia
Agropecuária Brasileira - Geografia
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
 

Destaque (10)

Aves e mamíferos
Aves e mamíferosAves e mamíferos
Aves e mamíferos
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Mamíferos
MamíferosMamíferos
Mamíferos
 
Aves e Mamíferos
Aves e MamíferosAves e Mamíferos
Aves e Mamíferos
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
 
Apresentação sobre mamíferos.
Apresentação sobre  mamíferos.Apresentação sobre  mamíferos.
Apresentação sobre mamíferos.
 
IV.5 mamíferos
IV.5 mamíferosIV.5 mamíferos
IV.5 mamíferos
 
6 ano o universo e o sistema solar
6 ano o universo e o sistema solar6 ano o universo e o sistema solar
6 ano o universo e o sistema solar
 
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema SolarAula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
Aula 6º ano - O Universo e o Sistema Solar
 
Aves
AvesAves
Aves
 

Semelhante a Cartilha zôo viveiro passaro 2012

Fotolivro Moradores do quilômetro 20 - Ailtom Castro
Fotolivro Moradores do quilômetro 20 - Ailtom CastroFotolivro Moradores do quilômetro 20 - Ailtom Castro
Fotolivro Moradores do quilômetro 20 - Ailtom Castroailtomcastro
 
Caderno aves exemplos
Caderno aves exemplosCaderno aves exemplos
Caderno aves exemplosAndrBrito48
 
U_AMB Nicoli Lopes - macaco aranha (fauna)
U_AMB Nicoli Lopes - macaco aranha (fauna)U_AMB Nicoli Lopes - macaco aranha (fauna)
U_AMB Nicoli Lopes - macaco aranha (fauna)Nicoli Lopes
 
Animais brasileiros
Animais brasileirosAnimais brasileiros
Animais brasileirosPESC Semed
 
Apresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de RecursoApresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de RecursoMara Almeida
 
Falconidae, Cathartidae e Ramphastidae.
Falconidae, Cathartidae e Ramphastidae.Falconidae, Cathartidae e Ramphastidae.
Falconidae, Cathartidae e Ramphastidae.José Teles Monteiro
 
Cartilha zoo atualizada 2012
Cartilha zoo atualizada 2012Cartilha zoo atualizada 2012
Cartilha zoo atualizada 2012zoopira
 
Apresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de RecursoApresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de RecursoMara Almeida
 
Trabalhos da Geociências
Trabalhos da Geociências Trabalhos da Geociências
Trabalhos da Geociências marquinhos1511
 
AS AVES QUE FREQUENTAM A NOSSA ESCOLA
AS AVES QUE FREQUENTAM A NOSSA ESCOLAAS AVES QUE FREQUENTAM A NOSSA ESCOLA
AS AVES QUE FREQUENTAM A NOSSA ESCOLAjpog
 
As aves que frequentam a nossa escola
As aves que frequentam a nossa escolaAs aves que frequentam a nossa escola
As aves que frequentam a nossa escolajpog
 
GUIA DE OBSERVAÇÃO DE PÁSSAROS.pptx
GUIA DE OBSERVAÇÃO DE PÁSSAROS.pptxGUIA DE OBSERVAÇÃO DE PÁSSAROS.pptx
GUIA DE OBSERVAÇÃO DE PÁSSAROS.pptxGeiza Prado
 
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002Carlos2856
 

Semelhante a Cartilha zôo viveiro passaro 2012 (20)

Aves de portugal 9
Aves de portugal 9Aves de portugal 9
Aves de portugal 9
 
Bichosdoparana aves3
Bichosdoparana aves3Bichosdoparana aves3
Bichosdoparana aves3
 
Fotolivro Moradores do quilômetro 20 - Ailtom Castro
Fotolivro Moradores do quilômetro 20 - Ailtom CastroFotolivro Moradores do quilômetro 20 - Ailtom Castro
Fotolivro Moradores do quilômetro 20 - Ailtom Castro
 
Caderno aves exemplos
Caderno aves exemplosCaderno aves exemplos
Caderno aves exemplos
 
Fauna flora
Fauna floraFauna flora
Fauna flora
 
Calopsit
CalopsitCalopsit
Calopsit
 
Calopsit
CalopsitCalopsit
Calopsit
 
U_AMB Nicoli Lopes - macaco aranha (fauna)
U_AMB Nicoli Lopes - macaco aranha (fauna)U_AMB Nicoli Lopes - macaco aranha (fauna)
U_AMB Nicoli Lopes - macaco aranha (fauna)
 
Animais brasileiros
Animais brasileirosAnimais brasileiros
Animais brasileiros
 
Apresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de RecursoApresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de Recurso
 
Falconidae, Cathartidae e Ramphastidae.
Falconidae, Cathartidae e Ramphastidae.Falconidae, Cathartidae e Ramphastidae.
Falconidae, Cathartidae e Ramphastidae.
 
Bichosdoparana aves2
Bichosdoparana aves2Bichosdoparana aves2
Bichosdoparana aves2
 
Cartilha zoo atualizada 2012
Cartilha zoo atualizada 2012Cartilha zoo atualizada 2012
Cartilha zoo atualizada 2012
 
Apresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de RecursoApresentação Sala de Recurso
Apresentação Sala de Recurso
 
Trabalhos da Geociências
Trabalhos da Geociências Trabalhos da Geociências
Trabalhos da Geociências
 
AS AVES QUE FREQUENTAM A NOSSA ESCOLA
AS AVES QUE FREQUENTAM A NOSSA ESCOLAAS AVES QUE FREQUENTAM A NOSSA ESCOLA
AS AVES QUE FREQUENTAM A NOSSA ESCOLA
 
As aves que frequentam a nossa escola
As aves que frequentam a nossa escolaAs aves que frequentam a nossa escola
As aves que frequentam a nossa escola
 
GUIA DE OBSERVAÇÃO DE PÁSSAROS.pptx
GUIA DE OBSERVAÇÃO DE PÁSSAROS.pptxGUIA DE OBSERVAÇÃO DE PÁSSAROS.pptx
GUIA DE OBSERVAÇÃO DE PÁSSAROS.pptx
 
aves do paraíso
aves do paraísoaves do paraíso
aves do paraíso
 
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
Novoapresentaodomicrosoftpowerpoint 170524223002
 

Cartilha zôo viveiro passaro 2012

  • 1. Distribuição Geográfica FÊMEA MACHO AZULÃO (Cyanoloxia brissonii) De bico avantajado e negro, o macho é azul-escuro, com partes azuis brilhantes. A fêmea e os filhotes são pardos com as partes inferiores um pouco mais claras. Apresenta um bonito canto, por isso é muito apreciado como pássaro de gaiola, tornando-se raro na natureza em virtude da perseguição dos passarinheiros.
  • 2. Distribuição Geográfica BICO DE PIMENTA (Saltator atricollis) Também conhecido como batuqueiro, vive em pequenos grupos ou em pares, executando gritarias coletivas ao amanhecer. Possui uma máscara e o pescoço anterior negros, as partes superiores cinza pardacentas, as partes inferiores são cinza amareladas claras. O bico é grosso, laranja avermelhado. A fêmea possui as mesmas cores porém mais atenuadas,e o bico é vermelho pálido.
  • 3. Distribuição Geográfica BICO-DE-VELUDO (Schistochlamys ruficapillus) Possui a plumagem do dorso azul-acinzentada e uma máscara negra. A garganta, o peito e barriga são acanelados. Vive em áreas arborizadas abertas alimentando-se de frutos e insetos nas copas. É migratória e freqüentemente encontrada aos casais que pousam no topo de pequenas árvores para cantar e observar.
  • 4. MACHO Distribuição Geográfica FÊMEA BIGODINHO (Sporophila lineola) O macho é inconfundível, pelas áreas brancas na cabeça, responsável pelo seu nome comum. Devido ao canto, é apreciado para o comércio ilegal. Alimenta-se basicamente de sementes e vive em pares espalhados durante o período reprodutivo. Costuma formar bandos mistos com outros papa-capins no período de descanso.
  • 5. MACHO Distribuição Geográfica (SÃO 2 CORES: BRANCO E BEGE) FÊMEA CABOCLINHO (Sporophila bouvreuil) Conhecido também como caboclinho-verdadeiro, fradinho, caboclinho-paulista, etc., o macho é de coloração canela, com um boné, asas e cauda pretos e a fêmea é marrom-olivácea nas partes superiores e branco-amarelada nas inferiores. A subespécie S. bouvreuil pileata apresenta variação na cor branca da plumagem. Vive em grupos freqüentemente em meio a outras espécies que também se alimentam de sementes.
  • 6. Distribuição Geográfica CANÁRIO DO MATO (Basileuterus flaveolus) Também conhecido como pula-pula pelo fato de quase não ficar parado. Tem o hábito de cantar com a cauda entreaberta e movimentá-la lateralmente para o lado inverso de onde está a cabeça. A plumagem é amarelo intenso e oliváceo nas costas com listra superciliar amarela e longas pernas amareladas ou alaranjadas. O bico é negro, continuando-se com uma estreita listra escura que passa pelos olhos.
  • 7. Distribuição Geográfica CANÁRIO DA TERRA (Sicalis flaveola) O macho possui uma coloração amarela brilhante com macha laranja na testa, já as fêmeas possuem um amarelo mais pálido. Apreciado por seus dotes canoros, é aprisionado como pássaro de gaiola no Brasil. Durante o acasalamento o macho canta em seu território a partir de poleiros elevados, e eleva a cauda e a cabeça de forma altiva na presença da fêmea.
  • 8. Distribuição Geográfica CARDEAL (Paroaria coronata) Também conhecido como cardeal-do-sul, é um pássaro de extraordinária beleza física e sonora. Por estas características é um pássaro muito caçado. É branco pardacento com topete ferrugíneo e asas que vão desde a cor cinza escuro até pretas. São territorialistas no período de reprodução e vivem em bordas de arrozais, campos com vegetação alta e bordas de matas alimentando-se de grãos.
  • 9. Distribuição Geográfica CARDEAL DO NORDESTE (Paroaria dominicana) Também conhecido como galinho da campina, possui o corpo branco com asas escuras manchadas, da cabeça até a garganta, vermelho vivo. Seu bico possui a parte superior preta e inferior branca. Vive em bordas de arrozais, campos com vegetação alta e bordas de matas e são territorialistas no período de reprodução.
  • 10. MACHO Distribuição Geográfica FÊMEA CHORÃO (Sporophila leucoptera) Conhecido também como bico-vermelho, boiadeiro, cigarra-bico-vermelho e patativa-chorona o macho é cinza nas partes superiores e branco nas inferiores e a fêmea é marrom-olivácea nas partes superiores e bege- amarronzada nas inferiores. Vive solitário ou em pares com um canto como um assovio melancólico e repetido sem pressa.
  • 11. Distribuição Geográfica MACHO FÊMEA CIGARRA VERDADEIRA (Sporophila falcirostris) Com um canto semelhante ao som emitido pelas cigarras, as fêmeas e os jovens são pardos, enquanto os machos adultos têm uma plumagem cinza azulado e uma faixa branca nas penas das asas. Habitam os campos, banhados, áreas cultiváveis, beiras de estrada, vegetações arbustivas e bordas de mata. Andam em bandos, muitas vezes mistos.
  • 12. Distribuição Geográfica MACHO FÊMEA COLEIRINHO (Sporophila caerulescens) Também conhecido como papa-capim, o macho possui a cabeça preta com a garganta branca, formando um colar incompleto na nuca, já a fêmea é marrom acinzentada. É a espécie mais comum do gênero no Brasil, atinge a Amazônia em sua migração durante o inverno. Costuma formar bandos mistos no período de descanso.
  • 13. FÊMEA Distribuição Geográfica MACHO COLEIRO DO BREJO (Sporophila collaris) O macho possui plumagem de padrão preto e branco ou preto e amarelado- canela. O alto e os lados da cabeça são negros com duas pequenas manchas oculares brancas, asas e cauda negras, dorso posterior cinzento, com faixa peitoral negra, e garganta branca. As fêmeas apresentam coloração parda. Possui um gorjear rápido e imita outras aves.
  • 14. Distribuição Geográfica MACHO FÊMEA CURIÓ (Sporophila angolensis) O canto desta espécie é muito estimado, por isso é um dos pássaros canoros mais valiosos do país. Para muitos, seu canto é similar ao som do violino. Seu nome na linguagem indígena significa “amigo do homem”. Possui uma coloração marrom quando novo e depois suas penas ficam pretas com apenas uma pequena mancha branca e sua barriga e peito ficam na cor vinho.
  • 15. Distribuição Geográfica ENCONTRO (Icterus cayanensis) Também conhecido como Inhapim, de cor negra, apresenta sobre as asas uma área de penas amareladas. Vive solitário ou aos pares em bandos mistos nas copas, sugando néctar da flores ou vasculhando as folhas a procura de insetos. Seu canto é flautado e imita com perfeição o canto de muitas aves.
  • 16. MACHO Distribuição Geográfica FÊMEA FIM FIM (Euphonia chlorotica) Também conhecido como fi-fi-verdadeiro, vi-vi, puvi e vem-vem. O macho é preto com a barriga e o topete amarelo, e a fêmea é verde-olivácea, de fronte amarelada e ventre esbranquiçado. No período reprodutivo o macho costuma ficar cantando nas horas mais quentes do dia, pousado sob a copa. Nessas cantorias, usa um canto próprio: “di-di”, “vi-vi” ou “fi-fi”, às vezes mesclado com imitações.
  • 17. Distribuição Geográfica FOGO-APAGOU (Columbina squammata) É facilmente reconhecido pela plumagem clara barrada de preto. Emite um canto onomatopéico melodioso, que domina a paisagem sonora nos locais onde vive. Ao voar produz um forte ruído com o bater das asas, como se fosse o chocalhar de uma cascavel, vindo daí o seu nome popular “rola- cascavel”.
  • 18. Distribuição Geográfica FÊMEA MACHO GARIBALDI (Chrysomus ruficapillus) Também conhecido por dó-ré-mi e pássaro-do-arroz, o macho apresenta plumagem negra, tendo a coroa, a garganta e o peito em vermelho fosco. A fêmea apresenta plumagem pardo-olivácea, com barriga e lado superior estriados de negro e pardacento-claro. Seu canto é agradável e melodioso, sendo um dos sons mais típicos dos brejos e banhados brasileiros.
  • 19. Distribuição Geográfica PÁSSARO PRETO (Gnorimopsar chopi) Tem a plumagem preta uniforme brilhante. As penas da cabeça são estreitas e pontudas e o bico também negro. É um pássaro de canto vigoroso, apreciado por seus dotes de cantor em muitas regiões do país. Se houver disponibilidade, usa ninhos abandonados de jaburu, joão-de-barro, ou pica-pau.
  • 20. Distribuição Geográfica PIMENTÃO (Saltator fuliginosus) Possui o corpo negro com bico vermelho-pimenta bem destacado. Vive aos casais no interior da mata, e acompanha bandos mistos à procura de frutas e sementes. Seu canto é desenvolvido e pode parecer dialetos regionais.
  • 21. Distribuição Geográfica MACHO FÊMEA PINTASSILGO (Canduelis magellanica) Possui uma coloração amarelada com a cabeça totalmente preta e as asas compostas pelas duas cores e um bico afilado. Desenvolvem cantos complexos, sendo que estes podem imitar até mesmo outros pássaros e aves. Realizam migrações sazonais fora do período reprodutivo, associando-se em bandos.
  • 22. Distribuição Geográfica FÊMEA MACHO PIPIRA PRETA (Tachyphonus rufus) Conhecida também como encontro-de-prata, o macho é preto-brilhante com manchas brancas sob as asas, que ficam à mostra durante o vôo, já a fêmea é marrom. Na época da reprodução, o macho exibe para a fêmea as manchas brancas que ele tem embaixo das asas, abrindo-as e fechando-as. Vive quase sempre aos pares e é capaz de pairar no ar para apanhar um frutinha ou um inseto.
  • 23. MACHO Distribuição Geográfica FÊMEA PIXOXÓ (Sporophila frontalis) Também conhecido como chanchão, catatau e estalador, os machos possuem uma lista branca pós ocular e outra no seguimento da parte inferior do bico. As fêmeas são parecidas com os machos porém mais esverdeadas e sem as listas branca. Tem um canto violento, uma espécie de açoitar.
  • 24. Distribuição Geográfica SABIÁ-COLEIRA (Turdus albicolllis) Possui uma coloração marrom acinzentada na parte superior e mais clara na barriga. Também possui uma coloração diferenciada nas penas do pescoço, no formato de coleira. É freqüente em matas subtropicais como sub-bosques de bambu, na Mata Atlântica, montanhas e matas de araucária.
  • 25. Distribuição Geográfica SABIÁ LARANJEIRA (Turdus rufiventris) Possui uma coloração marrom acinzentada com a barriga totalmente alaranjada. É a ave símbolo nacional do Brasil, canta ate de madrugada durante o período de acasalamento. Toma demorados banhos de chuva, arranca minhocas no solo úmido e bica frutos nos pomares.
  • 26. Distribuição Geográfica SABIÁ DE CABEÇA CINZA (Turdus leucomelas) Possui a coloração marrom acinzentada na parte superior, e mais claro na parte inferior. Agressivo, domina outros sabiás, sendo páreo apenas para o sabiá laranjeira. O casal torna-se agressivo durante o período de acasalamento, afugentando outras aves de seu território.
  • 27. Distribuição Geográfica SABIÁ POCA (Turdus amaurochalinus) Possui uma coloração escura entre o olho e o bico. Sua cabeça é mais achatada, parecendo que o bico está no plano da testa. O papo possui riscos brancos e em algumas aves parecem ter uma gola branca separando os riscos do peito. Seu canto é um piado traduzido por póca, nome tupi para barulho. Na época da reprodução, aparecem com o bico amarelo vivo.
  • 28. FÊMEA Distribuição Geográfica MACHO SAÍ AZUL (Dacnis cayana) O macho é azul claro com penas negras no dorso e em volta dos olhos, as pernas vermelho-claras, enquanto a fêmea é verde com a cabeça azulada e pernas alaranjadas. Seu canto é um gorjear fraco. Vive normalmente aos pares ou em pequenos grupos e alimentam-se de néctar, insetos e frutos.
  • 29. Distribuição Geográfica FÊMEA MACHO SAÍRA AMARELA (Tangara cayana) O macho possui uma plumagem de coloração amarelo prateada e uma notável máscara negra, que se estende pela garganta e passa pelo meio de toda a barriga. A fêmea é mais pálida e não possui a máscara de cor negra. Em ambos os sexos as asas apresentam uma coloração verde brilhante. Vive aos pares ou em pequenos grupos e habitam matas abertas e ciliares, áreas cultivadas, parques e jardins.
  • 30. MACHO Distribuição Geográfica FÊMEA SANHAÇU CINZENTO (Thraupis sayaca) Tem o corpo cinzento, ligeiramente azulado e é conhecido por realizar acrobacias na disputa por frutas. Um dos pássaros mais conhecidos do Brasil oriental, comum em cidades, parques e jardins. Fora do período reprodutivo torna-se nômade, dispersando-se em grupos. Tem um canto longo entrecortado pelo som de notas altas e baixas.
  • 31. Distribuição Geográfica MACHO FÊMEA SOLDADINHO (Antilophia galeata) Também conhecido como tangará-rei, o macho possui uma vasta crista vermelho vivo que vai do alto da cabeça até o meio das costas, com penas negras no restante do corpo. Sobre o bico, um tufo de penas mais compridas e dirigidas para a frente tem um formato marcante, originando o nome mais comum desta ave. A fêmea tem a plumagem de cor verde.
  • 32. Distribuição Geográfica TICO-TICO (Zonotrichia capensis) Possui a coloração marrom alaranjada com manchas pretas e brancas intercaladas na cabeça. É o pássaro mais popular do Brasil, graças a sua adaptabilidade em viver ao lado do homem. Seu canto melodioso atrai a atenção de todos, e como muitos outros pássaros, inclui em seu repertorio um canto da madrugada.
  • 33. Distribuição Geográfica TICO TICO DO BANHADO (Donacospiza albifrons) Possui uma cauda comprida, larga e flexível. O dorso é estriado de negro e faixas brancas na fronte. Vivem aos pares ou em pequenos grupos e vasculham a base das plantas em busca de insetos e artrópodes. Canta sobre poleiros expostos ou em curtos vôos sobre a vegetação.
  • 34. MACHO Distribuição Geográfica FÊMEA TICO-TICO-REI (Coryphospingus cucullatus) No macho, o forte avermelhado da maior parte do corpo destaca as asas e cauda escuras, além da área branca ao redor dos olhos. No alto da cabeça, o topete vermelho vivo no centro, bordejado por uma linha negra de cada lado. Pode ser ereto ou ficar em descanso, mas é sempre chamativo. A fêmea não possui topete nem a área branca ao redor dos olhos e a coloração é mais alaranjada.
  • 35. MACHO Distribuição Geográfica FÊMEA TICO-TICO-REI-CINZA (Coryphospingus pileatus) Também é conhecido como galinho da serra ou abre-fecha, possui uma coloração cinza e somente o macho exibe mancha vermelha no topete preto quando excitado. Vivem nas árvores e também no solo, por vezes em pequenos grupos ou solitário.
  • 36. Distribuição Geográfica TICO TICO DO MATO (Arremon semitorquatus) Conhecido também como pai-pedro, coroado, salta-caminho, jesus-meu- deus, o macho possui a parte inferior branco-acinzentada com uma faixa preta à altura do peito, formando um colar, os ombros e a parte inferior do bico são amarelo, e a fêmea apresenta as partes inferiores de coloração bege com as laterais amarronzadas e a faixa do peito não tão evidente e, às vezes, interrompida.
  • 37. Distribuição Geográfica MACHO FÊMEA TIÊ-PRETO (Tachyphonus coronatus) Também conhecido como gurundi, o macho é preto brilhante com uma estreita faixa vermelha no alto da cabeça e branco debaixo das asas, a fêmea é toda marrom. Vivem aos casais em bandos mistos e voa empoleirando-se nos altos das árvores para cantar. Procura por frutos, néctar de flores e insetos.
  • 38. MACHO Distribuição Geográfica FÊMEA TIÊ SANGUE (Ramphocelus bresilius) Também conhecido como sangue-de-boi, tiê-fogo e tapiranga, é uma ave reconhecida pela beleza de sua plumagem vermelho vivo presente no macho, assim como a calosidade branca reluzente na base da mandíbula usada para atrair a fêmea para o acasalamento. A plumagem da fêmea é de cor parda nas partes superiores e marrom-avermelhada nas inferiores, e parte das asas e da cauda são pretas.
  • 39. MACHO Distribuição Geográfica FÊMEA TIZIU (Volatinia jacarina) O macho possui uma coloração totalmente preta, já a fêmea é parda. Fora do período de acasalamento o macho muda para uma plumagem de descanço reprodutivo semelhante a plumagem da fêmea. O macho canta de poleiros elevados, saltando em pleno ar tanto mais alto quanto mais baixo for o poleiro, competindo com os outros machos em territórios vizinhos ao seu.
  • 40. Distribuição Geográfica TIÊ SANGUE (Ramphocelus bresilius) TRINCA FERRO (Saltator similis) Possui uma coloração marrom esverdeada na parte superior e mais clara na parte inferior. Também possui uma faixa de penas brancas acima de cada olho. Associa-se a bandos mistos e canta do alto das copas das matas, mas também visita plantações e parques em cidades, alimentando-se de frutos e bagas.
  • 41. Distribuição Geográfica Macho fêmea BICUDO (Oryzoborus maximiliani) O macho apresenta coloração preta com uma mancha branca na parte externa das asas. Seu bico é claro ou manchado de preto. A fêmea apresenta coloração parda, em tons de castanho. Seu canto lembra o som de uma flauta, toma postura ereta ao cantar, com o peito empinado e a cauda abaixada, destacando sua valentia e disposição para disputas territoriais.
  • 42. Distribuição Geográfica macho fêmea COLEIRA BAIANA (Sporophila nigricollis) Também conhecido como baiano, o macho possui um capuz preto da cabeça ao pescoço, contrastando com as partes superiores oliváceas e com as partes inferiores mais claras, as fêmeas possuem a cor parda. Ocorrem também coleiros com as partes inferiores brancas. Vive em pares e o canto é melodioso e muito agradável.
  • 43. Distribuição Geográfica macho fêmea CHOPIM (Molothrus bonariensis) Também conhecido como vira-bosta, o macho adulto é preto-azulado, e a fêmea é marrom-escura. Essa ave nunca cuida de seus próprios ovos, sempre os bota nos ninhos de outras aves para que elas criem seus filhotes, e esses podem eliminar do ninho os verdadeiros filhotes, tendo maior probabilidade de sobrevivência. Quando abandona o ninho o filhote é alimentado pelos pais adotivos por 15 dias.
  • 44. Distribuição Geográfica MACHO FÊMEA GOLINHO (Sporophila albogularis) O macho possui a cabeça enegrecida e o restante das partes superiores cinza, a garganta branca, cuja tonalidade estende-se para cima, formando um colar incompleto na nuca. A fêmea é marrom-acinzentados nas partes superiores e amarelo-esbranquiçados nas inferiores. Seu canto é um gorjear fino, persistente, bem variado e rápido.
  • 45. Distribuição Geográfica SABIÁ DA MATA (Turdus fumigatus) De cor marrom uniforme, mais avermelhada nos lados e peito, possui o bico escuro e a barriga branca no centro, mesma cor da base da cauda. A diferenciação entre macho e fêmea é feita apenas pelo canto, que é característico dos machos.
  • 46. Distribuição Geográfica fêmea MACHO SABIÁ UNA (Platycichla flavipes) O macho é preto com as costas e barriga de coloração cinza, a fêmea é marrom-oliváceo nas partes superiores e marrom-amarelado nas partes inferiores, com a garganta estriada de marrom-escuro. O canto é bem variado de duração diferente, e são capazes de imitar outras aves.
  • 47. Distribuição Geográfica . POMBA-DE-COLEIRA (Columba fasciata) Sua distribuição vai da América do norte até o sul da Argentina É uma ave de cabeça pequena e garganta larga, com os pés avermelhados. A coloração varia de um marrom claro, bege e branco, com um colarinho preto fino na nuca.
  • 48. Distribuição Geográfica POMBO DOMÉSTICO (Columba livia) De cabeça pequena e redonda, bico fraco, corpo pesado e plumagem cheia e macia, o canto territorial é baixo, sendo emitido de bico fechado. Essa pomba se adaptou perfeitamente à vida nas cidades. Voa bem, move-se no solo andando com passinhos miúdos e rápidos, mas é considerada um grave problema ambiental, pois compete por alimento com as espécies nativas, danifica monumentos com suas fezes e pode transmitir doenças ao homem.
  • 49. Distribuição Geográfica IRERÊ (Dendrocygna viduata) Conhecido também como paturi, freqüenta praias marítimas, rios, banhados, pantanais, lagos artificiais, arrozais, lagoas, taboais e brejos de todo o Brasil. Consome sementes, plantas e insetos aquáticas. Mais ativo durante o crepúsculo, e faz deslocamentos noturnos sobrevoando as cidades. Sua vocalização é muito agudo e alto, lembrando o barulho de apitos ou som de brinquedos de borracha.
  • 50. Distribuição Geográfica . TARTARUGA-DO-OUVIDO-VERMELHO (Trachemis scripta elegans) Originária do sul dos Estados Unidos, no Rio Mississipi, é a tartaruga de estimação mais popular do mundo. O animal adulto em cativeiro atinge cerca de 30cm, e na natureza cerca de 40 cm, chegando a viver aproximadamente 40 anos.
  • 51. INHAMBU DE PERNA VERMELHA (Crypturellus erythropus) As partes superiores são acastanhadas e o peito cinza contrasta com o ventre amarelado. As costas e asas são levemente barradas, sendo pouco visível nos machos. Alimenta-se de sementes, bagas, caracóis e insetos. distribuição
  • 52. PERDIZ (Rhynchotus rufescens) Possui a coloração parda, com as penas das asas listradas, bico fino alongado e também listras na cabeça. É uma espécie campestre de grande porte que vive em campos de cerrados, pastos e áreas abertas com arbustos e touceiras altas. Alimenta-se de cupins, gafanhotos e outros insetos, e também raízes. distribuição