Grande Porto              TapadaLipor convida             das Mercêscidadãos a                Uma babeltratar os jardins  ...
4 • Cidades • Domingo 24 Abril 2011 “Todas as cidades têm micro-histórias que podem fazer delas cidades globais” Como pode...
Cidades • Domingo 24 Abril 2011 • 5                                                                                       ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Saskia sassen público cidades 24 abril 2011

974 visualizações

Publicada em

Entrevista Saskia Sassen - Público Cidades 24 Abril 2011

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
974
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Saskia sassen público cidades 24 abril 2011

  1. 1. Grande Porto TapadaLipor convida das Mercêscidadãos a Uma babeltratar os jardins de betão ondeem modo bio cabe o mundoPág. 6/9 inteiro Pág. 10/11CidadesNova Iorque Londres Tóquio Paris Hong Kong Domingo, 24 de Abril de 2011Chicago Los Angeles Singapura Sidney SeulBruxelas São Francisco Washington D.C. TorontoPequim Berlim Madrid Viena Boston FrankfurtXangai Buenos Aires Estocolmo ZuriqueMoscovo Barcelona Dubai Roma AmesterdãoCidade do México Montreal Genebra MuniqueMiami São Paulo Banguecoque CopenhagaHouston Taipé Atlanta Istambul Milão CairoDublin Nova Deli Bombaim Osaka Kuala LumpurRio de Janeiro Telavive Manila JoanesburgoJacarta Bogotá Caracas Nairobi GuangzhouBangalore Lagos Carachi Ho Chi Min ShenzhenCalcutá Daca Chongqing Lisboa e Porto nãoestão na lista das cidades globais. Porquê? Págs. 4/5
  2. 2. 4 • Cidades • Domingo 24 Abril 2011 “Todas as cidades têm micro-histórias que podem fazer delas cidades globais” Como podemos mobilizar cidades com a escala de Lisboa ou do Porto? A socióloga Saskia Sassen diz que não devemos ficar obcecados com os lugares nas listas globais, mas procurar as particularidades que tornam as cidades atraentes. Uma cidade pequena pode fazer história, se souber arriscar. Por Lucinda Canelas (texto) e Pedro Cunha (fotografia) a Os teóricos não se cansam das cidades globais também pode insistam que foi uma coisa do explica a socióloga. Tudo se média que está a capacidade de de dizer que o século XXI é o fazer história, mudar o mundo.” Facebook. A tecnologia ajudou, manteve local, porque há a transformar a sociedade, mas nas século das cidades. Saskia Sassen Nova Iorque, Londres, Paris, mas não fez tudo. Só na cidade consciência de que nem tudo elites e naqueles que à partida concorda, mas diz que há ainda Cairo, Tóquio, Hong Kong, Carachi, se pode formar uma multidão. passa pelas grandes cidades, têm menos acesso ao poder. muito a fazer para que elas se Bogotá, São Paulo, Genebra e Podemos ter o mesmo número defende, dando dois exemplos: “A classe média fez história no transformem em territórios de Telavive integram a lista a que de pessoas numa fábrica, numa “A manifestação de 15 Fevereiro período keynesiano, de construção oportunidade para todos. Para Sassen se refere. Estas e outras plantação, mas nunca teremos de 2003, contra a segunda guerra em massa nos subúrbios norte- esta socióloga holandesa que cidades globais são os lugares uma multidão. Uma multidão do Iraque, foi verdadeiramente americanos, onde podíamos foi educada em Buenos Aires em que quase tudo é decidido. exige pessoas diferentes, contextos global [mais de 600 cidades], encontrar grandes casas com e em Roma, e que hoje vive É a partir delas que se dirige a diferentes, sem hierarquias. No com um impacto enorme, e mulheres solitárias e deprimidas entre Nova Iorque e Londres, economia mundial, que se ditam campo ou na fábrica a hierarquia com cidades muito pequenas a – criou uma cultura, um modo de trabalhar o tema da globalização políticas e estratégias que regulam persiste.” participarem. E houve também viver. Hoje é nas elites – que se faz parte de um compromisso as relações internacionais. As O exemplo da Praça Tahir – aquela movimentação, quando as relacionam de cidade para cidade, social que tem muito a ver com a cidades globais são centros de “uma multidão transformadora empresas farmacêuticas quiseram independentemente do país, e palavra “igualdade” e com uma poder, são minimundos, espaços que deitou abaixo um governo processar o Governo da África do que representam um por cento consciência política que parece estratégicos para o capital e para com mais de 30 anos” – é um Sul, porque os hospitais do país da população – e nos imigrantes, ter começado a formar-se quando as pessoas, cujo principal desafio é interessante ponto de partida vendiam medicamentos para o que trazem uma espécie de era ainda criança e comparava a alargar a dinâmica de crescimento para a reflexão sobre o papel que tratamento da sida muito mais cosmopolitismo vernacular às sua vida – na sua casa não havia a todos os sectores de actividade, podem ter os movimentos cívicos baratos do que nos EUA ou na cidades, que muito do futuro se dificuldades e falavam-se sete a todas as classes sociais. E é aqui, num contexto urbano, tenham Europa. Aí tivemos uma grande joga.” línguas, se contarmos com o latim precisamente, que para Sassen se motivações políticas ou sociais, mobilização na África subsariana, Isto não quer dizer, no entanto, e o grego – com a dos bairros joga o futuro das cidades e, por e prova que os países têm muito mas também nas Filipinas e que a classe média tenha perdido pobres da capital argentina. isso, do mundo. a aprender com a capacidade de na Indonésia. Dois momentos a sua importância estrutural na “As nossas cidades globais – e as “Quando falo em igualdade, mobilização das cidades. extraordinários, que só foram orgânica urbana, explica esta nossas cidades em geral – podem não se trata de anular distinções Quando começou a mais recente possíveis porque as cidades se mulher, que momentos anos ser hoje profundamente injustas, sociais, mas de reforçar as crise laboral nos EUA, houve organizaram.” víramos fazer uma conferência em porque são profundamente condições de integração das muitas cidades no Middle West Revoluções como a da Praça espanhol – o “espanhol esquisito” desiguais”, diz ao Cidades na comunidades de imigrantes, de que se manifestaram sem começar Tahir, no Cairo, provam que as de Buenos Aires –, gesticulando sua breve passagem por Lisboa, atenuar as diferenças gigantescas a marchar para Washington DC, cidades globais são mais do que como uma latina e organizando a propósito do congresso que existem, por exemplo, entre como teriam feito no passado, “motores de crescimento dos seus o discurso como uma holandesa internacional de etnologia e os centros de algumas cidades e países” e “portas de acesso aos que dá aulas nas universidades da folclore e do lançamento da rede os seus subúrbios em termos de recursos das suas regiões”, como Ivy League, tem dezenas de livros Global City 2.0. Tornar o espaço infra-estruturas. Porque é que escrevia a revista Foreign Policy em publicados e escreve habitualmente das cidades mais justo e com mais continuamos a admitir que haja A elite urbana 2008. São pontos estratégicos para para publicações como o Guardian, qualidade, explica, passa por um megacidades que até estão nesta reinventar o futuro, em que nascem o New York Times, a Newsweek, o envolvimento político das pessoas lista, com centros desenvolvidos, A lista de cidades que aqui muitos dos acontecimentos que Financial Times e a Foreign Policy. que nele vivem, passa por mudar que têm subúrbios iguais às cidades publicamos na capa deste hoje fazem a História. O melhor que pode acontecer a a forma como se usa o carro e a do terceiro mundo?” suplemento Cidades é do uma cidade, sobretudo em termos electricidade, por ter conta num ano passado e foi feita pela Classe média em crise económicos, continua, é ter uma pequeno banco regional e fazer O exemplo da Praça Tahir consultora A.T. Kearney no As cidades globais são, por classe média gigantesca, porque compras na loja do bairro. O momento que hoje vivemos, âmbito de um projecto com a definição, cosmopolitas, mas o ela gastará a maior parte do seu Saskia Sassen, 62 anos, esteve marcado pela crise económica e revista Foreign Policy. Incluído cosmopolitismo que as caracteriza dinheiro na cidade, “coisa que segunda-feira entre académicos, por revoluções no Médio Oriente, no documento The Urban não vem apenas das elites, como os ricos não fazem, porque não rodeada de 200 mil livros na Ler cria instabilidade nos cidadãos, Elite, este index de 65 cidades no passado, mas das comunidades querem, e os pobres não fazem, Devagar, para falar de movimentos mas também pode ser uma grande globais foi feito com base em imigrantes, cuja grande fatia porque não podem”, e assegurará cívicos na “cidade global”. Este oportunidade de mudança. 25 parâmetros, distribuídos ocupa, na maioria das vezes, os que as empresas terão um lucro conceito, aliás, tornou-se mais Sassen estava em Marrocos por cinco indicadores de níveis mais baixos da hierarquia médio constante. “O problema popular desde que ela escreveu em Fevereiro, quando se deu a globalização: negócios, capital social, defende esta socióloga da classe média é que é a menos The Global City: New York, London, revolução no Cairo e a queda do humano, troca de informação, da globalização que há 30 anos internacionalizada, tende a ser Tokyo, no início dos anos 90, mas presidente Hosni Mubarak. Ficou cultura e envolvimento político. trabalha sobre os problemas da instalada, a manter o mesmo tipo nem por isso esta professora da “absolutamente fascinada” com Neste estudo, a globalização é imigração nos Estados Unidos. de empregos, a arriscar pouco, a Universidade de Columbia gosta a mobilização da Praça Tahir, definida como “a capacidade Ao contrário do que se passava ter uma vida previsível. É por esse de o usar: “Uma cidade global epicentro dos protestos que se de atrair, manter e geral capital entre as décadas de 1950 e 1970 motivo que nela é tão importante é apenas uma cidade com mais estendiam a toda a cidade. “Foi global, pessoas e ideias”. A lista – período de grande consumo na o uso da tecnologia, como vimos responsabilidades. Uma cidade a cidade que tornou tudo aquilo está por ordem decrescente. euforia do pós-Segunda Guerra no Cairo.” Mas até isso, reconhece pequena que não faça parte da lista possível. Irrita-me que as pessoas Mundial –, já não é na classe Sassen, está a mudar, devido à
  3. 3. Cidades • Domingo 24 Abril 2011 • 5 O projecto Global City 2.0 Perceber em que redes determinada cidade se insere e tirar delas benefícios pode ser um dos primeiros passos para o seu desenvolvimento, diz Saskia Sassen. O projecto Global City 2.0, apresentado segunda-feira, a par do lançamento do livro Sociologia da Globalização (Saskia Sassen, Artmed Editora, Brasil), é uma iniciativa da sociedade civil que “vale a pena apoiar”, defende. Quem visitar o link globalcity. blogs.sapo.pt pode aceder a uma série de sites e blogues nacionais e estrangeiros promovidos por cidadãos que gostam de pensar as cidades e os seus problemas. O objectivo, explica João Seixas, geógrafo e investigador do Instituto de Ciências Sociais, é reunir num mesmo espaço virtual diversas iniciativas e “aprender com a experiência dos outros”. L.C. global, ao contrário do que se passava nos velhos impérios, em que uma capital bastava, é dar poder a várias cidades, porque elas são as pontes entre umSaskia sistema global standardizado e osSassen formalismos das economias e dasfotografada culturas nacionais”, explica. “Nesteem Lisboa momento, as especificidades das cidades têm muito mais importância. É por isso que não se trata de olhar para o lugar que Lisboa ocupa na lista, nem para o seu tamanho. O que temos de fazer é procurar a sua particularidade, as diferenças que a tornam atraente para os investidores e as pessoas.” Se vivesse em Lisboa e estivesse a conceber estratégias para a cidade, Sassen começaria por ler muito sobre o seu passado – “Algo que nem todos os urbanistas fazem”, diz – e depois procuraria perceber de que redes internacionais faz parte. “Lisboa tem um porto importante para o país e isso diz- me de imediato que é uma cidade com conhecimento acumulado, que sabe lidar com a realidade complexa de um porto. Esse conhecimento é um capital importante. Basta ver o exemplo de Singapura – um território pequeno, com um porto historicamente importante que ajudou a incluí-la no top ten das cidades globais.” Uma cidade pequena, conclui, pode fazer história, se souber arriscar. Há 30 anos, Curitiba, no Brasil, pôs em curso um programa radical de protecção ambiental que fez dela um paradigma do planeamento urbano. “Todas as cidades têm micro-histórias que podem fazer delas cidades globais.”crise económica. Hoje há uma abrangente poderia melhorar cidade é urgente e mais informal. regulamentos capazes de garantir É caminhando pelas ruas enova geração na classe média que é significativamente a vida nas Ela tem em si a capacidade de uma melhor qualidade do ar. conversando com as pessoas quemenos instalada, porque tem mais cidades: “Acredito que há gerar consensos, porque é mais Saskia Sassen gosta de ir à procuradificuldades do que a dos pais, aspectos cruciais para o bem- concreta e os seus problemas mais O que fazer com Lisboa? destas micro-histórias. Para estamenos empregos qualificados, estar na cidade – como a questão específicos do que os do país.” Alguns problemas parecem mais mulher que passa boa parte do anomenos poder de compra. “E é ambiental, por exemplo, a Mais um exemplo norte- fáceis de resolver, quando se trata a viajar para dar aulas e participaressa classe média descontente que qualidade do ar – que serão americano. Quando há uns anos de cidades globais, mas como em conferências, a noção deestá a fazer as praças Tahir por mais importantes no futuro do 600 governos municipais pediram podem mobilizar-se cidades com pertença a um lugar é ainda muitotodo o lado. É um grande grupo que as nossas diferenças. E as ao governo federal que criasse a escala de Lisboa ou do Porto? importante, mesmo que não consigade pessoas, com formação e sem pessoas que vivem nos grandes leis mais fortes de controlo das Saskia Sassen não conhece bem dizer onde é que ele fica: “Sou umafuturo, que está a fazer a mudança centros urbanos terão de emissões de CO2, a resposta foi estas cidades, mas garante que nómada contemporânea. A minhanas cidades.” arregaçar as mangas e resolver negativa. E que fizeram esses o tamanho não é tudo e que os casa é onde monto a minha tenda, Ainda assim, esta especialista os seus problemas. As cidades poderes locais? Juntaram-se e centros urbanos competem muito por um dia ou umas horas. E issoem globalização garante que são territórios impacientes, processaram o governo. Resultado? menos entre si do que à partida pode ser simplesmente num bomfalta envolvimento político e exigem respostas rápidas, porque Em seguida, cidades como Los pode parecer. café, com uma bela vista para umaque um compromisso social são sistemas abertos. Tudo na Angeles adoptaram por si mesmas “O que interessa nesta economia rua movimentada e confusa.”

×