Renascimento Artístico e Cultural

1.629 visualizações

Publicada em

Slides da aula expositiva sobre Renascimento artístico e cultural.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.629
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
344
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Renascimento Artístico e Cultural

  1. 1. Renascimento Artístico e Cultural Professor José Knust
  2. 2. O “Renascimento” na Escultura, Arquitetura e Pintura. Giorgio Vasari, em Vidas dos mais excelentes arquitetos, pintores e esculturoes italianos, publicado em 1550, usou pela primeira vez a ideia de “Renascer” para se referir às novas tendências da arte italiana de seu tempo.
  3. 3. Myron, Discolobus (c. 480-440 a.C.) Escultura Renascentista Esculturas na Catedral de Chartres (1141) Michelangelo, David (1501- 1504)
  4. 4. Competição em Florença, 1403, para definir o encarregado pelas novas portas do Batistério. Dois panéis, de Ghiberti e Brunelleschi, sobreviveram. Ghiberti Brunelleschi
  5. 5. David, Donatelo (1408-1409) Mármore Museo Nazionale del Bargello, Florença. (1430-1440) Bronze Museo Nazionale del Bargello, Florença Nu Contrapposto
  6. 6. Equestrian statue of Gattamelata , Donatello (1453) Bronze Piazza del Santo, Padua
  7. 7. Michelângelo Pietá (1498-1499) Mármore Basílica de São Pedro. David (1501-1504) Mármore Accademia di Belle Arti, Florença Preocupação com a representação do corpo humano
  8. 8. A arquitetura Renascentista Panteão, Roma (29-19 a.C./118-128 d.C.) Duomo de Milão (início da obra: 1386) Capela dos Pazzi, Florença (projeto de 1429, construção 1441-1460)
  9. 9. Panteão, Roma (29-19 a.C./118-128 d.C.) Duomo de Milão (início da obra: 1386) Capela dos Pazzi, Florença (projeto de 1429, construção 1441-1460)
  10. 10. Influência dos prédios históricos romanos ainda existentes na Itália do Renascimento (mesmo que em ruínas)
  11. 11. Classicismo Retomada dos elementos da arquitetura clássica (grecorromana): Preocupação com simetria e proporção. Inspiração em figuras geométricas perfeitas (triângulos, quadrados e círculos); O classicismo (retomada de elementos da cultura grecorromana) se repete em vários outros ramos da arte e do pensamento renascentista.
  12. 12. • Basílica de São Pedro (1506-1626)
  13. 13. • Basílica de São Pedro (1506-1626)
  14. 14. Brunelleschi: a redescoberta do clássico e o desenvolvimento técnico Domo da Catedral de Santa Maria del Fiore, Florença (1436)
  15. 15. Bramante: o domínio da linguagem clássica Tempietto, Igreja de San Pietro in Montorio, Roma (1502)
  16. 16. Palladio: a superação dos clássicos Villa Capra, La Rotonda, Vicenza (1592)
  17. 17. A Pintura Renascentista Compare as duas pinturas e diga qual lhe parece ser renascentista Compare a posição dos personagens retratados nas duas pinturas.
  18. 18. Sagrada Trindade com a virgem, Masaccio (1425-7) Afresco na Igreja de Santa Maria Novella, em Florença.
  19. 19. Sagrada Trindade com a virgem, Masaccio (1425-7) Afresco na Igreja de Santa Maria Novella, em Florença. Primeira obra conhecida a usar os princípios de perspectiva linear de Brunelleschi
  20. 20. O experimento de Brunelleschi
  21. 21. A Expulsão do jardim do Éden Afrescos de Masaccio na Capela Brancacci, Igreja de Santa Maria del Carmine, Florença (1428). O Dinheiro do Tributo
  22. 22. A Expulsão do jardim do Éden Primeira representação do corpo nu na arte europeia desde a Antiguidade. Expressividade dos personagens da pintura No século XVIII, as genitálias foram cobertas. A pintura original foi recuperada apenas durante uma restauração na década de 1980. Vênus dos Médici Escultura romana, cópia de um modelo grego das Vênus Púdicas.
  23. 23. O Dinheiro do Tributo
  24. 24. Técnica do chiaroscuro
  25. 25. O Nascimento da Venus, Botticelli (1483) Têmpera sobre tela. Galleria degli Uffizi, Florença, Itália. Modelo da Vênus Púdica Chiaroscuro Afresco em Pompeia Possível cópia de Anadyomene Venus, de Apelles. Tentativa de cópia da pintura antiga? Interior de um kylix, Héracles e Atena,,Phoinix (ceramista) e Douris (pintor), c. 480-470 a.C. Antikensammlungen, Munique.
  26. 26. Chiaroscuro O Casamento da Virgem Maria , Rafael Sanzio (1504) Óleo sobre madeira. Pinacoteca de Brera, Milão. Perspectiva Linear
  27. 27. Mona Lisa, Leonardo da Vinci (1503-1506/1517) Óleo sobre madeira de álamo. Museu do Louvre. Sfumato
  28. 28. Capela Sistina, afrescos de Michelângelo, Rafael, Botticelli, entre outros
  29. 29. Teto da Capela Sistina, Michelangelo (1508-1512) Criação de Adão Sibila Líbia Importância da representação do corpo humano. Dilúvio
  30. 30. Homem Vitruviano, Leonardo da Vinci (1490) Tinta sobre papel. Gallerie dell'Accademia, Veneza, Itália.
  31. 31. A Escola de Atenas, Rafael Sanzio (1509- 1510) Afresco no Palácio Apostólico, Vaticano. Atenção aos detalhes da feição humana Chiaroscuro Perspectiva Linear Temática da Antiguidade
  32. 32. Humanismo O termo humanista surge no século XVI como uma gíria para se referir aos estudiosos das Artes Liberais – diferenciando-os dos canonistas (estudantes da lei canônica) e dos legistas (estudantes do direito civil)
  33. 33. Humanismo Antropocentrismo • Valorização do Humano. • O Humano como centro das atenções (seja da arte, seja da filosofia, seja da ciência). “Eu te coloquei no centro do mundo, a fim de poderes inspecionar, daí, de todos os lados, da maneira mais cômoda, tudo que existe. Não te fizemos nem celeste, nem terreno, mortal ou imortal, de modo que assim, tu, por ti mesmo, qual modelador e escultor da própria imagem, segundo tua preferência e, por conseguinte, para tua glória, possas retratar a forma que gostarias de ostentar.” Giovanni Pico Della Mirandola. A dignidade do homem. (1486)
  34. 34. Humanismo “No presente, o homem se faz pela posse da razão. Se as árvores e as bestas selvagens crescem, os homens, creiam-me, moldam-se. (...) E aquele que não permite que seu filho seja instruído de forma conveniente não é homem, nem seu filho se tornará um homem. A natureza, ao dar-vos um filho, vos presenteia com uma criatura rude, sem forma, a qual deveis moldar para que se converta em um homem de verdade” Erasmo de Roterdã, Elogio da Loucura. (1511) Valorização do Conhecimento • Erudição Humanista. • Capacidade racional do homem compreender o mundo.
  35. 35. Comparação entre os pensamentos medieval e renascentista Medieval Humanismo Conceito Fundamental Teocentrismo “Deus é o centro de tudo” Antropocentrismo “O Homem é o centro das atenções” Visão sobre o Homem O Homem é um pecador e só encontra algo bom na sua relação com Deus O Homem é a mais perfeita criação de Deus (sua imagem e semelhança), sendo capaz de coisas maravilhosas Visão sobre o conhecimento Tudo que acontece na Natureza deve ser explicado como designo de Deus (explicações são buscadas na fé) A Natureza deve ser explicada por suas próprias regras, que podem ser descobertas através da experiência e investigação
  36. 36. Contexto do Humanismo Mundo urbano italiano • Mudanças na economia, mudanças na sociedade, mudanças na cultura. • Competição social e Mecenato. • Política das cidades-Estado italianas.
  37. 37. Contexto do Humanismo Crise da Igreja • Conflitos internos e perda de prestígio moral da Igreja. • Humanismo como tentativa de “reformar” a Igreja.
  38. 38. Renascimento na Literatura, Música e Ciência Inovações relacionadas ao Humanismo e ao Classicismo também ocorreram em outras áreas das artes e do pensamento.
  39. 39. Literatura Renascentista • Retomada de modelos clássicos – tanto na temática quanto na forma. • Construção de personagens que estruturam em torno de si a narrativa (ascensão da ideia de sujeito). • Elementos que buscam equilíbrio formal (versos decassílabos e sonetos, por exemplo). • Consolidação da literatura em língua vernacular. • Invenção da Imprensa e revolução na forma de circulação dos livros.
  40. 40. Literatura renascentista italiana Dante Alighieri (c.1265–1321) Divina Comédia Francisco Petrarca (1304 –1374) Poesia Lírica (difusor do soneto) Giovane Boccaccio (1313-1375) Decamerão
  41. 41. Literatura renascentista portuguesa Literatura renascentista espanhola Miguel de Cervantes (1547-1616) Dom Quixote de la Mancha Luís de Camões (1524-1580) Os Lusíadas Garcilaso de la Vega (1501-1536) Poeta Gil Vicente (1465-1536) Dramaturgo
  42. 42. Literatura renascentista francesa Literatura renascentista inglesa William Shakespeare Dramaturgo (1554-1616) François Rabelais (1483-1553) Gargantua e Pantagruel
  43. 43. Música renascentista • Mudança de contexto da produção musical: passagem da música religiosa para a música de corte. • Longo e lento processo de transformações. • Experimentação e superação de cânones da música medieval. • Desenvolvimento de novas formas de combinação de elementos, vozes e novos instrumentos.
  44. 44. Renascimento e Revolução Científica • Valorização da razão e da observação da natureza. • Secularização do conhecimento: depende da investigação, e não da iluminação divina. • Recuperação da ciência e da matemática grecorromana. • Incorporação da ciência islâmica e oriental. Heliocentrismo  Nicolau Copernico (1473–1543): modelos matemáticos sobre movimento dos planetas.  Galileu Galilei (1564–1642): desenvolvimento do telescópio e da observação dos corpos celestes.  Johannes Kepler (1571–1630): identificação do modelo matemático de movimento dos corpos celestes.
  45. 45. Renascimento e Revolução Científica Francis Bacon (1521- 1626) e o Empirismo  Crítica à especulação filosófica.  Observação metódica e verificação empírica.  Método indutivo. Rene Descartes (1596- 1650) e o Racionalismo  Ceticismo Metodológico  Verificar, Analisar, Sintetizar, Enumerar. Bases do Método Científico
  46. 46. Renascimento e Revolução Científica Isaac Newton (1643-1727): fundador da ciência moderna • Ciência como o estudo sistemático e metódico para a descoberta de leis universais formuladas de maneira precisa.

×