CORAÇÕES INQUIETOSProfessor José Ferreira Júnior
SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJA Precursor e orientador de SantoAgostinho. Santo Ambrósio descendia deuma influente ...
SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJAO bispo de Milão havia morrido em374 e houve polêmica para a escolhade seu sucessor....
SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJASua principal contribuição para opensamento cristão da Idade Média foiestabelecer com...
SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJA Isso aconteceu porque os cristãos formavamum grupo numeroso na sociedade, que secomp...
SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJA Escreveu várias cartas para os diferentesgovernantes que administravam o Império,nas...
SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJAComo bispo, ele era o instrumentopor meio do qual as bênçãos ouas condenações divinas...
SANTO AGOSTINHO“Compreenderpara crer, crerparacompreender”.(Santo Agostinho)
SANTO AGOSTINHO No processo de desenvolvimento docristianismo, tornou-se necessárioexplicar seus preceitos às autoridades...
SANTO AGOSTINHO Foi assim que os primeiros padres da Igrejase empenharam na elaboração de diversostextos sobre a fé e a r...
SANTO AGOSTINHO: VIDA Nome: Aureliano Agostinho; Nasceu em Tagaste (África), no ano de354; Morreu em Hipona (Argélia), ...
SANTO AGOSTINHO:FORMAÇÃO INTELECTUAL Despertou 1ª para a filosofia com a leitura deCÍCERO. Posteriormente, deixou-se inf...
SANTO AGOSTINHO: CONVERSÃOAO CRISTIANISMO Cresceu e se aprofundou, então, emAgostinho uma grande crise existencial,uma in...
SANTO AGOSTINHO:A SUPERIORIDADE DA ALMA SOBRE O CORPO Em sua obra, argumenta sobre aSUPREMACIA DO ESPÍRITO SOBRE OCORPO....
SANTO AGOSTINHO:BOAS OBRAS OU GRAÇA DIVINA? Segundo o filósofo, o homem que trilha avia do pecado só consegue retornar ao...
SANTO AGOSTINHO:BOAS OBRAS OU GRAÇA DIVINA? A doutrina da predestinação à salvação foi,posteriormente, adotada por alguns...
SANTO AGOSTINHO:BOAS OBRAS OU GRAÇA DIVINA?A condenação do pelagianismo seexplica pelo fato de que conservava anoção greg...
SANTO AGOSTINHO:BOAS OBRAS OU GRAÇA DIVINA?Enquanto na filosofia grega oindivíduo se identificava com ocidadão, a filosof...
SANTO AGOSTINHO:LIBERDADE HUMANA E PECADOVontade  é uma força quedetermina a vida e não umafunção específica ligada aoin...
SANTO AGOSTINHO:LIBERDADE HUMANA E PECADOIsso significa que a LIBERDADEHUMANA é própria da vontade, enão da razão.E é ni...
SANTO AGOSTINHO:PRECEDÊNCIA DA FÉ SOBRE A RAZÃOAgostinho discutiu a diferençaexistente entre fé cristã e razão,afirmando ...
SANTO AGOSTINHO:PRECEDÊNCIA DA FÉ SOBRE A RAZÃOBaseando-se no profeta bíblicoIsaias, dizia ser necessário CRERPARA COMPRE...
SANTO AGOSTINHO:A HERANÇA DO HELENISMOO pensamento agostiniano refleteos principais passos de suatrajetória intelectual a...
SANTO AGOSTINHO:A HERANÇA DO HELENISMODo MANIQUEISMO ficou uma concepção dualista noâmbito moral, simbolizada pela lutae...
SANTO AGOSTINHO:A HERANÇA DO HELENISMODo CETICISMO ficou a permanentedesconfiança nos dados dossentidos, isto é, noconhe...
SANTO AGOSTINHO:A HERANÇA DO HELENISMODo PLATONISMO assimilou a concepção de que a verdade,como conhecimento eterno, dev...
BIBLIOGRAFIA CHALITA, Gabriel. Vivendo a Filosofia. 4 ed. SãoPaulo: Ática, 2012. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS,...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cap 6 Corações Inquietos

1.595 visualizações

Publicada em

Filosofia da Idade Média

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.595
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
504
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap 6 Corações Inquietos

  1. 1. CORAÇÕES INQUIETOSProfessor José Ferreira Júnior
  2. 2. SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJA Precursor e orientador de SantoAgostinho. Santo Ambrósio descendia deuma influente família romanaconvertida ao cristianismo. Nascido na Gália, estudoufilosofia, retórica e filosofia. Transferiu-se para Milão, ondeviveu os anos mais importantesde sua carreira.
  3. 3. SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJAO bispo de Milão havia morrido em374 e houve polêmica para a escolhade seu sucessor.Sto. Ambrósio já se destacava comoum influente membro da Igreja: seunome foi sugerido como alternativaconciliadora, com grandereceptividade, sendo nomeado bispono mesmo ano.
  4. 4. SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJASua principal contribuição para opensamento cristão da Idade Média foiestabelecer com firmeza as relaçõesentre o Estado (o Império) e a Igreja.Tornou-se necessário determinar comoas duas instituições deviam serelacionar, pois o cristianismo já exercia,no início da Idade Média, uma influênciasignificativa na política.
  5. 5. SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJA Isso aconteceu porque os cristãos formavamum grupo numeroso na sociedade, que secomportava conforme as orientações moraisdos sacerdotes da Igreja. No Império Romano os cristãos constituíam amaioria da população; mesmo entre osgovernantes, havia muitos seguidores docristianismo. Sto. Ambrósio foi talentoso em sua atuaçãocomo líder da Igreja e hábil político.
  6. 6. SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJA Escreveu várias cartas para os diferentesgovernantes que administravam o Império,nas quais dava conselhos, faziareivindicações para a Igreja e os cristãos, eos advertia para que eles se portassemsegundo a moral cristã. A justificativa usada por Sto. Ambrósio paraexercer sua autoridade e intervir nosassuntos de Estado provinha de suacondição de representante da Igreja fundadapor Cristo e, portanto, de mediador entreDeus e os assuntos humanos.
  7. 7. SANTO AMBRÓSIO, “ESTADISTA” DAIGREJAComo bispo, ele era o instrumentopor meio do qual as bênçãos ouas condenações divinas eramaplicadas.Segundo ele, todo cidadão deviaprestar serviço militar ao Império,o imperador devia se submeter àverdade revelada por Deus.
  8. 8. SANTO AGOSTINHO“Compreenderpara crer, crerparacompreender”.(Santo Agostinho)
  9. 9. SANTO AGOSTINHO No processo de desenvolvimento docristianismo, tornou-se necessárioexplicar seus preceitos às autoridadesromanas e ao povo em geral. A Igreja Católica sabia que esses preceitosnão podiam simplesmente ser impostospela força. Tinham de ser apresentados demaneira convincente, mediante um trabalhode pregação e conquista espiritual.
  10. 10. SANTO AGOSTINHO Foi assim que os primeiros padres da Igrejase empenharam na elaboração de diversostextos sobre a fé e a revelação cristã. O conjunto desses textos ficou conhecidocomo PATRÍSTICA, por terem sido escritosprincipalmente por esses grandes padresda Igreja. Uma das principais correntes da filosofiapatrística, inspirada na filosofia grego-romana, tentou munir a fé de argumentosracionais.
  11. 11. SANTO AGOSTINHO: VIDA Nome: Aureliano Agostinho; Nasceu em Tagaste (África), no ano de354; Morreu em Hipona (Argélia), no ano de430. Onde foi bispo da Igreja Católica. Até completar 32 anos  não era cristão.Havia tido até uma vida voltada aosprazeres do mundo e, de uma ligaçãoamorosa ilícita para a época, nascera-lheAdeodato. Foi professor de retórica em escolasromanas.
  12. 12. SANTO AGOSTINHO:FORMAÇÃO INTELECTUAL Despertou 1ª para a filosofia com a leitura deCÍCERO. Posteriormente, deixou-se influenciar peloMANIQUEÍSMO (doutrina persa que afirmavaser o universo dominado por dois grandesprincípios opostos, o BEM e o MAL, mantendo-se uma incessante luta entre si). Mais tarde, insatisfeito com o maniqueísmo,viajou para Roma e Milão, entrando em contatocom o CETICISMO e, depois com oNEOPLATONISMO.
  13. 13. SANTO AGOSTINHO: CONVERSÃOAO CRISTIANISMO Cresceu e se aprofundou, então, emAgostinho uma grande crise existencial,uma inquietação quase desesperada embusca de sentido para a vida. Foi nesse período crítico que ele seencontrou com Santo Ambrósio, bispo deMilão, sentindo-se extremamente atraídopor suas pregações. Pouco tempo depois, converteu-se aocristianismo, tornando-se seu grandedefensor pelo resto da vida.
  14. 14. SANTO AGOSTINHO:A SUPERIORIDADE DA ALMA SOBRE O CORPO Em sua obra, argumenta sobre aSUPREMACIA DO ESPÍRITO SOBRE OCORPO. Para ele, a alma teria sido criada por Deuspara reinar sobre o corpo, para dirigi-lo àprática do bem. A verdadeira liberdade estaria naharmonia das ações humanas com avontade de Deus. Ser livre é servir a Deus, pois o prazer depecar é a escravidão.
  15. 15. SANTO AGOSTINHO:BOAS OBRAS OU GRAÇA DIVINA? Segundo o filósofo, o homem que trilha avia do pecado só consegue retornar aoscaminhos de Deus e da salvação mediantea combinação de seu esforço pessoal devontade e a concessão, imprescindível, dagraça divina. Sem a graça de Deus, o homem nada podeconseguir. Mas nem todas as pessoas deverãoreceber essa graça, mas somente osPREDESTINADOS à salvação.
  16. 16. SANTO AGOSTINHO:BOAS OBRAS OU GRAÇA DIVINA? A doutrina da predestinação à salvação foi,posteriormente, adotada por alguns ramosda teologia protestante. Pelágio, afirmava que a boa vontade e asboas obras humanas seriam suficientespara a salvação individual. Era a doutrinado PELAGIANISMO. Agostinho colocou-se contra essa doutrinae, no concílio de Cartago do ano de 417, opapa Zózimo condenou o pelagianismocomo heresia.
  17. 17. SANTO AGOSTINHO:BOAS OBRAS OU GRAÇA DIVINA?A condenação do pelagianismo seexplica pelo fato de que conservava anoção grega de autonomia da vida moralhumana, isto é, a noção de que ohomem pode salvar-se por si só, sendobom e fazendo boas obras, sem anecessidade da ajuda divina.Essa noção chocava com a idéia desubmissão total do homem ao Deuscristão, defendida pela Igreja.
  18. 18. SANTO AGOSTINHO:BOAS OBRAS OU GRAÇA DIVINA?Enquanto na filosofia grega oindivíduo se identificava com ocidadão, a filosofia cristã agostinianaenfatiza no indivíduo sua vinculaçãopessoal com Deus, aresponsabilidade de cada indivíduopelos seus atos e exalta a salvaçãoindividual.
  19. 19. SANTO AGOSTINHO:LIBERDADE HUMANA E PECADOVontade  é uma força quedetermina a vida e não umafunção específica ligada aointelecto.Agostinho contrapõe-se, dessaforma, ao intelectualismo moral,que teve sua expressão máximaem Sócrates.
  20. 20. SANTO AGOSTINHO:LIBERDADE HUMANA E PECADOIsso significa que a LIBERDADEHUMANA é própria da vontade, enão da razão.E é nisso que reside a fonte dopecado. O indivíduo peca porqueusa de seu livre-arbítrio parasatisfazer uma vontade má,mesmo sabendo que tal atitude épecaminosa.
  21. 21. SANTO AGOSTINHO:PRECEDÊNCIA DA FÉ SOBRE A RAZÃOAgostinho discutiu a diferençaexistente entre fé cristã e razão,afirmando que a fé nos faz crer emcoisas que nem sempreentendemos pela razão.“Creio tudo o que entendo, masnem tudo que creio tambémentendo. Tudo o que compreendoconheço, mas nem tudo que creioconheço.”
  22. 22. SANTO AGOSTINHO:PRECEDÊNCIA DA FÉ SOBRE A RAZÃOBaseando-se no profeta bíblicoIsaias, dizia ser necessário CRERPARA COMPREENDER, pois a féilumina os caminhos da razão, eque a COMPREENSÃO NOSCONFIRMA A CRENÇAposteriormente.
  23. 23. SANTO AGOSTINHO:A HERANÇA DO HELENISMOO pensamento agostiniano refleteos principais passos de suatrajetória intelectual anterior àconversão ao catolicismo, queteve a influência do helenismo.Vejamos:
  24. 24. SANTO AGOSTINHO:A HERANÇA DO HELENISMODo MANIQUEISMO ficou uma concepção dualista noâmbito moral, simbolizada pela lutaentre o bem e o mal, a luz e astrevas, a alma e o corpo. Insistia emque já nascemos pecadores esomente um esforço conscientepode nos fazer superar essadeficiência natural.
  25. 25. SANTO AGOSTINHO:A HERANÇA DO HELENISMODo CETICISMO ficou a permanentedesconfiança nos dados dossentidos, isto é, noconhecimento sensorial,conhecimento que nosapresenta uma multidão deseres mutáveis, flutuantes etransitórios.
  26. 26. SANTO AGOSTINHO:A HERANÇA DO HELENISMODo PLATONISMO assimilou a concepção de que a verdade,como conhecimento eterno, deveria serbuscada intelectualmente no “mundo dasidéias”. Defendeu a via do autoconhecimento, ocaminho da interioridade, comoinstrumento legítimo para a busca daverdade. Somente o íntimo de nossaalma, iluminada por Deus, poderia atingira verdade das coisas.
  27. 27. BIBLIOGRAFIA CHALITA, Gabriel. Vivendo a Filosofia. 4 ed. SãoPaulo: Ática, 2012. ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, MariaHelena Pires. Filosofando: introdução à Filosofia.São Paulo; Ática, 1993. COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia:história e grandes temas. 16 ed. reform. e ampl.São Paulo: Saraiva, 2006.

×